Tuvalu

Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Ir para navegação Pular para pesquisar

Coordenadas : 8 ° 31′15 ″ S 179 ° 11′55 ″ E / 8.52083°S 179.19861°E / -8.52083; 179.19861

Tuvalu
Lema:  "Tuvalu mo te Atua" ( tuvaluano )
"Tuvalu para o Todo-Poderoso"
Hino:  Tuvalu mo te Atua (Tuvaluano)
Tuvalu para o Todo-Poderoso
Location of Tuvalu
Capital
e a maior cidade
Funafuti 8 ° 31′S 179 ° 12′E
 / 8.517°S 179.200°E / -8.517; 179.200
Línguas oficiais
Grupos étnicos
Religião
Cristianismo ( Igreja de Tuvalu ) [1]
Demônimo (s)Tuvaluano
Governo Monarquia constitucional parlamentar apartidária unitária
•  Monarca
Elizabeth segunda
Teniku Talesi Honolulu ( ator )
Kausea Natano
LegislaturaParlamento
Independência
• do Reino Unido
1 de outubro de 1978
Área
• Total
26 km 2 (10 sq mi) [2] ( 191st )
• Água (%)
insignificante
População
• estimativa de 2019
11.646 ( 229º )
• censo de 2017
10.645
• Densidade
475,88 / km 2 (1.232,5 / sq mi) ( 27º )
PIB  ( PPP )Estimativa de 2016
• Total
$ 39 milhões [3] ( 226º )
• per capita
$ 3.566 [3] ( 156º )
PIB  (nominal)Estimativa para 2020
• Total
$ 45 milhões [3] ( 194º )
• per capita
$ 2.970 [3] ( 118º )
Gini  (2010)Steady 39,1 [4]
meio
Moeda
( AUD )
Fuso horárioUTC +12
Lado de conduçãodeixou
Código de chamada+688
Código ISO 3166televisão
Internet TLD.televisão

Tuvalu ( / t u v ə l u / TOO -və-loo ou / t u v ɑː l u / também- VAH -loo ; anteriormente conhecido como as ilhas de Ellice ) é um país ilha no polinésia sub-região de Oceania em o Oceano Pacífico . Suas ilhas estão situadas a meio caminho entre o Havaí e a Austrália. Eles se encontram a leste-nordeste das Ilhas Santa Cruz (que pertencem às Ilhas Salomão ), a nordeste deVanuatu , sudeste de Nauru , sul de Kiribati , oeste de Tokelau , noroeste de Samoa e Wallis e Futuna e norte de Fiji . Tuvalu é composta por três ilhas de recife e seis atóis . Eles estão espalhados entre a latitude de 5 ° e 10 ° sul e entre a longitude de 176 ° e 180 ° . Eles se encontram a oeste da Linha Internacional de Data . [5] Tuvalu tem uma população de 10.507 (censo de 2017). [6] A área total das ilhas de Tuvalu é de 26 quilômetros quadrados (10 sq mi).

Os primeiros habitantes de Tuvalu foram polinésios , de acordo com teorias bem estabelecidas a respeito da migração de polinésios para o Pacífico que começou há cerca de três mil anos. [7] Muito antes do contato europeu com as ilhas do Pacífico, os polinésios frequentemente viajavam de canoa entre as ilhas. Suas habilidades de navegação lhes permitiram fazer viagens elaboradamente planejadas em canoas à vela de casco duplo ou canoas estabilizadoras . [8]

Os estudiosos acreditam que os polinésios se espalharam de Samoa e Tonga para os atóis de Tuvalu, que serviram como um trampolim para uma nova migração para os outliers polinésios na Melanésia e na Micronésia . [9] [10] [11]

Em 1568, o navegador espanhol Álvaro de Mendaña tornou-se o primeiro europeu a navegar pelo arquipélago, avistando a ilha de Nui durante uma expedição que fazia em busca da Terra Australis . A ilha de Funafuti foi chamada de Ilha de Ellice em 1819. Mais tarde, após o trabalho do hidrógrafo inglês Alexander George Findlay , o nome Ellice começou a ser aplicado a todo o grupo de nove ilhas. No final do século 19, a Grã-Bretanha reivindicou o controle sobre as Ilhas Ellice, designando-as como dentro de sua esfera de influência, como resultado de um tratado entre a Grã-Bretanha e a Alemanha que demarcou suas respectivas esferas de influência no Oceano Pacífico. [12]Entre 9 e 16 de outubro de 1892, o capitão Gibson do HMS  Curacoa declarou que cada uma das ilhas Ellice era um protetorado britânico . A Grã-Bretanha designou um comissário residente para administrar as Ilhas Ellice como parte dos Territórios Britânicos do Pacífico Ocidental (BWPT). De 1916 a 1975, eles foram administrados como parte da colônia das Ilhas Gilbert e Ellice .

Um referendo foi realizado em 1974 para determinar se as Ilhas Gilbert e as Ilhas Ellice deveriam ter sua própria administração. [13] Devido aos resultados do referendo, a colônia das Ilhas Gilbert e Ellice deixou de existir legalmente em 1 de outubro de 1975, e em 1 de janeiro de 1976, a antiga administração foi oficialmente separada, [14] e duas colônias britânicas separadas, Kiribati e Tuvalu, foram formados. Em 1 de outubro de 1978, Tuvalu tornou-se totalmente independente como um estado soberano dentro do reino da Commonwealth . Em 5 de setembro de 2000, Tuvalu se tornou o 189º membro das Nações Unidas .

História

Pré-história

As origens do povo de Tuvalu são abordadas nas teorias sobre a migração para o Pacífico, que começou há cerca de 3.000 anos. Durante os tempos de contato pré-europeu, havia viagens de canoa frequentes entre as ilhas mais próximas, incluindo Samoa e Tonga . [15] Oito das nove ilhas de Tuvalu eram habitadas. Isso explica a origem do nome, Tuvalu, que significa "oito juntos" em tuvaluano (compare com * walo que significa "oito" em proto-austronésico ). Possíveis evidências de incêndios de origem humana nas Cavernas de Nanumanga sugerem que os humanos podem ter ocupado as ilhas por milhares de anos.

Um importante mito da criação nas ilhas de Tuvalu é a história de te Pusi mo te Ali (a enguia e a solha), que dizem ter criado as ilhas de Tuvalu . Acredita-se que Te Ali (a solha ) seja a origem dos atóis planos de Tuvalu e te Pusin (a enguia ) é o modelo para os coqueiros que são importantes na vida dos tuvaluanos. As histórias dos ancestrais dos tuvaluanos variam de ilha para ilha. Em Niutao , [16] Funafuti e Vaitupu , por exemplo, o ancestral fundador é descrito como sendo de Samoa,[17] [18] enquanto em Nanumea , o ancestral fundador é descrito como sendo de Tonga . [17]

Primeiros contatos com outras culturas

Um homem tuvaluano em traje tradicional desenhado por Alfred Agate em 1841, durante a Expedição de Exploração dos Estados Unidos [19]

Tuvalu foi avistado pela primeira vez por europeus em 16 de janeiro de 1568, durante a viagem de Álvaro de Mendaña da Espanha, que navegou além de Nui e traçou como Isla de Jesús (espanhol para "Ilha de Jesus") porque no dia anterior foi a festa do Santo Nome . Mendaña fez contato com os ilhéus, mas não conseguiu pousar. [20] [21] Durante a segunda viagem de Mendaña pelo Pacífico, ele passou por Niulakita em 29 de agosto de 1595, que ele chamou de La Solitaria . [21] [22]

O capitão John Byron passou pelas ilhas de Tuvalu em 1764, durante sua circunavegação do globo como capitão do Golfinho  (1751) . [23] Ele traçou os atóis como Ilhas Lagoon .

O primeiro avistamento registrado de Nanumea por europeus foi pelo oficial naval espanhol Francisco Mourelle de la Rúa, que passou por ela em 5 de maio de 1781 como capitão da fragata La Princesa , ao tentar uma travessia ao sul do Pacífico das Filipinas para a Nova Espanha . Ele classificou Nanumea como San Augustin . [24] [25] Keith S. Chambers e Doug Munro (1980) identificaram Niutao como a ilha pela qual Mourelle também navegou em 5 de maio de 1781, resolvendo assim o que os europeus chamaram de O Mistério de Gran Cocal . [22] [26] O mapa e o diário de Mourelle chamavam a ilha de El Gran Cocal('A Grande Plantação de Coqueiros'); no entanto, a latitude e longitude eram incertas. [26] A longitude só podia ser calculada de forma crua na época, já que cronômetros precisos não se tornaram disponíveis até o final do século XVIII.

Em 1809, o capitão Patterson no brigue Elizabeth avistou Nanumea enquanto passava pelas águas do norte de Tuvalu em uma viagem comercial de Port Jackson, Sydney, Austrália para a China. [24] Em maio de 1819, Arent Schuyler de Peyster, de Nova York, capitão do bergantim armado ou corsário Rebecca , navegando sob as cores britânicas, [27] [28] passou pelas águas do sul de Tuvalu. De Peyster avistado Nukufetau e Funafuti, que deu o nome de Ilha de Ellice depois de um político Inglês, Edward Ellice , o membro do Parlamento de Coventry e o proprietário do Rebecca ' carga s. [26][29] [30] O nome Ellice foi aplicado a todas as nove ilhas após o trabalho do hidrógrafo inglês Alexander George Findlay . [31]

Em 1820, o explorador russo Mikhail Lazarev visitou Nukufetau como comandante do Mirny . [26] Louis Isidore Duperrey , capitão de La Coquille , passou por Nanumanga em maio de 1824 durante uma circunavegação da terra (1822-1825). [32] Uma expedição holandesa (a fragata Maria Reigersberg ) encontrou Nui na manhã de 14 de junho de 1825 e chamou a ilha principal ( Fenua Tapu ) de Nederlandsch Eiland . [33]

Os baleeiros começaram a vaguear pelo Pacífico, embora visitassem Tuvalu apenas com pouca frequência, devido às dificuldades de aterragem nos atóis. O capitão americano George Barrett, do baleeiro de Nantucket Independence II , foi identificado como o primeiro baleeiro a caçar nas águas ao redor de Tuvalu. [29] Ele trocou cocos do povo de Nukulaelae em novembro de 1821 e também visitou Niulakita . [22] Ele estabeleceu um acampamento costeiro na ilhota Sakalua de Nukufetau , onde o carvão era usado para derreter a gordura da baleia. [34]

Por menos de um ano entre 1862 e 1863, os navios peruanos engajados no chamado comércio de " melro ", pelo qual recrutavam ou impressionavam trabalhadores, vasculharam as ilhas menores da Polinésia desde a Ilha de Páscoa no Pacífico oriental até Tuvalu e os atóis do sul das Ilhas Gilbert (agora Kiribati). Eles buscaram recrutas para preencher a extrema escassez de mão de obra no Peru. [35] Enquanto alguns ilhéus eram recrutas voluntários, os "melros" eram famosos por atrair os ilhéus para navios com truques, como fingir ser missionários cristãos, bem como sequestrar ilhéus sob a mira de uma arma. O Rev. AW Murray, [36]o primeiro missionário europeu em Tuvalu, relatou que em 1863 cerca de 170 pessoas foram levadas de Funafuti e cerca de 250 foram levadas de Nukulaelae, [26] como havia menos de 100 das 300 registradas em 1861 como vivendo em Nukulaelae. [37] [38]

O cristianismo chegou a Tuvalu em 1861 quando Elekana , um diácono de uma Igreja Congregacional em Manihiki , Ilhas Cook , foi pego por uma tempestade e flutuou por oito semanas antes de pousar em Nukulaelae em 10 de maio de 1861. [26] [39] Elekana começou a pregar o Cristianismo . Ele foi treinado no Malua Theological College, uma escola da London Missionary Society (LMS) em Samoa, antes de começar seu trabalho no estabelecimento da Igreja de Tuvalu . [26]

Em 1865, o Rev. AW Murray da LMS, uma sociedade missionária congregacionalista protestante , chegou como o primeiro missionário europeu; ele também evangelizou entre os habitantes de Tuvalu. Em 1878, o protestantismo era considerado bem estabelecido, pois havia pregadores em cada ilha. [26] No final do século 19 e no início do século 20, os ministros do que se tornou a Igreja de Tuvalu ( Te Ekalesia Kelisiano Tuvalu ) eram predominantemente samoanos, [40] que influenciaram o desenvolvimento da língua tuvaluana e da música de Tuvalu . [41]

As ilhas entraram na esfera de influência da Grã-Bretanha no final do século 19, quando cada uma das ilhas Ellice foi declarada um protetorado britânico pelo capitão Gibson do HMS  Curacoa , entre 9 e 16 de outubro de 1892. [42]

Negociação empresas e comerciantes

As empresas comerciais tornaram-se ativas em Tuvalu em meados do século XIX; as empresas comerciais contrataram comerciantes palagi que viviam nas ilhas. John (também conhecido como Jack) O'Brien foi o primeiro europeu a se estabelecer em Tuvalu; ele se tornou um comerciante em Funafuti na década de 1850. Ele se casou com Salai, filha do chefe supremo de Funafuti. Louis Becke , que mais tarde teve sucesso como escritor, foi comerciante em Nanumanga de abril de 1880 até que a estação comercial foi destruída naquele ano por um ciclone . [43] Ele então se tornou um comerciante em Nukufetau . [44] [45] [46]

Em 1892, o capitão Davis do HMS  Royalist relatou as atividades comerciais e comerciantes em cada uma das ilhas visitadas. O Capitão Davis identificou os seguintes comerciantes no Grupo Ellice: Edmund Duffy ( Nanumea ); Jack Buckland ( Niutao ); Harry Nitz ( Vaitupu ); Jack O'Brien (Funafuti); Alfred Restieaux e Emile Fenisot ( Nukufetau ); e Martin Kleis ( Nui ). [47] [48]Durante esse tempo, o maior número de comerciantes de palagi vivia nos atóis, atuando como agentes das empresas comerciais. Algumas ilhas teriam comerciantes concorrentes, enquanto as ilhas mais secas poderiam ter apenas um único comerciante. [49]

No final da década de 1890 e na primeira década do século 20, mudanças estruturais ocorreram na operação das empresas comerciais do Pacífico; eles mudaram de uma prática de ter comerciantes residentes em cada ilha para se tornarem uma operação comercial onde o supercargo (o gerente de carga de um navio mercante) lidaria diretamente com os ilhéus quando um navio visitava uma ilha. A partir de 1900, o número de comerciantes palagi em Tuvalu diminuiu; o último deles foi Fred Whibley em Niutao, Alfred Restieaux em Nukufetau e Martin Kleis em Nui. [48] Em 1909 não havia mais comerciantes de palagi residentes representando as empresas comerciais, [48] [49]embora Whibley, Restieaux e Kleis [50] tenham permanecido nas ilhas até suas mortes.

Expedições e viajantes científicos

Um homem do atol de Nukufetau , desenhado por Alfred Thomas Agate em 1841

A Expedição de Exploração dos Estados Unidos comandada por Charles Wilkes visitou Funafuti, Nukufetau e Vaitupu em 1841. [51] Durante esta expedição, o gravador e ilustrador Alfred Thomas Agate registrou os padrões de vestimenta e tatuagem dos homens de Nukufetau. [52]

Em 1885 ou 1886, o fotógrafo neozelandês Thomas Andrew visitou Funafuti [53] e Nui . [54] [55]

Em 1890, Robert Louis Stevenson , sua esposa Fanny Vandegrift Stevenson e seu filho Lloyd Osbourne navegaram no Janet Nicoll , um navio comercial de propriedade de Henderson e Macfarlane de Auckland, Nova Zelândia, que operava entre Sydney e Auckland e no Pacífico central. [56] O Janet Nicoll visitado três das Ilhas Ellice; [57] enquanto Fanny registra que eles aterrissaram em Funafuti, Niutao e Nanumea , Jane Resture sugere que era mais provável que eles pousassem em Nukufetau ao invés de Funafuti. [58]Um relato dessa viagem foi escrito por Fanny Stevenson e publicado sob o título O Cruzeiro de Janet Nichol , [59] junto com fotos tiradas por Robert Louis Stevenson e Lloyd Osbourne.

Em 1894, o Conde Rudolf Festetics de Tolna, sua esposa Eila ( née Haggin) e sua filha Blanche Haggin visitou Funafuti a bordo do iate Le Tolna . [60] O conde passou vários dias fotografando homens e mulheres em Funafuti. [61] [62]

1900, Woman on Funafuti, Tuvalu, then known as Ellice Islands
Mulher em Funafuti (1900)
fotografia de Harry Clifford Fassett

Os furos em Funafuti, no local agora chamado de Darwin's Drill , [63] são o resultado de perfurações conduzidas pela Royal Society of London com o objetivo de investigar a formação de recifes de coral para determinar se vestígios de organismos de águas rasas podem ser encontrados em profundidade no coral dos atóis do Pacífico. Esta investigação seguiu o trabalho de The Structure and Distribution of Coral Reefs conduzido por Charles Darwin no Pacífico. A perfuração ocorreu em 1896, 1897 e 1898. [64] Professor Edgeworth David da University of Sydneyfoi membro da expedição "Funafuti Coral Reef Boring da Royal Society" de 1896, sob o comando do professor William Sollas, e liderou a expedição em 1897. [65] Os fotógrafos dessas viagens registraram pessoas, comunidades e cenas em Funafuti. [66]

Charles Hedley , naturalista do Museu Australiano , acompanhou a expedição de 1896 e, durante sua estada em Funafuti, coletou invertebrados e objetos etnológicos . As descrições deles foram publicadas no Memoir III do Australian Museum Sydney entre 1896 e 1900. Hedley também escreveu o General Account of the Atoll of Funafuti , [67] The Ethnology of Funafuti , [68] e The Mollusca of Funafuti . [69] [70] Edgar Waite também fez parte da expedição de 1896 e publicou Os mamíferos, répteis e peixes de Funafuti .[71] William Rainbow descreveu as aranhas e insetos coletados em Funafuti em The insect Fauna of Funafuti . [72]

Harry Clifford Fassett , secretário do capitão e fotógrafo, registrou pessoas, comunidades e cenas em Funafuti em 1900 durante uma visita do USFC Albatross quando a Comissão de Peixes dos Estados Unidos estava investigando a formação de recifes de coral nos atóis do Pacífico. [73]

Administração colonial

Selos das Ilhas Gilbert e Ellice com retratos do Rei George VI e da Rainha Elizabeth II

As Ilhas Ellice foram administradas como um Protetorado Britânico de 1892 a 1916, como parte dos Territórios do Pacífico Ocidental Britânico (BWPT), por um Comissário Residente baseado nas Ilhas Gilbert. A administração do BWTP terminou em 1916, e foi estabelecida a Colônia das Ilhas Gilbert e Ellice , que existiu até outubro de 1975.

Segunda Guerra Mundial

Durante a Segunda Guerra Mundial , as Ilhas Ellice foram informalmente alinhadas com os Aliados . No início da guerra, os japoneses invadiram e ocuparam Makin , Tarawa e outras ilhas no que hoje é Kiribati .

O Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos desembarcou em Funafuti em 2 de outubro de 1942 [74] e em Nanumea e Nukufetau em agosto de 1943. Funafuti foi usada como base para se preparar para os ataques marítimos subsequentes nas Ilhas Gilbert ( Kiribati ) que foram ocupadas por forças japonesas . [75]

Os ilhéus ajudaram as forças americanas a construir aeródromos em Funafuti, Nanumea e Nukufetau e a descarregar suprimentos dos navios. [76] Em Funafuti, os ilhéus mudaram-se para as ilhotas menores para permitir que as forças americanas construíssem o campo de aviação e construíssem bases navais e instalações portuárias em Fongafale . [77] Um Batalhão de Construção Naval ( Seabees ) construiu uma rampa de hidroavião no lado da lagoa da ilhota Fongafale, para operações de hidroaviões por hidroaviões de curto e longo alcance, e uma pista de coral compactado também foi construída em Fongafale, [78] com pistas também construídas para criar o Aeródromo de Nanumea [79] e o Aeródromo de Nukufetau . [80]Os barcos torpedeiros de patrulha da USN (PTs) estiveram baseados em Funafuti de 2 de novembro de 1942 a 11 de maio de 1944. [81]

Os atóis de Tuvalu funcionaram como pontos de parada durante a preparação para a Batalha de Tarawa e a Batalha de Makin que começou em 20 de novembro de 1943, que fizeram parte da implementação da "Operação Galvânica". [82] Após a guerra, o campo de aviação militar de Funafuti foi transformado no Aeroporto Internacional de Funafuti .

Pós-Segunda Guerra Mundial - transição para a independência

A formação das Nações Unidas após a Segunda Guerra Mundial resultou no Comitê Especial das Nações Unidas sobre Descolonização se comprometendo com um processo de descolonização; como conseqüência, as colônias britânicas no Pacífico iniciaram um caminho de autodeterminação . [83] [84]

Em 1974, o governo ministerial foi introduzido na Colônia das Ilhas Gilbert e Ellice por meio de uma mudança na Constituição. Naquele ano, uma eleição geral foi realizada, [85] e um referendo foi realizado em 1974 para determinar se as Ilhas Gilbert e as Ilhas Ellice deveriam ter sua própria administração. [86] Como consequência do referendo, a separação ocorreu em duas fases. A Ordem Tuvaluana de 1975, que entrou em vigor em 1 de outubro de 1975, reconheceu Tuvalu como uma dependência britânica separada com seu próprio governo. [87] A segunda etapa ocorreu em 1º de janeiro de 1976, quando administrações separadas foram criadas fora do serviço civil da colônia das ilhas Gilbert e Ellice. [88][89]

As eleições para a Casa da Assembleia da Colônia Britânica de Tuvalu foram realizadas em 27 de agosto de 1977, com Toaripi Lauti sendo nomeado Ministro-Chefe da Casa da Assembleia da Colônia de Tuvalu em 1 de outubro de 1977. A Casa da Assembleia foi dissolvida em julho de 1978 , com o governo de Toaripi Lauti continuando como um governo interino até que as eleições de 1981 foram realizadas. [90] Toaripi Lauti se tornou o primeiro primeiro-ministro em 1 de outubro de 1978, quando Tuvalu se tornou uma nação independente. [83] [91] Essa data também é comemorada como o Dia da Independência do país e é um feriado público. [92]

Tuvalu tornou-se totalmente independente dentro da Commonwealth em 1 de outubro de 1978. Em 5 de setembro de 2000, Tuvalu tornou-se o 189º membro das Nações Unidas .

Geografia e meio ambiente

Geografia

Uma praia no atol Funafuti

Tuvalu é um arquipélago vulcânico e consiste em três ilhas de recifes ( Nanumanga , Niutao e Niulakita ) e seis verdadeiros atóis (Funafuti, Nanumea, Nui , Nukufetau, Nukulaelae e Vaitupu ). [93] Seu pequeno grupo disperso de atóis de baixa altitude tem solo pobre e uma área total de apenas cerca de 26 quilômetros quadrados (10 milhas quadradas), tornando-o o quarto menor país do mundo . A maior elevação é 4,6 metros (15 pés) acima do nível do mar em Niulakita. Ao longo de quatro décadas, houve um aumento líquido da área de terra dos ilhéus de 73,5 ha (2,9%), embora as mudanças não sejam uniformes, com 74% aumentando e 27% diminuindo no tamanho. O nível do mar no medidor de maré Funafuti subiu 3,9 mm por ano, o que é aproximadamente o dobro da média global. [94] Um relatório de 2018 afirmou que a elevação do nível do mar é identificada como a criação de uma transferência aumentada de energia das ondas através das superfícies do recife, que desloca a areia, resultando em acréscimo para as costas das ilhas. [93] O primeiro-ministro de Tuvalu objetou à implicação do relatório de que havia estratégias "alternativas" para os ilhéus se adaptarem ao aumento do nível do mar e criticou-o por negligenciar questões como a intrusão de água salgadanos lençóis freáticos como resultado do aumento do nível do mar. [95]

Funafuti é o maior atol e compreende numerosas ilhotas ao redor de uma lagoa central que tem aproximadamente 25,1 quilômetros (15,6 milhas) (N – S) por 18,4 quilômetros (11,4 milhas) (WE), centrada em 179 ° 7'E e 8 ° 30'S . Nos atóis, uma borda de recife anular circunda a lagoa com sete canais de recife naturais. [96] Pesquisas foram realizadas em maio de 2010 nos habitats de recife de Nanumea, Nukulaelae e Funafuti; um total de 317 espécies de peixes foram registrados durante este estudo da Vida Marinha de Tuvalu . Os levantamentos identificaram 66 espécies que não haviam sido registradas anteriormente em Tuvalu, o que eleva o número total de espécies identificadas para 607. [97] [98] A zona econômica exclusiva de Tuvalu (ZEE) cobre uma área oceânica de aproximadamente 900.000 km2 . [99]

Tuvalu é parte da Convenção sobre Diversidade Biológica . [100] O tipo de vegetação predominante nas ilhas de Tuvalu é a floresta de coco cultivada, que cobre 43% da terra. A floresta folhosa nativa é limitada a 4,1% dos tipos de vegetação. [101] Tuvalu contém a ecorregião terrestre das florestas tropicais úmidas da Polinésia Ocidental . [102]

As pressões ambientais

Um cais e uma praia no atol de Funafuti

A linha costeira oriental da Lagoa Funafuti em Fongafale foi modificada durante a Segunda Guerra Mundial, quando o campo de aviação (agora Aeroporto Internacional de Funafuti ) foi construído. A base de coral do atol foi usada como preenchimento para criar a pista. Os poços de empréstimo resultantes impactaram o aqüífero de água doce . Nas áreas baixas de Funafuti, a água do mar pode ser vista borbulhando através da rocha de coral porosa para formar piscinas com cada maré alta. [103] [104] Em 2014, o projeto de Remediação de Poços de Empréstimo de Tuvalu (BPR) foi aprovado para que 10 poços de empréstimo fossem preenchidos com areia da lagoa, deixando Tafua Pond, que é uma lagoa natural. O governo da Nova Zelândia financiou o projeto BPR. [105]O projeto foi realizado em 2015, com 365.000 m2 de areia a ser dragados da lagoa para tapar buracos e melhorar as condições de vida na ilha. Este projeto aumentou o espaço de terra utilizável em Fongafale em 8 por cento. [106]

Durante a Segunda Guerra Mundial, vários cais também foram construídos em Fongafale, na Lagoa Funafuti; áreas de praia foram preenchidas e canais de acesso a águas profundas foram escavados. Essas alterações no recife e na linha da costa resultaram em mudanças nos padrões das ondas, com menos areia se acumulando para formar as praias, em comparação com os tempos anteriores; a linha costeira agora está exposta à ação das ondas. Várias tentativas de estabilizar a linha costeira não obtiveram o efeito desejado. [107]

Os recifes de Funafuti sofreram danos durante os eventos El Niño que ocorreram entre 1998 e 2001, com uma média de 70% dos corais Staghorn ( Acropora spp. ) Tornando-se branqueados como consequência do aumento da temperatura do oceano. [108] [109] [110] Um projeto de restauração de recife investigou técnicas de restauração de recife; [111] e pesquisadores do Japão investigaram a reconstrução dos recifes de coral através da introdução de foraminíferos . [112]O projeto da Agência de Cooperação Internacional do Japão visa aumentar a resiliência da costa de Tuvalu contra o aumento do nível do mar, por meio da reabilitação e regeneração do ecossistema e do apoio à produção de areia. [113]

O aumento da população resultou em um aumento da demanda por estoques de peixes, que estão sob estresse, [109] embora a criação da Área de Conservação de Funafuti tenha fornecido uma área de exclusão de pesca para ajudar a sustentar a população de peixes em toda a lagoa Funafuti. [114] A pressão da população sobre os recursos de Funafuti e os sistemas de saneamento inadequados resultaram em poluição. [115] [116] A Lei de Operações e Serviços de Resíduos de 2009 fornece a estrutura legal para a gestão de resíduos e projetos de controle de poluição financiados pela União Europeia direcionados à compostagem de resíduos orgânicos em sistemas de eco-saneamento. [117]O Regulamento de Proteção Ambiental (Controle de Lixo e Resíduos) de 2013 visa melhorar a gestão da importação de materiais não biodegradáveis. Resíduos de plástico são um problema em Tuvalu, pois muitos alimentos importados e outras mercadorias são fornecidos em recipientes ou embalagens de plástico.

Clima

Tuvalu experimenta duas estações distintas, uma estação chuvosa de novembro a abril e uma estação seca de maio a outubro. [118] Ventos fortes de oeste e chuvas fortes são as condições climáticas predominantes de outubro a março, o período que é conhecido como Tau-o-lalo , com temperaturas tropicais moderadas por ventos de leste de abril a novembro.

Tuvalu sofre os efeitos do El Niño e do La Niña , que são causados ​​por mudanças nas temperaturas do oceano no Pacífico equatorial e central. Os efeitos do El Niño aumentam as chances de tempestades tropicais e ciclones , enquanto os efeitos do La Niña aumentam as chances de seca. Normalmente, as ilhas de Tuvalu recebem entre 200 a 400 mm (8 a 16 pol.) De precipitação por mês. O Oceano Pacífico central experimenta mudanças de períodos de La Niña para períodos de El Niño. [119]

Dados climáticos para Funafuti, Tuvalu
Mês Jan Fev Mar Abr Poderia Junho Jul Agosto Set Out Nov Dez Ano
Registro de alta ° C (° F) 38
(100)
38
(100)
37
(99)
40
(104)
40
(104)
38
(100)
39
(102)
39
(102)
38
(100)
40
(104)
41
(106)
37
(99)
41
(106)
Média alta ° C (° F) 31
(87)
30
(86)
30
(86)
31
(87)
31
(87)
30
(86)
30
(86)
30
(86)
30
(86)
31
(87)
31
(87)
31
(87)
30
(86)
Média baixa ° C (° F) 27
(81)
27
(81)
27
(81)
27
(81)
28
(82)
27
(81)
27
(81)
27
(81)
27
(81)
27
(81)
27
(81)
27
(81)
26,9
(80,5)
Registro de ° C baixo (° F) 22
(72)
22
(72)
22
(72)
22
(72)
20
(68)
23
(73)
21
(70)
20
(68)
20
(68)
21
(70)
22
(72)
22
(72)
20
(68)
Precipitação média mm (polegadas) 390
(15,3)
350
(13,9)
310
(12,4)
250
(10)
240
(9,3)
240
(9,3)
260
(10,4)
250
(9,8)
230
(9,1)
270
(10,5)
280
(10,9)
390
(15,5)
3.500
(137,7)
Fonte: Weatherbase [120]

Impacto das alterações climáticas

Como ilhas baixas sem uma plataforma rasa ao redor, as comunidades de Tuvalu são especialmente suscetíveis a mudanças no nível do mar e tempestades não dissolvidas. [121] [122] [123] No seu ponto mais alto, Tuvalu está a apenas 4,6 metros (15 pés) acima do nível do mar. Os líderes tuvaluanos estão preocupados com os efeitos da elevação do nível do mar. [124] Estima-se que um aumento do nível do mar de 20 a 40 centímetros (8 a 16 polegadas) nos próximos 100 anos pode tornar Tuvalu inabitável. [125] [126] Um estudo publicado em 2018 estimou a mudança na área terrestre dos nove atóis e 101 ilhas de recife de Tuvalu entre 1971 e 2014, indicando que 75% das ilhas haviam crescido em área, com um aumento geral de mais de 2 % [127] Enele Sopoaga, o Primeiro Ministro de Tuvalu, respondeu à pesquisa afirmando que Tuvalu não está se expandindo e não ganhou nenhuma terra habitável adicional. [128] [129] Sopoaga, também disse que evacuar as ilhas é o último recurso. [130]

Se há mudanças mensuráveis ​​no nível do mar em relação às ilhas de Tuvalu é uma questão controversa. [131] [132] Houve problemas associados aos registros do nível do mar anteriores a 1993 em Funafuti, o que resultou em melhorias na tecnologia de registro para fornecer dados mais confiáveis ​​para análise. [126] O grau de incerteza quanto às estimativas da mudança do nível do mar em relação às ilhas de Tuvalu foi refletido nas conclusões feitas em 2002 a partir dos dados disponíveis. [126] A incerteza quanto à precisão dos dados deste medidor de maré resultou em um medidor acústico Aquatrak moderno sendo instalado em 1993 pela Australian National Tidal Facility(NTF) como parte do Projeto de Monitoramento Climático e Nível do Mar do Pacífico Sul patrocinado pela AusAID. [133] O relatório de 2011 do Pacific Climate Change Science Program publicado pelo governo australiano, [134] conclui: "O aumento do nível do mar perto de Tuvalu medido por altímetros de satélite desde 1993 é de cerca de 5 mm (0,2 pol.) Por ano." [135]

Tuvalu adotou um plano de ação nacional, visto que as transformações observáveis ​​nos últimos dez a quinze anos mostram aos tuvaluanos que houve mudanças no nível do mar. [136] Isso inclui a água do mar borbulhando através da rocha de coral porosa para formar piscinas na maré alta e a inundação de áreas baixas, incluindo o aeroporto durante as marés vivas e marés altas . [103] [104] [137] [138] [139]

Ciclones e marés rei

Ciclones

Lado do oceano do atol de Funafuti mostrando as dunas de tempestade, o ponto mais alto do atol.

Por causa da baixa altitude, as ilhas que compõem este país são vulneráveis ​​aos efeitos dos ciclones tropicais e à ameaça de aumento atual e futuro do nível do mar . [115] [140] [141] Um sistema de alerta, que usa a rede de satélites Iridium , foi introduzido em 2016 para permitir que as ilhas remotas estivessem melhor preparadas para desastres naturais. [142]

A maior elevação é 4,6 metros (15 pés) acima do nível do mar em Niulakita , [143] Tuvalu, portanto, tem a segunda menor elevação máxima de qualquer país (depois das Maldivas ). As maiores elevações são normalmente em estreitas dunas de tempestade no lado do oceano das ilhas, que são propensas a galgamento em ciclones tropicais, como ocorreu com o ciclone Bebe , que foi uma tempestade no início da temporada que passou pelos atóis de Tuvalu em outubro de 1972. [ 144] O ciclone Bebe submergiu Funafuti, eliminando 90% das estruturas da ilha. Fontes de água potável foram contaminadas como resultado da vaga de tempestade do sistema e do alagamento das fontes de água doce. [145]

George Westbrook, um comerciante em Funafuti, registrou um ciclone que atingiu Funafuti em 23-24 de dezembro de 1883. [146] Um ciclone atingiu Nukulaelae em 17-18 de março de 1886. [146] Um ciclone causou graves danos às ilhas em 1894. [ 146] 147]

Tuvalu experimentou uma média de três ciclones por década entre as décadas de 1940 e 1970; no entanto, oito ocorreram na década de 1980. [148] O impacto de ciclones individuais está sujeito a variáveis, incluindo a força dos ventos e também se um ciclone coincide com as marés altas. A ilhota Tepuka Vili Vili de Funafuti foi devastada pelo ciclone Meli em 1979, com toda a sua vegetação e a maior parte da areia varrida durante o ciclone. Junto com uma depressão tropical que afetou as ilhas alguns dias depois, o ciclone tropical severo Ofa teve um grande impacto em Tuvalu, com a maioria das ilhas relatando danos à vegetação e plantações. [149] [150] Ciclone Gavin foi identificado pela primeira vez em 2 de março de 1997, e foi o primeiro de três ciclones tropicais a afetar Tuvalu durante a temporada de ciclones de 1996-97, com os ciclones Hina e Keli seguindo no final da temporada.

Em março de 2015, os ventos e as tempestades criadas pelo ciclone Pam resultaram em ondas de 3 metros (9,8 pés) a 5 metros (16 pés) quebrando sobre o recife das ilhas externas, causando danos a casas, plantações e infraestrutura. [151] [152] Um estado de emergência foi declarado. Em Nui, as fontes de água doce foram destruídas ou contaminadas. [153] [154] [155] As inundações em Nui e Nukufetau fizeram com que muitas famílias se abrigassem em centros de evacuação ou com outras famílias. [156] Nui sofreu a maior parte dos danos das três ilhas centrais (Nui, Nukufetau e Vaitupu); [157] com Nui e Nukufetau sofrendo a perda de 90% das safras. [158]Das três ilhas do norte (Nanumanga, Niutao e Nanumea), Nanumanga foi a que mais sofreu danos, com 60 a 100 casas inundadas, com as ondas também causando danos à unidade de saúde. [158] A ilhota Vasafua , parte da Área de Conservação Funafuti , foi severamente danificada pelo ciclone Pam. Os coqueiros foram levados pela água, deixando a ilhota como uma barra de areia. [159] [160]

O governo de Tuvalu realizou avaliações dos danos causados ​​pelo ciclone Pam às ilhas e forneceu ajuda médica, alimentação e assistência para a limpeza dos destroços da tempestade. Organizações governamentais e não governamentais forneceram assistência técnica, financiamento e apoio material a Tuvalu para ajudar na recuperação, incluindo OMS, UNICEF, PNUD, OCHA, Banco Mundial, DFAT, Cruz Vermelha da Nova Zelândia e IFRC, Universidade Nacional de Fiji e governos da Nova Zelândia , Holanda, Emirados Árabes Unidos, Taiwan e Estados Unidos. [161]

King tides

Tuvalu também é afetada por eventos de marés vivas perigeanas que elevam o nível do mar mais alto do que uma maré alta normal . [162] O pico de maré mais alto registrado pelo Serviço Meteorológico de Tuvalu é de 3,4 metros (11 pés), em 24 de fevereiro de 2006 e novamente em 19 de fevereiro de 2015. [163] Como resultado do aumento histórico do nível do mar, os eventos da maré real lideram à inundação de áreas baixas, que se agravam quando o nível do mar aumenta ainda mais pelos efeitos do La Niña ou por tempestades e ondas locais. [164]

Água e saneamento

A coleta de água da chuva é a principal fonte de água doce em Tuvalu. Nukufetau, Vaitupu e Nanumea são as únicas ilhas com fontes sustentáveis ​​de água subterrânea. A eficácia da coleta de água da chuva é diminuída por causa da má manutenção dos telhados, calhas e canos. [165] [166] Programas de ajuda da Austrália e da União Europeia foram direcionados para melhorar a capacidade de armazenamento em Funafuti e nas ilhas externas. [167]

Unidades de dessalinização por osmose reversa (R / O) complementam a coleta de água da chuva em Funafuti. A planta de dessalinização de 65 m 3 opera a um nível de produção real de cerca de 40 m 3 por dia. A água R / O só deve ser produzida quando o armazenamento cair abaixo de 30%; no entanto, a demanda para reabastecer os suprimentos de armazenamento doméstico com água fornecida por caminhão-tanque significa que as unidades de dessalinização R / O estão operando continuamente. A água é fornecida a um custo de A $ 3,50 por m 3 . O custo de produção e entrega foi estimado em A $ 6 por m 3 , com a diferença subsidiada pelo governo. [165]

Em julho de 2012, um Relator Especial das Nações Unidas pediu ao governo de Tuvalu que desenvolvesse uma estratégia nacional de água para melhorar o acesso à água potável e ao saneamento. [168] [169] Em 2012, Tuvalu desenvolveu uma Política Nacional de Recursos Hídricos no âmbito do Projeto de Gestão Integrada de Recursos Hídricos (IWRM) e do Projeto de Adaptação do Pacífico às Mudanças Climáticas (PACC), que são patrocinados pelo Fundo Global para o Meio Ambiente / SOPAC. O planejamento hídrico do governo estabeleceu uma meta de 50 a 100 litros de água por pessoa por dia, contabilizando água potável, limpeza, atividades comunitárias e culturais. [165]

Tuvalu está trabalhando com a Comissão de Geociência Aplicada do Pacífico Sul (SOPAC) para implementar banheiros compostáveis ​​e melhorar o tratamento de lodo de esgoto de fossas sépticas em Fongafale , pois as fossas sépticas estão vazando para as lentes de água doce na sub-superfície do atol também como o oceano e a lagoa. Os banheiros de compostagem reduzem o uso de água em até 30%. [165]

Governo

Prédio do governo

Democracia parlamentar

A Constituição de Tuvalu afirma que é "a lei suprema de Tuvalu" e que "todas as outras leis devem ser interpretadas e aplicadas sujeitas a esta Constituição"; estabelece os Princípios da Declaração de Direitos e da Proteção dos Direitos e Liberdades Fundamentais. [170]

Tuvalu é uma democracia parlamentar e reino da Commonwealth com Elizabeth II como Rainha de Tuvalu . Visto que a Rainha reside no Reino Unido, ela é representada em Tuvalu por um Governador Geral , a quem ela nomeia a conselho do Primeiro Ministro de Tuvalu . [90] Em 1986 e 2008 , referendos confirmaram a monarquia.

De 1974 (criação da colônia britânica de Tuvalu) até a independência, o corpo legislativo de Tuvalu foi denominado Casa da Assembleia ou Fale I Fono . Após a independência em outubro de 1978, a Casa da Assembleia foi renomeada como Parlamento de Tuvalu ou Palamene o Tuvalu . [90] O lugar onde o parlamento se senta é chamado de Vaiaku maneapa . [171] O maneapa em cada ilha é um ponto de encontro aberto onde os chefes e anciãos deliberam e tomam decisões. [171]

O Parlamento unicameral tem 15 membros, com eleições realizadas a cada quatro anos. Os membros do parlamento selecionam o primeiro-ministro (que é o chefe do governo ) e o porta- voz do parlamento . Os ministros que formam o Gabinete são nomeados pelo Governador Geral sob conselho do Primeiro-Ministro. Não existem partidos políticos formais; as campanhas eleitorais são amplamente baseadas em laços e reputações pessoais / familiares.

A Biblioteca e Arquivos Nacionais de Tuvalu mantém "documentação vital sobre o patrimônio cultural, social e político de Tuvalu", incluindo registros remanescentes da administração colonial , bem como arquivos do governo de Tuvalu. [172]

Tuvalu é um estado parte dos seguintes tratados de direitos humanos: a Convenção sobre os Direitos da Criança (CDC); a Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra as Mulheres (CEDAW) e; a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (CRPD). [173] Tuvalu tem compromissos para garantir que os direitos humanos sejam respeitados de acordo com a Revisão Periódica Universal (UPR), os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e o Te Kakeega III - Estratégia Nacional para o Desenvolvimento Sustentável-2016-2020(TK III), que estabelece a agenda de desenvolvimento do Governo de Tuvalu. O TK III inclui novas áreas estratégicas, além das oito identificadas no TK II, que são mudanças climáticas; ambiente; migração e urbanização; e oceanos e mares. [174]

O Conselho Nacional para Mulheres de Tuvalu atua como uma organização guarda-chuva para grupos não-governamentais de direitos das mulheres em todo o país e trabalha em estreita colaboração com o governo. [175]

Sistema legal

Existem oito Tribunais de Ilha e Tribunais Terrestres; apelações em relação a disputas de terra são feitas ao Painel de Apelação dos Tribunais de Terras. Os recursos dos Tribunais da Ilha e do Painel de Recursos dos Tribunais de Terras são apresentados ao Tribunal de Magistrados, que tem jurisdição para julgar casos civis envolvendo até $ T 10.000. O tribunal superior é o Tribunal Superior de Tuvalu , pois tem jurisdição original ilimitada para determinar a Lei de Tuvalu e para ouvir recursos dos tribunais inferiores. As decisões do Tribunal Superior podem ser apeladas para o Tribunal de Recurso de Tuvalu . Do Tribunal de Recurso, existe o direito de recurso para Sua Majestade no Conselho, ou seja, o Conselho Privado em Londres. [176] [177]

No que diz respeito ao judiciário, "a primeira magistrada do Tribunal da Ilha foi nomeada para o Tribunal da Ilha em Nanumea na década de 1980 e outra em Nukulaelae no início da década de 1990". Havia 7 magistradas mulheres nos Tribunais da Ilha de Tuvalu (em 2007) em comparação "com o passado, onde apenas uma magistrada servia no Tribunal de Magistrados de Tuvalu". [178]

A Lei de Tuvalu compreende as Leis votadas pelo Parlamento de Tuvalu e instrumentos estatutários que se tornaram lei; certas leis aprovadas pelo Parlamento do Reino Unido (durante a época em que Tuvalu era um protetorado ou colônia britânica); o direito comum ; e direito consuetudinário (particularmente em relação à propriedade da terra). [176] [177] O sistema de posse da terra é amplamente baseado em kaitasi (propriedade de família estendida). [179]

Relações externas

O presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, visita o governador-geral de Tuvalu Iakoba Italeli em novembro de 2017

Tuvalu participa do trabalho da Comunidade do Pacífico (SPC) e é membro do Fórum das Ilhas do Pacífico , da Comunidade das Nações e das Nações Unidas. Mantém uma missão nas Nações Unidas na cidade de Nova York desde 2000. É membro do Banco Mundial e do Banco Asiático de Desenvolvimento .

Tuvalu mantém relações estreitas com Fiji, Nova Zelândia, Austrália (que mantém um Alto Comissariado em Tuvalu desde 2018), Japão, Coreia do Sul, Taiwan, Estados Unidos da América, Reino Unido e União Europeia . Tem relações diplomáticas com Taiwan; o país mantém uma das duas embaixadas estrangeiras em Tuvalu e tem um grande programa de assistência nas ilhas.

Uma grande prioridade internacional para Tuvalu nas Nações Unidas, na Cúpula da Terra de 2002 em Joanesburgo , África do Sul e em outros fóruns internacionais, é promover a preocupação com o aquecimento global e a possível elevação do nível do mar. Tuvalu defende a ratificação e implementação do Protocolo de Quioto . Em dezembro de 2009, as ilhas paralisaram as negociações sobre mudança climática na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática em Copenhague, temendo que outros países em desenvolvimento não estivessem se comprometendo totalmente com acordos vinculantes sobre a redução das emissões de carbono. Seu principal negociador afirmou: "Tuvalu é um dos países mais vulneráveis ​​do mundo às mudanças climáticas e nosso futuro depende do resultado desta reunião." [180]

Tuvalu participa da Aliança de Pequenos Estados Insulares (AOSIS), que é uma coalizão de pequenas ilhas e países costeiros de baixa altitude que se preocupam com sua vulnerabilidade aos efeitos adversos da mudança climática global. De acordo com a Declaração de Majuro , que foi assinada em 5 de setembro de 2013, Tuvalu assumiu o compromisso de implementar a geração de energia 100% renovável (entre 2013 e 2020), que se propõe a ser implementada usando Solar PV (95% da demanda) e biodiesel (5% da demanda). A viabilidade da geração de energia eólica será considerada. [181] Tuvalu participa das operações da Comissão de Geociências Aplicadas das Ilhas do Pacífico (SOPAC) e daSecretaria do Programa Regional do Meio Ambiente do Pacífico (SPREP). [182]

Tuvalu é parte de um tratado de amizade com os Estados Unidos, assinado logo após a independência e ratificado pelo Senado dos EUA em 1983, segundo o qual os Estados Unidos renunciaram a reivindicações territoriais anteriores de quatro ilhas tuvaluanas ( Funafuti , Nukufetau , Nukulaelae e Niulakita ) durante o Lei das Ilhas Guano de 1856. [183]

Tuvalu participa das operações do Pacific Island Forum Fisheries Agency (FFA) [184] e da Western and Central Pacific Fisheries Commission (WCPFC). [185] O governo tuvaluano, o governo dos EUA e os governos de outras ilhas do Pacífico são partes do Tratado do Atum do Pacífico Sul (SPTT), que entrou em vigor em 1988. [186] Tuvalu também é membro do Acordo de Nauru, que aborda a gestão da pesca de cerco com retenida de atumno Pacífico ocidental tropical. Os Estados Unidos e os países das Ilhas do Pacífico negociaram o Tratado Multilateral de Pesca (que abrange o Tratado do Atum do Pacífico Sul) para confirmar o acesso dos atuneiros dos EUA às pescarias no Pacífico Ocidental e Central. Tuvalu e os outros membros da Pacific Island Forum Fisheries Agency (FFA) e os Estados Unidos fecharam um acordo de pesca de atum para 2015; um acordo de longo prazo será negociado. O tratado é uma extensão do Acordo de Nauru e prevê que as embarcações de cerco com retenida com bandeira dos EUA pesquem 8.300 dias na região em troca de um pagamento de US $ 90 milhões feito pela indústria de pesca do atum e contribuições do governo dos EUA. [187]Em 2015, Tuvalu se recusou a vender dias de pesca para certas nações e frotas que bloquearam as iniciativas tuvaluenses para desenvolver e manter sua própria pesca. [188] Em 2016, o Ministro dos Recursos Naturais chamou a atenção para o Artigo 30 da Convenção WCPF, que descreve a obrigação coletiva dos membros de considerar a carga desproporcional que as medidas de gestão podem representar para os pequenos Estados insulares em desenvolvimento. [189]

Em julho de 2013, Tuvalu assinou o Memorando de Entendimento (MOU) para estabelecer o Mecanismo de Comércio e Desenvolvimento Regional do Pacífico, o qual foi originado em 2006, no contexto das negociações para um Acordo de Parceria Econômica (APE) entre os Estados ACP do Pacífico e a União Europeia . O fundamento lógico para a criação do mecanismo consiste em melhorar a prestação de ajuda aos países insulares do Pacífico em apoio aos requisitos da Ajuda para o Comércio (AfT). Os Estados ACP do Pacífico são os países do Pacífico signatários do Acordo de Cotonou com a União Europeia . [190]Em 31 de maio de 2017, realizou-se em Funafuti o primeiro diálogo político de alto nível reforçado entre Tuvalu e a União Europeia ao abrigo do Acordo de Cotonou. [191]

Em 18 de fevereiro de 2016, Tuvalu assinou a Carta do Fórum de Desenvolvimento das Ilhas do Pacífico e juntou-se formalmente ao Fórum de Desenvolvimento das Ilhas do Pacífico (PIDF). [192] Em junho de 2017, Tuvalu assinou o Acordo do Pacífico sobre Relações Econômicas Mais Próximas (PACER). [193] [194]

Defesa e aplicação da lei

Tuvalu não tem forças militares regulares e não gasta dinheiro com os militares. A sua força policial nacional, a Polícia de Tuvalu com sede em Funafuti, inclui uma unidade de vigilância marítima , alfândega, prisões e imigração. Os policiais usam uniformes de estilo britânico .

De 1994 a 2019, Tuvalu policiou sua zona econômica exclusiva de 200 quilômetros com o barco-patrulha da classe Pacífico HMTSS Te Mataili , fornecido pela Austrália. A Austrália deu Tuvalu e 11 outros parceiros no Fórum do Pacífico , para uso em vigilância marítima e patrulha de pesca e para missões de busca e resgate. [195] ("HMTSS" significa Navio do Estado Tuvaluano de Sua Majestade ou Navio de Vigilância Tuvalu de Sua Majestade .) Em 7 de abril de 2019, a Austrália doou um barco de patrulha da classe Guardião chamado HMTSS Te Mataili II, e que será operado pela unidade de vigilância marítima da Polícia de Tuvalu. [196] [197]

A homossexualidade masculina é ilegal em Tuvalu. [198] O crime em Tuvalu não é um problema social significativo devido a um sistema de justiça criminal eficaz, também devido à influência da Falekaupule (a assembleia tradicional de anciãos de cada ilha) e ao papel central das instituições religiosas na comunidade tuvaluana.

Divisões administrativas

Tuvalu consiste em seis atóis e três ilhas de recife . O menor, Niulakita, é administrado como parte de Niutao.

Cada ilha tem seu próprio chefe supremo, ou ulu-aliki , e vários subchefes ( alikis ). O conselho da comunidade é a Falekaupule (a assembléia tradicional dos anciãos) ou te sina o fenua (literalmente: "os cabelos grisalhos da terra"). No passado, outra casta, os padres (tofuga), também estavam entre os tomadores de decisão. O ulu-aliki e o aliki exercem autoridade informal em nível local. Ulu-aliki são sempre escolhidos com base na ancestralidade. Sob a Lei Falekaupule (1997), [199] os poderes e funções do Falekaupule são agora compartilhados com o pule o kaupule (presidentes de aldeia eleitos; um em cada atol). [200]

Um mapa de Tuvalu.

Distritos do governo local consistindo em mais de uma ilhota:

Distritos governamentais locais que consistem em apenas uma ilha:

Tuvalu tem códigos ISO 3166-2 definidos para um conselho municipal (Funafuti) e sete conselhos insulares. Niulakita, que agora tem seu próprio conselho insular, não está listada, pois é administrada como parte de Niutao.

Sociedade

Demografia

Distribuição da população de Tuvalu por faixa etária (2014).

A população no censo de 2002 era de 9.561, [201] e a população no censo de 2017 era de 10.645. [202] [203] A avaliação mais recente em 2020 coloca a população em 11.342. [204] A população de Tuvalu é principalmente de etnia polinésia , com aproximadamente 5,6% da população sendo micronésios que falam gilbertês , especialmente em Nui . [202]

A expectativa de vida das mulheres em Tuvalu é de 70,2 anos e de 65,6 anos para os homens (2018 est.). [205] A taxa de crescimento da população do país é de 0,86% (2018 est.). [205] A taxa de migração líquida é estimada em -6,6 migrante (s) / 1.000 habitantes (2018 est.). [205] A ameaça do aquecimento global em Tuvalu ainda não é uma motivação dominante para a migração, já que os tuvaluanos parecem preferir continuar vivendo nas ilhas por razões de estilo de vida, cultura e identidade. [206]

De 1947 a 1983, vários tuvaluanos de Vaitupu migraram para Kioa , uma ilha em Fiji. [207] Os colonos de Tuvalu receberam cidadania fijiana em 2005. Nos últimos anos, a Nova Zelândia e a Austrália foram os principais destinos para a migração ou trabalho sazonal.

Em 2014, chamou-se a atenção para um recurso ao Tribunal de Imigração e Proteção da Nova Zelândia contra a deportação de uma família tuvaluana com base no fato de que eram "refugiados das mudanças climáticas", que sofreriam privações resultantes da degradação ambiental de Tuvalu. [208] No entanto, a subsequente concessão de autorizações de residência à família foi feita por motivos não relacionados com o pedido de refugiado. [209] A família teve sucesso em seu recurso porque, de acordo com a legislação de imigração pertinente, havia "circunstâncias excepcionais de natureza humanitária" que justificavam a concessão de autorizações de residência, pois a família foi integrada na sociedade da Nova Zelândia com uma família extensa de tamanho considerável que efetivamente se mudou para a Nova Zelândia. [209]De fato, em 2013, a alegação de um homem de Kiribati de ser um "refugiado da mudança climática" nos termos da Convenção sobre o Estatuto dos Refugiados (1951) foi considerada insustentável pelo Tribunal Superior da Nova Zelândia, pois não houve perseguição ou dano grave relacionados a qualquer um dos cinco fundamentos da Convenção de Refugiados estipulados. [210] A migração permanente para a Austrália e Nova Zelândia, como para reunificação familiar, exige o cumprimento da legislação de imigração desses países. [211]

A Nova Zelândia tem uma cota anual de 75 tuvaluanos com permissão de trabalho concedida sob a Categoria de Acesso ao Pacífico , conforme anunciado em 2001. [212] Os candidatos se inscrevem nas cédulas da Categoria de Acesso ao Pacífico (PAC); o critério principal é que o candidato principal deve ter uma oferta de emprego de um empregador da Nova Zelândia. [213] Os tuvaluanos também têm acesso a empregos sazonais nas indústrias de horticultura e viticultura na Nova Zelândia sob a Política de Trabalho de Empregador Sazonal Reconhecido (RSE) introduzida em 2007, permitindo o emprego de até 5.000 trabalhadores de Tuvalu e outras ilhas do Pacífico. [214] Os tuvaluanos podem participar do Programa de Trabalhadores Sazonais do Pacífico Australiano, que permite que os ilhéus do Pacífico obtenham empregos sazonais na indústria agrícola australiana, em particular nas operações de algodão e cana-de-açúcar; indústria pesqueira, em especial aquicultura; e com provedores de hospedagem na indústria do turismo. [215]

Idiomas

A língua tuvaluana e o inglês são as línguas nacionais de Tuvalu. O tuvaluano faz parte do grupo eliceano de línguas polinésias , remotamente relacionado com todas as outras línguas polinésias, como o havaiano , maori , taitiano , rapa nui , samoano e tonganês . [216] Está mais intimamente relacionado com as línguas faladas nos outliers da Polinésia na Micronésia e no norte e no centro da Melanésia . A língua tuvaluana foi emprestada da língua samoana, como consequência dos missionários cristãos no final do século 19 e no início do século 20 serem predominantemente samoanos.[41] [216]

A língua tuvaluana é falada por quase todos, enquanto uma língua muito semelhante ao gilbertês é falada em Nui . [216] [217] Inglês também é uma língua oficial, mas não é falado no uso diário. O parlamento e as funções oficiais são conduzidas na língua tuvaluana.

Existem cerca de 13.000 falantes de tuvaluano em todo o mundo. [218] [219] Rádio Tuvalu transmite programação em língua tuvaluana.

Religião

Fetu Ao Lima (Igreja da Estrela da Manhã), Igreja Cristã Congregacional de Tuvalu

A Igreja Cristã Congregacional de Tuvalu , que faz parte da tradição calvinista , é a igreja estatal de Tuvalu; [220] embora na prática isso apenas dê direito ao "privilégio de prestar serviços especiais em grandes eventos nacionais". [221] Seus adeptos compreendem cerca de 97% dos 10.837 (censo de 2012) habitantes do arquipélago . [220] [222] A Constituição de Tuvalugarante a liberdade de religião, incluindo a liberdade de praticar, a liberdade de mudar de religião, o direito de não receber instrução religiosa na escola ou de assistir a cerimônias religiosas na escola e o direito de não "fazer juramento ou fazer uma afirmação contrária à sua religião ou crença ". [223]

Outros grupos cristãos incluem a comunidade católica servida pela Missão Sui Iuris de Funafuti e a Igreja Adventista do Sétimo Dia, que tem 2,8% da população. [205] De acordo com suas próprias estimativas, a Igreja Irmãos de Tuvalu tem cerca de 500 membros (ou seja, 4,5% da população). [224]

A Fé Baháʼ é a maior religião minoritária e a maior religião não cristã em Tuvalu. Constitui 2,0% da população. [205] Os bahá'ís são a maioria na Ilha Nanumea de Tuvalu. [225] A Comunidade Muçulmana Ahmadiyya consiste em cerca de 50 membros (0,4% da população). [226]

A introdução do Cristianismo acabou com a adoração de espíritos ancestrais e outras divindades ( animismo ), [227] junto com o poder dos vaka-atua (os sacerdotes das antigas religiões). [228] Laumua Kofe descreve os objetos de adoração como variando de ilha para ilha, embora a adoração aos ancestrais tenha sido descrita pelo Rev. DJ Whitmee em 1870 como sendo uma prática comum. [229]

Saúde

O Hospital Princesa Margaret em Funafuti é o único hospital em Tuvalu e o principal provedor de serviços médicos.

Desde o final do século 20, o maior problema de saúde em Tuvalu, e a principal causa de morte, têm sido as doenças cardíacas , [230] que são seguidas de perto pela diabetes [231] e pressão alta . [230] Em 2016, a maioria das mortes resultou de doenças cardíacas, como diabetes mellitus, hipertensão, obesidade e doenças vasculares cerebrais entre as outras causas de morte. [232]

Educação

Crianças em Niutao

A educação em Tuvalu é gratuita e obrigatória entre as idades de 6 e 15 anos. Cada ilha tem uma escola primária. A Escola Secundária Motufoua está localizada em Vaitupu . [233] Os alunos ficam na escola durante o período escolar, retornando às suas ilhas de origem a cada férias escolares. A Escola Secundária de Fetuvalu , uma escola diurna administrada pela Igreja de Tuvalu , fica em Funafuti. [234]

Fetuvalu oferece o currículo de Cambridge . Motufoua oferece o Fiji Junior Certificate (FJC) no ano 10, o certificado tuvaluano no ano 11 e o Pacific Senior Secondary Certificate (PSSC) no ano 12, que é definido pela SPBEA, a banca de exames baseada em Fiji . [235] Os alunos da sexta série que passam no PSSC vão para o Programa de Fundação Aumentada, financiado pelo governo de Tuvalu. Este programa é obrigatório para programas de ensino superior fora de Tuvalu e está disponível no Centro de Extensão da Universidade do Pacífico Sul (USP) em Funafuti. [236]

A frequência escolar obrigatória é de 10 anos para homens e 11 anos para mulheres (2001). [205] A taxa de alfabetização de adultos é de 99,0% (2002). [237] Em 2010, havia 1.918 alunos que foram ensinados por 109 professores (98 certificados e 11 não certificados). A proporção professor-aluno para as escolas primárias em Tuvalu é de cerca de 1:18 para todas as escolas, com exceção da Escola Nauti, que tem uma proporção de 1:27. A Escola Nauti em Funafuti é a maior escola primária em Tuvalu, com mais de 900 alunos (45 por cento do total de matrículas na escola primária). A proporção aluno-professor para Tuvalu é baixa em comparação com toda a região do Pacífico (proporção de 1:29). [238]

Centros de treinamento comunitário (CTCs) foram estabelecidos nas escolas primárias de cada atol. Eles fornecem treinamento vocacional para alunos que não progridem além da Classe 8 porque foram reprovados nas qualificações de entrada para o ensino médio. Os CTCs oferecem treinamento básico em carpintaria, jardinagem e lavoura, costura e culinária. No final dos seus estudos, os formandos podem candidatar-se para continuar os estudos na Escola Secundária de Motufoua ou no Instituto de Formação Marítima de Tuvalu (TMTI). Adultos também podem frequentar cursos nos CTCs. [239]

Quatro instituições de ensino superior oferecem cursos técnicos e vocacionais: Instituto de Treinamento Marítimo de Tuvalu (TMTI), Instituto de Treinamento em Ciência e Tecnologia do Atol de Tuvalu (TASTII), Coalizão de Treinamento do Pacífico Australiano (APTC) e Centro de Extensão da Universidade do Pacífico Sul (USP). [240]

O Regulamento de Trabalho Tuvaluano de 1966 define a idade mínima para emprego remunerado em 14 anos e proíbe crianças menores de 15 anos de realizar trabalhos perigosos. [241]

Cultura

Interior de um maneapa em Funafuti, Tuvalu

Arquitetura

Os edifícios tradicionais de Tuvalu usavam plantas e árvores da floresta nativa de folha larga, [242] incluindo madeira de pouka ( Hernandia peltata ); ngia ou ingia bush ( Pemphis acidula ); miro ( Thespesia populnea ); tonga ( Rhizophora mucronata ); fau ou fo fafini , ou árvore de fibra feminina ( Hibiscus tiliaceus ). [242] A fibra é de coco ; ferra , figo nativo ( Ficus aspem );fala , parafuso de pinho ou Pandanus . [242] Os edifícios foram construídos sem pregos e amarrados com uma corda trançada sennit feita à mão com fibra de coco seca. [243]

Após o contato com europeus, produtos de ferro foram usados, incluindo pregos e material de cobertura ondulado. Os edifícios modernos em Tuvalu são construídos com materiais de construção importados, incluindo madeira e concreto importados. [243]

Os edifícios da igreja e da comunidade ( maneapa ) são geralmente revestidos com tinta branca, conhecida como lase , que é feita pela queima de uma grande quantidade de coral morto com lenha. O pó esbranquiçado resultante é misturado com água e pintado nas edificações. [244]

Uma dançarina tuvaluana no Festival Pasifika de Auckland

Art of Tuvalu

As mulheres de Tuvalu usar cowrie conchas e outros em tradicionais artesanato . [245] As tradições artísticas de Tuvalu foram tradicionalmente expressas no design de roupas e no artesanato tradicional, como a decoração de esteiras e leques . [245] O crochê ( kolose ) é uma das formas de arte praticadas pelas mulheres tuvaluanas. [246] O design de saias ( titi ), tops ( teuga saka ), tiaras , braçadeiras e pulseiras femininas, que continua a ser usado em apresentações das canções de dança tradicionais de Tuvalu, representa a arte e o design contemporâneo tuvaluano. [247] A cultura material de Tuvalu usa elementos de design tradicionais em artefatos usados ​​na vida cotidiana, como o design de canoas e anzóis feitos de materiais tradicionais. [248] [249]

Em 2015, foi realizada uma exposição sobre Funafuti da arte de Tuvalu, com obras que abordaram as alterações climáticas através do olhar de artistas e a mostra de Kope ote olaga (bens da vida), uma mostra dos vários artefactos da cultura tuvalu. [250]

Dança e música

A música tradicional de Tuvalu consiste em várias danças, incluindo fakaseasea , fakanau e fatele . [251] O fatele , em sua forma moderna, é realizado em eventos comunitários e para celebrar líderes e outros indivíduos proeminentes, como a visita do duque e da duquesa de Cambridge em setembro de 2012. [252] [253] O estilo tuvaluano pode ser descrito "como um microcosmo musical da Polinésia, onde coexistem estilos contemporâneos e antigos". [251]

Cozinha

A gastronomia de Tuvalu é baseada no alimento básico do coco e nas muitas espécies de peixes encontrados no oceano e nas lagoas dos atóis. As sobremesas feitas nas ilhas incluem coco e leite de coco , em vez de leite animal. Os alimentos tradicionais consumidos em Tuvalu são pulaka , taro , banana, fruta-pão [254] e coco. [255] Os tuvaluanos também comem frutos do mar, incluindo caranguejo de coco e peixes da lagoa e do oceano. [114] Outra fonte de alimento tradicional são as aves marinhas ( taketake ou black noddy eakiaki ou andorinha-do-mar branca ), com carne de porco sendo comida principalmente em fateles (ou festas com dança para celebrar eventos). [200]

Pulaka é a principal fonte de carboidratos . Frutos do mar fornecem proteínas . Bananas e fruta-pão são culturas complementares. O coco é usado no seu suco, para fazer outras bebidas (como toddy ) e para melhorar o sabor de alguns pratos. [200]

Um lago de 1.560 metros quadrados foi construído em 1996 em Vaitupu para sustentar a aquicultura em Tuvalu . [256]

Peixes voadores também são capturados como fonte de alimento; [257] [258] e como uma atividade emocionante, usar um barco, uma rede para borboletas e um holofote para atrair os peixes voadores. [200]

Escultura de canoa em Nanumea

Herança

O sistema comunitário tradicional ainda sobrevive em grande parte em Tuvalu. Cada família tem sua própria tarefa, ou salanga , para realizar pela comunidade, como pescar, construir uma casa ou defesa. As habilidades de uma família são transmitidas de pais para filhos.

A maioria das ilhas tem seus próprios fusi , lojas de propriedade da comunidade semelhantes às lojas de conveniência, onde podem ser comprados alimentos enlatados e sacos de arroz. Os bens são mais baratos e os fusis oferecem melhores preços para seus próprios produtos. [200]

Outro edifício importante é o falekaupule ou maneapa , o tradicional salão de reuniões da ilha , [259] onde são discutidos assuntos importantes e que também é usado para celebrações de casamento e atividades comunitárias, como um fatele envolvendo música, canto e dança. [200] Falekaupule também é usado como o nome do conselho de anciãos - o órgão de tomada de decisão tradicional em cada ilha. De acordo com a Lei Falekaupule, Falekaupule significa "assembléia tradicional em cada ilha ... composta de acordo com o Aganu de cada ilha". Aganu significa costumes e cultura tradicionais. [259]

Tuvalu não tem museus, no entanto, a criação de um Museu e Centro Cultural Nacional de Tuvalu faz parte do plano estratégico do governo para 2018–2024. [260] [261]

Canoa outrigger tradicional único

Paopao (do idioma samoano , significando uma pequena canoa de pesca feita de um único tronco), é a canoa tradicionalde Tuvalu com um guindaste, da qual a maior pode transportar de quatro a seis adultos. As variações das canoas de um único estabilizador que foram desenvolvidas em Vaitupu e Nanumea eram canoas do tipo recife ou com remo; isto é, eles foram projetados para transportar o recife e serem remados, ao invés de serem navegados. [248] As canoas Outrigger de Nui foram construídas com um tipo indireto de fixação de outrigger e o casco tem duas extremidades, sem proa e popa distintas. Essas canoas foram projetadas para serem navegadas sobre a lagoa Nui. [262]As lanças do estabilizador são mais longas do que as encontradas em outros projetos de canoas das outras ilhas. Isso tornou a canoa Nui mais estável quando usada com uma vela do que os outros designs. [262]

Desporto e lazer

Um esporte tradicional praticado em Tuvalu é o kilikiti , [263] que é semelhante ao críquete . [264] Um esporte popular específico de Tuvalu é o Te ano (a bola), que é jogado com duas bolas redondas de 12 cm (5 pol.) De diâmetro. [200] Te ano é um jogo tradicional semelhante ao voleibol , no qual as duas bolas duras feitas de folhas de pandano são lançadas em grande velocidade com os membros da equipe tentando impedir que a bola caia no chão. [265] esportes tradicionais no final do século 19 eram corridas de pé, lança de arremesso, bordão esgrima eluta , embora os missionários cristãos desaprovassem essas atividades. [266]

Os esportes populares em Tuvalu incluem kilikiti , Te ano , associação de futebol, futsal , vôlei, handebol , basquete e união de rúgbi . Tuvalu tem organizações esportivas para atletismo , badminton, tênis, tênis de mesa, voleibol, futebol, basquete , rugby , levantamento de peso e levantamento de peso . Nos 2013 Pacífico Mini Jogos , Tuau Lapua Lapua ganhou a primeira medalha de ouro da Tuvalu em uma competição internacional no levantamento de peso 62 kg masculino arrebatar . (Ele também ganhou o bronze noclean and jerk , e obteve a medalha de prata geral para o evento combinado.) [267] Em 2015, Telupe Iosefa recebeu a primeira medalha de ouro conquistada por Tuvalu nos Jogos do Pacífico na divisão de levantamento de peso masculino de 120 kg. [268] [269] [270]

O futebol em Tuvalu é jogado a nível de clubes e de seleções nacionais. A seleção nacional de futebol de Tuvalu treina no Tuvalu Sports Ground em Funafuti e compete nos Jogos do Pacífico . A Associação Nacional de Futebol de Tuvalu é membro associado da Confederação de Futebol da Oceania (OFC) e deseja se tornar membro da FIFA . [271] [272] A equipe nacional de futsal de Tuvalu participa do Campeonato Oceânico de Futsal .

Um grande evento esportivo é o "Independence Day Sports Festival", realizado anualmente em 1º de outubro. O evento esportivo mais importante do país é indiscutivelmente os Jogos de Tuvalu , que acontecem anualmente desde 2008. Tuvalu participou pela primeira vez nos Jogos do Pacífico em 1978 e nos Jogos da Commonwealth em 1998, quando um levantador de peso compareceu aos jogos realizados em Kuala Lumpur, Malásia . [273] Dois jogadores de tênis de mesa participaram dos Jogos da Commonwealth de 2002 em Manchester, Inglaterra; [273] Tuvalu inscreveu competidores em tiro, tênis de mesa e levantamento de peso nos Jogos da Commonwealth de 2006 em Melbourne , Austrália; [273] três atletas participaram dos Jogos da Commonwealth de 2010 em Delhi, Índia, entrando nos eventos de lançamento de disco, arremesso de peso e levantamento de peso; [273] e uma equipe de 3 levantadores de peso e 2 jogadores de tênis de mesa participaram dos Jogos da Commonwealth de 2014 em Glasgow . Os atletas tuvaluanos também participaram do sprint masculino e feminino de 100 metros no Campeonato Mundial de Atletismo de 2009.

A Associação de Esportes e Comitê Olímpico Nacional de Tuvalu (TASNOC) foi reconhecida como um Comitê Olímpico Nacional em julho de 2007. Tuvalu entrou nos Jogos Olímpicos pela primeira vez nos Jogos Olímpicos de 2008 em Pequim, China, com um levantador de peso e dois atletas no sprint de 100 metros masculino e feminino. Uma equipe com atletas nos mesmos eventos representou Tuvalu nos Jogos Olímpicos de 2012 . [274] Etimoni Timuani foi o único representante de Tuvalu nos Jogos Olímpicos de 2016 na prova dos 100m. [275] Karalo Maibuca e Matie Stanley representaram Tuvalu nos Jogos Olímpicos de Verão de 2020 nos eventos de 100m.[276] [277]

Serviços economia e do governo

Economia

Uma representação proporcional das exportações de Tuvalu, 2019

De 1996 a 2002, Tuvalu foi uma das economias das Ilhas do Pacífico com melhor desempenho e atingiu uma taxa média de crescimento do produto interno bruto (PIB) real de 5,6% ao ano. O crescimento econômico desacelerou após 2002, com um crescimento do PIB de 1,5% em 2008. Tuvalu foi exposto a rápidos aumentos nos preços mundiais de combustíveis e alimentos em 2008, com o nível de inflação chegando a 13,4%. [237] Tuvalu tem o menor PIB de qualquer nação soberana do mundo. [278]

Tuvalu se juntou ao Fundo Monetário Internacional (FMI) em 24 de Junho de 2010. [279] O IMP 2010 Relatório sobre Tuvalu estima que Tuvalu experimentado um crescimento zero no seu PIB de 2010, depois que a economia contraiu em cerca de 2% em 2009. [237] Em 5 Em agosto de 2012, a Diretoria Executiva do FMI concluiu a consulta do Artigo IV com Tuvalu e avaliou a economia de Tuvalu: "Uma lenta recuperação está em andamento em Tuvalu, mas há riscos importantes. O PIB cresceu em 2011 pela primeira vez desde o global crise financeira, liderada pelo setor privado de varejo e gastos com educação. Esperamos que o crescimento cresça lentamente ”. [280]O Relatório de País do FMI de 2014 observou que o crescimento real do PIB em Tuvalu foi volátil, em média apenas 1 por cento na última década. O Relatório Nacional de 2014 descreve as perspectivas de crescimento econômico como geralmente positivas, como resultado de grandes receitas de licenças de pesca, juntamente com ajuda estrangeira substancial. [281] Em 4 de agosto de 2021, o Conselho Executivo do FMI concluiu a consulta do Artigo IV com Tuvalu e avaliou a economia de Tuvalu como tendo crescido 1% em 2020, em comparação com 13,9% em 2019, com inflação de 1,6%. [282] O relatório do FMI concluiu que o influxo de concessões relacionadas ao COVID-19 e as altas taxas de licença de atum permitiram ao governo de Tuvuluan manter os gastos do governo no orçamento de 2020–2021. [282]O relatório do FMI projeta que o PIB de Tuvalu aumentará 2,5% em 2021 e 3,5% em 2022; projeta-se que a inflação aumente para 2,2% em 2021 e 2,4% em 2022. [282]

O governo é o principal fornecedor de serviços médicos por meio do Hospital Princesa Margaret em Funafuti, que opera clínicas de saúde nas outras ilhas. Os serviços bancários são fornecidos pelo Banco Nacional de Tuvalu . Os trabalhadores do setor público representam cerca de 65% dos empregados com carteira assinada. As remessas de tuvaluanos que vivem na Austrália e na Nova Zelândia e as remessas de marinheiros tuvaluanos empregados em navios estrangeiros são fontes importantes de renda para os tuvaluanos. [283] Aproximadamente 15% dos homens adultos trabalham como marinheiros em navios mercantes de bandeira estrangeira. A agricultura em Tuvalu se concentra em coqueiros e no cultivo de pulakaem grandes fossas de solo compostado abaixo do lençol freático. Por outro lado, os tuvaluanos estão envolvidos na pesca e agricultura de subsistência tradicionais.

Os tuvaluanos são bem conhecidos por suas habilidades marítimas, com o Instituto de Treinamento Marítimo de Tuvalu em Amatuku motu (ilha), Funafuti, fornecendo treinamento para aproximadamente 120 cadetes marinhos a cada ano para que eles tenham as habilidades necessárias para trabalhar como marítimos em navios mercantes. O Tuvalu Overseas Seamen's Union (TOSU) é o único sindicato registrado em Tuvalu. Representa trabalhadores em navios estrangeiros. O Banco Asiático de Desenvolvimento (ADB) estima que 800 homens tuvaluanos são treinados, certificados e atuam como marítimos. O ADB estima que, a qualquer momento, cerca de 15% da população masculina adulta trabalha no exterior como marítima. [284]Também existem oportunidades de trabalho como observadores em barcos de atum, onde a função é monitorar o cumprimento da licença de pesca de atum do barco. [285]

As receitas do governo vêm em grande parte das vendas de licenças de pesca, da receita do Fundo Fiduciário de Tuvalu e do aluguel de seu domínio de primeiro nível (TLD) da Internet " .tv " . Em 1998, Tuvalu começou a obter receitas do uso de seu código de área para números de telefone de tarifa premium e da comercialização de seu nome de domínio ".tv" na Internet, [286] que agora é gerenciado pela Verisign até 2021. [287] [ 288] Tuvalu também gera receitas de selos postais da Agência Filatélica de Tuvalu e do Registro de Navios de Tuvalu .

O Fundo Fiduciário de Tuvalu foi estabelecido em 1987 pelo Reino Unido, Austrália e Nova Zelândia. [289] O valor do Fundo Fiduciário de Tuvalu é de aproximadamente US $ 100 milhões. [237] [290] Apoio financeiro a Tuvalu também é fornecido pelo Japão, Coreia do Sul e União Europeia . A Austrália e a Nova Zelândia continuam a contribuir com capital para o Fundo Fiduciário de Tuvalu e a fornecer outras formas de assistência ao desenvolvimento. [283] [289]

O governo dos EUA também é uma importante fonte de receita para Tuvalu. Em 1999, o pagamento do Tratado do Atum do Pacífico Sul (SPTT) foi de cerca de US $ 9 milhões, com o valor aumentando nos anos seguintes. Em maio de 2013, representantes dos Estados Unidos e dos países das Ilhas do Pacífico concordaram em assinar documentos de acordos provisórios para estender o Tratado de Pesca Multilateral (que abrange o Tratado do Atum do Pacífico Sul) por 18 meses. [291]

As Nações Unidas designam Tuvalu como um país menos desenvolvido (LDC) devido ao seu potencial limitado para o desenvolvimento econômico, ausência de recursos exploráveis ​​e seu pequeno tamanho e vulnerabilidade a choques econômicos e ambientais externos. [292] Tuvalu participa do Quadro Integrado Aprimorado para Assistência Técnica Relacionada ao Comércio aos Países Menos Desenvolvidos (QIR), que foi estabelecido em outubro de 1997 sob os auspícios da Organização Mundial do Comércio . [293] Em 2013, Tuvalu adiou sua graduação do status de país menos desenvolvido (LDC) para um país em desenvolvimento até 2015. Primeiro-ministro Enele Sopoagadisse que este diferimento era necessário para manter o acesso de Tuvalu aos fundos fornecidos pelo Programa de Ação Nacional de Adaptação das Nações Unidas (NAPA), uma vez que "Uma vez que Tuvalu se gradue para um país desenvolvido, não será considerado para financiamento de assistência para adaptação às alterações climáticas programas como o NAPA, que só vai para os PMDs ”. Tuvalu havia cumprido as metas para que Tuvalu se graduasse como LDC. O primeiro-ministro Enele Sopoaga quer que as Nações Unidas reconsiderem seus critérios para a graduação do status de LDC, já que não é dado peso suficiente à situação ambiental de pequenos estados insulares como Tuvalu na aplicação do Índice de Vulnerabilidade Ambiental (EVI). [294]

Turismo

Lagoa Funafuti ( Te Namo )

Devido ao afastamento do país, o turismo não é significativo. Os visitantes somaram 1.684 em 2010: 65% foram a negócios, agentes de fomento ou consultores técnicos, 20% foram turistas (360 pessoas) e 11% foram expatriados que voltaram para visitar familiares. [165] Em 2016, o número de visitantes aumentou para 2.000. [295]

A ilha principal de Funafuti é o foco dos viajantes, já que o único aeroporto de Tuvalu é o Aeroporto Internacional de Funafuti e Funafuti é a única ilha que possui instalações hoteleiras. [296] No entanto, não há guias turísticos, operadores turísticos ou atividades organizadas e nenhuma visita de navios de cruzeiro. [297] O ecoturismo é uma motivação dos viajantes para Tuvalu. A Área de Conservação Funafuti consiste em 12,74 milhas quadradas (33,00 quilômetros quadrados) de oceano, recife, lagoa, canal e seis ilhotas desabitadas.

Os atóis externos podem ser visitados nos dois navios cargueiros Nivaga III e Manú Folau , que realizam visitas de ida e volta às ilhas externas a cada três ou quatro semanas. Há acomodações em casas de hóspedes em muitas das ilhas externas.

Telecomunicações e media

O Departamento de Comunicação Social de Tuvalu do Governo de Tuvalu opera a Rádio Tuvalu, que transmite de Funafuti. [298] Em 2011, o governo japonês forneceu apoio financeiro para construir um novo estúdio de transmissão AM . A instalação de equipamento de transmissão atualizado permite que a Rádio Tuvalu seja ouvida em todas as nove ilhas de Tuvalu. O novo transmissor de rádio AM em Funafuti substituiu o serviço de rádio FM para as ilhas externas e liberou largura de banda de satélite para serviços móveis. [165] Fenui - notícias de Tuvalu é uma publicação digital gratuita do Departamento de Mídia de Tuvalu enviada por e-mail aos assinantes e opera uma página no Facebook, que publica notícias sobre atividades governamentais e notícias sobre eventos em Tuvalu.

Em 28 de setembro de 2020, foi lançado o primeiro jornal privado a operar no país - o Tuvalu Paradise News . O diretor executivo e proprietário da KMT News Corporation (a editora) e editor do jornal impresso e do site é o Rev. Dr. Kitiona Tausi. [299]

A Tuvalu Telecommunications Corporation (TTC), uma empresa estatal, fornece comunicações de telefonia fixa para assinantes em cada ilha, serviços de telefonia móvel em Funafuti, Vaitupu e Nukulaelae e é distribuidora do serviço Fiji Television ( serviço de televisão por satélite Sky Pacific ) . [165]

As comunicações em Tuvalu dependem de antenas parabólicas para telefone e acesso à Internet. A largura de banda disponível é de apenas 512 kbit / s de uplink e 1,5 Mbit / s de downlink. Ao longo de Tuvalu são mais de 900 assinantes que pretendem utilizar o serviço por satélite, com a procura a abrandar a velocidade do sistema. [300]

Transportes

Manu Folau ao largo do atol Vaitupu (2006)

Existem serviços de transporte limitados em Tuvalu. Existem cerca de oito quilômetros (5 milhas) de estradas. [205] As ruas de Funafuti foram pavimentadas em meados de 2002, mas outras estradas não são pavimentadas. Tuvalu não possui ferrovias.

Funafuti é o único porto, mas há um cais de águas profundas na lagoa de Nukufetau . A frota da marinha mercante é composta por dois navios de passageiros / carga Nivaga III e Manu Folau . O Nivaga III e o Manu Folau oferecem visitas de ida e volta às ilhas externas a cada três ou quatro semanas, e viagens entre Suva , Fiji e Funafuti três ou quatro vezes por ano. O Manu Folau , um navio de 50 metros, foi um presente do Japão para o povo de Tuvalu.

Em 2015, o Nivaga III foi doado pelo governo do Japão; substituiu o Nivaga II , que estava em serviço em Tuvalu desde 1989. [301] [302]

Em 2020, o governo de Tuvalu adquiriu uma barcaça de desembarque, que se destina ao transporte de mercadorias perigosas e material de construção da capital para as ilhas exteriores. A barcaça foi nomeada Moeiteava . O Governo de Taiwan forneceu assistência financeira. [303]

O Departamento de Pesca de Tuvalu opera duas embarcações para o desenvolvimento das suas atividades na zona económica exclusiva (ZEE) do país e nas ilhas exteriores. Estas são a 18 metros Manaui e 32 metros Talamoana . Os navios são usados ​​para pesquisas pesqueiras, implantando dispositivos de agregação de peixes (FADs), visitando ilhas externas para monitoramento e consultas, incluindo a implementação do Programa de Ação Nacional de Adaptação (NAPA) de Tuvalu para enfrentar as mudanças climáticas. [304] O Manaui foi adquirido pela Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) em 1989 e está chegando ao fim de sua vida útil. [305] Em 2015, o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas(PNUD) forneceu assistência para adquirir Talamoana ; [306] que também é usado para patrulhas de monitoramento de controle e vigilância (MCS). [307]

O único aeroporto internacional em Tuvalu é o Aeroporto Internacional Funafuti . É uma faixa alcatroada. A Fiji Airways , proprietária da Fiji Airlines (negociando como Fiji Link ) opera serviços três vezes por semana (terça, quinta e sábado) entre Suva (originando de Nadi ) e Funafuti com ATR 72 –600, um avião de 68 lugares. O serviço da Air Kiribati oferece um voo por semana para Funafuti de Tarawa às quartas-feiras. O serviço utiliza uma aeronave da série Bombardier Dash 8 100, que tem capacidade para levar até 35 passageiros. [308]Em 2021, o governo de Tuvalu planeja introduzir serviços aéreos domésticos nas ilhas externas. O projeto envolve a construção das pistas após a conclusão do arrendamento do terreno e o pagamento da indenização da árvore aos proprietários. Em Nanumea, as pessoas concordaram em usar o campo de aviação construído durante a Segunda Guerra Mundial pelos fuzileiros navais americanos. [309]

Filmografia e bibliografia

Filmografia

Filmes documentários sobre Tuvalu:

  • Tu Toko Tasi (Stand by Yourself) (2000) Conrad Mill, uma produção do Secretariado da Comunidade do Pacífico (SPC). [310]
  • Paradise Domain - Tuvalu (Diretor: Joost De Haas, Bullfrog Films / TVE 2001) 25:52 minutos - Vídeo do YouTube. [103]
  • Contos da ilha de Tuvalu (Um conto de duas ilhas ) (Diretor: Michel Lippitsch) 34 minutos - vídeo no YouTube.
  • The Disappearing of Tuvalu: Trouble in Paradise (2004), de Christopher Horner e Gilliane Le Gallic. [311]
  • Paradise Drowned: Tuvalu, the Disappearing Nation (2004) Escrito e produzido por Wayne Tourell. Dirigido por Mike O'Connor, Savana Jones-Middleton e Wayne Tourell. [312]
  • Going Under (2004) de Franny Armstrong, Spanner Films. [103]
  • Antes do Dilúvio: Tuvalu (2005) por Paul Lindsay (Storyville / BBC Four). [103]
  • Time and Tide (2005) de Julie Bayer e Josh Salzman, Wavecrest Films. [313]
  • Tuvalu: That Sinking Feeling (2005) por Elizabeth Pollock de PBS Rough Cut
  • Atlantis Approaching (2006) por Elizabeth Pollock, Blue Marble Productions. [314]
  • King Tide | O naufrágio de Tuvalu (2007) de Juriaan Booij. [315]
  • Tuvalu (Diretor: Aaron Smith, programa 'Hungry Beast', ABC, junho de 2011) 6:40 minutos - vídeo do YouTube.
  • Tuvalu: Série Energia Renovável nas Ilhas do Pacífico (2012), uma produção do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF), Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e SPREP 10 minutos - vídeo no YouTube.
  • Mission Tuvalu (Missie Tuvalu) (2013) apresenta documentário dirigido por Jeroen van den Kroonenberg. [316]
  • ThuleTuvalu (2014) de Matthias von Gunten, HesseGreutert Film / OdysseyFilm. [317]

Bibliografia

Veja também

Referências

  1. ^ "Relatório 2010 sobre liberdade religiosa internacional - Tuvalu" , Departamento de Estado dos Estados Unidos
  2. ^ "População por sexo, taxa anual de aumento populacional, área de superfície e densidade" (PDF) . Nações Unidas. 2012
  3. ^ a b c d "Tuvalu" . Fundo Monetário Internacional.
  4. ^ Índice de Gini (estimativa do Banco Mundial) . Washington, DC: Grupo do Banco Mundial . Página visitada em 16 de junho de 2021 .
  5. ^ "Mapas de Tuvalu" . Página visitada em 15 de janeiro de 2021 .
  6. ^ "População das comunidades em Tuvalu" . Thomas Brinkhoff. 2017 . Página visitada em 27 de setembro de 2020 .
  7. ^ Howe, Kerry (2003). The Quest for Origins . Nova Zelândia: Penguin. pp. 68–70. ISBN 0-14-301857-4.
  8. ^ Bellwood, Peter (1987). Os polinésios - pré-história de um povo da ilha . Thames and Hudson. pp. 39–44.
  9. ^ Bellwood, Peter (1987). Os polinésios - pré-história de um povo da ilha . Thames and Hudson. pp. 29 e 54.
  10. ^ Bayard, DT (1976). The Cultural Relationships of the Polynesian Outliers . Otago University, Studies in Prehistoric Anthropology, Vol. 9
  11. ^ Kirch, PV (1984). The Polynesian Outliers . 95 (4) Journal of Pacific History. pp. 224–238.
  12. ^ "Declaração entre os Governos da Grã-Bretanha e do Império Alemão relativa à Demarcação das Esferas de Influência Britânica e Alemã no Pacífico Ocidental, assinada em Berlim, 6 de abril de 1886" . 1886 . Página visitada em 22 de outubro de 2017 .
  13. ^ "Moment of Decision for Ellice". 45(8) Pacific Islands Monthly. 1 August 1974. Retrieved 2 October 2021.
  14. ^ W. David McIntyre. "The Partition of the Gilbert and Ellice Islands" (PDF). Island Studies Journal, Vol. 7, No.1, 2012. pp. 135–146. Retrieved 24 October 2020.
  15. ^ Howe, Kerry (2003). The Quest for Origins. New Zealand: Penguin. pp. 68, 70. ISBN 0-14-301857-4.
  16. ^ Sogivalu, Pulekau A. (1992). A Brief History of Niutao. Institute of Pacific Studies, University of the South Pacific. ISBN 982-02-0058-X.
  17. ^ a b O'Brien, Talakatoa in Tuvalu: A History, Chapter 1, Genesis
  18. ^ Kennedy, Donald G. (1929). "Field Notes on the Culture of Vaitupu, Ellice Islands". Journal of the Polynesian Society. 38: 2–5.
  19. ^ Stanton, William (1975). The Great United States Exploring Expedition. Berkeley: University of California Press. p. 240. ISBN 0520025571.
  20. ^ Maude, H.E. "Spanish discoveries in the Central Pacific. A study in identification", in Journal of the Polynesian Society, Wellington, LXVIII, (1959), pp.299,303.
  21. ^ a b Maude, H.E. (1959). "Spanish Discoveries in the Central Pacific: A Study in Identification". Journal of the Polynesian Society. 68 (4): 284–326.
  22. ^ a b c Chambers, Keith S. & Munro, Doug (1980). "The Mystery of Gran Cocal: European Discovery and Mis-Discovery in Tuvalu". Journal of the Polynesian Society. 89 (2): 167–198.
  23. ^ "Circumnavigation: Notable global maritime circumnavigations". Solarnavigator.net. Retrieved 20 July 2009.
  24. ^ a b Keith S. Chambers & Doug Munro, The Mystery of Gran Cocal: European Discovery and Mis-Discovery in Tuvalu, 89(2) (1980) The Journal of the Polynesian Society, 167–198
  25. ^ Laumua Kofe, Palagi and Pastors, Tuvalu: A History, Ch. 15, (USP / Tuvalu government)
  26. ^ a b c d e f g h Kofe, Laumua; Palagi and Pastors in Tuvalu: A History, Ch. 15
  27. ^ De Peyster, J. Watts (John Watts); De Peyster, Arent Schuyler (6 December 1800). "Military (1776–'79) transactions of Major, afterwards Colonel, 8th or King's foot, Arent Schuyler de Peyster... [microform]". [S.l. : s.n. – via Internet Archive.
  28. ^ The De Peysters. corbett-family-history.com
  29. ^ a b Maude, H.E. (November 1986). "Post-Spanish Discoveries in the Central Pacific". Journal of the Polynesian Society. 70 (1): 67–111.
  30. ^ "What's In A Name? Ellice Islands Commemorate Long-Forgotten Politician". 35(11) Pacific Islands Monthly. 1 June 1966. Retrieved 2 October 2021.
  31. ^ A Directory for the Navigation of the Pacific Ocean: With Description of Its Coasts, Islands, Etc. from the Strait of Magalhaens to the Arctic Sea (1851)
  32. ^ Doug Munro and Keith S. Chambers (1989). "Duperrey and the Discovery of Nanumaga in 1824: an episode in Pacific exploration". Great Circle. 11: 37–43.
  33. ^ "Pieter Troost: Aanteekeningen gehouden op eene reis om de wereld: met het fregat de Maria Reigersberg en de ...". 1829. Retrieved 14 August 2017.
  34. ^ Simati Faanin, Hugh Laracy (ed.) (1983). "Chapter 16 – Travellers and Workers". Tuvalu: A History. Institute of Pacific Studies, University of the South Pacific and Government of Tuvalu. p. 122.CS1 maint: extra text: authors list (link)
  35. ^ Maude, H.E. (1981) Slavers in Paradise, Stanford University Press, ISBN 0804711062.
  36. ^ Murray A.W. (1876). Forty Years' Mission Work. London: Nisbet
  37. ^ Newton, W.F. (1967). "The Early Population of the Ellice Islands". Journal of the Polynesian Society. 76 (2): 197–204.
  38. ^ Bedford, Richard; Macdonald, Barrie & Munro, Doug (1980). "Population Estimates for Kiribati and Tuvalu". Journal of the Polynesian Society. 89 (1): 199.
  39. ^ Goldsmith, Michael & Munro, Doug (2002). The accidental missionary: tales of Elekana. Macmillan Brown Centre for Pacific Studies, University of Canterbury. ISBN 1877175331.
  40. ^ Goldsmith, Michael (2012). "The Colonial and Postcolonial Roots of Ethnonationalism in Tuvalu". Journal of the Polynesian Society. 121(2): 129–150.
  41. ^ a b Munro, D. (1996). "Samoan Pastors in Tuvalu, 1865–1899". In D. Munro & A. Thornley (ed.). The Covenant Makers: Islander Missionaries in the Pacific. Suva, Fiji, Pacific Theological College and the University of the South Pacific. pp. 124–157. ISBN 9820201268.
  42. ^ Noatia P. Teo, Hugh Larcy (ed) (1983). "Chapter 17, Colonial Rule". Tuvalu: A History. University of the South Pacific/Government of Tuvalu. pp. 127–139.CS1 maint: extra text: authors list (link)
  43. ^ A. Grove Day (1967). Louis Becke. Melbourne: Hill of Content. pp. 30–34.
  44. ^ A. Grove Day (1967). Louis Becke. Melbourne: Hill of Content. p. 35.
  45. ^ O'Neill, Sally (1980). Becke, George Lewis (Louis) (1855–1913). Australian Dictionary of Biography, National Centre of Biography, Australian National University. Retrieved 23 March 2013.
  46. ^ Mitchener, James A. (1957). "Louis Beck, Adventurer and Writer". Rascals in Paradise. Secker & Warburg.
  47. ^ The proceedings of H.M.S. "Royalist", Captain E.H.M. Davis, R.N., May–August, 1892, in the Gilbert, Ellice and Marshall Islands.
  48. ^ a b c Mahaffy, Arthur (1910). "(CO 225/86/26804)". Report by Mr. Arthur Mahaffy on a visit to the Gilbert and Ellice Islands. Great Britain, Colonial Office, High Commission for Western Pacific Islands (London: His Majesty's Stationery Office).
  49. ^ a b Munro, Doug (1987). "The Lives and Times of Resident Traders in Tuvalu: An Exercise in History from Below". Pacific Studies. 10 (2): 73.
  50. ^ "Christian Martin Kleis" (PDF). TPB 02/2012 Tuvalu Philatelic Bureau. 2012. Retrieved 19 November 2018.
  51. ^ Tyler, David B. – 1968 The Wilkes Expedition. The First United States Exploring Expedition (1838–42). Philadelphia: American Philosophical Society
  52. ^ Wilkes, Charles. "2". Ellice's and Kingsmill's Group. 5. The First United States Exploring Expedition (1838–42) Smithsonian Institution. pp. 35–75.
  53. ^ Andrew, Thomas (1886). "Washing Hole Funafuti. From the album: Views in the Pacific Islands". Collection of Museum of New Zealand (Te Papa). Retrieved 10 April 2014.
  54. ^ Andrew, Thomas (1886). "Mission House Nui. From the album: Views in the Pacific Islands". Collection of Museum of New Zealand (Te Papa). Retrieved 10 April 2014.
  55. ^ Andrew, Thomas (1886). "Bread fruit tree Nui. From the album: Views in the Pacific Islands". Collection of Museum of New Zealand (Te Papa). Retrieved 10 April 2014.
  56. ^ The Circular Saw Shipping Line. Archived 9 June 2011 at the Wayback Machine Anthony G. Flude. 1993. (Chapter 7)
  57. ^ Janet Nicoll is the correct spelling of the trading steamer owned by Henderson and Macfarlane of Auckland, New Zealand, which operated between Sydney, Auckland and into the central Pacific. Fanny Vandegrift Stevenson misnames the ship as the Janet Nicol in her account of the 1890 voyage
  58. ^ Resture, Jane. "The Tuvalu Visit of Robert Louis Stevenson". Retrieved 20 September 2011.
  59. ^ Stevenson, Fanny Van de Grift (1914) The Cruise of the Janet Nichol among the South Sea Islands, republished in 2003, Roslyn Jolly (ed.), U. of Washington Press/U. of New South Wales Press, ISBN 0868406066
  60. ^ Festetics De Tolna, Comte Rodolphe (1903) Chez les cannibales: huit ans de croisière dans l'océan Pacifique à bord du, Paris: Plon-Nourrit
  61. ^ "The Aristocrat and His Cannibals" Count Festetics von Tolna's travels in Oceania, 1893–1896. musée du quai Branly. 2007.
  62. ^ "Néprajzi Múzeum Könyvtára". The library of the Ethnographic Museum of Hungary. Retrieved 20 September 2011.
  63. ^ Lal, Andrick. South Pacific Sea Level & Climate Monitoring Project – Funafuti atoll (PDF). SPC Applied Geoscience and Technology Division (SOPAC Division of SPC). pp. 35 & 40. Archived from the original (PDF) on 3 February 2014.
  64. ^ "TO THE EDITOR OF THE HERALD". The Sydney Morning Herald. National Library of Australia. 11 September 1934. p. 6. Retrieved 20 June 2012.
  65. ^ David, Mrs Edgeworth, Funafuti or Three Months on a Coral Atoll: an unscientific account of a scientific expedition, London: John Murray, 1899
  66. ^ "Photography Collection". University of Sydney Library. Retrieved 20 September 2011.
  67. ^ Hedley
  68. ^ Hedley, Charles (1897). "The ethnology of Funafuti" (PDF). Australian Museum Memoir. 3 (4): 227–304. doi:10.3853/j.0067-1967.3.1897.497.
  69. ^ Fairfax, Denis (1983) "Hedley, Charles (1862–1926)", pp. 252–253 in Australian Dictionary of Biography, Volume 9, Melbourne University Press. Retrieved 5 May 2013
  70. ^ Serle, Percival (1949). "Hedley, Charles". Dictionary of Australian Biography. Sydney: Angus and Robertson. Retrieved 5 May 2013.
  71. ^ Waite, Edgar R. (1897). "The mammals, reptiles, and fishes of Funafuti" (PDF). Australian Museum Memoir. 3 (3): 165–202. doi:10.3853/j.0067-1967.3.1897.494.
  72. ^ Rainbow, William J. (1897). "The insect fauna of Funafuti" (PDF). Australian Museum Memoir. 3 (1): 89–104. doi:10.3853/j.0067-1967.3.1897.490.
  73. ^ "National Archives & Records Administration". Records of the United States Fish and Wildlife Service, U.S. Retrieved 20 September 2011.
  74. ^ "Tuvalu (Ellice Islands)". Retrieved 1 June 2012.
  75. ^ McQuarrie, Peter (1994). Strategic atolls: Tuvalu and the Second World War. Macmillan Brown Centre for Pacific Studies, University of Canterbury/ Institute of Pacific Studies, University of the South Pacific. ISBN 0958330050.
  76. ^ Lifuka, Neli; edited and introduced by Klaus-Friedrich Koch (1978). "War Years in Funafuti" (PDF). Logs in the current of the sea: Neli Lifuka's story of Kioa and the Vaitupu colonists. Australian National University Press/Press of the Langdon Associates. ISBN 0708103626.CS1 maint: multiple names: authors list (link)
  77. ^ Melei Telavi, Hugh Larcy (ed) (1983). "Chapter 18, War". Tuvalu: A History. University of the South Pacific/Government of Tuvalu. pp. 140–144.CS1 maint: extra text: authors list (link)
  78. ^ "Tuvalu (Ellice Islands) Airfields & Seaplane Anchorages". Retrieved 1 June 2012.
  79. ^ "Nanumea Airfield". Retrieved 1 June 2012.
  80. ^ "Motulalo Airfield (Nukufetau Airfield)". Retrieved 1 June 2012.
  81. ^ Barbin, Harold L. (2010). Beachheads Secured Volume II, The History of Patrol Torpedo (PT) Boats, Their Bases, and Tenders of World War II, June 1939 – 31 August 1945. pp. 549–550.
  82. ^ "To the Central Pacific and Tarawa, August 1943—Background to GALVANIC (Ch 16, p. 622)". 1969. Retrieved 3 September 2010.
  83. ^ a b Enele Sapoaga, Hugh Larcy (ed) (1983). "Chapter 19, Post-War Development". Tuvalu: A History. University of the South Pacific/Government of Tuvalu. pp. 146–152.CS1 maint: extra text: authors list (link)
  84. ^ Goldsmith, Michael (2012). "The Colonial and Postcolonial Roots of Ethnonationalism in Tuvalu". The Journal of the Polynesian Society. 121 (2): 129–150. doi:10.15286/jps.121.2.129-150. JSTOR 41705922.
  85. ^ General election, 1974: report / Gilbert and Ellice Islands Colony. Gilbert and Ellice Islands Colony. Tarawa: Central Government Office. 1974.
  86. ^ Nohlen, D, Grotz, F & Hartmann, C (2001) Elections in Asia: A data handbook, Volume II, p831 ISBN 0-19-924959-8
  87. ^ "Ellice goes it alone on October 1". 46(5) Pacific Islands Monthly. 1 May 1975. Retrieved 2 October 2021.
  88. ^ Tito Isala, Hugh Larcy (ed) (1983). "Chapter 20, Secession and Independence". Tuvalu: A History. University of the South Pacific/Government of Tuvalu. p. 169.CS1 maint: extra text: authors list (link)
  89. ^ McIntyre, W. David (2012). "The Partition of the Gilbert and Ellice Islands" (PDF). Island Studies Journal. 7 (1): 135–146.
  90. ^ a b c "Palamene o Tuvalu (Parliament of Tuvalu)" (PDF). Inter-Parliamentary Union. 1981. Retrieved 7 March 2013.
  91. ^ Tito Isaala, Hugh Larcy (ed) (1983). "Chapter 20, Secession and Independence". Tuvalu: A History. University of the South Pacific/Government of Tuvalu. pp. 153–177.CS1 maint: extra text: authors list (link)
  92. ^ Cabinet, Department of the Premier and (1 July 2019). "Independence Day – Tuvalu". Government of South Australia, Department of the Premier and Cabinet. Retrieved 29 September 2020.
  93. ^ a b Paul S. Kench, Murray R. Ford & Susan D. Owen (9 February 2018). "Patterns of island change and persistence offer alternate adaptation pathways for atoll nations". Nature Communications. 9 (1): 605. Bibcode:2018NatCo...9..605K. doi:10.1038/s41467-018-02954-1. PMC 5807422. PMID 29426825.
  94. ^ Paul S. Kench, Murray R. Ford & Susan D. Owen (9 February 2018). "Patterns of island change and persistence offer alternate adaptation pathways for atoll nations (Supplementary Note 2)". Nature Communications. 9 (1): 605. doi:10.1038/s41467-018-02954-1. PMC 5807422. PMID 29426825.
  95. ^ Movono, Lice (12 February 2018). "Tuvalu PM refutes AUT research". The Fijian Times. Archived from the original on 13 February 2018. Retrieved 13 February 2018.
  96. ^ McNeil, F. S. (1954). "Organic reefs and banks and associated detrital sediments". American Journal of Science. 252 (7): 385–401. Bibcode:1954AmJS..252..385M. doi:10.2475/ajs.252.7.385. on p. 396 McNeil defines atoll as an annular reef enclosing a lagoon in which there are no promontories other than reefs and composed of reef detritus
  97. ^ Sandrine Job; Daniela Ceccarelli (December 2011). "Tuvalu Marine Life Synthesis Report" (PDF). an Alofa Tuvalu project with the Tuvalu Fisheries Department. Retrieved 3 December 2013.
  98. ^ Sandrine Job; Daniela Ceccarelli (December 2012). "Tuvalu Marine Life Scientific Report" (PDF). an Alofa Tuvalu project with the Tuvalu Fisheries Department. Retrieved 3 December 2013.
  99. ^ Dr A J Tilling & Ms E Fihaki (17 November 2009). Tuvalu National Biodiversity Strategy and Action Plan (PDF). Fourth National Report to the Convention on Biological Diversity. p. 7.
  100. ^ Compiled by Randy Thaman with assistance from Faoliu Teakau, Moe Saitala, Epu Falega, Feagaiga Penivao, Mataio Tekenene and Semese Alefaio (2016). "Tuvalu National Biodiversity Strategy and Action Plan: Fifth National Report to the Convention on Biological Diversity" (PDF). Ministry of Foreign Affairs, Trade, Tourism, Environment and Labour Government of Tuvalu. Retrieved 25 May 2019.CS1 maint: multiple names: authors list (link)
  101. ^ Randy Thaman, Feagaiga Penivao, Faoliu Teakau, Semese Alefaio, Lamese Saamu, Moe Saitala, Mataio Tekinene and Mile Fonua (2017). "Report on the 2016 Funafuti Community-Based Ridge-To-Reef (R2R)" (PDF). Rapid Biodiversity Assessment of the Conservation Status of Biodiversity and Ecosystem Services (BES) In Tuvalu. Retrieved 25 May 2019.CS1 maint: multiple names: authors list (link)
  102. ^ Dinerstein, Eric; et al. (2017). "An Ecoregion-Based Approach to Protecting Half the Terrestrial Realm". BioScience. 67 (6): 534–545. doi:10.1093/biosci/bix014. ISSN 0006-3568. PMC 5451287. PMID 28608869.
  103. ^ a b c d e Mason, Moya K. "Tuvalu: Flooding, Global Warming, and Media Coverage". Retrieved 13 October 2011.
  104. ^ a b Holowaty Krales, Amelia (20 February 2011). "Chasing the Tides, parts I & II". Retrieved 20 November 2012.
  105. ^ "Tuvalu to Benefit from International Dredging Aid". Dredging News. 1 April 2014. Retrieved 1 April 2014.
  106. ^ Editor (27 November 2015). "Coast contractor completes aid project in remote Tuvalu". SunshineCoastDaily. Retrieved 28 November 2015.CS1 maint: extra text: authors list (link)
  107. ^ Carter, Ralf (4 July 1986). "Wind and Sea Analysis – Funafuti Lagoon, Tuvalu" (PDF). South Pacific Regional Environmental Programme and UNDP Project RAS/81/102 (Technical. Report No. 58 of PE/TU.3). Archived from the original (PDF) on 18 January 2012. Retrieved 4 November 2011.
  108. ^ Jeremy Goldberg and Clive Wilkinson (2004). "1". Global Threats to Coral Reefs: Coral Bleaching, Global Climate Change, Disease, Predator Plagues, And Invasive Species (Report). 1. Status of coral reefs of the world (Global Coral Reef Monitoring Network, and the International Coral Reef Initiative). p. 75. ISSN 1447-6185.
  109. ^ a b Lusama, Tafue (29 November 2011). "Tuvalu plight must be heard by UNFCC". The Drum – Australian Broadcasting Corporation. Archived from the original on 3 April 2012. Retrieved 29 November 2011.
  110. ^ Whitty, Julia (2003). "All the Disappearing Islands". Mother Jones. Retrieved 15 February 2015.
  111. ^ Govan, Hugh; et al. (June 2007). "Funafuti Atoll Coral Reef Restoration Project – baseline report" (PDF). Coral Reefs in the Pacific (CRISP), Nouméa. Retrieved 26 October 2011.
  112. ^ "Hope for Tuvalu in 'sand' that grows, the Asahi Shimbun". Retrieved 8 September 2010.
  113. ^ "Project for Eco-technological management of Tuvalu against sea level rise". Japan International Cooperation Agency (JICA). 31 March 2009. Retrieved 20 November 2012.
  114. ^ a b "Funafuti Reef Fisheries Stewardship Plan (FRFSP)" (PDF). Tuvalu Fisheries (Tuvalu Ministry of Natural Resources). 15 November 2017. Retrieved 11 August 2021.
  115. ^ a b Krales, Amelia Holowaty (18 October 2011). "As Danger Laps at Its Shores, Tuvalu Pleads for Action". The New York Times – Green: A Blog about Energy and the Environment. Retrieved 24 October 2011.
  116. ^ Baarsch, Florent (4 March 2011). "Warming oceans and human waste hit Tuvalu's sustainable way of life". The Guardian. London.
  117. ^ "Tuvalu / Water, Waste and Sanitation Project (TWWSP): CRIS FED/2009/021-195, ANNEX" (PDF). European Union. Retrieved 24 October 2011.
  118. ^ "Current and Future Climate of Tuvalu" (PDF). Tuvalu Meteorological Service, Australian Bureau of Meteorology & Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation (CSIRO). 2011. Retrieved 7 September 2015.
  119. ^ "El Niño/Southern Oscillation (ENSO) Diagnostic Discussion". Climate Prediction Center National Centers for Environmental Prediction – NOAA/National Weather Service. 10 April 2014. Retrieved 15 April 2014.
  120. ^ "Weatherbase: Historical Weather for Funafuti, Tuvalu". Weatherbase. 2011. Retrieved on 24 November 2011.
  121. ^ Farbotko, Carol. "Saving Tuvaluan Culture from Imminent Danger" (PDF). Climate Change: Risks and Solutions, 'Sang Saeng', pages 11–13, No 21 Spring 2008. Asia-Pacific Centre of Education for International Understanding (APCEIU) under the auspices of UNESCO. Retrieved 20 November 2012.
  122. ^ Lazrus, Heather. "Island Vulnerability (Tuvalu)". Retrieved 20 November 2012.
  123. ^ "Pacific Adaptation to Climate Change Tuvalu Report of In-Country Consultations" (PDF). Secretariat of the Pacific Regional Environment Program (SPREC). 2009. Retrieved 13 October 2011.
  124. ^ "Sea Level Rise A Big Problem For Tuvalu, Prime Minister Says". 22 July 1997. Retrieved 24 December 2009.
  125. ^ Patel, S. S. (2006). "A sinking feeling". Nature. 440 (7085): 734–736. Bibcode:2006Natur.440..734P. doi:10.1038/440734a. PMID 16598226. S2CID 1174790.
  126. ^ a b c Hunter, J. A. (2002). "Note on Relative Sea Level Change at Funafuti, Tuvalu" (PDF). Antarctic Cooperative Research Centre, Australia. Retrieved 2 March 2017.
  127. ^ "'Sinking' Pacific nation is getting bigger, showing islands are geologically dynamic: study | The Japan Times". 11 February 2018. Archived from the original on 11 February 2018. Retrieved 5 December 2019.
  128. ^ Kench, Paul S; Ford, Murray R; Owen, Susan D (2018). "Patterns of island change and persistence offer alternate adaptation pathways for atoll nations". Nature Communications. 9 (1): 605. Bibcode:2018NatCo...9..605K. doi:10.1038/s41467-018-02954-1. PMC 5807422. PMID 29426825.
  129. ^ "Tuvalu PM Refutes Aut Research". 19 March 2018. Retrieved 26 March 2019.
  130. ^ Eleanor Ainge Roy (17 May 2019). "'One day we'll disappear': Tuvalu's sinking islands". The Guardian. Retrieved 17 May 2019.
  131. ^ Vincent Gray (15 June 2006). "The Truth about Tuvalu". Retrieved 14 April 2018.
  132. ^ de Freitas, Chris (11 December 2013). "Human interference real threat to Pacific atolls". NZ Herald/Pacnews. Retrieved 6 January 2018.
  133. ^ Hunter, John R. (2002). "A Note on Relative Sea Level Change at Funafuti, Tuvalu" (PDF). Antarctic Cooperative Research Centre. Retrieved 6 January 2018.
  134. ^ "Climate Change in the Pacific: Scientific Assessment and New Research". Pacific Climate Change Science Program (Australian Government). November 2011. Archived from the original on 12 March 2011. Retrieved 30 November 2011.
  135. ^ "Ch.15 Tuvalu". Climate Change in the Pacific: Volume 2: Country Reports. Australia Government: Pacific Climate Change Science Program. 2011.
  136. ^ "Tuvalu's National Adaptation Programme of Action" (PDF). Department of Environment of Tuvalu. May 2007. Retrieved 7 September 2015.
  137. ^ Mason, Moya K. (1983). "Tuvalu: Flooding, Global Warming, and Media Coverage". Retrieved 15 February 2015.
  138. ^ Dekker, Rodney (9 December 2011). "Island neighbours at the mercy of rising tides". Australian Broadcasting Corporation. Retrieved 9 December 2011.
  139. ^ Anne Fauvre Chambers; Keith Stanley Chambers (2007). "Five Takes on Climate and Cultural Change in Tuvalu". The Contemporary Pacific. 19 (1): 294–306. doi:10.1353/cp.2007.0004.
  140. ^ Marantz, Andrew (December 2011). "A rising tide: Planning the future of a sinking island". Harpers. Retrieved 21 March 2015.
  141. ^ Marantz, Andrew (18 March 2015). "The Wages of Cyclone Pam". The New Yorker. Retrieved 21 March 2015.
  142. ^ "Tuvalu to intoduce [sic] new early warning system". Radio New Zealand. 10 June 2016. Retrieved 10 June 2016.
  143. ^ Lewis, James (December 1989). "Sea level rise: Some implications for Tuvalu". The Environmentalist. 9 (4): 269–275. doi:10.1007/BF02241827. S2CID 84796023.
  144. ^ Bureau of Meteorology (1975) Tropical Cyclones in the Northern Australian Regions 1971–1972 Australian Government Publishing Service
  145. ^ "Life bounces back in the Ellice". 44(5) Pacific Islands Monthly. 1 May 1966. Retrieved 2 October 2021.
  146. ^ a b McLean, R.F. and Munro, D. (1991). "Late 19th century Tropical Storms and Hurricanes in Tuvalu" (PDF). South Pacific Journal of Natural History. 11: 213–219.CS1 maint: multiple names: authors list (link)
  147. ^ Pasoni Taafaki, Hugh Laracy (ed.) (1983). "Chapter 2 – The Old Order". Tuvalu: A History. Institute of Pacific Studies, University of the South Pacific and Government of Tuvalu. p. 27.CS1 maint: extra text: authors list (link)
  148. ^ Connell, John (2015). "Vulnerable Islands: Climate Change, Tectonic Change, and Changing Livelihoods in the Western Pacific" (PDF). The Contemporary Pacific. 27 (1): 1–36. doi:10.1353/cp.2015.0014. hdl:10125/38764.
  149. ^ Koop, Neville L; Fiji Meteorological Service (Winter 1991). DeAngellis, Richard M (ed.). Samoa Depression (Mariners Weather Log). 35. United States National Oceanic and Atmospheric Administration's National Oceanographic Data Service. p. 53. ISSN 0025-3367. OCLC 648466886.
  150. ^ Report on the disaster preparedness workshop held in Funafuti, Tuvalu, 14 – 17 October, 1991 (PDF) (Report). Australian Overseas Disaster Response Organisation. April 1992. pp. 2–3, 6. ISBN 1875405054. Archived from the original (PDF) on 1 February 2014.
  151. ^ Emergency Plan of Action (EPoA) Tuvalu: Tropical Cyclone Pam (PDF). International Federation of Red Cross and Red Crescent Societies (Report). ReliefWeb. 16 March 2015. Retrieved 17 March 2015.
  152. ^ "One Tuvalu island evacuated after flooding from Pam". Radio New Zealand International. 18 March 2015. Retrieved 18 March 2015.
  153. ^ "Flooding in Vanuatu, Kiribati and Tuvalu as Cyclone Pam strengthens". SBS Australia. 13 March 2015. Retrieved 15 March 2015.
  154. ^ "State of emergency in Tuvalu". Radio New Zealand International. 14 March 2015. Retrieved 15 March 2015.
  155. ^ "45 percent of Tuvalu population displaced – PM". Radio New Zealand International. 15 March 2015. Retrieved 15 March 2015.
  156. ^ "Tuvalu: Tropical Cyclone Pam Situation Report No. 1 (as of 22 March 2015)". Relief Web. 22 March 2015. Retrieved 25 March 2015.
  157. ^ "Forgotten paradise under water". United Nations Development Programme. 1 May 2015. Retrieved 8 June 2015.
  158. ^ a b "Tuvalu: Tropical Cyclone Pam Situation Report No. 2 (as of 30 March 2015)". Relief Web. 30 March 2015. Retrieved 30 March 2015.
  159. ^ Wilson, David (4 July 2015). "Vasafua Islet vanishes". Tuvalu-odyssey.net. Retrieved 22 July 2015.
  160. ^ Endou, Shuuichi (28 March 2015). "バサフア島、消失・・・(Vasafua Islet vanishes)". Tuvalu Overview (Japanese). Retrieved 22 July 2015.
  161. ^ "Tuvalu situation update: Securing health from disastrous impacts of cyclone Pam in Tuvalu". Relief Web/World health Organisation – Western Pacific Region. 3 April 2015. Retrieved 8 June 2015.
  162. ^ Shukman, David (22 January 2008). "Tuvalu struggles to hold back tide". BBC News. Retrieved 5 August 2008.
  163. ^ "Tuvalu surveys road damage after king tides". Radio New Zealand. 24 February 2015. Retrieved 17 March 2015.
  164. ^ Packard, Aaron (12 March 2015). "The Unfolding Crisis in Kiribati and the Urgency of Response". HuffPostGreen. Retrieved 14 March 2015.
  165. ^ a b c d e f g Andrew McIntyre; Brian Bell & Solofa Uota (February 2012). ""Fakafoou – To Make New": Tuvalu Infrastructure Strategy and Investment Plan" (PDF). Government of Tuvalu. Archived from the original (PDF) on 4 March 2016. Retrieved 13 October 2013.
  166. ^ Kingston, P A (2004). Surveillance of Drinking Water Quality in the Pacific Islands: Situation Analysis and Needs Assessment, Country Reports. WHO. Retrieved 25 March 2010
  167. ^ "Tuvalu – 10th European Development Fund". Delegation of the European Union. Archived from the original on 8 October 2011. Retrieved 24 October 2011.
  168. ^ "Mission to Tuvalu – Press Statement United Nations Special Rapporteur on the human right to safe drinking water and sanitation". Ms. Catarina de Albuquerque, United Nations Special Rapporteur. 19 July 2012. Retrieved 15 August 2012.
  169. ^ "Tuvalu urged to develop national water strategy". Australian Network News. 19 July 2012. Retrieved 15 August 2012.
  170. ^ "PACLII". The Constitution of Tuvalu. Retrieved 10 March 2013.
  171. ^ a b Taafaki, Tauaasa (1996). "South Pacific – Governance in the Pacific: the dismissal of Tuvalu's Governor-General" (PDF). Research School of Pacific and Asian Studies, ANU (No 96/5). Retrieved 28 August 2021.
  172. ^ "Tuvalu National Archives major project", British Library
  173. ^ "Tuvalu National Human Rights Action Plan 2016–2020". Attorney General's Office of Tuvalu and the Pacific Community (SPC). 2016. Retrieved 5 February 2017.
  174. ^ "Te Kakeega III – National Strategy for Sustainable Development-2016-2020" (PDF). Government of Tuvalu. 2016. Retrieved 5 February 2017.
  175. ^ Stocktake of the Gender Mainstreaming Capacity of Pacific Island Governments: TUVALU (PDF). Secretariat of the Pacific Community. 2013.
  176. ^ a b Corrin-Care, Jennifer; Newton, Tess & Paterson, Don (1999). Introduction to South Pacific Law. London: Cavendish Publishing Ltd.
  177. ^ a b "PACLII". Tuvalu Courts System Information. Retrieved 10 March 2013.
  178. ^ Kofe, Susie Saitala; Taomia, Fakavae (2007). "Advancing Women's Political Participation in Tuvalu: A Research Project Commissioned by the Pacific Islands Forum Secretariat (PIFS)" (PDF).
  179. ^ "Pacific Aviation Investment Program (PAIP) Environmental Management Plan – Funafuti International Airport(FUN) and Road Interim Working Document" (PDF). AECOM. 13 November 2013. Retrieved 18 March 2016.
  180. ^ Black, Richard (9 December 2009). "Developing countries split over climate measures". BBC News. Retrieved 18 January 2010.
  181. ^ "Majuro Declaration: For Climate Leadership". Pacific Islands Forum. 5 September 2013. Archived from the original on 23 March 2016. Retrieved 7 September 2013.
  182. ^ "SPREC". Secretariat of the Pacific Regional Environment Programme. 2009. Retrieved 22 October 2011.
  183. ^ "FORMERLY DISPUTED ISLANDS". U.S. Department of the Interior, Office of Insular Affairs. Archived from the original on 30 September 2007.
  184. ^ "Pacific Island Forum Fisheries Agency". Retrieved 11 October 2010.
  185. ^ "The Western and Central Pacific Fisheries Commission (WCPFC)". Retrieved 29 March 2012.
  186. ^ "South Pacific Tuna Treaty (SPTT)". 1988. Retrieved 1 September 2010.
  187. ^ "Pacific Islands and the US settle tuna deal". FIS Australia. 9 October 2014. Retrieved 18 October 2014.
  188. ^ "Tuvalu refuses to sell fishing days". The Fijian Times Online (PNA/PACNEWS). 13 June 2015. Archived from the original on 7 August 2017. Retrieved 13 June 2015.
  189. ^ "TWCPFC13: Don't forget Article 30- Tuvalu reminds Tuna Commission of 'disproportionate burden' for SIDS". Pacific Islands Forum Fisheries Agency (FFA). 5 December 2016. Retrieved 10 December 2016.
  190. ^ The Secretary General (19 July 2013). "Samoa, Tonga and Tuvalu Sign the MOU to establish Trade and Development Facility". Press Statement 40/13, Pacific Islands Forum Secretariat. Archived from the original on 30 October 2013. Retrieved 27 July 2013.
  191. ^ "Enhanced High Level Political Dialogue between Tuvalu and the European Union". European Union. 2 June 2017. Retrieved 7 January 2021.
  192. ^ The Secretary General (18 February 2016). "Tuvalu signs PIDF Charter and formally joins PIDF". Pacific Islands Development Forum. Retrieved 17 March 2016.
  193. ^ "Tuvalu to sign regional trade deal". Radio NZ. 1 June 2017. Retrieved 2 June 2017.
  194. ^ "PACER-Plus Regional Trade Agreement Signed in Tonga Ceremony". Pacific Islands Report/Radio NZ. 14 June 2017. Retrieved 15 June 2017.
  195. ^ "Tuvalu country brief". Australian Department of Foreign Affairs and Trade. Retrieved 14 April 2010.
  196. ^ Christopher Pyne (7 April 2019). "Guardian Class Patrol Boat gifted to Tuvalu". Australian Ministry of Defence. Retrieved 7 April 2019. Te Mataili II was received by the Prime Minister of Tuvalu, the Right Hon Enele Sosene Sopoaga at a handover ceremony attended by the Minister for Foreign Affairs, Trade, Tourism, Environment and Labour, the Hon Taukelina Finikaso, the Minister for Natural Resources, the Hon Dr Puakena Boreham, and the Commissioner of the Tuvalu Police Service, Commissioner Luka Falefou.
  197. ^ "Australia hands over Guardian-class patrol boat to Tuvalu". Naval Today. 6 April 2019. Retrieved 7 April 2019. The 39.5 meter steel hulled patrol boat was built by Australian shipbuilder Austal under an AUD 335 million program that will see 21 boats gifted to 12 Pacific Island countries and Timor-Leste.
  198. ^ "Cooks bill puts spotlight on Pacific's anti-gay laws". RNZ News. 21 August 2017.
  199. ^ "Falekaupule Act (1997)". PACLII. Retrieved 6 April 2014.
  200. ^ a b c d e f g Bennetts, Peter; Wheeler, Tony (2001). Time & Tide: The Islands of Tuvalu. Lonely Planet. ISBN 1-86450-342-4.
  201. ^ "Census of Population and Housing and sample Surveys". Central Statistics Division – Government of Tuvalu. 2006. Retrieved 17 October 2011.
  202. ^ a b "Population of communities in Tuvalu". world-statistics.org. 11 April 2012. Retrieved 20 March 2016.
  203. ^ "Population of communities in Tuvalu". Thomas Brinkhoff. 11 April 2012. Retrieved 20 March 2016.
  204. ^ "Population, total". The World Bank. Retrieved 21 October 2018.
  205. ^ a b c d e f g "The World Factbook (CIA)". 20 October 2019. Retrieved 11 November 2019.
  206. ^ Colette Mortreux & Jon Barnett (2009). "Climate change, migration and adaptation in Funafuti, Tuvalu". Global Environmental Change. 19: 105–112. doi:10.1016/j.gloenvcha.2008.09.006.
  207. ^ Lifuka, Neli (1978). Koch, Klaus-Friedrich (ed.). Logs in the current of the sea: Neli Lifuka's story of Kioa and the Vaitupu colonists. Australian National University Press/Press of the Langdon Associates. ISBN 0708103626.
  208. ^ Rick, Noack (7 August 2014). "Has the era of the 'climate change refugee' begun?". The Washington Post. Retrieved 11 February 2015.
  209. ^ a b Rive, Vernon (14 August 2014). ""Climate refugees" revisited: a closer look at the Tuvalu decision". Point Source. Retrieved 2 March 2017.
  210. ^ Rive, Vernon (14 August 2014). ""Climate refugees" revisited: a closer look at the Tuvalu decision". Point Source. Retrieved 11 February 2015.
  211. ^ Ben Doherty and Eleanor Ainge Roy (8 May 2017). "World Bank: let climate-threatened Pacific islanders migrate to Australia or NZ". The Guardian. Retrieved 8 May 2017.
  212. ^ "Government announces Pacific access scheme". Mark Gosche, Pacific Island Affairs Minister (NZ). 20 December 2001. Retrieved 5 November 2011.
  213. ^ "Pacific Access Category". Immigration New Zealand. 20 December 2001. Retrieved 5 November 2011.
  214. ^ "Tuvalu – Decent work country program" (PDF). International Labour Organization. 11 May 2010. Retrieved 5 November 2011.
  215. ^ "The Seasonal Worker Program". Department of Education, Employment and Workplace Relations (Australia). 1 July 2012. Archived from the original on 15 August 2012. Retrieved 9 September 2012.
  216. ^ a b c "Tuvaluan (Te 'gana Tūvalu)". Omniglot. Retrieved 6 November 2012.
  217. ^ "Tuvalu". Ethnologue.
  218. ^ Besnier, Niko (2000). Tuvaluan: A Polynesian Language of the Central Pacific. London: Routledge, ISBN 0-203-02712-4.
  219. ^ Jackson, Geoff and Jackson, Jenny (1999). An introduction to Tuvaluan. Suva: Oceania Printers, ISBN 982-9027-02-3.
  220. ^ a b "Tuvalu". religiousfreedom.com.
  221. ^ "2010 Report on International Religious Freedom – Tuvalu". United States Department of State. 17 November 2010. Retrieved 22 December 2015.
  222. ^ "Address data base of Reformed churches and institutions". reformiert-online.net.
  223. ^ Constitution of Tuvalu, article 23.
  224. ^ "International Religious Freedom Report 2012: Tuvalu". United States Department of State. 20 May 2013. Retrieved 5 September 2017.
  225. ^ "Tuvalu".
  226. ^ Gary D. Bouma; Rodney Ling; Douglas Pratt (2010). Religious Diversity in Southeast Asia and the Pacific. p. 198.
  227. ^ Hedley, pp. 46–52
  228. ^ Prof. W. J. Sollas (11 February 1897). "The Legendary History of Funafuti" (PDF). Nature. 55: 353–355.
  229. ^ Kofe, Laumua "Old Time Religion" in Tuvalu: A History
  230. ^ a b "2007 University Student Exchange Programme- Fiji and Tuvalu" (PDF). Saga University-Asia/Pacific Cultural Centre for UNESCO (ACCU). 9–25 March 2008. Retrieved 16 March 2013.
  231. ^ Lawrence Zdenek Walker. "Elective Report April–May 2012" (PDF). Retrieved 16 March 2013.
  232. ^ "Global AIDS Progress Report of Tuvalu" (PDF). Ministry of Health Tuvalu. 2016. Retrieved 29 November 2017.
  233. ^ "Motufoua Secondary School". Retrieved 20 November 2012.
  234. ^ "Fetuvalu High School (Funafuti)". Retrieved 20 November 2012.
  235. ^ "Pacific Senior Secondary Certificate (PSSC), Secretariat of the Pacific Board for Educational Assessment". Spantran. Retrieved 6 January 2018.
  236. ^ "University of the South Pacific – Tuvalu Campus". Welcome to the Tuvalu Campus. 2019. Retrieved 28 August 2019.
  237. ^ a b c d "Tuvalu: 2010 Article IV Consultation-Staff Report; Public Information Notice on the Executive Board Discussion; and Statement by the Executive Director for Tuvalu". International Monetary Fund Country Report No. 11/46. 8 February 2011. Retrieved 4 September 2011.
  238. ^ "Tuvalu: Millennium Development Goal Acceleration Framework – Improving Quality of Education" (PDF). Ministry of Education and Sports, and Ministry of Finance and Economic Development from the Government of Tuvalu; and the United Nations System in the Pacific Islands. April 2013. Retrieved 13 October 2013.
  239. ^ Bakalevu, Salanieta & Manuella, David (June 2011). "Open Schooling as a Strategy for Second-chance Education in the Pacific: A desk study report". Commonwealth of Learning (COL) / University of the South Pacific. pp. 96–100. Retrieved 20 November 2012.
  240. ^ "Tuvalu Theory of Change Coalition Consultation". The University of the South Pacific. 6 July 2020. Retrieved 10 January 2021.
  241. ^ "Tuvalu" Archived 17 October 2011 at the Wayback Machine. 2009 Findings on the Worst Forms of Child Labor. Bureau of International Labor Affairs, U.S. Department of Labor (2002). This article incorporates text from this source, which is in the public domain.
  242. ^ a b c Hedley, pp. 40–41
  243. ^ a b Goldsmith, Michael. (1985). Transformations of the Meeting-House in Tuvalu. Antony Hooper and Judith Huntsman, eds., ‘Transformations of Polynesian Culture’ Polynesian Society.
  244. ^ Panapa, Tufoua (2012). "Ethnographic Research on Meanings and Practices of Health in Tuvalu: A Community Report" (PDF). Report to the Tuvaluan Ministries of Health and Education: Ph D Candidate Centre for Development Studies – "Transnational Pacific Health through the Lens of Tuberculosis" Research Group. Department of Anthropology, The University of Auckland, N.Z. pp. 39–41. Retrieved 6 January 2018.
  245. ^ a b Tiraa-Passfield, Anna (September 1996). "The uses of shells in traditional Tuvaluan handicrafts" (PDF). SPC Traditional Marine Resource Management and Knowledge Information Bulletin No. 7. Retrieved 8 February 2014.
  246. ^ "Kolose: The art of Tuvalu crochet" (PDF). aucklandcouncil. March 2015. Retrieved 12 July 2015.
  247. ^ Mallon, Sean (2 October 2013). "Wearable art: Tuvalu style". Museum of New Zealand (Te Papa) blog. Retrieved 10 April 2014.
  248. ^ a b Kennedy, Donald (1931). The Ellice Islands Canoe. Journal of the Polynesian Society, Memoir no. 9. pp. 71–100.
  249. ^ Gerd Koch (translated by Guy Slater) (1981). The Material Culture of Tuvalu. Suva: University of the South Pacific. ASIN B0000EE805.
  250. ^ Takemoto, Shoko (4 November 2015). "The Art of Tuvalu – Climate Change through the eyes of artists in Tuvalu". exposure.co. Retrieved 23 December 2015.
  251. ^ a b Linkels, Ad. The Real Music of Paradise. Rough Guides, Broughton, Simon and Ellingham, Mark with McConnachie, James and Duane, Orla (Ed.). p. 221. ISBN 1-85828-636-0.
  252. ^ Capt. John Hensford, with photos by Tony Prcevich (2012). "The Royal Visit to Tuvalu – September 2012 – The Inside Story" (PDF). Retrieved 6 January 2016.
  253. ^ Murphy, Victoria (18 September 2012). "Game of thrones: Duke and Duchess of Cambridge play king and queen before dancing the night away in Tuvalu". Mirror Online Edition. London. Retrieved 21 October 2012.
  254. ^ Morris, Rachel, "To the Lifeboats," in Mother Jones, November/December 2009
  255. ^ Hedley, pp. 60–63
  256. ^ "Fishery and Aquaculture Country Profile: Tuvalu". Food and Agriculture Organization. Archived from the original on 26 March 2009. Retrieved 2 May 2009.
  257. ^ Hedley, Charles (1896). "General account of the Atoll of Funafuti" (PDF). Australian Museum Memoir. 3 (2): 1–72 at 65. doi:10.3853/j.0067-1967.3.1896.487.
  258. ^ "Life on Nanomanga". V(2) Pacific Islands Monthly. 21 September 1934. Retrieved 27 September 2021.
  259. ^ a b "Te Kakeega II – National Strategies for Sustainable Development 2005–2015" (PDF). Government of Tuvalu. 2005. Retrieved 14 October 2011.
  260. ^ "Tuvalu national culture policy strategic plan, 2018–2024". UNESCO. Retrieved 15 April 2021.
  261. ^ Bennoune, Karima (24 September 2019). "Preliminary findings and observations on visit to Tuvalu by UN Special Rapporteur in the field of cultural rights".
  262. ^ a b McQuarrie, Peter (1976). "Nui Island sailing canoes". Journal of the Polynesian Society. 85 (4): 543–548.
  263. ^ Squires, Nick (20 March 2006). "South Seas war club cricketers take a beating from football"The Telegraph. Retrieved 21 September 2015.
  264. ^ Squires, Tony (1 April 2012). "Testing time for tiny Tuvalu". BBC News. Retrieved 31 October 2012.
  265. ^ Panapa, Tufoua (2012). "Ethnographic Research on Meanings and Practices of Health in Tuvalu: A Community Report" (PDF). Report to the Tuvaluan Ministries of Health and Education: Ph D Candidate Centre for Development Studies – "Transnational Pacific Health through the Lens of Tuberculosis" Research Group. Department of Anthropology, The University of Auckland, N.Z. p. 19, footnote 4. Retrieved 6 January 2018.
  266. ^ Hedley, p. 56
  267. ^ "Sport: Tuvalu make history at Mini Games". Radio New Zealand International. 3 September 2013. Retrieved 21 July 2015.
  268. ^ Morgan, Liam (10 July 2015). "Tuvalu claim first-ever Pacific Games gold medal as Samoa and Nauru share Port Moresby 2015 powerlifting spoils". Pacific Games 2015. Retrieved 16 July 2015.
  269. ^ "Powerlifting 120kg Male". Pacific Games 2015. 10 July 2015. Retrieved 11 July 2015.
  270. ^ "Sport: Tuvalu wins first ever Pacific Games gold". Radio New Zealand International. 11 July 2015. Retrieved 12 July 2015.
  271. ^ "Tuvalu eye place in football family". FIFA. 22 September 2008
  272. ^ Frew, Craig (9 December 2013). "Tuvalu still dreams of joining Fifa's world football family". BBC Scotland. Retrieved 10 December 2013.
  273. ^ a b c d "CGF – Tuvalu". Commonwealth Games Federation. Archived from the original on 29 July 2007. Retrieved 15 May 2014.
  274. ^ "Tuvalu Philatelic Bureau Newsletter (TPB: 02/2012)". London 2012 – Tuvalu in the 30th Olympiad of the Modern Era. 7 August 2012. Retrieved 7 March 2013.
  275. ^ "The Underdogs: 15 Olympic Athletes That Could Shock the World". Rolling Stone. 5 August 2016. Retrieved 5 August 2016.
  276. ^ "Karalo Hepoiteloto Maibuca". Tokyo 2020. 2020. Retrieved 28 July 2021.
  277. ^ "Matie Stanley". Tokyo 2020. 2020. Retrieved 28 July 2021.
  278. ^ "Report for Selected Country Groups and Subjects". World Economic Outlook. International Monetary Fund. April 2016.
  279. ^ "Tuvalu Accepts Article VIII Obligations". International Monetary Fund press release no. 16/483. 3 November 2016. Retrieved 25 February 2017.
  280. ^ Tuvalu: 2012 Article IV Consultation—IMF Country Report No. 12/259: IMF Executive Board Concludes 2012 Article IV Consultation with Tuvalu (PDF). International Monetary Fund. September 2012. p. 55.
  281. ^ "Tuvalu: 2014 Article IV Consultation-Staff Report; Public Information Notice on the Executive Board Discussion; and Statement by the Executive Director for Tuvalu" (PDF). International Monetary Fund Country Report No. 14/253. 5 August 2014. Retrieved 21 March 2016.
  282. ^ a b c "Tuvalu: 2021 Article IV Consultation-Press Release; Staff Report; and Statement by the Executive Director for Tuvalu". International Monetary Fund Country Report No. 21/176. August 2021. Retrieved 5 August 2021.
  283. ^ a b "Australian Government: AusAID (Tuvalu)". Archived from the original on 20 March 2012. Retrieved 1 September 2011.
  284. ^ "Maritime Training Project: Program Completion Reports". Asian Development Bank. September 2011. Retrieved 28 January 2013.
  285. ^ Dornan, Matthew (4 March 2015). "The Pacific islands 'tuna cartel' is boosting jobs by watching fish". The Conversation. Retrieved 10 March 2015.
  286. ^ Conway, James M. (2015). "Entrepreneurship, Tuvalu, development and .tv: a response" (PDF). Island Studies Journal. 10 (2): 229–252.
  287. ^ Berkens, Michael H. (25 February 2012). "Verisign Renews Contract With Tuvalu To Run .TV Registry Through 2021". The Domains. Retrieved 27 February 2012.
  288. ^ Lee, Alexander (23 December 2019). "Tuvalu is a tiny island nation of 11,000 people. It's cashing in thanks to Twitch". The Washington Post. Retrieved 26 December 2019.
  289. ^ a b Goldsmith, Michael (2012). "The Colonial and Postcolonial Roots of Ethnonationalism in Tuvalu". Journal of the Polynesian Society. 121(2): 129–150.
  290. ^ "Nimmo Bell (Tuvalu Trust Fund)". Retrieved 1 September 2011.
  291. ^ Coutts, Geraldine (16 May 2013). "US signs new tuna agreement with the Pacific". Radio Australia. Retrieved 3 September 2013.
  292. ^ "United Nations Office of the High Representative for the Least Developed Countries, Landlocked Developing Countries and Small Island Developing States". SMALL ISLAND DEVELOPING STATES: Small Islands Big(ger) Stakes. UN-OHRLLS. 2011. Retrieved 1 September 2010.
  293. ^ "Tuvalu – Draft Country Review Paper, Implementation in Asia and the Pacific of the Brussels Programme of Action for the Least Developed Countries for the Decade 2001–2010: progress made, obstacles encountered and the way forward" (PDF). The United Nations. 8 January 2010. Retrieved 24 October 2011.
  294. ^ "Tuvalu wants changes in assessment of LDC criteria". Radio New Zealand International. 23 September 2013. Retrieved 24 September 2013.
  295. ^ UNWTO Tourism Highlights: 2017 Edition. 2017. doi:10.18111/9789284419029. ISBN 9789284419029.
  296. ^ Tuvalu's official tourism website. Timelesstuvalu.com. Retrieved 14 July 2013.
  297. ^ Southerden, Louise (29 June 2016). "Between Australia and Hawaii, the world's tiniest paradise". Traveller.
  298. ^ Jo Tacchi, Heather Horst, Evangelia Papoutsaki, Verena Thomas and Joys Eggins (6 October 2013). "State of Media & Communication Report – Tuvalu" (PDF). Pacific Media Assistance Scheme (PACMAS). Retrieved 5 January 2015.CS1 maint: multiple names: authors list (link)
  299. ^ "Minister Launches First Private Newspaper In The Country – "Tuvalu Paradise News"". tuvaluparadise.tv. 28 September 2020. Retrieved 3 February 2021.
  300. ^ Maui, Atufenua; Kwato'o, Tony; Vetter, Ronald; Chisaki, Yoshifumi & Usagawa, Tsuyoshi (June 2012). "Preliminary Use of an E-learning Pilot System for Secondary Educational Institutions in Tuvalu: The Initial Implementation" (PDF). International Journal of E-Education, E-Business, E-Management and E-Learning. 2 (3).
  301. ^ Moceituba, Atasa (3 February 2016). "Brand-new vessel for Tuvalu". The Fiji Times. Archived from the original on 24 March 2016. Retrieved 17 March 2016.
  302. ^ "Kiribati private business buys Tuvalu's Nivaga II to operate in Kiribati". RADIO KIRIBATI/PACNEWS. 25 May 2017. Retrieved 25 May 2017.
  303. ^ "LCT 'Moeiteava' Christened And Commissioned". Tuvalu Paradise – Issue No. 06/2021. 29 January 2021. Retrieved 8 March 2021.
  304. ^ "Our Organisation: Plans for 2021". Tuvalu Fisheries (Tuvalu Ministry of Natural Resources). 1 February 2020. Retrieved 11 August 2021.
  305. ^ "Replacement of the RV Manaui TFD extension vessel". Tuvalu Fisheries (Tuvalu Ministry of Natural Resources). 19 January 2018. Retrieved 11 August 2021.
  306. ^ "UNDP Supports Tuvalu Ship". Fiji Sun Online. 15 January 2016. Retrieved 15 January 2016.
  307. ^ "Dry-docking RV Tala Moana". Tuvalu Fisheries (Tuvalu Ministry of Natural Resources). 1 November 2019. Retrieved 11 August 2021.
  308. ^ "Funafuti Service". Air Kiribati. 2018. Retrieved 9 January 2019.
  309. ^ "Tuvalu Islands Concede To The Domestic Air-Service". Tuvalu Paradise – Issue No. 05/2021. 26 January 2021. Retrieved 8 March 2021.
  310. ^ Phelan, Erin (15 May 2000). "Tuvalu in World TV Festival". Pacific Islands Report. Retrieved 30 September 2017.
  311. ^ "DER Documentary: The Disappearing of Tuvalu: Trouble in Paradise". DER Documentary. 2004. Retrieved 30 September 2017.
  312. ^ "Documentary: Paradise Drowned". NZ Geographic. 2004. Retrieved 30 September 2017.
  313. ^ "Time and Tide". Wavecrest Films. 2005. Retrieved 30 September 2017.
  314. ^ "Atlantis Approaching: The Movie". Blue Marble Productions. 2006. Retrieved 30 September 2017.
  315. ^ "King Tide – The Sinking of Tuvalu". Juriaan Booij. 2007. Retrieved 30 September 2017.
  316. ^ "Missie Tuvalu / Mission Tuvalu documentary". Omroep Brabant. 2013. Retrieved 30 September 2017.
  317. ^ "ThuleTuvalu". HesseGreutert Film/OdysseyFilm. 2014. Retrieved 30 September 2017.

Further reading

Biodiversity
Culture, customs and traditions
  • Sandra Iren (2013), Barkås, Alofa – Expressions of Love: Change and Continuity in Tuvalu
  • Brady, Ivan (1972). "Kinship Reciprocity in the Ellice Islands", Journal of the Polynesian Society 81:3, 290–316
  • Brady, Ivan, (1974). "Land Tenure in the Ellice Islands", in Henry P. Lundsaarde (ed). Land Tenure in Oceania, Honolulu, University Press of Hawaii. ISBN 0824803213 ISBN 9780824803216
  • Chambers, Keith & Anne Chambers, (January 2001) Unity of Heart: Culture and Change in a Polynesian Atoll Society, Waveland Pr Inc. ISBN 1577661664 ISBN 978-1577661665
  • Corlew, Laura Kati (May 2012). The Cultural Impacts of Climate Change (PDF) (PhD). University of Hawaii. Retrieved 15 September 2016.
  • Kennedy, Donald Gilbert, Field Notes on the Culture of Vaitupu, Ellice Islands (1931): Thomas Avery & Sons, New Plymouth, N.Z.
  • Kennedy, Donald Gilbert, Land tenure in the Ellice Islands, Journal of the Polynesian Society., Vol. 64, no. 4 (Dec. 1953):348–358.
  • Koch, Gerd, (1961) Die Materielle Kulture der Ellice-Inseln, Berlin: Museum fur Volkerkunde; The English translation by Guy Slatter, was published as The Material Culture of Tuvalu, University of the South Pacific in Suva (1981) ASIN B0000EE805.
History
  • Hedley, Charles (1896). "General Account of the Atoll of Funafuti" (PDF). Australian Museum Memoir. 3 (2): 1–72. doi:10.3853/j.0067-1967.3.1896.487.
  • Tuvalu: A History (1983) Isala, Tito and Larcy, Hugh (eds.), Institute of Pacific Studies, University of the South Pacific and Government of Tuvalu.
  • Bedford, R., Macdonald, B., & Munro, D., (1980) Population Estimates for Kiribati and Tuvalu, 1850–1900: Review and Speculation, Journal of the Polynesian Society, 89, 199–246.
  • Bollard, AE., (1981) The financial adventures of J. C. Godeffroy and Son in the Pacific, Journal of Pacific History, 16: 3–19.
  • Firth, S., (1973) German Firms in the Western Pacific Islands, 1857–1914, Journal of Pacific History, 8: 10–28.
  • Geddes, W. H., Chambers, A., Sewell, B., Lawrence, R., & Watters, R. (1982) Islands on the Line, team report. Atoll economy: Social change in Kiribati and Tuvalu, No. 1, Canberra: Australian National University, Development Studies Centre.
  • Goodall, N. (1954) A history of the London Missionary Society 1895–1945, London: Oxford University Press.
  • Macdonald, Barrie, (1971) Local Government in the Gilbert and Ellice Islands 1892–1969 – part 1, Journal of Administration Overseas, 10, 280–293.
  • Macdonald, Barrie, (1972) Local Government in the Gilbert and Ellice Islands 1892–1969 – part 2, Journal of Administration Overseas, 11, 11–27.
  • Macdonald, Barrie, (2001) Cinderellas of the Empire: Towards a History of Kiribati and Tuvalu, Institute of Pacific Studies, University of the South Pacific, Suva, Fiji. ISBN 982-02-0335-X (Australian National University Press, first published 1982).
  • Munro, D, Firth, S., (1986) Towards Colonial Protectorates: The Case of the Gilbert and Ellice Islands, Australian Journal of Politics and History, 32: 63–71.
  • Maude, H. E., (1949) The Co-operative Movement in the Gilbert and Ellice Islands (Technical Paper No. 1), South Pacific Commission, Sydney.
  • Suamalie N.T. Iosefa, Doug Munro, Niko Besnier, (1991) Tala O Niuoku, Te: The German Plantation on Nukulaelae Atoll 1865–1890, Published by the Institute of Pacific Studies. ISBN 9820200733.
  • Pulekai A. Sogivalu, (1992) A Brief History of Niutao, Published by the Institute of Pacific Studies. ISBN 982020058X.
Language
Music and dance
  • Christensen, Dieter, (1964) Old Musical Styles in the Ellice Islands, Western Polynesia, Ethnomusicology, 8:1, 34–40.
  • Christensen, Dieter and Gerd Koch, (1964) Die Musik der Ellice-Inseln, Berlin: Museum fur Volkerkunde.
  • Koch, Gerd, (2000) Songs of Tuvalu (translated by Guy Slatter), Institute of Pacific Studies, University of the South Pacific. ISBN 9820203147 ISBN 978-9820203143

External links