Cracóvia

Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Ir para navegação Pular para pesquisar

Cracóvia
Capital Real da Cracóvia
Krakow Rynek Glowny panorama 2.jpg
XII, XIV, XIX, Kraków.jpg
Kościół p.w. św. Piotra i Pawła, Kraków.jpg
Wawel Krakow June 2006 003.jpg
Kamienica, Floriańska 55, Kraków 1.JPG
Rynek Główny 3, Kraków.JPG
Lema (s): 
Cracovia urbs celeberrima
Kraków is located in Poland
Kraków
Cracóvia
Localização de Cracóvia na Polônia
Kraków is located in Lesser Poland Voivodeship
Kraków
Cracóvia
Cracóvia (voivodia da Pequena Polônia)
Coordenadas: 50 ° 03′41 ″ N 19 ° 56′14 ″ E / 50.06139°N 19.93722°E / 50.06139; 19.93722Coordenadas : 50 ° 03′41 ″ N 19 ° 56′14 ″ E  / 50.06139°N 19.93722°E / 50.06139; 19.93722
PaísPolônia
VoivodiaPequena Polónia
Direitos da cidade5 de junho de 1257 [2]
Governo
 • PrefeitoJacek Majchrowski ( I )
Área
 • Cidade326,8 km 2 (126,2 sq mi)
 • Metro
1.023,21 km 2 (395,06 sq mi)
Elevação
219 m (719 pés)
População
 (31 de dezembro de 2020)
 • Cidade779.966 Increase( ) [1]
 • Densidade2.359 / km 2 (6.110 / sq mi)
 •  Metro
1.725.894
Demônimo (s)Cracoviano
Fuso horárioUTC + 1 ( CET )
 • Verão ( DST )UTC + 2 ( CEST )
Código postal
30-024 a 31-963
Código (s) de área+48 12
Local na rede Internetwww.krakow.pl
Nome oficialCentro Histórico de Cracóvia
ModeloCultural
Critério4
Designado1978 (2ª sessão )
Nº de referência29
Região da UNESCOEuropa

Cracóvia , [a] também escrita em inglês como Cracóvia e tradicionalmente conhecida como Cracóvia , é a segunda maior e uma das cidades mais antigas da Polônia . Situada às margens do rio Vístula, na voivodia da Pequena Polônia , a cidade remonta ao século VII. [6] Cracóvia foi a capital oficial da Polônia até 1596 [7] e tem sido tradicionalmente um dos principais centros da vida acadêmica, econômica, cultural e artística polonesa. Citado como uma das cidades mais bonitas da Europa, [8] seu centro histórico foi declarado o primeiro Patrimônio Mundial da UNESCO no mundo.

A cidade cresceu de um assentamento da Idade da Pedra para a segunda cidade mais importante da Polônia. Começou como um vilarejo na Colina Wawel e foi relatado como um movimentado centro comercial da Europa Central em 965. [6] Com o estabelecimento de novas universidades e locais culturais no surgimento da Segunda República Polonesa em 1918 e ao longo do século 20, Cracóvia reafirmou seu papel como um importante centro acadêmico e artístico nacional. A cidade tem uma população de cerca de 780.000, com aproximadamente 8 milhões de pessoas vivendo em um raio de 100 km (62 milhas) de sua praça principal . [9]

Após a invasão da Polônia pela Alemanha nazista no início da Segunda Guerra Mundial , o recém-definido Distrikt Krakau (Distrito de Cracóvia) se tornou a capital do Governo Geral da Alemanha . A população judia da cidade foi forçada a entrar em uma zona murada conhecida como Gueto de Cracóvia , de onde foram enviados para campos de extermínio alemães , como o vizinho Auschwitz , e campos de concentração nazistas como Płaszów . [10] No entanto, a cidade foi poupada da destruição e grandes bombardeios.

Em 1978, Karol Wojtyła, arcebispo de Cracóvia , foi elevado ao papado como Papa João Paulo II - o primeiro papa não italiano em 455 anos. [11] Também naquele ano, a UNESCO aprovou toda a Cidade Velha de Cracóvia e o centro histórico como seu primeiro Patrimônio Mundial ao lado de Quito . [12] [13] Cracóvia é classificada como uma cidade global com a classificação de "alta suficiência" pela Rede de Pesquisa de Globalização e Cidades Mundiais . [14] Sua extensa herança cultural ao longo das épocas do Gótico , Renascimentoe arquitectura barroca inclui Catedral Wawel e Castelo Real Wawel , nas margens do Vístula , a Basílica de Santa Maria , São Pedro e São Paulo Igreja eo maior medieval praça do mercado na Europa, Rynek Główny . [15] Cracóvia é o lar da Universidade Jagiellonian , uma das universidades mais antigas do mundo e tradicionalmente a instituição de ensino superior mais conceituada da Polônia.

Em 2000, Cracóvia foi nomeada Capital Europeia da Cultura . Em 2013, Cracóvia foi oficialmente aprovada como Cidade da Literatura da UNESCO . [16] A cidade sediou o Dia Mundial da Juventude em julho de 2016. [17]

Etimologia

O nome de Cracóvia é tradicionalmente derivado de Cracóvia ( Cracóvia , Grakch), o lendário fundador da Cracóvia e governante da tribo dos Lechitianos . Em polonês, Cracóvia é uma arcaica possessivo forma de Krak e essencialmente significa "de Krak (cidade)". A verdadeira origem do nome é muito disputada entre os historiadores, com muitas teorias existentes e nenhum consenso unânime. A primeira menção registrada do Príncipe Krakus (então escrito como Grakch ) data de 1190, embora a cidade existisse já no século 7, quando era habitada pela tribo dos Vistulanos . [6] É possível que o nome da cidade seja derivado da palavra "kruk ", que significa corvo ou corvo. [18] [19]

O nome oficial completo da cidade é Stołeczne Królewskie Miasto Kraków , [20] que pode ser traduzido como " Capital Real de Cracóvia". Em inglês, uma pessoa que nasceu ou vive em Cracóvia é um cracoviano ( polonês : krakowianin ou krakus ). Até a década de 1990, a versão em inglês do nome costumava ser escrita como Cracóvia, mas agora a versão moderna em inglês mais difundida é Cracóvia. [21]

História

Tumba de Casimiro III, o Grande, na Catedral de Wawel . Cracóvia foi a capital da Polônia de 1038 a 1596

O início da história de Cracóvia começa com evidências de um assentamento da Idade da Pedra no atual local da Colina Wawel. [22] [ fonte não confiável? ] A lenda atribui a fundação de Cracóvia ao governante mítico Krakus , que a construiu acima de uma caverna ocupada por um dragão , Smok Wawelski . O primeiro registro escrito do nome da cidade data de 965, quando Cracóvia foi descrita como um notável centro comercial controlado pela Morávia (876-879), mas capturado por um duque boêmio Boleslau I em 955. [23] O primeiro governante aclamado da Polônia, Mieszko I, tomou Cracóvia dos boêmios e incorporou-a às propriedades da dinastia Piast no final de seu reinado.

Em 1038, Cracóvia tornou-se a sede do governo polonês. [6] No final do século 10, a cidade era um importante centro de comércio. [24] Prédios de tijolos foram construídos, incluindo o Castelo Real de Wawel com a Rotunda de São Félix e Adaukt, igrejas românicas como a de Santo Adalberto , uma catedral e uma basílica . [25] A cidade foi saqueada e queimada durante a invasão mongol de 1241. [26] Foi reconstruída praticamente idêntica, [27] com base no novo ato de localização e incorporada em 1257 pelo alto duqueBolesław V, o Casto, que seguindo o exemplo de Wrocław , introduziu os direitos da cidade modelados na lei de Magdeburg, permitindo benefícios fiscais e novos privilégios comerciais para os cidadãos. [28] Em 1259, a cidade foi novamente devastada pelos mongóis. Um terceiro ataque em 1287 foi repelido em parte graças às fortificações recém-construídas . [29]

Em 1335, o rei Casimiro III, o Grande (Kazimierz em polonês) declarou os dois subúrbios ocidentais como uma nova cidade com o seu nome, Kazimierz ( Casimiria em latim). As muralhas defensivas foram erguidas em torno da seção central de Kazimierz em 1362, e um lote foi reservado para a ordem agostiniana ao lado de Skałka . [30] A cidade ganhou destaque em 1364, quando Casimir fundou a Universidade de Cracóvia , [31] a segunda universidade mais antiga da Europa Central depois da Universidade Charles de Praga. Casimir também começou a trabalhar em um campus para a Academia em Kazimierz, mas ele morreu em 1370 e o campus nunca foi concluído.

A Igreja de Santo Adalberto é uma das igrejas mais antigas da cidade que data do século 11

A cidade continuou a crescer sob a dinastia conjunta Lituano- Polonesa Jagiellon . Como capital do Reino da Polônia e membro da Liga Hanseática , a cidade atraiu muitos artesãos do exterior, [32] negócios e guildas à medida que a ciência e as artes começaram a florescer. [33] A chancelaria real e a Universidade garantiram o primeiro florescimento da cultura literária polonesa na cidade. [34]

"Idade de Ouro" de Cracóvia

Xilogravura de Cracóvia da Crônica de Nuremberg , 1493

Os séculos 15 e 16 foram conhecidos como Złoty Wiek da Polônia ou Idade de Ouro . [35] Muitas obras de arte e arquitetura da Renascença polonesa foram criadas, [36] [37] incluindo antigas sinagogas no bairro judeu de Cracóvia localizado na parte nordeste de Kazimierz, como a Antiga Sinagoga . [38] Durante o reinado de Casimiro IV , vários artistas trabalharam e viveram em Cracóvia, e Johann Haller estabeleceu uma impressora na cidade [39] depois que Kasper Straube imprimiu o Calendarium Cracoviense, a primeira obra impressa na Polônia, em 1473. [40] [41]

View of Kraków ( Cracovia ) perto do final do século 16

Em 1520, o mais famoso sino da igreja na Polônia, chamado Zygmunt após Sigismundo I da Polônia , foi lançado por Hans Behem. [42] Naquela época, Hans Dürer , um irmão mais novo do artista e pensador Albrecht Dürer , era o pintor da corte de Sigismundo . [43] Hans von Kulmbach fez retábulos para várias igrejas. [44] Em 1553, o conselho distrital de Kazimierz deu ao judeu Qahaluma licença para o direito de construir suas próprias paredes internas na seção oeste das paredes defensivas já existentes. As paredes foram ampliadas novamente em 1608 devido ao crescimento da comunidade e ao influxo de judeus da Boêmia. [45] Em 1572, o rei Sigismundo II , o último dos Jagiellons, morreu sem filhos. O trono polonês passou para Henrique III da França e depois para outros governantes estrangeiros em rápida sucessão, causando um declínio na importância da cidade que foi agravado pela pilhagem durante a invasão sueca e por um surto de peste bubônica que deixou 20.000 habitantes da cidade residentes mortos. Em 1596, Sigismundo III da Casa de Vasamudou a capital administrativa da Comunidade polonesa-lituana de Cracóvia para Varsóvia . [46]

Século 19

Tadeusz Kościuszko faz o juramento de lealdade à nação polonesa na praça do mercado de Cracóvia ( Rynek ), 1794

Já enfraquecida durante o século 18, em meados da década de 1790, a Comunidade polonesa-lituana havia sido dividida duas vezes por seus vizinhos: Rússia , o império dos Habsburgos e a Prússia . [47] Em 1791, o imperador austríaco e sagrado romano José II mudou o status de Kazimierz como uma cidade separada e a transformou em um distrito de Cracóvia. As famílias judias mais ricas começaram a se mudar. No entanto, por causa da injunção contra viagens no sábado , a maioria das famílias judias ficava relativamente perto das sinagogas históricas. Em 1794, Tadeusz Kościuszko iniciou uma insurreição malsucedida ema praça principal da cidade que, apesar de sua vitoriosa Batalha de Racławice contra um exército russo numericamente superior , resultou na terceira e última partição da Polônia . [48] Em 1809, Napoleão Bonaparte capturou os antigos territórios poloneses da Áustria e tornou a cidade parte do Ducado de Varsóvia . Após a derrota de Napoleão, o Congresso de Viena de 1815 restaurou as fronteiras do pré-guerra, mas também criou a Cidade Livre parcialmente independente de Cracóvia . Uma insurreição em 1846 falhou, [49] resultando na cidade sendo anexada pela Áustria sob o nome deGrão-Ducado de Cracóvia ( polonês : Wielkie Księstwo Krakowskie , alemão : Großherzogtum Krakau ). [50]

Em 1866, a Áustria concedeu certo grau de autonomia à Galícia após sua própria derrota na Guerra Austro-Prussiana . [51] Cracóvia politicamente mais livre se tornou um símbolo nacional polonês e um centro de cultura e arte, frequentemente conhecida como a "Atenas polonesa" ( Polskie Ateny ). Muitos dos principais artistas poloneses do período residiram em Cracóvia, [52] entre eles o pintor seminal Jan Matejko , [53] enterrado no cemitério de Rakowicki e o fundador do drama polonês moderno, Stanisław Wyspiański . [54] Fin de siècle Cracóvia evoluiu para uma metrópole moderna; água correntee os bondes elétricos foram introduzidos em 1901 e, entre 1910 e 1915, Cracóvia e as comunidades suburbanas vizinhas foram gradualmente combinadas em uma única unidade administrativa chamada Grande Cracóvia ( Wielki Kraków ). [55] [56]

Ato de concessão da constituição à Cidade Livre de Cracóvia . Após as Partições da Polônia , Cracóvia tornou-se uma cidade-república independente e o único pedaço de território polonês soberano entre 1815 e 1846.

Com a eclosão da Primeira Guerra Mundial em 3 de agosto de 1914, Józef Piłsudski formou uma pequena unidade militar de quadros , a First Cadre Company - a predecessora das Legiões Polonesas - que partiu de Cracóvia para lutar pela libertação da Polônia. [57] A cidade foi brevemente sitiada pelas tropas russas em novembro de 1914. [58] O domínio austríaco em Cracóvia terminou em 1918, quando o Comitê de Liquidação Polonês assumiu o poder. [59] [60]

Século 20 até o presente

Vendedores de flores em Rynek. Primeiro autocromo na Polônia, datado de 1912

Com o surgimento da Segunda República Polonesa , Cracóvia retomou seu papel como um importante centro acadêmico e cultural, com o estabelecimento de novas universidades, como a AGH University of Science and Technology e a Jan Matejko Academy of Fine Arts , incluindo uma série de novas e escolas profissionais essenciais. Tornou-se um importante centro cultural para os judeus poloneses , incluindo grupos sionistas e bundistas . [61] [62] [63] Cracóvia também foi um centro influente da vida espiritual judaica, com todas as suas manifestações de observância religiosa desde os ortodoxos , aos hassídicos eReforma do Judaísmo florescendo lado a lado.

Após a invasão da Polônia pela Alemanha nazista em setembro de 1939, a cidade de Cracóvia tornou-se parte do Governo Geral , uma região administrativa separada do Terceiro Reich . Em 26 de outubro de 1939, o regime nazista construiu Distrikt Krakau , um dos quatro distritos totais dentro do Governo Geral. No mesmo dia, a cidade de Cracóvia também se tornou a capital da administração. O Governo Geral era governado por Hans Frank, que trabalhava no Castelo Wawel da cidade. Os nazistas imaginaram transformar Cracóvia em uma cidade completamente germanizada; após a remoção de todos os judeus e poloneses, renomeação de locais e ruas para a língua alemã e patrocínio de propaganda tentando retratá-la como uma cidade historicamente alemã. [64] Em 28 de novembro de 1939, Hans Frank criou os Judenräte (Conselhos Judaicos) que deveriam ser administrados por cidadãos judeus com o objetivo de cumprir ordens para os nazistas. Essas ordens incluíam o registro de todos os judeus que viviam na área, a cobrança de impostos e grupos de trabalho forçado.

Na véspera da guerra, cerca de 56.000 judeus residiam em Cracóvia, quase um quarto de uma população total de cerca de 250.000. Em novembro de 1939, a população judaica de Cracóvia havia crescido para aproximadamente 70.000. [65] [66] De acordo com estatísticas alemãs de 1940, mais de 200.000 judeus viviam em todo o distrito de Cracóvia , ultrapassando 5 por cento da população total do distrito. Essas estatísticas, no entanto, são provavelmente subestimadas. [66]

Durante uma operação chamada " Sonderaktion Krakau ", mais de 180 professores universitários e acadêmicos foram presos e enviados para os campos de concentração de Sachsenhausen e Dachau , embora os sobreviventes tenham sido posteriormente libertados a pedido de italianos proeminentes. [67] [68]

Cracóvia Ghetto , 1942 - um posto de controle alemão durante a operação Aktion Krakau

Antes da formação dos guetos, iniciada no Distrito em dezembro de 1939, os judeus eram incentivados a fugir da cidade. Para os que permaneceram, as autoridades alemãs decidiram em março de 1941 alocar um bairro suburbano, o distrito de Podgórze , para se tornar o gueto de Cracóvia, onde tantos judeus estavam destinados a morrer de doença ou fome. Inicialmente, a maioria dos guetos foi aberta e os judeus foram autorizados a entrar e sair livremente. No entanto, com o tempo, os guetos foram geralmente fechados e a segurança tornou-se mais rígida. A partir do outono de 1941, a SS desenvolveu a política de extermínio pelo trabalho , [69] que piorou ainda mais a já desolada condição judaica. Os habitantes do gueto foram posteriormente assassinados ou enviados para campos de extermínio alemães, incluindo Bełżec e Auschwitz , e para o campo de concentração de Cracóvia-Płaszów . [70] As maiores deportações dentro do distrito ocorreram de junho a setembro de 1942. Mais especificamente, a deportação do gueto de Cracóvia ocorreu na primeira semana de junho de 1942, [66] e em março de 1943 o gueto foi definitivamente liquidado. [71]

Roman Polanski , o diretor de cinema, é um sobrevivente do gueto de Cracóvia, enquanto Oskar Schindler selecionou funcionários do gueto para trabalhar em sua fábrica de artigos esmaltados , a Deutsche Emailwaren Fabrik ( abreviatura de Emalia ), salvando-os dos campos. [72] [73] Da mesma forma, muitos homens capazes de trabalho físico foram salvos das deportações para campos de extermínio e, em vez disso, colocados em campos de trabalhos forçados em todo o Governo Geral. [66] Em setembro de 1943, o último dos judeus do gueto de Cracóvia foi deportado. Embora saqueada pelas autoridades ocupacionais , Cracóvia permaneceu relativamente intacta no final da Segunda Guerra Mundial, [74]poupando a maior parte do legado histórico e arquitetônico da cidade. As forças soviéticas entraram na cidade em 18 de janeiro de 1945 e começaram a prender poloneses leais ao governo polonês no exílio ou que haviam servido no Exército da Pátria . [75]

O crescimento territorial de Cracóvia do final do século 18 ao século 20

Depois da guerra, sob a República Popular da Polônia , a comunidade intelectual e acadêmica de Cracóvia foi colocada sob completo controle político. As universidades logo foram privadas de direitos de impressão e autonomia. [76] O governo stalinista ordenou a construção da maior usina siderúrgica do país no recém-criado subúrbio de Nowa Huta . [77] A criação da gigante Lenin Steelworks (agora Sendzimir Steelworks de propriedade da Mittal ) selou a transformação de Cracóvia de uma cidade universitária em um centro industrial. [78] A nova classe trabalhadora, atraída pela industrialização de Cracóvia, contribuiu para o rápido crescimento populacional.

Em um esforço que durou duas décadas, Karol Wojtyła , cardeal arcebispo de Cracóvia, fez lobby com sucesso pela permissão para construir as primeiras igrejas nos novos subúrbios industriais. [78] [79] Em 1978, Wojtyła foi elevado ao papado como João Paulo II , o primeiro papa não italiano em 455 anos. No mesmo ano, a UNESCO , após o pedido das autoridades locais, colocou a Cidade Velha de Cracóvia na primeira lista de locais do Patrimônio Mundial .

Geografia

Cracóvia fica na parte sul da Polônia, no rio Vístula , em um vale no sopé das montanhas dos Cárpatos , 219 m (719 pés) acima do nível do mar ; a meio caminho entre Jurassic Rock Upland ( polonês : Jura Krakowsko-Częstochowska ) ao norte e as montanhas Tatra 100 km (62 mi) ao sul, constituindo a fronteira natural com a Eslováquia e a República Tcheca ; 230 km (143 milhas) a oeste da fronteira com a Ucrânia .

Existem cinco reservas naturais em Cracóvia, com uma área combinada de ca. 48,6 hectares (120 acres). Devido ao seu valor ecológico, essas áreas são legalmente protegidas. A parte oeste da cidade, ao longo de seu lado norte e noroeste, faz fronteira com uma área de importância internacional conhecida como o refúgio Jurassic Bielany - Tyniec . Os principais motivos para a proteção desta área incluem a fauna e flora vegetal e as características geomorfológicas e paisagísticas da área. [80] Outra parte da cidade está localizada dentro do 'corredor' ecológico do vale do rio Vístula. Este corredor também é considerado de importância internacional como parte da rede ecológica pan-europeia. [81] O centro da cidade está situado na margem esquerda (norte) do rio.

Clima

Convento das Irmãs Norbertinas em Cracóvia-Zwierzyniec e o Rio Vístula durante a temporada de verão

Oficialmente, Cracóvia tem um clima oceânico temperado , denotado pela classificação de Köppen como Cfb , [82] melhor definido como um clima semicontinental. [83] [84] Em períodos de referência mais antigos, foi classificado como um clima continental de verão quente ( Dfb ). [85] [86] Pela classificação de Wincenty Okołowicz , tem um clima temperado quente no centro da Europa continental com a "fusão" de diferentes características. [87]

Devido à sua localização geográfica, a cidade pode estar sob influência marinha, às vezes influência ártica , mas sem influência direta, dando à cidade condições meteorológicas variáveis ​​em curtos espaços de tempo. [88] [89]

Estando em direção ao Leste Europeu e a uma distância relativamente considerável do mar, Cracóvia apresenta diferenças de temperatura significativas de acordo com o progresso das diferentes massas de ar , tendo quatro estações do ano definidas. As temperaturas médias no verão variam de 18,6 a 20,4 ° C (65 a 69 ° F) e no inverno de -0,6 a 0,8 ° C (31 a 33 ° F). A temperatura média anual é de 10,0 ° C (50 ° F). No verão, as temperaturas costumam exceder 25 ° C (77 ° F), chegando até a 30 ° C (86 ° F), enquanto no inverno as temperaturas caem para −5 ° C (23 ° F) à noite e cerca de 0 ° C (32 ° F) durante o dia. Durante as noites muito frias, a temperatura pode cair para -15 ° C (5 ° F). A cidade fica perto das Montanhas Tatra , muitas vezes ocorrem ocorrências de sopro forte (umfoehn ), fazendo com que as temperaturas subam rapidamente e, mesmo no inverno, cheguem a até 20 ° C (68 ° F). [ citação necessária ]

Em relação a Varsóvia , as temperaturas são muito semelhantes na maior parte do ano, exceto que nos meses mais frios o sul da Polônia tem uma maior amplitude térmica diária, ventos mais moderados, geralmente dias mais chuvosos e com maiores chances de céu limpo em média, especialmente em inverno. O ângulo mais alto do sol também permite uma estação de crescimento mais longa . [90] Além disso, para dados mais antigos, havia menos sol do que a capital do país, cerca de 30 minutos diários por ano, mas ambos têm pequenas diferenças na umidade relativa e a direção dos ventos é nordeste. [83]

A tabela climática abaixo apresenta dados meteorológicos dos anos de 2000 a 2012, embora o período de referência oficial de Köppen tenha sido de 1981 a 2010 (portanto, não sendo tecnicamente uma normal climatológica [91] ). De acordo com medições em andamento, a temperatura aumentou durante esses anos em comparação com a última série. Este aumento é em média de cerca de 0,6 ° C ao longo de todos os meses. O aquecimento é mais pronunciado durante os meses de inverno, com um aumento de mais de 1,0 ° C em janeiro.

Dados climáticos para o Aeroporto de Cracóvia ( KRK ), normais 1991-2020 [b] , extremos 1951-presente
Mês Jan Fev Mar Abr Poderia Junho Jul Agosto Set Out Nov Dez Ano
Registro de alta ° C (° F) 16,8
(62,2)
19,8
(67,6)
24,1
(75,4)
30,0
(86,0)
32,6
(90,7)
34,2
(93,6)
35,7
(96,3)
37,3
(99,1)
34,8
(94,6)
27,1
(80,8)
22,5
(72,5)
19,3
(66,7)
37,3
(99,1)
Média máxima ° C (° F) 10,0
(50,0)
12,3
(54,1)
18,0
(64,4)
24,3
(75,7)
27,9
(82,2)
31,1
(88,0)
32,5
(90,5)
32,2
(90,0)
27,6
(81,7)
23,4
(74,1)
17,3
(63,1)
10,9
(51,6)
33,8
(92,8)
Média alta ° C (° F) 1,6
(34,9)
3,6
(38,5)
8,3
(46,9)
15,1
(59,2)
19,8
(67,6)
23,3
(73,9)
25,3
(77,5)
25,0
(77,0)
19,4
(66,9)
14,0
(57,2)
7,6
(45,7)
2,7
(36,9)
13,8
(56,8)
Média diária ° C (° F) -1,6
(29,1)
-0,2
(31,6)
3,5
(38,3)
9,3
(48,7)
14,0
(57,2)
17,6
(63,7)
19,3
(66,7)
18,9
(66,0)
13,9
(57,0)
8,8
(47,8)
3,8
(38,8)
-0,5
(31,1)
8,9
(48,0)
Média baixa ° C (° F) -4,7
(23,5)
-3,6
(25,5)
-0,8
(30,6)
3,7
(38,7)
8,5
(47,3)
12,2
(54,0)
13,8
(56,8)
13,4
(56,1)
9,1
(48,4)
4,7
(40,5)
0,6
(33,1)
-3,4
(25,9)
4,5
(40,1)
Média mínima ° C (° F) -15,7
(3,7)
-13,0
(8,6)
-8,0
(17,6)
-3,0
(26,6)
1,9
(35,4)
6,6
(43,9)
8,3
(46,9)
7,7
(45,9)
2,8
(37,0)
-3,2
(26,2)
-7,3
(18,9)
-13,5
(7,7)
−18,0
(−0,4)
Registro de ° C baixo (° F) −29,9
(−21,8)
−29,5
(−21,1)
-26,7
(-16,1)
-7,5
(18,5)
-3,2
(26,2)
-0,1
(31,8)
5,4
(41,7)
2,7
(36,9)
-3,1
(26,4)
-7,4
(18,7)
-17,2
(1,0)
−29,5
(−21,1)
−29,9
(−21,8)
Precipitação média mm (polegadas) 37,9
(1,49)
32,3
(1,27)
38,1
(1,50)
46,4
(1,83)
79,0
(3,11)
77,0
(3,03)
98,2
(3,87)
72,5
(2,85)
65,8
(2,59)
51,2
(2,02)
41,4
(1,63)
33,4
(1,31)
673,0
(26,50)
Média de dias chuvosos 22 20 19 16 18 17 17 14 15 16 18 22 213
Média de dias de neve 18 14 6 1 0 0 0 0 0 0 4 12 55
Média de humidade relativa (%) 86 83 76 70 72 73 73 75 80 84 88 88 79
Média de horas de sol mensais 40 56 89 134 182 192 203 188 129 103 48 32 1.396
Fonte 1: https://meteomodel.pl/dane/srednie-miesieczne [92]
Fonte 2: NOAA [93] [94]
Dados climáticos para o Observatório de Cracóvia, 1991-2020 normais, extremos 1951-presente
Mês Jan Fev Mar Abr Poderia Junho Jul Agosto Set Out Nov Dez Ano
Registro de alta ° C (° F) 17,3
(63,1)
21,0
(69,8)
24,7
(76,5)
31,2
(88,2)
33,7
(92,7)
35,3
(95,5)
36,3
(97,3)
38,3
(100,9)
35,8
(96,4)
27,9
(82,2)
24,0
(75,2)
19,9
(67,8)
38,3
(100,9)
Média máxima ° C (° F) 10,9
(51,6)
13,3
(55,9)
18,9
(66,0)
25,3
(77,5)
28,9
(84,0)
32,1
(89,8)
33,4
(92,1)
33,2
(91,8)
28,4
(83,1)
24,4
(75,9)
17,8
(64,0)
11,6
(52,9)
34,7
(94,5)
Média alta ° C (° F) 2,3
(36,1)
4,4
(39,9)
9,1
(48,4)
15,8
(60,4)
20,6
(69,1)
24,0
(75,2)
26,0
(78,8)
25,8
(78,4)
20,2
(68,4)
14,6
(58,3)
8,2
(46,8)
3,3
(37,9)
14,5
(58,1)
Média diária ° C (° F) -1,0
(30,2)
0,4
(32,7)
4,1
(39,4)
9,8
(49,6)
14,6
(58,3)
18,3
(64,9)
20,0
(68,0)
19,3
(66,7)
14,2
(57,6)
9,2
(48,6)
4,4
(39,9)
0,2
(32,4)
9,5
(49,1)
Média baixa ° C (° F) -3,5
(25,7)
-2,6
(27,3)
0,3
(32,5)
4,8
(40,6)
9,5
(49,1)
13,2
(55,8)
14,9
(58,8)
14,4
(57,9)
10,1
(50,2)
5,7
(42,3)
1,7
(35,1)
-2,2
(28,0)
5,5
(41,9)
Média mínima ° C (° F) -14,0
(6,8)
-11,4
(11,5)
-6,4
(20,5)
-1,6
(29,1)
3,0
(37,4)
8,1
(46,6)
9,9
(49,8)
9,2
(48,6)
3,8
(38,8)
-1,8
(28,8)
-5,8
(21,6)
-11,6
(11,1)
-16,4
(2,5)
Registro de ° C baixo (° F) −26,1
(−15,0)
−26,8
(−16,2)
−23,2
(−9,8)
-4,6
(23,7)
-1,8
(28,8)
2,3
(36,1)
6,6
(43,9)
4,5
(40,1)
-2,6
(27,3)
-5,7
(21,7)
-16,1
(3,0)
−25,7
(−14,3)
−26,8
(−16,2)
Fonte: https://meteomodel.pl/dane/srednie-miesieczne [95]
  1. ^
  2. ^ Os dados do sol são calculados no Observatório de Cracóvia de 1961–1990. O resto dos dados climáticos são registrados em Cracóvia-Balice.


Cityscape

O Barbican de Cracóvia, datado de cerca de 1498, já foi um posto avançado fortificado do centro da cidade medieval

Desenvolvido ao longo de muitos séculos, Cracóvia oferece um cenário de vitrine para muitos estilos históricos de arquitetura. À medida que a cidade se expandia, também cresciam as realizações arquitetônicas de seus construtores. É por esta razão que as variações de estilo e planejamento urbano são tão facilmente reconhecíveis. [de acordo com quem? ]

Construída a partir de seu núcleo mais antigo para fora, e tendo escapado de grande parte da destruição sofrida pela Polônia durante as guerras do século 20, os muitos monumentos arquitetônicos de Cracóvia podem ser vistos em ordem histórica caminhando do centro da cidade em direção aos seus bairros posteriores. Cracóvia é uma das poucas cidades medievais da Polônia que não tem uma prefeitura histórica de Ratusz em sua praça principal , porque ela não sobreviveu às Partições da Polônia . [ citação necessária ]

O centro histórico de Cracóvia, que inclui a Cidade Velha , Kazimierz e o Castelo Wawel , foi incluído como o primeiro de seu tipo na lista de Patrimônios Mundiais da UNESCO em 1978. [12] O Stare Miasto é o exemplo mais proeminente de uma cidade velha no país. [96] Por muitos séculos, Cracóvia foi a capital real da Polônia, até Sigismundo III Vasa realocar a corte para Varsóvia em 1596. Todo o distrito é cortado pela Estrada Real , a rota da coroação percorrida pelos Reis da Polônia . A rota começa emA Igreja de São Floriano fora do flanco norte das antigas muralhas da cidade, no subúrbio medieval de Kleparz; passa pelo Barbican de Cracóvia ( Barbakan ), construído em 1499, e entra no Stare Miasto pelo Portão de Florian . Ela desce a rua Floriańska pela praça principal e sobe pela Grodzka até Wawel , a antiga residência da realeza polonesa, com vista para o rio Vístula . A Cidade Velha atrai visitantes de todo o mundo. O centro histórico de Cracóvia é um dos 13 locais da Polônia incluídos no Patrimônio Mundial da UNESCO. O projeto arquitetônico do distrito sobreviveu a todos os cataclismos do passado e manteve sua forma original desde a época medieval. O centro histórico de Cracóvia possui cerca de seis mil locais históricos e mais de dois milhões de obras de arte. [97] Sua rica variedade de arquitetura histórica inclui edifícios românicos (por exemplo, a Igreja de Santo André, Cracóvia ), góticos , renascentistas e barrocos . Os palácios, igrejas, teatros e mansões de Cracóvia exibem uma grande variedade de cores, detalhes arquitetônicos, vitrais , pinturas, esculturas e móveis. [ citação necessária ]

Rua Kanonicza, aos pés do Castelo Wawel

Além da cidade velha, o distrito de Kazimierz é particularmente notável por seus muitos edifícios renascentistas e ruas pitorescas, bem como o bairro judeu histórico localizado na parte nordeste de Kazimierz. Kazimierz foi fundada no século 14 a sudeste do centro da cidade e logo se tornou uma área rica e bem povoada, onde a construção de propriedades imponentes se tornou comum. Talvez a característica mais importante do Kazimierz medieval fosse a única ponte principal permanente ( Pons Regalis ) através do braço norte do Vístula. Essa barreira natural costumava separar Kazimierz da Cidade Velha por vários séculos, enquanto a ponte conectava Cracóvia à Mina de Sal Wieliczkae a lucrativa rota comercial da Hungria. A última estrutura neste local (no final da moderna Stradom Street) foi desmontada em 1880, quando o braço norte do rio foi preenchido com terra e rocha, e posteriormente reconstruída. [30] [98]

Vista de Cracóvia da Basílica de Santa Maria na Praça do Mercado

Na década de 1930, Cracóvia tinha 120 sinagogas e casas de oração oficialmente registradas que se espalhavam pela cidade velha. Grande parte da vida intelectual judaica mudou-se para novos centros como Podgórze . [99] Isso, por sua vez, levou ao redesenvolvimento e renovação de grande parte de Kazimierz e ao desenvolvimento de novos distritos em Cracóvia. A maioria dos edifícios históricos no centro de Kazimierz hoje são preservados em sua forma original. Alguns edifícios antigos, no entanto, não foram reparados após a devastação trazida pela Segunda Guerra Mundial e permaneceram vazios. Os esforços mais recentes para restaurar os bairros históricos ganharam um novo ímpeto por volta de 1993. Kazimierz é agora uma área bem visitada, com um crescimento vertiginoso de restaurantes, bares, livrarias e lojas de souvenirs com temática judaica.

Palácio de Arte na Praça Szczepański, é um exemplo da arquitetura Art Nouveau no centro de Cracóvia [100]

Conforme a cidade de Cracóvia começou a se expandir ainda mais sob o domínio do Império Austro-Húngaro , os novos estilos arquitetônicos também se desenvolveram. Edifícios importantes do século 19 e início do século 20 em Cracóvia incluem a Academia de Belas Artes de Jan Matejko, a diretoria das Ferrovias do Estado da Polônia, bem como o complexo original da estação ferroviária Kraków Główny e a Academia de Economia da cidade. Foi também nessa época que os primeiros bulevares radiais de Cracóvia começaram a aparecer, com a cidade passando por um programa em grande escala com o objetivo de transformar a antiga capital polonesa em um sofisticado centro regional do Império Austro-Húngaro. Novos edifícios representativos do governo e cortiços de vários andares foram construídos nessa época. Muito do planejamento urbano além das paredes da Cidade Velha foi feito por arquitetos e engenheiros poloneses formados em Viena . Alguns dos principais projetos da época incluem o desenvolvimento das novas instalações da Universidade Jagiellonian e a construção do Collegium Novuma oeste da Cidade Velha. O planejamento de estilo imperial para o desenvolvimento da cidade continuou até o retorno da independência da Polônia, após a Primeira Guerra Mundial. O primeiro estilo modernista em Cracóvia é representado por obras-primas como o Palácio da Arte de Franciszek Mączyński e a "Casa sob o globo". A arquitetura do estilo da secessão , que chegou à Cracóvia vinda de Viena , tornou-se popular no final das Partições . [101]

A rua Basztowa , repleta de alguns dos edifícios históricos mais exclusivos em todos os estilos arquitetônicos; parte da Rota Real de Cracóvia

Com a reconquista da independência da Polônia, veio a grande mudança na sorte de Cracóvia - agora a segunda cidade mais importante de uma nação soberana. O estado começou a fazer novos planos para o desenvolvimento da cidade e comissionou uma série de edifícios representativos. O estilo predominante para novos projetos foi o modernismo com várias interpretações do estilo art déco. [102] Edifícios importantes construídos no estilo do modernismo polonês incluem o edifício Feniks 'LOT' na Rua Basztowa, a loja de departamentos Feniks na praça principal e o Banco de Poupança Municipal na Praça Szczepański. A casa Józef Piłsudski também é notável como um exemplo particularmente bom da arquitetura do período entre guerras na cidade. [103]

Após a Segunda Guerra Mundial, o novo governo voltou-se para a influência soviética e o monumentalismo stalinista . A doutrina do realismo socialista na Polônia , como em outros países da República Popular , foi aplicada de 1949 a 1956. Envolvia todos os domínios da arte, mas suas realizações mais espetaculares foram feitas no campo do desenho urbano. As diretrizes para essa nova tendência foram definidas em uma resolução de 1949 do Conselho Nacional de Arquitetos do Partido. A arquitetura se tornaria uma arma no estabelecimento da nova ordem social pelos comunistas. [104]O impacto ideológico do desenho urbano foi mais valorizado do que a estética. O objetivo era expressar persistência e poder. Essa forma de arquitetura foi implementada no novo distrito industrial de Nowa Huta com blocos de apartamentos construídos de acordo com um projeto stalinista, com pátios repetitivos e avenidas largas e arborizadas. [105]

Pawilon Wyspiański 2000 é uma peça rara da arquitetura pós-moderna presente na cidade velha de Cracóvia [106]

Como o estilo da Renascença era geralmente considerado o mais reverenciado na antiga arquitetura polonesa, também foi usado para aumentar o formato nacional socialista da Polônia . No entanto, no decorrer da incorporação dos princípios do realismo socialista, houve alguns desvios introduzidos pelos comunistas. Uma delas foi refletir mais de perto a arquitetura soviética, o que resultou na mistura da maioria das obras. A partir de 1953, as opiniões críticas no Partido foram cada vez mais frequentes, e a doutrina foi abandonada em 1956, marcando o fim do stalinismo . [107] O soc-realistacentro de Nowa Huta é considerado um monumento meritório da época. Este período da arquitetura do pós-guerra foi seguido pela construção em massa de grandes blocos de apartamentos do Sistema de Painel , a maioria dos quais foram construídos fora do centro da cidade e, portanto, não invadem a beleza das cidades antigas ou novas. Alguns exemplos do novo estilo (por exemplo, Hotel Cracovia) recentemente listados como monumentos históricos foram construídos durante a segunda metade do século 20 em Cracóvia. [108]

Após as Revoluções de 1989 e o nascimento da Terceira República na segunda metade do século 20, uma série de novos projetos arquitetônicos foram concluídos, incluindo a construção de grandes parques empresariais e instalações comerciais como a Galeria Krakowska , ou investimentos em infraestrutura como o Cracóvia Fast Tram . Um bom exemplo disso seria o Museu Manggha de Arte e Tecnologia Japonesa, projetado por Arata Isozaki , o Pawilon Wyspiański 2000 construído em 2007 , [106] que é usado como um espaço de informação e exposição polivalente, ou o Jardim das Artes de Małopolski ( Małopolski Ogród Sztuki), um complexo de exposições e teatro multiuso localizado no centro histórico. [109]

Parques e jardins

Parque Planty , que rodeia de Cracóvia Cidade Velha
Um pavilhão dentro do Parque Planty durante o inverno

Existem cerca de 40 parques em Cracóvia, incluindo dezenas de jardins e florestas. [110] Vários, como o Parque Planty , Jardim Botânico , Jardim Zoológico , Parque Krakowski , Parque Jordan e Parque Błonia estão localizados no centro da cidade; com Zakrzówek, floresta Lasek Wolski, Parque Strzelecki e Parque Lotników (entre outros) nos distritos circundantes. [110] Os parques cobrem cerca de 318,5 hectares (787 acres, 1,2 sq mi) da cidade.

O Parque Planty é o parque mais conhecido de Cracóvia. Foi estabelecido entre 1822 e 1830 no lugar das antigas muralhas da cidade, formando um cinturão verde em torno da Cidade Velha. Consiste em uma cadeia de jardins menores projetados em vários estilos e adornados com monumentos. O parque tem uma área de 21 hectares (52 acres) e um comprimento de 4 quilômetros (2,5 milhas), formando uma passarela panorâmica popular entre os cracovianos. [111]

O Jordan Park, fundado em 1889 pelo Dr. Henryk Jordan , foi o primeiro parque público desse tipo na Europa. [112] O parque construído às margens do rio Rudawa estava equipado com pistas de corrida e exercícios, playgrounds, piscina, anfiteatro , pavilhões e um lago para remo de barco e bicicletas aquáticas. Está localizado no terreno de um maior Parque Błonia de Cracóvia . [113] O menos proeminente Parque Krakowski foi fundado em 1885 por Stanisław Rehman, mas desde então foi muito reduzido em tamanho devido ao rápido desenvolvimento imobiliário. Foi um destino popular para muitos cracovianos no final do século XIX. [114]

Ambiente

Existem cinco reservas naturais em Cracóvia, com uma área total de 48,6 ha (120 acres). [115] Zonas verdes menores constituem partes do Conselho dos Parques Paisagísticos Jurássicos das Terras Altas de Cracóvia-Częstochowa , que trata das áreas de proteção do Jura polonês. Sob sua jurisdição estão: o Parque Paisagístico Bielany-Tyniec (Parque Bielańsko-Tyniecki), o Parque Paisagístico Tenczynek (Parque Tencziński) e o Parque Paisagístico dos Vales de Cracóvia (Parque Krajobrazowy Dolinki Krakowskie), com suas bacias hidrográficas. Todas as reservas naturais da Cadeia Jura polonesa fazem parte da CORINEprograma de biótopos devido à sua flora, fauna, geomorfologia e paisagem únicas. A parte ocidental de Cracóvia constitui a chamada rede ecológica Obszar Krakowski, incluindo o corredor ecológico do rio Vístula. As encostas meridionais das colinas calcárias proporcionam condições para o desenvolvimento de vegetação termófila , pastagens e matagais .

A cidade está distribuída ao longo de um transecto latitudinal estendido do Vale do Rio Vístula com uma rede de afluentes incluindo seu tributário direito Wilga e à esquerda: Rudawa , Białucha, Dłubnia e Sanka. Os rios e seus vales, juntamente com os cursos de água, são algumas das maravilhas naturais mais interessantes de Cracóvia.

Cracóvia e seu ambiente, cercado por montanhas, sofrem com a poluição do ar mais suja da Europa por causa da poluição , causada pela queima de carvão para aquecimento, especialmente no inverno. [116]

Governança

A nova prefeitura de Podgórze , que costumava ser uma cidade autônoma e independente até sua incorporação à Cracóvia em 1915

A Câmara Municipal de Cracóvia tem 43 membros eleitos, [117] um dos quais é o prefeito ou presidente de Cracóvia, eleito a cada quatro anos. A eleição do Conselho da Cidade e do chefe do governo local , [118] que ocorre ao mesmo tempo, é baseada na legislação apresentada em 20 de junho de 2002. O Presidente de Cracóvia, reeleito para o seu quarto mandato em 2014, é Jacek Majchrowski . [119] Vários membros do Parlamento nacional polonês ( Sejm ) são eleitos pelo círculo eleitoral de Cracóvia . [120] Os símbolos oficiais da cidade incluem um brasão de armas, uma bandeira, um selo e um banner. [121]

Entrada para o Palácio Wielopolski de 1560, a residência do prefeito de Cracóvia, administração e conselho municipal

As responsabilidades do presidente de Cracóvia incluem redigir e implementar resoluções, promulgar estatutos da cidade, administrar o orçamento da cidade, empregar administradores municipais e se preparar contra enchentes e desastres naturais . [118] O presidente cumpre suas funções com a ajuda da Câmara Municipal, gestores municipais e fiscais da cidade. Na década de 1990, o governo da cidade foi reorganizado para diferenciar melhor entre sua agenda política e funções administrativas. Como resultado, o Escritório de Informação Pública foi criado para tratar de consultas e promover a comunicação entre departamentos municipais e cidadãos em geral. [122]

Em 2000, o governo municipal introduziu um novo programa de longo prazo denominado "Cidade Mais Segura" em cooperação com a Polícia, Trânsito, Serviços Sociais, Bombeiros, Segurança Pública e Departamentos da Juventude. Posteriormente, o número de infrações criminais caiu 3% entre 2000 e 2001, e a taxa de detecção aumentou 1,4%, para um total de 30,2% no mesmo período. [123] A cidade está recebendo ajuda para a realização do programa de todas as instituições de ensino e da mídia local, incluindo TV, rádio e imprensa.

Distritos

Cracóvia está dividida em 18 distritos administrativos ( dzielnica ) ou bairros, cada um com um certo grau de autonomia dentro do seu próprio governo municipal. [124] Antes de março de 1991, a cidade havia sido dividida em quatro bairros que ainda dão um senso de identidade a Cracóvia - as cidades de Podgórze , Nowa Huta e Krowodrza que foram amalgamadas na cidade de Cracóvia à medida que se expandia, e o antigo centro da própria cidade de Cracóvia. [124]

A Praça Matejko com o Monumento Grunwald em Kleparz é um dos espaços públicos mais importantes da cidade

Os bairros mais antigos de Cracóvia foram incorporados à cidade antes do final do século XVIII. Eles incluem a Cidade Velha ( Stare Miasto ), outrora contida dentro das muralhas defensivas da cidade e agora rodeada pelo parque Planty; o distrito de Wawel , que abriga o Castelo Real e a catedral; Stradom e Kazimierz com seu histórico bairro judeu, o último originalmente dividido em bairros cristãos e judeus; [125] bem como a antiga cidade de Kleparz .

Os principais distritos adicionados nos séculos 19 e 20 incluem Podgórze , que até 1915, era uma cidade separada na margem sul do Vístula, e Nowa Huta, a leste do centro da cidade, construída após a Segunda Guerra Mundial.

Entre os bairros históricos mais notáveis ​​da cidade estão: Wawel Hill , lar do Castelo de Wawel e da Catedral de Wawel , onde muitos reis poloneses históricos estão enterrados; a cidade velha medieval, com sua praça do mercado principal (200 metros (660 pés) quadrados); dezenas de antigas igrejas e museus; os edifícios do século 14 da Universidade Jagiellonian; e Kazimierz, o centro histórico da vida social e religiosa judaica de Cracóvia. [126]

O bairro da Cidade Velha de Cracóvia possui cerca de 6.000 locais históricos e mais de 2.000.000 de obras de arte. [97] Sua rica variedade de arquitetura histórica inclui edifícios renascentistas , barrocos e góticos . Os palácios, igrejas e mansões de Cracóvia exibem uma grande variedade de cores, detalhes arquitetônicos, vitrais , pinturas, esculturas e móveis.

Na Praça do Mercado fica a basílica gótica de Santa Maria ( Kościół Mariacki ). Foi reconstruído no século XIV e apresenta o famoso altar de madeira ( Retábulo de Veit Stoss ), o maior retábulo gótico do mundo, [127] talhado por Veit Stoss . Na torre principal da igreja, uma trombeta ( hejnał mariacki ) soa a cada hora. A melodia, que costumava anunciar a abertura e o fechamento dos portões da cidade, termina inesperadamente no meio do caminho. De acordo com a lenda, a melodia foi tocada durante o século 13 tártaroinvasão por um guarda alertando os cidadãos contra o ataque. Ele foi baleado por um arqueiro das forças invasoras tártaras enquanto tocava, o toque do clarim foi interrompido no momento em que ele morreu. [128] A história foi contada em um livro publicado em 1928 chamado The Trumpeter of Krakow , de Eric P. Kelly , que ganhou um prêmio Newbery . [129]

Distrito População Area (2009) [130]
Stare Miasto (I) 41.121 559,29 ha (5,5929 km 2 )
Grzegórzki (II) 30.441 586,18 ha (5,8618 km 2 )
Prądnik Czerwony (III) 46.621 638,82 ha (6,3882 km 2 )
Prądnik Biały (IV) 66.649 2.370,55 ha (23,7055 km 2 )
Krowodrza (V) 34.467 538,32 ha (5,3832 km 2 )
Bronowice (VI) 22.467 957,98 ha (9,5798 km 2 )
Zwierzyniec (VII) 20.243 2.866,9 ha (28,669 km 2 )
Dębniki (VIII) 56.258 4.671,11 ha (46,7111 km 2 )
Łagiewniki-Borek Fałęcki (IX) 15.014 573,9 ha (5,739 km 2 )
Swoszowice (X) 20.641 2.416,73 ha (24,1673 km 2 )
Podgórze Duchackie (XI) 52.522 1.065,24 ha (10,6524 km 2 )
Bieżanów-Prokocim (XII) 63.270 1.846,93 ha (18,4693 km 2 )
Podgórze (XIII) 32.050 2.516,07 ha (25,1607 km 2 )
Czyżyny (XIV) 26.169 1.229,44 ha (12,2944 km 2 )
Mistrzejowice (XV) 54.276 547,82 ha (5,4782 km 2 )
Bieńczyce (XVI) 44.237 369,43 ha (3,6943 km 2 )
Wzgórza Krzesławickie (XVII) 20.234 2.375,82 ha (23,7582 km 2 )
Nowa Huta (XVIII) 58.320 6.552,52 ha (65,5252 km 2 )
Total 760.700 32.680,00 ha (326,8000 km 2 )

As divisões atuais foram introduzidas pela Prefeitura de Cracóvia em 19 de abril de 1995. Os distritos receberam numerais romanos , bem como o nome: [131] Stare Miasto (I), Grzegórzki (II), Prądnik Czerwony (III), Prądnik Biały (IV ), Lobzow (V), Bronowice (VI), Zwierzyniec (VII), Debniki (VIII), Łagiewniki-Borek Falecki (IX), Swoszowice (X), Podgórze Duchackie (XI), Biezanow-Prokocim (XII), Podgórze ( XIII), Czyżyny (XIV), Mistrzejowice(XV), Bieńczyce (XVI), Wzgórza Krzesławickie (XVII) e Nowa Huta (XVIII).

Mapa dos bairros da cidade de Cracóvia

Kraków dzielnice blank.svg

Mapa interativo. Para obter mais informações, clique no número do distrito.

Economia

Complexo de escritórios do Centro de Inovação Empresarial em Cracóvia

Cracóvia é um dos centros econômicos mais importantes da Polônia e o centro econômico da região da Pequena Polônia (Małopolska). [132] [133] Desde a queda do comunismo, o setor privado tem crescido continuamente. Existem cerca de 50 grandes empresas multinacionais na cidade, incluindo Google , IBM , Royal Dutch Shell , UBS , HSBC , Motorola , Aptiv , MAN SE , General Electric , ABB , Aon , Akamai , Cisco Systems , Hitachi, Philip Morris , Capgemini , [134] e Saber Holdings , [135] junto com outras firmas britânicas, alemãs e escandinavas. [132] [136] A cidade também é a sede global da Comarch , uma empresa polonesa de software empresarial. Cracóvia é a segunda cidade mais visitada da Polônia (depois de Varsóvia ). [132] [133] De acordo com o World Investment Report 2011 da Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (UNCTAD), Cracóvia é também a cidade mais emergente para investimento em projetos globais de BPO (Business Process Outsourcing) no mundo. [137]

Torre Unity , um dos edifícios mais altos da cidade

Em 2011, o orçamento da cidade , que é apresentado anualmente pelo prefeito de Cracóvia em 15 de novembro, tem uma receita projetada de 3.500.000.000 zlotys . [138] As principais fontes de receita foram as seguintes: 14% da tributação municipal sobre imóveis e o uso de amenidades , 30% em transferências do orçamento nacionale 34% em subsídios estaduais. Despesas projetadas, totalizando 3.520.000.000 zlotys, incluídas 21% nos custos de desenvolvimento da cidade e 79% nos custos de manutenção da cidade. Dos custos de manutenção, até 39% foram gastos com educação e cuidados infantis. Os custos de desenvolvimento da cidade de Cracóvia incluídos; 41% para a construção de estradas, transporte e comunicação (combinados) e 25% para a infraestrutura e meio ambiente da cidade. [139] A cidade tem uma alta classificação de crédito de títulos , e cerca de 60% da população tem menos de 45 anos. [133]

A Unity Tower foi concluída em 2020 após quase 30 anos, criando um novo centro comercial e residencial. É o edifício mais alto da cidade.

Empreendedorismo

Cracóvia tem uma longa história de empreendedorismo, talvez melhor refletida no fato de que a praça mais importante da cidade é chamada de Praça do Mercado Principal (Rynek Główny).

Comunidade Startup

Desde o início dos anos 2000, uma comunidade de startups surgiu em Cracóvia. No início, a página da web Cracóvia: o Vale do Silício da Europa era o centro online da comunidade. O mais importante agora é a fundação OMGKRK e seu grupo no Facebook, que tem mais de 5.000 membros e atua como um quadro de avisos da comunidade para a comunidade de startups.

Empresários

Jan Thurzo , um empresário húngaro e engenheiro de minas que foi desde 1477 um vereador e mais tarde prefeito de Cracóvia. Ele fundou a empresa Fugger – Thurzo com Jakob Fugger . Fugger monopolizou a mineração e o comércio de cobre no Sacro Império Romano por volta de 1500 e foi descrito como o homem mais rico que já viveu. [140]

Michal Hornstein , nascido em Cracóvia e graduado na Escola de Negócios de Cracóvia, escapou de um transporte do campo de extermínio nazista. Ele se mudou para Montreal em 1951, onde fundou a Federal Construction Ltd., uma empresa imobiliária com foco em apartamentos e shopping centers. Ele foi reconhecido como um grande filantropo em Montreal e apoiou as artes, a educação e a medicina, por exemplo, com este Presente de Antigos Mestres para o Museu de Belas Artes de Montreal

Helena Rubinstein , nascida em Cracóvia, fundou a Helena Rubenstein inc. empresa de cosméticos que foi vendida para a Colgate Palmolive em 1973 por $ 142,3 milhões em ações e dinheiro, e foi considerada uma das mulheres mais ricas do mundo.

Janusz Filipiak fundou a bem-sucedida empresa de TI Comarch em 1993, que em 2018 empregava 5.500 pessoas e patrocina o time de futebol Cracovia.

Piotr Wilam estabeleceu a Pascal Publishing House, o portal de internet Onet.pl e o fundo de capital semente Innovation Nest.

Rafal Brzoska [1] é o fundador e CEO da InPost, que abriu o capital em janeiro de 2021 arrecadando US $ 3 bilhões.

Conhecimento e inovação comunidade

Cracóvia é um dos centros de co-localização da Comunidade de Conhecimento e Inovação (Energia Sustentável) do Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia (EIT). [141]

A InnoEnergy é uma aliança integrada de organizações conceituadas dos setores de educação, pesquisa e indústria. Foi criado com base em laços de cooperação de longa data, bem como nos princípios de excelência. Os parceiros desenvolveram em conjunto uma estratégia para resolver os pontos fracos do panorama europeu da inovação no domínio da energia sustentável. [142]

Transportes

Bonde da cidade Bombardier na ponte Piłsudski

O transporte público é baseado em uma rede bastante densa de rotas de bonde e ônibus operada por uma empresa municipal, complementada por uma série de operadores de microônibus privados. Os trens locais conectam alguns dos subúrbios. A maior parte da área histórica da cidade foi transformada em uma zona de pedestres com riquixás e carruagens puxadas por cavalos; no entanto, os bondes circulam em um raio de três quarteirões. [143] O meio de transporte histórico da cidade pode ser examinado no Museu de Engenharia Municipal no distrito de Kazimierz, com muitos bondes, carros e ônibus antigos. [144]

As conexões ferroviárias estão disponíveis para a maioria das cidades polonesas , por exemplo , Katowice , Częstochowa , Szczecin , Gdynia e Varsóvia . Os destinos internacionais incluem Bratislava , Budapeste , Viena , Praga , Berlim , Hamburgo , Lviv , Kiev e Odessa (junho a setembro). [145] A principal estação ferroviária está localizada fora do distrito da cidade velha e é bem servida por transportes públicos.

O aeroporto de Cracóvia, oficialmente denominado Aeroporto Internacional João Paulo II de Cracóvia ( IATA : KRK ), está localizado 11 km (7 milhas) a oeste da cidade. Os trens diretos cobrem a rota entre a estação de trem Kraków Główny e o aeroporto em 20 minutos. O Aeroporto de Cracóvia atendeu cerca de 5.800.000 passageiros em 2017. [146] Além disso, o Aeroporto Internacional de Katowice está localizado a 80 quilômetros (50 milhas) ou cerca de 75 minutos de Cracóvia. [147]

No outono de 2016, o sistema de compartilhamento de bicicletas mais antigo da Polônia foi modernizado e agora oferece 1.500 bicicletas em 150 estações sob o nome de Wavelo (pl) , que é propriedade da BikeU da empresa multinacional francesa Egis. [148]

Demografia

Cracóvia tinha uma população registrada de 774.839 em 2019. De acordo com os dados de 2006, [149] a população de Cracóvia compreendia cerca de 2% da população da Polônia e 23% da população da Voivodia da Pequena Polônia . Os indicadores demográficos selecionados são apresentados em uma tabela (abaixo), compilada com base apenas na população que vive em Cracóvia permanentemente. A maior área metropolitana da cidade abrange um território onde vivem (em 2010) 1.393.893 habitantes. [150]

Já na Idade Média, a população de Cracóvia, composta por numerosos grupos étnicos, começou a crescer rapidamente. [151] Ele dobrou entre 1100 e 1300 de 5.000 para 10.000, e em 1400 contava com 14.000 habitantes. Em 1550, a população da Cracóvia metropolitana era de 18.000; embora tenha diminuído para 15.000 nos próximos cinquenta anos devido à calamidade. [152] [153] No início do século 17, a população de Cracóvia atingiu 28.000 habitantes. [154]

Discriminação da população
 
Indicadores Demográficos
 
 Anos   Cracóvia 
População
em milhares
1970
1978
1988
1995
2002
2017
588,0 693,6 746,6 732,9 758,5 767,3  
  
  
  
  
  
Densidade populacional
pessoa / km 2
1970
1978
1988
1995
2002
2017
2.556 2.156 2.285 2.243 2.320 2.348  
  
  
  

Número de mulheres
por 100 homens
1970
1978
1988
1995
2002
2017
110 110 110 112 113 114  
  
  
  
  
  
Crescimento populacional
por 1000
1998
1999
2000
2001
2005
2017
−1,3 −1,7 −1,5 −1,5 −0,13 +1,4  
  
  
  
  
  
Fonte: Stat.gov.pl Tabl. 1 (27). [149]

No censo histórico de 1931 antes da Segunda Guerra Mundial, 78,1% dos cracovianos declararam o polonês como sua língua principal, com o iídiche ou o hebraico com 20,9%, o ucraniano com 0,4%, o alemão com 0,3% e o russo com 0,1%. [155] As devastações da história reduziram muito a porcentagem de minorias étnicas que vivem em Cracóvia.

No censo de 2002, 1.895 dos habitantes de Cracóvia declararam identidade nacional não polonesa, os mais numerosos eram: ciganos (264), ucranianos (255) e russos (141). [156]

Muitos imigrantes de outros países, especialmente da Europa Oriental, se estabelecem em Cracóvia; em 2019, 10% da população de Cracóvia são estrangeiros, a maioria ucranianos (entre 11.000 e 50.000). [157]

Crescimento populacional em Cracóvia desde 1791

Religião

A Catedral de Wawel , lar das coroações reais e local de descanso de muitos heróis nacionais; considerado o santuário nacional da Polônia

A cidade metropolitana de Cracóvia é conhecida como a cidade das igrejas. A abundância de marcos históricos, templos junto com a abundância de mosteiros e conventos deram à cidade uma reputação nacional como a "Roma do Norte" no passado. As igrejas de Cracóvia compreendem mais de 120 locais de culto (2007), dos quais mais de 65 foram construídos no século XX. Mais ainda estão sendo adicionados. [158] Além do catolicismo romano , outras denominações apresentar incluem as Testemunhas de Jeová , [159] Mariavite Igreja , da Igreja católica polonesa , Igreja Ortodoxa Polonesa , protestantismo e Santos dos Últimos Dias . [160]

Em 2017, a participação semanal na missa na Arquidiocese de Cracóvia era de 49,9 por cento, acima da média nacional polonesa de 38,3 por cento. [161]

A Igreja de Santa Ana é o principal exemplo da arquitetura barroca na Polônia

Cracóvia também contém uma coleção notável de monumentos da arquitetura sagrada judaica , incomparável em qualquer lugar da Polônia. Cracóvia era um centro influente da vida espiritual judaica antes da eclosão da Segunda Guerra Mundial, com todas as suas manifestações de observância religiosa, da ortodoxa ao hassídica e da Reforma florescendo lado a lado. Havia pelo menos 90 sinagogas em Cracóvia ativas antes da invasão nazista alemã da Polônia, servindo à sua crescente comunidade judaica de 60.000-80.000 (de uma população total da cidade de 237.000), estabelecida desde o início do século 12. [162]

A maioria das sinagogas de Cracóvia foi destruída durante a Segunda Guerra Mundial pelos nazistas, que as despojaram de todos os objetos cerimoniais e as usaram como depósitos de munição, equipamento de combate a incêndios, depósitos gerais e estábulos. A população judaica pós- Holocausto da cidade havia diminuído para cerca de 5.900 antes do final da década de 1940. A Polônia foi o único país do Bloco Oriental a permitir a aliá judaica livre (emigração para Israel ) sem vistos ou autorizações de saída após a conclusão da Segunda Guerra Mundial. [163] Em contraste, Stalin manteve os judeus russos à força na União Soviética , conforme acordado na Conferência de Yalta . [164]Recentemente, graças aos esforços das organizações judaicas e polonesas locais, incluindo ajuda financeira estrangeira do Comitê Judaico-Americano de Distribuição Conjunta , muitas sinagogas passaram por grandes restaurações e servem a propósitos religiosos e turísticos. [165]

Educação

Cracóvia é um importante centro educacional. Vinte e quatro instituições de ensino superior oferecem cursos na cidade, com mais de 200 mil alunos. [166] A Universidade Jagiellonian, a universidade mais antiga da Polônia e classificada pelo Times Higher Education Supplement como a segunda melhor universidade do país, [167] [168] foi fundada em 1364 como Studium Generale [169] e renomeada em 1817 para comemorar a dinastia real Jagiellonian da Polônia e da Lituânia. [170] Seu principal ativo acadêmico é a Biblioteca Jaguelônica , com mais de 4 milhões de volumes, incluindo uma grande coleção de manuscritos medievais [171] comoCopernicus ' De Revolutionibus eo Balthasar Behem Codex . Com 42.325 alunos (2005) e 3.605 funcionários acadêmicos, a Universidade Jagiellonian também é um dos principais centros de pesquisa na Polônia. Figuras históricas famosas relacionadas com a Universidade incluem São João Cantius , Jan Długosz , Nicolaus Copernicus , Andrzej Frycz Modrzewski , Jan Kochanowski , o Rei João III Sobieski , o Papa João Paulo II e os ganhadores do Nobel Ivo Andrić e Wisława Szymborska . [172]

A AGH University of Science and Technology, fundada em 1919, é a maior universidade técnica da Polônia, com mais de 15 faculdades e mais de 30.000 alunos matriculados. [173] Foi classificada pela edição polonesa da Newsweek como a melhor universidade técnica do país em 2004. [174] Durante seus 80 anos de história, mais de 73.000 alunos se formaram na AGH com mestrado ou bacharelado. Cerca de 3.600 pessoas receberam o título de Doutor em Ciências e cerca de 900 obtiveram o título de Doutor Habilitado . [175]

Collegium Maius ,o edifício mais antigo da Universidade Jagiellonian

Outras instituições de ensino superior incluem a Academia de Música de Cracóvia, concebida pela primeira vez como conservatório em 1888, um dos conservatórios mais antigos e prestigiosos da Europa Central e uma importante sala de concertos; [176] Universidade de Economia de Cracóvia , fundada em 1925; [177] Universidade Pedagógica , em funcionamento desde 1946; [178] Universidade Agrícola de Cracóvia , oferecendo cursos desde 1890 (inicialmente como parte da Universidade Jagiellonian ); [179] Academia de Belas Artes , a mais antiga Academia de Belas Artes da Polônia, fundada pelo pintor polonês Jan Matejko;Academia Ludwik Solski de Artes Dramáticas ; [180] A Pontifícia Academia de Teologia ; [181] e a Universidade de Tecnologia de Cracóvia , que tem mais de 37.000 graduados.

Sociedades científicas e suas filiais em Cracóvia realizam trabalho científico e educacional em escala local e nacional. The Academy of Learning , Krakow Scientific Society, Association of Law Students 'Library da Jagiellonian University , Polish Copernicus Society of Naturalists , Polish Geological Society, Polish Theological Society in Kraków, Polish Section of Institute of Electrical and Electronics Engineers and Polish Society for Synchrotron Todas as radiações têm seus assentos principais em Cracóvia.

Cultura

Cracóvia foi eleita a Capital Europeia da Cultura oficial em 2000 pela União Europeia . [182] É uma grande atração para turistas locais e internacionais, atraindo quase 13 milhões de visitantes por ano. [183] ​​Os principais marcos incluem a Praça do Mercado Principal com a Basílica de Santa Maria e o Salão do Pano de Sukiennice , o Castelo de Wawel , o Museu Nacional de Arte , o Sino de Zygmunt na Catedral de Wawel e o portão medieval de São Floriano com o Barbican ao longo do Rota da Coroação Real. [184] Cracóvia tem 28 museus e galerias de arte públicas . Entre eles está o Museu Czartoryski com obras de Leonardo da Vinci e Rembrandt , bem como o EUROPEUM - Centro de Cultura Europeia e o Museu Arqueológico de Cracóvia, cujos destaques da coleção incluem o Zbruch Idol e o Bronocice Pot .

Museus e galerias de arte nacionais

O Museu Nacional de Cracóvia é uma das melhores galerias de arte da Polônia

Os 28 museus de Cracóvia estão separados em museus nacionais e municipais; a cidade também possui várias coleções de arte e galerias de arte públicas. O Museu Nacional , fundado em 1879, assim como a Coleção Nacional de Arte em Wawel Hill , são acessíveis ao público em geral e bem patrocinados.

A Coleção Nacional de Arte está localizada em Wawel , a antiga residência de três dinastias de monarcas poloneses. As Câmaras Reais apresentam arte, móveis de época, pinturas polonesas e europeias, itens colecionáveis ​​e uma exibição inigualável das monumentais tapeçarias flamengas do século 16 . Wawel Treasury and Armory apresenta memorabilia real polonesa, joias, arte aplicada e armas dos séculos XV a XVIII. The Wawel Eastern Collection apresenta turcotendas e acessórios militares. O Museu Nacional é o museu mais rico do país, com coleções que consistem em várias centenas de milhares de itens mantidos em grande parte no Edifício Principal em Ul. 3 Maja, embora haja onze divisões separadas do museu na cidade, sendo uma das mais populares a Galeria de Arte Polonesa do Século 19 em Sukiennice com a coleção de algumas das pinturas e esculturas mais conhecidas dos Jovens Movimento da Polônia . A última divisão chamada Europeum with Brueghel entre uma centena de pinturas da Europa Ocidental foi inaugurada em 2013. [185]

Centro de Congressos de Cracóvia - o carro-chefe empresarial e cultural da cidade

Outros museus importantes de interesse especial em Cracóvia incluem o Museu Manggha de Arte e Tecnologia Japonesa (em M. Konopnickiej 26), [186] Museu Stanisław Wyspiański (na Rua Szczepanska 11), [186] Jan Matejko Manor em Krzesławice, [53] - um museu dedicado ao mestre pintor e sua vida, Emeryk Hutten Czapski Museum, [187] e Józef Mehoffer Manor. [186]

O museu Rynek Underground, sob a praça principal, é uma amostra moderna e evocativa dos mais de 1000 anos de história da Cracóvia por meio de suas ruas, atividades e artefatos. Isto seguiu-se às escavações massivamente extensas que começaram de uma forma pequena em 2005 [188] e, conforme mais e mais foram descobertas, acabou em 2010.

Uma viagem de bonde de meia hora leva você ao pouco proclamado Museu da Aviação Polonês, considerado o oitavo melhor museu da aviação do mundo pela CNN e apresentando mais de 200 aeronaves, incluindo um Sopwith Camel entre outros biplanos da Primeira Guerra Mundial; uma exibição abrangente de motores aeronáuticos; e essencialmente uma coleção completa de tipos de aviões desenvolvidos pela Polônia depois de 1945. [189] As atividades de pequenos museus ao redor de Cracóvia e na região da Pequena Polônia são promovidas e apoiadas pelo Instituto de Cultura Małopolska ; o Instituto organiza anualmente os Dias do Patrimônio Małopolska. [190]

Artes

Renomado Teatro Juliusz Słowacki de Cracóvia

A cidade tem vários teatros famosos, incluindo o Narodowy Stary Teatr (o Antigo Teatro Nacional ), [191] o Teatro Juliusz Słowacki , o Teatro Bagatela, o Teatro Ludowy e o Teatro Groteska de Fantoches, bem como a Ópera Cracóvia e Cracóvia Opereta. A principal sala de concertos da cidade e a casa da Orquestra Filarmônica de Cracóvia é a Filarmônica de Cracóvia ( Filharmonia Krakowska ) construída em 1931. [192]

Cracóvia hospeda muitos eventos artísticos anuais e semestrais, [193] alguns de importância internacional, como a Misteria Paschalia (música barroca), Sacrum-Profanum (música contemporânea), o Cracóvia Screen Festival ( música popular ), o Festival de Música Polonesa ( música clássica) música), Dedicatórias (teatro), Festival de Cinema de Cracóvia (um dos eventos de curta-metragem mais antigos da Europa), [194] Festival Internacional de Cinema Etiuda & Anima (o evento internacional de cinema de arte mais antigo da Polônia), Bienal de Artes Gráficas e Cultura Judaica Festival . Cracóvia foi a residência de dois ganhadores do Prêmio Nobel de literatura polonês , Wisława Szymborskae Czesław Miłosz ; um terceiro ganhador do Prêmio Nobel , o escritor iugoslavo Ivo Andric , viveu e estudou em Cracóvia. Outros ex-residentes de longa data incluem os diretores poloneses de renome internacional Andrzej Wajda e Roman Polanski , ambos vencedores do Oscar .

Música

Sala de concertos da Filarmônica de Cracóvia

Opera Krakowska [195], uma das principais companhias de ópera nacionais, encena 200 apresentações por ano, incluindo balé, operetas e musicais. Possui, em seu repertório principal, os maiores clássicos da ópera mundial e polonesa. A Ópera mudou para sua primeira casa permanente no outono de 2008. É responsável também pelo Festival de Verão de Ópera e Opereta .

Cracóvia é o lar de dois grandes festivais poloneses de música antiga, apresentando oratórios e óperas barrocas esquecidas: Opera Rara , [196] e Misteria Paschalia . [197] Enquanto isso, Capella Cracoviensis dirige o Festival Internacional de Música na Velha Cracóvia .

A Academia de Música de Cracóvia, fundada em 1888, é mundialmente conhecida como a alma mater do compositor polonês contemporâneo Krzysztof Penderecki e também é a única na Polônia a ter dois vencedores do Concurso Internacional Chopin em Varsóvia entre seus ex-alunos. A Academia organiza shows de seus alunos e convidados durante todo o ano. [198]

As organizações musicais e locais incluem: Cracóvia Philharmonic, [199] Sinfonietta Cracovia (também conhecida como Orquestra da Cidade Real de Cracóvia), o Coro da Rádio Polonesa de Cracóvia, Coro Acadêmico Organum , o Coro Misto Mariański ( Mieszany Chór Mariański ), Coro Acadêmico de Cracóvia da Universidade Jagiellonian , Coro de Câmara de Cracóvia, Quarteto de Cordas Amar Corde , Orquestra Barroca Consortium Iagellonicum da Universidade Jagiellonian , Banda de metais da Siderúrgica T. Sendzimir e Orquestra de Câmara Camerata da Rádio Cracóvia.

Turismo

De acordo com estatísticas oficiais, em 2019 a Cracóvia foi visitada por mais de 14 milhões de turistas, incluindo 3,3 milhões de viajantes estrangeiros. Os visitantes gastaram mais de 7,5 bilhões de zlotys (cerca de € 1,7 bilhão) na cidade (sem despesas de viagem e acomodação pré-reservada). A maioria dos turistas estrangeiros veio da Alemanha (14,2%), Reino Unido (13,9%), Itália (11,5%), França (11,2%), Espanha (10,4%) e Ucrânia (5,4%). [200] O guia turístico de Cracóvia do Lesser Poland Visitors Bureau indicou que nem todas as estatísticas são registradas devido ao número considerável de pessoas que vêm, ficando em quartos privados prontamente disponíveis pagos em dinheiro, especialmente da Europa Oriental . [201]

Os principais motivos para visitar a cidade são: os seus monumentos históricos, recreação e também familiares e amigos (terceiro lugar no ranking), religião e negócios. Existem 120 hotéis de qualidade em Cracóvia (geralmente com cerca de metade) que oferecem 15.485 pernoites. [202] A permanência média dura cerca de 4 a 7 noites. A pesquisa realizada entre os viajantes mostrou que eles gostaram mais da simpatia da cidade, com 90% dos turistas poloneses e 87% dos estrangeiros afirmando que recomendariam visitá-la. [201] Notáveis ​​pontos de interesse fora da cidade incluem a mina de sal Wieliczka , as Montanhas Tatra 100 km (62 milhas) ao sul, a cidade histórica de Częstochowa (north-west), the well-preserved former Nazi concentration camp at Auschwitz, and Ojcowski National Park,[203] which includes the Renaissance Castle at Pieskowa Skała.[204] Kraków has been awarded a number of top international rankings such as the 1st place in the Top city-break destinations 2014 survey conducted by the British Which?.[205]

Sports

Kraków was the host city of the 2014 FIVB Men's Volleyball World Championship and 2016 European Men's Handball Championship. It has also been selected as the European City of Sport for 2014.[206]

Football is one of the most popular sports in the city.[207] The two teams with the largest following are thirteen-time Polish champion Wisła Kraków,[208] and five-time champion Cracovia,[209] both founded in 1906 as the oldest still existing in Poland.[210] They have been involved in the most intense rivalry in the country and one of the most intense in all of Europe, known as the Holy War (Święta Wojna).[211] Other football clubs include Hutnik Kraków, Wawel Kraków, and one-time Polish champion Garbarnia Kraków. There is also the first-league rugby club Juvenia Kraków. Kraków has a number of additional, equally valued sports teams including twelve-time Polish ice hockey champions Cracovia and the twenty-time women's basketball champions Wisła Kraków.

Cracovia Stadium

The Cracovia Marathon, with over a thousand participants from two dozen countries annually, has been held in the city since 2002.[212] Poland's first F1 racing driver Robert Kubica was born and brought up in Kraków, as was former WWE tag team champion Ivan Putski, and Top 10 ranked women's tennis player Agnieszka Radwańska.

The construction of a new Tauron Arena Kraków began in May 2010; for concerts, indoor athletics, hockey, basketball, futsal and other events. The facility area has 61,434 m2, with maximum area of the arena court of 4 546 m2. The average capacity is 18,000 for concerts, and 15,000 for sport events, with maximum number of spectators being 22,000.[213] The Arena boasts Poland's largest LED media façade, with a total surface of 5,200 m2 of LED strip lighting, wrapping around the stadium, and one of Europe's largest LED screens, measuring over 540 m2.[214]

Kraków was bidding to host the 2022 Winter Olympics with Jasná but the bid was rejected by a majority (69.72%) of the vote in a referendum on 16 May 2014. The referendum was organised after a wave of criticism from citizens who believed that the Olympics would not promote the city. The organizing committee of "Krakow 2022" spent almost $40,000 to pay for a citizen-approved logo, but many citizens considered this a waste of public money. The committee was rumoured to have fraudulently used several million zlotys for unknown expenses.

In May 2019, the Polish Olympic Committee announced Kraków as host of the Polish bid for the 2023 European Games, On 22 June 2019, The European Olympic Committees at the General Assembly in Minsk, Belarus announced that Kraków will host the 2023 edition.[215][216]

Notable people

International relations

Contemporary foreign names for the city

Kraków is referred to by various names in different languages. An old English name for the city is Cracow; though it has become less common in recent decades, some sources still use it. The city is known in Czech, Slovak and Serbian as Krakov, in Hungarian as Krakkó, in Lithuanian as Krokuva, in Finnish as Krakova, in German and Dutch as Krakau, in Latin, Spanish and Italian as Cracovia, in French as Cracovie, in Portuguese as Cracóvia and in Russian as Краков. Ukrainian and Yiddish languages refer to it as Krakiv (Краків) and Kroke (קראָקע‎) respectively.[217]

Twin towns and sister cities

Kraków is twinned, or maintains close relations, with 36 cities around the world:[218][219][220]

See also

Notes

References

  1. ^ "Local Data Bank". Statistics Poland. Retrieved 16 October 2021. Data for territorial unit 1261000.
  2. ^ Sikora, Jakub (4 June 2018). "5 czerwca 1257 roku Kraków otrzymał prawa miejskie » Historykon.pl".
  3. ^ "Cracow". Collins English Dictionary. HarperCollins. Retrieved 3 June 2019.
  4. ^ "Cracow"
  5. ^ "Cracow". Oxford Dictionaries UK Dictionary. Oxford University Press. Retrieved 3 June 2019.
  6. ^ a b c d The Municipality Of Kraków, Press Office (2008). "Our City. History of Kraków (archaeological findings)". Archived from the original on 19 February 2007. Retrieved 11 September 2007.
    Marek Strzala. "History of Kraków". Krakow Info. Retrieved 23 December 2012.
  7. ^ "History of the City". Oficjalny portal turystyczny m.st. Warszawy. Archived from the original on 22 March 2018. Retrieved 22 March 2018.
  8. ^ Kraków makes top ten in Conde Nast Traveler poll TheNews.pl.
  9. ^ Małota, Wojciech. "Kraków – Office Power – CRACOW & MAŁOPOLSKA". welcome.com.pl. Archived from the original on 6 March 2012.
  10. ^ "Plaszow Forced Labour Camp". ARC. 2005. Retrieved 14 November 2014.
  11. ^ Kengor, Paul; Patricia Clark Doerner (October 2007). The Judge: William P. Clark, Ronald Reagan's Top Hand. Ignatius Press. ISBN 978-1-58617-183-4. Retrieved 19 July 2009.
  12. ^ a b Centre, UNESCO World Heritage. "Historic Centre of Kraków". whc.unesco.org.
  13. ^ 2nd session of the Committee UNESCO World Heritage Committee. Washington, D.C. 5–8 September 1978.
  14. ^ "The World According to GaWC 2020". GaWC – Research Network. Globalization and World Cities. Retrieved 31 August 2020.
  15. ^ "10 amazing things you probably didn't know about Poland". The Telegraph. Retrieved 13 November 2016.
  16. ^ "Kraków's story: a Unesco City of Literature built out of books". 14 November 2013. Retrieved 26 November 2016.
  17. ^ "Krakow to host next World Youth Day". Catholic News Agency (CNA). 28 July 2013. Retrieved 4 January 2015.
  18. ^ "Krakowskie ABC - Magiczny Kraków". www.krakow.pl.
  19. ^ "Krakowskie ABC – Magiczny Kraków". www.krakow.pl.
  20. ^ AGH, ACK Cyfronet. "Uchwala - Biuletyn Informacji Publicznej Miasta Krakowa - BIP MK". www.bip.krakow.pl.
  21. ^ Cracow czy Krakow? Urzędnicy bliscy decyzji. Rafał Romanowski. Gazeta Wyborcza, 9 January 2008
  22. ^ "Wawel Kraków". Retrieved 12 September 2007. Wawel Hill past and present
  23. ^ Magiczny Kraków (May 2012). "History of Kraków". Official website of the City of Kraków. Retrieved 23 December 2012.
  24. ^ Krystyna and Frank Van Dongen. "The royal castle in Kraków". Archived from the original on 24 July 2011. Retrieved 19 May 2011.
  25. ^ Stanisław Rosik and Przemysław Urbańczyk. "Poland – Ecclesiastical organisation". Retrieved 19 May 2011.
  26. ^ J.J. Saunders, The History of the Mongol Conquests, (University of Pennsylvania Press, 1971), 85.
  27. ^ Polska Agencja Prasowa. Nauka w Polsce (June 2007), Rocznica lokacji Krakowa (750-year anniversary of the Kraków Location Act). See also: full text of Kraków Location Act in Polish, translated from Latin by Bożena Wyrozumska (article by Janusz Kędracki). Archived 8 May 2013 at the Wayback Machine Retrieved 21 December 2012.
  28. ^ Marek Strzala, "Krakow's oldest known City Charter dates back to 1257". Retrieved 12 May 2007.
  29. ^ Edmund Kolodziejczyk. "Poland. Geography, political history and the position of the church". Catholic Encyclopedia. Archived from the original on 9 December 2012. Retrieved 19 May 2011. For the Overview of historic events see: Tartar raids
  30. ^ a b Stefan Świszczowski, Miasto Kazimierz pod Krakowem, Kraków 1981, s.52, ISBN 83-08-00624-8.
  31. ^ Sharon & Peter Pfeiffer, "Krakow. A brief history." "The establishment of a university". Archived from the original on 16 April 2007. Retrieved 12 May 2007.
  32. ^ Norman Davies (2005). God's Playground A History of Poland Volume 1: The Origins to 1795. Oxford University Press. p. 65.
  33. ^ Hanseatic towns: Kraków Archived 13 August 2007 at the Wayback Machine, Polonia Online, Retrieved on 25 September 2007.
  34. ^ Sobecki, Sebastian (2016). Cracow. Europe: A Literary History, 1348–1418, ed. David Wallace. Oxford University Press. pp. 551–65. ISBN 9780198735359.
  35. ^ Davies, Norman (2005). God's Playground: A History of Poland. Oxford University Press. ISBN 978-0-19-925339-5. Retrieved 21 January 2008.p.118. See vol.1, chapter 5.
  36. ^ Michael J. Mikoś, Polish Renaissance Literature: An Anthology. Ed. Michael J. Mikoś. Columbus, Ohio/Bloomington, Indiana: Slavica Publishers. 1995. ISBN 978-0-89357-257-0 First chapters online Archived 27 September 2007 at the Wayback Machine, Retrieved on 25 September 2007
  37. ^ Cracow's Historic centre, UNESCO report, retrieved on 4 October 2007
  38. ^ Old Synagogue in Kraków, Retrieved on 25 September 2007.
  39. ^ Harold B. Segel, Renaissance Culture in Poland: The Rise of Humanism, 1470–1543, Cornell University Press, 1989, ISBN 0-8014-2286-8, Google Print, p.252
  40. ^ Davies, Norman (2005). Norman Davies, God's Playground, vol.1, chapter 5. ISBN 978-0-19-925339-5. Retrieved 9 November 2010.
  41. ^ Wieslaw Wydra, "Die ersten in polnischer Sprache gedruckten Texte, 1475–1520", Gutenberg-Jahrbuch, Vol. 62 (1987), pp.88–94 (88)
  42. ^ "The Warsaw Voice", 11 April 1999. "Bell Woman of Wawel Hill". Retrieved 11 September 2007.
  43. ^ "Painting in Poland – A brief summary". Archived from the original on 27 September 2007. Retrieved 11 September 2007.
  44. ^ Emil Kren and Daniel Marx, "Artists' biographies."Hans Süss von Kulmbach; J. Paul Getty Museum, "Artists: Hans von Kulmbach"; also, Agnieszka Janczyk, Kazimierz Kuczman, Joanna Winiewicz-Wolska, "Wawel Royal Castle, The National Art Collection (homepage)". Archived from the original on 27 September 2007. Retrieved 11 September 2007.
  45. ^ Kazimierz.com. "Kazimierz wczoraj. Introduction". Stowarzyszenie Twórców Kazimierz.com. Retrieved 11 December 2011.
  46. ^ Jagiellonian University Centre for European Studies, "A Very Short History of Kraków", see: "1596 administrative capital, the tiny village of Warsaw". Archived from the original on 12 March 2009. Retrieved 12 May 2007.
  47. ^ "The Polish struggle for freedom". Archived from the original on 24 September 2008. Retrieved 12 May 2007.
  48. ^ "Insurekcja kościuszkowska 1764–1798". Archived from the original on 26 September 2007. Retrieved 26 July 2007.
  49. ^ Cresswell, Peterjon (12 May 2009). Frommer's Kraków Day by Day: 20 Smart Ways to See the City. John Wiley & Sons. p. 171. ISBN 978-0-470-69710-8. Retrieved 14 August 2009.
  50. ^ Chambers's Encyclopaedia: A Dictionary of Universal Knowledge for the People, Volume 4. W. and R. Chambers. 1862. Retrieved 14 August 2009.
  51. ^ Marek Strzala, "History of Krakow" "(see: Franz Joseph I granted Kraków the municipal government)". Retrieved 12 May 2007.
  52. ^ Beata Moore (25 August 2006). Cracow: City of Treasures. Pgw. ISBN 978-0-7112-2571-8. Retrieved 9 November 2010.
  53. ^ a b Jan Matejko Manor in Krzesławice
    "Jan Matejko: The Painter and Patriot". Archived from the original on 26 May 2007. Retrieved 18 May 2007.
  54. ^ Maria Prussak, Adam Mickiewicz Institute, April 2006. Profiles. Visual arts, literature, theatre: "Stanisław Wyspiański". Archived from the original on 30 September 2007. Retrieved 26 March 2021.
  55. ^ Wood, Nathaniel D. (2010). Becoming Metropolitan: Urban Selfhood and the Making of Modern Cracow. DeKalb: Northern Illinois University Press. p. 272. ISBN 978-0-87580-422-4.
  56. ^ (in Polish) Artur Turyna, "Kraków – najważniejsze daty – Okres IV – od początku XX wieku do dziś". Archived from the original on 14 January 2005. Retrieved 12 September 2007.
  57. ^ (in Polish) Bohdan Urbankowski, Bohdan Urbankowski (1997). Józef Piłsudski: marzyciel i strateg (Józef Piłsudski: Dreamer and Strategist). Wydawnictwo ALFA, Warsaw, 1997. pp. 171–172. ISBN 978-83-7001-914-3.
  58. ^ (in Polish) Paweł Stachnik, Dziennik Polski, 21 September 2004. "Okrzyk na cześć cesarza". Retrieved 1 September 2007.
  59. ^ Frucht, Richard C. (2005). Eastern Europe: An Introduction to the People, Lands, and Culture, Volume 1. ABC-CLIO. ISBN 978-1-57607-800-6. Retrieved 14 August 2009.
  60. ^ Magocsi, Paul R.; Pop, Ivan (2002). Encyclopedia of Rusyn history and Culture. University of Toronto Press. p. 370. ISBN 978-0-8020-3566-0. Retrieved 14 August 2009.
  61. ^ "Kraków after 1795". YIVO. Archived from the original on 13 November 2018. Retrieved 13 November 2018.
  62. ^ Eilat Gordin Levitan, "Krakow old scenes, including historical photographs". Retrieved 1 September 2007.
  63. ^ "Kazimierz na przedwojennych zdjęciach. "Ruch na ulicach panował niebywały"". Krowoderska.pl (in Polish). 17 February 2021. Retrieved 6 August 2021.
  64. ^ Cztery miasta w jednym – nowa historia wojennego Krakowa Niechciana "stolica" Agnieszka Sabor Tygodnik Powszechny Nr 4 (2794), 26 stycznia 2003
  65. ^ "Holocaust Encyclopedia – Krakow". United States Holocaust Memorial Museum.
  66. ^ a b c d "Encyclopedia of Camps and Ghettos, 1933–1945 – Vol. II: Ghettos in German-Occupied Eastern Europe". United States Holocaust Memorial Museum.
  67. ^ Anna M. Cienciala, History 557 Lecture Notes, 2002 (Revised Fall. 2003), "16B. Eastern Europe in World War II: October 1939 – May 1945". Retrieved 22 November 2007.
  68. ^ (in Polish) Edward Burek, (editor). "Sonderaktion Krakau" in Encyklopedia Krakowa. Krakow: PWM, 2000
  69. ^ Longerich 2010, p. 171.
  70. ^ Bieberstein: Zagłada Żydów w Krakowie. Kraków 1985. J. Kast, B. Siegler, P. Zinke: Das Tagebuch der Partisanin Justyna. Jüdischer Widerstand in Krakau. Berlin 1999. Articles from Kraków newspapers (mostly from the local "Gazeta Wyborcza") published in March 2003 on the 60th anniversary of the liquidation of the Kraków ghetto. Featuring historical maps. "The Kraków Ghetto 1940–1943". Retrieved 11 September 2007.
  71. ^ Longerich 2010, p. 376.
  72. ^ Gressor, Megan; Cook, Kerry (2005). All for Love. Murdoch Books. ISBN 978-1-74045-596-1. Retrieved 20 July 2009.
  73. ^ Crowe, David (7 May 2007). Oskar Schindler: The Untold Account of His Life, Wartime Activities, and the True Story Behind the List. Basic Books. ISBN 978-0-465-00253-5. Retrieved 20 July 2009.
  74. ^ Jerzy Lukowski, Hubert Zawadzki, A Concise History of Poland, Cambridge University Press, 2006, ISBN 0-521-85332-X, Google Print, p.66
  75. ^ Gilbert, M (1989) Second World War, Weidenfeld & Nicolson P646
  76. ^ "Science & Higher Education in Cracow 2007". Archived from the original on 12 December 2007. Retrieved 23 November 2007.
  77. ^ Jagiellonian University centre for European Studies, see: ""Worker's paradise" of concrete". Archived from the original on 12 March 2009. Retrieved 12 May 2007.
  78. ^ a b "Nowa Huta (section of Kraków, Poland)". Archived from the original on 12 December 2007. Retrieved 23 November 2007.
  79. ^ Jerzy Aleksander Karnasiewicz, Nowa Huta. Okruchy życia i meandry historii (Nowa Huta. Crumbs of Life and the Meanders of History), photo anthology; Wydawnictwo Towarzystwo Slowaków w Polsce, Kraków, 2003; ISBN 83-89186-67-5
  80. ^ Witold Stefan Alexandrowicz and Zofia Alexandrowicz, Acta Carsologica, Slovenian Academy Of Sciences "Pattern of karst landscape of the Cracow Upland (South Poland)". Archived from the original on 26 September 2007. Retrieved 12 September 2007.
  81. ^ Institute of Environmental Sciences of the Jagiellonian University, "The forms of nature protection within the city limits". Archived from the original on 24 August 2007. Retrieved 12 September 2007.
  82. ^ "Krakow, Poland", weatherbase.com, retrieved 20 July 2020
  83. ^ a b "Warsaw vs Krakow Climate & Distance Between". www.warsaw.climatemps.com. Archived from the original on 24 May 2020. Retrieved 10 March 2019.
  84. ^ "Kraków Weather Averages – Climate and temperatures". www.introducingkrakow.com. Retrieved 10 March 2019.
  85. ^ A, Peel, M. C. , Finlayson, B. L. , and McMahon, T. (12 October 2007), Climate map of Europe (from the "Updated world map of the Köppen-Geiger climate classification")., retrieved 10 March 2019
  86. ^ Muller, M. J. (6 December 2012). Selected climatic data for a global set of standard stations for vegetation science. Springer Science & Business Media. ISBN 9789400980402.
  87. ^ Alex (10 May 2015). "Climates classification by Wincenty Okołowicz". Vivid Maps. Retrieved 10 March 2019.
  88. ^ Twardosz, Robert; Niedźwiedź, Tadeusz; Łupikasza, Ewa (1 May 2011). "The influence of atmospheric circulation on the type of precipitation (Kraków, southern Poland)". Theoretical and Applied Climatology. 104 (1): 233–250. Bibcode:2011ThApC.104..233T. doi:10.1007/s00704-010-0340-5. ISSN 1434-4483.
  89. ^ "Poland - Climate". Encyclopedia Britannica. Retrieved 10 March 2019.
  90. ^ "The Typical Weather Anywhere on Earth – Weather Spark". weatherspark.com. Retrieved 10 March 2019.
  91. ^ Group, PMB. "WMO Guidelines on the Calculation of Climate Normals". library.wmo.int. Retrieved 10 March 2019.
  92. ^ "Meteomodel. Dane. Średnie i sumy miesięczne". meteomodel.pl. Retrieved 19 October 2021.
  93. ^ "KRAKOW-BALICE 1961–1990". NOAA. Retrieved 18 May 2019.
  94. ^ "KRAKOW OBSERVATORY 1961–1990". NOAA. Retrieved 18 May 2019.
  95. ^ "Meteomodel. Dane. Średnie i sumy miesięczne". meteomodel.pl. Retrieved 10 November 2019.
  96. ^ Ingrid Gustafson, Let's Go: Eastern Europe Published by Macmillan, page 444. Let's Go Publications, 2008.
  97. ^ a b Jeffrey Zuehlke, Zuehlke, Jeffrey (15 December 2005). Poland in Pictures. Twenty-First Century Books. p. 72. ISBN 978-0-8225-2676-6. Retrieved 15 September 2007.
  98. ^ "Uniwersytet Jagielloński". Wandaluzja. Retrieved 11 December 2011.
  99. ^ List of synagogues and Betei Midrash in Kraków between the wars. PDF 49 KB. Retrieved 17 April 2012. Archived 9 February 2012 at the Wayback Machine
  100. ^ Marek Strzala. "Krakow's Arts Palace". Krakow Info. Retrieved 16 April 2012.
  101. ^ Piotr Strasz. "Secesyjny Kraków". Muzeumsecesji.pl. Retrieved 11 December 2011.
  102. ^ Beata Vogt, Farid Nassery, Aspekt geometryczny krakowskich budowli modernistycznych powstałych do II Wojny Światowej. Scribd.com document. Archived 8 May 2013 at the Wayback Machine
  103. ^ "Kraków, Oleandry – Dom im. Józefa Piłsudskiego". Osen.pl. Archived from the original on 5 November 2011. Retrieved 11 December 2011.
  104. ^ "Nowa Huta – Sightseeing in Kraków – In Your Pocket city guide – essential travel guides to cities in Poland". Inyourpocket.com. Retrieved 11 December 2011.
  105. ^ "Architecture of Nowa Huta". Nh.pl. Archived from the original on 11 February 2012. Retrieved 11 December 2011.
  106. ^ a b "Sztuka Architektury". Sztuka-architektury.pl. Retrieved 11 December 2011.
  107. ^ "SOCREALIZM in Poland (1949–1955)". Arts.gla.ac.uk. Archived from the original on 25 May 2012. Retrieved 11 December 2011.
  108. ^ "Hotel Cracovia na liście zabytków. Majchrowski chce chronić krakowski modernizm. Warto? [DYSKUTUJ] – Kraków – Naszemiasto.pl". Krakow.naszemiasto.pl. 31 March 2011. Retrieved 11 December 2011.
  109. ^ Małopolski Regionalny Program Operacyjny, Budowa Małopolskiego Ogrodu Sztuki w Krakowie. Teatr im. Juliusza Słowackiego.
  110. ^ a b Agnieszka Wiewióra (2008). "Kraków okiem 'tischnerowskim'". Informacje ogólne (in Polish and English). Wyższa Szkoła Europejska im. ks. Józefa Tischnera. Archived from the original on 24 November 2012. Retrieved 4 October 2012.
  111. ^ Marek Strzala, "The green belt of Kraków Planty". Retrieved 15 September 2007.
  112. ^ Henryk Jordan's Park. Archived 30 September 2007 at the Wayback Machine Grodzka.net. "The park, which was initiated by Jordan, was the first of this type in Poland and in Europe. The initiator himself got so engaged in realising his idea that he largely financed its construction and personally brought the most modern sport facilities from Sweden, Germany and Switzerland." — Krakow4you.com, 2008.
  113. ^ "History, philosophy and photographs". Archived from the original on 30 September 2007. Retrieved 15 September 2007.
  114. ^ (in Polish) Ryszard Burek (editor), Encyklopedia Krakowa, 2000, ISBN 83-01-13325-2.
  115. ^ Dane przestrzenne z Centralnego Rejestru Form Ochrony Przyrody. Generalna Dyrekcja Ochrony Srodowiska, Poland. Retrieved 4 October 2012.
  116. ^ Nabrdalik, Maciek; Santora, Marc (22 April 2018). "Smothered by Smog, Polish Cities Rank Among Europe's Dirtiest (Published 2018)". The New York Times.
  117. ^ Biuletyn Informacji Publicznej (Bulletin of Public Information), "Radni Miasta Krakowa V kadencji (Kraków City Councillors of the 5th term)". Retrieved 15 September 2007.
  118. ^ a b Biuletyn Informacji Publicznej (Bulletin of Public Information), "Dziennik Ustaw Nr 113 poz. 984". Retrieved 15 September 2007.
  119. ^ "Municipality, Mayor, www.krakow.pl". krakow.pl. Retrieved 20 July 2009.
  120. ^ "Members of Polish Sejm elected from Kraków constituency – VisWiki". viswiki.com. Archived from the original on 3 September 2015. Retrieved 20 July 2009.
  121. ^ "Uchwala- Biuletyn Informacji Publicznej Miasta Krakowa – BIP MK". www.bip.krakow.pl.
  122. ^ Laura Brunell, Brunell, Laura (2005). Institutional Capital: Building Post-communist Government Performance. University Press of America. ISBN 978-0-7618-2956-0. Retrieved 5 September 2007. University Press of America, Lanham, Maryland, 2005, ISBN 0-7618-2956-3.
  123. ^ Biuletyn Informacji Publicznej (Bulletin of Public Information). Raport o stanie miasta, 2001. "BEZPIECZEŃSTWO PUBLICZNE". Archived from the original on 15 July 2007. Retrieved 5 September 2007.
  124. ^ a b "Boroughs of Kraków". krakow-info.com. Retrieved 24 July 2009.
  125. ^ Rick Steves, "Poland Rediscovered:." Published in Rick Steves' Eastern Europe, 2005 edition. "Krakow, Auschwitz and Warsaw". Retrieved 12 September 2007.
  126. ^ Global Portal of Diplomats at eDiplomat.com. Notes on Poland including recreation, entertainment, social and religious life, "Krakow". Retrieved 15 September 2007.
  127. ^ Kurtz, Michael J. (2006). America and the return of Nazi contraband. Cambridge University Press. p. 25.
  128. ^ O.J's Music, Trumpet Page: including music notations and sound samples in MP3 and Midi version. "Hejnal Mariacki – The Kraków Bugle Call". Retrieved 14 September 2007.
  129. ^ The oldest mention of Kraków hejnał dates back to 1392 (see: Katarzyna Górska. "Legenda o Hejnale Mariackim". Archived from the original on 17 March 2011. Retrieved 2 June 2011.) "... though there is probably no direct link (wrote Chris Hann) between this bugle call and a historical event in 1241, this does not detract from its meaning for Polish people today" (see: Chris Hann. "Discovering Social Anthropology in Galicia". Retrieved 19 December 2007.).
  130. ^ MZBD – Miejski Zarzd Baz Danych – Kraków. "StatKraK :: Kraków.:. Liczby...Miasto...Mieszkańcy". Msip2.um.krakow.pl. Archived from the original on 26 April 2012. Retrieved 11 December 2011.
  131. ^ Original Kraków City Hall bylaw Nr XXI/143/91 (unpublished) introduced on 27 March 1991; current municipal borders established according to City bylaw Nr XVI/192/95 for 19 April 1995. Source: "Gazeta Urzędowa Miasta Krakowa Nr 10, poz. 84". Archived from the original (PDF) on 5 December 2009. Retrieved 14 September 2007.
  132. ^ a b c Kraków Real Estate Market, 2005. (in Polish and English)
  133. ^ a b c Economics, Magiczny Kraków
  134. ^ "Capgemini offices in Poland". Archived from the original on 18 August 2007. Retrieved 11 September 2007.
  135. ^ "About Sabre Holdings". sabre-holdings.com. Archived from the original on 23 May 2007. Retrieved 12 May 2007.
  136. ^ The Global Future of Outsourcing. PBS Wide Angle, WNET.ORG, 13 September 2005.
  137. ^ UNCATD's World Investment Report 2011. Polish Information and Foreign Investment Agency, 26 July 2011.
  138. ^ (in Polish) Biuro Informacji Publicznej (Office of Public Information). "Budżet Miasta Krakowa na rok 2011".
  139. ^ (in Polish) Biuro Informacji Publicznej, Kraków (Office of Public Information, Kraków). "Biuletyn Statystyczny Miasta Krakowa". Retrieved 15 September 2007.
  140. ^ Steinmetz, Greg (9 August 2016). The richest man who ever lived. –. ISBN 978-1451688566.
  141. ^ "Knowledge and Innovation Community EIT, at". Europa (web portal). 3 June 2010. Archived from the original on 28 March 2010. Retrieved 9 November 2010.
  142. ^ KIC InnoEnergy. Designated Knowledge and Innovation Community, 16 December 2009. Retrieved 26 December 2009. Archived 22 December 2009 at the Wayback Machine
  143. ^ Marek Strzala, "Krakow. Varied Means of Transportation". Retrieved 12 May 2007.
  144. ^ Muzeum Inżynierii Miejskiej, Działalność.
  145. ^ (in Polish) Magiczny Kraków, city's official website. "International railway connections from Kraków". Archived from the original on 26 June 2006. Retrieved 15 September 2007.
  146. ^ "101 travel ideas & more than 5.8 million passengers in 2017".
  147. ^ "Lotnisko w Pyrzowicach" on www.e-krakow.com (in Polish)
  148. ^ "BikeU". bikeu.pl. Archived from the original on 31 July 2017. Retrieved 5 October 2017.
  149. ^ a b "Microsoft Word - 13_DZIA. 05.doc" (PDF) (in Polish). Retrieved 9 November 2010.
  150. ^ "GUS – Główny Urząd Statystyczny – Stan i struktura ludności oraz ruch naturalny w przekroju terytorialnym. Stan w dniu 31 XII 2010 r" (in Polish). Stat.gov.pl. 10 June 2011. Archived from the original on 27 November 2011. Retrieved 11 December 2011.
  151. ^ Pawel Kras (2012). "Kraków. Introduction". Oxford Bibliographies. Retrieved 2 December 2012.
  152. ^ Derek Keene (2008). England and Poland: Medieval Metropolises Compared. Britain and Poland-Lithuania: Contact and Comparison from the Middle Ages to 1795 by Richard Unger and Jakub Basista. BRILL. p. 154. ISBN 978-9004166233. Retrieved 2 December 2012.
  153. ^ Jean W. Sedlar (1994). Towns and Townspeople. East Central Europe in the Middle Ages: 1000–1500. University of Washington Press. p. 110, Volume 3. ISBN 978-0295972916. Retrieved 2 December 2012.
  154. ^ Door Jeannie Labno (2011). Commemorating the Polish Renaissance (Google books). Shifting Boundaries and Conceptual Identities. Ashgate Publishing. p. 19. ISBN 9780754668251. Retrieved 2 December 2012.
  155. ^ See "Ludność" "Population" in Encyklopedia Krakowa. Kraków: PWN, 2000 (in Polish)
  156. ^ "Deklaracje narodowościowe w gminach w 2002 roku". old.stat.gov.pl. Archived from the original on 1 July 2014. Retrieved 10 June 2018.
  157. ^ "Już 10 procent krakowian to cudzoziemcy. Wśród nich: Ukraińcy, Białorusini, Włosi i inni". krakow.wyborcza.pl. Retrieved 29 August 2019.
  158. ^ Józef Szymon Wroński (2007), Kościoły Krakowa (The churches of Kraków). Archidiecezja Krakowska. Retrieved 23 December 2012. (in Polish)
  159. ^ "Meetings :: Jehovah's Witnesses". jw.org.
  160. ^ "Katowice Poland District of The Church of Jesus Christ of Latter-day Saints". ldschurchtemples.com.
  161. ^ Paulina Padzik (12 January 2019). "Małopolanie przodują w pobożności w kraju". Gazeta Krakowska.
  162. ^ Adam Dylewski, Where the Tailor Was a Poet... Archived 12 April 2009 at the Wayback Machine website created under the aegis of the Adam Mickiewicz Institute, Warsaw; chief editor: Dr. Piotr M. A. Cywinski. Editorial assistance: Dr. Anna Marta Szczepan-Wojnarska, and Kaja Wieczorek from Jewish Historical Institute, Warsaw
  163. ^ Devorah Hakohen, Immigrants in Turmoil: Mass Immigration to Israel and Its Repercussions... Syracuse University Press, 2003 – 325 pages. Page 70. ISBN 0-8156-2969-9
  164. ^ Arieh J. Kochavi, Post-Holocaust Politics: Britain, the United States & Jewish Refugees, 1945–1948. Page 15. The University of North Carolina Press. ISBN 0-8078-2620-0 Accessed 20 June 2011.
  165. ^ http://www.jewish-guide.pl/sites/casimir – Jewish guide and genealogy in Poland – Casimir / Kazimierz
  166. ^ "Study in Krakow, city of colours". krakow.pl. Archived from the original on 11 December 2020. Retrieved 14 May 2013.
  167. ^ Times Higher Education Supplement (THES). "Jagiellonian University ranking among world universities" (PDF). Archived from the original (PDF) on 2 December 2007. Retrieved 11 September 2007. Rank 287 worldwide as the first Polish university listed among the top 500 in 2006.
  168. ^ QS Quacquarelli Symonds. Source: The Times Higher Education Supplement. QS World University Rankings. "Jagiellonian University ranking among world universities". Archived from the original on 25 August 2007. Retrieved 11 September 2007.
  169. ^ "History – UJ". www.en.uj.edu.pl.
  170. ^ Jagiellonian University (homepage), "Calendar" Archived 14 November 2007 at the Wayback Machine
  171. ^ Jagiellonian University, "Treasures of the Jagiellonian Library". Retrieved 11 September 2007.[dead link]
  172. ^ The Nobel Foundation. "Wislawa Szymborska, Nobel Prize in Literature 1996". Archived from the original on 13 January 2013. Retrieved 11 September 2007.CS1 maint: bot: original URL status unknown (link)
  173. ^ AGH University of Science and Technology homepage, "AGH-UST staff and students, introduction". Archived from the original on 3 October 2006. Retrieved 11 September 2007.
  174. ^ Countrywide ranking of Polish universities, Newsweek (Polish edition), 22 March 2004, "Uczelnie w/g typu. Politechniki". Archived from the original on 27 June 2007. Retrieved 11 September 2007.
  175. ^ Professor Antoni S. Kleczkowski, AGH University of Science and Technology. "History of AGH-UST". Archived from the original on 3 October 2006. Retrieved 11 September 2007.
  176. ^ "History of the Akademia Muzyczna". Retrieved 23 August 2010.
  177. ^ "Kraków University of Economics homepage". Retrieved 12 May 2007.
  178. ^ "Akademia Pedagogiczna w Krakowie, homepage". Retrieved 12 May 2007.
  179. ^ "Akademia Rolnicza, homepage". Archived from the original on 8 May 2007. Retrieved 12 May 2007.
  180. ^ "Państwowa Wyższa Szkoła Teatralna, homepage. Historical outline". Archived from the original on 10 February 2008. Retrieved 12 May 2007.
  181. ^ "Papieska Akademia Teologiczna, homepage in English". Archived from the original on 22 April 2007. Retrieved 12 May 2007.
  182. ^ "European Capital of Culture in Poland again". opinia.co.uk. Retrieved 19 July 2009.
  183. ^ "Kraków odwiedziło w 2017 roku prawie 13 mln turystów". Retrieved 2 December 2018.
  184. ^ "Krakow Landmarks | Historical monuments in Krakow". krakow-info.com. Retrieved 19 July 2009.
  185. ^ Ministry of Culture (13 September 2013). "Otwarcie Europeum – Ośrodek Kultury Europejskiej nowego oddziału Muzeum Narodowego w Krakowie" [Centre of European Culture, new branch of National Museum opened]. Ministerstwo Kultury i Dziedzictwa Narodowego. Retrieved 10 July 2014.
  186. ^ a b c "Krakow – Specialty Museums". krakow-info.com.
  187. ^ "Muzeum im. Emeryka Hutten-Czapskiego: About the museum". Archived from the original on 19 October 2008.
  188. ^ "Szlak turystyczny po podziemiach Rynku Głównego w Krakowie". podziemiarynku.com. Archived from the original on 29 December 2016. Retrieved 25 March 2016.
  189. ^ "Announcements on the Museum webpage". Archived from the original on 29 June 2013.
  190. ^ Gajewska, Edyta. "Małopolska Cultural Heritage Days". The Warsaw Voice online. Retrieved 23 December 2014.
  191. ^ "Stary Teatr w Krakowie, homepage in Polish". Retrieved 12 May 2007.
  192. ^ "Krakow Philharmonic". Filharmonia Krakowska. 2010. Retrieved 30 October 2009.
  193. ^ Municipality Of Kraków Press Office, "Calendar of Annual Events, 2007". Retrieved 15 September 2007.
  194. ^ "Krakowski Festiwal Filmowy". krakowfilmfestival.pl. Archived from the original on 30 May 2009. Retrieved 20 July 2009.
  195. ^ www.evl.pl, evolution. "Opera Krakowska". opera.krakow.pl.
  196. ^ "Opera Rara – Kraków – 8 December 2011". Operarara.pl. Retrieved 11 December 2011.
  197. ^ Misteria Paschalia festival, trademark of Kraków as the city of early music. Homepage.
  198. ^ "History – KrakowMusic Academy". Amuz.krakow.pl. Retrieved 11 December 2011.
  199. ^ "Home – Filharmonia Krakowska im. Karola Szymanowskiego". filharmonia.krakow.pl.
  200. ^ "Ponad 14 milionów turystów odwiedziło Kraków". Retrieved 2 June 2020.
  201. ^ a b Ewa Łosińska (27 November 2009). "Turyści nie oszczędzali na Krakowie". Kraków " Podróże (in Polish). Rzeczpospolita OnLine. Archived from the original on 6 February 2013. Retrieved 14 August 2012.
  202. ^ Witold Bartoszewicz (2010). "Klasyfikacja obiektów noclegowych" (in Polish). Instytut Turystyki. Archived from the original on 20 August 2012. Retrieved 14 August 2012.
  203. ^ "Krakow Day Trips". Retrieved 12 October 2007.
  204. ^ Starwood, "Explore Krakow". "Top 10 things to do in Kraków". Archived from the original on 29 November 2006. Retrieved 15 September 2007.
  205. ^ Top city-break destinations 2014 by Which.co.uk.
  206. ^ Kraków as the European City of Sport at Krakow.pl.
  207. ^ "Krakow Sport Information Guide". Cracow Life. Retrieved 19 July 2009.
  208. ^ "General info, history and successes". Archived from the original on 28 September 2007. Retrieved 15 September 2007.
  209. ^ (in Polish) List of oldest Polish sports clubs featured in a newspaper retrospective. Zbigniew Chmielewski (2003). "Obok Czarnych znak Pogoni". Polityka. 2414 (33). Retrieved 22 July 2009.
  210. ^ Editorial (2 September 2012). "Wiślackie Kalendarium: pierwsze mistrzostwo, pierwszy puchar". Stowarzyszenie Kibiców Wisły Kraków. Archived from the original on 23 October 2012. Retrieved 11 November 2012.
  211. ^ "Święta Wojna (The Holy War)". Wisla Kraków – Cracovia Kraków. Footballderbies.com. 2012. Archived from the original on 14 September 2012. Retrieved 8 July 2012.
  212. ^ "History of "Cracovia Marathon"". Urząd Miasta Krakowa. Archived from the original on 27 June 2007. Retrieved 12 September 2007.
  213. ^ "About Us". TAURON Arena Kraków. Retrieved 6 March 2018.
  214. ^ "Kraków Arena | References". ColosseoEAS. Retrieved 22 November 2014.
  215. ^ Morgan, Liam (11 May 2019). "Kraków replaces Katowice as Polish candidate to host 2023 European Games". Inside the Games. Retrieved 17 May 2019.
  216. ^ Rowbottom, Mike (17 May 2019). "EOC President Kocijančič aiming for European Games flag to go "from hand to hand" between Minsk and 2023 hosts". Inside the Games. Retrieved 19 May 2019.
  217. ^ Andrzej Chwalba. Krakow w latach 1939–1945 (Cracow, 1939–1945). Dzieje Krakowa tom 5. Cracow: Wydawnictwo Literackie, 2002. (In Polish.)"Archived copy". Archived from the original on 3 December 2007. Retrieved 23 September 2007.CS1 maint: archived copy as title (link)
  218. ^ a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t "Kraków – Miasta Partnerskie" [Kraków – Partnership Cities]. Miejska Platforma Internetowa Magiczny Kraków (in Polish). Archived from the original on 2 July 2013. Retrieved 10 August 2013.
  219. ^ a b c d e f g "Kraków – Miasta Bliźniacze" [Kraków – Twin Cities]. Miejska Platforma Internetowa Magiczny Kraków (in Polish). Archived from the original on 2 July 2013. Retrieved 10 August 2013.
  220. ^ a b c d "Kraków – Honorowe Miasta Bliźniacze" [Kraków – Honorary Twin Cities]. Miejska Platforma Internetowa Magiczny Kraków (in Polish). Archived from the original on 2 July 2013. Retrieved 10 August 2013.
  221. ^ "Bratislava City – Twin Towns". 2003–2008 Bratislava-City.sk. Archived from the original on 28 July 2013. Retrieved 26 October 2008.
  222. ^ "A Message from the Peace Commission: Information on Cambridge's Sister Cities," 15 February 2008. Retrieved 12 October 2008. Also in: Richard Thompson, "Looking to strengthen family ties with 'sister cities'," Boston Globe, 12 October 2008. Retrieved 12 October 2008.
  223. ^ "Ciudades Hermanas (Sister Cities)" (in Spanish). Municipalidad del Cusco. Archived from the original on 12 October 2011. Retrieved 23 September 2009.
  224. ^ "Edinburgh – Twin and Partner Cities". 2008 The City of Edinburgh Council, City Chambers, High Street, Edinburgh, EH1 1YJ Scotland. Archived from the original on 28 March 2008. Retrieved 21 December 2008.
  225. ^ "Twin and Partner Cities". City of Edinburgh Council. Archived from the original on 14 June 2012. Retrieved 16 January 2009.
  226. ^ "Frankfurt -Partner Cities". Stadt Frankfurt am Main. 2008. Archived from the original on 7 November 2007. Retrieved 5 December 2008.
  227. ^ "Сайт Грозный Виртуальный при перепечатке материалов в онлайн проектах". Grozny Official Website. Retrieved 1 November 2008. (in Russian)
  228. ^ "Sister Cities, Public Relations". Guadalajara municipal government. Archived from the original on 2 March 2012. Retrieved 12 March 2013.
  229. ^ "Leipzig – International Relations". 2009 Leipzig City Council, Office for European and International Affairs. Archived from the original on 29 June 2009. Retrieved 17 July 2009.
  230. ^ "Milano – Città Gemellate". 2008 Municipality of Milan (Comune di Milano). Retrieved 5 December 2008.
  231. ^ "Rochester's Sister Cities". City of Rochester. Archived from the original on 27 May 2010. Retrieved 6 December 2010.
  232. ^ a b "Kraków otwarty na świat". krakow.pl. Retrieved 19 July 2009.
  233. ^ a b "Foreign co-operation". Retrieved 1 November 2007. from the municipality official website
  234. ^ "Intercity and International Cooperation of the City of Zagreb". 2006–2009 City of Zagreb. Retrieved 23 June 2009.

Bibliography

External links