Gestão

Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Ir para navegação Pular para pesquisar
Um organograma da Guarda Costeira dos Estados Unidos mostra a hierarquia de funções gerenciais nessa organização.

Gestão (ou gestão ) é a administração de uma organização , seja ela uma empresa , uma organização sem fins lucrativos ou um órgão governamental. É a arte e a ciência de gerenciar recursos.

A gestão inclui as atividades de definir a estratégia de uma organização e coordenar os esforços de seus funcionários (ou voluntários) para cumprir seus objetivos por meio da aplicação dos recursos disponíveis , tais como recursos financeiros , naturais , tecnológicos e humanos . "Administrar o negócio" [1] e "Mudar o negócio" são dois conceitos usados ​​na gestão para diferenciar entre a entrega contínua de bens ou serviços e a adaptação de bens ou serviços para atender às necessidades de mudança dos clientes - ver tendência. O termo "gerenciamento" também pode se referir às pessoas que gerenciam uma organização - gerentes .

Algumas pessoas estudam administração em faculdades ou universidades; os principais graus em gestão incluem o Bacharel em Comércio (B.Com.) Bacharel em Administração de Empresas (BBA.) Mestrado em Administração de Empresas (MBA.) Mestrado em Gestão (MSM ou MIM) e, para o setor público, o Mestrado em Público Graduação em Administração (MPA). Indivíduos que desejam se tornar especialistas ou especialistas em gestão, pesquisadores em gestão ou professores podem concluir o Doutorado em Administração (DM), o Doutorado em Administração de Empresas (DBA) ou o Doutorado. em Administração de Empresas ou Gestão. Recentemente, [ quando? ]tem sido um movimento para a gestão baseada em evidências .

Organizações maiores geralmente têm três níveis hierárquicos de gerentes, [2] em uma estrutura piramidal:

  • Gerentes seniores , como membros de um conselho de administração e um diretor executivo (CEO) ou um presidente de uma organização. Eles definem os objetivos estratégicos da organização e tomam decisões sobre como a organização geral irá operar. Os gerentes seniores são geralmente profissionais de nível executivo e fornecem orientação para a gerência média, que se reporta direta ou indiretamente a eles.
  • Gerentes de nível médio : exemplos disso incluem gerentes de filial, gerentes regionais, gerentes de departamento e gerentes de seção, que fornecem orientação aos gerentes de linha de frente. Os gerentes de nível médio comunicam as metas estratégicas da alta administração aos gerentes da linha de frente.
  • Gerentes inferiores , como supervisores e líderes de equipe de linha de frente , supervisionam o trabalho de funcionários regulares (ou voluntários, em algumas organizações voluntárias) e fornecem orientação sobre seu trabalho.

Em organizações menores, um gerente pode ter um escopo muito mais amplo e pode desempenhar várias funções ou mesmo todas as funções comumente observadas em uma grande organização.

Cientistas sociais estudam administração como uma disciplina acadêmica , investigando áreas como organização social , adaptação organizacional e liderança organizacional . [3]

Etimologia

O verbo inglês "administrar" tem suas raízes no verbo francês do século XV 'mesnager', que muitas vezes se referia na linguagem equestre a "segurar nas rédeas de um cavalo". [4] Também o termo italiano maneggiare (manusear, especialmente ferramentas ou um cavalo) é possível. Em espanhol, manejar também pode significar governar os cavalos. [5] Esses três termos derivam das duas palavras latinas manus (mão) e agere (agir).

A palavra francesa para tarefas domésticas , ménagerie , derivada de ménager ("manter a casa"; compare ménage para "casa"), também abrange cuidar de animais domésticos. Ménagerie é a tradução francesa do famoso livro de Xenofonte , Oeconomicus [6] ( grego : Οἰκονομικός ) sobre assuntos domésticos e manejo . A palavra francesa mesnagement (ou ménagement ) influenciou o desenvolvimento semântico da palavra inglesa management nos séculos XVII e XVIII. [7]

Definições

As visões sobre a definição e o escopo da gestão incluem:

  • Henri Fayol (1841–1925) afirmou: "administrar é prever e planejar, organizar, comandar, coordenar e controlar." [8]
  • Fredmund Malik (1944–) define gestão como "a transformação de recursos em utilidade". [9]
  • A gestão é incluída [ por quem? ] como um dos fatores de produção - juntamente com máquinas, materiais e dinheiro.
  • Ghislain Deslandes define a gestão como “uma força vulnerável, pressionada para obter resultados e dotada do triplo poder de constrangimento, imitação e imaginação, operando nos níveis subjetivo, interpessoal, institucional e ambiental”. [10]
  • Peter Drucker (1909–2005) viu a tarefa básica da gestão como dupla: marketing e inovação . No entanto, a inovação também está ligada ao marketing (a inovação de produto é uma questão central de marketing estratégico). [ carece de fontes? ] Drucker identifica o marketing como uma essência chave para o sucesso do negócio, mas gerenciamento e marketing são geralmente entendidos [ por quem? ] como dois ramos diferentes do conhecimento da administração de empresas.

Âmbito teórico

A gestão envolve a identificação da missão , objetivo, procedimentos, regras e manipulação [11] do capital humano de uma empresa para contribuir para o sucesso da empresa. [12] Os acadêmicos têm se concentrado na gestão de relacionamentos individuais, [13] organizacionais [14] e interorganizacionais. [15] Isso implica comunicação eficaz : um ambiente empresarial (em oposição a um mecanismo físico ou mecânico) implica motivação humana e implica algum tipo de progresso ou resultado de sistema bem- sucedido. [ citação necessária] Como tal, o manejo não é a manipulação de um mecanismo (máquina ou programa automatizado), nem o pastoreio de animais, e pode ocorrer tanto em uma empresa ou ambiente legal quanto ilegal. Do ponto de vista de um indivíduo, a gestão não precisa ser vista apenas do ponto de vista empresarial, porque a gestão é uma função essencial [ quantificar ] para melhorar a vida e os relacionamentos de uma pessoa . [ carece de fontes? ] O gerenciamento está, portanto, em todos os lugares [ carece de fontes ] e tem uma gama mais ampla de aplicação. [ esclarecimento necessário ]A comunicação e um esforço positivo são dois aspectos principais dela, seja por meio da empresa ou da busca independente. [ carece de fontes? ] Planos, medidas , ferramentas psicológicas motivacionais, metas e medidas econômicas (lucro, etc.) podem ou não ser componentes necessários para que haja gerenciamento. A princípio, vê-se a gestão funcionalmente, como medir quantidade, ajustar planos , cumprir metas . [ carece de fontes? ] Isso se aplica mesmo em situações onde o planejamento não ocorre. A partir desta perspectiva, Henri Fayol (1841-1925) [16] [ página necessária ] considera que a gestão consiste em cinco funções :

  1. planejamento (previsão)
  2. organizando
  3. comandante
  4. coordenando
  5. controlando

Em outra forma de pensar, Mary Parker Follett (1868-1933), supostamente definiu a gestão como "a arte de fazer as coisas por meio das pessoas". [17] Ela descreveu a gestão como uma filosofia. [18] [ precisa de cotação para verificar ]

Críticos [ quais? ] , no entanto, consideram esta definição útil, mas muito restrita. A frase "gestão é o que os gerentes fazem" ocorre amplamente, [19] sugerindo a dificuldade de definir gestão sem circularidade , a natureza mutante das definições [ carece de fontes? ] E a conexão das práticas gerenciais com a existência de um quadro gerencial ou de uma classe .

Um hábito de pensar considera a gestão equivalente a " administração de negócios " e, portanto, exclui a gestão em locais fora do comércio , como por exemplo em instituições de caridade e no setor público . De forma mais ampla, cada organização deve "gerenciar" seu trabalho, pessoas, processos, tecnologia etc. para maximizar a eficácia. [ carece de fontes? ] No entanto, muitas pessoas se referem aos departamentos universitários que ensinam administração como " escolas de negócios ". Algumas dessas instituições (como a Harvard Business School ) usam esse nome, enquanto outras (como a Yale School of Management ) empregam o termo mais amplo "gerenciamento".

Os falantes de inglês também podem usar o termo "gerenciamento" ou "gerenciamento" como uma palavra coletiva que descreve os gerentes de uma organização, por exemplo, de uma corporação . [20] Historicamente, esse uso do termo freqüentemente contrastava com o termo "mão de obra" - referindo-se àqueles que estão sendo gerenciados. [21]

Mas na era presente [ quando? ] o conceito de gestão é identificado [ por quem? ] nas áreas amplas [ qual? ] e suas fronteiras foram empurradas [ por quem? ] para uma gama mais ampla. [ carece de fontes? ] Além de organizações lucrativas, mesmo organizações sem fins lucrativos aplicam conceitos de gestão. O conceito e seus usos não são limitados [ por quem? ] . A gestão como um todo é o processo de planejamento, organização, coordenação, liderança [22] e controle. [citação necessária ]

Níveis

A maioria das organizações tem três níveis de gerenciamento: gerentes de primeiro nível, nível médio e gerentes de nível superior. Os gerentes de primeira linha são o nível mais baixo de gerenciamento e gerenciam o trabalho de indivíduos não gerenciais que estão diretamente envolvidos com a produção ou criação dos produtos da organização. Os gerentes de primeira linha costumam ser chamados de supervisores, mas também podem ser chamados de gerentes de linha, gerentes de escritório ou mesmo capatazes. Os gerentes intermediários incluem todos os níveis de gestão entre o nível de primeira linha e o nível superior da organização. Esses gerentes gerenciam o trabalho dos gerentes de primeira linha e podem ter cargos como chefe de departamento, líder de projeto, gerente de fábrica ou gerente de divisão. Os gerentes de topo são responsáveis ​​por tomar decisões em toda a organização e estabelecer os planos e metas que afetam toda a organização.Esses indivíduos normalmente têm cargos como vice-presidente executivo, presidente, diretor administrativo, diretor operacional, diretor executivo ou presidente do conselho.

Esses gerentes são classificados em uma hierarquia de autoridade e executam diferentes tarefas. Em muitas organizações, o número de gerentes em cada nível se assemelha a uma pirâmide. Cada nível é explicado abaixo nas especificações de suas diferentes responsabilidades e prováveis ​​cargos. [23]

Top

A camada superior ou sênior da administração consiste no conselho de administração (incluindo diretores não executivos , diretores executivos e diretores independentes ), presidente, vice-presidente, CEOs e outros membros dos executivos de nível C. Diferentes organizações têm vários membros em seus executivos , que podem incluir um diretor financeiro , um diretor de tecnologia e assim por diante. Eles são responsáveis ​​por controlar e supervisionar as operações de toda a organização. Eles definem um " tom no topo " e desenvolvem planos estratégicos, políticas da empresa e tomar decisões sobre a direção geral da organização. Além disso, os gerentes de alto nível desempenham um papel significativo na mobilização de recursos externos. Os gerentes seniores são responsáveis ​​perante os acionistas, o público em geral e os órgãos públicos que supervisionam as empresas e organizações semelhantes. Alguns membros da alta administração podem servir como a face pública da organização e podem fazer discursos para apresentar novas estratégias ou aparecer no marketing.

O conselho de administração é geralmente composto principalmente de não executivos que têm um dever fiduciário para com os acionistas e não estão intimamente envolvidos nas atividades do dia-a-dia da organização, embora isso varie dependendo do tipo (por exemplo, público versus privado) , tamanho e cultura da organização. Esses diretores são teoricamente responsáveis ​​por violações desse dever e normalmente são segurados pelo seguro de responsabilidade de diretores e executivos . Estima-se que os diretores da Fortune 500 gastem 4,4 horas por semana nas funções do conselho, e a remuneração média foi de $ 212.512 em 2010. O conselho define a estratégia corporativa, toma decisões importantes, como grandes aquisições, [24] e contrata, avalia e despede os principais gerente de nível (diretor executivo ou CEO). O CEO normalmente contrata outros cargos. No entanto, o envolvimento do conselho na contratação de outros cargos, como o diretor financeiro (CFO), aumentou. [25] Em 2013, uma pesquisa com mais de 160 CEOs e diretores de empresas públicas e privadas descobriu que os principais pontos fracos dos CEOs eram " habilidades de mentoria " e "envolvimento do conselho", e 10% das empresas nunca avaliaram o CEO. [26] O conselho também pode ter certos funcionários (por exemplo, auditores internos ) subordinados a eles ou contratar diretamente contratados independentes; por exemplo, o conselho (por meio do comitê de auditoria ) normalmente seleciona o auditor .

As habilidades úteis da alta administração variam de acordo com o tipo de organização, mas geralmente incluem [27] um amplo entendimento da concorrência, das economias mundiais e da política. Além disso, o CEO é responsável por implementar e determinar (dentro da estrutura do conselho) as políticas gerais da organização. A gestão executiva realiza os detalhes do dia-a-dia, incluindo: instruções para preparação de orçamentos de departamento, procedimentos, cronogramas; nomeação de executivos de nível médio, como gerentes de departamento; coordenação de departamentos; mídia e relações governamentais; e comunicação com os acionistas .

Meio

Consistem em gerentes gerais , gerentes de filial e gerentes de departamento. Eles são responsáveis ​​perante a alta administração pela função de seu departamento. Eles dedicam mais tempo às funções organizacionais e direcionais. Suas funções podem ser enfatizadas como a execução de planos organizacionais em conformidade com as políticas da empresa e os objetivos da alta administração, eles definem e discutem informações e políticas da alta gerência à gerência inferior e, o mais importante, inspiram e fornecem orientação aos gerentes de nível inferior para um melhor desempenho.

A gerência intermediária é a gerência intermediária de uma organização categorizada, sendo secundária à gerência sênior, mas acima dos níveis mais profundos de membros operacionais. Um gerente operacional pode ser bem pensado pela média gerência ou pode ser categorizado como operação não gerencial, sujeita à política da organização específica. A eficiência do nível médio é vital em qualquer organização, uma vez que preenche a lacuna entre as equipes de nível superior e inferior.

Suas funções incluem:

  • Projetar e implementar sistemas de informação e trabalho em grupo e intergrupos eficazes.
  • Definir e monitorar indicadores de desempenho em nível de grupo.
  • Diagnosticar e resolver problemas dentro e entre os grupos de trabalho.
  • Projetar e implementar sistemas de recompensa que apóiem ​​o comportamento cooperativo. Eles também tomam decisões e compartilham ideias com os gerentes de topo.

Abaixar

Gerentes inferiores incluem supervisores, líderes de seção, antepassados ​​e líderes de equipe. Eles se concentram em controlar e direcionar funcionários regulares. Eles geralmente são responsáveis ​​por atribuir tarefas aos funcionários, orientar e supervisionar os funcionários nas atividades do dia-a-dia, garantindo a qualidade e quantidade da produção e / ou serviço, fazendo recomendações e sugestões aos funcionários sobre o seu trabalho e canalizando as preocupações dos funcionários que eles não pode resolver para gerentes de nível médio ou outros administradores. Os gerentes de primeiro nível ou de "linha de frente" também atuam como modelos para seus funcionários. Em alguns tipos de trabalho, os gerentes de linha de frente também podem fazer algumas das mesmas tarefas que os funcionários fazem, pelo menos parte do tempo. Por exemplo, em alguns restaurantes, os gerentes da linha de frente também atendem aos clientes durante um período muito movimentado do dia.

Os gerentes de linha de frente geralmente fornecem:

  • Treinamento para novos funcionários
  • Supervisão básica
  • Motivação
  • Feedback e orientação de desempenho

Alguns gerentes de linha de frente também podem fornecer planejamento de carreira para funcionários que desejam ascender na organização.

Treinamento

Faculdades e universidades ao redor do mundo oferecem bacharelado, pós-graduação, diplomas e certificados em administração, geralmente em suas faculdades de administração, escolas de administração ou faculdade de administração, mas também em outros departamentos relacionados. Na década de 2010, houve um aumento na educação e treinamento em gestão online na forma de tecnologia educacional eletrônica (também chamada de e-learning). A educação online aumentou a acessibilidade do treinamento de gerenciamento para pessoas que não moram perto de uma faculdade ou universidade, ou que não podem pagar para viajar para uma cidade onde esse treinamento está disponível.

Requisito

Embora algumas profissões exijam credenciais acadêmicas para exercer a profissão (por exemplo, direito, medicina, engenharia, que exigem, respectivamente, os graus de Bacharel em Direito , Doutor em Medicina e Bacharel em Engenharia ), os cargos de gestão e administração não exigem necessariamente o conclusão dos graus acadêmicos. Alguns executivos seniores bem conhecidos nos Estados Unidos que não concluíram um diploma incluem Steve Jobs , Bill Gates e Mark Zuckerberg . No entanto, muitos gerentes e executivos concluíram algum tipo de treinamento em negócios ou gestão, como bacharelado em comércio ou mestrado em administração de empresasgrau. Algumas organizações importantes, incluindo empresas, organizações sem fins lucrativos e governos, exigem que os candidatos a cargos gerenciais ou executivos tenham, no mínimo, o diploma de bacharel em uma área relacionada à administração ou gestão, ou no caso de empregos em negócios, um Bacharel em Comércio ou um grau semelhante.

Graduação

No nível de graduação, os programas de negócios mais comuns são Bacharelado em Administração de Empresas (BBA) e Bacharel em Comércio (B.Com.). Normalmente compreendem um programa de quatro anos projetado para dar aos alunos uma visão geral do papel dos gerentes no planejamento e direção dentro de uma organização. Os tópicos do curso incluem contabilidade, gestão financeira, estatística, marketing, estratégia e outras áreas relacionadas.

Existem muitos outros cursos de graduação que incluem o estudo da administração, como o Bacharelado em Artes com especialização em administração de empresas ou gestão e o Bacharelado em Administração Pública (BPA), um curso destinado a indivíduos que pretendem trabalhar como burocratas em cargos públicos . Muitas faculdades e universidades também oferecem certificados e diplomas em administração ou gestão de empresas, o que normalmente requer um a dois anos de estudo em tempo integral.

Observe que para gerenciar áreas tecnológicas, muitas vezes é necessário um diploma de graduação em uma área STEM .

Graduação

Aos estudantes de pós-graduação com o objetivo de carreiras como gerentes ou executivos podem optar por se especializar nas principais subáreas de administração de administração ou de negócios, tais como empreendedorismo , recursos humanos , negócios internacionais , comportamento organizacional , teoria organizacional , gestão estratégica , [28] contabilidade , finanças corporativas , entretenimento, gestão global, gestão de saúde , gestão de investimentos , sustentabilidade e imobiliário .

Um Master of Business Administration (MBA) é o grau profissional mais popular em nível de mestrado e pode ser obtido em muitas universidades nos Estados Unidos. Os programas de MBA fornecem educação adicional em gestão e liderança para alunos de pós-graduação. Outros mestrados em negócios e gestão incluem Master of Management (MM) e Master of Science (M.Sc.) em administração de empresas ou gestão, que normalmente é feito por alunos que desejam se tornar pesquisadores ou professores.

Existem também mestrados especializados em administração para indivíduos que pretendem seguir carreiras fora da empresa, como o grau de Mestre em Administração Pública (MPA) (também oferecido como Mestrado em Administração Pública em algumas universidades), para alunos que pretendem se tornar gerentes ou executivos do serviço público e do Mestrado em Administração em Saúde , para alunos que desejam se tornar gerentes ou executivos do setor saúde e hospitalar.

Os doutorados em gestão são os graus terminais mais avançados no campo dos negócios e da gestão. A maioria dos indivíduos que obtêm doutorado em administração faz os programas para obter o treinamento em métodos de pesquisa, análise estatística e redação de trabalhos acadêmicos necessários para buscar carreiras como pesquisadores, consultores seniores e / ou professores em administração de empresas ou gestão. Existem três tipos principais de doutorados em gestão: o Doctor of Management (DM), o Doctor of Business Administration (DBA) e o Ph.D. em Administração de Empresas ou Gestão. Na década de 2010, estão disponíveis doutorados em administração e gestão de empresas com diversas especializações.

Boas práticas

Embora as tendências de gerenciamento possam mudar tão rapidamente, a tendência de longo prazo em gerenciamento foi definida por um mercado que abrange a diversidade e um setor de serviços em ascensão. Os gerentes estão sendo treinados para incentivar uma maior igualdade para as minorias e as mulheres no local de trabalho, oferecendo maior flexibilidade nas horas de trabalho, melhor treinamento e marcadores de desempenho inovadores (e geralmente específicos do setor). Gestores destinados ao setor de serviços estão sendo treinados para usar técnicas de medição exclusivas, melhor suporte ao trabalhador e estilos de liderança mais carismáticos. [29] Os recursos humanos encontram-se cada vez mais trabalhando com a gestão em uma capacidade de treinamento para ajudar a coletar dados de gestão sobre o sucesso (ou fracasso) das ações de gestão com os funcionários. [30]

Gestão baseada em evidências

O gerenciamento baseado em evidências é um movimento emergente para usar as melhores e atuais evidências em gerenciamento e tomada de decisões . É parte de um movimento maior em direção a práticas baseadas em evidências . A gestão baseada em evidências envolve decisões gerenciais e práticas organizacionais informadas pelas melhores evidências disponíveis. [31]Tal como acontece com outras práticas baseadas em evidências, esta é baseada nos três princípios de: 1) evidências de pesquisas publicadas revisadas por pares (geralmente em jornais de administração ou ciências sociais) que influenciam se e por que uma prática administrativa específica funciona; 2) julgamento e experiência da prática de gestão contextual, para compreender a organização e dinâmica interpessoal em uma situação e determinar os riscos e benefícios das ações disponíveis; e 3) as preferências e valores das pessoas afetadas. [32] [33]

História

Alguns vêem a gestão como uma conceituação da modernidade tardia (no sentido de modernidade tardia ). [34] Nesses termos, não pode ter uma história pré-moderna - apenas arautos (como mordomos ). Outros, no entanto, detectam o pensamento gerencial entre os antigos comerciantes sumérios e os construtores das pirâmides do antigo Egito . Os proprietários de escravos, ao longo dos séculos, enfrentaram os problemas de explorar / motivar uma força de trabalho dependente, mas às vezes sem entusiasmo ou recalcitrante, mas muitas empresas pré-industriais , devido à sua pequena escala, não se sentiam compelidas a enfrentar as questões de gestão sistematicamente. No entanto, inovações como a disseminação de algarismos arábicos(Séculos V a 15) e a codificação da contabilidade por partidas dobradas (1494) forneceram ferramentas para avaliação, planejamento e controle da gestão.

  • Uma organização é mais estável se os membros têm o direito de expressar suas diferenças e resolver seus conflitos dentro dela.
  • Embora uma pessoa possa iniciar uma organização, "ela dura quando é deixada aos cuidados de muitos e quando muitos desejam mantê-la".
  • Um gerente fraco pode seguir um forte, mas não outro fraco, e manter a autoridade.
  • Um gerente que busca mudar uma organização estabelecida "deve reter pelo menos uma sombra dos costumes antigos".

Com as mudanças nos locais de trabalho das revoluções industriais nos séculos 18 e 19, a teoria e a prática militares contribuíram com abordagens para o gerenciamento das novas fábricas populares . [35]

Dada a escala da maioria das operações comerciais e a falta de manutenção de registros e registros mecanizados antes da revolução industrial, fazia sentido para a maioria dos proprietários de empresas naquela época realizar funções de gerenciamento por conta própria. Mas, com o tamanho e a complexidade crescentes das organizações, uma distinção entre proprietários (indivíduos, dinastias industriais ou grupos de acionistas ) e gerentes do dia-a-dia (especialistas independentes em planejamento e controle) tornou-se gradualmente mais comum.

Escrita antecipada

O campo da administração se originou na China antiga, [36] incluindo possivelmente o primeiro estado burocrático altamente centralizado e o exemplo mais antigo (por volta do século II aC) de uma administração baseada no mérito por meio de testes . [37] Alguns teóricos citaram antigos textos militares como fornecendo lições para gerentes civis. Por exemplo, o general chinês Sun Tzu em seu trabalho do século 6 aC A Arte da Guerra recomenda [ carece de fontes ] (quando reformulado na terminologia moderna) estar ciente e agir com base nos pontos fortes e fracos da organização de um gerente e de um inimigo.[38] [ precisa de citação para verificar ] Os escritos do influentefilósofo legalista chinês Shen Buhai podem ser considerados [ por quem? ] para incorporar um raro exemplo pré-moderno de teoria abstrata de administração. [39] [40] O filósofo americano Herrlee G. Creel e outros estudiosos encontraram a influência da administração chinesa na Europa no século 12. [41] [42] [43] [44] Thomas Taylor Meadows, cônsul da Grã-Bretanha em Guangzhou , argumentou em suas Notas Desultórias sobre o Governo e o Povo da China(1847) que "a longa duração do império chinês se deve única e totalmente ao bom governo, que consiste no desenvolvimento de homens de talento e mérito apenas", e que os britânicos devem reformar seu serviço público tornando a instituição meritocrática . [45] Influenciado pelo antigo exame imperial chinês , o Relatório Northcote-Trevelyan de 1854 recomendou que o recrutamento deve ser com base no mérito determinado por meio de exame competitivo, os candidatos devem ter uma educação geral sólida para permitir transferências interdepartamentais e a promoção deve seja por meio de realizações, em vez de "preferência, patrocínio ou compra". [46] [45] Isso levou à implementação deA Função Pública de Sua Majestade como burocracia sistemática e meritocrática da função pública. [47] Como a britânica, o desenvolvimento da burocracia francesa foi influenciado pelo sistema chinês. Voltaire afirmava que os chineses haviam "aperfeiçoado a ciência moral" e François Quesnay defendia um sistema econômico e político inspirado no chinês. [48] Os exames para o serviço público francês adotados no final do século 19 também foram fortemente baseados em estudos culturais gerais. Esses recursos foram comparados ao modelo chinês anterior. [49]

Várias civilizações antigas e medievais produziram livros de " espelhos para príncipes ", que visavam aconselhar novos monarcas sobre como governar. Platão descreveu a especialização do trabalho em 350 aC, e Alfarabi listou vários traços de liderança em 900 dC. [50] Outros exemplos incluem o Arthashastra indiano de Chanakya (escrito por volta de 300 aC) e O Príncipe do autor italiano Niccolò Machiavelli (c. 1515). [51]

Escrito em 1776 por Adam Smith , um filósofo moral escocês , The Wealth of Nations discutia a organização eficiente do trabalho por meio da divisão do trabalho . [51] Smith descreveu como as mudanças nos processos podem aumentar a produtividade na fabricação de pinos . Embora os indivíduos pudessem produzir 200 alfinetes por dia, Smith analisou as etapas envolvidas na fabricação e, com 10 especialistas, possibilitou a produção de 48.000 alfinetes por dia. [51] [ precisa de cotação para verificar ]

Século 19

Economistas clássicos como Adam Smith (1723–1790) e John Stuart Mill (1806–1873) forneceram uma base teórica para a alocação de recursos , produção (economia) e questões de preços . Quase ao mesmo tempo, inovadores como Eli Whitney (1765–1825), James Watt (1736–1819) e Matthew Boulton (1728–1809) desenvolveram elementos de produção técnica, como padronização , procedimentos de controle de qualidade , contabilidade de custos , intercambialidade de peças e planejamento de trabalho. Muitos desses aspectos da gestão existiam no setor escravista da economia dos Estados Unidos anterior a 1861. Esse ambiente viu 4 milhões de pessoas, como os usos contemporâneos o diziam, "administrados" em uma produção quase em massa lucrativa [52] antes que a escravidão assalariada eclipsasse a escravidão móvel.

Os gerentes assalariados como um grupo identificável se tornaram proeminentes pela primeira vez no final do século XIX. [53] À medida que as grandes corporações começaram a ofuscar as pequenas empresas familiares, a necessidade de cargos de gestão de pessoal tornou-se mais necessária. [54] As empresas cresceram em grandes corporações e a necessidade de escriturários, contadores, secretários e gerentes se expandiu. A demanda por gerentes treinados levou os administradores de faculdades e universidades a considerar e avançar com os planos de criar as primeiras escolas de negócios em seus campi.

Século 20

Na virada do século XX, a necessidade de gerentes qualificados e treinados tornou-se cada vez mais evidente. A demanda ocorreu à medida que os departamentos de pessoal começaram a se expandir rapidamente. Em 1915, menos de uma em cada vinte empresas de manufatura tinha um departamento de pessoal dedicado. Em 1929, esse número havia crescido para mais de um terço. [55] A educação formal em gestão tornou-se padronizada em faculdades e universidades. [56] Faculdades e universidades capitalizaram nas necessidades das corporações formando escolas de negócios e departamentos de colocação corporativa. [57] Essa mudança em direção à educação formal em negócios marcou a criação de uma elite corporativa nos Estados Unidos.

Por volta de 1900, encontramos gerentes tentando colocar suas teorias no que consideravam uma base totalmente científica (ver cientificismo para as limitações percebidas dessa crença). Exemplos incluem Henry R. Towne da ciência da gestão na década de 1890, Frederick Winslow Taylor é Os Princípios da Administração Científica (1911), Lillian Gilbreth 's Psychology of Management (1914), [58] Frank e Lillian Gilbreth ' s Aplicada estudo de movimento (1917) e gráficos de Henry L. Gantt (1910). J. Duncan escreveu a primeira faculdade de gestão -livro em 1911. Em 1912 Yoichi Ueno introduziu taylorismo ao Japão e tornou-se o primeiro consultor de gestão do "estilo de gestão japonês". Seu filho Ichiro Ueno foi o pioneiro na garantia de qualidade japonesa .

As primeiras teorias de gestão abrangentes surgiram por volta de 1920. [ carece de fontes? ] A Harvard Business School ofereceu o primeiro grau de Master of Business Administration (MBA) em 1921. Pessoas como Henri Fayol (1841-1925) e Alexander Church (1866-1936) descreveram os vários ramos da gestão e suas inter-relações. No início do século 20, pessoas como Ordway Tead (1891–1973), Walter Scott (1869–1955) e J. Mooney aplicaram os princípios da psicologia à gestão. Outros escritores, como Elton Mayo (1880–1949), Mary Parker Follett (1868–1933),Chester Barnard (1886-1961), Max Weber (1864-1920), que viu o que ele chamou de "administrador" como burocrata , [59] Rensis Likert (1903-1981) e Chris Argyris (nascido em 1923) abordaram o fenômeno de gestão de uma perspectiva sociológica .

As décadas de 1930 e 1940 viram o desenvolvimento de uma tendência de militarização na gestão em partes da Eurásia - tanto o NKVD (na União Soviética) quanto a SS (no Grande Reich germânico ), por exemplo, administravam campos de trabalho como empresas industriais usando trabalho escravo supervisionado por quadros uniformizados. [60] [61] Os hábitos militares persistiram em alguns círculos de gestão. [62]

Peter Drucker (1909–2005) escreveu um dos primeiros livros sobre gestão aplicada: Concept of the Corporation (publicado em 1946). Isso resultou da encomenda de Alfred Sloan (presidente da General Motors até 1956) de um estudo da organização . Drucker escreveu 39 livros, muitos na mesma linha.

H. Dodge, Ronald Fisher (1890–1962) e Thornton C. Fry introduziram técnicas estatísticas nos estudos de gerenciamento. Na década de 1940, Patrick Blackett trabalhou no desenvolvimento da ciência matemática aplicada da pesquisa operacional , inicialmente para operações militares. A pesquisa operacional, às vezes conhecida como " ciência da gestão " (mas distinta da gestão científica de Taylor ), tenta adotar uma abordagem científica para resolver problemas de decisão e pode ser aplicada diretamente a vários problemas de gestão, particularmente nas áreas de logística e operações.

Alguns dos desenvolvimentos do final do século 20 incluem a teoria das restrições (introduzida em 1984), gerenciamento por objetivos (sistematizado em 1954), reengenharia (início de 1990), Six Sigma (1986), gerenciamento por andar (1970), o modelo de sistema viável (1972) e várias teorias orientadas para a tecnologia da informação , como desenvolvimento ágil de software (assim chamado em 2001), bem como teorias de gerenciamento de grupo, como Cog's Ladder (1972) e a noção de "prosperar em caos " [63] (1987).

À medida que o reconhecimento geral dos gerentes como uma classe se solidificou durante o século 20 e deu aos praticantes da arte / ciência da administração uma certa quantidade de prestígio, o caminho se abriu para sistemas popularizados de ideias de gerenciamento venderem seus produtos. Nesse contexto, muitos modismos gerenciais podem ter tido mais a ver com a psicologia popular do que com teorias científicas de administração.

Gestão de negócios [ quando? ] inclui os seguintes ramos: [ carece de fontes? ]

  1. gestão financeira
  2. gestão de Recursos Humanos
  3. Cibernética de gestão
  4. gestão de tecnologia da informação (responsável pelos sistemas de informação de gestão )
  5. gestão de Marketing
  6. gestão de operações e gestão de produção
  7. gestão Estratégica

21st Century

No século 21, os observadores acham cada vez mais difícil subdividir o gerenciamento em categorias funcionais dessa maneira. Cada vez mais processos envolvem várias categorias simultaneamente. Em vez disso, tende-se a pensar em termos dos vários processos, tarefas e objetos sujeitos à gestão. [ citação necessária ]

Ramos de teoria de gestão também existem relativos a organizações sem fins lucrativos e governo: como a administração pública , gestão pública e gestão educacional . Além disso, os programas de gestão relacionados a organizações da sociedade civil também geraram programas de gestão sem fins lucrativos e empreendedorismo social .

Observe que muitas das suposições feitas pela administração foram atacadas por pontos de vista da ética nos negócios , estudos críticos de administração e ativismo anticorporação .

Como consequência, a democracia no local de trabalho (às vezes chamada de autogestão dos trabalhadores ) tornou-se mais comum e mais defendida, em alguns lugares distribuindo todas as funções de gerenciamento entre os trabalhadores, cada um dos quais assumindo uma parte do trabalho. No entanto, esses modelos são anteriores a qualquer questão política atual e podem ocorrer mais naturalmente do que uma hierarquia de comando . Toda a administração adota, até certo ponto, um princípio democrático - em que, a longo prazo, a maioria dos trabalhadores deve apoiar a administração. Caso contrário, saem em busca de outro trabalho ou entram em greve. Apesar do movimento em direção à democracia no local de trabalho , as estruturas de organização de comando e controle permanecem comuns como de fatoestruturas de organização. Na verdade, a natureza arraigada do comando e controle é evidente na forma como [ quando? ] dispensas foram conduzidas com cargos de gerência afetados muito menos do que funcionários em níveis inferiores. [ carece de fontes? ] Em alguns casos, a gestão até se recompensou com bônus após demitir trabalhadores de nível inferior. [64]

De acordo com o acadêmico de liderança Manfred FR Kets de Vries , uma equipe de gestão sênior contemporânea quase inevitavelmente terá alguns transtornos de personalidade . [65]

Natureza do trabalho

Em organizações lucrativas, a função primária da administração é a satisfação de uma série de partes interessadas . Isso normalmente envolve obter lucro (para os acionistas), criar produtos valiosos a um custo razoável (para os clientes) e fornecer excelentes oportunidades de emprego para os funcionários. No caso de gestão sem fins lucrativos, uma das principais funções é manter a fé dos doadores. Na maioria dos modelos de gestão e governança , os acionistas votam no conselho de administração e o conselho então contrata a alta administração. Algumas organizações experimentaram outros métodos (como modelos de votação de funcionários) de seleção ou revisão de gerentes, mas isso é raro.

Tópicos

Básico

Segundo Fayol , a gestão opera por meio de cinco funções básicas: planejar, organizar, coordenar, comandar e controlar.

  • Planejamento : decidir o que precisa acontecer no futuro e gerar planos de ação (decidir com antecedência).
  • Organização (ou pessoal): Certificar-se de que os recursos humanos e não humanos são colocados em prática. [66]
  • Comandar (ou liderar): Determinar o que deve ser feito em uma situação e fazer com que as pessoas o façam.
  • Coordenação : Criar uma estrutura por meio da qual os objetivos de uma organização podem ser alcançados.
  • Controlando : Verificando o progresso em relação aos planos.

Papéis básicos

  • Interpessoal : funções que envolvem coordenação e interação com os funcionários.

Figurehead, leader

  • Informativo : funções que envolvem manuseio, compartilhamento e análise de informações.

Centro nervoso, disseminador

  • Decisão : funções que requerem tomada de decisão.

Empreendedor, negociador, alocador, manipulador de perturbações

Habilidades

Habilidades de gerenciamento incluem:

  • político: usado para construir uma base de poder e estabelecer conexões.
  • conceitual: usado para analisar situações complexas.
  • interpessoal : usado para comunicar, motivar , orientar e delegar.
  • diagnóstico: capacidade de visualizar respostas adequadas a uma situação.
  • liderança : capacidade de comunicar uma visão e inspirar as pessoas a adotarem essa visão. [67]
  • técnico: especialização em uma área funcional específica.
  • comportamental: percepção em relação aos outros, resolução de conflitos, gerenciamento de tempo, autoaperfeiçoamento, gerenciamento de estresse e resiliência, paciência, comunicação clara. [68]

Implementação de políticas e estratégias

  • Todas as políticas e estratégias devem ser discutidas com todo o pessoal administrativo e equipe.
  • Os gerentes devem entender onde e como podem implementar suas políticas e estratégias.
  • Um plano de ação deve ser traçado para cada departamento.
  • As políticas e estratégias devem ser revisadas regularmente.
  • Planos de contingência devem ser elaborados caso o ambiente mude.
  • Os gerentes de nível superior devem realizar avaliações regulares do progresso.
  • O negócio exige espírito de equipe e bom ambiente.
  • As missões, objetivos, pontos fortes e fracos de cada departamento devem ser analisados ​​para determinar seus papéis no cumprimento da missão do negócio.
  • O método de previsão desenvolve uma imagem confiável do ambiente futuro da empresa.
  • Uma unidade de planejamento deve ser criada para garantir que todos os planos sejam consistentes e que as políticas e estratégias visem atingir a mesma missão e objetivos.

Políticas e estratégias no processo de planejamento

  • Eles fornecem aos gerentes de nível médio e inferior uma boa ideia dos planos futuros de cada departamento de uma organização.
  • Uma estrutura é criada por meio da qual os planos e as decisões são feitos.
  • A gerência de nível médio e inferior pode adicionar seus próprios planos às estratégias da empresa.

Veja também

Referências

  1. ^ KATHRYN DILL. (2021, 12 de janeiro). SEU PRÓXIMO CHEFE: MAIS HARMONIA, MENOS AUTORIDADE. Wall Street Journal . [1]
  2. ^ DuBrin, Andrew J. (2009). Essentials of management (8ª ed.). Mason, OH: Thomson Business & Economics. ISBN 978-0-324-35389-1. OCLC  227205643 .
  3. ^ Waring, SP, 2016. Taylorismo transformado: Teoria científica da gestão desde 1945. UNC Press Books.
  4. ^ Mintzberg, Henry ,. (impr. 2014, cop. 2014). Manager l'essentiel: ce que font vraiment les manager ... et ce qu'ils pourraient faire mieux . Paris: Vuibert. ISBN 978-2-311-40094-6. Verifique os valores de data em: |date=( ajuda )
  5. ^ Real Academia Española, Diccionario de la lengua española. "manejar | Diccionario de la lengua española" (em espanhol).
  6. ^ Xenofonte (1734). "Oikonomikos. Oder Xenophon vom Haus-Wesen, aus der Griechischen- in die Teutsche Sprache übersetzet von Barthold Henrich Brockes, dem jüngern. Mit einer Vorrede ST Herrn Jo. Alb. Fabricii ... Nebst den wenigen Stücken, die aus der Lateinischen Ueberset Ciceronis noch übrig " .
  7. ^ "Página inicial: Dicionário de Inglês Oxford" .
  8. ^ SS Gulshan. Princípios e práticas de gestão por Lallan Prasad e SS Gulshan . Excel Books India. pp. 6–. ISBN 978-93-5062-099-1.
  9. ^ Ann Viola Ulvin
  10. ^ Deslandes G., (2014), "Management in Xenophon's Philosophy: a Retrospective Analysis", 38th Annual Research Conference, Philosophy of Management, 2014, 14-16 de julho, Chicago
  11. ^ Prabbal Frank tenta fazer uma distinção sutil entre gerenciamento e manipulação: Frank, Prabbal (2007). Manipulação de Pessoas: Uma Abordagem Positiva (2 ed.). Nova Delhi: Sterling Publishers Unip. Ltd (publicado em 2009). pp. 3-7. ISBN 978-81-207-4352-6. Página visitada em 05-09-2015 . Existe uma diferença entre gerenciamento e manipulação. A diferença é tênue [...] Se gerenciamento é manuseio, então manipulação é manuseio habilidoso. Em suma, a manipulação é um gerenciamento habilidoso. [...] A manipulação é, em essência, uma gestão alavancada. [...] É uma coisa viva enquanto a gestão é um conceito morto. Requer uma abordagem proativa em vez de uma abordagem reativa. [...] Pessoas não podem ser gerenciadas.
  12. ^ Powell, Thomas C. (2001). “Vantagem competitiva: considerações lógicas e filosóficas” . Revista de Gestão Estratégica . 22 (9): 875–888. doi : 10.1002 / smj.173 . ISSN 1097-0266 . 
  13. ^ Langfred, Claus (2000). “O paradoxo da autogestão: autonomia individual e grupal em grupos de trabalho”. Journal of Organizational Behavior . 21 (5): 563–585. doi : 10.1002 / 1099-1379 (200008) 21: 5 <563 :: AID-JOB31> 3.0.CO; 2-H .
  14. ^ Wood, Robert; Bandura, Albert (1989). "Teoria Social Cognitiva da Gestão Organizacional". The Academy of Management Review . 14 (3): 361–384. doi : 10.2307 / 258173 . ISSN 0363-7425 . JSTOR 258173 .  
  15. ^ Lumineau, Fabrice; Oliveira, Nuno (2017). "Uma perspectiva pluralística para superar os principais pontos cegos na pesquisa sobre relacionamentos interorganizacionais" . Academy of Management Annals . 12 (1): 440–465. doi : 10.5465 / annals.2016.0033 . ISSN 1941-6520 . S2CID 148825815 .  
  16. ^ Administration industrielle et générale - organização prévoyance - mandamento, coordenação - controle , Paris: Dunod, 1966
  17. ^ Jones, Norman L. (02/10/2013). "Capítulo dois: de poesia e política: a cultura gerencial da Inglaterra do século XVI" . Em Kaufman, Peter Iver (ed.). Liderança e cultura elisabetana . Jepson Studies in Leadership. Palgrave Macmillan (publicado em 2013). p. 18. ISBN  978-1-137-34029-0. Retirado 2015-08-29 . Mary Parker Follett, a 'profetisa da administração', supostamente definiu a administração como a 'arte de fazer as coisas por meio das pessoas'. [...] Quer ela tenha dito isso ou não, Follett descreve os atributos do gerenciamento dinâmico como sendo coativos, em vez de coercitivos.
  18. ^ Negócio vocacional: Treinando, desenvolvendo e motivando pessoas por Richard Barrett - Business & Economics - 2003. p. 51
  19. ^ Compare: Holmes, Leonard (2012-11-28). The Dominance of Management: A Participatory Critique . Voices in Development Management. Ashgate Publishing, Ltd. (publicado em 2012). p. 20. ISBN 978-1-4094-8866-8. Retirado 2015-08-29 . A noção de Lupton (1983: 17) de que gestão é 'o que os gestores fazem durante suas horas de trabalho', se válida, só poderia ser aplicada a conceituações descritivas de gestão, onde 'gestão' é efetivamente sinônimo de 'gestão', e onde 'gestão' se refere a uma atividade, ou conjunto de atividades realizadas pelos gestores.
  20. ^ Harper, Douglas. "gestão" . Dicionário online de etimologia . Retirado 2015-08-29 . - "Significa 'corpo governante' (originalmente de um teatro) é de 1739."
  21. ^ Veja para exemplos Melling, Joseph; McKinlay, Alan, eds. (1996). Gestão, trabalho e política industrial na Europa moderna: a busca pelo crescimento da produtividade durante o século XX . Edward Elgar. ISBN 978-1-85898-016-4. Retirado 2015-08-29 .
  22. ^ Compare: Vasconcelos e Sá, Jorge (2012). Não há liderança: apenas gestão eficaz: Lições da Batalha Perfeita de Lee, Ciro, o Grande de Xenofonte e a prática dos melhores administradores do mundo . Porto: Editorial Vida Economica. p. 19. ISBN 9789727886012. Obtido em 2020-01-22 . [...] perguntar sobre o que é liderança [...] é uma pergunta falsa. A pergunta certa é: o que é gerenciamento eficaz?
  23. ^ "Níveis e tipos de gerenciamento | Gerenciamento sem limites" . cursos.lumenlearning.com . Página visitada em 2021-07-05 .
  24. ^ Conselho de diretores: Deveres e responsabilidades arquivados 2014-03-24 na máquina Wayback . Stanford Graduate School of Business.
  25. ^ DeMars L. (2006). Avaliação pesada: os conselhos de administração agora querem conversar com os aspirantes a CFOs - e vice-versa . Revista CFO .
  26. ^ 2013 CEO Performance Evaluation Survey . Stanford Graduate School of Business.
  27. ^ Kleiman, Lawrence S. "Gestão e Desenvolvimento Executivo." Referência para Negócios: Enciclopédia de Negócios (2010): np 25 de março de 2011. [2] .
  28. ^ "Apresentações de posicionamento AOM" .
  29. ^ "Quatro maneiras de ser um chefe melhor" . www.randstadusa.com . Randstad USA . Retirado em 18 de janeiro de 2015 .
  30. ^ "O papel do RH em tempos incertos" (PDF) . Economist Intelligence Unit . Economist Intelligence Unit . Retirado em 18 de janeiro de 2015 .
  31. ^ Pfeffer J , Sutton RI (março de 2006). Fatos duros, meias-verdades perigosas e tolice total: lucrando com o gerenciamento baseado em evidências (primeira edição). Boston, Mass: Harvard Business Review Press. ISBN 978-1-59139-862-2.
  32. ^ Primavera B (julho de 2007). “Prática baseada em evidências em psicologia clínica: o que é, por que é importante; o que você precisa saber”. Journal of Clinical Psychology . 63 (7): 611–31. CiteSeerX 10.1.1.456.9970 . doi : 10.1002 / jclp.20373 . PMID 17551934 .  
  33. ^ Lilienfeld SO, Ritschel LA, Lynn SJ, Cautin RL, Latzman RD (novembro de 2013). "Por que muitos psicólogos clínicos são resistentes à prática baseada em evidências: causas raízes e remédios construtivos". Revisão de psicologia clínica . 33 (7): 883–900. doi : 10.1016 / j.cpr.2012.09.008 . PMID 23647856 . 
  34. ^ Waring, SP, 2016, taylorismo transformado: Teoria científica da gestão desde 1945. UNC Press Books.
  35. ^ Giddens, Anthony (1981). A Contemporary Critique of Historical Materialism . Teoria Social e Política da Polity Press. 1 . University of California Press. p. 125. ISBN  978-0-520-04490-6. Página visitada em 2013-12-29 . No quartel do exército e na coordenação em massa de homens no campo de batalha (sintetizado pelas inovações militares do Príncipe Maurício de Orange e Nassau no século XVI) encontram-se o protótipo da arregimentação da fábrica - como ambos Marx e Weber notaram.
  36. ^ Ewan Ferlie, Laurence E. Lynn, Christopher Pollitt (2005) The Oxford Handbook of Public Management , p.30.
  37. ^ Kazin, Edwards e Rothman (2010), 142. Um dos exemplos mais antigos de um sistema de serviço público baseado no mérito existia na burocracia imperial da China.
    • Tan, Chung; Geng, Yinzheng (2005). Índia e China: vinte séculos de interação e vibrações de civilização . University of Michigan Press. p. 128. A China não apenas produziu a primeira "burocracia" do mundo, mas também a primeira "meritocracia" do mundo
    • Konner, Melvin (2003). Perturbada: uma antropologia dos judeus . Viking Compass. p. 217 . ISBN 9780670032440. China é a meritocracia mais antiga do mundo
    • Tucker, Mary Evelyn (2009). "Tocando as profundezas das coisas: cultivando a natureza no leste da Ásia". Ecologia e Meio Ambiente: Perspectivas das Humanidades : 51. Para atender a essas instituições, eles criaram a mais antiga meritocracia do mundo, em que as nomeações para o governo eram baseadas em concursos públicos que se baseavam nos valores dos Clássicos Confucionistas
  38. ^ Gomez-Mejia, Luis R .; David B. Balkin; Robert L. Cardy (2008). Gestão: Pessoas, Desempenho, Mudança, 3ª edição . Nova York: McGraw-Hill . p. 19. ISBN 978-0-07-302743-2.
  39. ^ Creel, 1974 pp. 4-5 Shen Pu-hai: Um filósofo político chinês do quarto século AC
  40. ^ Creel, O que é taoísmo ?, 94
  41. ^ Ewan Ferlie, Laurence E. Lynn, Christopher Pollitt 2005 p.30, The Oxford Handbook of Public Management
  42. ^ Herrlee G. Creel, 1974 p.119. "Shen Pu-Hai: A Secular Philosopher of Administration", Journal of Chinese Philosophy Volume 1.
  43. ^ Creel, "The Origins of Statecraft in China, I", The Western Chou Empire , Chicago, pp.9-27
  44. ^ Otto B. Van der Sprenkel, "Max Weber on China", History and Theory 3 (1964), 357.
  45. ^ a b Bodde, Derke. "China: um livro de exercícios de ensino" . Universidade Columbia.
  46. ^ Texto completo do Relatório Northcote-Trevelyan arquivado em 22 de dezembro de 2014 na Wayback Machine
  47. ^ Walker, David (09/07/2003). "Jogo justo" . The Guardian . Londres, Reino Unido . Página visitada em 2003-07-09 .
  48. ^ Mark W. Huddleston; William W. Boyer (1996). The Higher Civil Service in the United States: Quest for Reform . Universidade de Pittsburgh Pre. p. 15. ISBN 0822974738.
  49. ^ Rung, Margaret C. (2002). Servos do Estado: Gerenciando Diversidade e Democracia na Força de Trabalho Federal, 1933-1953 . University of Georgia Press. pp. 8, 200–201. ISBN 0820323624.
  50. ^ Griffin, Ricky W. Gestão do COSTUME: Princípios e práticas, edição internacional, 11a edição. Cengage Learning UK, 08/2014
  51. ^ a b c Gomez-Mejia, Luis R .; David B. Balkin; Robert L. Cardy (2008). Gestão: Pessoas, Desempenho, Mudança (3 ed.). Nova York: McGraw-Hill . p. 20. ISBN 978-0-07-302743-2.
  52. ^ Rosenthal, Caitlin (2018). Contabilidade para a escravidão: mestrado e gestão . Harvard University Press. ISBN  9780674988576. Retirado em 3 de outubro de 2020 .
  53. ^ Khurana, Rakesh (2010) [2007]. De objetivos superiores a mãos contratadas: a transformação social das escolas de negócios americanas e a promessa não cumprida de administração como profissão . Princeton University Press. p. 3. ISBN  978-1-4008-3086-2. Página visitada em 2013-08-24 . Quando os gerentes assalariados apareceram pela primeira vez nas grandes corporações no final do século XIX, não era óbvio quem eles eram, o que faziam ou por que deveriam ser incumbidos da tarefa de dirigir corporações.
  54. ^ Groeger, Cristina V. (fevereiro de 2018). "A" Good Mixer ": University Placement in Corporate America, 1890–1940" . History of Education Quarterly . 58 (1): 33–64. doi : 10.1017 / heq.2017.48 . ISSN 0018-2680 . S2CID 149037078 .  
  55. ^ Jacoby, SM (1985). "Employing Bureaucracy: Managers, Unions, and the Transformation of Work in American Industry, 1900-1945". Columbia University Press .
  56. ^ Cruikshank, L (1987). ". A Delicate Experiment: The Harvard Business School, 1908-1945". Harvard Business School Press .
  57. ^ Groeger, Cristina V. (fevereiro de 2018). "A" Good Mixer ": University Placement in Corporate America, 1890–1940" . History of Education Quarterly . 58 (1): 33–64. doi : 10.1017 / heq.2017.48 . ISSN 0018-2680 . S2CID 149037078 .  
  58. ^ Gilbreth, Lillian Moller. A Psicologia da Gestão: A Função da Mente na Determinação, Ensino e Instalação de Métodos de Menor Resíduos - via Arquivo da Internet.
  59. ^ Legge, David; Stanton, Pauline; Smyth, Anne (outubro de 2005). "Gestão da aprendizagem (e gestão da sua própria aprendizagem)" . Em Harris, Mary G. (ed.). Gerenciando Serviços de Saúde: Conceitos e Práticas . Marrickville, NSW: Elsevier Australia (publicado em 2006). p. 13. ISBN  978-0-7295-3759-9. Página visitada em 11/07/2014 . O gerente como burocrata é o guardião de papéis, regras e relacionamentos; seu estilo de gestão depende muito do trabalho de acordo com o livro. Na tradição weberiana, os gerentes são necessários para coordenar as diferentes funções que contribuem para o processo de produção e para mediar a comunicação da matriz para o chão de fábrica e vice-versa. Esse estilo de gestão pressupõe uma visão de mundo em que o papel burocrático é visto como separado de, e tendo precedência sobre, outras construções do self (incluindo as obrigações de cidadania), pelo menos durante a jornada de trabalho.
  60. ^ Compare: Ivanova, Galina Mikhailovna (17 de julho de 2015). Raleigh, Donald J. (ed.). Socialismo do Campo de Trabalho: O Gulag no Sistema Totalitário Soviético . Traduzido por Flath, Carol A. (ed. Reimpressão). Routledge (publicado em 2015). ISBN 9781317466635. Retirado em 8 de março de 2021 . A suspensão do desenvolvimento das forças produtivas pelo Gulag teria um efeito de longo prazo sobre a economia soviética, e as relações de produção entre senhor e escravo dos campos corromperam grandes setores da sociedade soviética. Centenas de milhares de pessoas que serviam como guardas, gerentes, trabalhadores políticos, e assim por diante, no sistema Gulag consideravam completamente normal viver da exploração diária de seus concidadãos [...]. [...] Além disso, as regiões inferiores da economia do campo incubaram uma variedade especial de gestores e exploradores soviéticos, que valorizavam e alimentavam tudo, exceto o ser humano. Esse tipo único de administrador iria desempenhar um papel significativo na formulação da política econômica do Partido e do governo.
  61. ^ Kadar, Laszlo (fevereiro de 2012). Um menino de sorte . Houston, Texas: Strategic Book Publishing (publicado em 2012). p. 23. ISBN  9781612045825. Retirado em 8 de março de 2021 . A 'administração' do campo [Mauthausen] não se importava com as condições das 'instalações'. A SS alemã (Schutzstaffel) era a gestão.
  62. ^ Por exemplo: Hsing, You-tien (1993). Redes transnacionais de pequenas empresas taiwanesas e governos locais chineses: um novo padrão de investimento estrangeiro direto . 2 . Berkeley: Universidade da Califórnia. p. 361 . Retirado em 8 de março de 2021 . Quase todos os gerentes taiwaneses que entrevistei enfatizaram a importância de uma gestão de tipo militar. O serviço militar obrigatório de dois anos em Taiwan preparou bem esses gerentes taiwaneses do sexo masculino com técnicas de treinamento de estilo militar.
  63. ^ Peters, Thomas J. (1987). Thriving on Chaos: Handbook for a Management Revolution . Biblioteca perene. 7184 . Knopf. ISBN  9780394560618. Retirado em 7 de setembro de 2020 .
  64. ^ Craig, S. (2009, 29 de janeiro). Merrill Bonus Case se amplia com a luta contra o acordo. Wall Street Journal . [3]
  65. ^ Manfred FR Kets de Vries: "The Dark Side of Leadership" - Business Strategy Review 14 (3), Autumn p. 26 (2003).
  66. ^ Jean-Louis Peaucelle (2015). Henri Fayol, o gerente . Routledge. pp. 55–. ISBN 978-1-317-31939-9.
  67. ^ "Funções de gerenciamento | Princípios de gerenciamento" . cursos.lumenlearning.com . Obtido em 2021-04-22 .
  68. ^ "7 principais habilidades comportamentais para desenvolver dentro de seus funcionários" . ProSky - Aprenda habilidades, faça projetos e seja contratado por empresas incríveis . Obtido em 2021-04-22 .

Ligações externas