Tecnologia

Página semi-protegida
Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Ir para navegação Pular para pesquisar

Uma turbina a vapor com a caixa aberta. Essas turbinas produzem a maior parte da eletricidade usada hoje. O consumo de eletricidade e os padrões de vida estão altamente correlacionados. [1]

Tecnologia ("ciência da arte", do grego τέχνη , techne , "arte, habilidade, astúcia da mão"; e -λογία , -logia [2] ) é a soma de quaisquer técnicas , habilidades , métodos e processos usados ​​no produção de bens ou serviços ou na realização de objetivos, como a investigação científica . A tecnologia pode ser o conhecimento de técnicas, processos e semelhantes, ou pode ser incorporada em máquinas para permitir a operação sem conhecimento detalhado de seu funcionamento.Os sistemas (por exemplo, máquinas) que aplicam a tecnologia pegando uma entrada , mudando-a de acordo com o uso do sistema e, em seguida, produzindo um resultado são chamados de sistemas de tecnologia ou sistemas tecnológicos .

A forma mais simples de tecnologia é o desenvolvimento e uso de ferramentas básicas . A invenção pré-histórica de ferramentas de pedra moldadas, seguida pela descoberta de como controlar o fogo, aumentaram as fontes de alimento. A Revolução Neolítica posterior estendeu isso e quadruplicou o sustento disponível em um território. A invenção da roda ajudou os humanos a viajar e controlar seu ambiente.

Desenvolvimentos em tempos históricos, incluindo a imprensa escrita , o telefone e a Internet , reduziram as barreiras físicas à comunicação e permitiram aos humanos interagir livremente em escala global.

A tecnologia tem muitos efeitos. Ajudou a desenvolver economias mais avançadas (incluindo a economia global de hoje ) e permitiu o surgimento de uma classe ociosa . Muitos processos tecnológicos produzem subprodutos indesejados conhecidos como poluição e esgotam os recursos naturais em detrimento do meio ambiente da Terra . As inovações sempre influenciaram os valores de uma sociedade e levantaram novas questões na ética da tecnologia . Exemplos incluem o surgimento da noção de eficiência em termos de produtividade humana e os desafios da bioética .

Debates filosóficos surgiram sobre o uso da tecnologia, com divergências sobre se a tecnologia melhora ou piora a condição humana . O neo-ludismo , o anarco-primitivismo e movimentos reacionários semelhantes criticam a difusão da tecnologia, argumentando que ela prejudica o meio ambiente e aliena as pessoas; os proponentes de ideologias como o transumanismo e o tecnoprogressivismo veem o progresso tecnológico contínuo como benéfico para a sociedade e a condição humana.

Definição e uso

A disseminação do papel e da impressão para o Ocidente, como nesta prensa , ajudou cientistas e políticos a comunicar suas idéias facilmente, levando à Era do Iluminismo ; um exemplo de tecnologia como força cultural.

O uso do termo "tecnologia" mudou significativamente nos últimos 200 anos. Antes do século 20, o termo era incomum em inglês e era usado para se referir à descrição ou ao estudo das artes úteis [3] ou para aludir à educação técnica, como no Massachusetts Institute of Technology (licenciado em 1861) . [4]

O termo "tecnologia" ganhou destaque no século 20 em conexão com a Segunda Revolução Industrial . O significado do termo mudou no início do século 20, quando cientistas sociais americanos, começando com Thorstein Veblen , traduziram ideias do conceito alemão de Technik em "tecnologia". Em alemão e em outras línguas europeias, existe uma distinção entre technik e technologie que está ausente em inglês, que geralmente traduz os dois termos como "tecnologia". Na década de 1930, "tecnologia" se referia não apenas ao estudo das artes industriais, mas às próprias artes industriais. [5]

Em 1937, o sociólogo americano Read Bain escreveu que "a tecnologia inclui todas as ferramentas, máquinas, utensílios, armas, instrumentos, habitação, roupas, dispositivos de comunicação e transporte e as habilidades pelas quais os produzimos e usamos". [6] A definição de Bain permanece comum entre os estudiosos hoje, especialmente os cientistas sociais. Cientistas e engenheiros geralmente preferem definir tecnologia como ciência aplicada , em vez de coisas que as pessoas fazem e usam. [7] Mais recentemente, os estudiosos tomaram emprestado dos filósofos europeus da "técnica" para estender o significado da tecnologia a várias formas de razão instrumental, como no trabalho de Foucault sobre tecnologias do self ( técnicas de soi ).

Dicionários e estudiosos oferecem uma variedade de definições. O Merriam-Webster Learner's Dictionary oferece uma definição do termo: "o uso da ciência na indústria, engenharia, etc., para inventar coisas úteis ou para resolver problemas" e "uma máquina, peça de equipamento, método, etc., que é criado por tecnologia. " [8] Ursula Franklin , em sua palestra "Real World of Technology" de 1989, deu outra definição do conceito; é "prática, a maneira como fazemos as coisas por aqui". [9] O termo é freqüentemente usado para indicar um campo específico de tecnologia, ou para se referir a alta tecnologia ou apenas eletrônicos de consumo , ao invés de tecnologia como um todo.[10] Bernard Stiegler , emTechnics and Time, 1 , define tecnologia de duas maneiras: como "a busca da vida por outros meios que não a vida" e como "matéria inorgânica organizada". [11]

A tecnologia pode ser definida de forma mais ampla como as entidades, tanto materiais quanto imateriais, criadas pela aplicação de esforço físico e mental para atingir algum valor. Nesse uso, tecnologia se refere a ferramentas e máquinas que podem ser usadas para resolver problemas do mundo real. É um termo de longo alcance que pode incluir ferramentas simples, como um pé-de - cabra ou colher de pau , ou máquinas mais complexas, como uma estação espacial ou acelerador de partículas . Ferramentas e máquinas não precisam ser materiais;tecnologia virtual, como software de computador e métodos de negócios , se enquadram nesta definição de tecnologia. [12] W. Brian Arthur define tecnologia de uma forma igualmente ampla como "um meio para cumprir um propósito humano". [13]

A invenção dos circuitos integrados e do microprocessador (aqui, um chip Intel 4004 de 1971) levou à revolução do computador moderno .

A palavra "tecnologia" também pode ser usada para se referir a uma coleção de técnicas. Neste contexto, é o estado atual do conhecimento da humanidade de como combinar recursos para produzir os produtos desejados, para resolver problemas, atender necessidades ou satisfazer desejos; inclui métodos técnicos, habilidades, processos, técnicas, ferramentas e matérias-primas. Quando combinado com outro termo, como "tecnologia médica" ou "tecnologia espacial", refere-se ao estado dos conhecimentos e ferramentas do respectivo campo. " State-of-the-art tecnologia" refere-se à alta tecnologia disponível para a humanidade em qualquer campo.

A tecnologia pode ser vista como uma atividade que forma ou muda a cultura. [14] Além disso, a tecnologia é a aplicação da matemática, da ciência e das artes para o benefício da vida como é conhecida. Um exemplo moderno é o surgimento da tecnologia de comunicação , que diminuiu as barreiras à interação humana e, como resultado, ajudou a gerar novas subculturas; o surgimento da cibercultura tem como base o desenvolvimento da Internet e do computador . [15] Como uma atividade cultural, a tecnologia antecede a ciência e a engenharia , cada uma das quais formaliza alguns aspectos do esforço tecnológico.

Ciência, engenharia e tecnologia

Antoine Lavoisier experimentando combustão gerada pela luz solar amplificada

A distinção entre ciência, engenharia e tecnologia nem sempre é clara. Ciência é o conhecimento sistemático do mundo físico ou material obtido por meio de observação e experimentação. [16] As tecnologias geralmente não são produtos exclusivamente da ciência, porque devem satisfazer requisitos como utilidade , usabilidade e segurança . [17]

Engenharia é o processo orientado para o objetivo de projetar e fazer ferramentas e sistemas para explorar fenômenos naturais para fins humanos práticos, muitas vezes (mas nem sempre) usando resultados e técnicas da ciência. O desenvolvimento da tecnologia pode recorrer a muitos campos do conhecimento, incluindo o conhecimento científico, de engenharia, matemático , lingüístico e histórico , para alcançar algum resultado prático.

A tecnologia é frequentemente uma consequência da ciência e da engenharia, embora a tecnologia como atividade humana preceda os dois campos. Por exemplo, a ciência pode estudar o fluxo de elétrons em condutores elétricos usando ferramentas e conhecimentos já existentes. Esse conhecimento recém-descoberto pode então ser usado por engenheiros para criar novas ferramentas e máquinas, como semicondutores , computadores e outras formas de tecnologia avançada. Nesse sentido, cientistas e engenheiros podem ser considerados tecnólogos ; os três campos são freqüentemente considerados como um só para fins de pesquisa e referência. [18]

As relações exatas entre ciência e tecnologia, em particular, foram debatidas por cientistas, historiadores e formuladores de políticas no final do século 20, em parte porque o debate pode informar o financiamento da ciência básica e aplicada. No rastro imediato da Segunda Guerra Mundial , por exemplo, era amplamente considerado nos Estados Unidos que a tecnologia era simplesmente "ciência aplicada" e que financiar a ciência básica era colher resultados tecnológicos no devido tempo. Uma articulação dessa filosofia pode ser encontrada explicitamente no tratado de Vannevar Bush sobre política científica do pós-guerra, Science - The Endless Frontier: "Novos produtos, novas indústrias e mais empregos exigem acréscimos contínuos ao conhecimento das leis da natureza ... Esse novo conhecimento essencial só pode ser obtido por meio de pesquisa científica básica." [19] No final da década de 1960, no entanto, essa visão foi atacada diretamente, levando a iniciativas para financiar a ciência para tarefas específicas (iniciativas resistidas pela comunidade científica). A questão permanece controversa, embora a maioria dos analistas resista ao modelo de que a tecnologia é resultado da pesquisa científica. [20] [21]

História

Paleolítico (2,5 Ma - 10 ka)

Um helicóptero primitivo

O uso de ferramentas pelos primeiros humanos foi em parte um processo de descoberta e evolução. Os primeiros humanos evoluíram de uma espécie de hominídeos forrageiros que já eram bípedes , [22] com uma massa cerebral de aproximadamente um terço dos humanos modernos. [23] O uso de ferramentas permaneceu relativamente inalterado durante a maior parte do início da história humana. Aproximadamente 50.000 anos atrás, surgiu o uso de ferramentas e um conjunto complexo de comportamentos , que muitos arqueólogos acreditam estar relacionados ao surgimento de uma linguagem totalmente moderna . [24]

Ferramentas de pedra

Machados de mão do período acheuliano
Uma fogueira, frequentemente usada para cozinhar comida
Um ponto Clovis , feito por meio de descamação de pressão
Um machado de metal, criação estimada de 1600-1700 descamação por pressão

Os hominídeos começaram a usar ferramentas de pedra primitivas há milhões de anos. As primeiras ferramentas de pedra eram pouco mais do que uma rocha fraturada, mas há aproximadamente 75.000 anos, [25] a descamação por pressão fornecia uma maneira de fazer um trabalho muito mais fino.

Incêndio

A descoberta e o uso do fogo , uma fonte de energia simples com muitos usos profundos, foi um momento decisivo na evolução tecnológica da humanidade. [26] A data exata de sua descoberta não é conhecida; evidências de ossos de animais queimados no Berço da Humanidade sugerem que a domesticação do fogo ocorreu antes de 1 ma; [27] o consenso acadêmico indica que o Homo erectus controlou o fogo entre 500 e 400 ka. [28] [29] Fogo, alimentado com madeira e carvão, permitiu aos primeiros humanos cozinharem seus alimentos para aumentar sua digestibilidade, melhorando seu valor nutritivo e ampliando o número de alimentos que podiam ser ingeridos. [30]

Roupas e abrigo

Outros avanços tecnológicos feitos durante a era paleolítica foram roupas e abrigo; a adoção de ambas as tecnologias não pode ser datada com exatidão, mas foram a chave para o progresso da humanidade. À medida que a era paleolítica avançava, as habitações tornaram-se mais sofisticadas e elaboradas; já em 380 ka, os humanos construíam cabanas de madeira temporárias. [31] [32] As roupas, adaptadas da pele e peles de animais caçados, ajudaram a humanidade a se expandir para regiões mais frias; os humanos começaram a migrar para fora da África em 200 ka e para outros continentes como a Eurásia . [33]

Do Neolítico à Antiguidade Clássica (10 ka - 300 CE)

Uma série de artefatos neolíticos, incluindo pulseiras, cabeças de machado, cinzéis e ferramentas de polimento

A ascensão tecnológica do ser humano começou para valer no que é conhecido como o período neolítico ("Nova Idade da Pedra"). A invenção dos machados de pedra polida foi um grande avanço que permitiu o desmatamento em grande escala para a criação de fazendas. Este uso de machados de pedra polida aumentou muito no Neolítico, mas foram originalmente usados ​​no Mesolítico anterior em algumas áreas como a Irlanda . [34] A agricultura alimentou populações maiores e a transição para o sedentismo permitiu criar simultaneamente mais filhos, já que os bebês não precisavam mais ser carregados, como nômadesdevem. Além disso, as crianças poderiam contribuir com mão-de-obra para o cultivo mais prontamente do que para a economia de caçadores-coletores . [35] [36]

Com este aumento da população e disponibilidade de mão-de-obra, veio um aumento na especialização da mão-de-obra . [37] O que desencadeou a progressão das primeiras aldeias neolíticas para as primeiras cidades, como Uruk , e as primeiras civilizações, como a Suméria , não é especificamente conhecido; no entanto, acredita-se que o surgimento de estruturas sociais cada vez mais hierárquicas e de mão de obra especializada, de comércio e guerra entre culturas adjacentes e a necessidade de ação coletiva para superar os desafios ambientais, como a irrigação , tenham desempenhado um papel. [38]

Ferramentas de metal

Melhorias contínuas levaram à fornalha e aos foles e forneceram, pela primeira vez, a capacidade de fundir e forjar ouro , cobre , prata e chumbo  - metais nativos encontrados em uma forma relativamente pura na natureza. [39] As vantagens das ferramentas de cobre sobre as ferramentas de pedra, osso e madeira foram rapidamente aparentes para os primeiros humanos, e o cobre nativo provavelmente foi usado perto do início do Neolítico (cerca de 10 ka). [40]O cobre nativo não ocorre naturalmente em grandes quantidades, mas os minérios de cobre são bastante comuns e alguns deles produzem metal facilmente quando queimados em lenha ou carvão. Eventualmente, o trabalho de metais levou à descoberta de ligas como bronze e latão (cerca de 4000 aC). Os primeiros usos de ligas de ferro, como o aço, datam de cerca de 1800 aC. [41] [42]

Energia e transporte

A roda foi inventada por volta de 4000 aC.

Enquanto isso, os humanos estavam aprendendo a aproveitar outras formas de energia. O primeiro uso conhecido da energia eólica é o navio à vela ; o registro mais antigo de um navio à vela é o de um barco no Nilo datado do 8º milênio AEC. [43] Desde os tempos pré-históricos, os egípcios provavelmente usaram o poder da inundação anual do Nilo para irrigar suas terras, gradualmente aprendendo a regular grande parte dele por meio de canais de irrigação propositadamente construídos e bacias de "captura". Os antigos sumérios na Mesopotâmia usavam um sistema complexo de canais e diques para desviar a água dos rios Tigre e Eufrates para irrigação. [44]

Tecnologia Gibson GL458

De acordo com os arqueólogos, a roda foi inventada por volta de 4000 aC, provavelmente de forma independente e quase simultânea na Mesopotâmia (no atual Iraque ), no norte do Cáucaso ( cultura Maykop ) e na Europa Central. [45] As estimativas de quando isso pode ter ocorrido variam de 5.500 a 3.000 aC, com a maioria dos especialistas colocando mais perto de 4.000 aC. [46] Os artefatos mais antigos com desenhos representando carrinhos de rodas datam de cerca de 3500 aC; [47] no entanto, a roda pode ter estado em uso por milênios antes de esses desenhos serem feitos. Mais recentemente, a roda de madeira mais antiga conhecida no mundo foi encontrada nos pântanos de Liubliana, na Eslovênia. [48]

A invenção da roda revolucionou o comércio e a guerra. Não demorou muito para descobrir que os vagões com rodas podiam ser usados ​​para transportar cargas pesadas. Os antigos sumérios usavam a roda de oleiro e podem tê-la inventado. [49] Uma roda de cerâmica de pedra encontrada na cidade-estado de Ur data de cerca de 3429 AEC, [50] e fragmentos ainda mais antigos de cerâmica lançada por roda foram encontrados na mesma área. [50] As rodas de oleiro rápidas (rotativas) permitiram a produção em massa de cerâmica, mas foi o uso da roda como um transformador de energia (por meio de rodas d'água, moinhos de vento e até mesmo esteiras) que revolucionaram a aplicação de fontes de energia não humanas. Os primeiros carros de duas rodas foram derivados do travois [51] e foram usados ​​pela primeira vez na Mesopotâmia e no Irã por volta de 3000 aC. [51]

As estradas construídas mais antigas conhecidas são as ruas pavimentadas com pedra da cidade-estado de Ur, que datam de cerca de 4000 AC [52] e estradas de madeira que conduzem através dos pântanos de Glastonbury, Inglaterra , que datam de aproximadamente o mesmo período de tempo. [52] A primeira estrada de longa distância, que entrou em uso por volta de 3500 AEC, [52] se estendeu por 1.500 milhas do Golfo Pérsico ao Mar Mediterrâneo , [52] mas não foi pavimentada e foi apenas parcialmente mantida. [52] Por volta de 2000 AC, os minoanos na ilha grega de Creta construíram uma estrada de cinquenta quilômetros (trinta milhas) saindo do palácio de Gortynno lado sul da ilha, através das montanhas, até o palácio de Knossos no lado norte da ilha. [52] Ao contrário da estrada anterior, a estrada minóica foi completamente pavimentada. [52]

Encanamento

Fotografia da Pont du Gard na França, um dos mais famosos aquedutos da Roma Antiga [53]

As antigas casas particulares minoicas tinham água corrente . [54] Uma banheira virtualmente idêntica às modernas foi desenterrada no Palácio de Knossos. [54] [55] Várias casas particulares minóicas também tinham banheiros , que podiam ser liberados jogando água no ralo. [54] Os antigos romanos tinham muitos banheiros públicos, [55] que desaguavam em um extenso sistema de esgoto . [55] O esgoto principal em Roma era a Cloaca Máxima ; [55] a construção começou no sexto século AEC e ainda está em uso hoje. [55]

Os antigos romanos também tinham um complexo sistema de aquedutos , [53] que eram usados ​​para transportar água por longas distâncias. [53] O primeiro aqueduto romano foi construído em 312 AEC. [53] O décimo primeiro e último aqueduto romano antigo foi construído em 226 EC. [53] Juntos, os aquedutos romanos se estendiam por 450 quilômetros, [53] mas menos de setenta quilômetros ficavam acima do solo e eram sustentados por arcos. [53]

História medieval e moderna (300 dC - presente)

O catálogo de fichas , uma tecnologia desenvolvida no século 19, tornou-se onipresente no século 20.

Inovações continuou durante os Idade Média com inovações como a seda -Fabricação (introduzido na Europa depois de séculos de desenvolvimento na Ásia), o colar de cavalo e ferraduras nos primeiros cem anos após a queda do-5o século Império Romano . A tecnologia medieval viu o uso de máquinas simples (como a alavanca , o parafuso e a polia ) sendo combinadas para formar ferramentas mais complicadas, como o carrinho de mão , moinhos de vento e relógios , e um sistema de universidadesdesenvolveram e difundiram ideias e práticas científicas. A era do Renascimento produziu muitas inovações, incluindo a imprensa (que facilitou a comunicação do conhecimento), e a tecnologia tornou-se cada vez mais associada à ciência , iniciando um ciclo de avanço mútuo. Os avanços da tecnologia nesta época permitiram um suprimento mais confiável de alimentos, seguido por uma maior disponibilidade de bens de consumo .

O automóvel revolucionou o transporte pessoal.

Iniciada no Reino Unido no século 18, a Revolução Industrial foi um período de grandes descobertas tecnológicas, particularmente nas áreas de agricultura , manufatura , mineração , metalurgia e transporte , impulsionada pela descoberta da energia a vapor e a ampla aplicação do sistema de fábrica . A tecnologia deu mais um passo em uma segunda revolução industrial ( c.   1870 a c.   1914 ) com o aproveitamento da eletricidade para permitir inovações como o motor elétrico ,lâmpada , e inúmeros outros. Os avanços científicos e a descoberta de novos conceitos permitiram posteriormente o vôo motorizado e os desenvolvimentos na medicina , química , física e engenharia . O aumento da tecnologia gerou arranha - céus e amplas áreas urbanas, cujos habitantes dependem de motores para transportá-los e seus suprimentos de alimentos. A comunicação melhorou com a invenção do telégrafo , telefone , rádio e televisão. O final do século 19 e o início do século 20 testemunharam uma revolução no transporte com a invenção do avião e do automóvel .

F-15 e F-16 voando sobre incêndios de petróleo no Kuwait durante a Guerra do Golfo em 1991.

O século 20 trouxe uma série de inovações. Na física , a descoberta da fissão nuclear levou tanto às armas nucleares quanto à energia nuclear . Os computadores foram inventados e posteriormente miniaturizados usando transistores e circuitos integrados . A tecnologia da informação posteriormente levou ao nascimento da Internet na década de 1980 , que deu início à atual Era da Informação . Os humanos começaram a explorar o espaço com satélites (final da década de 1950, mais tarde usado para telecomunicações) e em missões tripuladas (anos 1960) indo até a lua. Na medicina, essa era trouxe inovações como cirurgia de coração aberto e, posteriormente , terapia com células-tronco, juntamente com novos medicamentos e tratamentos.

Técnicas e organizações complexas de fabricação e construção são necessárias para fazer e manter algumas das tecnologias mais novas, e setores inteiros surgiram para apoiar e desenvolver gerações sucessivas de ferramentas cada vez mais complexas. A tecnologia moderna depende cada vez mais de treinamento e educação - seus projetistas, construtores, mantenedores e usuários geralmente requerem um treinamento geral e específico sofisticado. Além disso, essas tecnologias tornaram-se tão complexas que campos inteiros se desenvolveram para apoiá-las, incluindo engenharia , medicina e ciência da computação ; e outros campos se tornaram mais complexos, como construção ,transporte e arquitetura .

Filosofia

Tecnicismo

Geralmente, o tecnicismo é a crença na utilidade da tecnologia para melhorar as sociedades humanas. [56] levado ao extremo, tecnicismo "reflete uma atitude fundamental que visa a realidade de controle, para resolver todos os problemas com o uso de métodos e ferramentas científico-tecnológicos." [57] Em outras palavras, os seres humanos, um dia, ser capaz de dominar todos os problemas e, possivelmente, até mesmo controlar o futuro usando a tecnologia. Alguns, como Stephen V. Monsma, [58] conectam essas idéias à abdicação da religião como uma autoridade moral superior .

Otimismo

Suposições otimistas são feitas por defensores de ideologias como o transumanismo e o singularitarismo , que veem o desenvolvimento tecnológico como geralmente tendo efeitos benéficos para a sociedade e a condição humana. Nessas ideologias, o desenvolvimento tecnológico é moralmente bom.

Os transumanistas geralmente acreditam que o objetivo da tecnologia é superar barreiras e que o que comumente chamamos de condição humana é apenas mais uma barreira a ser superada.

Singularitarians acreditam em algum tipo de " mudança acelerada "; que a taxa de progresso tecnológico acelera à medida que obtemos mais tecnologia, e que isso culminará em uma " Singularidade " depois que a inteligência artificial geral for inventada, na qual o progresso é quase infinito; daí o termo. As estimativas para a data desta Singularidade variam, [59] mas o proeminente futurista Ray Kurzweil estima que a Singularidade ocorrerá em 2045.

Kurzweil também é conhecido por sua história do universo em seis épocas: (1) a época física / química, (2) a época da vida, (3) a época humana / cerebral, (4) a época da tecnologia, (5) a época da inteligência artificial e (6) época da colonização universal. Ir de uma época para a outra é uma Singularidade por si só, e um período de aceleração a precede. Cada época leva um tempo mais curto, o que significa que toda a história do universo é um evento gigante de Singularidade. [60]

Alguns críticos vêem essas ideologias como exemplos de cientificismo e tecno-utopismo e temem a noção de aprimoramento humano e singularidade tecnológica que eles sustentam. Alguns descreveram Karl Marx como um tecno-otimista. [61]

Ceticismo e críticas

Consulte a legenda
Luditas destruindo um tear mecânico em 1812

Do lado um tanto cético estão certos filósofos como Herbert Marcuse e John Zerzan , que acreditam que as sociedades tecnológicas são inerentemente falhas. Eles sugerem que o resultado inevitável de tal sociedade é se tornar cada vez mais tecnológica à custa da liberdade e da saúde psicológica.

Muitos, como os luditas e o proeminente filósofo Martin Heidegger , mantêm sérias, embora não inteiramente, reservas deterministas sobre a tecnologia (ver " The Question Concerning Technology " [62] ). De acordo com os estudiosos de Heidegger Hubert Dreyfus e Charles Spinosa, "Heidegger não se opõe à tecnologia. Ele espera revelar a essência da tecnologia de uma forma que 'de forma alguma nos confine a uma compulsão estultificada de avançar cegamente com a tecnologia ou, o que vier a acontecer a mesma coisa, rebelar-se impotentemente contra isso. ' Na verdade, ele promete que 'quando uma vez nos abrimos expressamente para a essência da tecnologia, nos vemos inesperadamente levados a uma reivindicação libertadora'. [63]O que isso acarreta é uma relação mais complexa com a tecnologia do que os tecno-otimistas ou tecno-pessimistas tendem a permitir. " [64]

Algumas das críticas mais pungentes de tecnologia são encontrados em que agora são considerados distópico clássicos literários, como Aldous Huxley 's Brave New World , Anthony Burgess ' s A Clockwork Orange , e George Orwell 's Nineteen Eighty-Four . No Fausto de Goethe , Fausto vendendo sua alma ao diabo em troca de poder sobre o mundo físico também é frequentemente interpretado como uma metáfora para a adoção de tecnologia industrial. Mais recentemente, obras modernas de ficção científica, como as de Philip K. Dick e William Gibson e filmes como Blade Runner eGhost in the Shell projeta atitudes altamente ambivalentes ou cautelosas em relação ao impacto da tecnologia na sociedade e identidade humanas.

O falecido crítico cultural Neil Postman distinguiu as sociedades que usam ferramentas das sociedades tecnológicas e daquilo que ele chamou de "tecnopólios", sociedades que são dominadas pela ideologia do progresso científico e tecnológico para a exclusão ou dano de outras práticas culturais, valores e Visualizações. [65]

Darin Barney escreveu sobre o impacto da tecnologia nas práticas de cidadania e cultura democrática, sugerindo que a tecnologia pode ser interpretada como (1) um objeto de debate político, (2) um meio ou meio de discussão e (3) um ambiente para deliberação democrática e cidadania. Como cenário para a cultura democrática, Barney sugere que a tecnologia tende a tornar as questões éticas , incluindo a questão de em que consiste uma vida boa, quase impossíveis porque já dão uma resposta à questão: uma vida boa é aquela que inclui o uso de cada vez mais tecnologia. [66]

Nikolas Kompridis também escreveu sobre os perigos das novas tecnologias, como engenharia genética , nanotecnologia , biologia sintética e robótica . Ele alerta que essas tecnologias trazem novos desafios sem precedentes ao ser humano, incluindo a possibilidade de alteração permanente de nossa natureza biológica. Essas preocupações são compartilhadas por outros filósofos, cientistas e intelectuais públicos que escreveram sobre questões semelhantes (por exemplo, Francis Fukuyama , Jürgen Habermas , William Joy e Michael Sandel ). [67]

Outro crítico proeminente da tecnologia é Hubert Dreyfus , que publicou livros como Na Internet e que os computadores ainda não conseguimos fazer .

Um tratado anti-tecnológico mais infame é Sociedade Industrial e Seu Futuro , escrito pelo Unabomber Ted Kaczynski e impresso em vários jornais importantes (e livros posteriores) como parte de um esforço para encerrar sua campanha de bombardeio da infraestrutura tecno-industrial. Existem também subculturas que desaprovam algumas ou a maioria das tecnologias, como os off-gridders autoidentificados . [68]

Tecnologia apropriada

A noção de tecnologia apropriada foi desenvolvida no século 20 por pensadores como EF Schumacher e Jacques Ellul para descrever situações em que não era desejável usar tecnologias muito novas ou que exigiam acesso a alguma infraestrutura centralizada ou peças ou habilidades importadas de outro lugar. O movimento das ecovilas surgiu em parte devido a essa preocupação.

Otimismo e ceticismo no século 21

Esta seção concentra-se principalmente nas preocupações americanas, mesmo que possa ser razoavelmente generalizado para outros países ocidentais.

A quantidade e qualidade inadequadas dos empregos americanos é um dos desafios econômicos mais fundamentais que enfrentamos. [...] Qual é a ligação entre a tecnologia e esse problema fundamental?

-  Bernstein, Jared, "It's Not a Skills Gap That Holding Wages Down: It's the Weak Economy, Entre Other Things," in The American Prospect , outubro de 2014

Em seu artigo, Jared Bernstein , pesquisador sênior do Center on Budget and Policy Priorities , [69] questiona a ideia difundida de que a automação e, de forma mais ampla, os avanços tecnológicos contribuíram principalmente para esse crescente problema do mercado de trabalho . Sua tese parece ser uma terceira via entre o otimismo e o ceticismo. Essencialmente, ele defende uma abordagem neutra da ligação entre a tecnologia e as questões americanas relativas ao desemprego e à queda dos salários.

Ele usa dois argumentos principais para defender seu ponto. Em primeiro lugar, devido aos recentes avanços tecnológicos, um número crescente de trabalhadores está perdendo seus empregos. No entanto, a evidência científica falha em demonstrar claramente que a tecnologia deslocou tantos trabalhadores que criou mais problemas do que resolveu. Na verdade, a automação ameaça os trabalhos repetitivos, mas os trabalhos de ponta ainda são necessários porque complementam a tecnologia e os trabalhos manuais que "exigem flexibilidade, julgamento e bom senso" [70] permanecem difíceis de substituir por máquinas . Em segundo lugar, os estudos não mostraram ligações claras entre os avanços tecnológicos recentes e as tendências salariais das últimas décadas.

Portanto, de acordo com Bernstein, em vez de focar na tecnologia e em suas influências hipotéticas no atual aumento do desemprego americano e na queda dos salários, é preciso se preocupar mais com a "má política que falha em compensar os desequilíbrios na demanda, comércio, renda e oportunidade". [70]

Sistemas tecnológicos complexos

A roda traseira de uma bicicleta
A chama de um fogão a gás.

Thomas P. Hughes afirmou que, pelo fato de a tecnologia ter sido considerada um meio-chave para resolver problemas, precisamos estar cientes de seus caracteres complexos e variados para usá-la com mais eficiência. [71] Qual é a diferença entre uma roda ou uma bússola e máquinas de cozinha, como um forno ou fogão a gás ? Podemos considerá-los todos, apenas uma parte deles, ou nenhum deles como tecnologias?

A tecnologia é freqüentemente considerada muito restrita; de acordo com Hughes, “a tecnologia é um processo criativo que envolve a engenhosidade humana”. [72] ênfase deste definição na criatividade evita definições ilimitadas que podem erroneamente incluem cozinhar "tecnologias", mas também destaca o papel proeminente de seres humanos e, portanto, as suas responsabilidades para o uso de sistemas tecnológicos complexos.

No entanto, como a tecnologia está em toda parte e mudou dramaticamente as paisagens e as sociedades, Hughes argumenta que engenheiros , cientistas e gerentes sempre acreditaram que podem usar a tecnologia para moldar o mundo como quiserem. Freqüentemente, eles supõem que a tecnologia é facilmente controlável e essa suposição deve ser totalmente questionada. [71] Por exemplo, Evgeny Morozov desafia particularmente dois conceitos: "centrismo na Internet" e "solucionismo". [73]O centrismo na Internet se refere à ideia de que nossa sociedade está convencida de que a Internet é uma das forças mais estáveis ​​e coerentes. O solucionismo é a ideologia de que toda questão social pode ser resolvida graças à tecnologia e, principalmente, à internet. Na verdade, a tecnologia contém intrinsecamente incertezas e limitações. De acordo com a revisão de Alexis Madrigal da teoria de Morozov, ignorá-la levará a "consequências inesperadas que podem eventualmente causar mais danos do que os problemas que procuram resolver". [74] Benjamin R. Cohen e Gwen Ottinger também discutiram os efeitos multivalentes da tecnologia. [75]

Portanto, o reconhecimento das limitações da tecnologia e, mais amplamente, do conhecimento científico, é necessário - especialmente nos casos que tratam de questões de justiça ambiental e saúde. Ottinger continua esse raciocínio e argumenta que o reconhecimento contínuo das limitações do conhecimento científico anda de mãos dadas com a nova compreensão dos cientistas e engenheiros de seu papel. Tal abordagem da tecnologia e da ciência "[exige] que os profissionais técnicos concebam seus papéis no processo de maneira diferente. [Eles devem se considerar] colaboradores na pesquisa e na solução de problemas, em vez de simplesmente provedores de informações e soluções técnicas." [76]

Outras espécies animais

Este gorila adulto usa um galho como bengala para medir a profundidade da água, um exemplo de uso de tecnologia por primatas não humanos.

O uso de tecnologia básica também é uma característica de outras espécies animais além dos humanos. Isso inclui primatas como chimpanzés , [77] algumas comunidades de golfinhos , [78] e corvos . [79] [80] Considerando uma perspectiva mais genérica da tecnologia como etologia do condicionamento e controle ambiental ativo, também podemos nos referir a exemplos de animais como castores e suas mães, ou abelhas e seus favos de mel.

A capacidade de fazer e usar ferramentas já foi considerada uma característica definidora do gênero Homo . [81] No entanto, a descoberta da construção de ferramentas entre os chimpanzés e primatas relacionados descartou a noção do uso da tecnologia como algo exclusivo dos humanos. Por exemplo, os pesquisadores observaram chimpanzés selvagens usando ferramentas para forrageamento: algumas das ferramentas usadas incluem esponjas de folhas, sondas de pesca de cupins, pilões e alavancas . [82] Os chimpanzés da África Ocidental também usam martelos de pedra e bigornas para quebrar nozes, [83] como fazem os macacos-prego de Boa Vista , Brasil. [84]

Tecnologia do futuro

As teorias da tecnologia freqüentemente tentam prever o futuro da tecnologia com base na alta tecnologia e na ciência da época. Como acontece com todas as previsões do futuro, no entanto, a tecnologia é incerta.

Em 2005, o futurista Ray Kurzweil previu que o futuro da tecnologia consistiria principalmente em uma "Revolução GNR" sobreposta de genética , nanotecnologia e robótica , com a robótica sendo a mais importante das três. [85]Essa revolução futura foi explorada em filmes, romances e videogames, que previram a criação de muitas invenções, bem como previram eventos futuros. Essas invenções e eventos incluem uma simulação controlada pelo governo que resultou de avanços maciços da robótica, (The Matrix), uma sociedade que se livrou da procriação devido a melhorias na engenharia genética (Admirável Mundo Novo) e um estado policial imposto pelo governo usando datamining, nanobots e drones (Watch Dogs). Os humanos já deram alguns dos primeiros passos para alcançar a revolução GNR.

Descobertas recentes e engenhosidade nos permitiram criar robótica na forma de Inteligência Artificial, bem como na forma física de robôs. A inteligência artificial tem sido usada para vários fins, incluindo assistentes pessoais em um smartphone, o primeiro dos quais foi o Siri, lançado no iPhone 4s em 2011 pela Apple. [86] Alguns acreditam que o futuro da robótica envolverá uma 'inteligência não biológica superior à humana'. [87]Este conceito pode ser comparado ao de uma 'IA desonesta', uma Inteligência Artificial que ganhou autoconsciência e tenta erradicar a humanidade. Outros acreditam que o futuro envolverá servos de IA criando uma vida fácil e sem esforço para a humanidade, onde os robôs se tornaram a principal força de trabalho. Este futuro compartilha muitas semelhanças com o conceito de obsolescência planejada; no entanto, a obsolescência planejada é vista como uma "estratégia de negócios sinistra". [88] Robôs controlados pelo homem, como drones, foram desenvolvidos para realizar tarefas como desarmamento de bombas e exploração espacial. Universidades como Harvard estão trabalhando para a invenção de robôs autônomos para serem usados ​​em situações que ajudariam humanos, como cirurgias robôs, robôs de busca e resgate e robôs de fisioterapia. [89]

A genética também foi explorada, com os humanos entendendo a engenharia genética até um certo grau. No entanto, a edição de genes é amplamente divisiva e geralmente envolve algum grau de eugenia. Alguns especularam que o futuro da engenharia humana incluirá 'super-humanos', humanos que foram geneticamente modificados para serem mais rápidos, mais fortes e mais resistentes do que os humanos atuais. Outros acham que a engenharia genética será usada para tornar os humanos mais resistentes ou completamente imunes a algumas doenças. [90] Alguns até sugerem que a 'clonagem', o processo de criação de uma cópia exata de um ser humano, pode ser possível por meio da engenharia genética.

Alguns acreditam que, nos próximos 10 anos, os humanos descobrirão a tecnologia dos nanorrobôs, enquanto outros acreditam que estamos a séculos de sua invenção. Os futuristas acreditam que a tecnologia dos nanobôs permitirá aos humanos 'manipular a matéria em escala molecular e atômica'. Essa descoberta pode abrir caminho para muitos avanços científicos e médicos, como a cura de novas doenças ou a invenção de tecnologias novas e mais eficientes. Também se acredita que os nanorrobôs poderiam ser injetados ou inseridos de outra forma dentro do corpo humano e substituir certas partes, mantendo os humanos saudáveis ​​por um período de tempo incrivelmente longo, ou combatendo até certo ponto a falência de órgãos.

A 'revolução GNR' traria uma nova era de tecnologia e avanços para a humanidade como nenhuma outra que foi vista antes.

Veja também

Referências

  1. ^ Eletricidade no crescimento econômico: um relatório . Washington, DC: National Academy Press. 1986. doi : 10.17226 / 900 . ISBN 978-0-309-03677-1. OCLC  45734143 .
  2. ^ Liddell, Henry George; Scott, Robert (1980). A Greek-English Lexicon (edição abreviada). Reino Unido: Oxford University Press . ISBN 978-0-19-910207-5.
  3. ^ Crabb, George (1823). Dicionário Tecnológico Universal, ou Explicação Familiar dos Termos Usados ​​em Todas as Artes e Ciências . Londres: Baldwin, Cradock e Joy. p. 524 - via Arquivo da Internet.
  4. ^ Mannix, Loretta H .; Stratton, Julius Adams (2005). Mente e mão: o nascimento do MIT . Cambridge: MIT Press. pp. 190–92. ISBN 978-0-262-19524-9.
  5. ^ "Technik Comes to America: Mudando os significados da tecnologia antes de 1930". Tecnologia e cultura . 47 .
  6. ^ Bain, Leia (1937). “Tecnologia e Governo do Estado”. American Sociological Review . 2 (6): 860–874. doi : 10.2307 / 2084365 . JSTOR 2084365 . 
  7. ^ MacKenzie, Donald A .; Wajcman, Judy (1999). "Ensaio introdutório". The Social Shaping of Technology (2ª ed.). Buckingham: Open University Press. p. 6. ISBN 978-0-335-19913-6. A tecnologia, costuma-se dizer, é ciência aplicada. Os cientistas descobrem fatos sobre a realidade e os tecnólogos aplicam esses fatos para produzir coisas úteis.
  8. ^ "Tecnologia | Definição de Tecnologia por Merriam-Webster" . Merriam-Webster . Arquivado do original em 7 de novembro de 2016 . Retirado em 7 de novembro de 2016 .
  9. ^ Franklin, Ursula (1999). The Real World of Technology (edição revisada). Scarborough: Casa de Anansi. ISBN 978-0-88784-891-9.
  10. ^ Veja, por exemplo, "Tecnologia" . BBC News . Arquivado do original em 7 de novembro de 2016 . Retirado em 7 de novembro de 2016 .
  11. ^ Stiegler, Bernard (1998). Technics and Time, 1: The Fault of Epimetheus . Stanford University Press . pp. 17, 82. ISBN 978-0-8047-3041-9.Stiegler afirmou mais recentemente que a biotecnologia não pode mais ser definida como "matéria inorgânica organizada", visto que é, ao contrário, "a reorganização do orgânico". Stiegler, Bernard (2008). L'avenir du passé: Modernité de l'archéologie . La Découverte. p. 23. ISBN 978-2-7071-5495-8.
  12. ^ "Indústria, Tecnologia e o Mercado Global: Tendências Internacionais de Patentes em Duas Novas Áreas de Tecnologia" . Indicadores de ciência e engenharia 2002 . Fundação Nacional de Ciências . Arquivado do original em 18 de agosto de 2015 . Página visitada em 7 de maio de 2007 .
  13. ^ Arthur, W. Brian (2009). A natureza da tecnologia . Nova York: Free Press. p. 28 . ISBN 978-1-4165-4405-0.
  14. ^ Borgmann, Albert (2006). "Tecnologia como força cultural: Para Alena e Griffin" (pago) . The Canadian Journal of Sociology . 31 (3): 351–60. doi : 10.1353 / cjs.2006.0050 . S2CID 144251172 . Arquivado do original em 13 de agosto de 2007 . Página visitada em 16 de fevereiro de 2007 .  
  15. ^ Macek, Jakub. "Definindo a cibercultura" . Arquivado do original em 3 de julho de 2007 . Página visitada em 25 de maio de 2007 .
  16. ^ "Ciência" . Dictionary.com . 2016. Arquivado do original em 8 de novembro de 2016 . Retirado em 7 de novembro de 2016 .
  17. ^ Um tratado na tecnologia e na sociedade da ciência . Dr. MR Sharma. 2020. ISBN 978-81-318-0667-8. Página visitada em 19 de junho de 2020 .
  18. ^ "Intuto: Ciência, Engenharia e Tecnologia" . Intuto . Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2007 . Página visitada em 17 de fevereiro de 2007 .
  19. ^ Bush, Vannevar (julho de 1945). "Science the Endless Frontier" . Fundação Nacional de Ciências. Arquivado do original em 7 de novembro de 2016 . Retirado em 7 de novembro de 2016 .
  20. ^ Wise, George (1985). "Ciência e Tecnologia". Osiris . 2ª Série. 1 : 229–46. doi : 10.1086 / 368647 . S2CID 144475553 . 
  21. ^ Guston, David H. (2000). Entre a política e a ciência: garantindo a integridade e a produtividade da pesquisa . Nova York: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-65318-3.
  22. ^ "Mãe do homem - 3,2 milhões de anos atrás" . BBC. Arquivado do original em 12 de outubro de 2007 . Página visitada em 17 de maio de 2008 .
  23. ^ "Evolução Humana" . Canal de história . Arquivado do original em 23 de abril de 2008 . Página visitada em 17 de maio de 2008 .
  24. ^ Wade, Nicholas (15 de julho de 2003). "Primeiras vozes: o salto para a linguagem" . The New York Times . Arquivado do original em 12 de março de 2017 . Retirado em 7 de novembro de 2016 .
  25. ^ Bower, Bruce (29 de outubro de 2010). "As idades da pedra aprimoraram as habilidades 55.000 anos antes do que se pensava" . WIRED . Arquivado do original em 8 de novembro de 2016 . Retirado em 7 de novembro de 2016 .
  26. ^ Crump, Thomas (2001). Uma breve história da ciência . Constable & Robinson . p. 9. ISBN 978-1-84119-235-2.
  27. ^ "Fossil Hominid Sites of Sterkfontein, Swartkrans, Kromdraai, and Environs" . UNESCO . Arquivado do original em 27 de março de 2007 . Página visitada em 10 de março de 2007 .
  28. ^ "Homem da Idade da Pedra" . História Mundial. Arquivado do original em 10 de março de 2007 . Página visitada em 13 de fevereiro de 2007 .
  29. ^ James, Steven R. (fevereiro de 1989). "Uso Hominídeo do Fogo no Pleistoceno Médio e Inferior". Antropologia Atual . 30 (1): 1–26. doi : 10.1086 / 203705 . JSTOR 2743299 . S2CID 146473957 .  
  30. ^ Stahl, Ann B. (1984). "Seleção da dieta dos hominídeos antes do fogo". Antropologia Atual . 25 (2): 151–68. doi : 10.1086 / 203106 . JSTOR 2742818 . S2CID 84337150 .  
  31. ^ O'Neil, Dennis. "Evolução dos Humanos Modernos: Cultura Arcaica do Homo sapiens" . Palomar College . Arquivado do original em 4 de abril de 2007 . Página visitada em 31 de março de 2007 .
  32. ^ Villa, Paola (1983). Terra Amata e o registro arqueológico do Pleistoceno Médio do sul da França . Berkeley : University of California Press . p. 303. ISBN 978-0-520-09662-2.
  33. ^ Cordaux, Richard; Stoneking, Mark (2003). "Sul da Ásia, o Andamanês e as evidências genéticas para uma dispersão humana 'precoce' fora da África" (PDF) . American Journal of Human Genetics . 72 (6): 1586–90, resposta do autor 1590–93. doi : 10.1086 / 375407 . PMC 1180321 . PMID 12817589 . Arquivado (PDF) do original em 1 de outubro de 2009 . Página visitada em 22 de maio de 2007 .   
  34. ^ Driscoll, Killian (2006). A pré-história inicial no oeste da Irlanda: investigações sobre a arqueologia social do Mesolítico, a oeste de Shannon, Irlanda . Arquivado do original em 4 de setembro de 2017 . Retirado em 11 de julho de 2017 .
  35. ^ University of Chicago Press Journals (4 de janeiro de 2006). "O primeiro baby boom: evidências esqueléticas mostram um aumento abrupto na taxa de natalidade durante o período neolítico" . ScienceDaily . Arquivado do original em 8 de novembro de 2016 . Retirado em 7 de novembro de 2016 .
  36. ^ Sussman, Robert W .; Hall, Roberta L. (abril de 1972). "Transporte infantil, tamanho da família e aumento da população humana durante o Neolítico". Antropologia Atual . 13 (2): 258–67. doi : 10.1086 / 201274 . JSTOR 2740977 . S2CID 143449170 .  
  37. ^ Ferraro, Gary P. (2006). Antropologia cultural: uma perspectiva aplicada . The Thomson Corporation . ISBN 978-0-495-03039-3. Arquivado do original em 31 de março de 2021 . Página visitada em 17 de maio de 2008 .
  38. ^ Patterson, Gordon M. (1992). Os ESSENCIAIS da História Antiga . Associação de Pesquisa e Educação. ISBN 978-0-87891-704-4. Arquivado do original em 31 de março de 2021 . Página visitada em 17 de maio de 2008 .
  39. ^ Cramb, Alan W (1964). "Uma Breve História dos Metais" . Nature . 203 (4943): 337. bibcode : 1964Natur.203Q.337T . doi : 10.1038 / 203337a0 . S2CID 382712 . 
  40. ^ Hall, Harry Reginald Holland (1911). "Cerâmica"  . Em Chisholm, Hugh (ed.). Encyclopædia Britannica . 05 (11ª ed.). Cambridge University Press. pp. 703-760, veja a página 708. A arte de fazer uma cerâmica consistindo de um corpo arenoso de silício revestido com um esmalte de cobre vítreo parece ter sido conhecida inesperadamente cedo, possivelmente já no período imediatamente anterior à Primeira Dinastia (4000 BC).
  41. ^ "O significado da composição dos fragmentos de ferro escavados retirados do Estrato III no local de Kaman-Kalehöyük, Turquia". Estudos Arqueológicos da Anatólia . Tóquio: Instituto Japonês de Arqueologia da Anatólia. 14 .
  42. ^ "Peça de ferro desenterrada da Turquia considerada o aço mais antigo" . O hindu . 26 de março de 2009. Arquivado do original em 29 de março de 2009 . Retirado em 8 de novembro de 2016 .
  43. ^ "A representação mais antiga de um barco do Nilo". Antiguidade . 81 .
  44. ^ Crawford, Harriet (2013). O Mundo Sumério . Cidade de Nova York, Nova York e Londres, Inglaterra: Routledge. pp. 34–43. ISBN 978-0-203-09660-4. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2020 . Página visitada em 12 de novembro de 2020 .
  45. ^ Potts, DT (2012). Um companheiro para a arqueologia do antigo Oriente Próximo . p. 285.
  46. ^ Childe, V. Gordon (1928). Nova luz no oriente mais antigo . p. 110
  47. ^ Anthony, David A. (2007). O cavalo, a roda e a linguagem: como os cavaleiros da Idade do Bronze das estepes da Eurásia moldaram o mundo moderno . Princeton: Princeton University Press. p. 67. ISBN 978-0-691-05887-0.
  48. ^ Gasser, Aleksander (março de 2003). "A roda mais antiga do mundo encontrada na Eslovênia" . Gabinete de Comunicação do Governo da República da Eslovénia. Arquivado do original em 26 de agosto de 2016 . Retirado em 8 de novembro de 2016 .
  49. ^ Kramer, Samuel Noah (1963). Os sumérios: sua história, cultura e caráter . Chicago, Illinois: University of Chicago Press. p. 290. ISBN 978-0-226-45238-8. Arquivado do original em 8 de agosto de 2014 . Página visitada em 26 de outubro de 2017 .
  50. ^ a b Moorey, Peter Roger Stuart (1999) [1994]. Materiais e Indústrias Antigas da Mesopotâmia: A Evidência Arqueológica . Winona Lake, Indiana: Eisenbrauns. p. 146. ISBN 978-1-57506-042-2. Arquivado do original em 17 de outubro de 2017 . Página visitada em 26 de outubro de 2017 .
  51. ^ a b Configuração, MG (1992). Caminhos do mundo . Sydney, Austrália: Primavera Press. p. 28. ISBN 978-1-875368-05-1.
  52. ^ a b c d e f g Gregersen, Erik (2012). A história completa do transporte sobre rodas: de carros e caminhões a ônibus e bicicletas . New York City, New York: Britannica Educational Publishing. p. 130. ISBN 978-1-61530-701-2. Arquivado do original em 31 de março de 2021 . Página visitada em 12 de novembro de 2020 .
  53. ^ a b c d e f g Aicher, Peter J. (1995). Guia dos Aquedutos da Roma Antiga . Wauconda, Illinois: Bolchazy-Carducci Publishers, Inc. p. 6. ISBN 978-0-86516-282-2. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2020 . Página visitada em 12 de novembro de 2020 .
  54. ^ a b c Eslamian, Saeid (2014). Handbook of Engineering Hydrology: Environmental Hydrology and Water Management . Boca Raton, Flórida: CRC Press. pp. 171–75. ISBN 978-1-4665-5250-0. Arquivado do original em 10 de dezembro de 2020 . Página visitada em 12 de novembro de 2020 .
  55. ^ a b c d e Lechner, Norbert (2012). Encanamento, Eletricidade, Acústica: Métodos de Projeto Sustentável para Arquitetura . Hoboken, New Jersey: John Wiley & Sons, Inc. p. 106. ISBN 978-1-118-01475-2. Arquivado do original em 31 de março de 2021 . Página visitada em 12 de novembro de 2020 .
  56. ^ Breslin, Gerry, ed. (2011). “tecnicismo”. Collins English Dictionary . HarperCollins. ISBN 978-0-00-743786-3.
  57. ^ "Problemas filosóficos e éticos do tecnicismo e da engenharia genética". Sociedade de Filosofia e Tecnologia . 3 .
  58. ^ Monsma, Stephen V. (1986). Tecnologia responsável . Grand Rapids : WB Eerdmans Pub. Co. ISBN 978-0-8028-0175-3.
  59. ^ Muehlhauser, Luke (10 de novembro de 2015). "Perguntas frequentes sobre explosão de inteligência" . Instituto de Pesquisa de Inteligência de Máquina . Arquivado do original em 7 de novembro de 2016 . Retirado em 11 de novembro de 2016 .
  60. ^ Kurzweil, Ray (2005). "As Seis Épocas". A singularidade está próxima: quando os humanos transcendem a biologia . Pinguim. ISBN 978-1-101-21888-4.
  61. ^ Hughes, James. "Transhumanismo democrático 2.0" . Changesurfer . Arquivado do original em 18 de agosto de 2016 . Retirado em 10 de novembro de 2016 .
  62. ^ Lovitt, William (1977). "A questão relativa à tecnologia" . A questão relativa à tecnologia e outros ensaios . Harper Torchbooks. pp. 3-35. ISBN 978-0-613-91314-0. Arquivado do original em 14 de julho de 2009 . Página visitada em 21 de novembro de 2007 .
  63. ^ Heidegger, Martin (1977). "A questão relativa à tecnologia". A questão relativa à tecnologia e outros ensaios . Traduzido por Lovitt, W. New York: HarperCollins. pp. 25–26.
  64. ^ Dreyfus, Hubert; Spinosa, Charles (2006). "Reflexões adicionais sobre Heidegger, tecnologia e o cotidiano". Em Kompridis, Nikolas (ed.). Romantismo filosófico . Nova York: Routledge. pp. 265–81.
  65. ^ Postman, Neil (1993). Tecnopólio: a rendição da cultura à tecnologia . Nova York: Vintage.
  66. ^ Barney, Darin (2007). Uma nação sob o Google . Toronto: House of Anansi Press.
  67. ^ "O desafio da tecnologia para a democracia". Parrhesia . 8 .
  68. ^ Vannini, Phillip e Jonathan Taggart. "Simplicidade voluntária, complexidades involuntárias e a atração da remoção: as ruralidades radicais de estilos de vida fora da rede." Meio Ambiente e Planejamento A 45.2 (2013): 295-311.
  69. ^ "Jared Bernstein" . Centro de Orçamento e Prioridades de Política . 13 de setembro de 2013. Arquivado do original em 12 de novembro de 2016 . Retirado em 11 de novembro de 2016 .
  70. ^ a b "Não é uma lacuna de habilidades que está mantendo salários baixos: É a economia fraca, entre outras coisas". The American Prospect . 25 .
  71. ^ a b Hughes, Thomas P. (2004). Mundo construído pelo homem: como pensar sobre tecnologia e cultura . Chicago: University of Chicago Press. pp. 1–11. ISBN 978-0-226-35933-5.
  72. ^ Hughes, Thomas P. (2004) "Introduction: Complex Technology" (1-11) in "Human-Built World: How to Think About Technology and Culture"
  73. ^ Morozov, Evgeny (2013). Para Salvar Tudo, Clique Aqui: A Loucura do Solucionismo Tecnológico . Nova York: PublicAffairs. ISBN 978-1-61039-139-9.
  74. ^ Madrigal, Alexis C. (13 de março de 2013). "Rumo a uma crítica tecnológica complexa, realista e moral" . O Atlântico . Arquivado do original em 25 de maio de 2017 . Retirado em 11 de novembro de 2016 .
  75. ^ Cohen, Benjamin; Ottinger, Gwen (2011). "Introdução: Justiça Ambiental e a Transformação da Ciência e da Engenharia". Em Ottinger, Gwen; Cohen, Benjamin (eds.). Tecnociência e justiça ambiental: culturas especializadas em um movimento popular . MIT Press . pp. 1–18. ISBN 978-0-262-01579-0.
  76. ^ Ottinger, Gwen (2011). "Ruptura da educação em engenharia: oportunidades para transformar identidades de especialistas por meio de projetos baseados na comunidade". Em Ottinger, Gwen; Cohen, Benjamin (eds.). Tecnociência e justiça ambiental: culturas especializadas em um movimento popular . MIT Press . pp. 229–48. ISBN 978-0-262-01579-0.
  77. ^ Sagan, Carl; Druyan, Ann; Leakey, Richard. "Uso de ferramenta para chimpanzés" . Arquivado do original em 21 de setembro de 2006 . Página visitada em 13 de fevereiro de 2007 .
  78. ^ Rincon, Paul (7 de junho de 2005). "Os golfinhos esponjosos aprendem com a mamãe" . BBC News . Arquivado do original em 4 de dezembro de 2016 . Retirado em 11 de novembro de 2016 .
  79. ^ Schmid, Randolph E. (4 de outubro de 2007). “Os corvos usam ferramentas para encontrar comida” . NBC News . Arquivado do original em 10 de março de 2017 . Retirado em 11 de novembro de 2016 .
  80. ^ Rutz, C .; Bluff, LA; Weir, AAS; Kacelnik, A. (4 de outubro de 2007). "Câmeras de vídeo em pássaros selvagens". Ciência . 318 (5851): 765. bibcode : 2007Sci ... 318..765R . doi : 10.1126 / science.1146788 . PMID 17916693 . S2CID 28785984 .  
  81. ^ Oakley, KP (1976). Homem, o fabricante de ferramentas . Nature . 199 . pp. 1042–43. Bibcode : 1963Natur.199U1042. . doi : 10.1038 / 1991042e0 . ISBN 978-0-226-61270-6. S2CID  4298952 .
  82. ^ McGrew, W. C (1992). Cultura material do chimpanzé . Cambridge ua: Cambridge Univ. Pressione. ISBN 978-0-521-42371-7.
  83. ^ Boesch, Christophe; Boesch, Hedwige (1984). "Mapa mental em chimpanzés selvagens: uma análise dos transportes de martelo para quebrar nozes". Primatas . 25 (2): 160–70. doi : 10.1007 / BF02382388 . S2CID 24073884 . 
  84. ^ Brahic, Catherine (15 de janeiro de 2009). "Macacos quebra-nozes encontram a ferramenta certa para o trabalho" . New Scientist . Arquivado do original em 15 de novembro de 2016 . Retirado em 11 de novembro de 2016 .
  85. ^ Kurzweil, Ray (2005). "GNR: Três revoluções sobrepostas". A singularidade está próxima . Pinguim. ISBN 978-1-101-21888-4.
  86. ^ "Linha do Tempo do Voice Assistant: Uma Breve História da Revolução da Voz" . Voicebot.ai . 14 de julho de 2017 . Página visitada em 10 de maio de 2021 .
  87. ^ "Ray Kurzweil prevê que três tecnologias definirão nosso futuro" . Singularity Hub . 19 de abril de 2016 . Página visitada em 10 de maio de 2021 .
  88. ^ Hadhazy, Adam. “Aqui está a verdade sobre a 'obsolescência planejada' da tecnologia” . www.bbc.com . Página visitada em 10 de maio de 2021 .
  89. ^ "Robótica em Harvard" . robotics.harvard.edu . Página visitada em 10 de maio de 2021 .
  90. ^ "Genética, Nanobots e Inteligência Superhumana na Singularidade" . Homem transcendente . 23 de maio de 2013 . Página visitada em 10 de maio de 2021 .

Leitura adicional