Impressão de xilogravura

Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Ir para navegação Pular para pesquisar

O intrincado frontispício do Sutra do Diamante da Dinastia Tang da China, o livro impresso datado mais antigo do mundo, AD 868 ( Biblioteca Britânica )

A impressão em xilogravura ou impressão em bloco é uma técnica de impressão de texto, imagens ou padrões amplamente utilizada em todo o Leste Asiático e originária da China na antiguidade como método de impressão em têxteis e posteriormente em papel . Como método de impressão em tecido , os primeiros exemplos sobreviventes da China datam de antes de 220 DC. A impressão em xilogravura existia na China Tang por volta do século 7 DC e permaneceu como o método mais comum do Leste Asiático de imprimir livros e outros textos, bem como imagens, até o século XIX. Ukiyo-e é o tipo mais conhecido de xilogravura japonesaCópia da arte. A maioria dos usos europeus da técnica de impressão de imagens em papel são cobertos pelo termo arte xilogravura , exceto para os blocos de livros produzidos principalmente no século XV.

História

Xilogravura colorida Buda, século 10, China
Edição em xilogravura da dinastia Yuan de uma peça chinesa

Origens

China

De acordo com o Livro do Qi do Sul, na década de 480, um homem chamado Gong Xuanyi (龔玄宜) se autodenominou Gong, o Sábio e "disse que um ser sobrenatural havia lhe dado um 'selo de jade em bloco de escrita', que não exigia um escova: uma soprou no papel e os personagens se formaram. " [1] Ele então usou seus poderes para mistificar um governador local. Eventualmente, ele foi tratado pelo sucessor do governador, que presumivelmente executou Gong. [2] Timothy Hugh Barrett postula que o bloco de jade mágico de Gong era na verdade um dispositivo de impressão, e Gong foi um dos primeiros, senão o primeiro. O registro semimítico dele, portanto, descreve seu uso do processo de impressão para confundir deliberadamente os espectadores e criar uma imagem de misticismo em torno de si mesmo. [3]No entanto, padrões de flores com impressão em xilogravura aplicados à seda em três cores datam da dinastia Han (antes de 220 DC). [4]

O surgimento da imprensa foi muito influenciado pelo Budismo Mahayana. De acordo com as crenças Mahayana, os textos religiosos têm um valor intrínseco para transmitir a palavra do Buda e agem como objetos talismânicos contendo poder sagrado capaz de afastar os espíritos malignos. Ao copiar e preservar esses textos, os budistas poderiam acumular méritos pessoais. Como consequência, a ideia da impressão e suas vantagens na replicação de textos rapidamente se tornaram aparentes para os budistas, que no século 7 estavam usando xilogravuras para criar documentos apotropaicos. Esses textos budistas foram impressos especificamente como itens rituais e não foram amplamente divulgados ou destinados ao consumo público. Em vez disso, foram enterrados em solo consagrado. O primeiro exemplo existente desse tipo de material impresso é um fragmento de um pergaminho em miniatura dhāraṇī (feitiço budista) escrito em sânscrito, desenterrado em uma tumba em Xi'an. É chamado o Grande feitiço da luz pura imaculada ( Wugou jingguang da tuoluoni jing無垢 淨 光大 陀羅尼 經) e foi impresso em xilogravura durante a dinastia Tang, c. 650–670 DC. [5] Uma peça semelhante, o Saddharma pundarika sutra, também foi descoberta e datada de 690 a 699. [6] Isso coincide com o reinado de Wu Zetian , sob o qual o Sukhāvatīvyūha Sūtra mais longo , que defende a prática de impressão apotropaica e de mérito fazendo textos e imagens, foi traduzido por monges chineses. [5] A mais antiga evidência existente de gravuras em xilogravura criadas com o propósito de leitura são partes do Sutra de Lótus descobertas emTurpan em 1906. Eles foram datados do reinado de Wu Zetian usando o reconhecimento de forma de personagem. [5] O texto mais antigo contendo uma data específica de impressão foi descoberto nas Cavernas Mogao de Dunhuang em 1907 por Aurel Stein . Esta cópia do Sutra do Diamante tem 14 pés de comprimento e contém um colofão na extremidade interna, onde se lê: "Reverentemente [feito para ser] feito para distribuição gratuita universal por Wang Jie em nome de seus pais no dia 13 da quarta lua do 9º ano de Xiantong [ou seja, 11 de maio, 868 DC] ". É considerado o pergaminho de xilogravura com data segura mais antigo do mundo. [5]O sutra de diamante foi seguido de perto pelo almanaque impresso mais antigo existente, o Qianfu sinian lishu (乾 符 四 年曆 書), datado de 877. [5]

Espalhe

Placa de bronze para impressão de anúncio da loja de agulhas da família Liu em Jinan , dinastia Song, China. É o primeiro meio de publicidade impresso identificado no mundo.

Evidências de impressão em xilogravura apareceram na Coréia e no Japão logo depois. O Grande Dharani Sutra ( coreano : 무구정광 대 다라니경 / 無垢 淨 光大 陀羅尼 經, romanizadoMuggujeonggwang Daedharanigyeong ) foi descoberto em Bulguksa , Coreia do Sul em 1966 e datado entre 704 e 751 na era de Silla Posterior . O documento é impresso em um rolo de papel de amora de 8 cm × 630 cm (3,1 pol × 248,0 pol.) . [7] Um sutra dhāraṇī foi impresso no Japão por volta de 770 DC. Um milhão de cópias do sutra, junto com outras orações, foram encomendadas para serem produzidas pela Imperatriz Shōtoku. Como cada cópia foi armazenada em um minúsculo pagode de madeira, as cópias são conhecidas como Hyakumantō Darani (百万 塔 陀羅尼, "1.000.000 de torres / pagodes Darani"). [5] [8]

A impressão em xilogravura se espalhou pela Eurásia por volta de 1000 DC e pode ser encontrada no Império Bizantino . No entanto, a impressão em tecido só se tornou comum na Europa por volta de 1300. "No século 13, a técnica chinesa de impressão em bloco foi transmitida para a Europa", [9] logo depois que o papel se tornou disponível na Europa.

Dinastia Song

De 932 a 955, os Doze Clássicos e uma variedade de outros textos foram impressos. Durante a dinastia Song , a Diretoria de Educação e outras agências usaram essas gravuras em bloco para divulgar suas versões padronizadas dos Clássicos . Outras obras disseminadas incluem as Histórias , obras filosóficas, enciclopédias, coleções e livros sobre medicina e arte da guerra. [5]

Em 971, o trabalho começou no Cânon Budista Tripiṭaka completo ( Kaibao zangshu開 寶藏 書) em Chengdu . Demorou 10 anos para terminar os 130.000 blocos necessários para imprimir o texto. O produto final, a edição de Sichuan do cânone Kaibao , também conhecido como Kaibao Tripitaka , foi impresso em 983. [5]

Antes da introdução da impressão, o tamanho das coleções particulares na China já havia aumentado desde a invenção do papel. Fan Ping (215–84) tinha em sua coleção 7.000 rolos ( juan ), ou algumas centenas de títulos. Dois séculos depois, Zhang Mian possuía 10.000 juan , Shen Yue (441–513) 20.000 juan e Xiao Tong e seu primo Xiao Mai ambos tinham coleções de 30.000 juan . Diz-se que o imperador Yuan de Liang (508–555) tinha uma coleção de 80.000 juan . O total combinado de todos os colecionadores de livros particulares conhecidos antes da dinastia Song chega a cerca de 200, com o Tang sozinho respondendo por 60 deles. [10]

Após o amadurecimento da xilogravura, surgiram empresas editoriais oficiais, comerciais e privadas, enquanto o tamanho e o número das coleções cresciam exponencialmente. A dinastia Song sozinha é responsável por cerca de 700 coleções particulares conhecidas, mais do que o triplo do número de todos os séculos anteriores combinados. Bibliotecas particulares de 10 a 20.000 juan tornaram-se comuns, enquanto seis indivíduos possuíam coleções de mais de 30.000 juan . O mais antigo catálogo da biblioteca privada Song lista 1.937 títulos em 24.501 juan . A coleção de Zhou Mi numerou 42.000 juan , a coleção de Chen Zhensun lista 3.096 títulos em 51.180 juan e Ye Mengde(1077–1148), bem como uma outra biblioteca individual de 6.000 títulos em 100.000 juan . A maioria dos quais eram de natureza secular. Os textos continham materiais como instruções médicas ou vinham na forma de leishu (類 書), um tipo de livro de referência enciclopédico usado para ajudar os candidatos a exames . [5] [10]

Estabelecimentos imperiais como os Três Institutos: Instituto Zhaowen, Instituto de História e Instituto Jixian também seguiram o exemplo. No início da dinastia, as propriedades dos Três Institutos totalizavam 13.000 juan , no ano 1023 39.142 juan , em 1.068 47.588 juan e em 1127 73.877 juan . Os Três Institutos eram uma das várias bibliotecas imperiais, com outras oito bibliotecas palacianas importantes, sem incluir as academias imperiais. [11] De acordo com Weng Tongwen, no século 11, os escritórios do governo central estavam economizando dez vezes ao substituir manuscritos anteriores por versões impressas. [12] O impacto da impressão de blocos de madeira na sociedade Song é ilustrado na seguinte troca entreImperador Zhenzong e Xing Bing no ano 1005:

O imperador foi à Direção de Educação para fiscalizar o Serviço de Publicações. Ele perguntou a Xing Bing quantos blocos de madeira foram mantidos ali. Bing respondeu: "No início de nossa dinastia, havia menos de quatro mil. Hoje, há mais de cem mil. Os clássicos e as histórias, junto com os comentários padrão, estão todos totalmente representados. Quando eu era jovem e me dediquei para o aprendizado, havia apenas um ou dois estudiosos em cada cem que possuíam cópias de todos os clássicos e comentários. Não havia como copiar tantas obras. Hoje, as edições impressas dessas obras são abundantes, e oficiais e plebeus as têm em suas casas. Os estudiosos têm a sorte de ter nascido em uma era como a nossa! [13]

Em 1076, Su Shi , de 39 anos, comentou sobre o efeito imprevisto que uma abundância de livros teve sobre os candidatos a exames:

Lembro-me de ter conhecido estudiosos mais velhos, há muito tempo, que disseram que, quando eram jovens, tinham dificuldade em conseguir um exemplar de Shiji ou Han shu . Se tivessem a sorte de conseguir um, não pensariam em copiar todo o texto à mão, para que pudessem recitá-lo dia e noite. Nos últimos anos, os comerciantes gravam e imprimem todos os tipos de livros pertencentes às cem escolas e produzem dez mil páginas por dia. Com os livros disponíveis tão facilmente, você pensaria que a escrita e a bolsa de estudos dos alunos seriam muitas vezes melhores do que eram nas gerações anteriores. Mas, ao contrário, os jovens e os candidatos a exames deixam seus livros amarrados e nunca olham para eles, preferindo se divertir com conversas infundadas. Por que é isso? [14]

A impressão em xilogravura também mudou a forma e a estrutura dos livros. Os pergaminhos foram gradualmente substituídos por encadernação em concertina (經 摺 裝) a partir do período Tang. A vantagem era que agora era possível virar para uma referência sem desdobrar todo o documento. O próximo desenvolvimento, conhecido como encadernação em redemoinho ( xuanfeng zhuang旋風 裝), foi prender a primeira e a última folhas em uma única folha grande, de modo que o livro pudesse ser aberto como um acordeão. [15]

Por volta do ano 1000, a encadernação de borboletas foi desenvolvida. As impressões em xilogravura permitiram que duas imagens em espelho fossem facilmente replicadas em uma única folha. Assim, duas páginas foram impressas em uma folha, que foi dobrada para dentro. As folhas foram então coladas na dobra para formar um códice com aberturas alternadas de pares de páginas impressas e em branco. No século 14, a dobra era invertida para fora para fornecer páginas impressas contínuas, cada uma apoiada por uma página oculta em branco. Mais tarde, as encadernações costuradas foram preferidas em vez das encadernações coladas. [16] Apenas volumes relativamente pequenos ( juan 卷) foram encadernados, e vários deles seriam colocados em uma capa chamada tao, com tábuas de madeira na frente e atrás, e presilhas e pinos para fechar o livro quando não estiver em uso. Por exemplo, um Tripitaka completo tinha mais de 6.400 juan em 595 tao . [17]

Goryeo

Bloco de impressão em madeira coreano do século 19, em exposição no British Museum em Londres.

Em 989, Seongjong de Goryeo enviou o monge Yeoga para solicitar aos Song uma cópia do cânone budista completo. O pedido foi concedido em 991, quando Han Eongong oficial de Seongjong visitou o tribunal Song. [18] Em 1011, Hyeonjong de Goryeo publicou a escultura de seu próprio conjunto do cânone budista, que viria a ser conhecido como Goryeo Daejanggyeong . O projeto foi suspenso em 1031 após a morte de Heyongjong, mas o trabalho foi retomado em 1046 após a ascensão de Munjong ao trono. A obra concluída, totalizando cerca de 6.000 volumes, foi concluída em 1087. Infelizmente, o conjunto original de blocos de madeira foi destruído em um incêndio durante a invasão mongol de 1232. ReiGojong ordenou que outro conjunto fosse criado e o trabalho começou em 1237, desta vez levando apenas 12 anos para ser concluído. Em 1248, o Goryeo Daejanggyeong completo numerava 81.258 blocos de impressão, 52.330.152 caracteres, 1.496 títulos e 6.568 volumes. Devido ao rigoroso processo de edição que entrou no Goryeo Daejanggyeong e sua natureza surpreendentemente duradoura, tendo sobrevivido completamente intacto por mais de 760 anos, ele é considerado o mais preciso dos cânones budistas escritos em chinês clássico , bem como uma edição padrão para bolsa de estudos budistas do leste asiático . [19]

Japão

Zōjō-ji em Shiba . Da série Twenty Views of Tōkyō de Hasui Kawase , umartista shin-hanga .

No período Kamakura, do século 12 ao século 13, muitos livros foram impressos e publicados por xilogravura em templos budistas em Kyoto e Kamakura . [20]

A produção em massa de xilogravuras no período Edo se deveu à alta taxa de alfabetização do povo japonês naquela época. A taxa de alfabetização dos japoneses no período Edo era quase 100% para a classe samurai e 50% a 60% para a classe chōnin e nōmin (fazendeiros) devido à disseminação das escolas privadas terakoya . Havia mais de 600 livrarias para aluguel em Edo , e as pessoas emprestavam livros ilustrados impressos em xilogravuras de vários gêneros. O conteúdo desses livros variava muito, incluindo guias de viagem, livros de jardinagem, livros de receitas, kibyōshi (romances satíricos), sharebon (livros sobre cultura urbana), kokkeibon(histórias em quadrinhos ), ninjōbon (romance), yomihon , kusazōshi , livros de arte, roteiros para o teatro kabuki e jōruri (fantoches), etc. Os livros mais vendidos desse período foram Kōshoku Ichidai Otoko (Vida de um homem amoroso ) por Ihara Saikaku , Nansō Satomi Hakkenden por Takizawa Bakin e Tōkaidōchū Hizakurige por Jippensha Ikku , e esses livros foram reimpressos várias vezes. [20] [21] [22] [23] [24]

Do século 17 ao século 19, ukiyo-e representando assuntos seculares se tornou muito popular entre as pessoas comuns e foi produzido em massa. ukiyo-e é baseado em atores kabuki , lutadores de sumô , belas mulheres, paisagens de pontos turísticos, contos históricos e assim por diante, e Hokusai e Hiroshige são os artistas mais famosos. No século 18, Suzuki Harunobu estabeleceu a técnica de impressão em xilogravura multicolorida chamada nishiki-e e desenvolveu amplamente a cultura de impressão em xilogravura japonesa, como ukiyo-e . Ukiyo-e influenciou o Japonismo europeu eImpressionismo . No início do século 20, o shin-hanga que fundia a tradição do ukiyo-e com as técnicas das pinturas ocidentais tornou-se popular, e as obras de Hasui Kawase e Hiroshi Yoshida ganharam popularidade internacional. [20] [21] [25] [26]

Ásia e Norte da África

Alguns espécimes de impressão em bloco de madeira, possivelmente chamados de tarsh em árabe , [27] foram escavados em um contexto do século 10 no Egito árabe . Eles eram usados ​​principalmente para orações e amuletos. A técnica pode ter se espalhado da China ou ser uma invenção independente, [28] mas teve muito pouco impacto e praticamente desapareceu no final do século XIV. [29] Na Índia, a principal importância da técnica sempre foi como um método de impressão de têxteis, que tem sido uma grande indústria pelo menos desde o século X. [30]


Europa

Três episódios do bloco de livro Biblia pauperum ilustrando correspondências tipológicas entre o Antigo e o Novo Testamento: Eva e a serpente, a Anunciação , o milagre de Gideão

Os livros em bloco, em que o texto e as imagens são cortados em um único bloco para uma página inteira, apareceram na Europa em meados do século XV. Como quase sempre não tinham data e não constavam a indicação da gráfica ou do local de impressão, determinar as datas de impressão tem sido uma tarefa extremamente difícil. Allan H. Stevenson , comparando as marcas d'água no papel usado em livros em bloco com marcas d'água em documentos datados, concluiu que o "apogeu" dos livros em bloco era 1460, mas pelo menos um datava de cerca de 1451. [31] [32 ] Os livros em bloco impressos na década de 1470 eram freqüentemente de qualidade mais barata, como uma alternativa mais barata aos livros impressos na gráfica . [33]Os livros em bloco continuaram a ser impressos esporadicamente até o final do século XV. [31]

O método também foi usado extensivamente para imprimir cartas de jogar . [34]

História posterior

Apesar do efeito produtivo da impressão em xilogravura, o historiador Endymion Wilkinson observa que ela nunca suplantou os manuscritos manuscritos. Na verdade, os manuscritos permaneceram dominantes até o final da China Imperial:

Como resultado da tecnologia de impressão em bloco, ficou mais fácil e barato produzir várias cópias de livros rapidamente. No século XI, o preço dos livros havia caído cerca de um décimo do que eram antes e, como resultado, eles foram mais amplamente divulgados. No entanto, mesmo no século XV, a maioria dos livros nas principais bibliotecas ainda estava em manuscrito, não em impressão. Quase até o fim do império, ficou mais barato pagar um copista do que comprar um livro impresso. Setecentos e cinquenta anos após os primeiros trabalhos impressos patrocinados imperiosamente na Canção do Norte, o maior projeto de livro do século XVIII, o Siku quanshu四庫 全書, foi produzido como um manuscrito, não como uma coleção impressa. Cerca de 4 por cento dele foi impresso em tipos móveis em 1773, mas era um tipo móvel de madeira entalhado à mão. Na verdade, toda a coleção só foi impressa pela primeira vez na década de 1980. O acesso aos livros, especialmente às grandes obras, como as Histórias , permaneceu difícil até o século XX. [35]

-  Endymion Wilkinson

Os manuscritos não apenas permaneceram competitivos com as impressões, [36] eles foram até mesmo preferidos por estudiosos e colecionadores de elite. A era da imprensa deu ao ato de copiar à mão uma nova dimensão de reverência cultural. Aqueles que se consideravam verdadeiros estudiosos e verdadeiros conhecedores do livro não consideravam as impressões como livros reais. Sob as atitudes elitistas da época, "os livros impressos eram para aqueles que não se importavam verdadeiramente com os livros". [37]

No entanto, copistas e manuscritos apenas continuaram a competir com as edições impressas, reduzindo drasticamente seu preço. De acordo com Hu Yinglin , autor da dinastia Ming , "se nenhuma edição impressa estivesse disponível no mercado, o manuscrito copiado à mão de um livro custaria dez vezes mais que a obra impressa", [38] também "assim que uma edição impressa aparecesse , a cópia transcrita não poderia mais ser vendida e seria descartada. " [38] O resultado é que, apesar da coexistência mútua de manuscritos copiados à mão e textos impressos, o custo do livro caiu cerca de 90 por cento até o final do século XVI. [38] Como resultado, a alfabetização aumentou. Em 1488, o coreano Choe Bu observou durante sua viagem à China que "até crianças de vilarejos, barqueiros e marinheiros" sabiam ler, embora isso se aplicasse principalmente ao sul, enquanto o norte da China permanecia em grande parte analfabeto. [39]

Impacto do tipo móvel

China

Uma caixa de tipos rotativo tabela com individuais tipo móvel caracteres dispostos principalmente por rima esquema, de Wang Zhen 's Nong Shu , 1313 publicado.

Os tipos móveis de cerâmica e madeira foram inventados na dinastia Song do Norte por volta do ano de 1041 pelo plebeu Bi Sheng . O tipo móvel de metal também apareceu na dinastia Song do sul . O primeiro livro existente impresso usando tipos móveis é o Auspicious Tantra of All-Reaching Union , impresso em Western Xia c. 1139–1193. O tipo móvel de metal foi usado nas dinastias Song, Jin e Yuan para imprimir notas. A invenção dos tipos móveis não teve um efeito imediato na impressão em xilogravura e nunca a suplantou no Leste Asiático .

Somente durante as dinastias Ming e Qing os tipos móveis de madeira e metal tiveram algum uso considerável, mas o método preferido continuou sendo o bloco de madeira. O uso de tipos móveis na China nunca excedeu 10 por cento de todos os materiais impressos, enquanto 90 por cento dos livros impressos usaram a mais antiga tecnologia de xilogravura. Em um caso, todo um conjunto de tipos de madeira numerando 250.000 peças foi usado para lenha. [15] Os blocos de madeira permaneceram o método de impressão dominante na China até a introdução da litografia no final do século XIX. [40]

Tradicionalmente, presume-se que a prevalência da impressão em xilogravura no Leste Asiático, como resultado dos caracteres chineses, levou à estagnação da cultura e das empresas de impressão naquela região. SH Steinberg descreve a impressão em xilogravura em seu Quinhentos anos de impressão como tendo "sobrevivido à sua utilidade" e seu material impresso como "folhetos baratos para os semianalfabetos, [...] que de qualquer forma tiveram que ser muito breves devido ao processo laborioso de cortar as letras. " [41] The Gutenberg Revolution de John Man apresenta um caso semelhante: "blocos de madeira eram ainda mais exigentes do que páginas manuscritas para fazer, e eles se desgastavam e quebravam, e então você tinha que entalhar outra - uma página inteira de cada vez. " [41]

Comentários recentes sobre impressão na China usando observadores europeus contemporâneos com conhecimento de primeira mão complicam a narrativa tradicional. TH Barrett aponta que apenas europeus que nunca tinham visto a xilogravura chinesa em ação tendiam a rejeitá-la, talvez devido à chegada quase instantânea da xilografia e dos tipos móveis na Europa. Os primeiros missionários jesuítas da China do final do século 16, por exemplo, tinham uma aversão semelhante pela impressão baseada em madeira por razões muito diferentes. Esses jesuítas descobriram que "o baixo custo e a onipresença da impressão na China tornavam a tecnologia predominante à base de madeira extremamente perturbadora, até mesmo perigosa". [42] Matteo Ricciobservou "o número excessivamente grande de livros em circulação aqui e os preços ridiculamente baixos pelos quais são vendidos". [43] Duzentos anos depois, o inglês John Barrow, por meio da missão Macartney em Qing China, também observou com certo espanto que a indústria de impressão era "tão livre quanto na Inglaterra, e a profissão de impressão aberta a todos". [42] O sucesso comercial e a lucratividade da impressão em xilogravura foram atestados por um observador britânico no final do século XIX, que observou que, mesmo antes da chegada dos métodos de impressão ocidentais, o preço dos livros e materiais impressos na Chinajá havia alcançado um preço incrivelmente baixo em comparação com o que poderia ser encontrado em seu país de origem. Sobre isso, ele disse:

Temos uma vasta literatura de um centavo em casa, mas o cottager inglês não pode comprar nada como a quantidade de impressos por seu centavo que o chinês pode por ainda menos. Um livro de oração de um centavo, reconhecidamente vendido com prejuízo, não pode competir em massa com muitos dos livros que podem ser comprados por alguns poucos dólares na China. Quando se considera, também, que um bloco foi laboriosamente cortado para cada folha, o baixo custo do resultado é apenas explicado pela amplitude da venda. [44]

Outros estudiosos modernos, como Endymion Wilkinson, têm uma visão mais conservadora e cética. Embora Wilkinson não negue "o domínio da China na produção de livros do quarto ao décimo quinto século", ele também insiste que os argumentos a favor da vantagem chinesa "não devem ser estendidos para frente ou para trás no tempo". [45]

A produção de livros europeia começou a alcançar a China após a introdução da impressora mecânica em meados do século XV. Cifras confiáveis ​​do número de impressões de cada edição são tão difíceis de encontrar na Europa quanto na China, mas um resultado da disseminação da impressão na Europa foi que as bibliotecas públicas e privadas puderam construir suas coleções e, pela primeira vez em mais de mil anos, eles começaram a se igualar e a ultrapassar as maiores bibliotecas da China. [45]

-  Endymion Wilkinson

Coréia

Jikji: Ensinamentos Selecionados de Sábios Budistas e Mestres Seon , o primeiro livro conhecido impresso com tipos de metal móveis, 1377. Bibliothèque Nationale de France , Paris
Tipo móvel usado para imprimir o livro mais antigo existente, o Jikji (1377)

Em 1234, o tipo móvel de metal fundido foi usado em Goryeo (Coréia) para imprimir os Textos Prescritos de 50 volumes para Ritos do Passado e Presente , compilados por Choe Yun-ui , mas nenhuma cópia sobreviveu até o presente. [46] O livro mais antigo existente impresso com tipo de metal móvel é o Jikji de 1377. [47] Esta forma de tipo de metal móvel foi descrita pelo estudioso francês Henri-Jean Martin como "extremamente semelhante ao de Gutenberg". [48]

O tipo móvel nunca substituiu a impressão xilogravura na Coréia. Na verdade, até mesmo a promulgação de Hangeul foi feita por meio de gravuras em xilogravura. A suposição geral é que os tipos móveis não substituíram a impressão em bloco em lugares que usavam caracteres chineses devido ao custo de produção de mais de 200.000 peças individuais de tipos. Mesmo a impressão em xilogravura não era tão produtiva quanto pagar a um copista para escrever um livro à mão, se não houvesse a intenção de produzir mais do que algumas cópias. Embora Sejong, o Grande, tenha introduzido o Hangeul, um sistema alfabético, no século 15, o Hangeul só substituiu o Hanja no século 20. [49] E, ao contrário da China, o sistema de tipos móveis foi mantido principalmente dentro dos limites de uma sociedade coreana de elite altamente estratificada:

A impressão coreana com tipos metálicos móveis foi desenvolvida principalmente na fundição real da dinastia Yi. A realeza manteve o monopólio desta nova técnica e, por mandato real, suprimiu todas as atividades de impressão não oficiais e quaisquer tentativas de comercialização de impressão. Assim, a impressão no início da Coréia servia apenas aos grupos pequenos e nobres da sociedade altamente estratificada. [50]

-  Sohn Pow-Key

Japão

A impressora de tipo móvel de estilo ocidental foi trazida para o Japão pela embaixada Tenshō em 1590 e foi impressa pela primeira vez em Kazusa, Nagasaki em 1591. No entanto, a impressora ocidental foi descontinuada após a proibição do Cristianismo em 1614. [20] [51] A prensa de impressão móvel apreendida da Coréia pelas forças de Toyotomi Hideyoshi em 1593 também estava em uso ao mesmo tempo que a prensa de impressão da Europa. Uma edição dos analectos confucionistas foi impressa em 1598, usando uma impressora coreana de tipo móvel, por ordem do imperador Go-Yōzei . [20] [52]

Tokugawa Ieyasu estabeleceu uma escola de impressão em Enko-ji em Kyoto e começou a publicar livros usando impressoras domésticas de tipo móvel de madeira em vez de metal a partir de 1599. Ieyasu supervisionou a produção de 100.000 tipos, que foram usados ​​para imprimir muitos livros políticos e históricos. Em 1605, os livros usando impressoras domésticas de tipo móvel de cobre começaram a ser publicados, mas o tipo de cobre não se tornou popular após a morte de Ieyasu em 1616. [20]

Os grandes pioneiros na aplicação de impressoras de tipos móveis para a criação de livros artísticos, e na produção em massa anterior para consumo geral, foram Honami Kōetsu e Suminokura Soan. Em seu estúdio em Saga, Kyoto, a dupla criou uma série de versões em xilogravura dos clássicos japoneses, tanto texto quanto imagens, essencialmente convertendo emaki (rolos de mão) em livros impressos e reproduzindo-os para um consumo mais amplo. Esses livros, agora conhecidos como Livros Kōetsu, Livros Suminokura ou Livros Saga, são considerados as primeiras e melhores reproduções impressas de muitos desses contos clássicos; o livro da saga dos contos de Ise ( Ise monogatari), impresso em 1608, é especialmente conhecido. Os livros da Saga eram impressos em papel caro e usavam vários enfeites, sendo impressos especificamente para um pequeno círculo de conhecedores da literatura. [53]

Apesar do apelo dos tipos móveis, no entanto, os artesãos logo decidiram que o estilo de escrita das escritas japonesas era melhor reproduzido usando blocos de madeira. Em 1640, os blocos de madeira foram usados ​​novamente para quase todos os fins. [54] Após a década de 1640, a impressão de tipos móveis diminuiu e os livros foram produzidos em massa por xilogravura convencional durante a maior parte do período Edo . Foi a partir da década de 1870, durante o período Meiji , quando o Japão abriu o país ao Ocidente e começou a se modernizar, que essa técnica foi utilizada novamente. [20] [55]

Médio Oriente

Em países que usam escrita árabe, as obras, especialmente o Alcorão, foram impressas a partir de blocos ou por litografia no século 19, pois as ligações entre os personagens exigem concessões quando são usados ​​tipos móveis que eram considerados inadequados para textos sagrados. [56]

Europa

Por volta de meados de 1400, blocos de livros , livros em xilogravura com texto e imagens, geralmente esculpidos no mesmo bloco, surgiram como uma alternativa mais barata aos manuscritos e livros impressos com tipos móveis . Todas essas obras eram curtas e pesadamente ilustradas, os best-sellers da época, repetidas em muitas versões de blocos de livros diferentes: a Ars moriendi e a Biblia pauperum eram as mais comuns. Ainda há alguma controvérsia entre os estudiosos sobre se sua introdução precedeu ou, a opinião da maioria, seguiu a introdução de tipos móveis, com o intervalo de datas estimadas entre cerca de 1440-1460. [33]

Técnica

Prensa xilogravura, gravura em Tipografia Antiga de William Skeen, Colombo, Ceilão, 1872

Jia xie é um método para tingir tecidos (geralmente seda) usando blocos de madeira inventados entre os séculos 5 e 6 na China. São feitos um bloco superior e um inferior, com compartimentos entalhados que se abrem para trás, dotados de plugues. O pano, geralmente dobrado várias vezes, é inserido e preso entre os dois blocos. Ao desconectar os diferentes compartimentos e preenchê-los com tintas de cores diferentes, um padrão multicolorido pode ser impresso sobre uma área bastante grande de tecido dobrado. O método não é estritamente de impressão, pois o padrão não é causado por pressão contra o bloco. [4]

Impressão do woodblock da cor

Província de Mino: Yoro-taki das séries Vistas de lugares famosos nas províncias Sessenta-impares por Hiroshige , um ukiyo-e artista

A primeira impressão em xilogravura conhecida é em cores - seda chinesa da dinastia Han impressa em três cores. [4]

A cor é muito comum na impressão de xilogravura asiática em papel; na China, o primeiro exemplo conhecido é um sutra de diamante de 1341, impresso em preto e vermelho no Templo Zifu, na atual província de Hubei. O primeiro livro datado impresso em mais de 2 cores é Chengshi moyuan ( chinês :程氏 墨 苑), um livro sobre bolos de tinta impresso em 1606 e a técnica atingiu seu auge em livros de arte publicados na primeira metade do século XVII . Exemplos notáveis são a Hu Zhengyan do Tratado sobre as pinturas e escritos do Dez bambu Estúdio de 1633, [57] e a semente de mostarda Jardim pintura manual publicado em 1679 e 1701. [58]

Veja também

Referências

  1. ^ Barrett 2008 , p. 60
  2. ^ Barrett 2008 , p. 50
  3. ^ Barrett 2008 , p. 61
  4. ^ a b c Shelagh Vainker em Anne Farrer (ed), "Caves of the Thousand Buddhas", 1990, Publicações do Museu Britânico, ISBN  0-7141-1447-2
  5. ^ a b c d e f g h i Wilkinson 2012 , p. 910.
  6. ^ Pan, Jixing (1997). "Sobre a origem da impressão à luz das novas descobertas arqueológicas". Boletim de ciência chinesa . 42 (12): 976–981 [pp. 979–980]. Bibcode : 1997ChSBu..42..976P . doi : 10.1007 / BF02882611 . ISSN 1001-6538 . S2CID 98230482 .  
  7. ^ Andrea Matles Savada, ed. (1993). "Silla" . Coreia do Norte: um estudo de país . Washington: GPO para a Biblioteca do Congresso . Retirado em 3 de dezembro de 2009 - via Countrystudies.us.
     • "Uma História da Escrita em Japonês e Estudos Atuais na Área de Livros Raros no Japão" . 62ª Conferência Geral da IFLA - Procedimentos da Conferência - 25 a 31 de agosto de 1996 . Página visitada em 3 de dezembro de 2009 .
     • "Gutenberg e os coreanos: a invenção da impressão de tipos de metal móveis na Coréia" . Rightreading.com . 13 de setembro de 2006 . Página visitada em 3 de dezembro de 2009 .
     • "Cultura da primeira impressão na Coréia" . Buddhapia . Hyundae Bulkyo Media Center. Arquivado do original em 19 de julho de 2011 . Página visitada em 3 de dezembro de 2009 .
     • “Tesouro Nacional nº 126” . Administração do Patrimônio Cultural da Coreia do Sul. Arquivado do original em 16 de março de 2008.
     • “Cópia impressa do Sutra do Diamante” . Itens da coleção . Biblioteca Britânica.A era Xiantong (咸通 Xián tōng) decorreu de 860-874, cruzando os reinados de Yi Zong (懿宗 Yì zōng) e Xi Zong (僖 宗 Xī zōng), ver Lista dos imperadores Tang . O livro foi assim preparado na época de Yi Zong .
  8. ^ "MS 2489" . A coleção Schøyen . Arquivado do original em 4 de novembro de 2006 . Página visitada em 6 de dezembro de 2006 .
  9. ^ Hsü, Immanuel CY (1970). The Rise of Modern China . Nova York: Oxford University Press. p. 830. ISBN 0-19-501240-2.
  10. ^ a b Wilkinson 2012 , p. 930.
  11. ^ Chia , 2011 , p. 43
  12. ^ Chia , 2011 , p. 21
  13. ^ Chia , 2011 , p. 33
  14. ^ Chia , 2011 , p. 38
  15. ^ a b Wilkinson 2012 , p. 912.
  16. ^ "Achados de ligação da concertina de Dunhuang" . Arquivado do original em 9 de março de 2000 . Retirado em 1 de novembro de 2013 .
  17. ^ "MS 2540" . A coleção Schøyen . Arquivado do original em 4 de novembro de 2006 . Retirado em 23 de julho de 2017 .
  18. ^ Hyun, Jeongwon (2013). Troca de presentes entre os Estados da Ásia Oriental durante o século XI (PDF) (dissertação de doutorado). Universidade de Washington. p. 191.
  19. ^ "Impressão de xilogravuras do Tripitaka Koreana e diversas escrituras budistas" . Memória do Mundo da UNESCO . Nações Unidas . Retirado em 30 de julho de 2016 .
  20. ^ a b c d e f g O passado, o presente e o futuro da impressão em Japão. Izumi Munemura. (2010). Sociedade Japonesa de Acabamento de Superfícies.
  21. ^ a b Livros ilustrados de Edo e o período de Edo. Biblioteca Nacional da Dieta.
  22. ^ 第 6 回 和 本 の 楽 し み 方 4 江 戸 の 草紙. Konosuke Hashiguchi. (2013) Seikei University.
  23. ^ Nihonbashi. Mitsui Fdosan.
  24. ^ Keizaburo Seimaru. (2017)江 戸 の ベ ス ト セ ラ ー. Yosensha. ISBN 978-4800312556 
  25. ^ Shin hanga trazendo ukiyo-e de volta à vida. The Japan Times.
  26. ^ Junko Nishiyama. (2018)新 版画 作品 集 - な つ か し い 風景 へ の 旅. p18. Tokyo Bijutsu. ISBN 978-4808711016 
  27. ^ Veja ( Bulliet 1987 ), p. 427: "A tese proposta aqui, que a palavra tarsh significava" bloco de impressão "no dialeto do submundo muçulmano medieval".
  28. ^ Veja ( Bulliet 1987 ), p. 435: "A impressão em árabe aparece no Oriente Médio cerca de um século depois de se tornar bem estabelecida na China. Além disso, as crônicas árabes medievais confirmam que a arte da fabricação de papel veio da China para o Oriente Médio através da Ásia Central, e um impressão foi encontrada na escavação do porto egípcio medieval de al-Qusair al-Qadim no Mar Vermelho, onde foram descobertos artigos importados da China. No entanto, parece mais provável que a impressão em bloco árabe tenha sido uma invenção independente ".
  29. ^ Veja ( Bulliet 1987 ), p. 427: "A julgar pela paleografia e a data do século VIII da introdução do papel no mundo islâmico, a impressão em bloco árabe deve ter começado no século IX ou X. Ela persistiu até, mas possivelmente não além, do século XIV". "Ainda assim, teve tão pouco impacto na sociedade islâmica que hoje apenas um punhado de estudiosos estão cientes de que existiu, e nenhuma referência textual definida a ele foi pensada para sobreviver".
  30. ^ "Ashmolean - Arte Oriental Online, Centro Yousef Jameel de Arte Islâmica e Asiática" .
  31. ^ a b Carter 2006 , p. 46
  32. ^ Allan H. Stevenson (primavera de 1967). "The Quincentennnial of Netherlandish Blockbooks". British Museum Quarterly . 31 (3/4): 83–87. doi : 10.2307 / 4422966 . JSTOR 4422966 . 
  33. ^ a b ES mestre, Alan Shestack, Philadelphia Museum of Art, 1967. [ citação completa necessária ] [ verificação necessária ]
  34. ^ "Primeiros pintores e impressores de cartões na Alemanha, Áustria e Flandres (séculos XIV e XV)" . Trionfi . Página visitada em 28 de fevereiro de 2010 .
  35. ^ Wilkinson 2012 , p. 910-911.
  36. ^ Kai-Wing Chow (2004). Publicação, cultura e poder na China moderna . Stanford University Press. p. 36. No final da Ming / início da China Qing, o custo para copiar 20 a 30 páginas era em torno de 0,02 a 0,03 tael, que funcionava para algo como 0,005 tael por cem caracteres, enquanto um entalhador normalmente pagava 0,02 a 0,03 tael por cem caracteres esculpidos e podem esculpir de 100 a 150 caracteres por dia.
  37. ^ Chia , 2011 , p. 41
  38. ^ a b c Tsien 1985 , p. 373.
  39. ^ Twitchett 1998b , p. 636.
  40. ^ Wilkinson 2012 , p. 909.
  41. ^ a b Barrett 2008 , p. 10
  42. ^ a b Barrett 2008 , p. 11
  43. ^ Twitchett 1998b , p. 637.
  44. ^ Barrett 2008 , p. 14
  45. ^ a b Wilkinson 2012 , p. 935.
  46. ^ Taylor, Insup; Taylor, Martin M. (1995). Redação e alfabetização em chinês, coreano e japonês . Publicação de John Benjamins. p. 266. ISBN 9789027285768. Página visitada em 12 de janeiro de 2019 .
  47. ^ Needham, Joseph; Tsien, Tsuen-Hsuin (11 de julho de 1985). Ciência e Civilização na China . 5 . Cambridge University Press. p. 330
  48. ^ Briggs, Asa e Burke, Peter (2002) A Social History of the Media: from Gutenberg to the Internet, Polity, Cambridge, pp.15-23, 61-73.
  49. ^ Wilkinson 2012 , p. 911.
  50. ^ Sohn, Pow-Key, "Early Korean Printing," Journal of the American Oriental Society , vol. 79, No. 2 (abril-junho de 1959), pp. 96–103 (103).
  51. ^ Lane 1978 , p. 33
  52. ^ Ikegami, Eiko (28 de fevereiro de 2005). Laços de civilidade: redes estéticas e as origens políticas da cultura japonesa . Cambridge University Press. ISBN 9780521601153.
  53. ^ Livros da saga de Kotobank. O Asahi Shimbun .
  54. ^ Sansom, George (1961). A History of Japan: 1334–1615 . Stanford, Califórnia: Stanford University Press.
  55. ^ História da impressão. A Federação Japonesa de Indústrias de Impressão.
  56. ^ Robertson, Frances, Print Culture: From Steam Press to Ebook , p.75, 2013, Routledge, ISBN 0415574161 , 9780415574167, gogle books 
  57. ^ "Shi zhu zhai shu hua pu (FH.910.83-98)" . Biblioteca Digital da Universidade de Cambridge . Retirado em 11 de agosto de 2015 .
  58. ^ Sickman, L .; Soper, A. (1971). A Arte e Arquitetura da China . Pelican History of Art (3ª ed.). Pinguim. ISBN 0-14-056110-2.

Obras citadas

  • Barrett, Timothy Hugh (2008), The Woman Who Discovered Printing , Grã-Bretanha: Yale University Press , ISBN 978-0-300-12728-7
  • Bulliet, Richard W. (1987). "Tarsh árabe medieval: um capítulo esquecido na história da impressão" (PDF) . Jornal da Sociedade Oriental Americana . 107 (3): 427–438. doi : 10.2307 / 603463 . JSTOR  603463 . Página visitada em 17 de janeiro de 2019 .
  • Carter, John (2006). An ABC for Book Collectors (8ª ed.). Delaware: Oak Knoll Books. ISBN 9781584561125.
  • Chia, Lucille (2011), Knowledge and Text Production in an Age of Print: China, 900-1400 , Brill
  • Lane, Richard (1978). Imagens do mundo flutuante: a gravura japonesa . Old Saybrook, CT: Konecky & Konecky. ISBN 978-1-56852-481-8. OCLC  475522764 .
  • McMurtrie, Douglas C. (1962), THE BOOK: The Story of Printing & Bookmaking , Oxford University Press, sétima edição
  • Tsien, Tsuen-Hsuin (1985), Science and Civilization in China. Vol. 5: Química e Tecnologia Química. Parte 1: Papel e Impressão , Cambridge University Press, ISBN 0-521-08690-6
  • Twitchett, Denis (1998b), The Cambridge History of China Volume 8 The Ming Dynasty, 1368-1644, Parte 2 , Cambridge University Press
  • Wilkinson, Endymion (2012), Chinese History: A New Manual , Harvard University Asia Center para o Harvard-Yenching Institute

Ligações externas