Telúrio

Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Ir para a navegação Saltar para pesquisar
Telúrio,  52 Te
Tellurium2.jpg
Telúrio
Pronúncia/ t ɪ lj ʊər i ə m / ​( tə- LURE -ee -əm )
Aparênciacinza brilhante prateado (cristalino),
pó marrom-preto (amorfo)
Peso atômico padrão A r, std (Te) 127.60(3) [1]
Telúrio na tabela periódica
Hidrogênio Hélio
Lítio Berílio Boro Carbono Azoto Oxigênio Flúor Néon
Sódio Magnésio Alumínio Silício Fósforo Enxofre Cloro Argônio
Potássio Cálcio Escândio Titânio Vanádio Cromo Manganês Ferro Cobalto Níquel Cobre Zinco Gálio Germânio Arsênico Selênio Bromo Krypton
Rubídio Estrôncio Ítrio Zircônio Nióbio Molibdênio Tecnécio Rutênio Ródio Paládio Prata Cádmio índio Lata Antimônio Telúrio Iodo Xenon
Césio Bário Lantânio Cério Praseodímio Neodímio Promécio Samário Európio Gadolínio Térbio Disprósio Hólmio Érbio Túlio Itérbio Lutécio Háfnio Tântalo Tungstênio Rênio Ósmio Irídio Platina Ouro Mercúrio (elemento) Tálio Liderar Bismuto Polônio Astatine Radônio
Frâncio Rádio Actínio Tório Protactínio Urânio Neptúnio Plutônio Amerício Curium Berquélio Californium Einsteinium Férmio Mendelévio Nobélio Lourenço Rutherfordium Dúbnio Seaborgium Bohrium Hássio Meitnério Darmstádio Roentgenium Copérnico Nihonium Fleróvio Moscovium Livermório Tennessee Oganesson
Se

Te

Po
antimôniotelúrioiodo
Número atômico ( Z )52
Grupogrupo 16 (calcogênios)
Períodoperíodo 5
Quadra  p-bloco
Configuração eletrônica[ Kr ] 4d 10 5s 2 5p 4
Elétrons por camada2, 8, 18, 18, 6
Propriedades físicas
Fase em  STPsólido
Ponto de fusão722,66  K (449,51 °C, 841,12 °F)
Ponto de ebulição1261 K (988°C, 1810°F)
Densidade (perto  da rt )6,24 g/ cm3
quando líquido (em  mp )5,70 g/ cm3
Calor de fusão17,49  kJ/mol
Calor da vaporização114,1 kJ/mol
Capacidade de calor molar25,73 J/(mol·K)
Pressão de vapor
P  (Pa) 1 10 100 1k 10 mil 100 mil
em  T  (K)   (775) (888) 1042 1266
Propriedades atômicas
Estados de oxidação−2 , −1, 0, +1, +2 , +3, +4 , +5, +6 (um óxidolevemente ácido )
Eletro-negatividadeEscala de Pauling: 2,1
Energias de ionização
  • 1º: 869,3 kJ/mol
  • 2º: 1790 kJ/mol
  • 3º: 2698 kJ/mol
Raio atômicoempírico:  140h
Raio covalente138±4 da tarde
Raio de Van der Waals206 pm
Linhas de cor em uma faixa espectral
Linhas espectrais de telúrio
Outras propriedades
Ocorrência naturalprimordial
Estrutura de cristaltrigonal [2]
Estrutura cristalina trigonal para telúrio
Velocidade do som haste fina2610 m/s (a 20°C)
Expansão térmica18 µm/(m⋅K) [3] (à  temperatura ambiente )
Condutividade térmica1,97–3,38 W/(m⋅K)
Pedido magnéticodiamagnético [4]
Suscetibilidade magnética molar−39,5 × 10 −6  cm 3 /mol (298 K) [5]
Módulo de Young43 GPa
Módulo de cisalhamento16 GPa
Módulo em massa65 GPa
Dureza de Mohs2,25
Dureza Brinell180–270 MPa
Número CAS13494-80-9
História
Nomeaçãodepois de Roman Tellus , divindade da Terra
DescobertaFranz-Joseph Müller von Reichenstein (1782)
Primeiro isolamentoMartin Heinrich Klaproth
Principais isótopos de telúrio
Isótopo Abundância Meia-vida ( t 1/2 ) Modo de decaimento produtos
120 Te 0,09% estábulo
121 Te sin 16,78 dias ε 121 Sb
122 Te 2,55% estábulo
123 Te 0,89% [6] estábulo
124 Te 4,74% estábulo
125 Te 7,07% estábulo
126 Te 18,84% estábulo
127 Te sin 9h35 β- _ 127 eu
128 Te 31,74% 2,2×10 24  anos β β 128Xe _
129 Te sin 69,6 minutos β- _ 129 eu
130 Te 34,08% 7,9×10 20  anos β β 130Xe _
 Categoria: Telúrio
| referências

O telúrio é um elemento químico com o símbolo  Te e número atômico  52. É um metalóide quebradiço, levemente tóxico, raro, branco-prateado . O telúrio está quimicamente relacionado ao selênio e ao enxofre , todos os três calcogênios . É ocasionalmente encontrado na forma nativa como cristais elementares. O telúrio é muito mais comum no Universo como um todo do que na Terra. A sua extrema raridade na crosta terrestre, comparável à da platina , deve-se em parte à sua formação de um hidreto volátil.que fez com que o telúrio fosse perdido para o espaço como um gás durante a formação nebular quente da Terra. [7]

Compostos contendo telúrio foram descobertos pela primeira vez em 1782 em uma mina de ouro em Kleinschlatten , Transilvânia (agora Zlatna, Romênia ) pelo mineralogista austríaco Franz-Joseph Müller von Reichenstein , embora tenha sido Martin Heinrich Klaproth quem nomeou o novo elemento em 1798 após a palavra latina para "terra", tellus . Os minerais de telureto de ouro são os compostos naturais de ouro mais notáveis. No entanto, eles não são uma fonte comercialmente significativa de telúrio em si, que normalmente é extraído como subproduto da produção de cobre e chumbo .

Comercialmente, o principal uso do telúrio é o cobre ( telúrio cobre ) e as ligas de aço , onde melhora a usinabilidade . As aplicações em painéis solares de CdTe e semicondutores de telureto de cádmio também consomem uma parcela considerável da produção de telúrio. O telúrio é considerado um elemento de tecnologia crítica .

O telúrio não tem função biológica, embora os fungos possam usá-lo no lugar do enxofre e do selênio em aminoácidos como telurocisteína e telurometionina . [8] Em humanos, o telúrio é parcialmente metabolizado em dimetil telureto , (CH 3 ) 2 Te, um gás com odor semelhante ao de alho exalado no hálito de vítimas de exposição ao telúrio ou envenenamento.

Características

Propriedades físicas

O telúrio tem dois alótropos , cristalino e amorfo. Quando cristalino , o telúrio é branco-prateado com brilho metálico. Os cristais são trigonais e quirais ( grupo espacial 152 ou 154 dependendo da quiralidade), como a forma cinza do selênio . É um metalóide frágil e facilmente pulverizável. O telúrio amorfo é um pó preto-acastanhado preparado por precipitação a partir de uma solução de ácido telúrico ou ácido telúrico (Te(OH) 6 ). [9] O telúrio é um semicondutor que apresenta uma maior condutividade elétrica em certas direções dependendo daalinhamento atômico ; a condutividade aumenta ligeiramente quando exposta à luz ( fotocondutividade ). [10] Quando fundido, o telúrio é corrosivo para cobre, ferro e aço inoxidável . Dos calcogênios (elementos da família do oxigênio), o telúrio tem os maiores pontos de fusão e ebulição, a 722,66 K (449,51 °C) e 1.261 K (988 °C), respectivamente. [11]

Propriedades químicas

O telúrio cristalino consiste em cadeias helicoidais paralelas de átomos de Te, com três átomos por volta. Este material cinza resiste à oxidação pelo ar e não é volátil.

Isótopos

Telúrio de ocorrência natural tem oito isótopos. Seis desses isótopos, 120 Te, 122 Te, 123 Te, 124 Te, 125 Te e 126 Te, são estáveis. Os outros dois, 128 Te e 130 Te, são levemente radioativos, [12] [13] [14] com meias-vidas extremamente longas, incluindo 2,2 × 10 24 anos para 128 Te. Esta é a meia-vida mais longa conhecida entre todos os radionuclídeos [15] e é cerca de 160 trilhões (10 12 ) vezes a idade do universo conhecido. Os isótopos estáveis ​​compreendem apenas 33,2% do telúrio natural.

Outros 31 radioisótopos artificiais de telúrio são conhecidos, com massas atômicas variando de 104 a 142 e com meia-vida de 19 dias ou menos. Além disso, 17 isômeros nucleares são conhecidos, com meia-vida de até 154 dias. Com exceção do berílio-8 e dos ramos de emissão alfa retardada beta em alguns nuclídeos mais leves , o telúrio ( 104 Te a 109 Te) é o elemento mais leve com isótopos conhecidos por sofrer decaimento alfa. [12]

A massa atômica do telúrio (127,60 g·mol −1 ) excede o de iodo (126,90 g·mol −1 ), o próximo elemento da tabela periódica. [16]

Ocorrência

Uma massa escura, de aproximadamente 2 milímetros de diâmetro, sobre um substrato de cristal cor de rosa
Telúrio em quartzo ( Moctezuma, Sonora , México)
Cristal de telúrio nativo em sylvanite ( Vatukoula , Viti Levu , Fiji ). Largura da imagem 2 mm.

Com uma abundância na crosta terrestre comparável à da platina (cerca de 1 µg/kg), o telúrio é um dos elementos sólidos estáveis ​​mais raros. [17] Em comparação, mesmo o túlio , o mais raro dos lantanídeos estáveis , tem abundâncias crustais de 500 µg/kg (ver Abundância dos elementos químicos ). [18]

Esta raridade de telúrio na crosta terrestre não é um reflexo de sua abundância cósmica. O telúrio é mais abundante que o rubídio no cosmos, embora o rubídio seja 10.000 vezes mais abundante na crosta terrestre. Acredita-se que a raridade do telúrio na Terra seja causada por condições durante a triagem pré-acrecional na nebulosa solar, quando a forma estável de certos elementos, na ausência de oxigênio e água , era controlada pelo poder redutor do hidrogênio livre . Nesse cenário, certos elementos que formam hidretos voláteis , como o telúrio, foram severamente esgotados pela evaporação desses hidretos. Telúrio e selênio são os elementos pesados ​​mais esgotados por esse processo. [7]

O telúrio às vezes é encontrado em sua forma nativa (ou seja, elementar), mas é mais frequentemente encontrado como teluretos de ouro , como calaverita e krennerita (dois polimorfos diferentes de AuTe 2 ), petzita , Ag 3 AuTe 2 , e silvanita , AgAuTe 4 . A cidade de Telluride, Colorado , foi nomeada na esperança de um ataque de telureto de ouro (que nunca se materializou, embora tenha sido encontrado minério de ouro). O próprio ouro geralmente é encontrado não combinado, mas quando encontrado como um composto químico, é mais frequentemente combinado com telúrio.

Embora o telúrio seja encontrado com o ouro com mais frequência do que na forma não combinada, ele é encontrado ainda mais frequentemente combinado como teluretos de metais mais comuns (por exemplo , melonita , NiTe 2 ). Também ocorrem minerais naturais de telurito e telúrico , formados pela oxidação de teluretos perto da superfície da Terra. Em contraste com o selênio, o telúrio geralmente não substitui o enxofre nos minerais devido à grande diferença nos raios dos íons. Assim, muitos minerais de sulfeto comuns contêm quantidades substanciais de selênio e apenas vestígios de telúrio. [19]

Na corrida do ouro de 1893, os mineiros de Kalgoorlie descartaram um material pirítico enquanto procuravam ouro puro, e foi usado para tapar buracos e construir calçadas. Em 1896, descobriu-se que esse rejeito era calaverita , um telureto de ouro, e desencadeou uma segunda corrida do ouro que incluiu a mineração nas ruas. [20]

História

Gravura oval em preto e branco de um homem olhando para a esquerda com um cachecol e um casaco com botões grandes.
Klaproth nomeou o novo elemento e creditou von Reichenstein com sua descoberta

Telúrio ( latim tellus que significa "terra") foi descoberto no século 18 em um minério de ouro das minas de Kleinschlatten (hoje Zlatna), perto da cidade de hoje Alba Iulia , Romênia. Este minério era conhecido como "Faczebajer weißes blättriges Golderz" (minério de ouro folhoso branco de Faczebaja, nome alemão de Facebánya, agora Fața Băii no condado de Alba ) ou antimonalischer Goldkies (pirita de ouro antimônica), e de acordo com Anton von Rupprecht , era Spießglaskönig ( argent molybdique ), contendo antimônio nativo . [21] [22] Em 1782 Franz-Joseph Müller von Reichenstein, que na época servia como inspetor-chefe de minas austríaco na Transilvânia, concluiu que o minério não continha antimônio, mas era sulfeto de bismuto . [23] No ano seguinte, ele relatou que isso era errôneo e que o minério continha principalmente ouro e um metal desconhecido muito semelhante ao antimônio. Após uma investigação minuciosa que durou três anos e incluiu mais de cinquenta testes, Müller determinou a gravidade específica do mineral e observou que, quando aquecido, o novo metal emite uma fumaça branca com odor de rabanete ; que confere uma cor vermelha ao ácido sulfúrico; e que quando esta solução é diluída com água, tem um precipitado preto. No entanto, ele não conseguiu identificar esse metal e deu-lhe os nomes de aurum paradoxum (ouro paradoxal) e metallum problematicum (metal problema), porque não apresentava as propriedades previstas para o antimônio. [24] [25] [26]

Em 1789, um cientista húngaro, Pál Kitaibel , descobriu o elemento independentemente em um minério de Deutsch-Pilsen que havia sido considerado como molibdenita argentífera , mas depois deu o crédito a Müller. Em 1798, foi nomeado por Martin Heinrich Klaproth , que anteriormente o havia isolado do mineral calaverita . [27] [25] [26] [28]

A década de 1960 trouxe um aumento nas aplicações termoelétricas para telúrio (como telureto de bismuto ) e em ligas de aço de usinagem livre , que se tornaram o uso dominante. [29]

Produção

A maior parte do Te (e Se) é obtida de depósitos de cobre pórfiro , onde ocorre em quantidades vestigiais. [30] O elemento é recuperado a partir de lodos anódicos da refinação eletrolítica do cobre blister . É um componente de pós de refino de chumbo em alto-forno . O tratamento de 1.000 toneladas de minério de cobre normalmente produz um quilograma (2,2 libras) de telúrio.

Mapa-múndi cinza e branco com quatro países coloridos para mostrar a porcentagem da produção mundial de telúrio.  EUA para produzir 40%;  Peru 30%;  Japão 20% e Canadá 10%.
Produção de telúrio 2006

As lamas anódicas contêm os selenetos e teluretos dos metais nobres em compostos com a fórmula M 2 Se ou M 2 Te (M = Cu, Ag, Au). A temperaturas de 500 °C as lamas anódicas são torradas com carbonato de sódio ao ar. Os íons metálicos são reduzidos aos metais, enquanto o telureto é convertido em telurito de sódio . [31]

M 2 Te + O 2 + Na 2 CO 3 → Na 2 TeO 3 + 2 M + CO 2

Os teluritos podem ser lixiviados da mistura com água e estão normalmente presentes como hidroteluritos HTeO 3 em solução. Os selenitos também são formados durante esse processo, mas podem ser separados pela adição de ácido sulfúrico . Os hidroteluritos são convertidos em dióxido de telúrio insolúvel enquanto os selenitos permanecem em solução. [31]

HTeO-
3
+ OH + H 2 SO 4 → TeO 2 + SO2-4
_
+ 2H2O _

O metal é produzido a partir do óxido (reduzido) por eletrólise ou pela reação do dióxido de telúrio com dióxido de enxofre em ácido sulfúrico. [31]

TeO 2 + 2 SO 2 + 2H 2 O → Te + 2 SO2-4
_
+ 4H +

O telúrio de grau comercial geralmente é comercializado como pó de malha 200 , mas também está disponível como placas, lingotes, bastões ou pedaços. O preço de fim de ano do telúrio em 2000 foi de US$ 14 por libra. Nos últimos anos, o preço do telúrio foi impulsionado pelo aumento da demanda e oferta limitada, chegando a US$ 100 por libra em 2006. [32] [33] Apesar da expectativa de que os métodos de produção melhorados dobrarão a produção, o Departamento dos Estados Unidos of Energy (DoE) prevê um déficit de oferta de telúrio até 2025. [34]

O telúrio é produzido principalmente nos Estados Unidos, Peru, Japão e Canadá. [35] O British Geological Survey fornece os seguintes números de produção para 2009: Estados Unidos 50  t , Peru 7 t, Japão 40 t e Canadá 16 t. [36]

Compostos

O telúrio pertence à família de elementos calcogênio (grupo 16) da tabela periódica, que também inclui oxigênio , enxofre , selênio e polônio : os compostos de telúrio e selênio são semelhantes. O telúrio exibe os estados de oxidação -2, +2, +4 e +6, sendo +4 o mais comum. [9]

Teluretos

A redução do metal Te produz os teluretos e politeluretos, Te n 2− . O estado de oxidação -2 é exibido em compostos binários com muitos metais, como o telureto de zinco, ZnTe , produzido pelo aquecimento do telúrio com zinco. [37] A decomposição de ZnTe com ácido clorídrico produz telureto de hidrogênio ( H
2
Te
), um análogo altamente instável dos outros hidretos de calcogênio, H
2
O
, H
2
S
e H
2
Veja
:

ZnTe + 2 HCl → ZnCl
2
+ H
2
Te

H
2
Te
é instável, enquanto os sais de sua base conjugada [TeH] são estáveis.

Haletos

O estado de oxidação +2 é exibido pelos di-haletos, TeCl
2
, TeBr
2
e TeI
2
. Os di-haletos não foram obtidos na forma pura, [38] : 274  embora sejam conhecidos produtos de decomposição dos tetra-haletos em solventes orgânicos, e os tetra-haloteluratos derivados são bem caracterizados:

Te + X
2
+ 2X
TeX2-4
_

onde X é Cl, Br ou I. Esses ânions são planos quadrados em geometria. [38] : 281  espécies aniônicas polinucleares também existem, como o marrom escuro Te
2
eu2-6
_
, [38] : 283  e o Te preto
4
eu2-14
_
. [38] : 285 

Com flúor Te forma o Te de valência mista
2
F
4
e TeF
6
. No estado de oxidação +6, o –OTeF
5
grupo estrutural ocorre em uma série de compostos como HOTeF
5
, B(OTeF
5
)
3
, Xe(OTeF
5
)
2
, Te(OTeF
5
)
4
e Te(OTeF
5
)
6
. [39] O ânion antiprismático quadrado TeF2-8
_
também é atestado. [31] Os outros halogênios não formam haletos com telúrio no estado de oxidação +6, mas apenas tetrahaletos ( TeCl
4
, TeBr
4
e TeI
4
) no estado +4, e outros haletos inferiores ( Te
3
Cl
2
, Te
2
Cl
2
, Te
2
Br
2
, Te
2
I
e duas formas de TeI ). No estado de oxidação +4, ânions halotelurato são conhecidos, como TeCl2-6
_
e Te
2
Cl2-10
_
. Cátions de halotelúrio também são atestados, incluindo TeI+
3
, encontrado em TeI
3
AsF
6
. [40]

Oxocompostos

Uma amostra de pó amarelo pálido
Uma amostra de pó de dióxido de telúrio

O monóxido de telúrio foi relatado pela primeira vez em 1883 como um sólido amorfo preto formado pela decomposição térmica do TeSO
3
no vácuo, desproporcional em dióxido de telúrio , TeO
2
e telúrio elementar por aquecimento. [41] [42] Desde então, no entanto, a existência na fase sólida é posta em dúvida e em disputa, embora seja conhecida como fragmento de vapor; o sólido preto pode ser meramente uma mistura equimolar de telúrio elementar e dióxido de telúrio. [43]

O dióxido de telúrio é formado pelo aquecimento do telúrio no ar, onde queima com uma chama azul. [37] Trióxido de telúrio, β -TeO
3
, é obtido por decomposição térmica de Te(OH)
6
. As outras duas formas de trióxido relatadas na literatura, as formas α- e γ-, não são óxidos verdadeiros de telúrio no estado de oxidação +6, mas uma mistura de Te4+
, OH
e O-
2
. [44] O telúrio também exibe óxidos de valência mista, Te
2
O
5
e Te
4
O
9
. [44]

Os óxidos de telúrio e óxidos hidratados formam uma série de ácidos, incluindo o ácido telúrico ( H
2
TeO
3
), ácido ortotelúrico ( Te(OH)
6
) e ácido metatelúrico ( (H
2
TeO
4
)
n
). [43] As duas formas de ácido telúrico formam sais de telurato contendo o TeO2-4
_
e TeO6-6
_
ânions, respectivamente. O ácido telúrico forma sais de telurito contendo o ânion TeO2-3
_
.

Cátions de zinco

Quando o telúrio é tratado com ácido sulfúrico concentrado, o resultado é uma solução vermelha do íon Zintl , Te2+
4
. [45] A oxidação do telúrio por AsF
5
em líquido SO
2
produz o mesmo cátion planar quadrado , além do prismático trigonal , amarelo-laranja Te4+
6
: [31]

4 Te + 3 AsF
5
Te2+
4
(AsF-
6
)
2
+ AsF
3
6 Te + 6 AsF
5
Te4+
6
(AsF-
6
)
4
+ 2 ASF
3

Outros cátions de telúrio Zintl incluem o polimérico Te2+
7
e o azul-preto Te2+
8
, consistindo de dois anéis de telúrio de 5 membros fundidos. O último cátion é formado pela reação de telúrio com hexacloreto de tungstênio : [31]

8 Te + 2 WCl
6
Te2+
8
(WCl-
6
)
2

Também existem cátions intercalcógenos, como Te
2
Se2+
6
(geometria cúbica distorcida) e Te
2
Se2+
8
. Estes são formados por misturas oxidantes de telúrio e selênio com AsF
5
ou SbF
5
. [31]

Compostos de organotelúrio

O telúrio não forma facilmente análogos de álcoois e tióis , com o grupo funcional –TeH, que são chamados de teluróis . O grupo funcional –TeH também é atribuído usando o prefixo tellanil- . [46] Assim como o H 2 Te , essas espécies são instáveis ​​em relação à perda de hidrogênio. Os teluraéteres (R–Te–R) são mais estáveis, assim como os teluróxidos .

Aplicativos

O maior consumidor de telúrio é a metalurgia em ferro , aço inoxidável , cobre e ligas de chumbo. A adição de aço e cobre produz uma liga mais usinável do que de outra forma. É ligado em ferro fundido para promover o resfriamento para espectroscopia, onde a presença de grafite livre eletricamente condutora tende a interferir nos resultados dos testes de emissão de faíscas. No chumbo, o telúrio melhora a resistência e a durabilidade, e diminui a ação corrosiva do ácido sulfúrico . [29] [47]

Catálise heterogênea

Óxidos de telúrio são componentes de catalisadores de oxidação comerciais. Catalisadores contendo Te são usados ​​para a rota de amoxidação para acrilonitrila (CH 2 =CH–C≡N): [48]

2 CH 3 −CH=CH 2 + 2 NH 3 + 3 O 2 → 2 CH 2 =CH–C≡N + 6 H 2 O

Catalisadores relacionados são usados ​​na produção de tetrametilenoglicol :

CH 3 CH 2 CH 2 CH 3 + O 2 → HOCH 2 CH 2 CH 2 CH 2 OH

Nicho

Semicondutor e eletrônico

Devido à sua baixa eletronegatividade, o telúrio forma uma variedade de materiais com pequenos intervalos de banda, que são endereçáveis ​​por luz de comprimento de onda relativamente longo. Este recurso é a base para aplicações potenciais em materiais fotocondutores, células solares, detectores infravermelhos. A principal preocupação que impede algumas aplicações é a modesta estabilidade desses materiais e as preocupações com o impacto ambiental.

Painéis solares de telureto de cádmio (CdTe) apresentam algumas das maiores eficiências para geradores de energia elétrica de células solares. [55]

Detectores de raios X baseados em (Cd,Zn)Te foram demonstrados. [56]

O telureto de mercúrio e cádmio é um material semicondutor sensível à radiação infravermelha . [57]

Compostos de organotelúrio

Os compostos organotelúrios são principalmente de interesse no contexto de pesquisa. Vários foram examinados, como precursores para o crescimento de epitaxia em fase de vapor metalorgânico de semicondutores compostos II-VI . Estes compostos precursores incluem telureto de dimetilo, telureto de dietilo, telureto de diisopropilo, telureto de dialilo e telureto de metilalilo. [58] O telureto de diisopropilo (DIPTe) é o precursor preferido para o crescimento de CdHgTe em baixa temperatura por MOVPE . [59] Os metalorgânicos de maior pureza de selênio e telúrio são usados ​​nestes processos. Os compostos para a indústria de semicondutores e são preparados porpurificação do aduto . [60] [61]

O subóxido de telúrio é usado na camada de mídia de discos ópticos regraváveis , incluindo discos compactos regraváveis ( CD-RW ), discos de vídeo digital regraváveis ​​( DVD-RW ) e discos Blu-ray regraváveis . [62] [63]

O dióxido de telúrio é usado para criar moduladores acústico-ópticos (AOTFs e AOBSs) para microscopia confocal .

O telúrio é usado nos chips de memória de mudança de fase [64] desenvolvidos pela Intel . [65] Telureto de bismuto (Bi 2 Te 3 ) e telureto de chumbo são elementos de trabalho de dispositivos termoelétricos . O telureto de chumbo é promissor em detectores de infravermelho distante.

Fotocátodos

O telúrio aparece em vários fotocátodos usados ​​em tubos fotomultiplicadores cegos solares [66] e em fotoinjetores de alto brilho que acionam aceleradores de partículas modernos. O fotocátodo Cs-Te, que é predominantemente Cs 2 Te, tem um limiar de fotoemissão de 3,5 eV e exibe a combinação incomum de alta eficiência quântica (> 10%) e alta durabilidade em ambientes de vácuo pobre (durando meses em uso em RF elétron armas). [67] Isso o tornou a escolha para armas de elétrons de fotoemissão usadas na condução de lasers de elétrons livres . [68] Nesta aplicação, geralmente é acionado no comprimento de onda de 267 nm, que é o terceiro harmônico dos lasers de Ti-safira comumente usados . Mais fotocátodos contendo Te foram cultivados usando outros metais alcalinos, como rubídio, potássio e sódio, mas eles não encontraram a mesma popularidade que o Cs-Te desfrutou. [69] [70]

Papel biológico

O telúrio não tem função biológica conhecida, embora os fungos possam incorporá-lo no lugar do enxofre e do selênio em aminoácidos como telurocisteína e telurometionina . [8] [71] Os organismos mostraram uma tolerância altamente variável aos compostos de telúrio. Muitas bactérias, como a Pseudomonas aeruginosa , absorvem o telurito e o reduzem a telúrio elementar, que se acumula e causa um escurecimento característico e muitas vezes dramático das células. [72] Na levedura, essa redução é mediada pela via de assimilação do sulfato. [73]O acúmulo de telúrio parece ser responsável pela maior parte dos efeitos de toxicidade. Muitos organismos também metabolizam o telúrio parcialmente para formar dimetil telureto, embora o dimetil ditelureto também seja formado por algumas espécies. O telureto de dimetilo foi observado em fontes termais em concentrações muito baixas. [74] [75]

O ágar telurito é usado para identificar membros do gênero corynebacterium , mais tipicamente Corynebacterium diphtheriae , o patógeno responsável pela difteria . [76]

Precauções

Telúrio
Perigos
Rotulagem GHS :
GHS06: TóxicoGHS07: Ponto de exclamaçãoGHS08: Perigo para a saúde
Perigo
H317 , H332 , H360 , H412 [77]
P201 , P261 , P280 , P308+P313 [78]
NFPA 704 (diamante de fogo)
2
0
0

Telúrio e compostos de telúrio são considerados levemente tóxicos e precisam ser manuseados com cuidado, embora o envenenamento agudo seja raro. [79] O envenenamento por telúrio é particularmente difícil de tratar, pois muitos agentes de quelação usados ​​no tratamento de envenenamento por metal aumentarão a toxicidade do telúrio. Telúrio não é relatado como cancerígeno. [79]

Os seres humanos expostos a tão pouco quanto 0,01 mg/m 3 ou menos no ar exalam um odor desagradável semelhante ao alho conhecido como "hálito de telúrio". [50] [80] Isso é causado pelo corpo convertendo telúrio de qualquer estado de oxidação em dimetil telureto , (CH 3 ) 2 Te. Este é um composto volátil com um cheiro pungente de alho. Embora as vias metabólicas do telúrio não sejam conhecidas, geralmente assume-se que elas se assemelham às do selênio mais extensivamente estudado porque os produtos metabólicos metilados finais dos dois elementos são semelhantes. [81] [82] [83]

As pessoas podem ser expostas ao telúrio no local de trabalho por inalação, ingestão, contato com a pele e contato visual. A Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA) limita ( limite de exposição permissível ) a exposição ao telúrio no local de trabalho a 0,1 mg/m 3 em um dia de trabalho de oito horas. O Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH) estabeleceu o limite de exposição recomendado (REL) em 0,1 mg/m 3 ao longo de um dia de trabalho de oito horas. Em concentrações de 25 mg/m 3 , o telúrio é imediatamente perigoso para a vida e a saúde . [84]

Veja também

Referências

  1. ^ "Pesos Atômicos Padrão: Telúrio" . CIAAW . 1969.
  2. ^ Adenis, C.; Langer, V.; Lindqvist, O. (15 de junho de 1989). "Reinvestigação da estrutura do telúrio". Acta Crystallographica Seção C Crystal Structure Communications . 45 (6): 941-942. doi : 10.1107/S0108270188014453 .
  3. ^ Cverna, Fran (2002). "Ch. 2 Expansão Térmica". Referência ASM Ready: Propriedades térmicas dos metais (PDF) . ASM Internacional. ISBN  978-0-87170-768-0.
  4. ^ Lide, DR, ed. (2005). "Suscetibilidade magnética dos elementos e compostos inorgânicos". CRC Handbook of Chemistry and Physics (PDF) (86ª ed.). Boca Raton (FL): CRC Press. ISBN  0-8493-0486-5.
  5. ^ Oeste, Robert (1984). CRC, Manual de Química e Física . Boca Raton, Flórida: Publicação da Chemical Rubber Company. pág. E110. ISBN 0-8493-0464-4.
  6. ^ Alessandrello, A.; Arnaboldi, C.; Brofferio, C.; Capelli, S.; Cremonesi, O.; Fiorini, E.; Nucciotti, A.; Pavan, M.; Pessina, G.; Pirro, S.; Previtali, E.; Sisti, M.; Vanzini, M.; Zanotti, L.; Giuliani, A.; Pedretti, M.; Bucci, C.; Pobes, C. (2003). "Novos limites na captura de elétrons de ocorrência natural de 123Te". Revisão Física C . 67 : 014323. arXiv : hep-ex/0211015 . Bibcode : 2003PhRvC..67a4323A . doi : 10.1103/PhysRevC.67.014323 .
  7. ^ a b Anderson, Don L.; "Composição Química do Manto" em Teoria da Terra , pp. 147-175 ISBN 0865421234 
  8. ^ a b Ramadã, Shadia E.; Razak, AA; Ragab, AM; El-Meleigy, M. (1989). "Incorporação de telúrio em aminoácidos e proteínas em fungos tolerantes ao telúrio". Pesquisa de Elementos Biológicos . 20 (3): 225–32. doi : 10.1007/BF02917437 . PMID 2484755 . S2CID 9439946 .  
  9. ^ a b Leddicotte, GW (1961). "A radioquímica do telúrio" (PDF) . Série de ciência nuclear (3038). Subcomitê de Radioquímica, National Academy of Sciences-National Research Council: 5. {{cite journal}}:Cite journal requer |journal=( ajuda )
  10. ^ Berger, Lev Isaakovich (1997). "Telúrio" . Materiais semicondutores . Imprensa CRC. págs.  89–91 . ISBN 978-0-8493-8912-2.
  11. ^ Tabela periódica . ptable.com
  12. ^ a b Audi, G.; Bersillon, O.; Blachot, J.; Wapstra, AH (2003). "A Avaliação NUBASE de Propriedades Nucleares e Decaimento" . Física Nuclear A. Data Center de Massa Atômica. 729 (1): 3-128. Bibcode : 2003NuPhA.729....3A . doi : 10.1016/j.nuclphysa.2003.11.001 .
  13. ^ "Tabela WWW de isótopos radioativos: telúrio" . Divisão de Ciência Nuclear, Laboratório Nacional Lawrence Berkeley. 2008. Arquivado a partir do original em 2010-02-05 . Recuperado 2010-01-16 .
  14. ^ Alessandrello, A.; Arnaboldi, C.; Brofferio, C.; Capelli, S.; Cremonesi, O.; Fiorini, E.; Nucciotti, A.; Pavan, M.; Pessina, G.; Pirro, S.; Previtali, E.; Sisti, M.; Vanzini, M.; Zanotti, L.; Giuliani, A.; Pedretti, M.; Bucci, C.; Pobes, C. (2003). "Novos limites na captura de elétrons de ocorrência natural de 123 Te". Revisão Física C . 67 (1): 014323. arXiv : hep-ex/0211015 . Bibcode : 2003PhRvC..67a4323A . doi : 10.1103/PhysRevC.67.014323 . S2CID 119523039 . 
  15. ^ "Pesquisa de gás nobre" . Laboratório de Ciências Espaciais, Universidade de Washington em St. Louis. 2008. Arquivado a partir do original em 28 de setembro de 2011 . Recuperado 2013-01-10 .
  16. ^ Emsley, John (2003). "Telúrio" . Blocos de construção da natureza: um guia AZ para os elementos . Imprensa da Universidade de Oxford. págs.  426–429 . ISBN 978-0-19-850340-8.
  17. ^ Ayres, Robert U.; Aires, Leslie (2002). Um manual de ecologia industrial . Editora Edward Elgar. pág. 396. ISBN 1-84064-506-7.
  18. ^ Suess, Hans; Urey, Harold (1956). "Abundâncias dos Elementos". Comentários de Física Moderna . 28 (1): 53–74. Bibcode : 1956RvMP...28...53S . doi : 10.1103/RevModPhys.28.53 .
  19. ^ Nekrasov, IY (1996). "Relações de fase nos sistemas de Selenide Telluride" . Geoquímica, mineralogia e génese de depósitos de ouro . Taylor & Francisco. págs. 217–256. ISBN 978-90-5410-723-1.
  20. ^ Fortey, Richard (2004). A Terra: Uma História Íntima . Harper Perene . pág. 230. ISBN 978-0-00-257011-4.
  21. ^ v. Nascido, Abh. Privados. v. Böhmen 5 (1782): 383.
  22. ^ Rupprecht, von, A. (1783). "Über den vermeintlichen siebenbürgischen natürlichen Spiessglaskönig" [Sobre o antimônio supostamente nativo da Transilvânia]. Physikalische Arbeiten der Einträchtigen Freunde em Viena . 1 (1): 70–74.
  23. ^ Müller, FJ (1783). "Über den vermeintlichen natürlichen Spiessglaskönig" . Physikalische Arbeiten der Einträchtigen Freunde em Viena . 1 (1): 57–59.
  24. ^ von Reichenstein, FJM (1783). "Versuche mit dem in der Grube Mariahilf in dem Gebirge Fazebay bey Zalathna vorkommenden vermeinten gediegenen Spiesglaskönig" [Experiências com antimônio supostamente nativo ocorrendo na mina Mariahilf nas montanhas Fazeby perto de Zalathna]. Physikalische Arbeiten der Einträchtigen Freunde em Viena . 1783 (1.Quartal): 63-69.
  25. ^ a b Diemann, Ekkehard; Müller, Achim; Barbu, Horia (2002). "Die spannende Entdeckungsgeschichte des Tellurs (1782-1798) Bedeutung und Komplexität von Elemententdeckungen". Chemie em Unserer Zeit . 36 (5): 334–337. doi : 10.1002/1521-3781(200210)36:5<334::AID-CIUZ334>3.0.CO;2-1 .
  26. ^ a b Semanas, Mary Elvira (1932). "A descoberta dos elementos. VI. Telúrio e selênio". Revista de Educação Química . 9 (3): 474–485. Bibcode : 1932JChEd...9..474W . doi : 10.1021/ed009p474 .
  27. Klaproth (1798) "Ueber die siebenbürgischen Golderze, und das in selbigen enthaltene neue Metall" (Sobre o minério de ouro da Transilvânia e o novo metal contido nele), Chemische Annalen für die Freunde der Naturlehre, Arzneygelahrtheit, Haushaltungskunst und Manufacturen (Chemical Annals for the Friends of Science, Medicine, Economics and Manufacturing), 1  : 91–104. Da página 100: …; und welchem ​​ich hiermit den, von der alten Muttererde entlehnten, Namen Tellurium beylege. ” (…; e ao qual dou o nome de telúrio , derivado da antiga Mãe da Terra.)
  28. ^ Semanas, Mary Elvira (1935). "A descoberta do telúrio". Revista de Educação Química . 12 (9): 403-408. Bibcode : 1935JChEd..12..403W . doi : 10.1021/ed012p403 .
  29. ^ a b George, Michael W. (2007). "Anuário Mineral 2007: Selênio e Telúrio" (PDF) . Serviço Geológico dos Estados Unidos.
  30. ^ João, DA; Taylor, RD (2016). "Capítulo 7: Subprodutos de Depósitos de Cobre Porfírio e Molibdênio". Em Philip L. Verplanck e Murray W. Hitzman (ed.). Terras raras e elementos críticos em jazidas de minério . Vol. 18. pp. 137–164.
  31. ^ a b c d e f g Wiberg, Egon; Holleman, Arnold Frederick (2001). Nils Wiberg (ed.). Química inorgânica . traduzido por Mary Eagleson. Imprensa Acadêmica. pág. 588. ISBN 0-12-352651-5.
  32. ^ "Uma corrida de telúrio do Arizona?" . arizonageology.blogspot.com. 21 de maio de 2007 . Recuperado em 2009-08-08 .
  33. ^ "Subprodutos Parte I: Existe uma corrida de telúrio em formação?" . resourceinvestor. com. 19 de abril de 2007 . Recuperado em 2009-08-08 .
  34. ^ Corvo, James Mitchell (2011). "13 elementos que você não pode viver sem". Novo Cientista . 210 (2817): 39. Bibcode : 2011NewSc.210...36C . doi : 10.1016/S0262-4079(11)61452-8 .
  35. ^ Addicks, Lawrence (2008). "Subprodutos" . Refino de Cobre . Leia livros. pp. 111-114. ISBN 978-1-4437-3230-7.
  36. ^ Brown, TJ (2011). Estatísticas minerais mundiais British Geological Survey . Keyworth, Nottingham. pág. 95. ISBN 978-0-85272-677-8.
  37. ^ a b Roscoe, Henry Enfield ; Schorlemmer, Carl (1878). Um tratado de química . Vol. 1. Appleton. págs. 367-368.
  38. ^ a b c d Emeleus, HJ (1990). AG Sykes (ed.). Avanços em Química Inorgânica . Vol. 35. Imprensa Acadêmica. ISBN 0-12-023635-4.
  39. ^ Holloway, John H.; Laycock, David (1983). "Preparações e reações de óxido-fluoretos inorgânicos do grupo principal". Em Harry Julius Emeleus; AG Sharpe (ed.). Avanços em química inorgânica e radioquímica . Série de publicações seriadas. Vol. 27. Imprensa Acadêmica. pág. 174. ISBN 0-12-023627-3.
  40. ^ Xu, Zhengtao (2007). "Desenvolvimentos recentes em compostos binários de halogênio-calcogênio, poliânions e policatiões". Em Francesco A. Devillanova (ed.). Manual de química do calcogênio: novas perspectivas em enxofre, selênio e telúrio . Sociedade Real de Química. págs.  457-466 . ISBN 978-0-85404-366-8.
  41. ^ Schwartz, Mel M. (2002). "Telúrio". Enciclopédia de materiais, peças e acabamentos (2ª ed.). Imprensa CRC. ISBN 1-56676-661-3.
  42. ^ Mergulhadores, Edward; Shimosé, M. (1883). "Em um novo óxido de telúrio" . Jornal da Sociedade Química . 43 : 319-323. doi : 10.1039/CT8834300319 .
  43. ^ a b Dutton, WA; Cooper, W. Charles (1966). "Os óxidos e oxiácidos de telúrio". Revisões Químicas . 66 (6): 657–675. doi : 10.1021/cr60244a003 .
  44. ^ a b Wickleder, Mathias S. (2007). "Química Calcogênio-Oxigênio". Em Francesco A. Devillanova (ed.). Manual de química do calcogênio: novas perspectivas em enxofre, selênio e telúrio . Sociedade Real de Química. págs.  348-350 . ISBN 978-0-85404-366-8.
  45. ^ Molnar, Arpad; Olah, George Andrew; Surya Prakash, GK; Sommer, Jean (2009). Química de Superácidos (2ª ed.). Wiley-Interscience. págs.  444-445 . ISBN 978-0-471-59668-4.
  46. ^ Sadekov, ID; Zakharov, AV (1999). "Telúróis estáveis ​​e seus derivados metálicos". Comentários químicos russos . 68 (11): 909-923. Bibcode : 1999RuCRv..68..909S . doi : 10.1070/RC1999v068n11ABEH000544 .
  47. ^ Guo, WX; Shu, D.; Chen, HY; Li, AJ; Wang, H.; Xiao, GM; Dou, CL; Peng, SG; Wei, WW; Zhang, W.; Zhou, HW; Chen, S. (2009). "Estudo sobre a estrutura e propriedade da liga de telúrio de chumbo como a grade positiva de baterias de chumbo-ácido". Jornal de ligas e compostos . 475 (1–2): 102–109. doi : 10.1016/j.jallcom.2008.08.011 .
  48. ^ a b Knockaert, Guy (2000). "Telúrio e compostos de telúrio". Enciclopédia de Química Industrial de Ullmann . Weinheim: Wiley-VCH. doi : 10.1002/14356007.a26_177 .
  49. ^ Morton, Maurice (1987). "Enxofre e Elementos Relacionados" . Tecnologia de borracha . Springer. pág. 42. ISBN 978-0-412-53950-3.
  50. ^ a b Lide, DR, ed. (2005). Manual CRC de Química e Física (86ª ed.). Boca Raton (FL): CRC Press. ISBN 0-8493-0486-5.
  51. ^ Nishii, J.; Morimoto, S.; Inagawa, I.; Iizuka, R.; Yamashita, T.; Yamagishi, T. (1992). "Avanços e tendências recentes na tecnologia de fibra de vidro chalcogenide: uma revisão". Journal of Non-Crystalline Solids . 140 : 199-208. Bibcode : 1992JNCS..140..199N . doi : 10.1016/S0022-3093(05)80767-7 .
  52. ^ El-Mallawany, Raouf AH (2002). Manual de óculos de telurito: propriedades físicas e dados . Imprensa CRC. pp. 1–11. ISBN 978-0-8493-0368-5.
  53. ^ Johnson, LB (1960). "Correspondência. Representando Dados de Pó de Atraso". Química Industrial e Engenharia . 52 (10): 868. doi : 10.1021/ie50610a035 .
  54. ^ [Folha informativa Nordion: I-131 http://www.nordion.com/wp-content/uploads/2014/10/MI_Iodine-131_Solution_Canada.pdf ]
  55. ^ Zweibel, K. (2010). "O impacto do fornecimento de telúrio em fotovoltaicos de telureto de cádmio". Ciência . 328 (5979): 699-701. Bibcode : 2010Sci...328..699Z . doi : 10.1126/science.1189690 . PMID 20448173 . S2CID 29231392 .  
  56. ^ Saha, Gopal B. (2001). "Detetor de telureto de zinco e cádmio" . Física e radiobiologia da medicina nuclear . Nova York: Springer. págs. 87-88. ISBN 978-0-387-95021-1.
  57. ^ Willardson, RK; Cerveja, Albert C, eds. (1981). Telureto de mercúrio cádmio . Nova York: Academic Press. ISBN 978-0-12-752118-3.
  58. ^ Capper, Peter; Elliott, CT, eds. (2001). "Epitaxia em fase de vapor metalorgânica" . Detectores e emissores infravermelhos: materiais e dispositivos . Boston, Massachusetts: Kluwer Academic. págs. 265-267. ISBN 978-0-7923-7206-6.
  59. ^ Shenai-Khatkhate, Deodatta V.; Webb, Paulo; Cole-Hamilton, David J.; Blackmore, Graham W.; Brian Mullin, J. (1988). "Precursores de organotellúrio ultra-puros para o crescimento MOVPE de baixa temperatura de semicondutores compostos II/VI". Jornal do crescimento de cristal . 93 (1–4): 744–749. Bibcode : 1988JCrGr..93..744S . doi : 10.1016/0022-0248(88)90613-6 .
  60. ^ Shenai-Khatkhate, Deodatta V.; Parker, MB; McQueen, AED; Mullin, JB; Cole-Hamilton, DJ; Day, P. (1990). "Moléculas organometálicas para fabricação de semicondutores [e discussão]". Fil. Trans. R. Soc. Londres. A. _ 330 (1610): 173-182. Bibcode : 1990RSPTA.330..173S . doi : 10.1098/rsta.1990.0011 . S2CID 100757359 . 
  61. ^ Mullin, JB; Cole-Hamilton, DJ; Shenai-Khatkhate, DV; Webb P. (26 de maio de 1992) Patente dos EUA 5.117.021 "Método para purificação de alquilas de telúrio e selênio"
  62. ^ Farivar, Cyrus (2006-10-19). "A Panasonic diz que seus discos Blu-ray de 100 GB vão durar um século" . Recuperado em 2008-11-13 .
  63. ^ Nishiuchi, Kenichi; Kitaura, Hideki; Yamada, Noboru; Akahira, Nobuo (1998). "Disco óptico de camada dupla com filme de mudança de fase Te–O–Pd". Revista Japonesa de Física Aplicada . 37 (4B): 2163-2167. Bibcode : 1998JaJAP..37.2163N . doi : 10.1143/JJAP.37.2163 .
  64. ^ Hudgens, S.; Johnson, B. (2004). "Visão geral da tecnologia de memória não volátil de calcogeneto de mudança de fase". Boletim MRS . 29 (11): 829-832. doi : 10.1557/mrs2004.236 .
  65. ^ Geppert, Linda (2003). "As novas memórias indeléveis". Espectro IEEE . 40 (3): 48–54. doi : 10.1109/MSPEC.2003.1184436 .
  66. ^ Taft, E.; Apker, L. (1953-02-01). "Fotoemissão de Teluretos de Césio e Rubídio" . JOSA . 43 (2): 81–83. Bibcode : 1953JOSA...43...81T . doi : 10.1364/JOSA.43.000081 .
  67. ^ Rao, T., & Dowell, DH (2013). Um guia de engenharia para fotoinjetores . Publicação independente do CreateSpace.
  68. ^ Equipe do projeto LCLS-II. (2015). Relatório Final do Projeto LCLS-II (LCLSII-1.1-DR-0251-R0). SLAC. https://portal.slac.stanford.edu/sites/ard_public/people/tora/Temp/150921%20LCLS-II%20FDR.pdf
  69. US 4196257 , Engstrom, Ralph W. & McDonie, Arthur F., "Bi-alkali telluride photocathode", publicado em 1980-04-01, emitido em 1978-07-20, atribuído à RCA Corporation 
  70. ^ Trautner, H. (2000). Resposta Espectral de Fotocátodos de Telureto de Césio e Telureto de Rubídio para a Produção de Cachos de Elétrons Altamente Carregados . CERN.
  71. ^ Atta-ur-Rahman (2008). Estudos em Química de Produtos Naturais . Elsevier. pág. 905–. ISBN 978-0-444-53181-0.
  72. Chua SL, Sivakumar K, Rybtke M, Yuan M, Andersen JB, Nielsen TE, Givskov M, Tolker-Nielsen T, Cao B, Kjelleberg S, Yang L (2015). "C-di-GMP regula a resposta ao estresse de Pseudomonas aeruginosa ao telurito durante os modos de crescimento planctônico e biofilme" . Relatórios Científicos . 5 : 10052. Bibcode : 2015NatSR...510052C . doi : 10.1038/srep10052 . PMC 4438720 . PMID 25992876 .  {{cite journal}}: CS1 maint: vários nomes: lista de autores ( link )
  73. ^ Ottosson, LG; Logg, K.; Ibstedt, S.; Sunnerhagen, P.; Käll, M.; Blomberg, A.; Warringer, J. (2010). "A assimilação de sulfato medeia a redução de telurito e toxicidade em Saccharomyces cerevisiae " . Célula Eucariótica . 9 (10): 1635-47. doi : 10.1128/EC.00078-10 . PMC 2950436 . PMID 20675578 .  
  74. ^ Chasteen, Thomas G.; Bentley, Ronald (2003). "Biometilação de Selênio e Telúrio: Microrganismos e Plantas". Revisões Químicas . 103 (1): 1–26. doi : 10.1021/cr010210+ . PMID 12517179 . 
  75. ^ Taylor, Andrew (1996). "Bioquímica do telúrio". Pesquisa de Elementos Biológicos . 55 (3): 231–9. doi : 10.1007/BF02785282 . PMID 9096851 . S2CID 10691234 .  
  76. ^ Kwantes, W. (1984). "Difteria na Europa" . O Jornal da Higiene . 93 (3): 433–437. doi : 10.1017/S0022172400065025 . JSTOR 3862778 . PMC 2129475 . PMID 6512248 .   
  77. ^ Pubchem LCSS https://pubchem.ncbi.nlm.nih.gov/compound/6327182#datasheet=LCSS§ion=GHS-Classification
  78. ^ "Telúrio 452378" . Sigma-Aldrich .
  79. ^ a b Harrison, W.; Bradberry, S.; Vale, J. (1998-01-28). "Telúrio" . Programa Internacional de Segurança Química . Recuperado em 2007-01-12 .
  80. ^ Kean, Sam (2017). "O cheiro de uma molécula" . Destilações . 3 (3): 5 . Recuperado em 16 de maio de 2018 .
  81. ^ Wright, PL; B (1966). "Metabolismo comparativo de selênio e telúrio em ovinos e suínos" . Revista Americana de Fisiologia. Conteúdo legado . 211 (1): 6–10. doi : 10.1152/ajplegacy.1966.211.1.6 . PMID 5911055 . 
  82. ^ Müller, R.; Zschiesche, W.; Steffen, HM; Schaller, KH (1989). "Intoxicação por telúrio". Klinische Wochenschrift . 67 (22): 1152-5. doi : 10.1007/BF01726117 . PMID 2586020 . 
  83. ^ Taylor, Andrew (1996). "Bioquímica do telúrio". Pesquisa de Elementos Biológicos . 55 (3): 231–239. doi : 10.1007/BF02785282 . PMID 9096851 . S2CID 10691234 .  
  84. ^ "CDC - NIOSH Pocket Guide to Chemical Hazards - Tellurium" . www.cdc.gov . Recuperado em 24/11/2015 .

Links externos