Karl Marx

Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Ir para navegação Pular para pesquisar

Karl Marx

Karl Marx 001.jpg
Fotografia de John Mayall , 1875
Nascer
Karl Heinrich Marx

(1818-05-05)5 de maio de 1818
Faleceu14 de março de 1883 (1883-03-14)(com 64 anos)
Sepultado
17 de março de 1883, Tumba de Karl Marx , Cemitério Highgate , Londres, Inglaterra
Residência
Alemanha, França, Bélgica, Reino Unido.
Nacionalidade
Partido politicoComitê de Correspondência Comunista (até 1847)
Liga Comunista (1847-1852)
Associação Internacional de Trabalhadores (1864-1872)
Cônjuge (s)
( M.  1843 ; morreu  1881 )
Crianças7, incluindo Jenny , Laura e Eleanor
Pais
Parentes

Carreira de filosofia
Educação
EraFilosofia do século 19
RegiãoFilosofia ocidental
Escola
TeseDifferenz der demokritischen und epikureischen Naturphilosophie (A diferença entre a filosofia da natureza de Demócrita e Epicuro)  (1841)
Orientador de doutoradoBruno Bauer
Principais interesses
Filosofia , economia , história , política
Ideias notáveis
Terminologia marxista , mais-valia , contribuições para a dialética e a teoria do valor-trabalho , conflito de classes , alienação e exploração do trabalhador, concepção materialista da história
Influenciado
Assinatura
Karl Marx Signature.svg

Karl Heinrich Marx ( alemão: [maʁks] ; 5 de maio de 1818 - 14 de março de 1883) [13] foi um filósofo , economista , historiador , sociólogo , teórico político , jornalista e revolucionário socialista alemão . Nascido em Trier , Alemanha , Marx estudou direito e filosofia na universidade. Ele se casou com Jenny von Westphalen em 1843. Devido às suas publicações políticas, Marx tornou-se apátridae viveu no exílio com sua esposa e filhos em Londres por décadas, onde continuou a desenvolver seu pensamento em colaboração com o pensador alemão Friedrich Engels e a publicar seus escritos, pesquisando no British Museum Reading Room . Seus títulos mais conhecidos são o panfleto de 1848 O Manifesto Comunista e os três volumes Das Kapital (1867-1883). O pensamento político e filosófico de Marx teve enorme influência na história intelectual, econômica e política subsequente. Seu nome foi usado como adjetivo, substantivo e uma escola de teoria social.

As teorias críticas de Marx sobre sociedade, economia e política, coletivamente entendidas como marxismo , sustentam que as sociedades humanas se desenvolvem por meio do conflito de classes . No modo de produção capitalista , isso se manifesta no conflito entre as classes dominantes (conhecidas como burguesia ) que controlam os meios de produção e as classes trabalhadoras (conhecidas como proletariado ) que possibilitam esses meios através da venda de sua força de trabalho em retorno para salários. [14] Empregando uma abordagem crítica conhecida como materialismo histórico, Marx previu que o capitalismo produziu tensões internas como os sistemas socioeconômicos anteriores e que essas levariam à sua autodestruição e substituição por um novo sistema conhecido como modo de produção socialista . Para Marx, os antagonismos de classe sob o capitalismo - devido em parte à sua instabilidade e natureza propensa a crises - resultariam no desenvolvimento da consciência de classe da classe trabalhadora , levando à conquista do poder político e, finalmente, ao estabelecimento de uma sociedade comunista sem classes , constituída por um livre associação de produtores . [15]Marx pressionou ativamente por sua implementação, argumentando que a classe trabalhadora deveria realizar uma ação revolucionária proletária organizada para derrubar o capitalismo e trazer a emancipação socioeconômica . [16]

Marx foi descrito como uma das figuras mais influentes da história humana , e seu trabalho foi elogiado e criticado . [17] Seu trabalho em economia lançou as bases para algumas teorias atuais sobre o trabalho e sua relação com o capital . [18] [19] [20] Muitos intelectuais, sindicatos, artistas e partidos políticos em todo o mundo foram influenciados pela obra de Marx, com muitos modificando ou adaptando suas idéias. Marx é tipicamente citado como um dos principais arquitetos da ciência social moderna . [21] [22]

Biografia

Infância e educação inicial: 1818-1836

Karl Heinrich Marx nasceu em 5 de maio de 1818, filho de Heinrich Marx (1777–1838) e Henriette Pressburg (1788–1863). Ele nasceu em Brückengasse 664 em Trier , uma cidade antiga, em seguida, parte do Reino da Prússia da província do Baixo Reno . [23] A família de Marx era originalmente judia não religiosa , mas havia se convertido formalmente ao cristianismo antes de seu nascimento. Seu avô materno era um rabino holandês , enquanto sua linha paterna fornecia os rabinos de Trier desde 1723, papel desempenhado por seu avô Meier Halevi Marx. [24]Seu pai, quando era uma criança conhecido como Herschel, foi o primeiro na linha a receber uma educação secular. Ele se tornou advogado com uma renda confortável de classe média alta e a família possuía vários vinhedos de Moselle , além de sua renda como advogado. Antes do nascimento de seu filho e após a revogação da emancipação judaica na Renânia , [25] Herschel se converteu do judaísmo para ingressar na Igreja Evangélica estatal da Prússia , assumindo o prenome alemão Heinrich em vez de Herschel iídiche . [26]

Local de nascimento de Marx , agora Brückenstraße 10, em Trier. A família ocupava dois quartos no térreo e três no primeiro andar. [27] Adquirido pelo Partido Social Democrata da Alemanha em 1928, agora abriga um museu dedicado a ele. [28]

Em grande parte não religioso, Heinrich foi um homem do Iluminismo , interessado nas idéias dos filósofos Immanuel Kant e Voltaire . Um liberal clássico , ele participou da agitação por uma constituição e reformas na Prússia, que era então uma monarquia absoluta . [29] Em 1815, Heinrich Marx começou a trabalhar como advogado e em 1819 mudou-se com sua família para uma propriedade de dez quartos perto da Porta Nigra . [30] Sua esposa, Henriette Pressburg, era uma judia holandesa de uma próspera família de negócios que mais tarde fundou a empresa Philips Electronics . Sua irmã Sophie Pressburg (1797-1854) casou-se com Lion Philips(1794-1866) e foi a avó de Gerard e Anton Philips e bisavó de Frits Philips . Lion Philips era um rico fabricante e industrial de tabaco holandês, de quem Karl e Jenny Marx mais tarde muitas vezes viriam a contar para obter empréstimos enquanto estavam exilados em Londres. [31]

Pouco se sabe sobre a infância de Marx. [32] O terceiro de nove filhos, ele se tornou o filho mais velho quando seu irmão Moritz morreu em 1819. [33] Marx e seus irmãos sobreviventes, Sophie, Hermann, Henriette, Louise, Emilie e Caroline, foram batizados na Igreja Luterana em agosto de 1824, e sua mãe em novembro de 1825. [34] Marx foi educado por seu pai em particular até 1830, quando entrou na Trier High School ( Gymnasium zu Trier  [ de ] ), cujo diretor, Hugo Wyttenbach, era amigo de seu pai . Ao empregar muitos humanistas liberaiscomo professores, Wyttenbach incorreu na ira do governo conservador local. Posteriormente, a polícia invadiu a escola em 1832 e descobriu que a literatura que defendia o liberalismo político estava sendo distribuída entre os alunos. Considerando a distribuição de tal material um ato sedicioso, as autoridades instituíram reformas e substituíram vários funcionários durante a presença de Marx. [35]

Em outubro de 1835, aos 17 anos, Marx viajou para a Universidade de Bonn com o desejo de estudar filosofia e literatura, mas seu pai insistia no direito como um campo mais prático. [36] Devido a uma condição conhecida como "peito fraco", [37] Marx foi dispensado do serviço militar quando completou 18 anos. Enquanto estava na Universidade de Bonn, Marx se juntou ao Clube dos Poetas, um grupo que continha políticos radicais que foram monitorados pela polícia. [38] Marx também se juntou à sociedade de bebidas Trier Tavern Club (em alemão: Landsmannschaft der Treveraner ), onde muitas idéias foram discutidas e em um ponto ele atuou como co-presidente do clube. [39] [40]Além disso, Marx se envolveu em certas disputas, algumas das quais se tornaram graves: em agosto de 1836, ele participou de um duelo com um membro do Borussian Korps da universidade . [41] Embora suas notas no primeiro período fossem boas, elas logo pioraram, levando seu pai a forçar uma transferência para a mais séria e acadêmica Universidade de Berlim . [42]

Hegelianismo e jornalismo inicial: 1836-1843

Passando o verão e o outono de 1836 em Trier, Marx tornou mais sério seus estudos e sua vida. Ele ficou noivo de Jenny von Westphalen , um membro educado da pequena nobreza que conhecia Marx desde a infância. Como ela havia rompido seu noivado com um jovem aristocrata para ficar com Marx, seu relacionamento era socialmente controverso devido às diferenças entre suas origens religiosas e de classe, mas Marx fez amizade com seu pai, Ludwig von Westphalen (um aristocrata liberal) e mais tarde dedicou seu doutorado tese para ele. [43] Sete anos após o noivado, em 19 de junho de 1843, eles se casaram em uma igreja protestante em Kreuznach . [44]

Em outubro de 1836, Marx chegou a Berlim, matriculando-se na faculdade de direito da universidade e alugando um quarto na Mittelstrasse. [45] Durante o primeiro mandato, Marx assistiu a palestras de Eduard Gans (que representou o ponto de vista hegeliano progressista, elaborou sobre o desenvolvimento racional na história, enfatizando particularmente seus aspectos libertários e a importância da questão social) e de Karl von Savigny (que representou a Escola Histórica de Direito ). [46] Apesar de estudar Direito, era fascinado pela filosofia e procurou uma forma de combinar as duas, acreditando que "sem filosofia nada se realizaria". [47]Marx interessou-se pelo filósofo alemão recentemente falecido Georg Wilhelm Friedrich Hegel , cujas idéias foram amplamente debatidas entre os círculos filosóficos europeus. [48] Durante uma convalescença em Stralau, ele se juntou ao Doctor's Club ( Doktorklub ), um grupo de estudantes que discutia ideias hegelianas , e através deles se envolveu com um grupo de pensadores radicais conhecidos como os Jovens Hegelianos em 1837. Eles se reuniram em torno de Ludwig Feuerbach e Bruno Bauer , com Marx desenvolvendo uma amizade particularmente próxima com Adolf Rutenberg. Como Marx, os Jovens Hegelianos eram críticos da metafísica de Hegelsuposições, mas adotou seu método dialético para criticar a sociedade, a política e a religião estabelecidas de uma perspectiva de esquerda. [49] O pai de Marx morreu em maio de 1838, resultando em uma diminuição na renda da família. [50] Marx tinha sido emocionalmente próximo de seu pai e guardou sua memória após sua morte. [51]

Jenny von Westphalen na década de 1830

Em 1837, Marx estava escrevendo ficção e não ficção, tendo concluído um pequeno romance, Scorpion and Felix ; um drama, Oulanem ; bem como uma série de poemas de amor dedicados a Jenny von Westphalen. Nenhum desses primeiros trabalhos foi publicado durante sua vida. [52] Os poemas de amor foram publicados postumamente na Collected Works of Karl Marx e Frederick Engels: Volume 1 . [53] Marx logo abandonou a ficção por outras atividades, incluindo o estudo de inglês e italiano, história da arte e a tradução de clássicos latinos. [54] Ele começou a cooperar com Bruno Bauer na edição da Filosofia da Religião de Hegelem 1840. Marx também estava empenhado em escrever sua tese de doutorado, The Difference Between the Democritean and Epicurean Philosophy of Nature , [55] que ele concluiu em 1841. Foi descrito como "um trabalho ousado e original em que Marx expôs para mostrar que a teologia deve ceder à sabedoria superior da filosofia ”. [56] O ensaio foi controverso, principalmente entre os professores conservadores da Universidade de Berlim. Em vez disso, Marx decidiu submeter sua tese à Universidade de Jena , mais liberal , cujo corpo docente lhe concedeu seu doutorado. em abril de 1841. [2] [57] Como Marx e Bauer eram ateus , em março de 1841 eles começaram os planos para um jornal intituladoArchiv des Atheismus ( Arquivos ateístas ), mas nunca se concretizou. Em julho, Marx e Bauer fizeram uma viagem de Berlim para Bonn . Lá eles escandalizaram a turma se embebedando, rindo na igreja e galopando pelas ruas montados em burros. [58]

Marx estava considerando uma carreira acadêmica, mas esse caminho foi barrado pela crescente oposição do governo ao liberalismo clássico e aos Jovens Hegelianos. [59] Marx mudou-se para Colônia em 1842, onde se tornou jornalista, escrevendo para o jornal radical Rheinische Zeitung ( Rhineland News ), expressando suas primeiras opiniões sobre o socialismo e seu crescente interesse pela economia. Marx criticou governos europeus de direita, bem como figuras dos movimentos liberais e socialistas, que ele considerava ineficazes ou contraproducentes. [60] O jornal atraiu a atenção dos censores do governo prussiano, que verificou cada edição em busca de material sedicioso antes de imprimir, como Marx lamentou: "Nosso jornal tem que ser apresentado à polícia para ser farejado, e se o nariz da polícia cheira a algo não cristão ou não prussiano, o jornal não é permitido aparecer". [61] Depois que o Rheinische Zeitung publicou um artigo criticando fortemente a monarquia russa, o czar Nicolau I solicitou sua proibição e o governo da Prússia obedeceu em 1843. [62]

Paris: 1843-1845

Em 1843, Marx tornou-se coeditor de um novo jornal radical de esquerda parisiense, o Deutsch-Französische Jahrbücher ( Anais germano-franceses ), então criado pelo ativista alemão Arnold Ruge para reunir radicais alemães e franceses. [63] Portanto, Marx e sua esposa se mudaram para Paris em outubro de 1843. Inicialmente morando com Ruge e sua esposa em comunhão na Rue Vaneau 23 , eles acharam as condições de vida difíceis, então se mudaram após o nascimento de sua filha Jenny em 1844. [64] ] Embora pretendesse atrair escritores da França e dos estados alemães, o Jahrbücher foi dominado pelo último e o único escritor não alemão foi o russo exiladoo coletivista anarquista Mikhail Bakunin . [65] Marx contribuiu com dois ensaios para o artigo, " Introdução a uma contribuição para a crítica da filosofia do direito de Hegel " [66] e " Sobre a questão judaica ", [67] este último apresentando sua crença de que o proletariado era um revolucionário força e marcando seu abraço do comunismo. [68] Apenas uma edição foi publicada, mas foi relativamente bem-sucedida, em grande parte devido à inclusão das odes satíricas de Heinrich Heine sobre o rei Ludwig da Baviera, levando os estados alemães a bani-lo e apreender cópias importadas (Ruge, no entanto, recusou-se a financiar a publicação de outras edições e sua amizade com Marx se desfez). [69] Após o colapso do jornal, Marx começou a escrever para o único jornal radical de língua alemã que restou, o Vorwärts! ( Avançar! ). Com sede em Paris, o jornal estava ligado à Liga dos Justos , uma utópica sociedade socialista secreta de trabalhadores e artesãos. Marx compareceu a algumas de suas reuniões, mas não entrou. [70] Em Vorwärts!, Marx refinou suas visões sobre o socialismo com base nas idéias hegelianas e feeuerbachianas do materialismo dialético, ao mesmo tempo criticando os liberais e outros socialistas que operam na Europa. [71]

Friedrich Engels , que Marx conheceu em 1844; os dois se tornaram amigos e colaboradores por toda a vida.

Em 28 de agosto de 1844, Marx conheceu o socialista alemão Friedrich Engels no Café de la Régence , iniciando uma amizade para toda a vida. [72] Engels mostrou a Marx seu recentemente publicado The Condition of the Working Class in England em 1844 , [73] [74] convencendo Marx de que a classe trabalhadora seria o agente e instrumento da revolução final na história. [75] [76] Logo, Marx e Engels estavam colaborando em uma crítica das idéias filosóficas do ex-amigo de Marx, Bruno Bauer . Esta obra foi publicada em 1845 como A Sagrada Família . [77] [78]Embora crítico de Bauer, Marx foi cada vez mais influenciado pelas idéias dos Jovens Hegelianos Max Stirner e Ludwig Feuerbach , mas eventualmente Marx e Engels abandonaram o materialismo feeuerbachiano também. [79]

Durante o tempo em que viveu na Rue Vaneau, 38, em Paris (de outubro de 1843 a janeiro de 1845), [80] Marx se dedicou a um estudo intensivo de economia política ( Adam Smith , David Ricardo , James Mill , etc. ) , [81] os socialistas franceses (especialmente Claude Henri St. Simon e Charles Fourier ) [82] e a história da França. [83] O estudo de economia política é um estudo que Marx faria pelo resto de sua vida [84] e resultaria em seu principal trabalho econômico - a série de três volumes chamada Das Kapital. [85] O marxismo é baseado em grande parte em três influências: a dialética de Hegel , o socialismo utópico francês e a economia inglesa. Junto com seu estudo anterior da dialética de Hegel, a estudar de que Marx fez durante este tempo em Paris significava que todos os principais componentes do "marxismo" estavam no lugar até ao Outono de 1844. [86] Marx estava constantemente sendo puxado longe de seu estudo sobre economia política - não apenas pelas habituais demandas diárias da época, mas adicionalmente pela edição de um jornal radical e mais tarde pela organização e direção dos esforços de um partido político durante anos de levantes populares potencialmente revolucionários dos cidadãos. Mesmo assim, Marx sempre foi atraído por seus estudos econômicos: ele buscou "para entender o funcionamento interno do capitalismo ".[83]

Um esboço do "marxismo" havia definitivamente se formado na mente de Karl Marx no final de 1844. De fato, muitas características da visão marxista da economia política mundial foram elaboradas em grandes detalhes, mas Marx precisava escrever todos os detalhes de sua visão de mundo econômica para esclarecer ainda mais a nova teoria econômica em sua própria mente. [87] Consequentemente, Marx escreveu The Economic and Philosophical Manuscripts . [88] Esses manuscritos cobriram vários tópicos, detalhando o conceito de trabalho alienado de Marx . [89]No entanto, na primavera de 1845, seu estudo continuado de economia política, capital e capitalismo levou Marx a acreditar que a nova teoria econômica política que ele estava defendendo - o socialismo científico - precisava ser construída com base em uma visão materialista completamente desenvolvida do mundo. [90]

Os Manuscritos Econômicos e Filosóficos de 1844 foram escritos entre abril e agosto de 1844, mas logo Marx reconheceu que os Manuscritos haviam sido influenciados por algumas idéias inconsistentes de Ludwig Feuerbach. Assim, Marx reconheceu a necessidade de romper com a filosofia de Feuerbach em favor do materialismo histórico, assim, um ano depois (em abril de 1845) após se mudar de Paris para Bruxelas, Marx escreveu suas onze " Teses sobre Feuerbach ". [91] As "Teses sobre Feuerbach" são mais conhecidas pela Tese 11, que afirma que "os filósofos apenas interpretaram o mundo de várias maneiras, o que importa é mudá-lo". [89] [92] Este trabalho contém as críticas de Marx ao materialismo(por ser contemplativo), idealismo (por reduzir a prática à teoria) e, em geral, filosofia (por colocar a realidade abstrata acima do mundo físico). [89] Assim, introduziu o primeiro vislumbre do materialismo histórico de Marx , um argumento de que o mundo é mudado não por idéias, mas por atividades e práticas reais, físicas e materiais. [89] [93] Em 1845, depois de receber um pedido do rei prussiano, o governo francês fechou Vorwärts! , com o ministro do Interior, François Guizot , expulsando Marx da França. [94] Neste ponto, Marx mudou-se de Paris para Bruxelas, onde Marx esperava continuar seus estudos sobre capitalismo e economia política.

Bruxelas: 1845-1848

A primeira edição do Manifesto do Partido Comunista , publicado em alemão em 1848

Incapaz de ficar na França ou se mudar para a Alemanha, Marx decidiu emigrar para Bruxelas, na Bélgica, em fevereiro de 1845. No entanto, para ficar na Bélgica, ele teve que se comprometer a não publicar nada sobre o assunto da política contemporânea. [94] Em Bruxelas, Marx se associou a outros socialistas exilados de toda a Europa, incluindo Moses Hess , Karl Heinzen e Joseph Weydemeyer . Em abril de 1845, Engels mudou-se de Barmen, na Alemanha, para Bruxelas, para se juntar a Marx e ao crescente quadro de membros da Liga dos Justos que agora buscam casa em Bruxelas. [94] [95] Mais tarde, Mary Burns , companheira de longa data de Engels, deixou Manchester, na Inglaterra, para se juntar a Engels em Bruxelas. [96]

Em meados de julho de 1845, Marx e Engels deixaram Bruxelas para a Inglaterra para visitar os líderes dos cartistas , um movimento da classe trabalhadora na Grã-Bretanha. Esta foi a primeira viagem de Marx à Inglaterra e Engels foi um guia ideal para a viagem. Engels já havia passado dois anos morando em Manchester de novembro de 1842 [97] a agosto de 1844. [98] Engels não só já conhecia a língua inglesa, [99] ele também desenvolveu um relacionamento próximo com muitos líderes cartistas. [99] De fato, Engels estava servindo como repórter para muitos jornais cartistas e socialistas ingleses. [99] Marx usou a viagem como uma oportunidade para examinar os recursos econômicos disponíveis para estudo em várias bibliotecas em Londres e Manchester.[100]

Em colaboração com Engels, Marx também começou a escrever um livro que muitas vezes é visto como seu melhor tratamento do conceito de materialismo histórico , A ideologia alemã . [101] Neste trabalho, Marx rompeu com Ludwig Feuerbach , Bruno Bauer , Max Stirner e o resto dos Jovens Hegelianos, enquanto também rompeu com Karl Grün e outros "verdadeiros socialistas" cujas filosofias ainda eram baseadas em parte no "idealismo" . Na ideologia alemã , Marx e Engels finalmente completaram sua filosofia, que se baseava exclusivamente no materialismo como a única força motriz da história. [102] Ideologia Alemãé escrito de uma forma humoristicamente satírica, mas mesmo essa forma satírica não salvou o trabalho da censura. Como tantos outros primeiros escritos dele, German Ideology não seria publicado durante a vida de Marx e seria publicado apenas em 1932. [89] [103] [104]

Depois de completar a Ideologia Alemã , Marx voltou-se para um trabalho que pretendia esclarecer sua própria posição sobre "a teoria e a tática" de um verdadeiro "movimento proletário revolucionário" operando do ponto de vista de uma filosofia verdadeiramente "materialista científica". [105]Este trabalho pretendia traçar uma distinção entre os socialistas utópicos e a própria filosofia socialista científica de Marx. Enquanto os utópicos acreditavam que as pessoas deviam ser persuadidas uma de cada vez a aderir ao movimento socialista, da mesma forma que uma pessoa deve ser persuadida a adotar qualquer crença diferente, Marx sabia que as pessoas tenderiam, na maioria das ocasiões, a agir de acordo com suas próprios interesses econômicos, apelando assim a toda uma classe (a classe trabalhadora neste caso) com um amplo apelo aos melhores interesses materiais da classe, seria a melhor forma de mobilizar a ampla massa dessa classe para fazer uma revolução e mudar a sociedade. Essa era a intenção do novo livro que Marx estava planejando, mas para que o manuscrito passasse pelos censores do governo, ele chamou de livro The Poverty of Philosophy (1847).[106] e ofereceu-o como uma resposta à "filosofia pequeno-burguesa" do anarquista socialista francês Pierre-Joseph Proudhon expressa em seu livro The Philosophy of Poverty (1840). [107]

Marx com suas filhas e Engels

Esses livros estabeleceram a base para a obra mais famosa de Marx e Engels, um panfleto político que desde então passou a ser comumente conhecido como O Manifesto Comunista . Enquanto residia em Bruxelas em 1846, Marx continuou sua associação com a organização radical secreta Liga dos Justos . [108] Como observado acima, Marx pensava que a Liga era exatamente o tipo de organização radical necessária para impulsionar a classe trabalhadora da Europa em direção ao movimento de massa que traria uma revolução da classe trabalhadora. [109] No entanto, para organizar a classe trabalhadora em um movimento de massa, a Liga teve que cessar sua orientação "secreta" ou "clandestina" e operar abertamente como um partido político. [110]Os membros da Liga acabaram sendo persuadidos a esse respeito. Conseqüentemente, em junho de 1847, a Liga foi reorganizada por seus membros em uma nova sociedade política aberta "acima do solo" que apelava diretamente às classes trabalhadoras. [111] Esta nova sociedade política aberta foi chamada de Liga Comunista. [112] Tanto Marx quanto Engels participaram da elaboração do programa e dos princípios organizacionais da nova Liga Comunista . [113]

No final de 1847, Marx e Engels começaram a escrever o que se tornaria sua obra mais famosa - um programa de ação para a Liga Comunista . Escrito em conjunto por Marx e Engels de dezembro de 1847 a janeiro de 1848, O Manifesto Comunista foi publicado pela primeira vez em 21 de fevereiro de 1848. [114] O Manifesto Comunista expôs as crenças da nova Liga Comunista. Deixando de ser uma sociedade secreta, a Liga Comunista queria deixar objetivos e intenções claros para o público em geral, em vez de esconder suas crenças como a Liga dos Justos vinha fazendo. [115] As linhas de abertura do panfleto estabelecem a base principal do marxismo: "A história de todas as sociedades até agora existentes é a história das lutas de classes". [116]Em seguida, examina os antagonismos que Marx afirmava estarem surgindo nos conflitos de interesse entre a burguesia (a classe capitalista rica) e o proletariado (a classe trabalhadora industrial). Prosseguindo a partir disso, o Manifesto apresenta o argumento de por que a Liga Comunista, ao contrário de outros partidos e grupos políticos socialistas e liberais da época, estava realmente agindo no interesse do proletariado para derrubar a sociedade capitalista e substituí-la pelo socialismo . [117]

Mais tarde naquele ano, a Europa passou por uma série de protestos, rebeliões e, muitas vezes, violentos levantes que ficaram conhecidos como as Revoluções de 1848 . [118] Na França, uma revolução levou à derrubada da monarquia e ao estabelecimento da Segunda República Francesa . [118] Marx apoiava tal atividade e recentemente recebeu uma herança substancial de seu pai (retida por seu tio Lionel Philips desde a morte de seu pai em 1838) de 6.000 [119] ou 5.000 francos [120] [121] que ele supostamente usou um terço dele para armar os trabalhadores belgas que planejavam uma ação revolucionária. [121]Embora a veracidade dessas alegações seja contestada, [119] [122] o Ministério da Justiça belga acusou Marx disso, posteriormente prendendo-o e ele foi forçado a fugir de volta para a França, onde com um novo governo republicano no poder ele acreditou que ele estaria seguro. [121] [123]

Colônia: 1848-1849

Estabelecendo-se temporariamente em Paris, Marx transferiu a sede executiva da Liga Comunista para a cidade e também fundou um Clube dos Trabalhadores Alemães com vários socialistas alemães que viviam lá. [124] Na esperança de ver a revolução se espalhar para a Alemanha, em 1848 Marx voltou para Colônia, onde começou a publicar um folheto intitulado As Demandas do Partido Comunista na Alemanha , [125] no qual ele defendeu apenas quatro dos dez pontos de o Manifesto Comunista , acreditando que na Alemanha daquela época a burguesia deveria derrubar a monarquia feudal e a aristocracia antes que o proletariado pudesse derrubar a burguesia. [126]Em 1 de junho, Marx começou a publicação de um jornal diário, o Neue Rheinische Zeitung , que ajudou a financiar por meio de sua recente herança de seu pai. Projetado para apresentar notícias de toda a Europa com sua própria interpretação marxista dos eventos, o jornal apresentou Marx como o principal escritor e a influência editorial dominante. Apesar das contribuições de outros membros da Liga Comunista, de acordo com Friedrich Engels, ela permaneceu "uma simples ditadura de Marx". [127] [128] [129]

Enquanto editor do jornal, Marx e os outros socialistas revolucionários eram regularmente perseguidos pela polícia e Marx foi levado a julgamento em várias ocasiões, enfrentando várias acusações, incluindo insultar o Promotor Público, cometer contravenção à imprensa e incitar rebelião armada por meio de boicote de impostos, [130] [131] [132] [133] embora todas as vezes ele tenha sido absolvido. [131] [133] [134] Enquanto isso, o parlamento democrático da Prússia entrou em colapso e o rei, Frederico Guilherme IV , apresentou um novo gabinete de seus apoiadores reacionários, que implementaram medidas contra-revolucionárias para eliminar a esquerda e outros elementos revolucionários de o país.[130] Consequentemente, o Neue Rheinische Zeitung foi logo suprimido e Marx recebeu ordem de deixar o país em 16 de maio. [129] [135] Marx voltou a Paris, que estava então sob as garras de uma contra-revolução reacionária e de umaepidemia de cólera , e logo foi expulso pelas autoridades da cidade, que o consideraram uma ameaça política. Com sua esposa Jenny esperando o quarto filho e não podendo voltar para a Alemanha ou Bélgica, em agosto de 1849 ele buscou refúgio em Londres. [136] [137]

Mude-se para Londres e mais escrita: 1850-1860

Marx mudou-se para Londres no início de junho de 1849 e permaneceria na cidade pelo resto de sua vida. A sede da Liga Comunista também se mudou para Londres. No entanto, no inverno de 1849-1850, uma divisão nas fileiras da Liga Comunista ocorreu quando uma facção dentro dela liderada por August Willich e Karl Schapper começou a agitar por um levante imediato. Willich e Schapper acreditavam que uma vez que a Liga Comunista tivesse iniciado o levante, toda a classe trabalhadora de toda a Europa se levantaria "espontaneamente" para se juntar a ela, criando assim uma revolução em toda a Europa. Marx e Engels protestaram que tal levante não planejado por parte da Liga Comunista era "aventureira" e seria suicídio para a Liga Comunista. [138]Uma revolta como a recomendada pelo grupo Schapper / Willich seria facilmente esmagada pela polícia e pelas forças armadas dos governos reacionários da Europa. Marx afirmou que isso significaria a ruína para a própria Liga Comunista, argumentando que as mudanças na sociedade não são alcançadas da noite para o dia por meio dos esforços e da força de vontade de um punhado de homens. [138] Eles são, em vez provocada por uma análise científica das condições econômicas da sociedade e movendo em direção a revolução através de diferentes estágios de desenvolvimento social. No estágio atual de desenvolvimento ( cerca1850), após a derrota das revoltas em toda a Europa em 1848, ele sentiu que a Liga Comunista deveria encorajar a classe trabalhadora a se unir a elementos progressistas da burguesia em ascensão para derrotar a aristocracia feudal em questões envolvendo demandas por reformas governamentais, como uma república com assembleias eleitas livremente e sufrágio universal (masculino). Em outras palavras, a classe trabalhadora deve se juntar às forças burguesas e democráticas para levar a cabo a conclusão bem-sucedida da revolução burguesa antes de enfatizar a agenda da classe trabalhadora e uma revolução da classe trabalhadora.

Depois de uma longa luta que ameaçou arruinar a Liga Comunista, a opinião de Marx prevaleceu e, eventualmente, o grupo Willich / Schapper deixou a Liga Comunista. Enquanto isso, Marx também se envolveu fortemente com a Socialista German Workers 'Educational Society. [139] A Sociedade realizou suas reuniões em Great Windmill Street , Soho , o distrito de entretenimento no centro de Londres. [140] [141]Esta organização também foi atormentada por uma luta interna entre seus membros, alguns dos quais seguiram Marx, enquanto outros seguiram a facção Schapper / Willich. As questões nesta divisão interna foram as mesmas questões levantadas na divisão interna dentro da Liga Comunista, mas Marx perdeu a luta com a facção Schapper / Willich dentro da Sociedade Educacional dos Trabalhadores Alemães e em 17 de setembro de 1850 renunciou à Sociedade. [142]

New-York Daily Tribune e jornalismo

No início do período em Londres, Marx se dedicou quase exclusivamente aos estudos, de modo que sua família suportou extrema pobreza. [143] [144] Sua principal fonte de renda era Engels, cuja própria fonte era seu pai rico industrial. [144] Na Prússia, como editor de seu próprio jornal e colaborador de outros ideologicamente alinhados, Marx pôde atingir seu público, as classes trabalhadoras. Em Londres, sem recursos para administrar um jornal, ele e Engels se voltaram para o jornalismo internacional. A certa altura, eles estavam sendo publicados por seis jornais da Inglaterra, Estados Unidos, Prússia , Áustria e África do Sul. [145] Os principais ganhos de Marx vieram de seu trabalho como correspondente europeu, de 1852 a 1862, para oNew-York Daily Tribune , [146] : 17 e de também produzir artigos para jornais mais "burgueses". Marx teve seus artigos traduzidos do alemão por Wilhelm Pieper  [ de ] , até que sua proficiência em inglês se tornou adequada. [147]

O New-York Daily Tribune foi fundado em abril de 1841 por Horace Greeley . [148] Seu conselho editorial continha jornalistas e editores burgueses progressistas, entre eles George Ripley e o jornalista Charles Dana , que era o editor-chefe. Dana, uma fourierista e abolicionista , era o contato de Marx. O Tribune foi um veículo para Marx alcançar um público transatlântico, como para sua "guerra oculta" contra Henry Charles Carey . [149] O jornal teve um amplo apelo da classe trabalhadora desde sua fundação; com dois centavos, era barato; [150]e, com cerca de 50.000 exemplares por edição, sua circulação foi a mais ampla nos Estados Unidos. [146] : 14 Seu ethos editorial era progressivo e sua postura anti-escravidão refletia a de Greeley. [146] : 82 O primeiro artigo de Marx para o jornal, sobre as eleições parlamentares britânicas, foi publicado em 21 de agosto de 1852. [151]

Em 21 de março de 1857, Dana informou a Marx que, devido à recessão econômica, apenas um artigo por semana seria pago, publicado ou não; os outros seriam pagos apenas se publicados. Marx enviara seus artigos às terças e sextas-feiras, mas, naquele mês de outubro, o Tribune dispensou todos os seus correspondentes na Europa, exceto Marx e B. Taylor, e reduziu Marx a um artigo semanal. Entre setembro e novembro de 1860, apenas cinco foram publicados. Após um intervalo de seis meses, Marx retomou as contribuições de setembro de 1861 até março de 1862, quando Dana escreveu para informá-lo de que não havia mais espaço no Tribune para relatórios de Londres, devido a assuntos internos americanos. [152] Em 1868, Dana criou um jornal rival, o New York Sun, em que ele foi editor-chefe. [153] Em abril de 1857, Dana convidou Marx para contribuir com artigos, principalmente sobre história militar, para a New American Cyclopedia , uma ideia de George Ripley, amigo de Dana e editor literário do Tribune . Ao todo, foram publicados 67 artigos de Marx-Engels, dos quais 51 foram escritos por Engels, embora Marx tenha feito algumas pesquisas para eles no Museu Britânico . [154] No final da década de 1850, o interesse popular americano pelos assuntos europeus diminuiu e os artigos de Marx se voltaram para tópicos como a "crise da escravidão" e a eclosão da Guerra Civil Americana em 1861 na "Guerra entre os Estados". [155]Entre dezembro de 1851 e março de 1852, Marx trabalhou em seu trabalho teórico sobre a Revolução Francesa de 1848 , intitulado O 18 de Brumário de Luís Napoleão . [156] Neste ele explorou conceitos em materialismo histórico , luta de classes , ditadura do proletariado e vitória do proletariado sobre o estado burguês . [157]

Os anos de 1850 e 1860 pode ser dito para marcar uma fronteira filosófica distinguir o jovem Marx 's hegeliana idealismo e quanto mais maduros Marx ' s [158] [159] [160] [161] ideologia científica associada com o marxismo estrutural . [161] No entanto, nem todos os estudiosos aceitam essa distinção. [160] [162] Para Marx e Engels, sua experiência das Revoluções de 1848a 1849 foram formadores no desenvolvimento de sua teoria da economia e progressão histórica. Após os "fracassos" de 1848, o ímpeto revolucionário parecia esgotado e não para ser renovado sem uma recessão econômica. A contenda surgiu entre Marx e seus companheiros comunistas, a quem denunciou como "aventureiros". Marx considerou fantasioso propor que a "força de vontade" poderia ser suficiente para criar as condições revolucionárias quando na realidade o componente econômico era o requisito necessário. A recessão na economia dos Estados Unidos em 1852 deu a Marx e Engels motivos para otimismo para a atividade revolucionária, mas esta economia foi vista como muito imatura para uma revolução capitalista. Territórios abertos na fronteira ocidental da América dissiparam as forças da agitação social. Além disso,qualquer crise econômica que surgisse nos Estados Unidos não levaria ao contágio revolucionário das economias mais antigas de nações europeias individuais, que eram sistemas fechados delimitados por suas fronteiras nacionais. Quando o chamadoO pânico de 1857 nos Estados Unidos espalhou-se globalmente, quebrou todos os modelos da teoria econômica e foi a primeira crise econômica verdadeiramente global. [163]

A necessidade financeira forçou Marx a abandonar os estudos econômicos em 1844 e dedicar treze anos para trabalhar em outros projetos. Ele sempre procurou retornar à economia. [ citação necessária ]

First International e Das Kapital

O primeiro volume de Das Kapital

Marx continuou a escrever artigos para o New York Daily Tribune , desde que ele tinha certeza de que o Tribune ' política editorial s ainda era progressiva. No entanto, a saída de Charles Dana do jornal no final de 1861 e a mudança resultante no conselho editorial trouxeram uma nova política editorial. [164] O Tribune não era mais um jornal abolicionista dedicado à vitória completa da União . O novo conselho editorial apoiou uma paz imediata entre a União e a Confederaçãona Guerra Civil nos Estados Unidos com a escravidão deixada intacta na Confederação. Marx discordou fortemente desta nova posição política e em 1863 foi forçado a retirar-se como escritor do Tribune. [165]

Em 1864, Marx envolveu-se na Associação Internacional dos Trabalhadores (também conhecida como Primeira Internacional), [131] para cujo Conselho Geral foi eleito em 1864. [166] Nessa organização, Marx estava envolvido na luta contra a ala anarquista centrada em Mikhail Bakunin (1814-1876). [144] Embora Marx tenha vencido a disputa, a transferência da sede do Conselho Geral de Londres para Nova York em 1872, que Marx apoiou, levou ao declínio da Internacional. [167] O evento político mais importante durante a existência da Internacional foi a Comuna de Parisde 1871, quando os cidadãos de Paris se rebelaram contra seu governo e mantiveram a cidade por dois meses. Em resposta à repressão sangrenta dessa rebelião, Marx escreveu um de seus mais famosos panfletos, " A Guerra Civil na França ", uma defesa da Comuna. [168] [169]

Diante dos repetidos fracassos e frustrações das revoluções e movimentos operários, Marx também buscou entender o capitalismo e passou muito tempo na sala de leitura do Museu Britânico estudando e refletindo sobre as obras de economistas políticos e sobre dados econômicos. [170] Em 1857, Marx acumulou mais de 800 páginas de notas e pequenos ensaios sobre capital, propriedade fundiária , trabalho assalariado, o estado e o comércio exterior e o mercado mundial, embora este trabalho não tenha aparecido na imprensa até 1939 sob o título Esboços da crítica da economia política . [171] [172] [173]

Em 1859, Marx publicou Uma Contribuição para a Crítica da Economia Política , [174] seu primeiro trabalho econômico sério. Este trabalho pretendia apenas ser uma prévia de seu livro Das Kapital (título em inglês: Capital: Critique of Political Economy ) em três volumes , que ele pretendia publicar em uma data posterior. Em Uma contribuição para a crítica da economia política , Marx expande a teoria do valor-trabalho defendida por David Ricardo . O trabalho foi recebido com entusiasmo e a edição esgotou rapidamente. [175]

Marx fotografado por John Mayall, 1875

As vendas bem-sucedidas de Uma contribuição para a crítica da economia política estimularam Marx no início da década de 1860 a terminar o trabalho nos três grandes volumes que iriam compor a obra principal de sua vida - Das Kapital e as Teorias da mais-valia , que discutiam os teóricos da economia política , particularmente Adam Smith e David Ricardo . [144] Teorias da mais-valia é freqüentemente referido como o quarto volume de Das Kapital e constitui um dos primeiros tratados abrangentes sobre a história do pensamento econômico . [176] Em 1867, o primeiro volume de Das Kapitalfoi publicada, uma obra que analisou o processo de produção capitalista. [177] Aqui, Marx elaborou sua teoria do valor-trabalho , que foi influenciada por Thomas Hodgskin . Marx reconheceu a "obra admirável" de Hodgskin, Labor Defended against the Claims of Capital, em mais de um ponto em Das Kapital . [178]Na verdade, Marx citou Hodgskin como reconhecendo a alienação do trabalho que ocorreu sob a produção capitalista moderna. Não havia mais nenhuma "recompensa natural do trabalho individual. Cada trabalhador produz apenas uma parte de um todo, e cada parte não tendo valor ou utilidade por si mesma, não há nada que o trabalhador possa agarrar e dizer: 'Este é o meu produto, isso eu vou guardar para mim '". [179] Neste primeiro volume de Das Kapital , Marx delineou sua concepção de mais-valia e exploração , que ele argumentou que acabaria por levar a uma queda da taxa de lucro e ao colapso do capitalismo industrial. [180] Exigência de uma edição em russo de Das Kapitallogo levou à impressão de 3.000 cópias do livro na língua russa, que foi publicado em 27 de março de 1872. No outono de 1871, toda a primeira edição da edição em língua alemã de Das Kapital havia se esgotado e uma segunda edição foi publicada.

Os volumes II e III de Das Kapital permaneceram meros manuscritos nos quais Marx continuou a trabalhar pelo resto de sua vida. Ambos os volumes foram publicados por Engels após a morte de Marx. [144] O Volume II de Das Kapital foi preparado e publicado por Engels em julho de 1893 sob o nome Capital II: The Process of Circulation of Capital . [181] O Volume III de Das Kapital foi publicado um ano depois, em outubro de 1894, sob o nome de Capital III: O Processo de Produção Capitalista como um Todo . [182] Teorias da mais-valia derivadas dos extensos Manuscritos Econômicos de 1861-1863 , um segundorascunho de Das Kapital , o último abrangendo os volumes 30-34 das Obras Completas de Marx e Engels . Especificamente, Teorias da mais-valia vai da última parte do trigésimo volume das Obras Completas até o final de seu volume de trinta segundos; [183] [184] [185] enquanto isso, os Manuscritos Econômicos maiores de 1861–1863 vão desde o início do trigésimo volume das Obras Coletadas até a primeira metade de seu trigésimo quarto volume. A última metade do trigésimo quarto volume das Obras Coletadas consiste nos fragmentos remanescentes dos Manuscritos Econômicos de 1863-1864 , que representaram umterceiro rascunho de Das Kapital , e uma grande parte do qual está incluída como um apêndice da edição Penguin de Das Kapital , volume I. [186] Uma edição resumida em língua alemã de Teorias do valor excedente foi publicada em 1905 e em 1910. Esta edição abreviada foi traduzida para o inglês e publicada em 1951 em Londres, mas a edição não resumida completa de Teorias do valor excedente foi publicada como o "quarto volume" de Das Kapital em 1963 e 1971 em Moscou. [187]

Marx em 1882

Durante a última década de sua vida, a saúde de Marx piorou e ele se tornou incapaz de fazer o esforço sustentado que havia caracterizado seu trabalho anterior. [144] Ele conseguiu comentar substancialmente sobre a política contemporânea, particularmente na Alemanha e na Rússia. Sua Crítica do Programa de Gotha opôs-se à tendência de seus seguidores Wilhelm Liebknecht e August Bebel de se comprometerem com o socialismo de estado de Ferdinand Lassalle no interesse de um partido socialista unido. [144] Esta obra é também notável por outra famosa citação de Marx: " De cada um segundo a sua capacidade, a cada um segundo a sua necessidade ". [188]

Em uma carta a Vera Zasulich datada de 8 de março de 1881, Marx contemplou a possibilidade de a Rússia contornar o estágio capitalista de desenvolvimento e construir o comunismo com base na propriedade comum da terra característica da vila mir . [144] [189] Embora admitindo que a "comuna rural da Rússia é o fulcro da regeneração social na Rússia", Marx também advertiu que, para que o mir funcione como um meio de passar direto ao estágio socialista sem um estágio capitalista precedente, “primeiro seria necessário eliminar as influências deletérias que a assaltam [a comuna rural] de todos os lados”. [190]Dada a eliminação dessas influências perniciosas, Marx permitiu que existissem "condições normais de desenvolvimento espontâneo" da comuna rural. [190] No entanto, na mesma carta a Vera Zasulich, ele aponta que "no cerne do sistema capitalista ... está a separação completa entre o produtor e os meios de produção". [190]Em um dos rascunhos desta carta, Marx revela sua crescente paixão pela antropologia, motivado por sua crença de que o futuro comunismo seria um retorno em um nível superior ao comunismo de nosso passado pré-histórico. Ele escreveu que "a tendência histórica de nossa época é a crise fatal pela qual a produção capitalista passou nos países europeus e americanos onde atingiu seu ápice, uma crise que terminará em sua destruição, no retorno da sociedade moderna a um forma superior do tipo mais arcaico - produção e apropriação coletiva ”. Ele acrescentou que "a vitalidade das comunidades primitivas era incomparavelmente maior do que a das sociedades semíticas, gregas, romanas, etc. e, a fortiori, das sociedades capitalistas modernas". [191]Antes de morrer, Marx pediu a Engels que redigisse essas idéias, publicadas em 1884 com o título A origem da família, da propriedade privada e do Estado .

Vida pessoal

Família

Jenny Carolina e Jenny Laura Marx (1869): todas as filhas de Marx foram nomeadas Jenny em homenagem a sua mãe, Jenny von Westphalen.

Marx e von Westphalen tiveram sete filhos juntos, mas em parte devido às péssimas condições em que viveram enquanto em Londres, apenas três sobreviveram à idade adulta. [192] As crianças eram: Jenny Caroline (m. Longuet; 1844-1883); Jenny Laura (m. Lafargue; 1845–1911); Edgar (1847–1855); Henry Edward Guy ("Guido"; 1849–1850); Jenny Eveline Frances ("Franziska"; 1851–1852); Jenny Julia Eleanor (1855–1898) e mais uma que morreu antes de ser nomeada (julho de 1857). Segundo seu genro, Paul Lafargue , Marx era um pai amoroso. [193] Em 1962, houve alegações de que Marx teve um filho, Freddy, [194] fora do casamento com sua governanta,Helene Demuth , [195] mas a alegação é contestada por falta de evidências documentadas. [196]

Marx freqüentemente usava pseudônimos, muitas vezes ao alugar uma casa ou apartamento, aparentemente para tornar mais difícil para as autoridades localizá-lo. Enquanto em Paris, ele usou o de "Monsieur Ramboz", enquanto em Londres, ele assinou suas cartas como "A. Williams". Seus amigos se referiam a ele como "Moor", devido à sua pele escura e cabelo preto encaracolado, enquanto ele encorajava seus filhos a chamá-lo de "Old Nick" e "Charley". [197] Ele também concedeu apelidos e pseudônimos a seus amigos e familiares, referindo-se a Friedrich Engels como "General", sua governanta Helene como "Lenchen" ou "Nym", enquanto uma de suas filhas, Jennychen, era conhecida como "Qui Qui, imperador da China " e outra, Laura, era conhecida como "Kakadou "ou" o hotentote ".[197]

Saúde

Embora Marx tivesse bebido álcool antes de entrar para a sociedade de bebedores do Trier Tavern Club na década de 1830 [ quando? ] , depois de entrar no clube, começou a beber mais e continuou a beber durante toda a vida. [40]

Marx sofria de problemas de saúde (o que ele mesmo descreveu como "a miséria da existência") [198]e vários autores procuraram descrevê-lo e explicá-lo. Seu biógrafo Werner Blumenberg atribuiu isso aos problemas de fígado e vesícula que Marx teve em 1849 e dos quais ele nunca mais se livrou, agravado por um estilo de vida inadequado. Os ataques geralmente vinham com dores de cabeça, inflamação nos olhos, nevralgia na cabeça e dores reumáticas. Um sério distúrbio nervoso apareceu em 1877 e a consequência disso foi a insônia prolongada, que Marx lutou com narcóticos. A doença foi agravada pelo trabalho noturno excessivo e dieta inadequada. Marx gostava de pratos muito temperados, peixes defumados, caviares, pepinos em conserva, "nenhum deles bom para pacientes com fígado", mas também gostava de vinho e licores e fumava uma quantidade enorme "e como não tinha dinheiro, geralmente era charutos de má qualidade ". A partir de 1863, Marx queixou-se muito de furúnculos:“São muito frequentes em pacientes com fígado e podem ser pelas mesmas causas”.[199] Os abscessos eram tão graves que Marx não conseguia sentar-se nem trabalhar direito. De acordo com Blumenberg, a irritabilidade de Marx é freqüentemente encontrada em pacientes com fígado:

A doença enfatizou certos traços de seu caráter. Ele argumentou duramente, sua sátira mordaz não diminuía com os insultos e suas expressões podiam ser rudes e cruéis. Embora em geral Marx tivesse uma fé cega em seus amigos mais próximos, ele mesmo reclamava que às vezes era muito desconfiado e injusto até com eles. Seus veredictos, não só sobre os inimigos, mas até sobre os amigos, eram às vezes tão duros que gente menos sensível se ofendia ... Devia haver poucos a quem ele não criticava assim ... nem mesmo Engels era exceção. [200]

De acordo com o historiador de Princeton JE Seigel, no final da adolescência Marx pode ter tido pneumonia ou pleurisia, cujos efeitos o levaram a ser dispensado do serviço militar prussiano. Mais tarde, enquanto trabalhava em Das Kapital (que ele nunca completou), [201]Marx sofreu um trio de aflições. Uma doença hepática, provavelmente hereditária, era agravada pelo excesso de trabalho, uma dieta inadequada e falta de sono. A inflamação dos olhos foi induzida por muito trabalho noturno. Uma terceira aflição, erupção de carbúnculos ou furúnculos ", foi provavelmente provocada pela debilidade física geral para a qual contribuíram as várias características do estilo de vida de Marx - álcool, tabaco, dieta pobre e falta de sono. Engels frequentemente exortava Marx a alterar este regime perigoso ". Na tese do professor Siegel, o que está por trás desse sacrifício punitivo de sua saúde pode ter sido a culpa sobre o auto-envolvimento e o egoísmo, originalmente induzidos em Karl Marx por seu pai. [202]

Em 2007, um retrodiagnóstico da doença de pele de Marx foi feito pelo dermatologista Sam Shuster da Universidade de Newcastle e, para Shuster, a explicação mais provável era que Marx não sofria de problemas hepáticos, mas de hidradenite supurativa , uma condição infecciosa recorrente decorrente do bloqueio dos dutos apócrinos abrindo em folículos capilares. Essa condição, que não foi descrita na literatura médica inglesa até 1933 (portanto, não teria sido conhecida pelos médicos de Marx), pode produzir dor nas articulações (que poderia ser diagnosticada erroneamente como distúrbio reumático) e problemas oculares dolorosos. Para chegar a seu retrodiagnóstico, Shuster considerou o material primário: a correspondência de Marx publicada nos 50 volumes da Coleção de Obras Marx / Engels . Lá, "embora as lesões cutâneas fossem chamadas de 'furúnculos', 'furúnculos' e 'carbúnculos' por Marx, sua esposa e seus médicos, eram muito persistentes, recorrentes, destrutivas e específicas para esse diagnóstico". Os locais dos "carbúnculos" persistentes foram observados repetidamente nas axilas, virilhas, perianal ,genital ( pênis eescroto ) e regiões suprapúbicas e parte interna das coxas, "locais favorecidos de hidradenite supurativa". O professor Shuster afirmou que o diagnóstico "agora pode ser feito definitivamente". [203]

Shuster passou a considerar os potenciais efeitos psicossociais da doença, observando que a pele é um órgão de comunicação e que a hidradenite supurativa produz muito sofrimento psicológico, incluindo ódio e repulsa e depressão da autoimagem, humor e bem-estar, sentimentos para o qual Shuster encontrou "muitas evidências" na correspondência de Marx. O professor Shuster passou a se perguntar se os efeitos mentais da doença afetaram o trabalho de Marx e até o ajudaram a desenvolver sua teoria da alienação . [204]

Morte

Após a morte de sua esposa Jenny em dezembro de 1881, Marx desenvolveu um catarro que o manteve com problemas de saúde nos últimos 15 meses de sua vida. Isso acabou causando a bronquite e a pleurisia que o mataram em Londres em 14 de março de 1883, quando ele morreu como apátrida aos 64 anos. [205] Família e amigos enterraram seu corpo no cemitério de Highgate (Leste), Londres, em 17 Março de 1883 em uma área reservada para agnósticos e ateus ( o túmulo de George Eliot está próximo). De acordo com Francis Wheen, havia entre nove e onze pessoas em luto em seu funeral, [206] [207]no entanto, pesquisas de fontes contemporâneas identificam treze indivíduos nomeados que compareceram ao funeral. Eles eram, Friedrich Engels , Eleanor Marx , Edward Aveling , Paul Lafargue , Charles Longuet , Helene Demuth , Wilhelm Liebknecht , Gottlieb Lemke , Frederick Lessner , G. Lochner, Sir Ray Lankester , Carl Schorlemmer e Ernest Radford . [208] Um relato de um jornal contemporâneo afirma que 25 a 30 parentes e amigos compareceram ao funeral. [209] Um escritor no The Graphicobservou que 'Por um erro estranho ... sua morte não foi anunciada por dois dias, e então como tendo ocorrido em Paris. No dia seguinte, a correção veio de Paris; e quando seus amigos e seguidores correram para sua casa em Haverstock Hill , para saber a hora e o local do enterro, eles descobriram que ele já estava no solo frio. Se não fosse por esse sigilo [sic] e pressa, uma grande manifestação popular sem dúvida teria ocorrido sobre seu túmulo '. [210]

Vários de seus amigos mais próximos falaram em seu funeral, incluindo Wilhelm Liebknecht e Friedrich Engels. O discurso de Engels incluiu a passagem:

No dia 14 de março, às quinze para as três da tarde, o maior pensador vivo deixou de pensar. Ele ficou sozinho por quase dois minutos e, quando voltamos, o encontramos em sua poltrona, dormindo em paz - mas para sempre. [211]

As filhas sobreviventes de Marx, Eleanor e Laura , bem como Charles Longuet e Paul Lafargue , os dois genros socialistas franceses de Marx, também estiveram presentes. [207] Ele já havia morrido por sua esposa e filha mais velha, esta última morrendo alguns meses antes, em janeiro de 1883. Liebknecht, fundador e líder do Partido Social Democrata Alemão, fez um discurso em alemão e em Longuet, uma figura proeminente no movimento da classe trabalhadora francesa, fez uma breve declaração em francês. [207] Dois telegramas de partidos de trabalhadores na França e na Espanha [ quais? ] também foram lidos. [207]Junto com o discurso de Engels, isso constituiu todo o programa do funeral. [207] Não-parentes que compareceram ao funeral incluíam três associados comunistas de Marx: Friedrich Lessner, preso por três anos após o Julgamento Comunista de Colônia de 1852; G. Lochner, que Engels descreveu como "um antigo membro da Liga Comunista"; e Carl Schorlemmer , professor de química em Manchester, membro da Royal Society e ativista comunista envolvido na revolução de 1848 em Baden . [207] Outro participante do funeral foi Ray Lankester , um zoólogo britânico que mais tarde se tornaria um acadêmico de destaque. [207]

Marx deixou um patrimônio pessoal avaliado para inventário em £ 250 (equivalente a £ 25.365 em 2019 [212] ). [213] Após sua própria morte em 1895, Engels deixou para as duas filhas sobreviventes de Marx uma "porção significativa" de seu considerável patrimônio (avaliado em 2011 em US $ 4,8 milhões). [194]

Marx e sua família foram reenterrados em um novo local próximo em novembro de 1954. O túmulo no novo local, inaugurado em 14 de março de 1956, [214] traz a mensagem gravada: " Trabalhadores de todas as terras, unem-se ", a linha final do Comunista Manifesto ; e, da 11ª " Tese sobre Feuerbach " (conforme editada por Engels), "Os filósofos apenas interpretaram o mundo de várias maneiras - o que importa, no entanto, é mudá-lo". [215] O Partido Comunista da Grã-Bretanha (PCGB) mandou erguer o monumento com um busto de Laurence Bradshaw e o túmulo original de Marx tinha apenas adornos humildes.[215] Líder negro dos direitos civis e ativista do CPGBClaudia Jones foi posteriormente enterrada ao lado do túmulo de Karl Marx.

O historiador marxista Eric Hobsbawm observou: "Não se pode dizer que Marx morreu um fracasso" porque embora ele não tivesse conquistado um grande número de discípulos na Grã-Bretanha, seus escritos já haviam começado a causar impacto nos movimentos de esquerda na Alemanha e na Rússia. Após 25 anos de sua morte, os partidos socialistas da Europa continental que reconheceram a influência de Marx em suas políticas estavam ganhando entre 15 e 47 por cento nos países com eleições democráticas representativas . [216]

Pensei

Influências

O pensamento de Marx demonstra influências de muitos pensadores, incluindo, mas não se limitando a:

A visão da história de Marx, que veio a ser chamada de materialismo histórico (controversamente adaptada como a filosofia do materialismo dialético por Engels e Lenin), certamente mostra a influência da afirmação de Hegel de que se deve ver a realidade (e a história) dialeticamente . [217] No entanto, Hegel tinha pensado em termos idealistas , colocando as ideias em primeiro plano, enquanto Marx procurou reescrever a dialética em termos materialistas , defendendo a primazia da matéria sobre a ideia. [89] [217] Onde Hegel via o "espírito" como motor da história, Marx via isso como uma mistificação desnecessária, obscurecendo a realidade da humanidade e suas ações físicas moldando o mundo.[217] Ele escreveu que o hegelianismo colocou o movimento da realidade de ponta-cabeça e que era preciso colocá-lo de pé. [217] Apesar de sua aversão aos termos místicos, Marx usou a linguagem gótica em várias de suas obras: em O Manifesto Comunista, ele proclama "Um espectro está assombrando a Europa - o espectro do comunismo. Todas as potências da velha Europa firmaram uma aliança sagrada para exorcizar esse espectro ", e em O Capital ele se refere ao capital como" necromancia que envolve os produtos do trabalho ". [223]

Embora inspirado pelo pensamento socialista e sociológico francês, [218] Marx criticou os socialistas utópicos , argumentando que suas comunidades socialistas de pequena escala favorecidas estariam fadadas à marginalização e à pobreza e que apenas uma mudança em grande escala no sistema econômico pode trazer uma mudança real . [220]

As outras contribuições importantes para a revisão de Marx do hegelianismo vieram do livro de Engels, The Condition of the Working Class in England em 1844 , que levou Marx a conceber a dialética histórica em termos de conflito de classes e a ver a classe trabalhadora moderna como a mais progressista força para a revolução, [75] bem como do social-democrata Friedrich Wilhelm Schulz , que em Die Bewegung der Produktion descreveu o movimento da sociedade como "decorrente da contradição entre as forças de produção e o modo de produção". [5] [6]

Marx acreditava que poderia estudar a história e a sociedade cientificamente e discernir as tendências da história e o resultado dos conflitos sociais. Alguns seguidores de Marx, portanto, concluíram que uma revolução comunista ocorreria inevitavelmente. No entanto, Marx notoriamente afirmou na décima primeira de suas " Teses sobre Feuerbach " que "os filósofos apenas interpretaram o mundo, de várias maneiras; a questão, entretanto, é mudá-lo" e ele claramente se dedicou a tentar alterar o mundo. [16] [215]

As teorias de Marx inspiraram várias teorias e disciplinas do futuro, incluindo, mas não se limitando a:

Filosofia e pensamento social

A polêmica de Marx com outros pensadores muitas vezes ocorreu por meio da crítica e, portanto, ele foi chamado de "o primeiro grande usuário do método crítico nas ciências sociais". [217] [218] Ele criticou a filosofia especulativa, equiparando a metafísica com a ideologia. [224] Ao adotar essa abordagem, Marx tentou separar as principais descobertas dos preconceitos ideológicos. [218] Isso o distinguiu de muitos filósofos contemporâneos. [16]

Natureza humana

Os filósofos GWF Hegel e Ludwig Feuerbach , cujas idéias sobre dialética influenciaram fortemente Marx

Como Tocqueville, que descreveu um despotismo sem rosto e burocrático, sem déspota identificável, [225] Marx também rompeu com pensadores clássicos que falavam de um único tirano e com Montesquieu , que discutia a natureza de um único déspota. Em vez disso, Marx começou a analisar "o despotismo do capital". [226] Fundamentalmente, Marx assumiu que a história humana envolve a transformação da natureza humana , que abrange tanto os seres humanos quanto os objetos materiais. [227] Os humanos reconhecem que possuem um eu real e potencial. [228] [229] Para Marx e Hegel, o autodesenvolvimento começa com uma experiência dea alienação decorrente desse reconhecimento, seguida pela compreensão de que o eu real, como um agente subjetivo , torna sua contraparte potencial um objeto a ser apreendido. [229] Marx ainda argumenta que, ao moldar a natureza [230] de maneiras desejadas [231], o sujeito toma o objeto como seu e, assim, permite que o indivíduo seja atualizado como totalmente humano. Para Marx, a natureza humana  - Gattungswesen , ou ser-espécie  - existe como uma função do trabalho humano. [228] [229] [231]Fundamental para a ideia de trabalho significativo de Marx é a proposição de que, para um sujeito chegar a um acordo com seu objeto alienado, ele deve primeiro exercer influência sobre os objetos materiais literais do mundo do sujeito. [232] Marx reconhece que Hegel "apreende a natureza do trabalho e compreende o homem objetivo, autêntico porque atual, como resultado de seu próprio trabalho ", [233] mas caracteriza o autodesenvolvimento hegeliano como indevidamente "espiritual" e abstrato. [234]Marx, portanto, se afasta de Hegel ao insistir que "o fato de que o homem é um ser corpóreo, real, senciente e objetivo com capacidades naturais significa que ele tem objetos reais e sensuais para sua natureza como objetos de sua expressão de vida, ou que ele só pode expressar sua vida em objetos sensuais reais ". [232] Por conseguinte, Marx revê "trabalho" Hegeliano em "material de trabalho " e no contexto da capacidade humana de se transformar a natureza do termo " força de trabalho ". [89]

Trabalho, luta de classes e falsa consciência

A história de todas as sociedades até então existentes é a história das lutas de classes.

Um monumento dedicado a Marx e Engels em Xangai, China

Marx tinha uma preocupação especial com a forma como as pessoas se relacionam com sua própria força de trabalho. [236] Ele escreveu extensivamente sobre isso em termos do problema da alienação . [237] Tal como acontece com a dialética, Marx começou com uma noção hegeliana de alienação, mas desenvolveu uma concepção mais materialista. [236] O capitalismo medeia as relações sociais de produção (como entre trabalhadores ou entre trabalhadores e capitalistas) por meio de mercadorias, incluindo trabalho, que são compradas e vendidas no mercado. [236] Para Marx, a possibilidade de renunciar à propriedade do próprio trabalho - a capacidade de transformar o mundo - equivale a estar alienado da própria natureza e é uma perda espiritual. [236]Marx descreveu essa perda como fetichismo da mercadoria , em que as coisas que as pessoas produzem, mercadorias, parecem ter vida e movimento próprios aos quais os humanos e seu comportamento apenas se adaptam. [238]

O fetichismo da mercadoria fornece um exemplo do que Engels chamou de " falsa consciência ", [239] que se relaciona intimamente com a compreensão da ideologia. Por "ideologia", Marx e Engels entendiam ideias que refletem os interesses de uma determinada classe em um determinado momento da história, mas que os contemporâneos vêem como universais e eternos. [240]O ponto de Marx e Engels não era apenas que tais crenças são, na melhor das hipóteses, meias-verdades, mas cumprem uma importante função política. Dito de outra forma, o controle que uma classe exerce sobre os meios de produção inclui não apenas a produção de alimentos ou bens manufaturados, mas também a produção de idéias (isso fornece uma explicação possível para porque os membros de uma classe subordinada podem ter idéias contrárias a seus seus próprios interesses). [89] [241] Um exemplo desse tipo de análise é a compreensão de Marx da religião, resumida em uma passagem do prefácio [242] a sua Contribuição de 1843 para a Crítica da Filosofia do Direito de Hegel :

O sofrimento religioso é, ao mesmo tempo, a expressão do sofrimento real e um protesto contra o sofrimento real. A religião é o suspiro da criatura oprimida, o coração de um mundo sem coração e a alma de condições sem alma. É o ópio do povo. A abolição da religião como felicidade ilusória das pessoas é a exigência de sua felicidade real. Exigir que desistam de suas ilusões sobre sua condição é exortá-los a desistir de uma condição que requer ilusões. [243]

Considerando sua Gymnasium tese sênior do Gymnasium zu Trier  [ de ] argumentou que a religião teve como objetivo social primordial a promoção da solidariedade , aqui Marx vê a função social da religião em termos de destacar / preservação política e econômica status quo e desigualdade . [244]

Marx era um oponente declarado do trabalho infantil , [245] dizendo que as indústrias britânicas "só podiam viver sugando sangue, e o sangue das crianças também", e que o capital dos EUA era financiado pelo "sangue capitalizado das crianças". [223] [246]

Economia, história e sociedade

Mas vocês, comunistas, introduziriam comunidade de mulheres, grita toda a burguesia em coro. O burguês vê em sua esposa um mero instrumento de produção. Ele ouve dizer que os meios de produção devem ser explorados em comum e, naturalmente, não pode chegar a outra conclusão senão que a sorte de ser comum a todos recairá igualmente nas mulheres. Ele nem mesmo suspeita de que o verdadeiro objetivo é acabar com a condição da mulher como mero meio de produção.

- Karl Marx, O Manifesto Comunista [247]

Os pensamentos de Marx sobre o trabalho estavam relacionados à primazia que ele deu à relação econômica na determinação do passado, presente e futuro da sociedade (ver também determinismo econômico ). [217] [220] [248] A acumulação de capital molda o sistema social . [220] Para Marx, mudança social era sobre conflito entre interesses opostos, impulsionados em segundo plano por forças econômicas. [217] Isso se tornou a inspiração para o conjunto de obras conhecido como a teoria do conflito . [248] Em seu modelo evolucionário de história, ele argumentou que a história humanacomeçou com um trabalho livre, produtivo e criativo que foi coagido e desumanizado com o tempo, uma tendência mais aparente sob o capitalismo. [217] Marx observou que este não foi um processo intencional, pelo contrário, nenhum indivíduo ou mesmo estado pode ir contra as forças da economia. [220]

A organização da sociedade depende dos meios de produção . Os meios de produção são todas as coisas necessárias para produzir bens materiais, como terra, recursos naturais e tecnologia, mas não o trabalho humano. As relações de produção são as relações sociais em que as pessoas entram quando adquirem e usam os meios de produção. [248] Juntos, eles compõem o modo de produção e Marx distinguiu eras históricas em termos de modos de produção. Marx diferenciou entre base e superestrutura , onde a base (ou subestrutura) é o sistema econômico e a superestrutura é o sistema cultural e político. [248] Marx considerou este descompasso entre base econômica e socialsuperestrutura como uma importante fonte de ruptura e conflito social. [248]

Apesar da ênfase de Marx na crítica do capitalismo e na discussão da nova sociedade comunista que deveria substituí-lo, sua crítica explícita é cautelosa, visto que ele a via como uma sociedade melhorada em comparação com as anteriores ( escravidão e feudalismo ). [89] Marx nunca discute claramente questões de moralidade e justiça , mas os estudiosos concordam que seu trabalho continha uma discussão implícita desses conceitos. [89]

Memorial a Karl Marx em Moscou, cuja inscrição diz: " Proletários de todos os países, uni-vos!
Mural de Diego Rivera mostrando Karl Marx, no Palácio Nacional da Cidade do México

A visão de Marx do capitalismo era dupla. [89] [159] Por um lado, na crítica mais profunda do século 19 aos aspectos desumanizadores deste sistema, ele observou que as características definidoras do capitalismo incluem alienação, exploração e depressões cíclicas recorrentes que levam ao desemprego em massa. Por outro lado, ele caracterizou o capitalismo como "revolucionando, industrializando e universalizando qualidades de desenvolvimento, crescimento e progressividade" (pelo que Marx significava industrialização, urbanização, progresso tecnológico , aumento da produtividade e crescimento, racionalidade e revolução científica ) que são responsáveis ​​pelo progresso . [89] [159][217] Marx considerou a classe capitalista uma das mais revolucionárias da história porque melhorou constantemente os meios de produção, mais do que qualquer outra classe na história e foi responsável pela derrubada do feudalismo . [220] [249] O capitalismo pode estimular um crescimento considerável porque o capitalista tem um incentivo para reinvestir os lucros em novas tecnologias e equipamentos de capital . [236]

De acordo com Marx, os capitalistas tiram vantagem da diferença entre o mercado de trabalho e o mercado para qualquer mercadoria que o capitalista possa produzir. Marx observou que, em praticamente todas as indústrias bem-sucedidas, os custos unitários dos insumos são menores do que os preços unitários dos produtos. Marx chamou a diferença de " mais-valia " e argumentou que era baseada no sobretrabalho , a diferença entre o que custa para manter os trabalhadores vivos e o que eles podem produzir. [89] Embora Marx descreva os capitalistas como vampiros sugando o sangue do trabalhador, [217] ele observa que obter lucro "não é de forma alguma uma injustiça" [89] e que os capitalistas não podem ir contra o sistema. [220]O problema é a "célula cancerosa" do capital , entendida não como um bem ou equipamento, mas nas relações entre trabalhadores e proprietários - o sistema econômico em geral. [220]

Ao mesmo tempo, Marx enfatizou que o capitalismo era instável e sujeito a crises periódicas . [103] Ele sugeriu que ao longo do tempo os capitalistas iriam investir mais e mais em novas tecnologias e cada vez menos em trabalho. [89] Uma vez que Marx acreditava que o lucro derivava da mais-valia apropriada do trabalho, ele concluiu que a taxa de lucro cairia com o crescimento da economia. [180] Marx acreditava que crises cada vez mais severas pontuariam este ciclo de crescimento e colapso. [180] Além disso, ele acreditava que, a longo prazo, este processo enriqueceria e capacitaria a classe capitalista e empobreceria o proletariado. [180] [220]Na seção um do Manifesto Comunista , Marx descreve o feudalismo , o capitalismo e o papel que as contradições sociais internas desempenham no processo histórico:

Vemos então: os meios de produção e de troca, sobre os quais a burguesia se construiu, foram gerados na sociedade feudal. A certa altura do desenvolvimento desses meios de produção e de troca, as condições sob as quais a sociedade feudal produzia e trocava ... as relações feudais de propriedade não eram mais compatíveis com as forças produtivas já desenvolvidas; eles se tornaram tantos grilhões. Eles tiveram que ser despedaçados; eles foram explodidos em pedaços. Em seu lugar surgiu a livre competição, acompanhada por uma constituição social e política adaptada a ela, e o domínio econômico e político da classe burguesa. Um movimento semelhante está acontecendo diante de nossos próprios olhos ... As forças produtivas à disposição da sociedade não tendem mais a favorecer o desenvolvimento das condições da propriedade burguesa; pelo contrário,eles se tornaram poderosos demais para essas condições, pelas quais estão acorrentados, e tão logo superem esses grilhões, eles trazem ordem a toda a sociedade burguesa, pondo em risco a existência da propriedade burguesa.[14]

Do lado de fora de uma fábrica em Oldham . Marx acreditava que os trabalhadores industriais (o proletariado ) se levantariam em todo o mundo.

Marx acreditava que essas contradições estruturais dentro do capitalismo necessitavam de seu fim, dando lugar ao socialismo, ou uma sociedade comunista pós-capitalista:

O desenvolvimento da Indústria Moderna, portanto, arranca de seus pés os próprios alicerces sobre os quais a burguesia produz e se apropria dos produtos. O que a burguesia, portanto, produz, acima de tudo, são seus próprios coveiros. Sua queda e a vitória do proletariado são igualmente inevitáveis. [14]

Graças a vários processos supervisionados pelo capitalismo, como a urbanização, a classe trabalhadora, o proletariado, deve crescer em número e desenvolver a consciência de classe , com o tempo percebendo que eles podem e devem mudar o sistema. [217] [220] Marx acreditava que se o proletariado se apoderasse dos meios de produção, estimularia relações sociais que beneficiariam a todos igualmente, abolindo a exploração de classe e introduzindo um sistema de produção menos vulnerável às crises cíclicas. [217] Marx argumentou em The German Ideology que o capitalismo acabará por meio das ações organizadas de uma classe trabalhadora internacional:

O comunismo não é para nós um estado de coisas que deva ser estabelecido, um ideal ao qual a realidade terá de se ajustar. Chamamos de comunismo o movimento real que abole o presente estado de coisas. As condições desse movimento resultam das premissas agora existentes. [250]

Nessa nova sociedade, a alienação acabaria e o ser humano estaria livre para agir sem estar vinculado ao mercado de trabalho. [180] Seria uma sociedade democrática, emancipando toda a população. [220] Em um mundo tão utópico , também haveria pouca necessidade de um estado, cujo objetivo era anteriormente fazer cumprir a alienação. [180] Marx teorizou que entre o capitalismo e o estabelecimento de um sistema socialista / comunista, existiria um período de ditadura do proletariado  - onde a classe trabalhadora detém o poder político e socializa à força os meios de produção. [220] Como ele escreveu em sua Crítica do Programa de Gotha, “entre a sociedade capitalista e a comunista está o período da transformação revolucionária de uma na outra. Correspondendo a isso, está também um período de transição política em que o Estado não pode ser senão a ditadura revolucionária do proletariado”. [251] Enquanto ele permitiu a possibilidade de transição pacífica em alguns países com fortes estruturas institucionais democráticas (como a Grã-Bretanha, os Estados Unidos e os Países Baixos), ele sugeriu que em outros países nos quais os trabalhadores não podem "atingir seu objetivo por meio de paz significa "a" alavanca da nossa revolução deve ser a força ". [252]

Relações Internacionais

Monumento Karl Marx em Chemnitz (conhecido como Karl-Marx-Stadt de 1953 a 1990)

Marx via a Rússia como a principal ameaça contra-revolucionária às revoluções europeias. [253] Durante a Guerra da Crimeia , Marx apoiou o Império Otomano e seus aliados Grã-Bretanha e França contra a Rússia. [253] Ele se opôs totalmente ao pan-eslavismo , vendo-o como um instrumento da política externa russa. [253] Marx considerou as nações eslavas , exceto os poloneses, como 'contra-revolucionárias'. Marx e Engels publicaram no Neue Rheinische Zeitung em fevereiro de 1849:

Às frases sentimentais sobre a fraternidade que estamos sendo oferecidas aqui em nome das nações mais contra-revolucionárias da Europa, respondemos que o ódio aos russos foi e ainda é a principal paixão revolucionária entre os alemães; que desde a revolução [de 1848] o ódio aos tchecos e croatas foi adicionado, e que somente com o uso mais determinado do terror contra esses povos eslavos podemos, juntamente com os poloneses e magiares, salvaguardar a revolução. Nós sabemos onde os inimigos da revolução estão concentrados, viz. na Rússia e nas regiões eslavas da Áustria, e nenhuma frase bonita, nenhuma alusão a um futuro democrático indefinido para esses países pode nos impedir de tratar nossos inimigos como inimigos. Então haverá uma luta, uma "luta inexorável de vida ou morte", contra aqueles eslavos que traem a revolução; uma luta aniquiladora e terror implacável - não no interesse da Alemanha, mas no interesse da revolução! " [254]

Marx e Engels simpatizavam com os revolucionários narodnik das décadas de 1860 e 1870. Quando os revolucionários russos assassinaram o czar Alexandre II da Rússia , Marx expressou a esperança de que o assassinato prenunciasse "a formação de uma comuna russa". [255] Marx apoiou os levantes poloneses contra a Rússia czarista. [253] Ele disse em um discurso em Londres em 1867:

Em primeiro lugar, a política da Rússia é imutável ... Seus métodos, suas táticas, suas manobras podem mudar, mas a estrela polar de sua política - a dominação mundial - é uma estrela fixa. Em nossos tempos, apenas um governo civilizado governando as massas bárbaras pode traçar tal plano e executá-lo. ... Há apenas uma alternativa para a Europa. Ou a barbárie asiática, sob a direção moscovita, explodirá em sua cabeça como uma avalanche, ou então deverá restabelecer a Polônia, colocando assim vinte milhões de heróis entre ela e a Ásia e ganhando um feitiço para a realização de sua regeneração social. [256]

Marx apoiou a causa da independência irlandesa . Em 1867, ele escreveu a Engels: "Eu costumava pensar que a separação da Irlanda da Inglaterra era impossível. Agora acho que é inevitável. A classe trabalhadora inglesa nunca realizará nada até que tenha se livrado da Irlanda. ... A reação inglesa na Inglaterra tinha suas raízes ... na subjugação da Irlanda. " [257]

Marx passou algum tempo na Argélia Francesa , que havia sido invadida e transformada em colônia francesa em 1830, e teve a oportunidade de observar a vida no norte da África colonial. Ele escreveu sobre o sistema de justiça colonial, no qual "uma forma de tortura foi usada (e isso acontece 'regularmente') para extrair confissões dos árabes; naturalmente é feito (como os ingleses na Índia) pela 'polícia'; o juiz não deve saber absolutamente nada sobre isso. " [258] Marx ficou surpreso com a arrogância de muitos colonos europeusem Argel e escreveu em uma carta: "quando um colono europeu mora entre as 'raças inferiores', seja como colono ou mesmo a negócios, ele geralmente se considera ainda mais inviolável do que o belo Guilherme I [um rei prussiano]. quando se trata de arrogância e presunção face às 'raças inferiores', os britânicos e holandeses superam os franceses. " [258]

De acordo com a Stanford Encyclopedia of Philosophy : "A análise de Marx do colonialismo como uma força progressiva trazendo a modernização para uma sociedade feudal atrasada soa como uma racionalização transparente para a dominação estrangeira. Seu relato da dominação britânica, no entanto, reflete a mesma ambivalência que ele mostra em relação ao capitalismo Na Europa. Em ambos os casos, Marx reconhece o imenso sofrimento causado durante a transição da sociedade feudal para a burguesa, ao mesmo tempo que insiste que a transição é necessária e, em última análise, progressiva. Ele argumenta que a penetração do comércio exterior causará uma revolução social na Índia. " [259]

Marx discutiu o domínio colonial britânico na Índia no New York Herald Tribune em junho de 1853:

Não pode haver dúvida de que a miséria infligida pelos britânicos ao Hindustão [Índia] é de um tipo essencialmente diferente e infinitamente mais intenso do que todo o Hindustão teve de sofrer antes. A Inglaterra quebrou toda a estrutura da sociedade indiana, sem quaisquer sintomas de reconstituição ainda aparecendo ... [entretanto], não devemos esquecer que essas idílicas comunidades de vilarejos, por mais inofensivas que possam parecer, sempre foram a base sólida do despotismo oriental , que eles restringiram a mente humana dentro da menor bússola possível, tornando-a a ferramenta implacável da superstição. [258] [260]

Legado

Monumento de Karl Marx e Friedrich Engels no Fórum Marx-Engels , Berlim-Mitte , Alemanha
Estátua de Karl Marx em Trier, Alemanha

As idéias de Marx tiveram um impacto profundo na política mundial e no pensamento intelectual. [16] [17] [261] [262] Seguidores de Marx freqüentemente debateram entre si sobre como interpretar os escritos de Marx e aplicar seus conceitos ao mundo moderno. [263] O legado do pensamento de Marx tornou-se contestado entre inúmeras tendências, cada uma das quais se vê como o intérprete mais preciso de Marx. No campo político, essas tendências incluem o leninismo , o marxismo-leninismo , o trotskismo , o maoísmo , o luxemburguês e o marxismo libertário . [263] Várias correntes também se desenvolveram emmarxismo acadêmico , muitas vezes sob a influência de outras visões, resultando em marxismo estruturalista , marxismo histórico, marxismo fenomenológico, marxismo analítico e marxismo hegeliano. [263]

Do ponto de vista acadêmico, o trabalho de Marx contribuiu para o nascimento da sociologia moderna. Ele foi citado como um dos três mestres da " escola da suspeita " no século 19 ao lado de Friedrich Nietzsche e Sigmund Freud [264] e como um dos três principais arquitetos da ciência social moderna, juntamente com Émile Durkheim e Max Weber . [265] Em contraste com outros filósofos, Marx ofereceu teorias que muitas vezes podiam ser testadas com o método científico . [16] Tanto Marx quanto Auguste Comte se propuseram a desenvolver ideologias cientificamente justificadas na esteira da Europasecularização e novos desenvolvimentos nas filosofias da história e da ciência. Trabalhando na tradição hegeliana, Marx rejeitou o positivismo sociológico comtiano na tentativa de desenvolver uma ciência da sociedade . [266] Karl Löwith considerou Marx e Søren Kierkegaard os dois maiores sucessores filosóficos hegelianos. [267] Na teoria sociológica moderna , a sociologia marxista é reconhecida como uma das principais perspectivas clássicas. Isaiah Berlin considera Marx o verdadeiro fundador da sociologia moderna "na medida em que qualquer pessoa pode reivindicar o título". [268]Além das ciências sociais, ele também tem um legado duradouro em filosofia, literatura, artes e humanidades. [269] [270] [271] [272]

Mapa dos países que se declararam Estados socialistas na definição Marxista-Leninista ou Maoísta entre 1979 e 1983, que marcou a maior extensão territorial dos Estados socialistas

Os teóricos sociais dos séculos 20 e 21 perseguiram duas estratégias principais em resposta a Marx. Um movimento foi reduzi-lo ao seu núcleo analítico, conhecido como marxismo analítico. Outro movimento mais comum foi diluir as reivindicações explicativas da teoria social de Marx e enfatizar a "autonomia relativa" de aspectos da vida social e econômica não diretamente relacionados à narrativa central de Marx de interação entre o desenvolvimento das "forças de produção" e a sucessão de "modos de produção". Essa tem sido a teorização neomarxista adotada por historiadores inspirados na teoria social de Marx, como EP Thompson e Eric Hobsbawm .Também tem sido uma linha de pensamento seguida por pensadores e ativistas como Antonio Gramsci who have sought to understand the opportunities and the difficulties of transformative political practice, seen in the light of Marxist social theory.[273][274][275][276] Marx's ideas would also have a profound influence on subsequent artists and art history, with avant-garde movements across literature, visual art, music, film, and theatre.[277]

Politicamente, o legado de Marx é mais complexo. Ao longo do século 20, revoluções em dezenas de países se autodenominaram "marxistas" - principalmente a Revolução Russa , que levou à fundação da União Soviética . [278] Principais líderes mundiais, incluindo Vladimir Lenin , [278] Mao Zedong , [279] Fidel Castro , [280] Salvador Allende , [281] Josip Broz Tito , [282] Kwame Nkrumah , [283] Jawaharlal Nehru , [284] Nelson Mandela , [285] Xi Jinping ,[286] Jean-Claude Juncker [286] [287] e Thomas Sankara [ carece de fontes? ] Todos citaram Marx como uma influência. Além de onde ocorreram as revoluções marxistas, as idéias de Marx informaram os partidos políticos em todo o mundo. [288] Em países associados a algumas reivindicações marxistas, alguns eventos levaram oponentes políticos a culpar Marx por milhões de mortes, [289] mas a fidelidade desses variados revolucionários, líderes e partidos à obra de Marx é altamente contestada e foi rejeitada, [290] incluindo por muitos marxistas. [291]Agora é comum distinguir entre o legado e a influência de Marx, especificamente, e o legado e a influência daqueles que moldaram suas idéias para fins políticos. [292] Andrew Lipow descreve Marx e seu colaborador Friedrich Engels como "os fundadores do socialismo democrático revolucionário moderno". [293]

Marx continua relevante e controverso. Em maio de 2018, para marcar o bicentenário de seu nascimento, uma estátua de 4,5 metros dele pelo importante escultor chinês Wu Weishan e doada pelo governo chinês foi inaugurada em sua cidade natal, Trier . O presidente da Comissão Europeia , Jean-Claude Juncker, defendeu a memória de Marx, dizendo que hoje Marx "representa coisas pelas quais não é responsável e pelas quais não causou porque muitas das coisas que escreveu foram reformuladas no oposto". [287] [294] Em 2017, um longa-metragem, intitulado The Young Karl Marx , com Marx, sua esposa Jenny Marxe Engels, entre outros revolucionários e intelectuais anteriores aoRevolutions of 1848 , recebeu boas críticas por sua exatidão histórica e seu brio no trato com a vida intelectual. [295]

Bibliografia selecionada

Veja também

Referências

  1. ^ Marx tornou-se membro da prestigiosa Royal Society of Arts de Londres em 1862. Arquivado em 16 de abril de 2018 na Wayback Machine
  2. ^ a b "Clássicos: Karl Marx" . Willamette University. Arquivado do original em 16 de abril de 2020 . Retirado em 31 de agosto de 2020 .
  3. ^ "(ARCH) Babbage pages" . Universidade de Oxford. Arquivado do original em 22 de fevereiro de 2016 . Retirado em 14 de fevereiro de 2016 .
  4. ^ a b Chattopadhyay, Paresh (2016). Modo de produção associado de Marx: uma crítica do marxismo . Springer. pp. 39–41.
  5. ^ a b Levine, normando (2006). Caminhos divergentes: os fundamentos hegelianos do método de Marx . Lexington Books. p. 223.
  6. ^ a b Jonathan Sperber, Karl Marx: Uma vida do século XIX , p. 144
  7. ^ Hill, Lisa (2007). "Adam Smith, Adam Ferguson e Karl Marx sobre a divisão do trabalho" . Journal of Classical Sociology . 7 (3): 339–66. doi : 10.1177 / 1468795X07082086 . S2CID 145447043 . Arquivado do original em 24 de setembro de 2020 . Página visitada em 7 de outubro de 2018 . 
  8. ^ Allen Oakley, Crítica da Economia Política de Marx: 1844 a 1860 Arquivado em 10 de setembro de 2015 na Wayback Machine , Routledge, 1984, p. 51
  9. ^ Marx & pp. 397–99 .
  10. ^ Mehring, Franz, Karl Marx: A história de sua vida (Routledge, 2003) p. 75
  11. ^ John Bellamy Foster. "Teoria da Fenda Metabólica de Marx: Fundamentos Clássicos para Sociologia Ambiental", American Journal of Sociology , Vol. 105, No. 2 (setembro de 1999), pp. 366–405.
  12. ^ Sperber 2013 , pp. Capítulo 4.
  13. ^ Hobsbawm, Eric. "Marx, Karl Heinrich" . Dicionário Oxford de Biografia Nacional .
  14. ^ a b c Marx, K. e Engels, F. (1848). O Manifesto Comunista Arquivado em 2 de setembro de 2009 na Wayback Machine
  15. ^ Karl Marx: Crítica do programa de Gotha arquivado em 27 de outubro de 2007 na máquina de Wayback .
  16. ^ a b c d e Calhoun 2002 , pp. 23-24
  17. ^ a b "Marx o 'maior pensador ' do milênio " . BBC News World Online. 1 de outubro de 1999. Arquivado do original em 2 de setembro de 2017 . Página visitada em 23 de novembro de 2010 .
  18. ^ Roberto Mangabeira Unger . Livre comércio reimaginado: a divisão mundial do trabalho e o método econômico . Princeton: Princeton University Press, 2007.
  19. ^ John Hicks, "Capital Controversies: Ancient and Modern." The American Economic Review 64.2 (maio de 1974) p. 307: "Os maiores economistas, Smith ou Marx ou Keynes, mudaram o curso da história ..."
  20. ^ Joseph Schumpeter Dez grandes economistas: De Marx a Keynes. Volume 26 de livros da Unwin University. Edição 4, Taylor & Francis Group, 1952 ISBN 0-415-11078-5 , 978-0-415-11078-5 
  21. ^ Pequeno, Daniel. “Marxismo e Método” . Arquivado do original em 10 de dezembro de 2017 . Retirado em 10 de dezembro de 2017 .
  22. ^ Kim, Sung Ho (2017). Zalta, Edward N. (ed.). "Max Weber" . Laboratório de Pesquisa Metafísica, Universidade de Stanford. Arquivado do original em 18 de março de 2019 . Retirado em 10 de dezembro de 2017 . Max Weber é conhecido como o principal arquiteto das ciências sociais modernas, juntamente com Karl Marx e Emil Durkheim. Cite journal requires |journal= (help)
  23. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , p. 7; Wheen 2001 , pp. 8, 12; McLellan 2006 , p. 1
  24. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , pp. 4-5; Wheen 2001 , pp. 7–9, 12; McLellan 2006 , pp. 2-3.
  25. ^ Carroll, James (2002). Espada de Constantino: A Igreja e os Judeus - Uma História . Houghton Mifflin Harcourt. p. 419. ISBN 978-0-547-34888-9. Arquivado do original em 24 de setembro de 2020 . Obtido em 2 de abril de 2018 .
  26. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , pp. 4-6; McLellan 2006 , pp. 2–4.
  27. ^ McLellan 2006 , p. 178, Placa 1.
  28. ^ Wheen 2001 . pp. 12–13.
  29. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , pp. 5, 8-12; Wheen 2001 , p. 11; McLellan 2006 , pp. 5-6.
  30. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , p. 7; Wheen 2001 , p. 10; McLellan 2006 , p. 7
  31. ^ Wheen 2001 , chpt. 6
  32. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , p. 12; Wheen 2001 , p. 13
  33. ^ McLellan 2006 , p. 7
  34. ^ Karl Marx: Dicionário da biografia nacional. Volume 37 . Imprensa da Universidade de Oxford. 2004. pp. 57–58. ISBN 978-0-19-861387-9.
  35. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , pp. 12-15; Wheen 2001 , p. 13; McLellan 2006 , pp. 7-11.
  36. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , pp. 15–16; Wheen 2001 , p. 14; McLellan 2006 , p. 13
  37. ^ Wheen 2001 , p. 15
  38. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , p. 20; McLellan 2006 , p. 14
  39. ^ Wheen 2001 , p. 16; McLellan 2006 , p. 14
  40. ^ a b Holmes, Rachel (14 de outubro de 2017). “Karl Marx: os anos de bebida” . The Times . Retirado em 14 de outubro de 2017 .(assinatura necessária)
  41. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , pp. 21–22; McLellan 2006 , p. 14
  42. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , p. 22; Wheen 2001 , pp. 16–17; McLellan 2006 , p. 14
  43. ^ Fedoseyev 1973 , p. 23; Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , pp. 23-30; Wheen 2001 , pp. 16–21, 33; McLellan 2006 , pp. 15, 20.
  44. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , pp. 70–71; Wheen 2001 , pp. 52–53; McLellan 2006 , pp. 61–62.
  45. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , p. 31; McLellan 2006 , p. 15
  46. ^ McLellan 2006 , p. 21
  47. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , p. 33; McLellan 2006 , p. 21
  48. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , pp. 32-34; Wheen 2001 , pp. 21–22; McLellan 2006 , pp. 21–22.
  49. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , pp. 34–38; Wheen 2001 , p. 34; McLellan 2006 , pp. 25–27.
  50. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , pp. 44,69–70; McLellan 2006 , pp. 17–18.
  51. ^ Sperber 2013 , pp. 55–56.
  52. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , p. 33; McLellan 2006 , pp. 18-19
  53. ^ New York: International Publishers, 1975, pp. 531-632
  54. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , p. 33; Wheen 2001 , pp. 25–26.
  55. ^ A tese de Marx foi publicada postumamente na Collected Works of Karl Marx e Frederick Engels: Volume 1 (New York: International Publishers, 1975) pp. 25–107.
  56. ^ Wheen 2001 , p. 32
  57. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , p. 45; Wheen 2001 , p. 33; McLellan 2006 , pp. 28-29, 33.
  58. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , pp. 38–45; Wheen 2001 , p. 34; McLellan 2006 , pp. 32-33, 37.
  59. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , p. 49; McLellan 2006 , p. 33
  60. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , pp. 50–51; Wheen 2001 , pp. 34–36, 42–44; McLellan 2006 , pp. 35–47.
  61. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , p. 57; Wheen 2001 , p. 47; McLellan 2006 , pp. 48–50.
  62. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , pp. 60–61; Wheen 2001 , pp. 47–48; McLellan 2006 , pp. 50–51.
  63. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , pp. 68-69, 72; Wheen 2001 , p. 48; McLellan 2006 , pp. 59-61
  64. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , pp. 77-79; Wheen 2001 , pp. 62–66; McLellan 2006 , pp. 73–74, 94.
  65. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , p. 72; Wheen 2001 , pp. 64–65; McLellan 2006 , pp. 71-72.
  66. ^ Marx, Karl, "Contribution to the Critique of Hegel's Philosophy of Law", contido nas Collected Works of Karl Marx e Frederick Engels: Volume 3 (International Publishers: New York, 1975) p. 3
  67. ^ Marx, Karl, "On the Jewish Question", contido nas Obras Completas de Karl Marx e Frederick Engels: Volume 3 , p. 146
  68. ^ McLellan 2006 , pp. 65–70, 74–80.
  69. ^ Nicolaievsky & Maenchen-Helfen 1976 , pp. 72, 75-76; Wheen 2001 , p. 65; McLellan 2006 , pp. 88–90.
  70. ^ Wheen 2001 , pp. 66–67, 112; McLellan 2006 , pp. 79–80.
  71. ^ Wheen 2001 , p. 90
  72. ^ Wheen 2001 . p. 75
  73. ^ Mansel, Philip: Paris Between Empires , p. 390 (St. Martin Press, NY) 2001
  74. ^ Frederick Engels, "The Condition of the Working Class in England", contido nos Collected Works of Karl Marx e Frederick Engels: Volume 4 (International Publishers: New York, 1975) pp. 295–596.
  75. ^ a b c T.B. Bottomore (1991). Um dicionário do pensamento marxista . Wiley-Blackwell. pp. 108–. ISBN 978-0-631-18082-1. Arquivado do original em 22 de junho de 2013 . Página visitada em 5 de março de 2011 .
  76. ^ PN Fedoseyev, Karl Marx: A Biography (Progress Publishers: Moscow, 1973) p. 82
  77. ^ Wheen 2001 . pp. 85–86.
  78. ^ Karl Marx, "The Holy Family", contido nas Obras Completas de Karl Marx e Frederick Engels: Volume 4 , pp. 3-211.
  79. ^ a b Vários autores elucidaram essa virada crucial há muito negligenciada no desenvolvimento teórico de Marx, como Ernie Thomson em The Discovery of the Materialist Conception of History in the Writings of the Young Karl Marx , Nova York, The Edwin Mellen Press, 2004; para um breve relato, consulte Max Stirner, um dissidente durável. Arquivado em 18 de maio de 2006 na Wayback Machine
  80. ^ Retirado da legenda de uma foto da casa em um grupo de fotos localizado entre as páginas 160 e 161 do livro "Karl Marx: A Biography", escrito por uma equipe de historiadores e escritores chefiados por PN Fedoseyev (Editores do Progresso: Moscou , 1973).
  81. ^ PN Fedoseyev, e outros . Karl Marx: A Biography , p. 63
  82. ^ Isaiah Berlin, Karl Marx: Sua vida e ambiente (Oxford University Press: Londres, 1963) pp. 90-94.
  83. ^ a b P.N. Fedoseyev et al. , Karl Marx: A Biography (Progress Publishers: Moscow, 1973) p. 62
  84. ^ Larisa Miskievich, "Prefácio" ao Volume 28 das Obras Completas de Karl Marx e Frederick Engels (International Publishers: New York, 1986) p. xii
  85. ^ Karl Marx, Collected Works of Karl Marx e Frederick Engels: Volume 35 , Volume 36 e Volume 37 (International Publishers: New York, 1996, 1997 e 1987).
  86. ^ Isaiah Berlin, Karl Marx: His Life and Environment , pp. 35-61.
  87. ^ Nota 54 contida na pág. 598 nas Obras Completas de Karl Marx e Frederick Engels: Volume 3 .
  88. ^ Karl Marx, "Economic and Philosophical Manuscripts of 1844" Collected Works of Karl Marx e Frederick Engels: Volume 3 (International Publishers: New York, 1975) pp. 229-346.
  89. ^ a b c d e f g h i j k l m n o "Karl Marx" . Karl Marx - Stanford Encyclopaedia of Philosophy . Laboratório de Pesquisa Metafísica, Universidade de Stanford. 2017. Arquivado do original em 8 de fevereiro de 2012 . Página visitada em 28 de maio de 2005 .. Publicado pela primeira vez na terça-feira, 26 de agosto de 2003; revisão substantiva seg, 14 de junho de 2010. Página visitada em 4 de março de 2011.
  90. ^ PN Fedoseyev, Karl Marx: A Biography , p. 83
  91. ^ Karl Marx, "Theses on Feuerbach", contido na Collected Works of Karl Marx e Frederick Engels: Volume 5 (International Publishers: New York, 1976) pp. 3-14.
  92. ^ Karl Marx, "Theses on Feuerbach", contido na Collected Works of Karl Marx e Frederick Engels: Volume 5 , p. 8
  93. ^ Doug Lorimer, em Friedrich Engels (1999). Socialismo: utópico e científico . Livros de resistência. pp. 34–36. ISBN 978-0-909196-86-8. Arquivado do original em 17 de junho de 2013 . Página visitada em 7 de março de 2011 .
  94. ^ a b c Wheen 2001 . p. 90 Arquivado em 15 de setembro de 2015 na Wayback Machine .
  95. ^ Heinrich Gemkow e outros. , Frederick Engels: A Biography (Verlag Zeit im Bild ["New Book Publishing House"]: Dresden, 1972) p. 101
  96. ^ Heinrich Gemkow, e outros , Frederick Engels: Uma biografia , p. 102
  97. ^ Heinrich Gemkow, e outros , Frederick Engels: Uma biografia (Verlag Zeit im Bild [New Book Publishing House]: Dresden, 1972) p. 53
  98. ^ Heinrich Gemkow, e outros , Frederick Engels: Uma biografia , p. 78
  99. ^ a b c P.N. Fedoseyev, et al ., Karl Marx: A Biography , p. 89
  100. ^ Wheen 2001 . p. 92
  101. ^ Karl Marx e Frederick Engels, "German Ideology" contido nos Collected Works of Karl Marx e Frederick Engels: Volume 5 (International Publishers: New York, 1976) pp. 19–539.
  102. ^ PN Fedoseyev, e outros , Karl Marx: Uma biografia , pp. 96-97.
  103. ^ a b Baird, Forrest E .; Walter Kaufmann (2008). De Platão a Derrida . Upper Saddle River, Nova Jersey: Pearson Prentice Hall. ISBN 978-0-13-158591-1.
  104. ^ Wheen 2001 . p. 93
  105. ^ Veja a nota 71 na pág. 672 da Collected Works of Karl Marx e Frederick Engels: Volume 6 (International Publishers: New York, 1976).
  106. ^ Karl Marx, The Poverty of Philosophy contido nos Collected Works de Karl Marx e Frederick Engels: Volume 6 (International Publishers: New York, 1976) pp. 105–212.
  107. ^ Wheen 2001 . p. 107
  108. ^ PN Fedoseyev, Karl Marx: A Biography (Progress Publishers, Moscou, 1973) p. 124
  109. ^ Nota 260 contida nos Collected Works of Karl Marx e Frederick Engels: Volume 11 (International Publishers: New York, 1979) pp. 671–72.
  110. ^ Nota 260 contida em Collected Works of Karl Marx e Frederick Engels: Volume 11 , p. 672.
  111. ^ PN Fedoseyev, e outros , Karl Marx: A Biography , pp. 123-25.
  112. ^ PN Fedoseyev, e outros , Karl Marx: Uma biografia , p. 125
  113. ^ Frederick Engels, "Principles of Communism" contido nas Collected Works of Karl Marx e Frederick Engels: Volume 6 (International Publishers, New York, 1976) pp. 341–57.
  114. ^ Karl Marx e Frederick Engels, "O Manifesto Comunista" contido nas Obras Coletadas de Karl Marx e Frederick Engels: Volume 6 , pp. 477-519.
  115. ^ Wheen 2001 . p. 115
  116. ^ Chris Shilling; Philip A Mellor (2001). A ambição sociológica: formas elementares de vida social e moral . Publicações SAGE. p. 114. ISBN 978-0-7619-6549-7. Arquivado do original em 15 de setembro de 2015 . Retirado em 27 de junho de 2015 .
  117. ^ Marx e Engels 1848 .
  118. ^ a b Wheen 2001 . p. 125
  119. ^ a b Maltsev; Yuri N. (1993). Requiem for Marx . Instituto Ludwig von Mises. pp. 93–94. ISBN 978-1-61016-116-9. Arquivado do original em 22 de julho de 2011 . Retirado em 9 de março de 2011 .
  120. ^ Saul Kussiel Padover, Karl Marx, uma biografia íntima , McGraw-Hill, 1978, p. 205
  121. ^ a b c Wheen 2001 . pp. 126–27.
  122. ^ David McLellan 1973 Karl Marx: Sua vida e pensamento . Nova York: Harper and Row. pp. 189-90
  123. ^ Felix, David (1982). "Heute Deutschland! Marx como político provincial". História da Europa Central . 15 (4): 332–50. doi : 10.1017 / S0008938900010621 . JSTOR 4545968 . 
  124. ^ Wheen 2001 . p. 128
  125. ^ Karl Marx e Frederick Engels, "Demands of the Communist Party" contido nas Obras Completas de Karl Marx e Frederick Engels: Volume 7 (International Publishers: New York, 1977) pp. 3-6.
  126. ^ Wheen 2001 . p. 129
  127. ^ Wheen 2001 . pp. 130–32.
  128. ^ Seigel, p. 50
  129. ^ a b Doug Lorimer. Introdução. Em Karl Marx. As lutas de classes na França: da Revolução de fevereiro à Comuna de Paris . Livros de resistência. p. 6. ISBN 978-1-876646-19-6. Arquivado do original em 17 de junho de 2013 . Retirado em 9 de março de 2011 .
  130. ^ a b Wheen 2001 . pp. 136–37.
  131. ^ a b c Boris Nicolaievsky (2007). Karl Marx - Homem e Lutador . Leia livros. pp. 192–. ISBN 978-1-4067-2703-6. Arquivado do original em 22 de junho de 2013 . Retirado em 9 de março de 2011 .
  132. ^ Slavko Splichal (2002). Princípios de publicidade e liberdade de imprensa . Rowman e Littlefield. p. 115. ISBN 978-0-7425-1615-1. Arquivado do original em 17 de junho de 2013 . Retirado em 9 de março de 2011 .
  133. ^ a b Franz Mehring (2003). Karl Marx: a história de sua vida . Psychology Press. pp. 19–20. ISBN 978-0-415-31333-9. Arquivado do original em 16 de junho de 2013 . Retirado em 9 de março de 2011 .
  134. ^ Gross, David M. (2014). 99 Táticas de Campanhas de Resistência aos Impostos de Sucesso . Picket Line Press. pp. 76–77. ISBN 978-1-4905-7274-1.
  135. ^ Wheen 2001 . pp. 137–46.
  136. ^ Wheen 2001 . pp. 147–48.
  137. ^ Peter Watson (2010). O gênio alemão: a Terceira Renascença da Europa, a Segunda Revolução Científica e o Século XX . HarperCollins. pp. 250–. ISBN 978-0-06-076022-9. Arquivado do original em 17 de junho de 2013 . Retirado em 9 de março de 2011 .
  138. ^ a b P.N. Fedoseyev, Karl Marx: A Biography , p. 233.
  139. ^ Nota 269 contida na pág. 674 nas Obras Completas de Karl Marx e Frederick Engels: Volume 11 .
  140. ^ Wheen 2001 . pp. 151–55.
  141. ^ Phil Harriss (2006). London Markets, 4º . Editores da New Holland. p. 20. ISBN 978-1-86011-306-2. Arquivado do original em 20 de junho de 2013 . Página visitada em 23 de abril de 2011 .
  142. ^ Nota 269 na pág. 674 das Obras Completas de Karl Marx e Frederick Engels: Volume 11 .
  143. ^ Dussel, Enrique D. (2001). Moseley, Fred Baker (ed.). Rumo a um Marx desconhecido: Um Comentário sobre os Manuscritos de 1861-63 . Traduzido por Angulo, Yolanda. Londres; Nova York: Routledge. p. xxxiii. ISBN 0-415-21545-5.
  144. ^ a b c d e f g h "Karl Heinrich Marx - Biografia" . Egs.edu. Arquivado do original em 1º de setembro de 2010 . Retirado em 9 de março de 2011 .
  145. ^ Jonathan Sperber, Karl Marx: Uma vida do século XIX , p. 295.
  146. ^ a b c Kluger, Richard (1986). The Paper: The Life and Death of the New York Herald Tribune . Nova York: Alfred A. Knopf. ISBN 9780394508771.
  147. ^ Karl, Marx (2007). James Ledbetter (ed.). Despachos para o New York Tribune: Jornalismo Selecionado de Karl Marx . Penguin Books . ISBN 978-0-14-144192-4.
  148. ^ PN Fedoseyev, Karl Marx: A Biography , 274.
  149. ^ Marx, Karl; Engels, Friedrich (1965). "Marx para Engels, 14 de junho de 1853". Em Ryazanskaya, SW (ed.). Correspondência selecionada . Traduzido por Lasker, I. (2ª ed.). Moscou: Editores de progresso. pp. 83–86.
  150. ^ Tirado de uma foto na pág. 327 das Obras Completas de Karl Marx e Frederick Engels: Volume 11 (International Publishers: New York, 1979).
  151. ^ Karl Marx, "The Elections in England - Tories and Whigs" contido nas Obras Coletadas de Karl Marx e Frederick Engels: Volume 11 (International Publishers: New York, 1979) pp. 327-32.
  152. ^ "Marx & Engels Collected Works, vol.41" . 15 de março de 2017.
  153. ^ Richard Kluger, o papel: A vida e a morte do New York Herald Tribune (Alfred A. Knopf Publishing, Nova York, 1986) p. 121
  154. ^ McLellan 2006 , p. 262
  155. ^ Nota 1 na pág. 367 contido em Collected Works of Karl Marx and Frederick Engels: Volume 19 (International Publishers: New York, 1984).
  156. ^ Karl Marx, "O Décimo Oitavo Brumário de Louis Napoleon" contido nas Obras Coletadas de Karl Marx e Frederick Engels: Volume 11 (International Publishers: New York, 1979) pp. 99-197.
  157. ^ Karl Marx (2008). O 18º Brumário de Luís Bonaparte . Wildside Press LLC. p. 141. ISBN 978-1-4344-6374-6. Arquivado do original em 22 de julho de 2011 . Retirado em 9 de março de 2011 .
  158. ^ John Cunningham Wood (1987). Economia de Karl Marx: avaliações críticas . Psychology Press. p. 346. ISBN 978-0-415-06558-0. Arquivado do original em 20 de junho de 2013 . Retirado em 16 de março de 2011 .
  159. ^ a b c John Cunningham Madeira (1993). Economia de Karl Marx: avaliações críticas: segunda série . Taylor e Francis. p. 232. ISBN 978-0-415-08711-7. Arquivado do original em 17 de junho de 2013 . Retirado em 16 de março de 2011 .
  160. ^ a b Sidney Hook (1994). De Hegel a Marx: estudos do desenvolvimento intelectual de Karl Marx . Columbia University Press. pp. 24-25. ISBN 978-0-231-09665-2. Arquivado do original em 23 de setembro de 2011 . Retirado em 16 de março de 2011 .
  161. ^ a b Ronald John Johnston (2000). O dicionário da geografia humana . Wiley-Blackwell. p. 795. ISBN 978-0-631-20561-6. Arquivado do original em 16 de junho de 2013 . Retirado em 16 de março de 2011 .
  162. ^ Richard T. De George; James Patrick Scanlan (1975). Marxismo e religião na Europa Oriental: artigos apresentados na Conferência Eslava Internacional de Banff, 4 a 7 de setembro de 1974 . Springer. p. 20. ISBN 978-90-277-0636-2. Arquivado do original em 17 de junho de 2013 . Retirado em 16 de março de 2011 .
  163. ^ Jonathan Sperber, Karl Marx: Uma vida do século XIX , p. 320
  164. ^ Jonathan Sperber, Karl Marx: Uma vida do século XIX , p. 347.
  165. ^ PN Fedoseyev et al. , Karl Marx: A Biography , p. 345.
  166. ^ Boris Nicolaievsky (2007). Karl Marx - Homem e Lutador . Leia livros. pp. 269–. ISBN 978-1-4067-2703-6. Arquivado do original em 16 de junho de 2013 . Retirado em 9 de março de 2011 .
  167. ^ Bob Jessop; Russell Wheatley (1999). O pensamento social e político de Karl Marx . Taylor & Francis US. p. 526. ISBN 978-0-415-19327-6. Arquivado do original em 17 de junho de 2013 . Retirado em 9 de março de 2011 .
  168. ^ Michael Curtis (1997). Marxismo: os diálogos internos . Editores de transações. p. 291. ISBN 978-1-56000-945-0. Arquivado do original em 16 de junho de 2013 . Retirado em 9 de março de 2011 .
  169. ^ Karl Marx, "The Civil War in France" contido nos Collected Works of Karl Marx e Frederick Engels: Volume 22 (International Publishers: New York, 1986) pp. 307–59.
  170. ^ Calhoun 2002 , p. 20
  171. ^ Mab Segrest (2002). Nascido para pertencer: escritos sobre espírito e justiça . Rutgers University Press. p. 232. ISBN 978-0-8135-3101-4. Arquivado do original em 16 de junho de 2013 . Retirado em 9 de março de 2011 .
  172. ^ Karl Marx, "Economic Manuscripts of 1857-1858" contido nas Collected Works of Karl Marx e Frederick Engels: Volume 28 (International Publishers: New York, 1986) pp. 5-537.
  173. ^ Karl Marx, "Economic Manuscripts of 1857-1858" contido na seção de Materiais Preparatórios das Obras Coletadas de Karl Marx e Frederick Engels: Volume 29 (International Publishers: New York, 1987) pp. 421-507.
  174. ^ Karl Marx, "Uma Contribuição para a Crítica da Economia Política" contido nas Obras Completas de Karl Marx e Frederick Engels: Volume 29 , pp. 257-417.
  175. ^ PN Fedoseyev, Karl Marx: A Biography , p. 318.
  176. ^ Tom Rockmore (2002). Marx depois do marxismo: a filosofia de Karl Marx . John Wiley and Sons. p. 128. ISBN 978-0-631-23189-9. Arquivado do original em 16 de junho de 2013 . Retirado em 9 de março de 2011 .
  177. ^ Anthony Brewer; Karl Marx (1984). Um guia para a Capital de Marx . Arquivo CUP. p. 15. ISBN 978-0-521-25730-5. Arquivado do original em 22 de julho de 2011 . Retirado em 9 de março de 2011 .
  178. ^ Veja a nota de rodapé nº 2 na parte inferior da pág. 360 nas Obras Completas de Karl Marx e Frederick Engels: Volume 35 .
  179. ^ Thomas Hodgskin, Trabalho defendido contra as reivindicações do capital (Londres, 1825) p. 25
  180. ^ a b c d e f Calhoun 2002 , p. 23
  181. ^ Karl Marx, "Capital II: The Process of Circulation of Capital" incorporando todo o volume das Obras Coletadas de Karl Marx e Frederick Engels: Volume 36 (International Publishers: New York, 1997).
  182. ^ Karl Marx, "Capital III: O Processo de Produção Capitalista como um Todo" incorporando todo o volume das Obras Coletadas de Karl Marx e Frederick Engels: Volume 37 (International Publishers: New York, 1998).
  183. ^ Karl Marx, "Theories of Surplus Value" contido nas Collected Works of Karl Marx e Frederick Engels: Volume 30 (International Publishers: New York, 1988) pp. 318–451.
  184. ^ Karl Marx, "Theories of Surplus Value" contido nas Collected Works of Karl Marx e Frederick Engels: Volume 31 (International Publishers: New York, 1989) pp. 5-580.
  185. ^ Karl Marx, "Theories of Surplus Value" contido nas Collected Works of Karl Marx e Frederick Engels: Volume 32 (International Publishers: New York, 1989) pp. 5–543.
  186. ^ "Obras econômicas de Karl Marx 1861–1864" . marxists.org . Arquivado do original em 16 de julho de 2018 . Retirado em 14 de julho de 2018 .
  187. ^ Veja a nota 228 na pág. 475 das Obras Completas de Karl Marx e Frederick Engels: Volume 30 .
  188. ^ Marx, Karl (1875). "Parte I" . Crítica ao Programa Gotha . Arquivado do original em 26 de dezembro de 2017 . Retirado em 9 de março de 2011 .
  189. ^ Karl Marx e Frederick Engels, Collected Works Volume 46 (International Publishers: New York, 1992) p. 71
  190. ^ a b c Karl Marx e Frederick Engels, volume coletado dos trabalhos 46 (editores internacionais: New York, 1992) p. 72
  191. ^ K. Marx, Primeiro esboço da carta a Vera Zasulich [1881]. Em Marx-Engels 'Collected Works', Volume 24, p. 346.
  192. ^ Peter Singer (2000). Marx é uma introdução muito curta . Universidade de Oxford. p. 5. ISBN 0-19-285405-4.
  193. ^ Paul Lafargue (1972). Instituto Marx-Engels-Lenin (ed.).Reminiscências de Marx (setembro de 1890)] . Editores de progresso. Ele era um pai amoroso, gentil e indulgente. [...] Nunca houve nem vestígio do pai mandão nas relações com as filhas, cujo amor por ele era extraordinário. Ele nunca lhes deu uma ordem, mas pediu-lhes que fizessem o que ele desejava como um favor ou fez com que sentissem que não deveriam fazer o que ele queria proibi-los. E, no entanto, um pai raramente poderia ter filhos mais dóceis do que ele.
  194. ^ a b Montefiore, Simon Sebag. "Os meios de reprodução" . The New York Times . Arquivado do original em 26 de setembro de 2011 . Retirado em 25 de setembro de 2011 .
  195. ^ Francis Wheen (2000). Karl Marx . WW Norton and Company. p. 173
  196. ^ Carver, Terrell (1991). "Lendo Marx: Vida e Obras". Em Carver, Terrell (ed.). The Cambridge Companion to Marx . Cambridge, Reino Unido: Cambridge University Press. p. 11. ISBN 978-0-521-36694-6. esta [alegação] não é bem fundamentada nos materiais documentais disponíveis
  197. ^ a b Wheen 2001 . p. 152
  198. ^ Blumenberg, 98.
  199. ^ Blumenberg, 100.
  200. ^ Blumenberg, 99–100.
  201. ^ Blumenberg, 98; Siegel, 494.
  202. ^ Seigel, 495–96.
  203. ^ Shuster, 1-2.
  204. ^ Shuster, 3.
  205. ^ McLellan 1973, p. 541
  206. ^ Wheen 2001 . p. 382 Arquivado em 9 de setembro de 2015 na Wayback Machine .
  207. ^ a b c d e f g Stephen Jay Gould; Paul McGarr; Steven Peter Russell Rose (2007). A riqueza da vida: o essencial Stephen Jay Gould . WW Norton & Company. pp.  167 -68. ISBN 978-0-393-06498-8. Retirado em 9 de março de 2011 .[ link morto ]
  208. ^ John Shepperd, 'Quem estava realmente no funeral de Marx?', Em "Friends of Highgate Cemetery Newsletter", abril (2018), pp. 10-11. https://highgatecemetery.org/uploads/2018-04_Newsletter_final_web.pdf Arquivado em 4 de fevereiro de 2020 na Wayback Machine
  209. ^ 'Dr Karl Marx', em The People , 25 de março de 1883, p.3.
  210. ^ 'Dr. Karl Marx' em The Graphic , 31 de março de 1883, pp. 319, 322
  211. ^ "1883: A morte de Karl Marx" . Marxists.org. Arquivado do original em 4 de janeiro de 2010 . Página visitada em 21 de dezembro de 2009 .
  212. ^ Os números da inflação doUK Retail Price Index são baseados em dados de Clark, Gregory (2017). "O RPI anual e ganhos médios para a Grã-Bretanha, 1209 até o presente (nova série)" . MeasuringWorth . Página visitada em 2 de fevereiro de 2020 .
  213. ^ "Marx, Karl" . probatesearchservice.gov . Governo do Reino Unido. 1883. Arquivado do original em 7 de agosto de 2015 . Página visitada em 14 de junho de 2020 .
  214. ^ "A vida póstuma de Karl Marx, cemitério de Highgate" . The London Dead . 7 de julho de 2014. Arquivado do original em 14 de julho de 2015 . Retirado em 14 de julho de 2015 .
  215. ^ a b c Wheen, Francis (2002). Karl Marx: A Life . Nova York: Norton. Introdução.
  216. ^ Hobsbawm 2011 . pp. 3-4.
  217. ^ a b c d e f g h i j k l m Calhoun 2002 , pp. 120-23
  218. ^ a b c d e Howard J. Sherman (1995). Reinventando o marxismo . JHU Press. p. 5 . ISBN 978-0-8018-5077-6. Página visitada em 7 de março de 2011 .
  219. ^ Peter Beilharz (1992). Utopias trabalhistas: bolchevismo, fabianismo e social-democracia . Arquivo CUP. p. 4. ISBN 978-0-415-09680-5. Arquivado do original em 20 de junho de 2013 . Página visitada em 7 de março de 2011 .
  220. ^ a b c d e f g h i j k l Barry Stewart Clark (1998). Economia política: uma abordagem comparativa . ABC-CLIO. pp. 57–59. ISBN 978-0-275-96370-5. Arquivado do original em 20 de junho de 2013 . Página visitada em 7 de março de 2011 .
  221. ^ Eagleton, Terry. Por que Marx estava certo . Yale University Press, 2011, p. 158
  222. ^ Seigel, Jerrold Marx's Fate Princeton University Press, 1978, pp. 112-19
  223. ^ a b Marque Neocleous. "A economia política dos mortos: os vampiros de Marx" (PDF) . Arquivado (PDF) do original em 12 de abril de 2015 . Retirado em 1 de novembro de 2013 .
  224. ^ Himani Bannerji (2001). Sujeitos inventados: estudos em hegemonia, patriarcado e colonialismo . Anthem Press. p. 27. ISBN 978-1-84331-072-3. Arquivado do original em 17 de junho de 2013 . Retirado em 2 de maio de 2011 .
  225. ^ Annelien de Dijn , French Political Thought from Montesquieu to Tocqueville Archived 15 de setembro de 2015 na Wayback Machine , Cambridge University Press, 2008, p. 152
  226. ^ Karl Marx. Capital: A Critique of Political Economy , vol. 1, trad. Samuel Moore e Edward Aveling (Nova York: Modem Library, 1906), 440.
  227. ^ Bertell Ollman (1973). Alienação: a concepção de Marx sobre o homem na sociedade capitalista . Arquivo CUP. p. 81. ISBN 978-1-001-33135-5. Arquivado do original em 22 de junho de 2013 . Página visitada em 8 de março de 2011 .
  228. ^ a b Marx K (1999). “O processo de trabalho e o processo de produção da mais-valia”. Arquivado em 18 de outubro de 2010 na Wayback Machine em K Marx, Das Kapital (Vol. 1, Capítulo 7). Marxists.org. Retirado em 20 de outubro de 2010. Trabalho original publicado em 1867.
  229. ^ a b c Veja Marx K (1997). "Crítica da dialética e da filosofia de Hegel em geral". Em K Marx, Escritos do Jovem Marx sobre Filosofia e Sociedade (LD Easton & KH Guddat, Trans.), Pp. 314-47. Indianapolis: Hackett Publishing Company, Inc. Trabalho original publicado em 1844.
  230. ^ Veja também Lefever DM; Lefever JT (1977). "Alienação marxista e organização econômica: uma visão alternativa". The American Economist (21) 2, pp. 40–48.
  231. ^ a b Veja igualmente Holland EW (2005). "Desejo". Em CJ Stivale (Ed.), Gilles Deleuze: Key Concepts , pp. 53-62. Montreal e Kingston: McGill-Queens University Press.
  232. ^ a b Marx (1997), p. 325, ênfase no original.
  233. ^ Marx (1997), p. 321, ênfase no original.
  234. ^ Marx (1997), p. 324.
  235. ^ Karl Marx; Friedrich Engels (2009). O Manifesto Comunista . Echo Library. p. 5. ISBN 978-1-4068-5174-8. Arquivado do original em 12 de setembro de 2015 . Retirado em 27 de junho de 2015 .
  236. ^ a b c d e Calhoun 2002 , p. 22
  237. ^ István Mészáros (2006). Teoria da Alienação de Marx . Merlin Press. p. 96. ISBN 978-0-85036-554-2. Arquivado do original em 16 de junho de 2013 . Página visitada em 8 de março de 2011 .
  238. ^ Étienne Balibar (1995). A filosofia de Marx . Verso. p. 56. ISBN 978-1-85984-951-4. Arquivado do original em 17 de junho de 2013 . Página visitada em 8 de março de 2011 .
  239. ^ Leszek Kołakowski; Paul Stephen Falla (2005). Principais correntes do marxismo: os fundadores, a época de ouro, o colapso . WW Norton & Company. p. 226. ISBN 978-0-393-06054-6. Arquivado do original em 16 de junho de 2013 . Página visitada em 8 de março de 2011 .
  240. ^ Paul Hernadi (1989). A retórica da interpretação e a interpretação da retórica . Duke University Press. p. 137. ISBN 978-0-8223-0934-5. Arquivado do original em 16 de junho de 2013 . Página visitada em 8 de março de 2011 .
  241. ^ John B. Thompson (1990). Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era da comunicação de massa . Stanford University Press. pp. 37–38. ISBN 978-0-8047-1846-2. Arquivado do original em 20 de junho de 2013 . Página visitada em 8 de março de 2011 .
  242. ^ Karl Marx: Introdução arquivada em 12 de maio de 2019 na Wayback Machine para uma contribuição à crítica da filosofia do direito de Hegel, em: Deutsch-Französische Jahrbücher , fevereiro de 1844
  243. ^ Karl Marx; Joseph O'Malley (1977). Crítica da 'Filosofia do Direito' de Hegel. Arquivo CUP. p. 131. ISBN 978-0-521-29211-5. Arquivado do original em 17 de junho de 2013 . Página visitada em 23 de abril de 2011 .
  244. ^ William H. Swatos; Peter Kivisto (1998). Enciclopédia de religião e sociedade . Rowman Altamira. pp. 499–. ISBN 978-0-7619-8956-1. Arquivado do original em 20 de junho de 2013 . Página visitada em 8 de março de 2011 .
  245. ^ No Manifesto Comunista , Parte II: Proletariados e Comunista e Capital, Volume I , Parte III
  246. ^ Karl Marx (1864). Discurso inaugural da International Working Men's Association (Speech).
  247. ^ Karl Marx e Frederick Engels, "The Communist Manifesto", página 55, tradução feita por Samuel Moore em 1888
  248. ^ a b c d e Jonathan H. Turner (2005). Sociologia . Pearson Prentice Hall. pp. 17–18. ISBN 978-0-13-113496-6. Arquivado do original em 20 de junho de 2013 . Retirado em 9 de março de 2011 .
  249. ^ Dennis Gilbert (2010). A estrutura de classes americana em uma era de crescente desigualdade . Pine Forge Press. pp. 6–. ISBN 978-1-4129-7965-8. Arquivado do original em 16 de junho de 2013 . Página visitada em 8 de março de 2011 .
  250. ^ Jon Elster (1985). Entendendo Marx . Cambridge University Press. p. 217. ISBN 978-0-521-29705-9. Arquivado do original em 17 de junho de 2013 . Página visitada em 23 de abril de 2011 .
  251. ^ "Critique of the Gotha Programme-- IV" . marxists.org . Arquivado do original em 2 de julho de 2019 . Página visitada em 16 de maio de 2019 .
  252. ^ "Você sabe que as instituições, costumes e tradições de vários países devem ser levados em consideração, e não negamos que existem países - como a América, Inglaterra, e se eu estivesse mais familiarizado com suas instituições, talvez eu acrescente também a Holanda - onde os trabalhadores podem atingir seu objetivo por meios pacíficos. Sendo assim, devemos também reconhecer o fato de que na maioria dos países do continente a alavanca de nossa revolução deve ser a força; dia apelo para erigir a regra do trabalho. " Discurso do La Liberté arquivado em 16 de julho de 2018 na Wayback Machine entregue por Karl Marx em 8 de setembro de 1872, em Amsterdã
  253. ^ a b c d Kevin B. Anderson (2016). " Marx nas margens: sobre nacionalismo, etnia e sociedades não ocidentais ". University of Chicago Press. pp. 49–239. ISBN 0-226-34570-X 
  254. ^ Citado em: B. Hepner, "Marx et la puissance russe", em: K. Marx, La Russie et l'Europe , Paris, 1954, p. 20. Originalmente publicado em Neue Rheinische Zeitung , no. 223, 16 de fevereiro de 1849.
  255. ^ Karl Marx e Friedrich Engels ao presidente da reunião eslava, 21 de março de 1881. Fonte: Karl Marx e Frederick Engels, correspondência selecionada (Progress Publishers, Moscou, 1975).
  256. ^ Discurso proferido em Londres, provavelmente para uma reunião do Conselho Geral Internacional e da Sociedade Operária Polonesa em 22 de janeiro de 1867, texto publicado no Le Socialisme , 15 de março de 1908; Odbudowa Polski (Varsóvia, 1910), pp. 119–23; Mysl Socjalistyczna , maio de 1908. De Karl Marx e Frederick Engels, The Russian Menace to Europe , editado por Paul Blackstock e Bert Hoselitz, e publicado por George Allen e Unwin, Londres, 1953, pp. 104–08.
  257. ^ " Karl Marx e os irlandeses arquivados em 9 de maio de 2018 na máquina Wayback ". The New York Times . Dezembro de 1971.
  258. ^ a b c "Marx em Argel" . Al-Ahram . Arquivado do original em 10 de agosto de 2018 . Retirado em 10 de agosto de 2018 .
  259. ^ "Colonialismo" . The Stanford Encyclopedia of Philosophy . 2017. Arquivado do original em 11 de junho de 2018 . Retirado em 10 de agosto de 2018 .
  260. ^ "Marx na Índia sob os britânicos" . O hindu . 13 de junho de 2006. Arquivado do original em 30 de junho de 2018 . Retirado em 10 de agosto de 2018 .
  261. ^ Wheen, Francis (17 de julho de 2005). "Por que Marx é o homem do momento" Arquivado em 18 de julho de 2005 na Wayback Machine . The Observer .
  262. ^ Kenneth Allan (2010). The Social Lens: Um Convite à Teoria Social e Sociológica . Pine Forge Press. p. 68. ISBN 978-1-4129-7834-7. Arquivado do original em 22 de junho de 2013 . Página visitada em 25 de março de 2011 .
  263. ^ a b c Heine Andersen; Lars Bo Kaspersen (2000). Teoria social clássica e moderna . Wiley-Blackwell. pp. 123–. ISBN 978-0-631-21288-1. Arquivado do original em 17 de junho de 2013 . Retirado em 9 de março de 2011 .
  264. ^ Ricoeur, Paul. Freud and Philosophy: An Essay on Interpretation . New Haven e London: Yale University Press, 1970, p. 32
  265. ^ "Max Weber" . Max Weber - Stanford Encyclopaedia of Philosophy . Laboratório de Pesquisa Metafísica, Universidade de Stanford. 2017. Arquivado do original em 27 de maio de 2012 . Página visitada em 29 de novembro de 2009 .
  266. ^ Calhoun 2002 , p. 19
  267. ^ Löwith, Karl. De Hegel a Nietzsche . Nova York: Columbia University Press, 1991, p. 49.
  268. ^ Berlim, Isaiah. 1967. Karl Marx: His Life and Environment . Time Inc Book Division, Nova York. pp130
  269. ^ Singer 1980 , p. 1
  270. ^ Bridget O'Laughlin (1975) Marxist Approaches in Anthropology , Annual Review of Anthropology Vol. 4: pp. 341–70 (outubro de 1975) doi : 10.1146 / annurev.an.04.100175.002013 .
    William Roseberry (1997) Marx and Anthropology Annual Review of Anthropology, vol. 26: pp. 25-46 (outubro de 1997) doi : 10.1146 / annurev.anthro.26.1.25
  271. ^ Becker, SL (1984). "Abordagens marxistas aos estudos de mídia: a experiência britânica". Estudos Críticos em Comunicação de Massa . 1 (1): 66–80. doi : 10.1080 / 15295038409360014 .
  272. ^ Veja Manuel Alvarado , Robin Gutch e Tana Wollen (1987) Learning the Media: Introduction to Media Teaching , Palgrave Macmillan.
  273. ^ Kołakowski, Leszek. Principais correntes do marxismo: os fundadores, a idade de ouro, o colapso. Traduzido por PS Falla. Nova York: WW Norton & Company, 2005.
  274. ^ Aron, Raymond. Principais correntes do pensamento sociológico. Garden City, NY: Anchor Books, 1965.
  275. ^ Anderson, Perry. Considerações sobre o marxismo ocidental. Londres: NLB, 1976.
  276. ^ Hobsbawm, EJ How to Change the World: Marx and Marxism, 1840–2011 (Londres: Little, Brown, 2011), 314–44.
  277. ^ Hemingway, Andrew. Marxismo e a história da arte: de William Morris à nova esquerda. Pluto Press, 2006.
  278. ^ a b Lenin, VI. “As Tarefas do Proletariado na Revolução Atual” . Arquivado do original em 9 de janeiro de 2015 . Retirado em 8 de janeiro de 2015 .
  279. ^ "Glossário de Pessoas - Ma" . Marxists.org. Arquivado do original em 4 de abril de 2015 . Retirado em 8 de janeiro de 2015 .
  280. ^ Savioli, Armínio. "Entrevista L'Unita com Fidel Castro: A Natureza do Socialismo Cubano" . Marxistas. Arquivado do original em 7 de setembro de 2015 . Retirado em 8 de janeiro de 2015 .
  281. ^ Allende, Salvador. “Primeiro discurso ao parlamento chileno após sua eleição” . Marxists.org. Arquivado do original em 24 de setembro de 2014 . Retirado em 8 de janeiro de 2015 .
  282. ^ Tito, Josef. "O desenvolvimento histórico do mundo caminhará para o fortalecimento do socialismo" . Marxists.org. Arquivado do original em 26 de abril de 2015 . Retirado em 8 de janeiro de 2015 .
  283. ^ Nkrumah, Kwame. "Socialismo Africano Revisitado" . Marxists.org. Arquivado do original em 8 de maio de 2015 . Retirado em 8 de janeiro de 2015 .
  284. ^ " Filosofia econômica de Nehru arquivado em 26 de dezembro de 2019 na máquina Wayback ". O hindu . 27 de maio de 2017.
  285. ^ " Nelson Mandela's Living Legacy | Preparing for Defiance 1949–1952 Arquivado em 9 de maio de 2018 na Wayback Machine ". O sul-africano . 6 de novembro de 2013.
  286. ^ a b Churm, Philip Andrew (4 de maio de 2018). "Juncker abre exposição a Karl Marx" . Euronews . Arquivado do original em 3 de abril de 2019 . Página visitada em 16 de maio de 2019 .
  287. ^ a b Stone, Jon (4 May 2018). "'Today he stands for things which is he not responsible for': EU president Juncker defends Karl Marx's legacy". The Independent. Archived from the original on 24 April 2019. Retrieved 16 May 2019.
  288. ^ Jeffries, Stuart (4 July 2012). "Why Marxism is on the rise again". The Guardian. Archived from the original on 8 January 2015. Retrieved 8 January 2015.
  289. ^ Stanley, Tim. "The Left is trying to rehabilitate Karl Marx. Let's remind them of the millions who died in his name". The Daily Telegraph. Archived from the original on 7 April 2016. Retrieved 8 January 2015.
  290. ^ Garner, Dwight (18 August 2009). "Fox Hunter, Party Animal, Leftist Warrior". The New York Times. Archived from the original on 27 July 2020. Retrieved 31 August 2020.
  291. ^ Phillips, Ben. "USSR: Capitalist or Socialist?". Marxists.org. Archived from the original on 29 June 2015. Retrieved 8 January 2015.
  292. ^ Elbe, Indigo (21 October 2013). "Between Marx, Marxism, and Marxisms – Ways of Reading Marx's Theory". Viewpoint Magazine. Archived from the original on 8 January 2015. Retrieved 8 January 2015.
  293. ^ Lipow, Arthur (1991). Authoritarian Socialism in America: Edward Bellamy and the Nationalist Movement. University of California Press. p. 1. ISBN 978-0-520-07543-6. "We are not among those communists who are out to destroy personal liberty, who wish to turn the world into one huge barrack or into a gigantic workhouse. There certainly are some communists who, with an easy conscience, refuse to countenance personal liberty and would like to shuffle it out of the world because they consider that it is a hindrance to complete harmony. But we have no desire to exchange freedom for equality. We are convinced that in no social order will freedom be assured as in a society based upon communal ownership. Thus wrote the editors of the Journal of the Communist League in 1847, under the direct influence of the founders of modern revolutionary democratic socialism, Karl Marx and Frederick Engels."
  294. ^ "Karl Marx statue from China adds to German angst". BBC News. 5 May 2018. Archived from the original on 22 June 2019. Retrieved 16 May 2019.
  295. ^ Scott, A. O. (22 February 2018). "Review: In 'The Young Karl Marx,' a Scruffy Specter Haunts Europe". The New York Times. Archived from the original on 7 May 2018. Retrieved 6 May 2018.
  296. ^ English translation online

Sources

Further reading

Biographies

Commentaries on Marx

  • Henry, Michel. Marx I and Marx II. 1976
  • Holt, Justin P. The Social Thought of Karl Marx. Sage, 2015.
  • Iggers, Georg G. "Historiography: From Scientific Objectivity to the Postmodern Challenge."(Wesleyan University Press, 1997, 2005)
  • Kołakowski, Leszek. Main Currents of Marxism Oxford: Clarendon Press, OUP, 1978
  • Little, Daniel. The Scientific Marx, (University of Minnesota Press, 1986) ISBN 0-8166-1505-5
  • Mandel, Ernest. Marxist Economic Theory. New York: Monthly Review Press, 1970.
  • Mandel, Ernest. The Formation of the Economic Thought of Karl Marx. New York: Monthly Review Press, 1977.
  • Mészáros, István. Marx's Theory of Alienation (The Merlin Press, 1970)
  • Miller, Richard W. Analyzing Marx: Morality, Power, and History. Princeton, N.J: Princeton University Press, 1984.
  • Postone, Moishe. Time, Labour, and Social Domination: A Reinterpretation of Marx's Critical Theory. Cambridge [England]: Cambridge University Press, 1993.
  • Rothbard, Murray. An Austrian Perspective on the History of Economic Thought Volume II: Classical Economics (Edward Elgar Publishing Ltd., 1995) ISBN 0-945466-48-X
  • Saad-Filho, Alfredo. The Value of Marx: Political Economy for Contemporary Capitalism. London: Routledge, 2002.
  • Schmidt, Alfred. The Concept of Nature in Marx. London: NLB, 1971.
  • Seigel, J.E. (1973). "Marx's Early Development: Vocation, Rebellion and Realism". The Journal of Interdisciplinary History. 3 (3): 475–508. doi:10.2307/202551. JSTOR 202551.
  • Seigel, Jerrold. Marx's fate: the shape of a life (Princeton University Press, 1978) ISBN 0-271-00935-7
  • Strathern, Paul. "Marx in 90 Minutes", (Ivan R. Dee, 2001)
  • Thomas, Paul. Karl Marx and the Anarchists. London: Routledge & Kegan Paul, 1980.
  • Uno, Kozo. Principles of Political Economy. Theory of a Purely Capitalist Society, Brighton, Sussex: Harvester; Atlantic Highlands, N.J.: Humanities, 1980.
  • Vianello, F. [1989], "Effective Demand and the Rate of Profits: Some Thoughts on Marx, Kalecki and Sraffa", in: Sebastiani, M. (ed.), Kalecki's Relevance Today, London, Macmillan, ISBN 978-0-312-02411-6.
  • Wendling, Amy. Karl Marx on Technology and Alienation (Palgrave Macmillan, 2009)
  • Wheen, Francis. Marx's Das Kapital, (Atlantic Books, 2006) ISBN 1-84354-400-8
  • Wilson, Edmund. To the Finland Station: A Study in the Writing and Acting of History, Garden City, NY: Doubleday, 1940

Fiction works

Medical articles

External links