Domínio de nível superior

Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Ir para navegação Pular para pesquisar

Exemplos de mais de 1.500 TLDs
Domínio de exemplo Modelo Instituição patrocinadora
arpa A infraestrutura Conselho de Arquitetura da Internet ; restrito [1]
azul Genérico Afilias Limited ; irrestrito [2] [3]
ovh Genérico OVH SAS ; administrado pela AFNIC , irrestrito [4]
nome Genérico restrito VeriSign Information Services, Inc .; irrestrito [5]
ac Código do país Cable and Wireless (Ascension Island) ; irrestrito [6]
zw Código do país Autoridade Reguladora dos Correios e Telecomunicações do Zimbabué ; irrestrito [7]
aero Patrocinadas Société Internationale de Télécommunications Aéronautiques ; irrestrito [8]
ไทย Código de país internacionalizado THNIC [9]

Um domínio de nível superior ( TLD ) é um dos domínios de nível mais alto no Sistema de Nomes de Domínio hierárquico da Internet após o domínio raiz. [10] Os nomes de domínio de nível superior são instalados na zona raiz do espaço de nomes. Para todos os domínios em níveis inferiores, é a última parte do nome de domínio , ou seja, o último rótulo não vazio de um nome de domínio totalmente qualificado . Por exemplo, no nome de domínio www.example.com. , o domínio de nível superior é com . A responsabilidade pelo gerenciamento da maioria dos domínios de nível superior é delegada a organizações específicas peloO Internet Governance Forum (IGF) é uma comunidade de múltiplas partes interessadas que opera a Autoridade para Atribuição de Números da Internet (IANA) e é responsável por manter a zona raiz do DNS .

História

Originalmente, o espaço de domínio de nível superior foi organizado em três grupos principais: Países , Categorias e Multiorganizações . [11] Um grupo temporário adicional consistia apenas no domínio DNS inicial, arpa , [12] e foi planejado para fins de transição para a estabilização do sistema de nomes de domínio.

Tipos

A partir de 2015, IANA distingue os seguintes grupos de domínios de nível superior: [13]

Os países são designados no Sistema de Nomes de Domínio por seu código de país ISO de duas letras ; [14] há exceções, no entanto (por exemplo, .uk ). Esse grupo de domínios é, portanto, comumente conhecido como domínios de nível superior de código de país (ccTLD). Desde 2009, os países com scripts não latinos podem se inscrever para nomes de domínio de nível superior com código de país internacionalizado , que são exibidos nos aplicativos do usuário final em seu script ou alfabeto nativo do idioma, mas usam um nome de domínio ASCII traduzido por Punycode em o Sistema de Nomes de Domínio.

Os domínios genéricos de nível superior (anteriormente categorias ) consistiam inicialmente em gov , edu , com , mil , org e net . Mais TLDs genéricos foram adicionados, como informações .

A lista oficial de TLDs atuais na zona raiz está publicada no site da IANA em https://www.iana.org/domains/root/db/ .

Código do país internacionalizado TLDs

Um domínio de nível superior com código de país internacionalizado (ccTLD com IDN) é um domínio de nível superior com um nome de domínio especialmente codificado que é exibido em um aplicativo de usuário final, como um navegador da web , em seu script ou alfabeto nativo do idioma (como o alfabeto árabe ) ou um sistema de escrita não alfabético (como caracteres chineses ). Os ccTLDs com IDNs são uma aplicação do sistema de nomes de domínio internacionalizados (IDN) para domínios de nível superior da Internet atribuídos a países ou regiões geográficas independentes.

ICANN começou a aceitar solicitações de ccTLDs com IDNs em novembro de 2009, [15] e instalou o primeiro conjunto no Sistema de Nomes de Domínio em maio de 2010. O primeiro conjunto foi um grupo de nomes árabes para os países do Egito, Arábia Saudita e Estados Unidos Emirados Árabes. Em maio de 2010, 21 países haviam enviado inscrições à ICANN, representando 11 scripts. [16]

Domínio Infra-estrutura

O domínio arpa foi o primeiro domínio de nível superior da Internet. Foi planejado para ser usado apenas temporariamente, ajudando na transição de nomes de host ARPANET tradicionais para o sistema de nomes de domínio. No entanto, depois de ter sido usado para pesquisa de DNS reverso , foi considerado impraticável retirá-lo e é usado hoje exclusivamente para fins de infraestrutura de Internet, como in-addr.arpa para IPv4 e ip6.arpa para resolução de DNS reverso IPv6, uri. arpa e urn.arpa para o Dynamic Delegation Discovery System e e164.arpa para mapeamento de números de telefone com base em registros DNS NAPTR . Por razões históricas, às vezes arpa é considerado um domínio de nível superior genérico.

Domínios reservados

Um conjunto de nomes de domínio é reservado pela Força-Tarefa de Engenharia da Internet como nomes de domínio de uso especial por autoridade de Solicitação de Comentários (RFC) 6761. A prática originou-se na RFC 1597 para alocações de endereços reservados em 1994, e domínios reservados de primeiro nível em RFC 2606 de 1999. RFC 6761 reserva os quatro nomes de domínio de primeiro nível a seguir para evitar confusão e conflito. [17] Qualquer uso reservado desses TLDs não deve ocorrer em redes de produção que utilizam o sistema global de nomes de domínio:

  • exemplo : reservado para uso em exemplos
  • inválido : reservado para uso em nomes de domínio inválidos
  • localhost : reservado para evitar conflito com o uso tradicional de localhost como um nome de host
  • teste : reservado para uso em testes

O RFC 6762 reserva o uso de .local para nomes de host de link local que podem ser resolvidos por meio do protocolo de resolução de nome DNS multicast . [18]

O RFC 7686 reserva o uso de .onion para os nomes de autenticação automática dos serviços Tor onion . Esses nomes só podem ser resolvidos por um cliente Tor devido ao uso do roteamento cebola para proteger o anonimato dos usuários. [19]

Internet-Draft draft-wkumari-dnsop-internal-00 propõe reservar o uso de .internal para "nomes que não têm significado no contexto global, mas têm significado em um contexto interno de sua rede", e para os quais o RFC 6761 nomes reservados são semanticamente inadequados.

Domínios históricos

No final da década de 1980, a InterNIC criou o domínio nato para uso da OTAN . [ carece de fontes? ] A OTAN não considerou nenhum dos TLDs então existentes como um reflexo adequado de seu status como organização internacional . Logo depois dessa adição, entretanto, a InterNIC também criou o TLD int para uso por organizações internacionais em geral e persuadiu a OTAN a usar o domínio de segundo nível nato.int . O nato TLD, não mais usado, foi finalmente removido em julho de 1996. [ carece de fontes? ]

Outros TLDs históricos são cs para a Tchecoslováquia (agora usando cz para República Tcheca e sk para Eslováquia ), dd para Alemanha Oriental (usando de após a reunificação da Alemanha ), yu para SFR Iugoslávia e Sérvia e Montenegro (agora usando ba para Bósnia e Herzegovina , hr para a Croácia , me para Montenegro , mk para a Macedônia do Norte, rs para a Sérvia e si para a Eslovênia ) e zr para o Zaire (agora cd para a República Democrática do Congo ). Em contraste com estes, o TLD su permaneceu ativo, apesar do fim da União Soviética que representa. Sob a presidência de Nigel Roberts , a ccNSO da ICANN está trabalhando em uma política para aposentadoria de ccTLDs que foram removidos da ISO 3166 .

Domínios propostos

Por volta do final de 2000, ICANN discutiu e finalmente introduziu [20] aero , biz , coop , info , museum , name e pro TLDs. Os proprietários do site argumentaram que um TLD semelhante deveria ser disponibilizado para sites adultos e pornográficos para resolver a disputa de conteúdo obsceno na Internet, para tratar da responsabilidade dos provedores de serviços dos EUA sob a Lei de Decência nas Comunicações dos EUA de 1996. Várias opções foram propostas, incluindo xxx , sexo e adulto . [21] O xxxdomínio de nível superior finalmente foi lançado em 2011. [ carece de fontes? ]

Uma proposta mais antiga consistia em sete novos gTLDs: arts, firm, info , nom, rec, shop e web . [22] Mais tarde , negócios , informações , museu e nome cobriram a maioria dessas propostas antigas.

Durante o 32º Encontro Público Internacional da ICANN em Paris em 2008, ICANN deu início a um novo processo de política de nomes de TLDs para dar um "passo significativo na introdução de novos domínios genéricos de primeiro nível". [23] Este programa previa a disponibilidade de muitos domínios novos ou já propostos, bem como um novo processo de aplicação e implementação. [24] Os observadores acreditavam que as novas regras poderiam resultar no registro de centenas de novos gTLDs. [25]

Em 13 de junho de 2012, ICANN anunciou quase 2.000 pedidos de domínios de primeiro nível, que começaram a ser instalados em 2013. [26] [27] Os primeiros sete - bicicleta , roupas , guru , propriedades , encanamento , solteiros e empreendimentos - foram lançados em 2014. [28]

Domínios rejeitados

ICANN rejeitou vários domínios propostos para incluir casa e corporação devido a conflitos relacionados a gTLDs que estão em uso em redes internas.

A investigação dos conflitos foi conduzida a pedido da ICANN pela Interisle Consulting . O relatório resultante ficaria conhecido como o problema de colisão de nomes [29] , que foi relatado pela primeira vez na ICANN 47. [30]

Domínios sem ponto

org [.] é um nó na árvore DNS, assim como wikipedia. [org.] e en. [wikipedia.org.] . Como tal, tem seus próprios registros DNS

Devido à estrutura do DNS , cada nó na árvore tem sua própria coleção de registros e, como os domínios de nível superior são nós no DNS, eles têm seus próprios registros. Por exemplo, consultar a própria organização (com uma ferramenta como dig , host ou nslookup ) retorna informações sobre seus servidores de nomes :

PERGUNTA
org. EM QUALQUER
RESPONDER
org. 21599 IN NS a0.org.afilias-nst.info.
org. 21599 IN NS a2.org.afilias-nst.info.
org. 21599 EM NS b0.org.afilias-nst.org.
org. 21599 IN NS b2.org.afilias-nst.org.
[…]

Domínios sem ponto são domínios de nível superior que aproveitam esse fato e implementam registros A , AAAA ou MX DNS para servir páginas da web ou permitir a entrada de e-mail diretamente em um TLD - por exemplo, uma página da web hospedada em http: // example / , ou um endereço de e-mail usuário @ exemplo . [31]

ICANN e IAB se manifestaram contra a prática, classificando-a como um risco de segurança, entre outras preocupações. [32] O Comitê Consultivo de Segurança e Estabilidade (SSAC) da ICANN afirma ainda que o SMTP "exige pelo menos dois rótulos no FQDN de um endereço de e-mail" e, como tal, os servidores de e-mail rejeitariam e-mails para endereços com domínios sem ponto. [31]

ICANN também publicou uma resolução em 2013 que proíbe a criação de domínios sem ponto em gTLDs . [33] ccTLDs , no entanto, estão em grande parte sob a jurisdição de seus respectivos países , e não de ICANN. Por causa disso, tem havido muitos exemplos de domínios sem ponto em ccTLDs, apesar da oposição vocal da ICANN.

Em agosto de 2021, que é o caso de Anguilla de .ai , on-line em http://ai./ (como um espelho da http://offshore.ai/ ), e do Uzbequistão 's .uz , on-line em https://uz./ (como um espelho de https://cctld.uz/ , embora com um certificado inválido). Outras ccTLDs com registros A ou AAAA, a partir de agosto de 2021, incluem: .bh , .cm , .pn , .tk , .va e .ws .

Uma consulta semelhante ao org ' s apresentados acima podem ser feitos por ai , que regista e mostra uma MX para o DPN:

PERGUNTA
ai. EM QUALQUER
RESPONDER
ai. 21599 IN A 209.59.119.34
ai. 21599 IN MX 10 mail.offshore.ai.
ai. 21599 IN NS anycastdns1-cz.nic.ai.
ai. 21599 IN NS anycastdns2-cz.nic.ai.
ai. 21599 IN NS pch.whois.ai.
[…]

Historicamente, muitos outros ccTLDs tiveram registros A ou AAAA. Em 3 de setembro de 2013, conforme relatado pelo IETF , eles foram os seguintes: [34] .ac , .dk , .gg , .io , .je , .kh , .sh , .tm , .para e .vi .

New TLDs

Seguindo uma resolução de 2014 da ICANN, os TLDs recém-registrados devem implementar os seguintes registros DNS apex A, MX, TXT e SRV - onde <TLD>significa o TLD registrado - por pelo menos 90 dias: [35]

<TLD>. 3600 IN MX 10 seu-dns-precisa-de-atenção imediata. <TLD>.
<TLD>. 3600 IN SRV 10 10 0 seu-dns-precisa-de-atenção-imediata. <TLD>.
<TLD>. 3600 IN TXT "Sua configuração de DNS precisa de atenção imediata, consulte https://icann.org/namecollision"
<TLD>. 3600 IN A 127.0.53.53

Esse requisito visa evitar conflitos de nomes de domínio quando novos TLDs são registrados. Por exemplo, os programadores podem ter usado domínios costume locais, como foo.bar ou test.dev , o que ambos colidem com a criação de gTLDs .bar em 2014 e .dev em 2019. Em agosto de 2021, domínios de primeiro nível com estes os registros apex especiais são .arab , .cpa , .politie e .watches .

Embora isso crie registros DNS de apex do tipo A e MX, eles não se qualificam como um domínio sem ponto, pois os registros não devem apontar para servidores reais. Por exemplo, o registro A contém o IP 127.0.53.53, um endereço de loopback (consulte IPv4 § Endereçamento ), escolhido como mnemônico para indicar um problema relacionado ao DNS , já que o DNS usa a porta 53 . [36]

Pseudo-domínios

Várias redes, como BITNET , CSNET e UUCP , existiam e eram amplamente utilizadas entre profissionais de informática e usuários acadêmicos, mas não eram interoperáveis ​​diretamente com a Internet e trocavam mensagens com a Internet por meio de gateways especiais de e-mail. Para fins de retransmissão nos gateways, as mensagens associadas a essas redes eram rotuladas com sufixos como bitnet , oz , csnet ou uucp , mas esses domínios não existiam como domínios de nível superior no Sistema de Nomes de Domínio público da Internet.

A maioria dessas redes há muito deixou de existir e, embora UUCP ainda obtenha uso significativo em partes do mundo onde a infraestrutura da Internet ainda não se tornou bem estabelecida, posteriormente fez a transição para o uso de nomes de domínio da Internet, e os pseudo-domínios agora sobrevivem amplamente como relíquias históricas. Uma exceção notável é o surgimento de 2007 do SWIFTNet Mail, que usa o pseudo-domínio swift. [37]

A rede de anonimato Tor anteriormente usava a cebola de pseudo-domínio de nível superior para serviços ocultos Tor , que só podem ser alcançados com um cliente Tor porque usa o protocolo de roteamento Cebola Tor para alcançar o serviço oculto para proteger o anonimato dos usuários. No entanto, o pseudo-domínio foi oficialmente reservado em outubro de 2015. i2p fornece um pseudo-domínio oculto semelhante, .i2p.

Os hubs BT usam a casa do pseudo-domínio de nível superior para resolução DNS local de roteadores, modems e gateways.

Veja também

Referências

  1. ^ "Registro de delegação para .ARPA" . iana.org . Corporação da Internet para nomes e números atribuídos (ICANN) . Retirado em 10 de novembro de 2015 .
  2. ^ "Registro de delegação para .BLUE" . www.iana.org . Corporação da Internet para nomes e números atribuídos (ICANN) . Retirado em 10 de novembro de 2015 .
  3. ^ "Por que .BLUE?" . Dotblue.blue. Arquivado do original em 21 de outubro de 2014 . Retirado em 10 de novembro de 2015 .
  4. ^ "Registro de delegação para .OVH" . www.iana.org . Corporação da Internet para Nomes e Números Atribuídos (ICANN) . Retirado em 10 de novembro de 2015 .
  5. ^ "Registro de delegação para .NAME" . www.iana.org . Corporação da Internet para Nomes e Números Atribuídos (ICANN) . Retirado em 10 de novembro de 2015 .
  6. ^ "Registro de delegação para .AC" . www.iana.org . Corporação da Internet para nomes e números atribuídos (ICANN) . Retirado em 10 de novembro de 2015 .
  7. ^ "Registro de delegação para .ZW" . www.iana.org . Corporação da Internet para Nomes e Números Atribuídos (ICANN) . Retirado em 10 de novembro de 2015 .
  8. ^ "Registro de delegação para .AERO" . www.iana.org . Corporação da Internet para nomes e números atribuídos (ICANN) . Retirado em 10 de novembro de 2015 .
  9. ^ "Registro de delegação para. ไทย" . iana.org . Corporação da Internet para nomes e números atribuídos (ICANN) . Retirado em 23 de fevereiro de 2017 .
  10. ^ Postel, Jon (março de 1994). "Estrutura e delegação do sistema de nomes de domínio" . Solicitação de comentários . Grupo de Trabalho de Rede . Página visitada em 7 de fevereiro de 2011 . Este memorando fornece algumas informações sobre a estrutura dos nomes no Sistema de Nomes de Domínio (DNS), especificamente os nomes de domínio de primeiro nível; e na administração de domínios.
  11. ^ Postel, J .; Reynolds, J. (outubro de 1984). "Requisitos de domínio" . Solicitação de comentários . Grupo de Trabalho de Rede . Página visitada em 7 de fevereiro de 2011 .
  12. ^ Postel, J. (outubro de 1984). "Cronograma de Implementação do Sistema de Nomes de Domínio - Revisado" . Solicitação de comentários . Grupo de Trabalho de Rede . Página visitada em 7 de fevereiro de 2011 . Este memorando é uma declaração de política sobre a implementação do Sistema de Nomenclatura de Estilo de Domínio na Internet. Este memorando é uma atualização do RFC-881 e do RFC-897. Esta é uma declaração oficial da política do IAB e do DARPA.
  13. ^ "Banco de dados da zona raiz IANA" . IANA.org . Autoridade para atribuição de números na Internet . Retirado em 10 de novembro de 2015 .
  14. ^ Códigos para a representação de nomes de países , ISO-3166, Organização Internacional para Padronização. (Maio de 1981)
  15. ^ "ICANN trazendo os idiomas do mundo para a Internet global" (comunicado à imprensa). Corporação da Internet para nomes e números atribuídos (ICANN). 30 de outubro de 2009 . Página visitada em 30 de outubro de 2009 .
  16. ^ " ' Dia histórico', como primeiros endereços da web não-latino-go live" . BBC News . 6 de maio de 2010 . Página visitada em 7 de maio de 2010 .
  17. ^ RFC 6761, Nomes de domínio de uso especial , S. Cheshire, M. Krochmal, The Internet Society (fevereiro de 2013)
  18. ^ RFC 6762, Multicast DNS , S. Cheshire, M. Krochmal, The Internet Society (fevereiro de 2013)
  19. ^ RFC 7686, The ".onion" Special-Use Domain Name , J. Appelbaum, A. Muffett, The Internet Society (outubro de 2015)
  20. ^ "InterNIC FAQs sobre novos domínios de nível superior" . Internic.net. 25 de setembro de 2002 . Retirado em 28 de março de 2013 .
  21. ^ RFC 3675: .sex considerado perigoso
  22. ^ (histórico) MoU de gTLD arquivado em 13 de junho de 2008 na máquina Wayback
  23. ^ "32º Encontro Público Internacional da ICANN" . EU ENLATO. 22 de junho de 2008.
  24. ^ "Programa de novos gTLDs" . ICANN . Página visitada em 15 de junho de 2009 .
  25. ^ A Diretoria da ICANN aprova a revisão geral dos domínios de nível superior , CircleID, 26 de junho de 2008.
  26. ^ "Os 10 principais novos domínios de nível superior propostos até agora" . Página visitada em 12 de junho de 2012 .
  27. ^ "Reveal Day 13 June 2012 - New gTLD Applied-For Strings" . Newgtlds.icann.org. Arquivado do original em 15 de junho de 2012 . Retirado em 28 de março de 2013 .
  28. ^ "O que os novos domínios de nível superior da ICANN significam para você - Tendências digitais" . Tendências digitais . 5 de fevereiro de 2014.
  29. ^ "Colisão de nomes" . Wiki da ICANN . Retirado em 5 de julho de 2021 .
  30. ^ "ICANN 47" . Wiki da ICANN . Retirado em 5 de julho de 2021 .
  31. ^ a b "Relatório SSAC em domínios dotless" . ICANN . 24 de agosto de 2012 . Retirado em 14 de agosto de 2021 .
  32. ^ "Declaração IAB: Dotless Domains Considered Harmful" . Conselho de Arquitetura da Internet . 2013 . Retirado em 14 de agosto de 2021 .
  33. ^ "Resoluções aprovadas | Reunião do Comitê do Programa de Novos gTLDs" .
  34. ^ Levine, John; Hoffman, Paul (dezembro de 2013). "Domínios de nível superior que já não têm ponto" . Força-Tarefa de Engenharia da Internet . Retirado em 14 de agosto de 2021 .
  35. ^ Atallah, Akram (4 de agosto de 2014). "Avaliação de ocorrência de colisão de nomes" . ICANN . Retirado em 17 de agosto de 2021 .
  36. ^ "Recursos e informações de colisão de nomes" . ICANN . Retirado em 17 de agosto de 2021 .
  37. ^ "SWIFTNet Mail agora disponível" . RÁPIDO. 16 de maio de 2007 . Página visitada em 3 de janeiro de 2010 .

Outras leituras

  • Endereçando o mundo : identidade nacional e domínios de código de país da Internet , editado por Erica Schlesinger Wass (Rowman & Littlefield, 2003, ISBN 0-7425-2810-3 ) examina as conexões entre culturas e seus ccTLDs. 
  • Ruling the Root de Milton Mueller (MIT Press, 2001, ISBN 0-262-13412-8 ) discute TLDs e a política de nomes de domínio de maneira mais geral. 

Ligações externas