Paulo freire

Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Ir para navegação Pular para pesquisar

Paulo freire
Paulo Freire 1977.jpg
Freire em 1977
Nascer
Paulo Reglus Neves Freire

( 1921/09/19 )19 de setembro de 1921
Recife , Pernambuco , Brasil
Faleceu2 de maio de 1997 (02/05/1997)(com 75 anos)
Partido politicoPartido dos Trabalhadores
Cônjuge (s)
  • Elza Freire
    ( M.  1944; morreu 1986)
  • Ana Maria Araújo Freire
    ( M.  1988)
    [1]
Experiência acadêmica
Alma materUniversidade de recife
Influências
Trabalho acadêmico
Disciplina
Escola ou tradição
Alunos de doutoradoMario Sergio Cortella
Obras notáveisPedagogia do Oprimido (1968)
Ideias notáveis
Influenciado

Paulo Reglus Neves Freire [a] (19 de setembro de 1921 - 2 de maio de 1997) foi um educador e filósofo brasileiro que foi um dos principais defensores da pedagogia crítica . Seu influente trabalho Pedagogia do Oprimido é geralmente considerado um dos textos fundamentais do movimento da pedagogia crítica, [37] [38] [39] e foi o terceiro livro mais citado nas ciências sociais em 2016, de acordo com o Google Scholar . [40]

Biografia [ editar ]

Freire nasceu em 19 de setembro de 1921 em uma família de classe média em Recife , capital do estado de Pernambuco . Ele se familiarizou com a pobreza e a fome desde cedo como resultado da Grande Depressão . Em 1931 sua família mudou-se para a cidade mais acessível de Jaboatão dos Guararapes , 18 km a oeste de Recife. Seu pai morreu em 31 de outubro de 1934. [41]

Durante sua infância e adolescência , Freire acabou quatro graus para trás, e sua vida social girava em torno de jogar pick-up de futebol com outras crianças pobres, de quem ele diz ter aprendido muito. Essas experiências moldariam suas preocupações com os pobres e ajudariam a construir seu ponto de vista educacional particular. Freire afirmou que a pobreza e a fome afetaram severamente sua capacidade de aprender. Essas experiências influenciaram sua decisão de se dedicar a melhorar a vida dos pobres: "Não entendia nada por causa da minha fome. Não era burro. Não era falta de interesse. Minha condição social não permitia para me formar. A experiência me mostrou mais uma vez a relação entre classe social e conhecimento ”. [42] Eventualmente, os infortúnios de sua família mudaram e suas perspectivas melhoraram. [ citação necessária ]

Freire ingressou na faculdade de direito da Universidade do Recife em 1943. Também estudou filosofia, mais especificamente fenomenologia , e psicologia da linguagem . Embora admitido na ordem dos advogados, nunca exerceu a advocacia e, em vez disso, trabalhou como professor de português no ensino secundário . Em 1944, casa-se com Elza Maia Costa de Oliveira, também professora. Os dois trabalharam juntos e tiveram cinco filhos. [ citação necessária ]

Em 1946, Freire foi nomeado diretor da Secretaria de Educação e Cultura de Pernambuco . Trabalhando principalmente entre os pobres analfabetos, Freire começou a desenvolver uma práxis educacional que teria influência no movimento da teologia da libertação dos anos 1970. No Brasil dos anos 1940, a alfabetização era um requisito para votar nas eleições presidenciais . [43] [44]

Freire em 1963

Em 1961, foi nomeado diretor do Departamento de Extensão Cultural da Universidade do Recife. Em 1962, teve a primeira oportunidade de aplicação em larga escala de suas teorias, quando, em um experimento, 300 colhedores de cana-de-açúcar aprenderam a ler e escrever em apenas 45 dias. Em resposta a essa experiência, o governo brasileiro aprovou a criação de milhares de círculos culturais [ necessitamos de esclarecimentos ] em todo o país. [45]

O golpe de estado brasileiro de 1964 pôs fim ao esforço de alfabetização de Freire, pois a junta militar governante não o endossou. Freire foi posteriormente preso como traidor por 70 dias. Após um breve exílio na Bolívia , Freire trabalhou no Chile por cinco anos para o Movimento de Reforma Agrária Democrática Cristã e para a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação . Em 1967, Freire publicou seu primeiro livro, Education as the Practice of Freedom . Em seguida, publicou sua obra mais famosa, Pedagogia do Oprimido , publicada pela primeira vez em 1968.

Após uma recepção internacional positiva de seu trabalho, Freire recebeu a oferta de professor visitante na Universidade de Harvard em 1969. No ano seguinte, Pedagogia do Oprimido foi publicado em espanhol e inglês, expandindo amplamente seu alcance. Por causa de rixas políticas entre Freire, um socialista cristão , e sucessivos governos militares autoritários de direita , o livro ficou inédito no Brasil até 1974, quando, a partir da presidência de Ernesto Geisel , a junta militar iniciou um processo de lenta e controlada liberalização política . [ citação necessária ]

Após um ano em Cambridge , Massachusetts , Freire mudou-se para Genebra para trabalhar como consultor de educação especial para o Conselho Mundial de Igrejas . Durante este período, Freire atuou como assessor de reforma educacional em várias ex -colônias portuguesas na África , particularmente na Guiné-Bissau e em Moçambique .

Em 1979, ele visitou o Brasil pela primeira vez após mais de uma década de exílio , voltando em 1980. Freire ingressou no Partido dos Trabalhadores (PT) em São Paulo e atuou como supervisor de seu projeto de alfabetização de adultos de 1980 a 1986. Quando o O Partido dos Trabalhadores venceu as eleições para a prefeitura de São Paulo em 1988, Freire foi nomeado secretário municipal de Educação .

Freire morreu de insuficiência cardíaca no dia 2 de maio de 1997, em São Paulo. [46]

Pedagogia [ editar ]

Não existe um processo educacional neutro. A educação ou funciona como um instrumento que serve para facilitar a integração das gerações na lógica do sistema atual e fazer com que ele se adapte, ou se torna a "prática da liberdade", o meio pelo qual homens e mulheres lidam criticamente com a realidade. e descubra como participar da transformação de seu mundo.

-  Jane Thompson, baseado em Paulo Freire [47]

Paulo Freire contribuiu com uma filosofia da educação que mesclava abordagens clássicas derivadas de Platão e pensadores marxistas , pós-marxistas e anticolonialistas modernos. Sua Pedagogia do oprimido (1968) pode ser lido como uma extensão, ou responder a, Frantz Fanon 's Os condenados da Terra (1961), que enfatizou a necessidade de fornecer populações nativas com uma educação que era ao mesmo tempo novo e moderno , ao invés de tradicional, e anticolonial - não simplesmente uma extensão da cultura colonizadora. Freire considerou a Revolução Cultural chinesa contemporânea um exemplo de sua noção de ação cultural e elogiouAs inovações de Mao Zedong na teoria e práxis marxistas . [48]

Na Pedagogia do Oprimido , Freire, reprisando a distinção opressor-oprimido , aplica a distinção à educação, defendendo que a educação deve permitir que o oprimido recupere seu senso de humanidade, por sua vez, superando sua condição. No entanto, ele reconhece que para que isso ocorra, o indivíduo oprimido deve ter um papel na sua libertação.

Nenhuma pedagogia verdadeiramente libertadora pode permanecer distante dos oprimidos tratando-os como desafortunados e apresentando para sua emulação modelos entre os opressores. Os oprimidos devem ser o seu próprio exemplo na luta pela sua redenção. [49]

Da mesma forma, os opressores devem estar dispostos a repensar seu modo de vida e a examinar seu próprio papel na opressão para que ocorra a verdadeira libertação: “Quem se compromete autenticamente com o povo deve se reexaminar constantemente”. [50]

Freire acreditava que a educação não podia ser divorciada da política; o ato de ensinar e aprender são considerados atos políticos em si. Freire definiu essa conexão como um princípio fundamental da pedagogia crítica . Professores e alunos devem estar cientes da política que envolve a educação. A maneira como os alunos são ensinados e o que são ensinados atende a uma agenda política. Os próprios professores têm noções políticas que trazem para a sala de aula. [51] Freire acreditava que

A educação faz sentido porque as mulheres e os homens aprendem que, aprendendo, podem se fazer e se refazer, porque as mulheres e os homens são capazes de assumir a responsabilidade por si mesmos como seres capazes de saber - de saber que sabem e de que não sabem. [52]

As críticas ao "modelo de banco" da educação [ editar ]

Em termos de pedagogia, Freire é mais conhecido por seu ataque ao que chamou de conceito "bancário" de educação, no qual os alunos são vistos como contas vazias a serem preenchidas pelos professores. Ele observa que "transforma os alunos em objetos receptores [e] tentativas de controlar o pensamento e a ação, levando homens e mulheres a se ajustarem ao mundo, inibindo [ndo] seu poder criativo". [53] A crítica básica não era inteiramente nova e era paralela à concepção de Jean-Jacques Rousseau das crianças como aprendizes ativos , em oposição a uma visão da tabula rasa , mais semelhante ao modelo bancário. [ carece de fontes? ] John Deweytambém foi fortemente crítico da transmissão de meros fatos como o objetivo da educação. Dewey frequentemente descreveu a educação como um mecanismo de mudança social , afirmando que "a educação é uma regulação do processo de vir a compartilhar a consciência social; e que o ajuste da atividade individual com base nessa consciência social é o único método seguro de reconstrução social ". [54] O trabalho de Freire reviveu essa visão e a colocou em contexto com teorias e práticas contemporâneas de educação, lançando as bases para o que mais tarde seria denominado pedagogia crítica .

Cultura do silêncio [ editar ]

De acordo com Freire, as relações sociais desiguais criam uma "cultura do silêncio" que instila uma autoimagem negativa, passiva e reprimida nos oprimidos, e os alunos devem, então, desenvolver uma consciência crítica para reconhecer que essa cultura do silêncio é criada. oprimir. [55] Uma cultura do silêncio também pode fazer com que os "indivíduos dominados percam os meios pelos quais responder criticamente à cultura que lhes é imposta por uma cultura dominante". [56]

Ele considera que as dinâmicas sociais, raciais e de classe estão entrelaçadas no sistema educacional convencional, por meio do qual essa cultura do silêncio elimina os "caminhos de pensamento que levam a uma linguagem de crítica ". [57]

Legado e impacto [ editar ]

Desde a publicação da edição em inglês em 1970, a Pedagogia do Oprimido teve um grande impacto na educação e na pedagogia em todo o mundo, [58] especialmente como uma obra definidora de pedagogia crítica . De acordo com o escritor israelense e teórico da reforma educacional Sol Stern , "alcançou um status quase icônico nos programas de treinamento de professores da América". [59] Conexões também foram feitas entre a teoria do não dualismo de Freire na pedagogia e as tradições filosóficas orientais, como o Advaita Vedanta . [60]

Em 1977, o Projeto de Aprendizagem de Adultos, baseado no trabalho de Freire, foi estabelecido no bairro Gorgie-Dalry de Edimburgo , Escócia. [61] Este projeto teve a participação de aproximadamente 200 pessoas nos primeiros anos, e tinha entre seus objetivos fornecer oportunidades de aprendizagem locais relevantes e acessíveis e construir uma rede de tutores locais. [61] Na Escócia, as idéias de Freire sobre a educação popular influenciaram os movimentos ativistas [62] não apenas em Edimburgo, mas também em Glasgow . [63]

Os principais expoentes de Freire na América do Norte são Henry Giroux , Peter McLaren , Donaldo Macedo , Antonia Darder , Joe L. Kincheloe , Carlos Alberto Torres , Ira Shor e Shirley R. Steinberg . [ carece de fontes? ] Um dos textos editados pela McLaren, Paulo Freire: A Critical Encounter , expõe o impacto de Freire no campo da pedagogia crítica . A McLaren também forneceu um estudo comparativo entre Paulo Freire e o ícone revolucionário argentino Che Guevara. O trabalho de Freire influenciou o movimento matemático radical nos Estados Unidos, que enfatiza as questões de justiça social e a pedagogia crítica como componentes do currículo matemático. [64]

Na África do Sul, as ideias e métodos de Freire foram centrais para o Movimento da Consciência Negra dos anos 1970 , frequentemente associado a Steve Biko , [65] [66] , bem como ao movimento sindical nas décadas de 1970 e 1980, e a Frente Democrática Unida nos anos 1980 . [67] Há um Projeto Paulo Freire na Universidade de KwaZulu-Natal em Pietermaritzburg . [68]

Em 1991, o Instituto Paulo Freire foi criado em São Paulo para ampliar e desenvolver suas teorias de educação popular . O instituto iniciou projetos em vários países e está sediada na Escola de Pós-Graduação em Educação e Estudos da Informação da UCLA , onde mantém ativamente os arquivos de Freire. Seu diretor é o professor Carlos Torres da UCLA , autor de várias obras freirianas, entre elas A praxis educativa de Paulo Freire , de 1978 . [ citação necessária ]

Em 1999, PAULO, uma organização nacional de treinamento em homenagem a Freire, foi fundada no Reino Unido. Esta agência foi aprovada pelo Novo Governo Trabalhista para representar cerca de 300.000 profissionais de educação baseados na comunidade que trabalham em todo o Reino Unido. PAULO recebeu a responsabilidade formal de definir os padrões de treinamento ocupacional para as pessoas que trabalham nesta área. [ citação necessária ]

O Projeto Paulo e Nita Freire de Pedagogia Crítica Internacional foi fundado na McGill University . Aqui, Joe L. Kincheloe e Shirley R. Steinberg trabalharam para criar um fórum dialógico para estudiosos críticos em todo o mundo para promover a pesquisa e recriar uma pedagogia freiriana em um domínio multinacional. Após a morte de Kincheloe, o projeto foi transformado em um recurso global virtual. [ citação necessária ]

Em 2012, um grupo de educadores no oeste de Massachusetts , Estados Unidos, recebeu permissão para nomear uma escola pública com o nome de Freire. A Holyoke , Massachusetts, Escola Paulo Freire da Carta de Justiça Social foi inaugurada em setembro de 2013. [69] A escola mudou-se para o antigo prédio da Escola Secundária Papa Francis Católica em Chicopee, Massachusetts , em 2019. [70]

Em 2012, a Paolo Freire Charter High School foi inaugurada em Newark, New Jersey . O estado fechou a escola em 2017 devido a resultados defasados ​​em testes e falta de "rigor instrucional". [71]

Pouco antes de sua morte, Freire estava trabalhando em um livro de ecopedagogia , uma plataforma de trabalho realizada por muitos dos Institutos Freire e Associações Freirianas ao redor do mundo hoje. Tem sido influente em ajudar a desenvolver projetos de educação planetária, como a Carta da Terra , bem como inúmeras campanhas populares internacionais no espírito da educação popular freiriana em geral. [ citação necessária ]

Os métodos de alfabetização freirianos foram adotados em todo o mundo em desenvolvimento . [ onde? ] Nas Filipinas, as " comunidades cristãs basais " católicas adotaram os métodos de Freire na educação comunitária . [ carece de fontes? ] Papua Nova Guiné, os métodos de alfabetização freireanos foram usados ​​como parte da Campanha de Alfabetização do Programa de Desenvolvimento Rural das Terras Altas do Sul financiado pelo Banco Mundial. As abordagens freirianas também estão no cerne da abordagem "Dragon Dreaming" para programas comunitários que se espalharam por 20 países até 2014. [ carece de fontes? ]

Prêmios e homenagens [ editar ]

Bibliografia [ editar ]

Freire escreveu e co-escreveu mais de 20 livros sobre educação, pedagogia e temas relacionados. [74]

Algumas de suas obras incluem:

  • Freire, P. (1970). Pedagogia do Oprimido . Nova York, Continuum.
  • Freire, P. (1970). Ação Cultural pela Liberdade . [Cambridge], Harvard Educational Review.
  • Freire, P. (1973). Educação para a consciência crítica . Nova York, Seabury Press.
  • Freire, P. (1975). Conscientização . Genebra, Conselho Mundial de Igrejas.
  • Freire, P. (1976). Educação, a prática da liberdade . London, Writers and Readers Publishing Cooperative.
  • Freire, P. (1978). Pedagogia em processo: as cartas à Guiné-Bissau . Nova York, A Continuum Book: The Seabury Press.
  • Freire, P. (1985). A política da educação: cultura, poder e libertação . South Hadley, Massachusetts, Bergin & Garvey.
  • Freire, P. e DP Macedo (1987). Alfabetização: Lendo a Palavra e o Mundo . South Hadley, Mass., Bergin & Garvey Publishers.
  • Freire, P. e I. Shor (1987). Freire for the Classroom: A Sourcebook for Liberators Teaching .
  • Freire, P. e H. Giroux & P. ​​McLaren (1988). Professores como intelectuais: em direção a uma pedagogia crítica da aprendizagem .
  • Freire, P. e I. Shor (1988). Guerras Culturais: Escola e Sociedade na Restauração Conservadora, 1969–1984 .
  • Freire, P. (1993). Pedagogia da Cidade . Nova York, Continuum.
  • Faundez, Antonion e Paulo Freire (1992). Aprendendo a questionar: uma pedagogia da libertação . Trans. Tony Coates, Nova York, Continuum.
  • Freire, P. e AMA Freire (1994). Pedagogia da Esperança: Revivendo a Pedagogia do Oprimido . Nova York, Continuum.
  • Freire, P. (1997). Tutoria do Mentor: Um Diálogo Crítico com Paulo Freire . Nova York, P. Lang.
  • Freire, P. e AMA Freire (1997). Pedagogia do Coração . Nova York, Continuum.
  • Freire, P. (1998). Pedagogia da liberdade: ética, democracia e coragem cívica . Lanham, Rowman & Littlefield Publishers.
  • Freire, P. (1998). Política e educação . Los Angeles, Publicações do UCLA Latin American Center.
  • Freire, P. (1998). Professores como trabalhadores culturais: Cartas para aqueles que ousam ensinar . Boulder, Colorado, Westview Press.

Veja também [ editar ]

Notas [ editar ]

Referências [ editar ]

Notas de rodapé [ editar ]

  1. ^ Stone 2013 , p. 45
  2. ^ a b Kirkendall 2010 , p. 21
  3. ^ Clare nd ; Díaz nd .
  4. ^ a b Arney 2007 , p. 30; Clare nd ; Díaz nd .
  5. ^ Clare nd ; Díaz nd ; Lake & Dagostino 2013 , pp. 101–102.
  6. ^ Díaz nd ; Mayo 2013 , p. 53
  7. ^ Clare nd ; Reynolds 2013 , p. 140
  8. ^ Blunden 2013 , p. 11; Clare nd ; Díaz nd ; Ordóñez 1981 , p. 100
  9. ^ Kahn & Kellner 2008 , p. 30
  10. ^ Clare nd ; Peters e Besley 2015 , p. 3
  11. ^ Rocha 2018 , pp. 371–372.
  12. ^ Clare nd ; Díaz nd ; Kress e Lake 2013 , p. 30; Lake & Dagostino 2013 , p. 111; Ordóñez 1981 , pp. 100-101.
  13. ^ https://iftm.edu.br/simpos/2018/anais/758-%20Pronto%20ANAIS.pdf
  14. ^ Ordóñez 1981 , pp. 100-101; Peters e Besley 2015 , p. 3
  15. ^ a b c d e f g h i j Díaz nd .
  16. ^ Rocha 2018 , pp. 371–372, 379.
  17. ^ Fateh 2020 , pág. 2
  18. ^ http://vcg.emitto.net/index.php/vcg/reviewBoard
  19. ^ Ballengee Morris 2008 , pp. 55, 60, 65.
  20. ^ Ballengee Morris 2008 , p. 55
  21. ^ Kirylo 2011 , pp. 244–245.
  22. ^ Luschei e Soto-Peña 2019 , p. 122
  23. ^ Flecha 2013 , p. 21
  24. ^ Kohan 2018 , p. 619.
  25. ^ Prodnik e Hamelink 2017 , p. 271.
  26. ^ Díaz nd ; Kirylo 2011 , pp. 251–252.
  27. ^ http://www.personal.psu.edu/faculty/k/t/ktk2/syllabi/3362/khome.html
  28. ^ Kirylo 2011 , p. xxii.
  29. ^ Lankshear, Colin ; Peters, Michael A. (2020). "Lá, pela fortuna: uma vida acadêmica 'acidental'. Parte 1: dos 'direitos' à 'alfabetização ' " . PESA Agora . Filosofia da Sociedade de Educação da Austrália . Retirado em 16 de setembro de 2020 .
  30. ^ https://thelearningexchange.ca/projects/allan-luke-the-new-literacies/ aprox. 1:47
  31. ^ https://cabodostrabalhos.ces.uc.pt/n14/documentos/06_MoaraCrivelente.pdf
  32. ^ Kirylo 2011 , p. 258.
  33. ^ Cruz 2013 , p. 8; Díaz nd .
  34. ^ https://www.gaconflict.org/our-programs?32d2740e_page=2
  35. ^ Díaz nd ; Kirylo , 2011 , p. 267.
  36. ^ Díaz nd ; Kirylo , 2011 , p. 269.
  37. ^ Wyllie, Justin (7 de junho de 2012) [2010]. "Resenha da Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire " . O novo observador . Retirado em 20 de setembro de 2020 .
  38. ^ Barmania, Sima (26 de outubro de 2011). “Por que a 'Pedagogia do Oprimido' de Paulo Freire é tão relevante hoje quanto sempre” . The Independent Blogs. The Independent . Londres. Arquivado do original em 30 de abril de 2012 . Página visitada em 12 de novembro de 2012 .
  39. ^ "Paulo Freire" . infed . 2002. Arquivado do original em 29 de outubro de 2012 . Página visitada em 12 de novembro de 2012 .
  40. ^ Elliott D. Green (12 de maio de 2016). "Quais são as publicações mais citadas nas ciências sociais (de acordo com o Google Scholar)?" . LSE Research Online . Escola de Economia e Ciência Política de Londres . Página visitada em 7 de maio de 2021 .
  41. ^ Freire 1996 .
  42. ^ Stevens, Christy. “Paulo Freire” . Pedagogia crítica na web . Iowa City, Iowa: University of Iowa. Arquivado do original em 6 de fevereiro de 2012 . Retirado em 20 de setembro de 2020 .
  43. ^ Bethell 2000 .
  44. ^ "O Grande Salto para a Frente: A Economia Política da Educação no Brasil, 1889-1930" . HBS Working Knowledge . 29 de abril de 2010 . Página visitada em 6 de abril de 2018 .
  45. ^ Oxman, Richard. "Garantindo doçura para as almas da cana: uma homenagem a Paulo Freire | Contracorrentes" . Retirado em 7 de setembro de 2021 .
  46. ^ Pace, Eric (6 de maio de 1997). “Paulo Freire, 75, Está morto; Educador dos Pobres do Brasil” . The New York Times . p. D23. ISSN 0362-4331 . Página visitada em 6 de abril de 2018 . 
  47. ^ Mayo 1999 , p. 5
  48. ^ Freire 1985 , p. 106; Grollios 2016 , p. 118
  49. ^ Freire , 1971 , p. 39
  50. ^ Freire , 1971 , p. 47
  51. ^ Kincheloe 2008 .
  52. ^ Freire 2016 , p. 15
  53. ^ Freire , 1971 , p. 64
  54. ^ Dewey 1897 , p. 16
  55. ^ "Educação marxista: Educação por Freire" . Tx.cpusa.org. Arquivado do original em 25 de outubro de 2016 . Página visitada em 12 de novembro de 2012 .
  56. ^ "Paulo Freire" . Education.miami.edu. Arquivado do original em 26 de março de 2013 . Página visitada em 12 de novembro de 2012 .
  57. ^ Giroux, Henry A. (2001). “Cultura, Poder e Transformação na Obra de Paulo Freire”. Em Schultz, Fred (ed.). Fontes: Seleções Notáveis ​​em Seleções Educacionais na Educação (3ª ed.). Nova York: McGraw-Hill Dushkin. p. 80Citado em Cortez, John. " Cultura, Poder e Transformação na Obra de Paulo Freire , de Henry A. Giroux" (PDF) . Nova York: Fordham University. p. 5 . Retirado em 18 de setembro de 2020 .
  58. ^ Aitken & Shaw 2018 ; McKenna 2013 ; Salas 2018 .
  59. ^ Stern, solenóide (primavera de 2009). “Pedagogia do Opressor” . City Journal . Nova York: Manhattan Institute for Policy Research . Retirado em 18 de setembro de 2020 .
  60. ^ Sriraman 2008 .
  61. ^ a b Kirkwood & Kirkwood 2011 .
  62. ^ Kane 2010 .
  63. ^ "Paulo Freire" . HeraldScotland . Página visitada em 20 de junho de 2019 .
  64. ^ "Radical Math" . www.radicalmath.org .
  65. ^ Timmel, Sally (29 de dezembro de 2015). "Anne Hope - uma mulher de substância no movimento anti-apartheid" . Cape Times . Cidade do Cabo . Retirado em 18 de setembro de 2020 .
  66. ^ Libertação e Desenvolvimento: Programas Comunitários de Consciência Negra na África do Sul , Leslie Anne Hadfield, 2016
  67. ^ Pithouse, Richard (4 de agosto de 2017). "A arte de ouvir está no cerne da verdadeira democracia" . Correio e guardião . Joanesburgo . Retirado em 18 de setembro de 2020 .
  68. ^ "Projeto Paulo Freire" . cae.ukzn.ac.za .
  69. ^ Vaznis, James (28 de fevereiro de 2012). "Estado aprova quatro novas escolas charter" . The Boston Globe . Retirado em 18 de setembro de 2020 .
  70. ^ Christensen, Dusty (24 de junho de 2021). “Dezenas protestam enquanto a escola licenciada Paulo Freire mata metade de seus professores” . Daily Hampshire Gazette . Página visitada em 30 de outubro de 2021 .
  71. ^ Clark, Adam (2 de março de 2017). "Aqui estão as razões específicas pelas quais NJ fechou essas 4 escolas charter" . nj.com . Página visitada em 30 de outubro de 2021 .
  72. ^ "Hall da Fama da Educação Continuada Internacional para Adultos" . www.halloffame.outreach.ou.edu . Arquivado do original em 6 de março de 2015 . Retirado em 3 de março de 2015 .
  73. ^ "Graus honorários | Início | Universidade de Illinois em Chicago" . commencement.uic.edu .
  74. ^ "bibliografia« Pedagogia do Oprimido " . Pedagogyoftheoppressed.com. Arquivado do original em 28 de setembro de 2012 . Página visitada em 12 de novembro de 2012 .

Trabalhos citados [ editar ]

Outras leituras [ editar ]

  • Coben, Diana (1998). Heróis radicais: Gramsci, Freire e a política da educação de adultos . Nova York: Garland Press.
  • Darder, Antonia (2015). Freire e a educação . Nova York: Routledge. ISBN 978-0-415-53840-4.
  •  ———  (2017). Reinventando Paulo Freire: Uma Pedagogia do Amor (2ª ed.). Nova York: Routledge. ISBN 978-1-138-67531-5.
  • Elias, John (1994). Paulo Freire: Pedagogo da Libertação . Flórida: Krieger.
  • Ernest, Paul ; Greer, Brian; Sriraman, Bharath , eds. (2009). Questões críticas na educação matemática . The Montana Mathematics Enthusiast: Monograph Series in Mathematics Education. Charlotte, Carolina do Norte: Publicação da Era da Informação. ISBN 978-1-60752-039-9.
  • Freire, Ana Maria Araújo; Vittoria, Paolo (2007). "Diálogo sobre Paulo Freire" . Revista Interamericana de Educação para a Democracia . 1 (1): 97–117. ISSN  1941-7799 . Retirado em 16 de setembro de 2020 .
  • Freire, Paulo, ed. (1997). Tutoria do Mentor: Um Diálogo Crítico com Paulo Freire . Contrapontos: Estudos na Teoria Pós-moderna da Educação. 60 . Nova York: Peter Lang. ISBN 978-0-8204-3798-9.
  • Gadotti, Moacir (1994). Lendo Paulo Freire: sua vida e obra . Traduzido por Milton, John. Albany, Nova York: State University of New York Press. ISBN 978-0-7914-1923-6.
  • Gibson, Richard (1994). A Alfabetização Prometéica: a Pedagogia da Leitura, Práxis e Libertação de Paulo Freire (dissertação). University Park, Pensilvânia: Pennsylvania State University. Arquivado do original em 9 de novembro de 2006 . Retirado em 16 de setembro de 2020 .
  • Gottesman, Isaac (2016). A virada crítica na educação: da crítica marxista ao feminismo pós-estruturalista às teorias críticas da raça . Nova York: Routledge. doi : 10.4324 / 9781315769967 . ISBN 978-1-315-76996-7.
  • Kirylo, James D .; Boyd, Drick (2017). Paulo Freire: sua fé, espiritualidade e teologia . Rotterdam, Holanda: Sense Publishers. doi : 10.1007 / 978-94-6351-056-1 . ISBN 978-94-6351-056-1.
  • Mann, Bernhard , Os conceitos pedagógicos e políticos de Mahatma Gandhi e Paulo Freire. In: Claußen, B. (Ed.) Estudos Internacionais em Socialização Política e íon. Bd. 8. Hamburgo 1996. ISBN 3-926952-97-0 
  • McLaren, Peter (2000). Che Guevara, Paulo Freire e a Pedagogia da Revolução . Lanham, Maryland: Rowman & Littlefield. ISBN 978-0-8476-9533-1.
  • McLaren, Peter ; Lankshear, Colin , eds. (1994). Política de libertação: caminhos de Freire . Londres: Routledge.
  • McLaren, Peter ; Leonard, Peter, eds. (1993). Paulo Freire: Um Encontro Crítico (PDF) . Londres: Routledge. ISBN 978-0-203-42026-3. Arquivado (PDF) do original em 12 de julho de 2019 . Retirado em 16 de setembro de 2020 .
  • Mayo, Peter (2004). Praxis libertadora: o legado de Paulo Freire para a política e a educação radical . Estudos Críticos em Educação e Cultura. Westport, Connecticut: Praeger Publishers. ISBN 978-0-89789-786-0. ISSN  1064-8615 .
  • Morrow, Raymond A .; Torres, Carlos Alberto (2002). Leitura de Freire e Habermas: pedagogia crítica e mudança social transformadora . Nova York: Teachers College Press. ISBN 978-0-8077-4202-0.
  • O'Cadiz, Maria del Pilar; Wong, Pia Lindquist; Torres, Carlos Alberto (1997). Educação e Democracia: Paulo Freire, Movimentos Sociais e Reforma Educacional em São Paulo . Boulder, Colorado: Westview Press.
  • Roberts, Peter (2000). Educação, alfabetização e humanização explorando a obra de Paulo Freire . Westport, Connecticut: Bergin & Garvey.
  • Rossatto, César Augusto (2005). Engajando a Pedagogia da Possibilidade de Paulo Freire: do cego ao otimismo transformador . Lanham: Rowman e Littlefield. ISBN 978-0-7425-7836-4.
  • Schugurensky, Daniel (2011). Paulo Freire . Londres: Continuum.
  • Taylor, Paul V. (1993). Os Textos de Paulo Freire . Buckingham, Inglaterra: Open University Press.
  • Torres, Carlos Alberto (2014). Primeiro Freire: Primeiros escritos em educação para a justiça social . Nova York: Teachers College Press. ISBN 978-0-8077-5533-4.
  • Vittoria, Paolo (2016). Narrando Paulo Freire: Para uma Pedagogia do Diálogo . Londres: Editora IEPS.

Ligações externas [ editar ]

Prêmios
Novo prêmio Prêmio de Desenvolvimento Internacional King Baudouin
1980–1981
Com: Grupo Consultivo para
Pesquisa Agrícola Internacional
Sucedido por
Precedido por Prêmio UNESCO de Educação para a Paz
1986
Sucedido por