Sociologia

Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Ir para navegação Pular para pesquisar

Sociologia é uma ciência social que se concentra na sociedade , no comportamento social humano , nos padrões de relações sociais , na interação social e nos aspectos da cultura associados à vida cotidiana. [1] [2] [3] Ele usa vários métodos de investigação empírica e análise crítica [4] : 3-5 para desenvolver um corpo de conhecimento sobre ordem social e mudança social . [4] : 32-40A sociologia também pode ser definida como a ciência geral da sociedade. Enquanto alguns sociólogos realizam pesquisas que podem ser aplicadas diretamente à política social e ao bem - estar , outros se concentram principalmente em refinar a compreensão teórica dos processos sociais. O assunto pode variar de análises de micro- nível da sociedade (isto é, de interação individual e agência ) a análises de macro- nível (isto é, de sistemas e da estrutura social ). [5]

Os focos tradicionais da sociologia incluem estratificação social , classe social , mobilidade social , religião , secularização , direito , sexualidade , gênero e desvio . Como todas as esferas da atividade humana são afetadas pela interação entre a estrutura social e a agência individual , a sociologia gradualmente expandiu seu foco para outros assuntos e instituições , como saúde e a instituição da medicina ; economia ; militar ; puniçãoe sistemas de controle ; a Internet ; educação ; capital social ; e o papel da atividade social no desenvolvimento do conhecimento científico .

A gama de métodos científicos sociais também se expandiu, à medida que os pesquisadores sociais recorrem a uma variedade de técnicas qualitativas e quantitativas . As viradas linguísticas e culturais de meados do século 20, especialmente, levaram a abordagens cada vez mais interpretativas , hermenêuticas e filosóficas para a análise da sociedade. Por outro lado, a virada do século 21 viu o surgimento de novas técnicas analiticamente , matematicamente e computacionalmente rigorosas, como a modelagem baseada em agente eanálise de rede social . [6] [7]

A pesquisa social tem influência em várias indústrias e setores da vida, como entre políticos , formuladores de políticas e legisladores ; educadores ; planejadores ; administradores ; desenvolvedores ; magnatas e gerentes de negócios ; assistentes sociais ; organizações não governamentais ; e organizações sem fins lucrativos , bem como pessoas físicas interessadas na resolução de questões sociais em geral. Como tal, muitas vezes há um grande cruzamento entre pesquisa social, pesquisa de mercado e outras estatísticasCampos. [8]

Origens

Estátua de Ibn Khaldun em Túnis , Tunísia (1332-1406)

O raciocínio sociológico é anterior à fundação da própria disciplina. A análise social tem origens no estoque comum de conhecimento e filosofia ocidentais , tendo sido realizada desde a época da antiga poesia cômica que apresenta a crítica social e política, [9] e os filósofos gregos antigos Sócrates , Platão e Aristóteles , se não antes. Por exemplo, a origem da pesquisa (ou seja, a coleção de informações de uma amostra de indivíduos) pode ser rastreada até pelo menos o Domesday Book em 1086, [10] [11]enquanto os filósofos antigos como Confúcio escreveram sobre a importância dos papéis sociais.

Também há evidências da sociologia primitiva nos escritos árabes medievais. Algumas fontes consideram Ibn Khaldun , um estudioso árabe-islâmico do século 14 da Tunísia , [nota 1] como o pai da sociologia, embora não haja nenhuma referência a seu trabalho nos trabalhos dos principais fundadores da sociologia moderna. [12] [13] [14] [15] O Muqaddimah de Khaldun foi talvez o primeiro trabalho a avançar o raciocínio científico- social sobre coesão social e conflito social . [16] [17] [18] [19] [20] [21]

Etimologia

A palavra sociologia (ou "sociologie" ) deriva parte de seu nome da palavra latina socius ("companheiro" ou "comunhão" [22] ). O sufixo -logia ( "o estudo da '") vem a do grego -λογία , derivado de λόγος ( logos , 'palavra' ou 'conhecimento').

Sieyès

O termo "sociologia" foi cunhado pela primeira vez em 1780 pelo ensaísta francês Emmanuel-Joseph Sieyès em um manuscrito não publicado . [23] [nota 2]

Comte

A "sociologia" foi posteriormente definida de forma independente pelo filósofo francês Auguste Comte em 1838 [24] como uma nova maneira de olhar a sociedade. [25] : 10 Comte havia usado anteriormente o termo "física social", mas foi posteriormente apropriado por outros, mais notavelmente o estatístico belga Adolphe Quetelet . Comte se esforçou para unificar a história, a psicologia e a economia por meio da compreensão científica da vida social. Escrevendo logo após o mal-estar da Revolução Francesa , ele propôs que os males sociais poderiam ser remediados por meio do positivismo sociológico , uma abordagem epistemológica delineada noCurso de Filosofia Positiva (1830-1842), mais tarde incluído em Uma Visão Geral do Positivismo (1848). Comte acreditava que um estágio positivista marcaria a era final, apósfases teológicas e metafísicas conjecturais, na progressão do entendimento humano. [26] Ao observar a dependência circular da teoria e da observação na ciência, e ter classificado as ciências, Comte pode ser considerado o primeiro filósofo da ciência no sentido moderno do termo. [27] [28]

Auguste Comte (1798–1857)

Comte deu um ímpeto poderoso ao desenvolvimento da sociologia, ímpeto que deu frutos nas últimas décadas do século XIX. Dizer isso certamente não é afirmar que sociólogos franceses como Durkheim foram discípulos devotados do sumo sacerdote do positivismo. Mas, ao insistir na irredutibilidade de cada uma de suas ciências básicas à ciência particular das ciências que ela pressupunha na hierarquia e ao enfatizar a natureza da sociologia como o estudo científico dos fenômenos sociais, Comte colocou a sociologia no mapa. Para ter certeza, [seus] primórdios podem ser rastreados muito além de Montesquieu , por exemplo, e de Condorcet , para não falar de Saint-Simon, O predecessor imediato de Comte. Mas o claro reconhecimento de Comte da sociologia como uma ciência particular, com um caráter próprio, justificou Durkheim em considerá-lo como o pai ou fundador dessa ciência, apesar do fato de Durkheim não aceitar a ideia dos três estados e criticar A abordagem de Comte para a sociologia.

-  Frederick Copleston , A History of Philosophy: IX Modern Philosophy (1974), p. 118
Karl Marx (1818-1883)

Marx

Tanto Comte quanto Karl Marx se propuseram a desenvolver sistemas cientificamente justificados na esteira da industrialização e secularização europeias , informados por vários movimentos-chave nas filosofias da história e da ciência . Marx rejeitou o positivismo comtiano [29], mas ao tentar desenvolver uma "ciência da sociedade", não obstante, veio a ser reconhecido como um fundador da sociologia à medida que a palavra ganhava um significado mais amplo. Para Isaiah Berlin (1967), embora Marx não se considerasse um sociólogo, ele pode ser considerado o "verdadeiro pai" da sociologia moderna, "na medida em que qualquer um pode reivindicar o título". [30] : 130

Ter dado respostas claras e unificadas em termos empíricos familiares às questões teóricas que mais ocupavam as mentes dos homens na época, e ter deduzido delas diretrizes práticas claras sem criar ligações obviamente artificiais entre as duas, foi a principal conquista da teoria de Marx. O tratamento sociológico dos problemas históricos e morais, que Comte e depois dele, Spencer e Taine , discutiram e mapearam, tornou-se um estudo preciso e concreto somente quando o ataque do marxismo militante tornou suas conclusões uma questão candente, e assim tornou a busca por evidências mais zelosas e a atenção ao método mais intensa. [30] : 13-14

Spencer

Herbert Spencer (1820–1903)

Herbert Spencer (1820–1903) foi um dos sociólogos mais populares e influentes do século XIX. Estima-se que ele vendeu um milhão de livros durante sua vida, muito mais do que qualquer outro sociólogo da época. Sua influência foi tão forte que muitos outros pensadores do século 19, incluindo Émile Durkheim , definiram suas ideias em relação às dele. A Divisão do Trabalho na Sociedade de Durkheim é, em grande medida, um amplo debate com Spencer, de cuja sociologia, muitos comentaristas agora concordam, Durkheim se baseou amplamente. [31] Também um biólogo notável , Spencer cunhou o termo sobrevivência do mais apto. Enquanto as idéias marxistas definiam uma vertente da sociologia, Spencer era um crítico do socialismo, bem como um forte defensor de um estilo de governo laissez-faire . Suas ideias foram observadas de perto por círculos políticos conservadores, especialmente nos Estados Unidos e na Inglaterra . [32]

Positivismo e antipositivismo

Positivismo

O princípio metodológico abrangente do positivismo é conduzir a sociologia amplamente da mesma maneira que as ciências naturais . Uma ênfase no empirismo e no método científico é buscada para fornecer uma base testada para a pesquisa sociológica baseada na suposição de que o único conhecimento autêntico é o conhecimento científico, e que tal conhecimento só pode chegar por afirmação positiva por meio da metodologia científica.

Nosso principal objetivo é estender o racionalismo científico à conduta humana ... O que foi chamado de nosso positivismo é apenas uma consequência desse racionalismo. [33]

-  Émile Durkheim , The Rules of Sociological Method (1895)

O termo há muito deixou de ter esse significado; não há menos do que doze epistemologias distintas que são chamadas de positivismo. [34] [35] Muitas dessas abordagens não se autoidentificam como "positivistas", algumas porque elas mesmas surgiram em oposição a formas mais antigas de positivismo e outras porque o rótulo tornou-se, com o tempo, um termo pejorativo [34] por ser erroneamente ligada a um empirismo teórico . A extensão do antipositivistaas críticas também divergiram, com muitos rejeitando o método científico e outros apenas buscando emendá-lo para refletir os desenvolvimentos do século 20 na filosofia da ciência. No entanto, o positivismo (amplamente entendido como uma abordagem científica para o estudo da sociedade) permanece dominante na sociologia contemporânea, especialmente nos Estados Unidos. [34]

Loïc Wacquant distingue três linhagens principais de positivismo: Durkheimiana , Lógica e Instrumental. [34] Nenhum destes é igual ao estabelecido por Comte, que foi o único a defender uma versão tão rígida (e talvez otimista). [36] [4] : 94-8, 100-4 Enquanto Émile Durkheim rejeitou muitos dos detalhes da filosofia de Comte, ele reteve e refinou seu método. Durkheim sustentou que as ciências sociais são uma continuação lógica das ciências naturais no domínio da atividade humana e insistiu que elas deveriam manter a mesma objetividade, racionalismo e abordagem da causalidade. [34] Ele desenvolveu a noção de objetivo sui generis"fatos sociais" para servir como objetos empíricos únicos para a ciência da sociologia estudar. [34]

A variedade de positivismo que permanece dominante hoje é denominada positivismo instrumental . Esta abordagem evita preocupações epistemológicas e metafísicas (como a natureza dos fatos sociais) em favor da clareza metodológica, replicabilidade , confiabilidade e validade . [37] Este positivismo é mais ou menos sinônimo de pesquisa quantitativa e, portanto, apenas se assemelha ao antigo positivismo na prática. Visto que não carrega nenhum compromisso filosófico explícito, seus praticantes podem não pertencer a nenhuma escola particular de pensamento. A sociologia moderna deste tipo é frequentemente creditada a Paul Lazarsfeld , [34]que foi o pioneiro em estudos de pesquisa em grande escala e desenvolveu técnicas estatísticas para analisá-los. Essa abordagem se presta ao que Robert K. Merton chamou de teoria de médio alcance : afirmações abstratas que generalizam a partir de hipóteses segregadas e regularidades empíricas, em vez de começar com uma ideia abstrata de um todo social. [38]

Anti-positivismo

As reações contra o empirismo social começaram quando o filósofo alemão Hegel expressou oposição tanto ao empirismo, que ele rejeitou como acrítico, quanto ao determinismo, que ele via como excessivamente mecanicista. [4] : 169 A metodologia de Karl Marx emprestou do dialetismo hegeliano, mas também uma rejeição do positivismo em favor da análise crítica, buscando complementar a aquisição empírica de "fatos" com a eliminação de ilusões. [4] : 202–3 Ele sustentou que as aparências precisam ser criticadas ao invés de simplesmente documentadas. Os primeiros hermenêuticos , como Wilhelm Diltheyfoi o pioneiro na distinção entre ciências naturais e sociais (' Geisteswissenschaft '). Vários filósofos neokantianos , fenomenólogos e cientistas humanos teorizaram ainda como a análise do mundo social difere daquela do mundo natural devido aos aspectos irredutivelmente complexos da sociedade, cultura e ser humanos . [39] [40]

No contexto italiano de desenvolvimento das ciências sociais e da sociologia em particular, há oposições ao primeiro fundamento da disciplina, sustentado pela filosofia especulativa de acordo com as tendências anticientíficas amadurecidas pela crítica do positivismo e do evolucionismo, uma tradição que o progressista luta por estabelecer-se. [41]

Na virada do século 20, a primeira geração de sociólogos alemães introduziu formalmente o anti-positivismo metodológico , propondo que a pesquisa deveria se concentrar nas normas culturais humanas , valores , símbolos e processos sociais vistos de uma perspectiva resolutamente subjetiva . Max Weber argumentou que a sociologia pode ser vagamente descrita como uma ciência, pois é capaz de identificar relações causais da " ação social " humana - especialmente entre " tipos ideais " ou simplificações hipotéticas de fenômenos sociais complexos. [4] : 239-40Como um não positivista, entretanto, Weber buscou relações que não são tão "históricas, invariáveis ​​ou generalizáveis" [4] : 241 como aquelas buscadas por cientistas naturais. Outro sociólogo alemão, Ferdinand Tönnies , teorizou sobre dois conceitos abstratos cruciais com seu trabalho sobre " gemeinschaft e gesellschaft " ( lit. 'comunidade' e 'sociedade'). Tönnies marcou uma linha nítida entre o reino dos conceitos e a realidade da ação social: o primeiro deve ser tratado axiomaticamente e de forma dedutiva ("sociologia pura"), enquanto o segundo empiricamente e indutivamente ("sociologia aplicada"). [42]

[Sociologia é] ... a ciência cujo objeto é interpretar o significado da ação social e, assim, dar uma explicação causal da maneira pela qual a ação prossegue e os efeitos que ela produz . Por "ação", nesta definição, entende-se o comportamento humano quando e na medida em que o agente ou agentes o vêem como subjetivamente significativo... o significado a que nos referimos pode ser (a) o significado realmente pretendido por um agente individual em uma ocasião histórica particular ou por um número de agentes em uma média aproximada em um determinado conjunto de casos, ou (b) o sentido atribuído ao agente ou agentes, como tipos, em um tipo puro construído no abstrato. Em nenhum dos casos o "significado" deve ser pensado como algo objetivamente "correto" ou "verdadeiro" por algum critério metafísico. Esta é a diferença entre as ciências empíricas da ação, como a sociologia e a história, e qualquer tipo de disciplina anterior , como jurisprudência, lógica, ética ou estética, cujo objetivo é extrair de seu objeto "correto" ou "válido ' significado. [43]

-  Max Weber , The Nature of Social Action (1922), p. 7

Tanto Weber quanto Georg Simmel foram os pioneiros do método " Verstehen " (ou 'interpretativo') nas ciências sociais; um processo sistemático pelo qual um observador externo tenta se relacionar com um determinado grupo cultural, ou povo indígena, em seus próprios termos e de seu próprio ponto de vista. [44] Através do trabalho de Simmel, em particular, a sociologia adquiriu um caráter possível além da coleta de dados positivista ou grandes sistemas determinísticos de lei estrutural. Relativamente isolado da academia sociológica ao longo de sua vida, Simmel apresentou análises idiossincráticas da modernidade mais reminiscentes do fenomenológico e existencial.mais escritores do que Comte ou Durkheim, dando especial atenção às formas e possibilidades da individualidade social. [45] Sua sociologia se engajou em uma investigação neokantiana sobre os limites da percepção, perguntando 'O que é a sociedade?' em uma alusão direta à pergunta de Kant "O que é a natureza?" [46]

Os problemas mais profundos da vida moderna decorrem da tentativa do indivíduo de manter a independência e a individualidade de sua existência contra os poderes soberanos da sociedade, contra o peso do patrimônio histórico e da cultura e técnica externas da vida. O antagonismo representa a forma mais moderna de conflito que o homem primitivo deve travar com a natureza para sua própria existência corporal. O século XVIII pode ter exigido a libertação de todos os laços que cresceram historicamente na política, na religião, na moralidade e na economia, a fim de permitir que a virtude natural original do homem, que é igual em todos, se desenvolvesse sem inibição; o século XIX pode ter procurado promover, além da liberdade do homem,sua individualidade (que está ligada à divisão do trabalho) e suas realizações que o tornam único e indispensável, mas ao mesmo tempo o tornam ainda mais dependente da atividade complementar dos outros; Nietzsche pode ter visto a luta implacável do indivíduo como o pré-requisito para seu pleno desenvolvimento, enquanto o socialismo encontrou a mesma coisa na supressão de toda competição - mas em cada uma delas o mesmo motivo fundamental estava em ação, ou seja, a resistência do indivíduo a ser nivelado, engolido no mecanismo sócio-tecnológico.enquanto o socialismo encontrou a mesma coisa na supressão de toda competição - mas em cada uma delas o mesmo motivo fundamental estava em ação, a saber, a resistência do indivíduo em ser nivelado, engolido no mecanismo sócio-tecnológico.enquanto o socialismo encontrou a mesma coisa na supressão de toda competição - mas em cada uma delas o mesmo motivo fundamental estava em ação, a saber, a resistência do indivíduo em ser nivelado, engolido no mecanismo sócio-tecnológico.[47]

Fundações da disciplina acadêmica

O primeiro Departamento formal de Sociologia do mundo foi estabelecido em 1892 por Albion Small - a convite de William Rainey Harper - na Universidade de Chicago . O American Journal of Sociology foi fundado logo depois em 1895 por Small também. [48]

A institucionalização da sociologia como disciplina acadêmica, entretanto, foi liderada principalmente por Émile Durkheim , que desenvolveu o positivismo como base para a pesquisa social prática . Enquanto Durkheim rejeitou muitos dos detalhes da filosofia de Comte, ele reteve e refinou seu método, sustentando que as ciências sociais são uma continuação lógica das ciências naturais no reino da atividade humana, e insistindo que elas podem reter a mesma objetividade, racionalismo, e abordagem da causalidade. [34] Durkheim criou o primeiro departamento europeu de sociologia na Universidade de Bordeaux em 1895, publicando suas Regras do Método Sociológico (1895). [49]Para Durkheim, a sociologia poderia ser descrita como a "ciência das instituições , sua gênese e seu funcionamento". [50]

A monografia Suicide (1897) de Durkheim é considerada uma obra seminal na análise estatística por sociólogos contemporâneos. Suicídio é um estudo de caso de variações nas taxas de suicídio entre as populações católica e protestante e serviu para distinguir a análise sociológica da psicologia ou filosofia. Ele também marcou uma importante contribuição para o conceito teórico de funcionalismo estrutural . Ao examinar cuidadosamente as estatísticas de suicídio em diferentes distritos policiais, ele tentou demonstrar que as comunidades católicas têm uma taxa de suicídio mais baixa do que a de protestantes, algo que ele atribuiu ao social (em oposição ao individual ou psicológico) causas. Ele desenvolveu a noção de objetivo sui generis , "fatos sociais", para delinear um objeto empírico único para a ciência da sociologia estudar. [34] Por meio de tais estudos, ele postulou que a sociologia seria capaz de determinar se qualquer sociedade é "saudável" ou "patológica" e buscar uma reforma social para negar o colapso orgânico ou " anomia social ".

A sociologia rapidamente evoluiu como uma resposta acadêmica aos desafios percebidos da modernidade , como a industrialização , urbanização , secularização e o processo de " racionalização ". [51] O campo predominou na Europa continental , com a antropologia e as estatísticas britânicas geralmente seguindo uma trajetória separada. Na virada do século 20, entretanto, muitos teóricos estavam ativos no mundo de língua inglesa . Poucos primeiros sociólogos se limitaram estritamente ao assunto, interagindo também com a economia , a jurisprudência, psicologia e filosofia , com teorias sendo apropriadas em uma variedade de campos diferentes. Desde seu início, a epistemologia sociológica, os métodos e as estruturas de investigação se expandiram e divergiram significativamente. [5]

Durkheim, Marx e o teórico alemão Max Weber são tipicamente citados como os três principais arquitetos da sociologia. [52] Herbert Spencer , William Graham Sumner , Lester F. Ward , WEB Du Bois , Vilfredo Pareto , Alexis de Tocqueville , Werner Sombart , Thorstein Veblen , Ferdinand Tönnies , Georg Simmel , Jane Addams e Karl Mannheim são frequentemente incluídos nos currículos acadêmicos como teóricos fundadores. Os currículos também podem incluir Charlotte Perkins Gilman ,Marianne Weber e Friedrich Engels como fundadores da tradição feminista em sociologia. Cada figura-chave está associada a uma perspectiva e orientação teórica particulares. [53]

Marx e Engels associaram o surgimento da sociedade moderna, acima de tudo, ao desenvolvimento do capitalismo; para Durkheim, estava ligado em particular à industrialização e à nova divisão social do trabalho que isso acarretou; para Weber, teve a ver com o surgimento de uma forma distinta de pensar, o cálculo racional que ele associava à ética protestante (mais ou menos do que Marx e Engels falam em termos daquelas "ondas geladas de cálculo egoísta"). Juntas, as obras desses grandes sociólogos clássicos sugerem o que Giddens descreveu recentemente como "uma visão multidimensional das instituições da modernidade" e que enfatiza não apenas o capitalismo e o industrialismo como instituições-chave da modernidade, mas também a "vigilância" (significando "controle de informação e supervisão social ') e'poder militar '(controle dos meios de violência no contexto da industrialização da guerra).[53]

-  John Harriss , a segunda grande transformação? Capitalismo no final do século XX (1992)

Outros desenvolvimentos

Busto de Ferdinand Tönnies em Husum , Alemanha

O primeiro curso universitário intitulado "Sociologia" foi ministrado nos Estados Unidos em Yale em 1875 por William Graham Sumner . [54] Em 1883, Lester F. Ward , que mais tarde se tornou o primeiro presidente da American Sociological Association (ASA), publicou Dynamic Sociology - Or Applied social science com base na sociologia estática e nas ciências menos complexas , atacando a sociologia do laissez-faire de Herbert Spencer e Sumner. [32] O livro de 1200 páginas de Ward foi usado como material básico em muitos dos primeiros cursos de sociologia americana. Em 1890, o curso americano continuado mais antigo na tradição moderna começou na Universidade do Kansas, ministrado por Frank W. Blackmar . [55] O Departamento de Sociologia da Universidade de Chicago foi fundado em 1892 por Albion Small , que também publicou o primeiro livro de sociologia: Uma introdução ao estudo da sociedade em 1894. [56] George Herbert Mead e Charles Cooley , que se conheceram na Universidade de Michigan em 1891 (junto com John Dewey ), mudou-se para Chicago em 1894. [57] Sua influência deu origem à psicologia social e ao interacionismo simbólico da moderna Escola de Chicago . [58] OO American Journal of Sociology foi fundado em 1895, seguido pelo ASA em 1905. [56]

O "cânone dos clássicos" sociológico, com Durkheim e Max Weber no topo, deve-se em parte a Talcott Parsons , a quem se atribui em grande parte a introdução de ambos ao público americano. [59] Parsons consolidou a tradição sociológica e definiu a agenda para a sociologia americana no ponto de seu crescimento disciplinar mais rápido. A sociologia nos Estados Unidos foi menos influenciada historicamente pelo marxismo do que sua contraparte europeia, e até hoje permanece mais estatística em sua abordagem. [60]

O primeiro departamento de sociologia a ser estabelecido no Reino Unido foi na London School of Economics and Political Science (sede do British Journal of Sociology ) em 1904. [61] Leonard Trelawny Hobhouse e Edvard Westermarck tornaram-se professores da disciplina no University of London em 1907. [62] [63] Harriet Martineau , uma tradutora para o inglês de Comte, foi citada como a primeira mulher socióloga. [64] Em 1909, a Deutsche Gesellschaft für Soziologie ( Associação Sociológica Alemã ) foi fundada por Ferdinand Tönniese Max Weber, entre outros. Weber estabeleceu o primeiro departamento na Alemanha na Universidade Ludwig Maximilian de Munique em 1919, tendo apresentado uma influente nova sociologia antipositivista . [65] Em 1920, Florian Znaniecki criou o primeiro departamento na Polônia . O Instituto de Pesquisa Social da Universidade de Frankfurt (mais tarde se tornaria a Escola de Teoria Crítica de Frankfurt ) foi fundado em 1923. [66] A cooperação internacional em sociologia começou em 1893, quando René Worms fundou o Institut International de Sociologie, uma instituição mais tarde eclipsada pela muito maior International Sociological Association (ISA), fundada em 1949. [67]

Tradições teóricas

Teoria clássica

A disciplina contemporânea da sociologia é teoricamente multiparadigmática [68] , de acordo com as afirmações da teoria social clássica. A pesquisa bem citada de Randall Collins sobre a teoria sociológica [69] rotula retroativamente vários teóricos como pertencentes a quatro tradições teóricas: Funcionalismo, Conflito, Interacionismo Simbólico e Utilitarismo. [70]

Consequentemente, a teoria sociológica moderna desce predominantemente de abordagens funcionalistas (Durkheim) e de conflito (Marx e Weber) da estrutura social, bem como de abordagens simbólico-interacionistas para a interação social, como estrutural de nível micro ( Simmel ) e pragmatista ( Mead , Cooley ) perspectivas. O utilitarismo (também conhecido como escolha racional ou troca social), embora frequentemente associado à economia , é uma tradição estabelecida na teoria sociológica. [71] [72]

Por último, como argumentado por Raewyn Connell , uma tradição que muitas vezes é esquecida é a do Darwinismo Social , que aplica a lógica da evolução biológica darwiniana às pessoas e sociedades. [73] Esta tradição muitas vezes se alinha com o funcionalismo clássico, e já foi a postura teórica dominante na sociologia americana, de c.  1881  - c.  1915 , [74] associado a vários fundadores da sociologia, principalmente Herbert Spencer , Lester F. Ward e William Graham Sumner .

A teoria sociológica contemporânea retém traços de cada uma dessas tradições e elas não são de forma alguma mutuamente exclusivas.

Funcionalismo

Um amplo paradigma histórico em sociologia e antropologia , o funcionalismo aborda a estrutura social - referida como " organização social " pelos teóricos clássicos - com respeito ao todo, bem como a função necessária dos elementos constituintes do todo. Uma analogia comum (popularizada por Herbert Spencer ) é considerar as normas e instituições como 'órgãos' que trabalham para o funcionamento adequado de todo o 'corpo' da sociedade. [75] A perspectiva estava implícita no positivismo sociológico original de Comte, mas foi teorizada na íntegra por Durkheim, novamente com respeito a leis estruturais observáveis.

O funcionalismo também tem uma base antropológica no trabalho de teóricos como Marcel Mauss , Bronisław Malinowski e Radcliffe-Brown . É no uso específico deste último que o prefixo "estrutural" emergiu. [76] A teoria funcionalista clássica é geralmente unida por sua tendência à analogia biológica e noções de evolucionismo social , em que a forma básica de sociedade aumentaria em complexidade e as formas de organização social que promoviam a solidariedade acabariam por superar a desorganização social. Como afirma Giddens : [77]

O pensamento funcionalista, de Comte em diante, tem olhado particularmente para a biologia como a ciência que fornece o modelo mais próximo e compatível para as ciências sociais. Biologia foi tomada para fornecer um guia para conceituar a estrutura e a função dos sistemas sociais e para analisar os processos de evolução por meio de mecanismos de adaptação. O funcionalismo enfatiza fortemente a preeminência do mundo social sobre suas partes individuais (ou seja, seus atores constituintes, os sujeitos humanos).

Teoria do conflito

Teorias funcionalistas enfatizam "sistemas coesos" e são freqüentemente contrastadas com "teorias de conflito", que criticam o sistema sócio-político abrangente ou enfatizam a desigualdade entre grupos específicos. As seguintes citações de Durkheim [78] e Marx [79] resumem as disparidades políticas, bem como teóricas, entre o pensamento funcionalista e o conflito, respectivamente:

Visar uma civilização além daquela tornada possível pelo nexo do ambiente circundante resultará em liberar a doença na própria sociedade em que vivemos. A atividade coletiva não pode ser encorajada além do ponto estabelecido pela condição do organismo social sem prejudicar a saúde.

-  Émile Durkheim, A Divisão do Trabalho na Sociedade (1893)

A história de todas as sociedades até então existentes é a história das lutas de classes. Homem livre e escravo, patrício e plebeu, senhor e servo, mestre de guilda e jornaleiro, em uma palavra, opressor e oprimido, estavam em constante oposição um ao outro, travavam uma luta ininterrupta, ora oculta, ora aberta, uma luta que cada um o tempo acabou, seja em uma reconstituição revolucionária da sociedade em geral, seja na ruína comum das classes em conflito.

Interacionismo Simbólico

A interação simbólica - frequentemente associada ao interacionismo , fenomenologia , dramaturgia , interpretivismo - é uma abordagem sociológica que enfatiza os significados subjetivos e o desdobramento empírico dos processos sociais, geralmente acessados ​​por meio da microanálise. [80] Essa tradição surgiu na Escola de Chicago das décadas de 1920 e 1930, que, antes da Segunda Guerra Mundial, "havia sido o centro de pesquisas sociológicas e estudos de pós-graduação". [81]A abordagem se concentra na criação de uma estrutura para a construção de uma teoria que vê a sociedade como o produto das interações cotidianas dos indivíduos. A sociedade nada mais é do que a realidade compartilhada que as pessoas constroem ao interagirem umas com as outras. Essa abordagem vê as pessoas interagindo em incontáveis ​​ambientes usando comunicações simbólicas para realizar as tarefas em mãos. Portanto, a sociedade é um mosaico complexo e em constante mudança de significados subjetivos. [25] : 19 Alguns críticos dessa abordagem argumentam que ela apenas olha para o que está acontecendo em uma determinada situação social e desconsidera os efeitos que a cultura, a raça ou o gênero (isto é, as estruturas sócio-históricas) podem ter nessa situação. [25] Alguns sociólogos importantes associados a esta abordagem incluemMax Weber , George Herbert Mead , Erving Goffman , George Homans e Peter Blau . É também nessa tradição que a abordagem empírica radical da etnometodologia emerge da obra de Harold Garfinkel .

Utilitarismo

O utilitarismo é freqüentemente referido como teoria da troca ou teoria da escolha racional no contexto da sociologia. Essa tradição tende a privilegiar a agência de atores racionais individuais e pressupõe que, nas interações, os indivíduos sempre buscam maximizar seus próprios interesses. Conforme argumentado por Josh Whitford , os atores racionais são considerados como tendo quatro elementos básicos: [82]

  1. "um conhecimento de alternativas;"
  2. "um conhecimento ou crenças sobre as consequências das várias alternativas;"
  3. "uma ordem de preferências sobre os resultados;" e
  4. "uma regra de decisão, para selecionar entre as alternativas possíveis"

A teoria da troca é atribuída especificamente ao trabalho de George C. Homans , Peter Blau e Richard Emerson . [83] Os sociólogos organizacionais James G. March e Herbert A. Simon notaram que a racionalidade de um indivíduo é limitada pelo contexto ou ambiente organizacional. A perspectiva utilitarista da sociologia foi, notavelmente, revitalizada no final do século 20 pelo trabalho do ex- presidente da ASA , James Coleman .

Teoria social do século 20

Após o declínio das teorias da evolução sociocultural nos Estados Unidos, o pensamento interacionista da Escola de Chicago dominou a sociologia americana. Como Anselm Strauss descreve, "não pensamos que a interação simbólica era uma perspectiva da sociologia; pensamos que era a sociologia". [81] Além disso, o pragmatismo filosófico e psicológico fundamentou esta tradição. [84] Após a Segunda Guerra Mundial, a sociologia dominante mudou para a pesquisa de Paul Lazarsfeld na Universidade de Columbia e a teorização geral de Pitirim Sorokin , seguido por Talcott Parsons na Universidade de Harvard. Em última análise, "o fracasso dos departamentos de Chicago, Columbia e Wisconsin [de sociologia] em produzir um número significativo de alunos de pós-graduação interessados ​​e comprometidos com a teoria geral nos anos de 1936 a 1945 foi uma vantagem para o departamento de Harvard". [85] À medida que Parsons começou a dominar a teoria geral, seu trabalho referia-se principalmente à sociologia europeia - quase totalmente omitindo citações tanto da tradição americana de evolução sociocultural quanto do pragmatismo. Além da revisão de Parsons do cânone sociológico (que incluía Marshall, Pareto, Weber e Durkheim), a falta de desafios teóricos de outros departamentos alimentou o surgimento do movimento estrutural-funcionalista parsoniano, que atingiu seu auge na década de 1950, mas na década de 1960 estava em rápido declínio. [86]

Na década de 1980, a maioria das perspectivas funcionalistas na Europa foram amplamente substituídas por abordagens orientadas para o conflito , [87] e para muitos na disciplina, o funcionalismo foi considerado "tão morto quanto um dodô:" [88] De acordo com Giddens : [89]

O consenso ortodoxo terminou no final dos anos 1960 e 1970, quando o meio-termo compartilhado por outras perspectivas concorrentes cedeu e foi substituído por uma variedade desconcertante de perspectivas concorrentes. Esta terceira 'geração' de teoria social inclui abordagens inspiradas fenomenologicamente, teoria crítica, etnometodologia , interacionismo simbólico , estruturalismo , pós-estruturalismo e teorias escritas na tradição da hermenêutica e da filosofia da linguagem comum .

Pax Wisconsana

Embora algumas abordagens de conflito também tenham ganhado popularidade nos Estados Unidos, a corrente principal da disciplina mudou para uma variedade de teorias de médio alcance orientadas empiricamente sem nenhuma orientação teórica abrangente ou "grandiosa". John Levi Martin refere-se a esta "idade de ouro de unidade metodológica e calma teórica" ​​como a Pax Wisconsana , [90] já que refletia a composição do departamento de sociologia da Universidade de Wisconsin-Madison : numerosos estudiosos trabalhando em projetos separados com pouca controvérsia . [91] Omar Lizardo descreve a pax wisconsana como "um sabor do meio-oeste, mertonianoresolução das guerras teoria / método nas quais [os sociólogos] concordaram em pelo menos duas hipóteses de trabalho: (1) a grande teoria é uma perda de tempo; [e] (2) a boa teoria tem que ser boa para se pensar ou vai para o lixo. " [92] Apesar da aversão à grande teoria na segunda metade do século 20, surgiram várias novas tradições que propõem várias sínteses. : estruturalismo, pós-estruturalismo, sociologia cultural e teoria dos sistemas.

Estruturalismo

O movimento estruturalista originou-se principalmente da obra de Durkheim conforme interpretada por dois estudiosos europeus: Anthony Giddens , um sociólogo, cuja teoria da estruturação se baseia na teoria linguística de Ferdinand de Saussure ; e Claude Lévi-Strauss , um antropólogo. Nesse contexto, 'estrutura' não se refere à 'estrutura social', mas à compreensão semiótica da cultura humana como um sistema de signos . Pode-se delinear quatro princípios centrais do estruturalismo: [93]

  1. Estrutura é o que determina a estrutura de um todo.
  2. Os estruturalistas acreditam que todo sistema tem uma estrutura.
  3. Os estruturalistas estão interessados ​​em leis "estruturais" que tratam da coexistência, e não das mudanças.
  4. Estruturas são as 'coisas reais' abaixo da superfície ou a aparência de significado.

A segunda tradição de pensamento estruturalista, contemporânea de Giddens, emerge da Escola Americana de análise de redes sociais nas décadas de 1970 e 1980, [94] liderada pelo Departamento de Relações Sociais de Harvard liderado por Harrison White e seus alunos. Essa tradição de pensamento estruturalista argumenta que, ao invés da semiótica, a estrutura social são redes de relações sociais padronizadas. E, em vez de Lévi-Strauss, essa escola de pensamento baseia-se nas noções de estrutura conforme teorizadas pelo antropólogo contemporâneo de Lévi-Strauss, Radcliffe-Brown . [95] Alguns [96] referem-se a isso como "estruturalismo de rede" e igualam-no ao "estruturalismo britânico" em oposição ao "estruturalismo francês" de Lévi-Strauss.

O pós-estruturalismo

O pensamento pós-estruturalista tendeu a rejeitar pressupostos "humanistas" na construção da teoria social . [97] Michel Foucault fornece uma crítica importante em sua Archaeology of the Human Sciences , embora Habermas (1986) e Rorty (1986) tenham argumentado que Foucault meramente substitui um tal sistema de pensamento por outro. [98] [99] O diálogo entre esses intelectuais destaca uma tendência nos últimos anos para certas escolas de sociologia e filosofia se cruzarem. A posição anti-humanista tem sido associada ao " pós-modernismo", um termo usado em contextos específicos para descrever uma época ou fenômenos , mas ocasionalmente interpretado como um método .

Problemas teóricos centrais

No geral, há um forte consenso sobre os problemas centrais da teoria sociológica, que são em grande parte herdados das tradições teóricas clássicas. Esse consenso é: como vincular, transcender ou lidar com as seguintes "três grandes" dicotomias: [100]

  1. subjetividade e objetividade , que tratam do conhecimento ;
  2. estrutura e agência , que tratam da ação ;
  3. e sincronia e diacronia , que lidam com o tempo .

Por último, a teoria sociológica frequentemente luta com o problema de integrar ou transcender a divisão entre os fenômenos sociais em escala micro, meso e macro, que é um subconjunto de todos os três problemas centrais.

Subjetividade e objetividade

O problema da subjetividade e da objetividade pode ser dividido em duas partes: uma preocupação com as possibilidades gerais das ações sociais e o problema específico do conhecimento científico social. No primeiro caso, o subjetivo é frequentemente equiparado (embora não necessariamente) ao indivíduo e às intenções e interpretações do indivíduo sobre o objetivo. O objetivo é frequentemente considerado qualquer ação ou resultado público ou externo, até a sociedade em geral. Uma questão primária para os teóricos sociais, então, é como o conhecimento se reproduz ao longo da cadeia do subjetivo-objetivo-subjetivo, isto é: como é a intersubjetividadealcançou? Embora, historicamente, os métodos qualitativos tenham tentado provocar interpretações subjetivas, os métodos de pesquisa quantitativa também tentam capturar subjetividades individuais. Além disso, alguns métodos qualitativos adotam uma abordagem radical para a descrição objetiva in situ .

Esta última preocupação com o conhecimento científico resulta do fato de um sociólogo fazer parte do próprio objeto que procuram explicar, como explica Bourdieu:

Como pode o sociólogo efetuar na prática essa dúvida radical indispensável para colocar entre parênteses todos os pressupostos inerentes ao fato de ser um ser social, de ser, portanto, socializada e levada a se sentir "como um peixe na água" naquele mundo social cuja estruturas que ela internalizou? Como ela pode impedir que o próprio mundo social realize a construção do objeto, em certo sentido, por meio dela, por meio dessas operações inconscientes ou operações desconhecidas de si mesmas das quais ela é o sujeito aparente

-  Pierre Bourdieu, "O Problema da Sociologia Reflexiva", Um Convite à Sociologia Reflexiva (1992), p. 235

Estrutura e agência

Estrutura e agência, às vezes chamadas de determinismo versus voluntarismo , [101] formam um debate ontológico duradouro na teoria social: "As estruturas sociais determinam o comportamento de um indivíduo ou a agência humana?" Nesse contexto, agência se refere à capacidade dos indivíduos de agirem independentemente e fazerem escolhas livres, enquanto a estrutura se relaciona a fatores que limitam ou afetam as escolhas e ações dos indivíduos (por exemplo, classe social, religião, gênero, etnia, etc.). As discussões sobre a primazia de qualquer estrutura ou agência se relacionam com o núcleo da epistemologia sociológica(isto é, "do que é feito o mundo social?", "o que é uma causa no mundo social e o que é um efeito?"). [102] Uma questão perene dentro deste debate é a da " reprodução social ": como as estruturas (especificamente, as estruturas que produzem desigualdade) são reproduzidas por meio das escolhas dos indivíduos?

Sincronia e diacronia

Sincronia e diacronia (ou estática e dinâmica ) dentro da teoria social são termos que se referem a uma distinção que emergiu da obra de Lévi-Strauss que a herdou da linguística de Ferdinand de Saussure . [95] A sincronia corta momentos de tempo para análise, portanto, é uma análise da realidade social estática. A diacronia, por outro lado, tenta analisar sequências dinâmicas. Seguindo Saussure, a sincronia se referiria aos fenômenos sociais como um conceito estático como uma linguagem , enquanto a diacronia se referiria a processos de desdobramento como a fala real . Na introdução de Anthony Giddens a Central Problems in Social Theory, ele afirma que, "para mostrar a interdependência da ação e da estrutura ... devemos apreender as relações espaço-temporais inerentes à constituição de toda interação social". E como estrutura e agência, o tempo é parte integrante da discussão da reprodução social .

Em termos de sociologia, a sociologia histórica costuma estar melhor posicionada para analisar a vida social como diacrônica, enquanto a pesquisa de opinião tira um instantâneo da vida social e, portanto, está mais bem equipada para entender a vida social como sincronizada. Alguns argumentam que a sincronia da estrutura social é uma perspectiva metodológica em vez de uma afirmação ontológica. [95] No entanto, o problema para a teoria é como integrar as duas maneiras de registrar e pensar sobre os dados sociais.

Metodologia de pesquisa

Muitas pessoas dividem os métodos de pesquisa sociológica em duas grandes categorias, embora muitos outros vejam os métodos de pesquisa como um continuum: [103]

  • Os projetos quantitativos abordam fenômenos sociais por meio de evidências quantificáveis ​​e, muitas vezes, dependem da análise estatística de muitos casos (ou através de tratamentos intencionalmente projetados em um experimento) para estabelecer afirmações gerais válidas e confiáveis.
  • Projetos qualitativos enfatizam a compreensão dos fenômenos sociais por meio da observação direta, comunicação com os participantes ou análise de textos, e podem enfatizar a precisão contextual e subjetiva sobre a generalidade.

Os sociólogos são freqüentemente divididos em campos de apoio para técnicas de pesquisa específicas. Essas disputas estão relacionadas aos debates epistemológicos no núcleo histórico da teoria social. Embora muito diferentes em muitos aspectos, as abordagens qualitativas e quantitativas envolvem uma interação sistemática entre teoria e dados. [104] As metodologias quantitativas detêm a posição dominante na sociologia, especialmente nos Estados Unidos. [34] Nos dois periódicos mais citados da disciplina, os artigos quantitativos historicamente superaram os qualitativos por um fator de dois. [105] (A maioria dos artigos publicados na maior revista britânica, por outro lado, são qualitativos.) A maioria dos livros sobre metodologia de pesquisa social é escrita a partir de uma perspectiva quantitativa, [106] e o próprio termo "metodologia" é freqüentemente usado como sinônimo de " estatística ". Praticamente todos os programas de doutorado em sociologia nos Estados Unidos exigem treinamento em métodos estatísticos. O trabalho produzido por pesquisadores quantitativos também é considerado mais 'confiável' e 'imparcial' pelo público em geral, [107] embora este julgamento continue a ser contestado pelos antipositivistas. [107]

A escolha do método muitas vezes depende muito do que o pesquisador pretende investigar. Por exemplo, um pesquisador preocupado em traçar uma generalização estatística para uma população inteira pode administrar um questionário de pesquisa a uma amostra representativa da população. Por outro lado, um pesquisador que busca uma compreensão contextual completa das ações sociais de um indivíduo pode escolher a observação participante etnográfica ou entrevistas abertas. Os estudos irão comumente combinar, ou 'triangular' , quantitativos emétodos qualitativos como parte de um projeto de 'estratégia múltipla'. Por exemplo, um estudo quantitativo pode ser realizado para obter padrões estatísticos em uma amostra-alvo e, em seguida, combinado com uma entrevista qualitativa para determinar o papel da agência . [104]

Amostragem

A máquina de feijão , projetada pelo primeiro metodologista de pesquisa social Sir Francis Galton para demonstrar a distribuição normal , que é importante para muitos testes de hipóteses quantitativas .

Métodos quantitativos são freqüentemente usados ​​para fazer perguntas sobre uma população muito grande, tornando inviável um censo ou uma enumeração completa de todos os membros dessa população. Uma 'amostra' então forma um subconjunto gerenciável de uma população . Na pesquisa quantitativa, as estatísticas são utilizadas para fazer inferências dessa amostra em relação à população como um todo. O processo de seleção de uma amostra é denominado 'amostragem' . Embora seja geralmente melhor amostrar aleatoriamente , a preocupação com as diferenças entre subpopulações específicas às vezes exige uma amostragem estratificada . Por outro lado, a impossibilidade de amostragem aleatória às vezes exigeamostragem não probabilística , como amostragem por conveniência ou amostragem em bola de neve . [104]

Métodos

A seguinte lista de métodos de pesquisa não é exclusiva nem exaustiva:

  • Pesquisa de arquivo (ou método histórico ): baseia-se nos dados secundários localizados em arquivos e registros históricos, como biografias, memórias, diários e assim por diante.
  • Análise de conteúdo : o conteúdo das entrevistas e outros textos é analisado sistematicamente. Freqüentemente, os dados são 'codificados' como parte da abordagem de ' teoria fundamentada ' usando software de análise de dados qualitativos (QDA), como Atlas.ti , MAXQDA , NVivo , [108] ou QDA Miner .
  • Pesquisa experimental : o pesquisador isola um único processo social e o reproduz em um laboratório (por exemplo, criando uma situação onde julgamentos sexistas inconscientes são possíveis), procurando determinar se certas variáveis sociais podem ou não causar, ou depender de, outras variáveis (por exemplo, ver se os sentimentos das pessoas sobre os papéis tradicionais de gênero podem ser manipulados pela ativação de estereótipos de gênero contrastantes ). [109] Os participantes são atribuídos aleatoriamente a diferentes grupos que servem como controle- atuando como pontos de referência porque são testados em relação à variável dependente, embora sem terem sido expostos a nenhuma variável independente de interesse - ou recebem um ou mais tratamentos. A randomização permite ao pesquisador ter certeza de que quaisquer diferenças resultantes entre os grupos são o resultado do tratamento.
  • Estudo longitudinal : Um exame extensivo de uma pessoa ou grupo específico por um longo período de tempo.
  • Observação : Utilizando dados dos sentidos, o pesquisador registra informações sobre fenômenos sociais ou comportamentos. As técnicas de observação podem ou não apresentar participação. Na observação participante , o pesquisador vai ao campo (por exemplo, uma comunidade ou um local de trabalho) e participa das atividades do campo por um período prolongado de tempo a fim de adquirir um conhecimento profundo dele. [25] : 42 Os dados adquiridos por meio dessas técnicas podem ser analisados ​​quantitativa ou qualitativamente. Na pesquisa de observação, um sociólogo pode estudar o aquecimento global em alguma parte do mundo menos povoada.
  • Pesquisa de pesquisa : o pesquisador reúne dados usando entrevistas, questionários ou feedback semelhante de um conjunto de pessoas amostradas de uma população de interesse específica. Os itens da pesquisa de uma entrevista ou questionário podem ser abertos ou fechados. [25] : 40 Os dados de pesquisas são geralmente analisados ​​estatisticamente em um computador.
  • Avaliação de programas é um método sistemático de coleta, análise e uso de informações para responder a perguntas sobre projetos, políticas e programas, [110] particularmente sobre sua eficácia e eficiência. Tanto no setor público quanto no privado, as partes interessadas freqüentemente desejam saber se os programas que estão financiando, implementando, votando ou objetando estão produzindo o efeito desejado. Embora a avaliação do programa se concentre primeiro nesta definição, considerações importantes geralmente incluem quanto custa o programa por participante, como o programa poderia ser melhorado, se o programa vale a pena, se existem alternativas melhores, se há resultados indesejados e se o programa objetivos são apropriados e úteis. [111]

Sociologia computacional

Um diagrama de rede social : indivíduos (ou 'nós') conectados por relacionamentos

Os sociólogos cada vez mais recorrem a métodos computacionalmente intensivos para analisar e modelar fenômenos sociais. [112] Usando simulações de computador , inteligência artificial , mineração de texto , métodos estatísticos complexos e novas abordagens analíticas como análise de rede social e análise de sequência social , a sociologia computacional desenvolve e testa teorias de processos sociais complexos por meio de modelagem ascendente de interações sociais. [6]

Embora o assunto e as metodologias em ciências sociais sejam diferentes daqueles em ciências naturais ou ciência da computação , várias das abordagens usadas na simulação social contemporânea originaram-se de campos como a física e a inteligência artificial. [113] [114] Da mesma forma, algumas das abordagens que se originaram na sociologia computacional foram importadas para as ciências naturais, como medidas de centralidade de rede dos campos de análise de rede social e ciência de rede . Na literatura relevante, a sociologia computacional está frequentemente relacionada ao estudo da complexidade social . [115] Conceitos de complexidade social, comosistemas complexos , interconexão não linear entre macro e microprocessos e emergência entraram no vocabulário da sociologia computacional. [116] Um exemplo prático e conhecido é a construção de um modelo computacional na forma de uma " sociedade artificial ", por meio do qual os pesquisadores podem analisar a estrutura de um sistema social. [117] [118]

Subcampos

Cultura

Max Horkheimer (esquerda, frente), Theodor Adorno (direita, frente) e Jürgen Habermas (direita, atrás) 1965

A abordagem dos sociólogos à cultura pode ser dividida em " sociologia da cultura " e " sociologia cultural " - termos que são semelhantes, embora não inteiramente intercambiáveis. [119] Sociologia da cultura é um termo mais antigo e considera alguns tópicos e objetos mais ou menos "culturais" do que outros. Por outro lado, a sociologia cultural vê todos os fenômenos sociais como inerentemente culturais. [120] A sociologia da cultura freqüentemente tenta explicar certos fenômenos culturais como um produto de processos sociais, enquanto a sociologia cultural vê a cultura como uma explicação potencial dos fenômenos sociais. [121]

Para Simmel , cultura se referia ao "cultivo de indivíduos por meio da ação de formas externas que foram objetivadas no curso da história". [45] Enquanto os primeiros teóricos como Durkheim e Mauss foram influentes na antropologia cultural , os sociólogos da cultura são geralmente distinguidos por sua preocupação com a sociedade moderna (em vez de primitiva ou antiga). A sociologia cultural muitas vezes envolve a hermenêuticaanálise de palavras, artefatos e símbolos, ou entrevistas etnográficas. No entanto, alguns sociólogos empregam técnicas histórico-comparativas ou quantitativas na análise da cultura, Weber e Bourdieu, por exemplo. O subcampo às vezes é aliado à teoria crítica na linha de Theodor W. Adorno , Walter Benjamin e outros membros da Escola de Frankfurt . Vagamente distinto da sociologia da cultura é o campo dos estudos culturais . Teóricos da Escola de Birmingham , como Richard Hoggart e Stuart Hallquestionou a divisão entre "produtores" e "consumidores" evidente na teoria anterior, enfatizando a reciprocidade na produção dos textos. Os Estudos Culturais objetivam examinar seu objeto em termos de práticas culturais e sua relação com o poder. Por exemplo, um estudo de uma subcultura (por exemplo, jovens brancos da classe trabalhadora em Londres) consideraria as práticas sociais do grupo conforme se relacionam com a classe dominante. A " virada cultural " da década de 1960 acabou colocando a cultura em uma posição muito mais alta na agenda sociológica.

Arte, música e literatura

A sociologia da literatura, cinema e arte é um subconjunto da sociologia da cultura. Este campo estuda a produção social de objetos artísticos e suas implicações sociais. Um exemplo notável é Les Règles de L'Art: Genèse et Structure du Champ Littéraire, de Pierre Bourdieu (1992). [122] Nenhum dos fundadores da sociologia produziu um estudo detalhado da arte, mas eles desenvolveram ideias que foram posteriormente aplicadas à literatura por outros. A teoria da ideologia de Marx foi dirigida à literatura por Pierre Macherey , Terry Eagleton e Fredric Jameson . A teoria da modernidade como racionalização cultural de Weber, que ele aplicou à música, foi posteriormente aplicada a todas as artes, incluindo a literatura, porEscritores da Escola de Frankfurt , como Theodor Adorno e Jürgen Habermas . A visão de Durkheim da sociologia como o estudo de fatos sociais externamente definidos foi redirecionada para a literatura por Robert Escarpit. O próprio trabalho de Bourdieu deve claramente a Marx, Weber e Durkheim.

Criminalidade, desvio, a lei ea punição

Os criminologistas analisam a natureza, as causas e o controle da atividade criminosa, recorrendo a métodos da sociologia, psicologia e ciências comportamentais . A sociologia do desvio concentra-se em ações ou comportamentos que violam normas , incluindo tanto infrações de regras formalmente promulgadas (por exemplo, crime) quanto violações informais de normas culturais. É tarefa dos sociólogos estudar por que essas normas existem; como eles mudam com o tempo; e como eles são aplicados. O conceito de desorganização social é quando os sistemas sociais mais amplos levam a violações de normas. Por exemplo, Robert K. Merton produziu uma tipologia de desvio, que inclui explicações causais de desvio em nível individual e de sistema. [123]

Sociologia do direito

O estudo do direito desempenhou um papel significativo na formação da sociologia clássica. Durkheim descreveu a lei como o "símbolo visível" da solidariedade social. [124] A sociologia do direito se refere tanto a uma subdisciplina da sociologia quanto a uma abordagem no campo dos estudos jurídicos. A sociologia do direito é um campo diversificado de estudo que examina a interação do direito com outros aspectos da sociedade, como o desenvolvimento de instituições jurídicase o efeito das leis na mudança social e vice-versa. Por exemplo, um trabalho recente e influente na área se baseia em análises estatísticas para argumentar que o aumento do encarceramento nos Estados Unidos nos últimos 30 anos se deve a mudanças na lei e no policiamento e não ao aumento do crime; e que esse aumento contribuiu significativamente para a persistência da estratificação racial . [125]

Comunicações e tecnologias de informação

A sociologia das comunicações e tecnologias da informação inclui "os aspectos sociais da computação, Internet, novas mídias, redes de computadores e outras tecnologias de comunicação e informação." [126]

Internet e mídia digital

A Internet interessa aos sociólogos de várias maneiras; mais praticamente como uma ferramenta de pesquisa e como uma plataforma de discussão. [127] A sociologia da Internet em sentido amplo diz respeito à análise de comunidades online (por exemplo , grupos de notícias , sites de redes sociais) e mundos virtuais , o que significa que muitas vezes há sobreposição com a sociologia da comunidade. Comunidades online podem ser estudadas estatisticamente por meio de análise de rede ou interpretadas qualitativamente por meio de etnografia virtual . Além disso, a mudança organizacional é catalisada por meio de novas mídias, influenciando assim a mudança social em geral, talvez formando a estrutura para uma transformação de uma sociedade industrial em uma sociedade informacional . Um texto notável é The Internet Galaxy, de Manuel Castells , cujo título constitui uma referência intertextual a The Gutenberg Galaxy, de Marshall McLuhan . [128] Intimamente relacionada à sociologia da Internet está a sociologia digital , que expande o escopo de estudo para abordar não apenas a internet, mas também o impacto de outras mídias e dispositivos digitais que surgiram desde a primeira década do século XXI século.

Mídia

Tal como acontece com os estudos culturais , o estudo da mídia é uma disciplina distinta que deve à convergência da sociologia e outras ciências sociais e humanas, em particular, a crítica literária e a teoria crítica . Embora nem o processo de produção nem a crítica das formas estéticas sejam da competência dos sociólogos, as análises dos fatores socializantes , como os efeitos ideológicos e a recepção do público , derivam da teoria e do método sociológicos. Assim, a 'sociologia da mídia' não é uma subdisciplina per se , mas a mídia é um tópico comum e muitas vezes indispensável.

Sociologia econômica

O termo "sociologia econômica" foi usado pela primeira vez por William Stanley Jevons em 1879, mais tarde cunhado nas obras de Durkheim, Weber e Simmel entre 1890 e 1920. [129] A sociologia econômica surgiu como uma nova abordagem para a análise da economia fenômenos, enfatizando as relações de classe e a modernidade como um conceito filosófico. A relação entre capitalismo e modernidade é uma questão saliente, talvez melhor demonstrada em A ética protestante e o espírito do capitalismo de Weber (1905) e em A filosofia do dinheiro de Simmel (1900). O período contemporâneo da sociologia econômica, também conhecido como nova sociologia econômica, foi consolidado pelo trabalho de Mark Granovetter de 1985 intitulado "Ação econômica e estrutura social: o problema da inserção". Este trabalho elaborou o conceito de imersão , que afirma que as relações econômicas entre indivíduos ou empresas ocorrem dentro das relações sociais existentes (e são, portanto, estruturadas por essas relações, bem como pelas estruturas sociais maiores das quais essas relações fazem parte). A análise de redes sociais tem sido a principal metodologia para estudar esse fenômeno. A teoria de Granovetter da força dos laços fracos e o conceito de orifícios estruturais de Ronald Burt são duas das contribuições teóricas mais conhecidas neste campo.

Trabalho, emprego e indústria

A sociologia do trabalho, ou sociologia industrial, examina "a direção e as implicações das tendências na mudança tecnológica , globalização , mercados de trabalho, organização do trabalho, práticas gerenciais e relações de emprego, na medida em que essas tendências estão intimamente relacionadas aos padrões de mudança de desigualdade em sociedades modernas e para as experiências de mudança de indivíduos e famílias, as maneiras pelas quais os trabalhadores desafiam, resistem e fazem suas próprias contribuições para a padronização do trabalho e a formação das instituições de trabalho. " [130]

Educação

A sociologia da educação é o estudo de como as instituições educacionais determinam as estruturas sociais, experiências e outros resultados. Está particularmente preocupado com os sistemas de ensino das sociedades industriais modernas. [131] Um estudo clássico de 1966 neste campo por James Coleman , conhecido como o "Relatório Coleman", analisou o desempenho de mais de 150.000 alunos e descobriu que o histórico do aluno e o status socioeconômico são muito mais importantes na determinação dos resultados educacionais do que as diferenças medidas em recursos da escola (ou seja, gastos por aluno). [132]A controvérsia sobre os "efeitos escolares" desencadeada por esse estudo continua até hoje. O estudo também descobriu que os alunos negros socialmente desfavorecidos lucravam com a escolaridade em salas de aula racialmente mistas e, portanto, serviam como um catalisador para a eliminação da segregação nas escolas públicas americanas.

Ambiente

A sociologia ambiental é o estudo das interações humanas com o ambiente natural, tipicamente enfatizando as dimensões humanas dos problemas ambientais, os impactos sociais desses problemas e os esforços para resolvê-los. Tal como acontece com outros subcampos da sociologia, os estudos em sociologia ambiental podem estar em um ou vários níveis de análise, do global (por exemplo, sistemas mundiais) ao local, da sociedade ao individual. É dada atenção também aos processos pelos quais os problemas ambientais são definidos e conhecidos pelos humanos. Como argumentado pelo notável sociólogo ambiental John Bellamy Foster , o predecessor da moderna sociologia ambiental é a análise de Marx da fenda metabólica , que influenciou o pensamento contemporâneo sobresustentabilidade . A sociologia ambiental é freqüentemente interdisciplinar e se sobrepõe à sociologia do risco, à sociologia rural e à sociologia dos desastres .

Ecologia humana

A ecologia humana lida com o estudo interdisciplinar da relação entre os humanos e seus ambientes naturais, sociais e construídos. Além da sociologia ambiental, esse campo se sobrepõe à sociologia da arquitetura , à sociologia urbana e, até certo ponto, à sociologia visual . Por sua vez, a sociologia visual - que se preocupa com todas as dimensões visuais da vida social - se sobrepõe aos estudos de mídia, pois usa fotografia, filme e outras tecnologias de mídia.

Social pré-fiação

O pré-wiring social trata do estudo do comportamento social fetal e das interações sociais em um ambiente multi-fetal. Especificamente, a pré-ligação social se refere à ontogenia da interação social . Também conhecido informalmente como "conectado para ser social". A teoria questiona se há uma propensão para a ação socialmente orientada já presente antes do nascimento. A pesquisa na teoria conclui que os recém-nascidos nascem no mundo com uma conexão genética única para serem sociais. [133]

Evidências circunstanciais que apóiam a hipótese de pré-ligação social podem ser reveladas ao examinar o comportamento de recém-nascidos. Descobriu-se que os recém-nascidos, nem mesmo horas após o nascimento, demonstram estar preparados para a interação social . Essa preparação é expressa em formas como a imitação de gestos faciais. Esse comportamento observado não pode contribuir para nenhuma forma atual de socialização ou construção social . Em vez disso, os recém-nascidos provavelmente herdam, até certo ponto, o comportamento social e a identidade por meio da genética . [133]

As principais evidências dessa teoria são descobertas examinando gestações de gêmeos. O principal argumento é, se há comportamentos sociais que são herdados e desenvolvidos antes do nascimento, então devemos esperar que os fetos gêmeos se envolvam em alguma forma de interação social antes de nascerem. Assim, dez fetos foram analisados ​​ao longo de um período de tempo usando técnicas de ultrassom. Usando a análise cinemática, os resultados do experimento foram que os fetos gêmeos interagiriam um com o outro por períodos mais longos e com mais frequência à medida que as gestações prosseguissem. Os pesquisadores foram capazes de concluir que o desempenho dos movimentos entre os co-gêmeos não foi acidental, mas especificamente direcionado. [133]

A hipótese de pré-ligação social provou-se correta: [133]

O avanço central deste estudo é a demonstração de que as ' ações sociais ' já são realizadas no segundo trimestre da gestação . A partir da 14ª semana de gestação, os fetos gêmeos planejam e executam movimentos especificamente voltados para o co-gêmeo. Essas descobertas nos forçam a ser anteriores ao surgimento do comportamento social : quando o contexto o permite, como no caso de fetos gêmeos, as ações dirigidas pelo outro são não apenas possíveis, mas predominantes sobre as ações autodirigidas.

Família, gênero e sexualidade

" Rosie the Riveter " foi um símbolo icônico da frente doméstica americana e um afastamento dos papéis de gênero devido à necessidade do tempo de guerra.

Família, gênero e sexualidade constituem uma ampla área de investigação estudada em muitos subcampos da sociologia. Uma família é um grupo de pessoas que se relacionam por laços de parentesco: - Relações de sangue / casamento / união civil ou adoção. A unidade familiar é uma das instituições sociais mais importantes encontradas de alguma forma em quase todas as sociedades conhecidas. É a unidade básica da organização social e desempenha um papel fundamental na socialização das crianças na cultura de sua sociedade. A sociologia da família examina a família, como uma instituição e unidade de socialização , com atenção especial para o surgimento histórico comparativamente moderno da família nuclear e seus papéis de gênero distintos . A noção de " infância"também é significativo. Como uma das instituições mais básicas às quais se podem aplicar perspectivas sociológicas, a sociologia da família é um componente comum nos currículos acadêmicos introdutórios. A sociologia feminista , por outro lado, é um subcampo normativo que observa e critica as categorias culturais de gênero e sexualidade, particularmente no que diz respeito ao poder e à desigualdade. A principal preocupação da teoria feminista é o patriarcado e a opressão sistemática das mulheres aparente em muitas sociedades, tanto no nível da interação em pequena escala quanto em termos da estrutura social mais ampla. feminista sociologia também analisa como travas de gênero com raça e classe para produzir e desigualdades sociais perpetuar. [134]"Como explicar as diferenças nas definições de feminilidade e masculinidade e no papel do sexo em diferentes sociedades e períodos históricos" também é uma preocupação. [135]

Saúde, doença, eo corpo

A sociologia da saúde e da doença enfoca os efeitos sociais e as atitudes do público em relação a doenças , enfermidades, saúde mental e deficiências . Este subcampo também se sobrepõe à gerontologia e ao estudo do envelhecimento . A sociologia médica, por outro lado, concentra-se no funcionamento interno das organizações médicas e instituições clínicas. Na Grã-Bretanha, a sociologia foi introduzida no currículo médico após o Relatório Goodenough (1944). [136]

A sociologia do corpo e da corporificação [137] tem uma perspectiva ampla sobre a ideia de "corpo" e inclui "uma ampla gama de dinâmicas corporais, incluindo corpos humanos e não humanos, morfologia, reprodução humana, anatomia, fluidos corporais, biotecnologia , genética. Isso freqüentemente se cruza com a saúde e a doença, mas também com as teorias dos corpos como produções políticas, sociais, culturais, econômicas e ideológicas. [138] O ISA mantém um Comitê de Pesquisa dedicado ao "Corpo nas Ciências Sociais". [139] ]

Morte, luto

Um subcampo da sociologia da saúde e da doença que se sobrepõe à sociologia cultural é o estudo da morte, do morrer e do luto, [140] às vezes referido amplamente como a sociologia da morte . Este tópico é exemplificado pelo trabalho de Douglas Davies e Michael C. Kearl.

Conhecimento e da ciência

A sociologia do conhecimento é o estudo da relação entre o pensamento humano e o contexto social no qual ele surge, e dos efeitos que as idéias predominantes têm nas sociedades. O termo começou a ser amplamente utilizado na década de 1920, quando vários teóricos de língua alemã, principalmente Max Scheler e Karl Mannheim , escreveram extensivamente sobre ele. Com o domínio do funcionalismo em meados do século 20, a sociologia do conhecimento tendeu a permanecer na periferia do pensamento sociológico dominante. Foi amplamente reinventado e aplicado muito mais de perto à vida cotidiana na década de 1960, particularmente por Peter L. Berger e Thomas Luckmann emThe Social Construction of Reality (1966) e ainda é central para métodos que lidam com a compreensão qualitativa da sociedade humana (comparar a realidade socialmente construída ). Os estudos "arqueológicos" e "genealógicos" de Michel Foucault têm considerável influência contemporânea.

A sociologia da ciência envolve o estudo da ciência como uma atividade social, especialmente lidando "com as condições e efeitos sociais da ciência e com as estruturas e processos sociais da atividade científica". [141] Teóricos importantes na sociologia da ciência incluem Robert K. Merton e Bruno Latour . Esses ramos da sociologia têm contribuído para a formação dos estudos de ciência e tecnologia . Tanto a ASA quanto a BSA possuem seções dedicadas ao subcampo de Ciência, Conhecimento e Tecnologia. [142] [143] O ISA mantém um Comitê de Pesquisa em Ciência e Tecnologia. [144]

Lazer

Sociologia do lazer é o estudo de como os humanos organizam seu tempo livre. O lazer inclui uma ampla gama de atividades, como esporte , turismo e jogos. A sociologia do lazer está intimamente ligada à sociologia do trabalho, pois cada uma explora um lado diferente da relação trabalho-lazer. Os estudos mais recentes na área afastam-se da relação trabalho-lazer e enfocam a relação entre lazer e cultura. Esta área da sociologia começou com a teoria da classe ociosa de Thorstein Veblen . [145]

Paz, guerra e conflito

Este subcampo da sociologia estuda, de forma ampla, a dinâmica da guerra, resolução de conflitos, movimentos de paz, refugiados de guerra, resolução de conflitos e instituições militares. [146] Como um subconjunto deste subcampo, a sociologia militar visa o estudo sistemático dos militares como um grupo social ao invés de uma organização . É um subcampo altamente especializado que examina questões relacionadas ao pessoal de serviço como um grupo distinto com ação coletiva coagida baseada em interesses compartilhados ligados à sobrevivência na vocação e no combate , com propósitos e valores.que são mais definidos e restritos do que dentro da sociedade civil. A sociologia militar também diz respeito às relações civis- militares e às interações entre outros grupos ou agências governamentais. Os tópicos incluem os pressupostos dominantes defendidos pelos militares, mudanças na disposição dos militares de lutar, sindicalização militar, profissionalismo militar, o aumento da utilização de mulheres, o complexo militar-acadêmico-industrial, a dependência dos militares da pesquisa e o institucional e estrutura organizacional dos militares. [147]

Sociologia política

Historicamente, a sociologia política dizia respeito às relações entre a organização política e a sociedade. Uma pergunta típica de pesquisa nessa área poderia ser: "Por que tão poucos cidadãos americanos decidem votar?" [148] A esse respeito, as questões da formação da opinião política trouxeram alguns dos usos pioneiros da pesquisa estatística de Paul Lazarsfeld . Um subcampo importante da sociologia política desenvolveu-se em relação a tais questões, que se baseia na história comparada para analisar tendências sociopolíticas. O campo se desenvolveu a partir do trabalho de Max Weber e Moisey Ostrogorsky . [149]

A sociologia política contemporânea inclui essas áreas de pesquisa, mas foi aberta a questões mais amplas de poder e política. [150] Hoje os sociólogos políticos tendem a se preocupar com a forma como as identidades são formadas que contribuem para a dominação estrutural de um grupo sobre outro; a política de quem sabe como e com que autoridade; e questões de como o poder é contestado nas interações sociais de forma a provocar uma mudança cultural e social generalizada. Essas questões são mais prováveis ​​de serem estudadas qualitativamente. O estudo dos movimentos sociais e seus efeitos tem sido especialmente importante em relação a essas definições mais amplas de política e poder. [151]

A sociologia política também foi além do nacionalismo metodológico e analisou o papel das organizações não governamentais, a difusão do estado-nação em toda a Terra como uma construção social e o papel das entidades sem estado na sociedade mundial moderna . Os sociólogos políticos contemporâneos também estudam as interações interestatais e os direitos humanos .

População e demografia

Demógrafos ou sociólogos da população estudam o tamanho, a composição e as mudanças ao longo do tempo de uma determinada população. Os demógrafos estudam como essas características impactam ou são impactadas por vários sistemas sociais, econômicos ou políticos. O estudo da população também está intimamente relacionado à ecologia humana e à sociologia ambiental, que estuda a relação das populações com o meio ambiente circundante e muitas vezes se sobrepõe à sociologia urbana ou rural. Pesquisadores da área podem estudar o movimento das populações: transporte, migrações, diáspora, etc., que se enquadra no subcampo conhecido como Estudos de mobilidades e está intimamente relacionado à geografia humana . Os demógrafos também podem estudar a disseminação da doença em uma determinada população ou epidemiologia .

Sociologia pública

A sociologia pública se refere a uma abordagem da disciplina que busca transcender a academia para se envolver com públicos mais amplos. Talvez seja mais bem entendido como um estilo de sociologia do que como um método, teoria ou conjunto de valores políticos específicos. Essa abordagem está associada principalmente a Michael Burawoy, que a contrastou com a sociologia profissional, uma forma de sociologia acadêmica que se preocupa principalmente em se dirigir a outros sociólogos profissionais. A sociologia pública também faz parte do campo mais amplo da comunicação científica ou do jornalismo científico .

Raça e relações étnicas

A sociologia da raça e das relações étnicas é a área da disciplina que estuda as relações sociais , políticas e econômicas entre raças e etnias em todos os níveis da sociedade. Esta área abrange o estudo do racismo , segregação residencial e outros processos sociais complexos entre diferentes grupos raciais e étnicos. Essa pesquisa freqüentemente interage com outras áreas da sociologia, como estratificação e psicologia social , bem como com a teoria pós - colonial . No nível da política política, as relações étnicas são discutidas em termos de assimilacionismo oumulticulturalismo . [152] O anti-racismo constitui outro estilo de política, particularmente popular nas décadas de 1960 e 1970.

Religião

A sociologia da religião diz respeito às práticas, contextos históricos, desenvolvimentos, temas universais e papéis da religião na sociedade. [153] Há uma ênfase particular no papel recorrente da religião em todas as sociedades e ao longo da história registrada. A sociologia da religião se distingue da filosofia da religião no sentido de que os sociólogos não se propõem a avaliar a validade das afirmações religiosas da verdade, ao invés disso, assumem o que Peter L. Berger descreveu como uma posição de "ateísmo metodológico". [154] Pode-se dizer que a disciplina formal moderna da sociologia começou com a análise da religião no estudo de Durkheim de 1897 sobre as taxas de suicídio entre católicos romanose populações protestantes . Max Weber publicou quatro textos importantes sobre religião em um contexto de sociologia econômica e estratificação social : A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1905), A Religião da China: Confucionismo e Taoísmo (1915), A Religião da Índia: A Sociologia da Hinduism and Buddhism (1915) e Ancient Judaism (1920). Os debates contemporâneos geralmente se concentram em tópicos como secularização , religião civil , a interseção da religião e da economia e o papel da religião em um contexto de globalização e multiculturalismo .

Mudança social e desenvolvimento

A sociologia da mudança e do desenvolvimento tenta entender como as sociedades se desenvolvem e como podem ser mudadas. Isso inclui o estudo de muitos aspectos diferentes da sociedade, por exemplo, tendências demográficas, [155] tendências políticas ou tecnológicas [156] ou mudanças na cultura. Nesse campo, os sociólogos costumam usar métodos macrossociológicos ou métodos histórico-comparativos . Nos estudos contemporâneos de mudança social, há sobreposições com o desenvolvimento internacional ou com o desenvolvimento da comunidade . No entanto, a maioria dos fundadores da sociologia tinha teorias de mudança social baseadas em seu estudo da história. Por exemplo, Marxargumentou que as circunstâncias materiais da sociedade, em última análise, causaram os aspectos ideais ou culturais da sociedade, enquanto Weber argumentou que foram, de fato, os costumes culturais do protestantismo que deram início a uma transformação das circunstâncias materiais. Em contraste com ambos, Durkheim argumentou que as sociedades passaram do simples ao complexo por meio de um processo de evolução sociocultural . Os sociólogos dessa área também estudam os processos de globalização e imperialismo. Mais notavelmente, Immanuel Wallerstein estende a estrutura teórica de Marx para incluir grandes extensões de tempo e o globo inteiro no que é conhecido como teoria dos sistemas mundiais . A sociologia do desenvolvimento também é fortemente influenciada pelo pós-colonialismo. Nos últimos anos, Raewyn Connell fez uma crítica ao viés da pesquisa sociológica em relação aos países do Norte Global . Ela argumenta que esse viés cega os sociólogos para as experiências vividas no Sul Global , especificamente, a chamada "Teoria do Norte" carece de uma teoria adequada do imperialismo e do colonialismo.

Existem muitas organizações que estudam a mudança social, incluindo o Centro Fernand Braudel para o Estudo de Economias, Sistemas Históricos e Civilizações e o Projeto de Pesquisa da Mudança Social Global .

As redes sociais

Uma rede social é uma estrutura social composta por indivíduos (ou organizações) chamados de "nós", que estão ligados (conectados) por um ou mais tipos específicos de interdependência , como amizade , parentesco , troca financeira, antipatia, relações sexuais, ou relações de crenças, conhecimento ou prestígio. As redes sociais operam em muitos níveis, desde as famílias até o nível das nações, e desempenham um papel crítico na determinação da maneira como os problemas são resolvidos, as organizações são administradas e o grau de sucesso dos indivíduos em alcançar seus objetivos. Um pressuposto teórico subjacente da análise de redes sociais é que os grupos não são necessariamente os blocos de construção da sociedade: a abordagem está aberta ao estudo de sistemas sociais menos limitados, de comunidades não locais a redes de troca. Desenho teoricamente da sociologia relacional, a análise de redes sociais evita tratar os indivíduos (pessoas, organizações, estados) como unidades discretas de análise; em vez disso, concentra-se em como a estrutura dos laços afeta e constitui os indivíduos e seus relacionamentos. Em contraste com as análises que pressupõem que a socialização em normas determina o comportamento, a análise de rede procura ver até que ponto a estrutura e a composição dos laços afetam as normas. Por outro lado, pesquisas recentes de Omar Lizardo também demonstram que os laços de rede são moldados e criados por gostos culturais previamente existentes. [157] A teoria da rede social é geralmente definida na matemática formal e pode incluir a integração de dados geográficos no mapeamento social .

Psicologia social

A psicologia social sociológica se concentra em ações sociais em escala micro . Esta área pode ser descrita como aderente ao "miniaturismo sociológico", examinando sociedades inteiras através do estudo de pensamentos e emoções individuais, bem como do comportamento de pequenos grupos. [158] Uma preocupação especial para os sociólogos psicológicos é como explicar uma variedade de fatos demográficos, sociais e culturais em termos de interação social humana. Alguns dos principais tópicos neste campo são desigualdade social, dinâmica de grupo , preconceito, agressão, percepção social, comportamento de grupo, mudança social, comportamento não verbal, socialização, conformidade, liderança e identidade social. A psicologia social pode ser ensinada com ênfase psicológica . [159]Na sociologia, os pesquisadores neste campo são os usuários mais proeminentes do método experimental (no entanto, ao contrário de seus colegas psicológicos, eles também frequentemente empregam outras metodologias). A psicologia social analisa as influências sociais, bem como a percepção social e a interação social. [159]

Estratificação, pobreza e desigualdade

A estratificação social é o arranjo hierárquico dos indivíduos em classes sociais, castas e divisões dentro de uma sociedade. [25] : 225 A estratificação das sociedades ocidentais modernas tradicionalmente se relaciona com as classes culturais e econômicas organizadas em três camadas principais: classe alta, classe média e classe baixa , mas cada classe pode ser subdividida em classes menores (por exemplo, ocupacional ). [160] A estratificação social é interpretada de maneiras radicalmente diferentes dentro da sociologia. Proponentes do funcionalismo estruturalsugerem que, uma vez que a estratificação de classes e castas é evidente em todas as sociedades, a hierarquia deve ser benéfica na estabilização de sua existência. Os teóricos do conflito , por outro lado, criticam a inacessibilidade de recursos e a falta de mobilidade social em sociedades estratificadas.

Karl Marx distinguiu as classes sociais por sua conexão com os meios de produção no sistema capitalista: a burguesia possui os meios, mas isso inclui efetivamente o próprio proletariado, já que os trabalhadores só podem vender sua própria força de trabalho (formando a base material da superestrutura cultural ) Max Weber criticou o determinismo econômico marxista , argumentando que a estratificação social não é baseada puramente em desigualdades econômicas, mas em outros status e diferenciais de poder (por exemplo, patriarcado ). De acordo com Weber, a estratificação pode ocorrer entre pelo menos três variáveis ​​complexas:

  1. Propriedade (classe): a posição econômica de uma pessoa em uma sociedade, com base no nascimento e nas realizações individuais. [25] : 243 Weber difere de Marx por não ver isso como o fator supremo na estratificação. Weber observou como os gerentes de corporações ou indústrias controlam empresas que não possuem; Marx teria colocado tal pessoa no proletariado.
  2. Prestígio (status): o prestígio de uma pessoa ou popularidade em uma sociedade. Isso pode ser determinado pelo tipo de trabalho ou riqueza dessa pessoa.
  3. Poder (partido político): a capacidade de uma pessoa de conseguir o que quer, apesar da resistência dos outros. Por exemplo, indivíduos em empregos públicos, como um funcionário do Federal Bureau of Investigation, ou um membro do Congresso dos Estados Unidos, podem possuir poucas propriedades ou status, mas ainda assim detêm um poder imenso. [161]

Pierre Bourdieu fornece um exemplo moderno nos conceitos de capital cultural e simbólico . Teóricos como Ralf Dahrendorf notaram a tendência para uma classe média ampliada nas sociedades ocidentais modernas, particularmente em relação à necessidade de uma força de trabalho educada em economias tecnológicas ou baseadas em serviços. [162] Perspectivas em relação à globalização, como a teoria da dependência , sugerem que esse efeito se deve ao deslocamento de trabalhadores para os países em desenvolvimento . [163]

Urbana e sociologia rural

A sociologia urbana envolve a análise da vida social e da interação humana nas áreas metropolitanas. É uma disciplina que busca fornecer conselhos para o planejamento e a formulação de políticas. Após a revolução industrial , obras como The Metropolis and Mental Life (1903) , de Georg Simmel , focaram na urbanização e no efeito que ela teve sobre a alienação e o anonimato. Nas décadas de 1920 e 1930, a Escola de Chicago produziu um grande corpo teórico sobre a natureza da cidade, importante tanto para a sociologia urbana quanto para a criminologia, utilizando o interacionismo simbólico como método de pesquisa de campo. A pesquisa contemporânea é comumente colocada em um contexto de globalização , por exemplo, em Saskia Sassenestudo da " cidade global ". [164] A sociologia rural, em contraste, é a análise de áreas não metropolitanas. Como a agricultura e a natureza tendem a ser um fato social mais proeminente nas regiões rurais, os sociólogos rurais costumam se sobrepor aos sociólogos ambientais.

Sociologia Comunidade

Freqüentemente agrupada com a sociologia urbana e rural está a sociologia da comunidade ou a sociologia da comunidade. [165] Tomando várias comunidades - incluindo comunidades online - como a unidade de análise, os sociólogos da comunidade estudam a origem e os efeitos de diferentes associações de pessoas. Por exemplo, o sociólogo alemão Ferdinand Tönnies distinguiu entre dois tipos de associação humana: gemeinschaft (geralmente traduzido como "comunidade") e gesellschaft ("sociedade" ou "associação"). Em sua obra de 1887, Gemeinschaft und Gesellschaft , Tönnies argumentou que a Gemeinschaft é percebida como uma entidade social mais rígida e coesa, devido à presença de uma "unidade de vontade".[166]O 'desenvolvimento' ou 'saúde' de uma comunidade também é uma preocupação central dos sociólogos comunitários também envolvidos na sociologia do desenvolvimento, exemplificada pela literatura em torno do conceito de capital social .

Outras disciplinas acadêmicas

A sociologia se sobrepõe a uma variedade de disciplinas que estudam a sociedade, em particular antropologia , ciência política , economia , serviço social e filosofia social . Muitos campos comparativamente novos, como estudos de comunicação , estudos culturais , demografia e teoria literária , recorrem a métodos que se originaram na sociologia. Os termos " ciência social " e " pesquisa social " ganharam certo grau de autonomia desde sua origem na sociologia clássica. O campo distinto da antropologia socialou a antroposociologia é o constituinte dominante da antropologia em todo o Reino Unido e Commonwealth e grande parte da Europa ( França em particular), [167] onde se distingue da antropologia cultural . [168] Nos Estados Unidos, a antropologia social é comumente incluída na antropologia cultural (ou sob a designação relativamente nova de antropologia sociocultural ). [ citação necessária ]

A sociologia e a sociologia aplicada estão ligadas à disciplina profissional e acadêmica do serviço social . [169] Ambas as disciplinas estudam interações sociais, comunidade e o efeito de vários sistemas (ou seja, família, escola, comunidade, leis, esfera política) no indivíduo. [170] No entanto, o serviço social é geralmente mais focado em estratégias práticas para aliviar disfunções sociais; a sociologia em geral fornece um exame completo das causas básicas desses problemas. [171] Por exemplo, um sociólogo pode estudar por que uma comunidade é atormentada pela pobreza. O sociólogo aplicado estaria mais focado em estratégias práticas sobre o queprecisa ser feito para aliviar esse fardo. A assistente social estaria focada na ação ; implementar essas estratégias "direta" ou "indiretamente" por meio de terapia de saúde mental , aconselhamento , defesa , organização comunitária ou mobilização comunitária . [170]

A antropologia social é o ramo da antropologia que estuda como os seres humanos vivos contemporâneos se comportam em grupos sociais . Os praticantes da antropologia social, como os sociólogos, investigam várias facetas da organização social . Tradicionalmente, os antropólogos sociais analisaram as sociedades não industriais e não ocidentais, enquanto os sociólogos se concentraram nas sociedades industrializadas do mundo ocidental. Nos últimos anos, no entanto, a antropologia social expandiu seu foco para as sociedades ocidentais modernas, o que significa que as duas disciplinas convergem cada vez mais. [172] [169]

A antropologia sociocultural , que inclui a antropologia linguística , está preocupada com o problema da diferença e semelhança dentro e entre as populações humanas. A disciplina surgiu concomitantemente com a expansão dos impérios coloniais europeus, e suas práticas e teorias foram questionadas e reformuladas junto com os processos de descolonização. Tais questões ressurgiram à medida que processos transnacionais desafiaram a centralidade do estado-nação para teorizações sobre cultura e poder . Novos desafios surgiram como debates públicos sobre multiculturalismo, e o uso crescente do conceito de cultura fora da academia e entre os povos estudados pela antropologia. Esses tempos não são "business-as-usual" na academia, na antropologia ou no mundo, se é que houve tempos assim.

Irving Louis Horowitz , em seu The Decomposition of Sociology (1994), argumentou que a disciplina, embora venha de uma "linhagem e tradição distintas", está em declínio devido a uma teoria profundamente ideológica e uma falta de relevância para a formulação de políticas: " a decomposição da sociologia começou quando esta grande tradição tornou-se sujeita ao pensamento ideológico, e uma tradição inferior emergiu na esteira dos triunfos totalitários. " [173]Além disso: "Um problema ainda não mencionado é que o mal-estar da sociologia deixou todas as ciências sociais vulneráveis ​​ao positivismo puro - a um empirismo sem qualquer base teórica. Indivíduos talentosos que poderiam, anteriormente, ter entrado na sociologia estão em busca de estímulo intelectual nos negócios , direito, ciências naturais e até mesmo a escrita criativa; isso drena a sociologia de um potencial muito necessário. " [173] Horowitz cita a falta de uma 'disciplina central' como um agravante do problema. Randall Collins , Dorothy Swaine Thomas Professor de Sociologia na Universidade da Pensilvânia e membro do Conselho de Editores Consultivos do Social Evolution & Historyjornal, expressou sentimentos semelhantes: "perdemos toda a coerência como disciplina, estamos nos separando em um conglomerado de especialidades, cada uma seguindo seu próprio caminho e sem nenhuma consideração muito alta uma pela outra." [174]

Em 2007, o The Times Higher Education Guide publicou uma lista dos “autores de livros mais citados nas ciências humanas” (incluindo filosofia e psicologia). Sete dos dez primeiros estão listados como sociólogos: Michel Foucault (1), Pierre Bourdieu (2), Anthony Giddens (5), Erving Goffman (6), Jürgen Habermas (7), Max Weber (8) e Bruno Latour ( 10). [175]

Diários

Os periódicos gerais mais bem cotados que publicam pesquisas originais no campo da sociologia são o American Journal of Sociology e o American Sociological Review . [176] A Annual Review of Sociology , que publica ensaios de revisão originais, também é bem avaliada. [176] Existem muitas outras revistas generalistas e especializadas.

Veja também

Notas

  1. ^ Veja Ramos da filosofia islâmica primitiva .
  2. ^ Veja também Fauré, Christine e Jacques Guilhaumou. 2006. "Sieyès et le non-dit de la sociologie: du mot à la choose." Revue d'histoire des sciences humaines 15. Naissances de la science sociale. Veja também o artigo 'sociologie' na Wikipedia em francês.

Referências

Citations

  1. ^ O dicionário americano da ciência da herança. 2011. " sociologia ". Dictionary.com . Casa aleatória. Página visitada em 20 de abril de 2020.
  2. ^ Dicionário das Ciências Sociais (2008) [2002]. Calhoun, Craig (ed.). "Sociologia" . Nova York: Oxford University Press - via American Sociological Association .
  3. ^ "Sociologia: Um Major do Século 21" (PDF) . Colgate University . American Sociological Association. Arquivado do original (PDF) em 18 de outubro de 2017 . Retirado em 19 de julho de 2017 .
  4. ^ a b c d e f g Ashley, David e David M. Orenstein. 2005. Teoria Sociológica: Declarações Clássicas (6ª ed.). Boston: Pearson Education .
  5. ^ a b Giddens, Anthony, Duneier, Mitchell, Applebaum, Richard. 2007. Introdução à Sociologia. Sexta Edição. Nova York: WW Norton and Company. Capítulo 1.
  6. ^ a b Macy, Michael W .; Willer, Robert (2002). "De Fatores a Atores: Sociologia Computacional e Modelagem Baseada em Agentes". Revisão Anual de Sociologia . 28 : 143–66. doi : 10.1146 / annurev.soc.28.110601.141117 . JSTOR 3069238 . 
  7. ^ Lazer, David; Pentland, Alex; Adamic, L; Aral, S; Barabasi, AL; Brewer, D; Christakis, N; Contratante, N; et al. (6 de fevereiro de 2009). "Ciências Sociais Computacionais" . Ciência . 323 (5915): 721–23. doi : 10.1126 / science.1167742 . PMC 2745217 . PMID 19197046 .  
  8. ^ Kahle, Lynn R .; Valette-Florence, Pierre (2012). Estilos de vida do Marketplace em uma era de mídia social . Nova York: ME Sharpe, Inc. ISBN  978-0-7656-2561-8.
  9. ^ H Nettleship, um dicionário de antiguidades clássicas (Londres 1894) p. 67
  10. ^ Halsey, AH 2004. Uma história da sociologia em Grã-Bretanha: Ciência, literatura e sociedade. p. 34
  11. ^ Mitchell, Geoffrey Duncan. 1970. Um Novo Dicionário de Sociologia . p. 201
  12. ^ Wardī, ʻAlī (1950). "Uma análise sociológica da teoria de Ibn Khaldun: Um estudo na sociologia do conhecimento" . UT Electronic Theses and Dissertations . Universidade do Texas em Austin - por meio das Bibliotecas da Universidade do Texas.
  13. ^ Dhaouadi, Mahmoud (1990). "Ibn Khaldun: The founding father of eastern sociology". International Sociology. 5 (3): 319–35. doi:10.1177/026858090005003007. S2CID 143508326.
  14. ^ Hassan, Faridah Hj. "Ibn Khaldun and Jane Addams: The Real Father of Sociology and the Mother of Social Works". Faculty of Business Management. Universiti Teknologi Mara. CiteSeerX 10.1.1.510.3556.
  15. ^ Soyer, Mehmet, and Paul Gilbert. 2012. "Debating the Origins of Sociology Ibn Khaldun as a Founding Father of Sociology." International Journal of Sociological Research 5(2):13–30. — via ResearchGate.
  16. ^ Dr; Akhtar, S.W. (1997). "The Islamic Concept of Knowledge". Al-Tawhid: A Quarterly Journal of Islamic Thought & Culture. 12: 3.
  17. ^ Haque, Amber (2004). "Psychology from Islamic Perspective: Contributions of Early Muslim Scholars and Challenges to Contemporary Muslim Psychologists". Journal of Religion and Health. 43 (4): 357–77 [375]. doi:10.1007/s10943-004-4302-z. S2CID 38740431.
  18. ^ Enan, Muhammed Abdullah (2007). Ibn Khaldun: His Life and Works. The Other Press. p. v. ISBN 978-983-9541-53-3.
  19. ^ Alatas, S. H. (2006). "The Autonomous, the Universal and the Future of Sociology" (PDF). Current Sociology. 54: 7–23 [15]. doi:10.1177/0011392106058831. S2CID 144226604.
  20. ^ Warren E. Gates (July–September 1967). "The Spread of Ibn Khaldun's Ideas on Climate and Culture". Journal of the History of Ideas. 28 (3): 415–22 [415]. doi:10.2307/2708627. JSTOR 2708627.
  21. ^ H. Mowlana (2001). "Information in the Arab World", Cooperation South Journal 1.
  22. ^ Granger, Frank (1911). Historical sociology: A textbook of politics. London: Methuen & Co. p. 1.
  23. ^ Sieyès, Emmanuel-Joseph. 1999 & 2007 [1773–1799]. Des Manuscrits de Sieyès. 1773–1799 1 & 2, edited by C. Fauré. Paris: Champion. ISBN 978-2745302601.
  24. ^ Scott, John, and Gordon Marshall. 2015 [2009]. "Comte, Auguste" in A Dictionary of Sociology. New York: Oxford University Press. eISBN 9780191726842. – via Oxford References (subscription required)
  25. ^ a b c d e f g Macionis, John, and Linda Gerber. 2010. Sociology (7th Canadian ed.). Toronto: Pearson Canada. ISBN 978-0-13-700161-3.
  26. ^ Dictionary of the Social Sciences, Article: Comte, Auguste
  27. ^ Bourdeau, Michel (2018) [2008]. "Auguste Comte". Stanford Encyclopaedia of Philosophy. Metaphysics Research Lab, Stanford University. ISSN 1095-5054. Retrieved 4 November 2011.
  28. ^ Copleson, Frederick S.J. 1994 [1974]. A History of Philosophy: IX Modern Philosophy. New York: Image Books. p. 118.
  29. ^ Calhoun, Craig J. (2002). Classical Sociological Theory. Oxford: Wiley-Blackwell. p. 19. ISBN 978-0-631-21348-2.
  30. ^ a b Berlin, Isaiah. 1967 [1937]. Karl Marx: His Life and Environment (3rd ed.). New York: Time Inc Book Division.
  31. ^ Perrin, Robert G. (1995). "Émile Durkheim's Division of Labor and the Shadow of Herbert Spencer". Sociological Quarterly. 36 (4): 791–808. doi:10.1111/j.1533-8525.1995.tb00465.x.
  32. ^ a b Commager, Henry Steele (1959). The American mind: an interpretation of American thought and character since 1880s. ISBN 978-0-300-00046-7.
  33. ^ Durkheim, Émile. 1895. The Rules of the Sociological Method. Cited in Wacquant (1992).
  34. ^ a b c d e f g h i j Wacquant, Loic. 1992. "Positivism." In Bottomore, Tom and William Outhwaite, ed., The Blackwell Dictionary of Twentieth-Century Social Thought
  35. ^ Halfpenny, Peter. Positivism and Sociology: Explaining Social Science. London:Allen and Unwin, 1982.
  36. ^ Fish, Jonathan S. 2005. 'Defending the Durkheimian Tradition. Religion, Emotion and Morality' Aldershot: Ashgate Publishing.
  37. ^ Gartell, C. David; Gartell, John (1996). "Positivism in sociological practice: 1967–1990". Canadian Review of Sociology. 33 (2): 2. doi:10.1111/j.1755-618X.1996.tb00192.x.
  38. ^ Boudon, Raymond (1991). "Review: What Middle-Range Theories are". Contemporary Sociology. 20 (4): 519–22. doi:10.2307/2071781. JSTOR 2071781.
  39. ^ Rickman, H.P. (1960) The Reaction against Positivism and Dilthey's Concept of Understanding, The London School of Economics and Political Science. p. 307
  40. ^ Weber, Max (1946). From Max Weber: essays in sociology. New York: Oxford University Press.
  41. ^ Guglielmo., Rinzivillo (2010). La scienza e l'oggetto : autocritica del sapere strategico. Milano: Angeli. pp. 52+. ISBN 9788856824872. OCLC 894975209.
  42. ^ Tönnies, Ferdinand. 2001. Community and Civil Society, edited by J. Harris. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-56782-3.
  43. ^ Weber, Max. 1991 [1922]. "The Nature of Social Action." In Weber: Selections in Translation, edited by W.G. Runciman. Cambridge: Cambridge University Press.
  44. ^ Kaern, Michael, Bernard S. Phillips, and Robert S. Cohen, eds. 1990. Georg Simmel and Contemporary Sociology. Springer Publishing. ISBN 978-0-7923-0407-4. p. 15.
  45. ^ a b Levine, Donald (ed) 'Simmel: On individuality and social forms' Chicago University Press, 1971. pxix.
  46. ^ Levine, Donald. ed. 1971. Simmel: On individuality and social forms. Chicago: Chicago University Press. p. 6.
  47. ^ Simmel, Georg. 1971 [1903]. "The Metropolis and Mental Life." In Simmel: On individuality and social forms, edited by D. Levine. Chicago: Chicago University Press. p. 324.
  48. ^ Dibble, Vernonk. 1975. The Legacy of Albion Small. Chicago: University of Chicago Press.
  49. ^ Gianfranco Poggi (2000). Durkheim. Oxford: Oxford University Press.
  50. ^ Durkheim, Émile. 1964 [1895] The Rules of Sociological Method (8th ed.), translated by S. A. Solovay and J. M. Mueller, edited by G. E. G. Catlin. p. 45.
  51. ^ Habermas, Jürgen. 1990. The Philosophical Discourse of Modernity: Modernity's Consciousness of Time. Polity Press. ISBN 0-7456-0830-2. p. 2.
  52. ^ "Max Weber – Stanford Encyclopaedia of Philosophy". Plato.stanford.edu. 24 August 2007. Retrieved 5 January 2010.
  53. ^ a b Harriss, John. The Second Great Transformation? Capitalism at the End of the Twentieth Century in Allen, T. and Thomas, Alan (eds) Poverty and Development in the 21st Century', Oxford University Press, Oxford. p. 325.
  54. ^ "Sociology – History of Sociology | Encyclopedia.com: Oxford Companion to United States History". Encyclopedia.com. Archived from the original on 5 July 2010. Retrieved 5 January 2010.
  55. ^ "University of Kansas Sociology Department Webpage". Ku.edu. Archived from the original on 27 June 2006. Retrieved 20 April 2009.
  56. ^ a b "American Journal of Sociology Website". Journals.uchicago.edu. 1 January 1970. Retrieved 20 April 2009.
  57. ^ Miller, David (2009). George Herbert Mead: Self, Language, and the World. University of Texas Press. ISBN 0-292-72700-3.
  58. ^ 1930: The Development of Sociology at Michigan. pp. 3–14 in Sociological Theory and Research, being Selected papers of Charles Horton Cooley, edited by Robert Cooley Angell, New York: Henry Holt
  59. ^ Camic, Charles (1992). "Reputation and Predecessor Selection: Parsons and the Institutionalists". American Sociological Review. 57 (4): 421–45. doi:10.2307/2096093. JSTOR 2096093.
  60. ^ Morrison, Ken. 2006 Marx, Durkheim, Weber (2nd ed.). Sage. pp. 1–7.
  61. ^ "British Journal of Sociology Website". Lse.ac.uk. 2 April 2009. Archived from the original on 23 October 2007. Retrieved 20 April 2009.
  62. ^ Leonard Trelawny Hobhouse. Bookrags. Retrieved 4 November 2011.
  63. ^ "Pioneers of the social sciences". The London School of Economics and Political Science. 11 February 2013. Retrieved 18 December 2014.
  64. ^ Hill, Michael R. (2002) "Harriet Martineau: theoretical and methodological perspectives" Routledge. ISBN 0-415-94528-3
  65. ^ Bendix, Reinhard (1977). Max Weber: An Intellectual Portrait. University of California Press. ISBN 978-0-520-03194-4.
  66. ^ "Frankfurt School". (2009). from Encyclopædia Britannica Online. Retrieved 12 September 2009.
  67. ^ ISA. "Home | International Sociological Association". International Sociological Association. Retrieved 4 November 2011.
  68. ^ Abend, Gabriel (June 2008). "The Meaning of 'Theory'" (PDF). Sociological Theory. 26 (2): 173–199. doi:10.1111/j.1467-9558.2008.00324.x. S2CID 6885329.
  69. ^ Collins, R. (1994). library.wur.nl. New York: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-508702-4.
  70. ^ Steven E. Barkan. "Theoretical Perspectives in Sociology". Sociology: Understanding and Changing the Social World, Brief Edition. Retrieved 18 December 2014.
  71. ^ Michael Hechter; Satoshi Kanazawa (1997). "Sociological Rational Choice Theory". Annual Review of Sociology. 23: 191–214. doi:10.1146/annurev.soc.23.1.191. JSTOR 2952549. S2CID 14439597.
  72. ^ Coleman, James S., and Thomas J. Fararo. 1992. Rational Choice Theory. New York: Sage.
  73. ^ Raewyn Connell (2007). Southern theory: the global dynamics of knowledge in social science. Polity. ISBN 978-0-7456-4248-2.[page needed]
  74. ^ Roscoe C. Hinkle (1982). "Reconstructing the History of Sociological Theory" (PDF). Mid-American Review of Sociology. 7 (1): 37–53. doi:10.17161/STR.1808.4915. Retrieved 18 December 2014.
  75. ^ Urry, John (2000). "Metaphors". Sociology beyond societies: mobilities for the twenty-first century. Routledge. p. 23. ISBN 978-0-415-19089-3.
  76. ^ Eric Porth; Kimberley Neutzling; Jessica Edwards. "Anthropological Theories: A Guide Prepared by Students for Students: Anthropological theories: Functionalism". Department of Anthropology College of Arts and Sciences The University of Alabama. Retrieved 4 November 2011.
  77. ^ Giddens, Anthony. "The Constitution of Society". In Philip Cassell (ed.). The Giddens Reader. MacMillan Press. p. 88.
  78. ^ Durkheim, Émile. 1984 [1893]. The Division of Labor in Society. New York: The Free Press.
  79. ^ Marx, Karl, and Friedrich Engels. 1998 [1848]. The Communist Manifesto, introduction by M. Malia. New York: Penguin Group. p. 35. ISBN 0-451-52710-0.
  80. ^ Macionis, John J. 2012. Sociology (14th ed.). Boston: Pearson. p. 16. ISBN 978-0-205-11671-3
  81. ^ a b Fine, Gary Alan, ed. 1995. A Second Chicago School?: The Development of a Postwar American Sociology. Chicago: University of Chicago Press. ISBN 978-0-226-24938-4.[page needed]
  82. ^ Whitford, Josh. 2002. "Pragmatism and the untenable dualism of means and ends: Why rational choice theory does not deserve paradigmatic privilege." Theory & Society 31:325–63.
  83. ^ Emerson, R.M. (1976). "Social Exchange Theory". Annual Review of Sociology. 2 (1): 335–62. doi:10.1146/annurev.so.02.080176.002003.
  84. ^ Duane Rousselle (24 May 2019). Jacques Lacan and American Sociology. Palgrave MacMillan. p. 4. ISBN 9783030197261. Retrieved 28 February 2021.
  85. ^ Roscoe C. Hinkle. Developments in American Sociological Theory, 1915–1950. SUNY Press. p. 335. ISBN 978-1-4384-0677-0. Retrieved 18 December 2014.
  86. ^ Coakley, Jay J.; Dunning, Eric (2000). Handbook of Sports Studies. SAGE. ISBN 978-1-4462-6505-5.
  87. ^ Slattery, Martin. 1993. Key Ideas in Sociology. Cheltenham: Nelson Thornes, Ltd.
  88. ^ Barnes, B. 1995. The Elements of Social Theory. London: UCL Press. Quoted in Jay J. Coakley, Eric Dunning, Handbook of sports studies
  89. ^ Cassell, Philip. 1993. The Giddens Reader. The Macmillan Press. p. 6.
  90. ^ Martin, John Levi (2011). The Explanation of Social Action. Oxford University Press.
  91. ^ Christian Smith (2014). The Sacred Project of American Sociology. Oxford University Press. p. 142. ISBN 978-0-19-937714-5. Retrieved 18 December 2014.
  92. ^ [1][dead link]
  93. ^ Assiter, Alison (1984). "Althusser and Structuralism". The British Journal of Sociology. 35 (2): 272–296. doi:10.2307/590235. JSTOR 590235.
  94. ^ Turner, Jonathan H. 1991. "Part 5: Structural Theorizing" in The Structure of Sociological Theory (5th ed.). Belmont, CA: Wadsworth Publishing.[page needed]
  95. ^ a b c Lizardo, Omar (2010). "Beyond the antinomies of structure: Levi-Strauss, Giddens, Bourdieu, and Sewell". Theory and Society. 39 (6): 651–88. doi:10.1007/s11186-010-9125-1. S2CID 145106592.
  96. ^ Fararo, Thomas J.; Butts, Carter T. (1999). "Advances in generative structuralism: structured agency and multilevel dynamics". Journal of Mathematical Sociology. 24 (1): 1–65. doi:10.1080/0022250x.1999.9990228.
  97. ^ Giddens, Anthony. "The Constitution of Society" in The Giddens Reader, edited by P. Cassell. MacMillan Press. p. 89.
  98. ^ Habermas, Jürgen. 1986. "Taking Aim at the Heart of the Present." In Foucault: A Critical Reader, edited by D. Hoy. Oxford: Basil Blackwell.
  99. ^ Rorty, Richard. 1986. "Foucault and Epistemology." In Foucault: A Critical Reader, edited by D. Hoy. Oxford: Basil Blackwell.
  100. ^ Archer, Margaret S., and Jonathan Q. Tritt. 2013. Rational Choice Theory: Resisting Colonisation, edited by J. Q. Tritt. Routledge. ISBN 978-0-415-24271-4.[page needed]
  101. ^ Archer, Margaret Scotford (1995). Realist Social Theory: The Morphogenetic Approach. Cambridge University Press. p. 65. ISBN 978-0-521-48442-8.
  102. ^ Giddens, A. (1996). The Constitution of Society. California: University of California Press. pp. 14–19. ISBN 978-0-520-05728-9.
  103. ^ Bamberger, Michael. "Opportunities and Challenges for Integrating Quantitative and Qualitative Research". INTGENDERTRANSPORT. World Bank Group.
  104. ^ a b c Haralambos & Holborn. Sociology: Themes and perspectives (2004) 6th ed, Collins Educational. ISBN 978-0-00-715447-0. Chapter 14: Methods
  105. ^ Hunter, Laura; Leahey, Erin (2008). "Collaborative Research in Sociology: Trends and Contributing Factors". American Sociologist. 39 (4): 290–306. doi:10.1007/s12108-008-9042-1. S2CID 145390103.
  106. ^ Hanson, Barbara (2008). "Whither Qualitative/Quantitative?: Grounds for Methodological Convergence". Quality and Quantity. 42: 97–111. doi:10.1007/s11135-006-9041-7. S2CID 144513805.
  107. ^ a b Grant, Linda; Ward, Kathryn B.; Rong, Xue Lan (1 January 1987). "Is There An Association between Gender and Methods in Sociological Research?". American Sociological Review. 52 (6): 856–62. doi:10.2307/2095839. JSTOR 2095839.
  108. ^ Martin, Patricia Yancey; Turner, Barry A. (1986). "Grounded Theory and Organizational Research". The Journal of Applied Behavioral Science. 22 (2): 141–157. doi:10.1177/002188638602200207. S2CID 143570174.
  109. ^ Jost, JT; Kay, AC (2005). "Exposure to benevolent sexism and complementary gender stereotypes: Consequences for specific and diffuse forms of system justification" (PDF). Journal of Personality and Social Psychology. 88 (3): 498–509. CiteSeerX 10.1.1.333.6801. doi:10.1037/0022-3514.88.3.498. PMID 15740442. Archived from the original (PDF) on 4 September 2013. Retrieved 8 September 2010.
  110. ^ Administration for Children and Families (2010) The Program Manager's Guide to Evaluation. Chapter 2: What is program evaluation?.
  111. ^ Shackman, Gene. "What Is Program Evaluation: A Beginner's Guide". The Global Social Change Research Project. SSRN 3060080. Cite journal requires |journal= (help)
  112. ^ Bainbridge, William Sims 2007. "Computational Sociology." In Blackwell Encyclopedia of Sociology, edited by G. Ritzer. Blackwell Reference Online. ISBN 978-1-4051-2433-1. doi:10.1111/b.9781405124331.2007.x  – via Wiley Online Library (subscription required).
  113. ^ Epstein, JM; Axell, R (1996). Growing Artificial Societies: Social Science from the Bottom Up. Washington, DC: Brookings Institution Press. ISBN 978-0-262-05053-1.
  114. ^ Axelrod, Robert (1997). The Complexity of Cooperation: Agent-Based Models of Competition and Collaboration. Princeton, NJ: Princeton University Press. ISBN 978-0-691-01568-2.
  115. ^ Casti, J. (1999). "The Computer as Laboratory: Toward a Theory of Complex Adaptive Systems". Complexity. 4 (5): 12–14. doi:10.1002/(SICI)1099-0526(199905/06)4:5<12::AID-CPLX3>3.0.CO;2-4.
  116. ^ Goldspink, C. (2002). "Methodological Implications of Complex Systems Approaches to Sociality: Simulation as a Foundation for Knowledge". 5 (1). Journal of Artificial Societies and Social Simulation. Cite journal requires |journal= (help)
  117. ^ Gilbert, Nigel; Troitzsch, Klaus (2005). "Simulation and social science". Simulation for Social Scientists (2nd ed.). Open University Press.
  118. ^ Epstein, Joshua (2007). Generative Social Science: Studies in Agent-Based Computational Modeling. Princeton, NJ: Princeton University Press. ISBN 978-0-691-12547-3.
  119. ^ Lizardo, Omar (27 August 2006). "the sociology of culture versus cultural sociology". orgtheory.net – via WordPress.
  120. ^ Edgell, Penny (6 January 2009). "General Info". Sociology of Culture and Cultural Sociology (Instructor blog). University of Minnesota. Archived from the original on 6 May 2015. Retrieved 4 April 2015.
  121. ^ Griswold, Wendy (2012). Cultures and Societies in a Changing World. ISBN 978-1-4129-9054-7.
  122. ^ Bourdieu, Pierre. 1996 [1992]. Rules of Art: Genesis and Structure of the Literary Field (Les Règles de L'Art: Genèse et Structure du Champ Littéraire), translated by S. Emanuel.
  123. ^ "Robert K. Merton Remembered". Retrieved 2 December 2009.
  124. ^ Banakar, Reza. 2009. "Law Through Sociology's Looking Glass: Conflict and Competition in Sociological Studies of Law." Pp. 58–73 in The New ISA Handbook in Contemporary International Sociology: Conflict, Competition, and Cooperation, edited by A. Denis and D. Kalekin-Fishman. London: Sage.
  125. ^ Western, Bruce. 2006. Punishment and Inequality in America. New York: Russel Sage.
  126. ^ ASA. "Section on Communications and Information Technologies". American Sociological Association. asanet.org. Archived from the original on 2 April 2015. Retrieved 4 April 2015.
  127. ^ Wilson, D. R. 2004. Researching Sociology on the Internet. London: Thomson/Wadsworth. ISBN 0-534-62437-5.
  128. ^ Castells, Manuel. 2001. The Internet Galaxy: Reflections on the Internet, Business and Society. Oxford, Oxford University Press.
  129. ^ "Principles of Economic Sociology by Richard Swedberg – An extract". Retrieved 2 December 2009.
  130. ^ Watson, Tony J. 2008. Sociology, Work, and Industry. London: Routledge. ISBN 0-415-43555-2. p. 392.
  131. ^ Gordon Marshall (ed) A Dictionary of Sociology (Article: Sociology of Education), Oxford University Press, 1998
  132. ^ Hanushek, Eric A. (1998) "Conclusions and Controversies about the Effectiveness of School Resources" Economic Policy Review Federal Reserve Bank of New York, 4(1): pp. 11–27, accessed 30 December 2008.
  133. ^ a b c d Castiello, Umberto, Cristina Becchio, Stefania Zoia, Cristian Nelini, et al. 2010. "Wired to be Social: The Ontogeny of Human Interaction." PLOS One 5(10). doi:10.1371/journal.pone.0013199. PMID 20949058. — via National Center for Biotechnology Information, U.S. National Library of Medicine.
  134. ^ Bose, Christine (2012). "Intersectionality and Global Gender Inequality". Gender & Society. 26 (1): 67–72. doi:10.1177/0891243211426722. S2CID 145233506.
  135. ^ Seybold, Kevin S.; Peter C. Hill (February 2001). "The Role of Religion and Spirituality in Mental and Physical Health". Current Directions in Psychological Science. 10 (1): 21–24. doi:10.1111/1467-8721.00106. S2CID 144109851.
  136. ^ "British Sociological Association: Medical Sociology". BSA. Archived from the original on 17 June 2008. Retrieved 23 October 2009.
  137. ^ ASA. "Section on Sociology of the Body and Embodiment". American Sociological Association. Archived from the original on 18 April 2015. Retrieved 4 April 2015.
  138. ^ BSA. "Ageing, Body and Society Study Group". The British Sociological Association. Archived from the original on 14 July 2014.
  139. ^ ISA. "RC54 The Body in the Social Sciences | Research Committee". International Sociological Association. Madrid: University Complutense.
  140. ^ BSA. "Social Aspects of Death, Dying and Bereavement Study Group". The British Sociological Association. Archived from the original on 14 July 2014.
  141. ^ Ben-David, Joseph; Teresa A. Sullivan (1975). "Sociology of Science". Annual Review of Sociology. 1: 203–22. doi:10.1146/annurev.so.01.080175.001223. Archived from the original on 26 August 2003. Retrieved 29 November 2006.
  142. ^ "American Sociological Association: Section on Science, Knowledge and Technology". asanet.org. Archived from the original on 21 March 2015. Retrieved 4 April 2015.
  143. ^ "The British Sociological Association". Archived from the original on 14 July 2014.
  144. ^ ISA. "RC23 Sociology of Science and Technology | Research Committees". International Sociological Association. Madrid: University Complutense.
  145. ^ Lueschen, G (1980). "Sociology of Sport: Development, Present State, and Prospects". Annual Review of Sociology. 6: 315–47. doi:10.1146/annurev.so.06.080180.001531.
  146. ^ ASA (12 December 2013). "Section on Peace, War, and Social Conflict". American Sociological Association. Retrieved 4 April 2015.
  147. ^ Siebold, Guy (2001). "Core Issues and Theory in Military Sociology". Journal of Political and Military Sociology. Archived from the original on 31 May 2005. Retrieved 14 July 2008.
  148. ^ Piven, F. 1988. Why Americans Don't Vote: And Why Politicians Want it That Way Pantheon. ISBN 0-679-72318-8
  149. ^ Lipset, Seymour Martin. 1982 [1964]. "Introduction: Ostrogorski and the Analytical Approach to the Comparative Study of Political Parties." In Democracy and the Organisation of Political Parties 2, edited by S. M. Lipset.
  150. ^ Nash, Kate. 2009. Contemporary Political Sociology: Globalization, Politics and Power at Google Books. John Wiley & Sons. ISBN 978-1-4443-2077-0. Retrieved 4 November 2011.
  151. ^ Porta, Donatella Della; Diani, Mario (2009). Social movements: an introduction – Donatella Della Porta, Mario Diani. ISBN 978-1-4051-4821-4. Retrieved 4 November 2011.
  152. ^ Louw, Milton. 22 February 2012. "Oldest Coloured Owned Business in Namibia." Making A Better World on Blogger.
  153. ^ Christiano, Kevin J., et al. 2008. Sociology of Religion: Contemporary Developments (2nd ed.). Lanham, MD: Rowman & Littlefield. ISBN 978-0-7425-6111-3.
  154. ^ Berger, Peter L. 1990 [1967].The Sacred Canopy: Elements of a Sociological Theory of Religion. Anchor Books. ISBN 0-385-07305-4
  155. ^ Shackman, Gene; Wang, Xun; Liu, Yalin. "Brief Review of World Demographic Trends Summary". SSRN. Retrieved 13 June 2017.
  156. ^ Silberglitt, Richard; Anton, Philip; Howell, David. "The Global Technology Revolution 2020, In-Depth Analyses Bio/Nano/Materials/Information Trends, Drivers, Barriers, and Social Implications". Rand. Retrieved 13 June 2017.
  157. ^ Lizardo, Omar (October 2006). "How cultural tastes shape personal networks". American Sociological Review. 71 (5): 778–807. doi:10.1177/000312240607100504. JSTOR 25472427. S2CID 14492041.
  158. ^ Stolte, John F; Fine, Gary Alan; Cook, Karen S. (2001). "Sociological miniaturism: seeing the big through the small in social psychology". Annual Review of Sociology. 27: 387–413. doi:10.1146/annurev.soc.27.1.387.
  159. ^ a b "What Is Social Psychology – An Introduction to Social Psychology". Psychology.about.com. Retrieved 1 June 2010.
  160. ^ Saunders, Peter (1990). Social Class and Stratification. Routledge. ISBN 978-0-415-04125-6.
  161. ^ Stark, Rodney (2006). Sociology. Wadsworth Publishing. ISBN 978-0-495-09344-2.
  162. ^ Dahrendorf, Ralf. 1959. Class and Class Conflict in Industrial Society. Stanford: Stanford University Press.
  163. ^ Bornschier V. 1996. Western Society in Transition. New Brunswick, NJ: Transaction Publishers.
  164. ^ Sassen, Saskia (2001) [1991]. The Global City: New York, London, Tokyo (2nd ed.). Princeton, NJ: Princeton University Press. ISBN 978-0-691-07063-6.
  165. ^ ASA. "Section on Community and Urban Sociology". American Sociological Association. Archived from the original on 15 March 2015. Retrieved 4 April 2015.
  166. ^ Tönnies, Ferdinand. 1887. Gemeinschaft und Gesellschaft. p. 22.
  167. ^ Dianteill, Erwan. 2012. "Cultural Anthropology or Social Anthropology? A Transatlantic Dispute." L’Année sociologique 62(2012/1):93-122.
  168. ^ QAA. 2007. Anthropology. Mansfield, UK: Quality Assurance Agency for Higher Education. Archived from the original 21 September 2013. ISBN 978-1-84482-778-7.
  169. ^ a b "Sociology and Its Relationships to Other Social Sciences" (PDF). National Organisation of Sociology. Archived from the original (PDF) on 26 June 2011.
  170. ^ a b Kirst-Ashman, K.K.; Hull, G H. (2009). Generalist Practice with Organisations and Communities (4th ed.). Belmont, CA: Brooks/Cole Cengage Learning. ISBN 978-0-495-50715-4.
  171. ^ Hepworth, D.H, Rooney, R.H., Rooney, G.D, Strom-Gottfried, K., Larsen, J.A. (2006). "1". Direct Social Work Practice. Belmont, CA: Thomson Brooks/Cole. ISBN 978-0-534-64458-1.CS1 maint: uses authors parameter (link)
  172. ^ Janes, Craig Robert; Stall, Ron; Gifford, Sandra M (1986). James Trostle. Springer. ISBN 978-90-277-2248-5. Retrieved 8 September 2009.
  173. ^ a b Horowitz, Irving (1994) The Decomposition of Sociology Oxford University Press. pp. 3–9
  174. ^ Collins, Randall as cited in Horowitz, Irving. 1994. The Decomposition of Sociology. Oxford University Press. pp. 3–9.
  175. ^ "The most cited authors of books in the humanities". timeshighereducation.co.uk. 26 March 2009. Retrieved 16 November 2009.
  176. ^ a b "2011 Journal Citation Reports". Web of Science (Social Sciences ed.). Thomson Reuters. 2011. Missing or empty |url= (help)

Sources

External links