John Locke

Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Ir para navegação Pular para pesquisar

John Locke

Retrato de Locke por Godfrey Kneller em 1697
Retrato de Locke em 1697 por Godfrey Kneller
Nascer
John Locke

( 1632-08-29 )29 de agosto de 1632
Wrington , Somerset, Inglaterra
Faleceu28 de outubro de 1704 (1704-10-28)(com 72 anos)
High Laver , Essex, Inglaterra
Nacionalidadeinglês
EducaçãoOxford University (BA, 1656; MA, 1658; MB , 1675)
EraFilosofia do século 17
RegiãoFilosofia ocidental
Escola
InstituiçõesIgreja de Cristo, Oxford [7]
Royal Society
Principais interesses
Metafísica , epistemologia , filosofia política , filosofia da mente , filosofia da educação , economia
Ideias notáveis
Influenciado
Assinatura
John Locke Signature.svg
Retrato de John Locke por Godfrey Kneller , National Portrait Gallery, Londres

John Locke FRS ( / l ɒ k / ; 29 de agosto de 1632 - 28 de outubro de 1704) foi um filósofo e médico inglês, amplamente considerado um dos mais influentes pensadores iluministas e comumente conhecido como o "Pai do Liberalismo ". [12] [13] [14] Considerado um dos primeiros empiristas britânicos , seguindo a tradição de Sir Francis Bacon , Locke é igualmente importante para a teoria do contrato social . Seu trabalho afetou muito o desenvolvimento da epistemologia e da filosofia política . Seus escritos influenciaramVoltaire e Jean-Jacques Rousseau , e muitos pensadores iluministas escoceses , bem como os revolucionários americanos . Suas contribuições ao republicanismo clássico e à teoria liberal são refletidas na Declaração de Independência dos Estados Unidos . [15] Internacionalmente, os princípios político-jurídicos de Locke continuam a ter uma profunda influência na teoria e prática do governo representativo limitado e na proteção dos direitos e liberdades básicos sob o estado de direito. [16]

A teoria da mente de Locke é freqüentemente citada como a origem das concepções modernas de identidade e do self , figurando com destaque na obra de filósofos posteriores, como Jean-Jacques Rousseau , David Hume e Immanuel Kant . Locke foi o primeiro a definir o self por meio de uma continuidade de consciência . Ele postulou que, no nascimento, a mente era uma lousa em branco, ou tabula rasa . Ao contrário da filosofia cartesiana baseada em conceitos pré-existentes, ele afirmava que nascemos sem ideias inatas , e que o conhecimentoem vez disso, é determinado apenas pela experiência derivada da percepção dos sentidos , um conceito agora conhecido como empirismo . [17] Demonstrando a ideologia da ciência em suas observações, segundo as quais algo deve ser capaz de ser testado repetidamente e que nada está isento de ser refutado, Locke afirmou que "tudo o que eu escrevo, assim que descobrir que não é verdade, meu mão será a mais avançada para lançá-lo no fogo ". Esse é um exemplo da crença de Locke no empirismo.

Vida e trabalho

Locke nasceu em 29 de agosto de 1632, em uma pequena cabana de palha perto da igreja em Wrington , Somerset, a cerca de 19 quilômetros de Bristol . Ele foi batizado no mesmo dia, pois seus pais eram puritanos . O pai de Locke, também chamado de John, era um advogado que serviu como escrivão dos juízes de paz em Chew Magna [18] e como capitão de cavalaria das forças parlamentares durante o início da Guerra Civil Inglesa . Sua mãe era Agnes Keene. Logo após o nascimento de Locke, a família mudou-se para a cidade mercantil de Pensford, cerca de 11 quilômetros ao sul de Bristol, onde Locke cresceu em uma casa rural Tudor em Belluton .

Em 1647, Locke foi enviado para a prestigiosa Westminster School em Londres sob o patrocínio de Alexander Popham , um membro do Parlamento e ex-comandante de John Sr.. Depois de completar os estudos lá, ele foi admitido na Christ Church , Oxford , no outono de 1652, com a idade de 20 anos. O reitor do colégio na época era John Owen , vice-reitor da universidade. Embora fosse um aluno competente, Locke estava irritado com o currículo de graduação da época. Ele achou as obras de filósofos modernos, como René Descartes , mais interessantes do que o material clássico ensinado na universidade. Por meio de seu amigo Richard Lower, a quem conheceu da Escola de Westminster, Locke foi apresentado à medicina e à filosofia experimental que estava sendo seguida em outras universidades e na Royal Society , da qual ele acabou se tornando membro.

Locke concluiu o bacharelado em fevereiro de 1656 e o mestrado em junho de 1658. [7] Ele se formou em medicina em fevereiro de 1675, [19] tendo estudado o assunto extensivamente durante seu tempo em Oxford e, além de Lower, trabalhou com cientistas e pensadores notáveis ​​como Robert Boyle , Thomas Willis e Robert Hooke . Em 1666, ele conheceu Anthony Ashley Cooper, Lord Ashley , que tinha vindo para Oxford em busca de tratamento para uma infecção hepática . Ashley ficou impressionado com Locke e o convenceu a se tornar parte de sua comitiva.

Locke estava procurando uma carreira e em 1667 mudou-se para a casa de Ashley em Exeter House, em Londres, para servir como seu médico pessoal. Em Londres, Locke retomou seus estudos médicos sob a tutela de Thomas Sydenham . Sydenham teve um grande efeito no pensamento filosófico natural de Locke - um efeito que se tornaria evidente em An Essay Concerning Human Understanding .

O conhecimento médico de Locke foi posto à prova quando a infecção do fígado de Ashley passou a ser fatal. Locke coordenou o conselho de vários médicos e provavelmente foi fundamental para persuadir Ashley a se submeter a uma cirurgia (com risco de vida) para remover o cisto. Ashley sobreviveu e prosperou, dando a Locke o crédito de ter salvado sua vida.

Durante esse tempo, Locke serviu como Secretário da Junta de Comércio e Plantações e Secretário dos Lords Proprietors of Carolina , o que ajudou a moldar suas idéias sobre comércio internacional e economia.

Ashley, como fundadora do movimento Whig , exerceu grande influência nas idéias políticas de Locke. Locke envolveu-se na política quando Ashley se tornou Lord Chancellor em 1672 (Ashley foi nomeado primeiro Conde de Shaftesbury em 1673). Depois da queda de Shaftesbury em 1675, Locke passou algum tempo viajando pela França como tutor e assistente médico em Caleb Banks . [20] Ele retornou à Inglaterra em 1679, quando a sorte política de Shaftesbury deu uma breve guinada positiva. Por volta dessa época, provavelmente por sugestão de Shaftesbury, Locke compôs a maior parte dos Dois Tratados de Governo . Embora se pensasse que Locke escreveu os Tratados para defender oRevolução gloriosa de 1688, estudos recentes mostraram que a obra foi composta bem antes dessa data. [21] O trabalho agora é visto como um argumento mais geral contra a monarquia absoluta (particularmente como defendido por Robert Filmer e Thomas Hobbes ) e para o consentimento individual como a base da legitimidade política . Embora Locke fosse associado aos influentes Whigs, suas idéias sobre direitos naturais e governo são hoje consideradas bastante revolucionárias para aquele período da história inglesa.

Locke fugiu para a Holanda em 1683, sob forte suspeita de envolvimento na conspiração de Rye House , embora haja poucas evidências que sugiram que ele estava diretamente envolvido no esquema. A filósofa e romancista Rebecca Newberger Goldstein argumenta que durante seus cinco anos na Holanda, Locke escolheu seus amigos "entre os mesmos membros livres-pensadores de grupos protestantes dissidentes como Spinozapequeno grupo de confidentes leais. [Baruch Spinoza morreu em 1677.] Locke quase certamente conheceu homens em Amsterdã que falaram das idéias daquele judeu renegado que ... insistia em se identificar apenas por meio de sua religião da razão. "Enquanto ela diz que" as fortes tendências empiristas de Locke "teria" o desencorajado a ler uma obra grandiosamente metafísica como a Ética de Spinoza , de outras maneiras ele era profundamente receptivo às ideias de Spinoza, mais particularmente ao argumento bem pensado do racionalista para tolerância política e religiosa e a necessidade da separação da Igreja e estado. " [22]

Na Holanda, Locke teve tempo de voltar a escrever, passando muito tempo trabalhando no Ensaio sobre a compreensão humana e escrevendo a Carta sobre a tolerância. Locke só voltou para casa depois da Revolução Gloriosa . Locke acompanhou Mary II de volta à Inglaterra em 1688. A maior parte das publicações de Locke ocorreu após seu retorno do exílio - seu já mencionado Ensaio sobre a compreensão humana , os dois tratados de governo e uma carta sobre a tolerância, todos aparecendo em rápida sucessão.

A amiga íntima de Locke, Lady Masham, convidou-o a se juntar a ela em Otes, a casa de campo dos Mashams em Essex. Embora seu tempo lá tenha sido marcado por problemas de saúde variáveis ​​devido a ataques de asma , ele se tornou um herói intelectual dos Whigs. Durante este período, ele discutiu assuntos com personalidades como John Dryden e Isaac Newton .

Ele morreu em 28 de outubro de 1704 e está enterrado no cemitério da aldeia de High Laver , [23] a leste de Harlow, em Essex, onde morava na casa de Sir Francis Masham desde 1691. Locke nunca se casou nem teve filhos.

Os eventos que aconteceram durante a vida de Locke incluem a Restauração Inglesa , a Grande Peste de Londres , o Grande Incêndio de Londres e a Revolução Gloriosa . Ele não chegou a ver o Ato de União de 1707 , embora os tronos da Inglaterra e da Escócia tenham sido mantidos em união pessoal ao longo de sua vida. A monarquia constitucional e a democracia parlamentar estavam em sua infância durante a época de Locke.

Ideias

Retrato de John Locke por John Greenhill (falecido em 1676)

No final do século 17 e no início do século 18, os Dois Tratados de Locke raramente eram citados. O historiador Julian Hoppit disse do livro, "exceto entre alguns Whigs, mesmo como uma contribuição para o intenso debate da década de 1690, ele causou pouca impressão e foi geralmente ignorado até 1703 (embora em Oxford em 1695 tenha sido relatado como tendo feito 'um grande barulho')." [24] John Kenyon , em seu estudo do debate político britânico de 1689 a 1720, observou que as teorias de Locke foram "mencionadas tão raramente nos primeiros estágios da Revolução [Gloriosa], até 1692, e menos ainda depois, a menos que era abusar deles "e que" ninguém, incluindo a maioria dos whigs, [estava] pronto para a ideia de um contrato abstrato ou nocional do tipo esboçado por Locke ".[25] : 200 Em contraste, Kenyon acrescenta que os Discursos sobre Governo de Algernon Sidney foram "certamente muito mais influentes do que os Dois Tratados de Locke " . [I] [25] : 51 

Nos 50 anos após a morte da Rainha Anne em 1714, os Dois Tratados foram reimpressos apenas uma vez (exceto nas obras coletadas de Locke). No entanto, com o aumento da resistência americana à tributação britânica, o Segundo Tratado de Governo ganhou novos leitores; foi freqüentemente citado nos debates na América e na Grã-Bretanha. A primeira impressão americana ocorreu em 1773 em Boston. [26]

Locke exerceu profunda influência na filosofia política, em particular no liberalismo moderno. Michael Zuckert argumentou que Locke lançou o liberalismo moderando o absolutismo hobbesiano e separando claramente os domínios da Igreja e do Estado . Ele teve uma forte influência sobre Voltaire, que o chamou de " le sage Locke". Seus argumentos relativos à liberdade e ao contrato social influenciaram posteriormente as obras escritas de Alexander Hamilton , James Madison , Thomas Jefferson e outros fundadores dos Estados Unidos . Na verdade, uma passagem do Segundo Tratadoé reproduzido literalmente na Declaração da Independência, a referência a uma "longa sequência de abusos". Tal foi a influência de Locke que Thomas Jefferson escreveu: [27] [28] [29]

Bacon , Locke e Newton ... Eu os considero os três maiores homens que já viveram, sem nenhuma exceção, e como tendo lançado as bases daquelas superestruturas que foram levantadas nas ciências físicas e morais.

No entanto, a influência de Locke pode ter sido ainda mais profunda no domínio da epistemologia . Locke redefiniu a subjetividade , ou self , levando historiadores intelectuais como Charles Taylor e Jerrold Seigel a argumentar que An Essay Concerning Human Understanding (1689/90) de Locke marca o início da concepção ocidental moderna do self . [30] [31]

A teoria da associação de Locke influenciou fortemente o assunto da psicologia moderna . Na época, o reconhecimento de Locke de dois tipos de ideias, simples e complexas - e, mais importante, sua interação por meio do associacionismo - inspirou outros filósofos, como David Hume e George Berkeley , a revisar e expandir esta teoria e aplicá-la para explicar como os humanos ganham conhecimento no mundo físico. [32]

Teorias de tolerância religiosa

John Locke por Richard Westmacott , University College, Londres

Locke, escrevendo suas Cartas sobre a tolerância (1689-1692) no rescaldo das guerras religiosas europeias , formulou um raciocínio clássico para a tolerância religiosa , no qual três argumentos são centrais: [33]

  1. Os juízes terrenos, o estado em particular, e os seres humanos em geral, não podem avaliar com segurança as afirmações da verdade de pontos de vista religiosos concorrentes;
  2. Mesmo se pudessem, impor uma única 'religião verdadeira' não teria o efeito desejado, porque a fé não pode ser compelida pela violência;
  3. Coagir a uniformidade religiosa levaria a mais desordem social do que permitir a diversidade.

Com relação à sua posição sobre a tolerância religiosa, Locke foi influenciado por teólogos batistas como John Smyth e Thomas Helwys , que publicaram tratados exigindo liberdade de consciência no início do século XVII. [34] [35] [36] [37] O teólogo batista Roger Williams fundou a colônia de Rhode Island em 1636, onde combinou uma constituição democrática com liberdade religiosa ilimitada. Seu tratado, The Bloudy Tenent of Persecution for Cause of Conscience(1644), que foi amplamente lido na metrópole, foi um apelo apaixonado pela liberdade religiosa absoluta e pela separação total entre Igreja e Estado . [38] A liberdade de consciência tinha tido alta prioridade na agenda teológica, filosófica e política, como Martin Luther se recusou a renegar suas crenças perante a Dieta do Sacro Império Romano em Worms , em 1521, a menos que ele iria ser provada falsa pela Bíblia . [39]

Escravidão e trabalho infantil

As opiniões de Locke sobre a escravidão eram multifacetadas e complexas. Embora ele tenha escrito contra a escravidão em geral em seus escritos, Locke foi um investidor e beneficiário do comércio de escravos Royal Africa Company . Além disso, enquanto secretário do conde de Shaftesbury , Locke participou da redação das Constituições Fundamentais da Carolina , que estabeleceu uma aristocracia quase feudal e deu aos proprietários carolíneos poder absoluto sobre sua propriedade escravizada; as constituições prometiam que "todo homem livre da Carolina terá poder e autoridade absolutos sobre seus escravos negros". O filósofo Martin Cohen observou que Locke, como secretário doConselho de Comércio e Plantações e membro da Junta Comercial , era "um de apenas meia dúzia de homens que criaram e supervisionaram as colônias e seus sistemas iníquos de servidão". [40] [41] De acordo com o historiador americano James Farr, Locke nunca expressou qualquer pensamento sobre suas opiniões contraditórias sobre a escravidão, que Farr atribuiu ao seu envolvimento pessoal no comércio de escravos. [42] As posições de Locke sobre a escravidão foram descritas como hipócritas e lançando as bases para os Pais Fundadores manterem pensamentos contraditórios semelhantes sobre liberdade e escravidão. [43]Locke também elaborou instruções de implementação para os colonos da Carolina, destinadas a garantir que o assentamento e o desenvolvimento fossem consistentes com as Constituições Fundamentais. Coletivamente, esses documentos são conhecidos como o Grande Modelo da Província de Carolina . [ citação necessária ]

A historiadora Holly Brewer, entretanto, argumentou que o papel de Locke na Constituição da Carolina foi exagerado e que ele foi meramente pago para revisar e fazer cópias de um documento que já havia sido parcialmente escrito antes de Locke se envolver; ela compara o papel de Locke ao de um advogado que escreve um testamento. [44] Ela observa ainda que Locke foi pago em ações da Royal African Company em vez de dinheiro por seu trabalho como secretário de um subcomitê governamental e que ele vendeu as ações depois de apenas alguns anos. [45]Brewer também argumenta que Locke trabalhou ativamente para minar a escravidão na Virgínia enquanto chefiava uma Junta Comercial criada por Guilherme de Orange após a Revolução Gloriosa. Ele atacou especificamente a política colonial de concessão de terras a proprietários de escravos e encorajou o batismo e a educação cristã dos filhos de escravos africanos para minar uma das principais justificativas da escravidão - especificamente, que eles eram pagãos que não possuíam direitos. [46]

Locke também apoiou o trabalho infantil . Em seu "Ensaio sobre a Lei dos Pobres", Locke se volta para a educação dos pobres; ele lamenta que "os filhos das pessoas trabalhadoras são um fardo comum para a paróquia, e geralmente são mantidos ociosos, de modo que seu trabalho também é geralmente perdido para o público até os 12 ou 14 anos". [47] : 190  Ele sugere, portanto, que "escolas de trabalho" sejam estabelecidas em cada paróquia na Inglaterra para crianças pobres, de modo que sejam "desde a infância [três anos] acostumados ao trabalho". [47] : 190  Ele passa a delinear a economia dessas escolas, argumentando que não só serão lucrativas para a paróquia, mas também que incutirão uma boa ética de trabalho nas crianças.[47] : 191 

Teoria do valor e propriedade

Locke usa o conceito de propriedade em termos amplos e estreitos: amplamente, ele cobre uma ampla gama de interesses e aspirações humanas; mais particularmente, refere-se a bens materiais . Ele argumenta que a propriedade é um direito natural derivado do trabalho . No Capítulo V de seu Segundo Tratado , Locke argumenta que a propriedade individual de bens e propriedades é justificada pelo trabalho exercido para produzir tais bens - "pelo menos onde há bastante [terra], e igualmente, deixada em comum para outros" (parágrafo 27) —ou usar a propriedade para produzir bens benéficos para a sociedade humana. [48]

Locke afirmou sua crença, em seu Segundo Tratado , que a natureza por si só fornece pouco valor para a sociedade, o que implica que o trabalho despendido na criação de bens lhes dá seu valor. A partir dessa premissa, entendida como uma teoria do valor-trabalho , [48] Locke desenvolveu uma teoria da propriedade-trabalho , segundo a qual a propriedade da propriedade é criada pela aplicação do trabalho. Além disso, ele acreditava que a propriedade precede o governo e o governo não pode "dispor das propriedades dos súditos arbitrariamente". Karl Marx posteriormente criticou a teoria da propriedade de Locke em sua própria teoria social.

Teoria política

A teoria política de Locke foi fundada na do contrato social . Ao contrário de Thomas Hobbes , Locke acreditava que a natureza humana é caracterizada pela razão e tolerância . Como Hobbes, Locke acreditava que a natureza humana permitia que as pessoas fossem egoístas. Isso fica aparente com a introdução da moeda. Em um estado natural , todas as pessoas eram iguais e independentes, e todos tinham o direito natural de defender sua "vida, saúde, liberdade ou bens". [49] : 198  A maioria dos estudiosos atribui a frase " Vida, Liberdade e a busca da Felicidade ", na Declaração da Independência Americana , à teoria dos direitos de Locke,[50] embora outras origens tenham sido sugeridas. [51]

Como Hobbes, Locke presumiu que o único direito de defender no estado de natureza não era suficiente, então as pessoas estabeleceram uma sociedade civil para resolver conflitos de forma civil com a ajuda do governo em um estado de sociedade. No entanto, Locke nunca se refere a Hobbes pelo nome e pode, em vez disso, estar respondendo a outros escritores da época. [52] Locke também defendeu a separação governamental de poderes e acreditava que a revolução não é apenas um direito, mas uma obrigação em algumas circunstâncias. Essas idéias viriam a ter profunda influência na Declaração de Independência e na Constituição dos Estados Unidos .

Limites de acumulação

De acordo com Locke, a propriedade não utilizada é um desperdício e uma ofensa contra a natureza, [53] mas, com a introdução de bens "duráveis" , os homens poderiam trocar seus excessivos bens perecíveis por aqueles que durariam mais tempo e, portanto, não violariam a lei natural . Para ele, a introdução do dinheiro marcou o ápice desse processo, possibilitando o acúmulo ilimitado de bens sem causar desperdício por meio de deterioração. [54] Ele também inclui ouro ou prata como dinheiro porque eles podem ser "acumulados sem ferir ninguém", [55]pois eles não estragam ou se deterioram nas mãos do possuidor. Em sua opinião, a introdução do dinheiro elimina os limites da acumulação. Locke enfatiza que a desigualdade surgiu por um acordo tácito sobre o uso do dinheiro, não pelo contrato social que estabelece a sociedade civil ou pela lei fundiária que regula a propriedade. Locke está ciente de um problema representado pela acumulação ilimitada, mas não considera que seja sua tarefa. Ele apenas insinua que o governo funcionaria para moderar o conflito entre a acumulação ilimitada de propriedade e uma distribuição mais próxima da riqueza; ele não identifica quais princípios o governo deve aplicar para resolver esse problema. No entanto, nem todos os elementos de seu pensamento formam um todo consistente. Por exemplo, a teoria do valor-trabalhoin the Two Treatises of Government está lado a lado com a teoria do valor de oferta e demanda desenvolvida em uma carta que ele escreveu intitulada Algumas considerações sobre as consequências da redução dos juros e da elevação do valor do dinheiro . Além disso, Locke ancora a propriedade no trabalho, mas, no final, mantém a acumulação ilimitada de riqueza. [56]

Na teoria do preço

A teoria geral de valor e preço de Locke é uma teoria de oferta e demanda , apresentada em uma carta a um membro do parlamento em 1691, intitulada Algumas considerações sobre as consequências da redução dos juros e da elevação do valor do dinheiro . [57] Nele, ele se refere à oferta como quantidade e demanda como aluguel : "O preço de qualquer mercadoria sobe ou desce na proporção do número de compradores e vendedores" e "o que regula o preço ... [das mercadorias] nada mais é do que sua quantidade em proporção ao aluguel. "

A teoria quantitativa do dinheiro constitui um caso especial dessa teoria geral. Sua ideia é baseada em "o dinheiro responde a todas as coisas" ( Eclesiastes ) ou "aluguel de dinheiro é sempre suficiente, ou mais do que suficiente" e "varia muito pouco ..." Locke conclui que, no que diz respeito ao dinheiro, a demanda é regulado exclusivamente por sua quantidade, independentemente de a demanda por moeda ser ilimitada ou constante. Ele também investiga os determinantes da demanda e da oferta. Para abastecimento , ele explica o valor dos bens com base em sua escassez e capacidade de serem trocados e consumidos . Ele explica a demandapara bens com base em sua capacidade de gerar um fluxo de renda. Locke desenvolve uma teoria inicial de capitalização , como a terra, que tem valor porque "por sua produção constante de mercadorias vendáveis , traz uma certa renda anual". Ele considera a demanda por dinheiro quase igual à demanda por bens ou terras: depende se o dinheiro é desejado como meio de troca . Como meio de troca, ele afirma que "o dinheiro é capaz, pela troca, de nos fornecer o necessário ou as conveniências da vida" e, para fundos para empréstimos , "passa a ser da mesma natureza da terra, produzindo uma certa renda anual ... ou interesse."

Pensamentos monetários

Locke distingue duas funções do dinheiro: como contador para medir o valor e como penhor para reivindicar bens . Ele acredita que a prata e o ouro, ao contrário do papel-moeda , são as moedas adequadas para transações internacionais. Prata e ouro, diz ele, são tratados como tendo o mesmo valor por toda a humanidade e, portanto, podem ser tratados como um penhor por qualquer pessoa, enquanto o valor do papel-moeda só é válido sob o governo que o emite.

Locke argumenta que um país deve buscar uma balança comercial favorável , para não ficar atrás de outros países e sofrer uma perda em seu comércio. Visto que o estoque mundial de dinheiro cresce constantemente, um país deve buscar constantemente aumentar seu próprio estoque. Locke desenvolve sua teoria das trocas estrangeiras, além dos movimentos das mercadorias, há também movimentos no estoque de moeda do país, e os movimentos do capital determinam as taxas de câmbio . Ele considera este último menos significativo e menos volátil do que os movimentos de commodities. Quanto ao estoque de moeda de um país, se for grande em relação ao de outros países, ele diz que fará com que o câmbio do país suba acima do valor nominal, como faria uma balança de exportação.

Ele também prepara estimativas das necessidades de caixa para diferentes grupos econômicos ( proprietários de terras , trabalhadores e corretores). Em cada grupo, ele postula que as necessidades de caixa estão intimamente relacionadas à duração do período de pagamento. Ele argumenta que os corretores - os intermediários - cujas atividades aumentam o circuito monetário e cujos lucros corroem os ganhos dos trabalhadores e proprietários de terras têm uma influência negativa tanto na economia pessoal quanto na pública, para a qual supostamente contribuem.

O eu

Locke define o self como "aquela coisa de pensamento consciente, (qualquer substância, feita de espiritual, ou material, simples ou composta, não importa) que é sensível, ou consciente do prazer e da dor, capaz de felicidade ou miséria, e assim se preocupa consigo mesmo, até onde essa consciência se estende. " [58] Ele não ignora, porém, a "substância", escrevendo que "também o corpo vai fazer o homem". [59]

Em seu Ensaio , Locke explica o desenvolvimento gradual dessa mente consciente. Argumentando contra a visão agostiniana do homem como originalmente pecador e a posição cartesiana , que sustenta que o homem conhece proposições lógicas básicas de maneira inata, Locke postula uma "mente vazia", ​​uma tabula rasa , que é moldada pela experiência; sensações e reflexões sendo as duas fontes de todas as nossas ideias . [60] Ele afirma em An Essay Concerning Human Understanding :

Essa fonte de idéias todo homem tem inteiramente dentro de si; e embora não seja sentido, como não tendo nada a ver com objetos externos, ainda assim é muito parecido e pode ser apropriadamente chamado de 'sentido interno'. [61]

Alguns pensamentos de Locke a respeito da educação são um esboço de como educar essa mente. Baseando-se em pensamentos expressos em cartas escritas a Mary Clarke e seu marido sobre seu filho, [62] ele expressa a crença de que a educação faz o homem - ou, mais fundamentalmente, que a mente é um "armário vazio": [63]

Acho que posso dizer que, de todos os homens que encontramos, nove partes de dez são o que são, bons ou maus, úteis ou não, por sua educação.

Locke também escreveu que "as pequenas e quase insensíveis impressões sobre nossas tenras infância têm consequências muito importantes e duradouras". [63] Ele argumentou que as " associações de idéias " que alguém faz quando jovem são mais importantes do que aquelas feitas mais tarde, porque são a base do eu ; eles são, em outras palavras, o que primeiro marca a tabula rasa . Em seu Ensaio , no qual esses dois conceitos são introduzidos, Locke adverte contra, por exemplo, deixar "uma donzela tola" convencer uma criança de que "duendes e duendes" estão associados à noite, pois "a escuridão sempre trará consigo aqueles terríveis ideias, e elas serão assim unidas,que ele não pode mais suportar um do que o outro ".[64]

Essa teoria veio a ser chamada de associacionismo , passando a influenciar fortemente o pensamento do século 18, particularmente a teoria educacional , pois quase todo escritor educacional advertia os pais para não permitirem que seus filhos desenvolvessem associações negativas. Também levou ao desenvolvimento da psicologia e de outras novas disciplinas com a tentativa de David Hartley de descobrir um mecanismo biológico para o associacionismo em suas Observations on Man (1749).

Argumento de sonho

Locke criticou a versão de Descartes do argumento do sonho , com Locke fazendo o contra-argumento de que as pessoas não podem ter dor física nos sonhos como têm na vida desperta. [65]

Crenças religiosas

Alguns estudiosos consideram as convicções políticas de Locke baseadas em suas crenças religiosas. [66] [67] [68] A trajetória religiosa de Locke começou no trinitarismo calvinista , mas na época das Reflexões (1695) Locke estava defendendo não apenas as visões socinianas sobre a tolerância, mas também a cristologia sociniana . [69] No entanto, Wainwright (1987) observa que na Paráfrase publicada postumamente (1707) a interpretação de Locke de um versículo, Efésios 1 : 10, é marcadamente diferente daquela de socinianos como Biddle, e pode indicar que perto do fim de sua vida Locke voltou mais perto de uma posição ariana , aceitando assim a pré-existência de Cristo. [70] [69] Locke às vezes não tinha certeza sobre o assunto do pecado original , então ele foi acusado de Socinianismo, Arianismo ou Deísmo . [71] Locke argumentou que a ideia de que "toda a posteridade de Adão [estão] condenadas ao castigo infinito eterno, pela transgressão de Adão " era "pouco consistente com a Justiça ou Bondade do Grande e Infinito Deus", levando Eric Nelson para associá-lo às idéias pelagianas . [72]No entanto, ele não negou a realidade do mal. O homem era capaz de travar guerras injustas e cometer crimes. Os criminosos tinham que ser punidos, até com pena de morte. [73]

Com relação à Bíblia, Locke era muito conservador. Ele reteve a doutrina da inspiração verbal das Escrituras. [34] Os milagres foram a prova da natureza divina da mensagem bíblica. Locke estava convencido de que todo o conteúdo da Bíblia estava de acordo com a razão humana ( The Reasonableness of Christianity , 1695). [74] [34] Embora Locke fosse um defensor da tolerância, ele pediu às autoridades que não tolerassem o ateísmo , porque ele pensava que a negação da existência de Deus minaria a ordem social e levaria ao caos. [75] Isso excluiu todas as variedades ateístas de filosofia e todas as tentativas de deduzir a ética e a lei natural de premissas puramente seculares.[76] Na opinião de Locke, o argumento cosmológico era válido e provava a existência de Deus. Seu pensamento político baseava-se nas visões cristãs protestantes. [76] [77] Além disso, Locke defendeu um senso de piedade por gratidão a Deus por dar razão aos homens. [78]

Filosofia da religião

O conceito de homem de Locke começou com a crença na criação. [79] Como os filósofos Hugo Grotius e Samuel Pufendorf , Locke equiparou a lei natural à revelação bíblica . [80] [81] [82] Locke derivou os conceitos fundamentais de sua teoria política de textos bíblicos, em particular de Gênesis 1 e 2 ( criação ), o Decálogo , a Regra de Ouro , os ensinamentos de Jesus e as cartas de Paulo o apóstolo . [83] O Decálogo coloca a vida, reputação e propriedade de uma pessoa sob a proteção de Deus.

A filosofia de Locke sobre liberdade também deriva da Bíblia. Locke derivou da igualdade humana básica da Bíblia (incluindo igualdade dos sexos ), o ponto de partida da doutrina teológica da Imago Dei . [84] Para Locke, uma das consequências do princípio da igualdade era que todos os humanos foram criados igualmente livres e, portanto, os governos precisavam do consentimento dos governados. [85] Locke comparou o governo da monarquia inglesa sobre o povo britânico ao governo de Adão sobre Eva no Gênesis, que foi designado por Deus. [86]

Seguindo a filosofia de Locke, a Declaração de Independência dos Estados Unidos fundamentou os direitos humanos parcialmente na crença bíblica na criação. A doutrina de Locke de que os governos precisam do consentimento dos governados também é fundamental para a Declaração de Independência. [87]

Biblioteca e manuscritos

Assinatura de Locke em Bodleian Locke 13.12. Foto tirada na Biblioteca Bodleian, Oxford.

Locke foi um colecionador de livros e anotador assíduo ao longo de sua vida. Com sua morte em 1704, Locke acumulou uma biblioteca com mais de 3.000 livros, um número significativo no século XVII. [88] Ao contrário de alguns de seus contemporâneos, Locke teve o cuidado de catalogar e preservar a sua biblioteca, e sua vontade feita disposições específicas de como sua biblioteca era para ser distribuído após a sua morte. O testamento de Locke oferecia a Lady Masham a escolha de "quaisquer quatro fólios, oito quartos e vinte livros de menos volume, que ela escolheria dentre os livros de minha biblioteca". [89] Locke também deu seis títulos a seu "bom amigo" Anthony Collins , mas Locke legou a maior parte de sua coleção a seu primo Peter King(mais tarde Lord King) e ao filho de Lady Masham, Francis Cudworth Masham. [89]

Francis Masham recebeu a promessa de uma "metade" (metade) da biblioteca de Locke quando ele atingisse "a idade de um e vinte anos". [89] A outra "metade" dos livros de Locke, junto com seus manuscritos, passou para seu primo King. [89] Ao longo dos próximos dois séculos, a parte Masham da biblioteca de Locke foi dispersa. [90] Os manuscritos e livros deixados para King, no entanto, permaneceram com os descendentes de King (mais tarde os Condes de Lovelace ), até que a maior parte da coleção foi comprada pela Biblioteca Bodleian, Oxford em 1947. [91] Outra parte dos livros Locke deixada para King foi descoberta pelo colecionador e filantropo Paul Mellon em 1951. [91]Mellon complementou essa descoberta com livros da biblioteca de Locke que ele comprou em particular e, em 1978, transferiu sua coleção para o Bodleian. [91] Os acervos no Locke Room no Bodleian têm sido um recurso valioso para estudiosos interessados ​​em Locke, sua filosofia, práticas de gerenciamento de informações e a história do livro.

Os livros impressos na biblioteca de Locke refletiam seus vários interesses intelectuais, bem como seus movimentos em diferentes estágios de sua vida. Locke viajou extensivamente pela França e Holanda durante as décadas de 1670 e 1680, e durante essa época ele adquiriu muitos livros do continente. Apenas metade dos livros da biblioteca de Locke foram impressos na Inglaterra, enquanto cerca de 40% vieram da França e da Holanda. [92] Esses livros cobrem uma ampla gama de assuntos. De acordo com John Harrison e Peter Laslett, os maiores gêneros na biblioteca de Locke foram teologia (23,8% dos livros), medicina (11,1%), política e direito (10,7%) e literatura clássica (10,1%). [93] A biblioteca Bodleian possui atualmente mais de 800 dos livros da biblioteca de Locke. [91] Isso inclui cópias de Locke de obras de várias das figuras mais influentes do século XVII, incluindo

  • O quacre William Penn : um discurso aos protestantes de todas as persuasões (Bodleian Locke 7.69a)
  • O explorador Francis Drake : o mundo cercado por Sir Francis Drake (Bodleian Locke 8.37c)
  • O cientista Robert Boyle : um discurso das coisas acima da razão (Bodleian Locke 7.272)
  • O bispo e historiador Thomas Sprat : A história da Royal-Society of London (Bodleian Locke 9.10a)

Muitos dos livros ainda contêm a assinatura de Locke, que ele costumava fazer nas pastas de seus livros. Muitos também incluem a marginália de Locke .

Além dos livros pertencentes a Locke, o Bodleian também possui mais de 100 manuscritos relacionados a Locke ou escritos por sua mão. Como os livros da biblioteca de Locke, esses manuscritos exibem uma gama de interesses e fornecem diferentes janelas para as atividades e relacionamentos de Locke. Vários dos manuscritos incluem cartas para e de conhecidos como Peter King (MS Locke b. 6) e Nicolas Toinard (MS Locke c. 45). [94] MS Locke f. 1–10 contém os diários de Locke durante a maioria dos anos entre 1675 e 1704. [94] Alguns dos manuscritos mais significativos incluem os primeiros rascunhos dos escritos de Locke, como seu Ensaio sobre a compreensão humana (MS Locke f. 26). [94]O Bodleian também mantém uma cópia da General History of the Air de Robert Boyle com correções e notas que Locke fez enquanto preparava o trabalho de Boyle para publicação póstuma (MS Locke c. 37). [95] Outros manuscritos contêm trabalhos não publicados. Entre outros, MS. Locke e. 18 inclui alguns dos pensamentos de Locke sobre a Revolução Gloriosa , que Locke enviou a seu amigo Edward Clarke, mas nunca publicou. [96]

Uma das maiores categorias de manuscritos no Bodleian compreende os cadernos e livros de lugar - comum de Locke . O estudioso Richard Yeo chama Locke de "mestre anotador" e explica que "as anotações metódicas de Locke permearam a maioria das áreas de sua vida". [97] Em um ensaio não publicado "Of Study", Locke argumentou que um caderno deveria funcionar como uma "cômoda" para organizar informações, o que seria uma "grande ajuda para a memória e um meio de evitar confusão em nossos pensamentos . " [98] Locke manteve vários cadernos e livros de lugar-comum, que organizou de acordo com o tópico. MS Locke c. 43 inclui notas de Locke sobre teologia, enquanto MS Locke f. 18–24 contêm notas médicas. [94]Outros notebooks, como MS c. 43, incorporam vários tópicos no mesmo caderno, mas separados em seções. [94]

Página 1 do índice inacabado de Locke em Bodleian Locke 13.12. Foto tirada na Biblioteca Bodleian, Oxford.

Esses livros comuns eram altamente pessoais e foram projetados para serem usados ​​pelo próprio Locke, em vez de acessíveis a um grande público. [99] As notas de Locke são freqüentemente abreviadas e cheias de códigos que ele usava para fazer referência ao material em cadernos. [100] Outra maneira de Locke personalizar seus cadernos foi criando seu próprio método de criação de índices usando um sistema de grade e palavras-chave em latim. [101] Em vez de registrar palavras inteiras, seus índices encurtaram as palavras para sua primeira letra e vogal. Assim, a palavra "Epístola" seria classificada como "Ei". [102] Locke publicou seu método em francês em 1686, e foi republicado postumamente em inglês em 1706.

Alguns dos livros da biblioteca de Locke em Bodleian são uma combinação de manuscrito e impressão. Locke intercalou alguns de seus livros, o que significa que foram encadernados com folhas em branco entre as páginas impressas para permitir anotações. Locke intercalou e anotou seus cinco volumes do Novo Testamento em francês, grego e latim (Bodleian Locke 9.103-107). Locke fez o mesmo com sua cópia do catálogo da Biblioteca Bodleian de Thomas Hyde (Bodleian Locke 16.17), que Locke usou para criar um catálogo de sua própria biblioteca. [103]

Lista das principais obras

Principais manuscritos póstumos

  • 1660. First Tract of Government (ou English Tract )
  • c. 1662. Segundo tratado de governo (ou tratado latino )
  • 1664. Perguntas sobre a Lei da Natureza . [105]
  • 1667. Ensaio sobre a tolerância
  • 1706. Da Conduta do Entendimento
  • 1707. Uma paráfrase e notas sobre as epístolas de São Paulo aos Gálatas, 1 e 2 Coríntios, Romanos, Efésios

Veja também

Referências

Notas

  1. ^ Kenyon (1977) acrescenta: "Qualquer estudo imparcial da posição mostra de fato que foi Filmer, e não Hobbes, Locke ou Sidney, o pensador mais influente da época" (p. 63).

Citações

  1. ^ Fumerton, Richard (2000). "Teorias Fundacionistas da Justificação Epistêmica" . Stanford Encyclopedia of Philosophy . Retirado em 19 de agosto de 2018 .
  2. ^ David Bostock (2009). Filosofia da matemática: uma introdução . Wiley-Blackwell. p. 43. Todos Descartes, Locke, Berkeley e Hume supuseram que a matemática é uma teoria de nossas idéias , mas nenhum deles ofereceu qualquer argumento para essa afirmação conceitualista e, aparentemente, a considerou incontroversa.
  3. ^ John W. Yolton (2000). Realism and Appearances: An Essay in Ontology . Cambridge University Press. p. 136
  4. ^ "A Teoria da Verdade da Correspondência" . Stanford Encyclopedia of Philosophy . 2020.
  5. ^ Grigoris Antoniou; John Slaney, eds. (1998). Tópicos avançados em inteligência artificial . Springer. p. 9
  6. ^ Vere Claiborne Chappell , ed. (1994). The Cambridge Companion to Locke . Cambridge University Press. p. 56
  7. ^ a b Uzgalis, William (1º de maio de 2018) [2 de setembro de 2001]. "John Locke" . Em EN Zalta (ed.). Stanford Encyclopedia of Philosophy .
  8. ^ Falácias: leituras clássicas e contemporâneas . Hansen, Hans V., Pinto, Robert C. University Park, Pa .: Pennsylvania State University Press. 1995. ISBN 978-0-271-01416-6. OCLC  30624864 .CS1 maint: others (link)
  9. ^ Locke, John (1690). "Livro IV, Capítulo XVII: Da Razão" . An Essay Concerning Human Understanding . Retirado em 12 de março de 2015 .
  10. ^ Locke, John (1690). Dois Tratados de Governo (10ª edição): Capítulo II, Seção 6 . Project Gutenberg . Retirado em 5 de maio de 2018 .
  11. ^ Broad, Jacqueline (2006). "Influência de uma mulher? John Locke e Damaris Masham na responsabilidade moral". Jornal da História das Idéias . 67 (3): 489–510. doi : 10.1353 / jhi.2006.0022 . JSTOR 30141038 . S2CID 170381422 .  
  12. ^ Hirschmann, Nancy J. (2009). Gênero, classe e liberdade na teoria política moderna . Princeton: Princeton University Press . p. 79
  13. ^ Sharma, Urmila; SK Sharma (2006). Pensamento político ocidental . Washington: Atlantic Publishers . p. 440.
  14. ^ Korab-Karpowicz, W. Julian (2010). A History of Political Philosophy: From Thucydides to Locke . Nova York: Global Scholarly Publications. p. 291.
  15. ^ Becker, Carl Lotus (1922). A Declaração de Independência: um estudo na história das ideias políticas . Nova York: Harcourt, Brace . p. 27
  16. ^ Prefácio e guia de estudo de Dois Tratados sobre o Governo de John Locke: Uma Tradução para o Inglês Moderno , Publicações ISR, 2013, página ii. ISBN 9780906321690
  17. ^ Baird, Forrest E .; Walter Kaufmann (2008). De Platão a Derrida . Upper Saddle River, NJ: Pearson Prentice Hall . pp. 527–29. ISBN 978-0-13-158591-1.
  18. ^ Broad, CD (2000). Ética e História da Filosofia . Reino Unido: Routledge. ISBN 978-0-415-22530-4.
  19. ^ Roger Woolhouse (2007). Locke: A Biography . Cambridge University Press. p. 116
  20. ^ Henning, Basil Duke (1983), The House of Commons, 1660-1690 , 1 , ISBN 978-0-436-19274-6, recuperado em 28 de agosto de 2012
  21. ^ Laslett 1988 , III. Dois tratados de governo e a revolução de 1688.
  22. ^ Rebecca Newberger Goldstein (2006). Traindo Spinoza: o judeu renegado que nos deu modernidade . Nova York: Schocken Books. pp. 260–61.
  23. ^ Rogers, Graham AJ "John Locke" . Britannica Online . Retirado em 3 de setembro de 2019 .
  24. ^ Hoppit, Julian (2000). Uma Terra da Liberdade? Inglaterra. 1689–1727 . Oxford: Clarendon Press . p. 195.
  25. ^ a b Kenyon, John (1977). Princípios da revolução: a política do partido. 1689–1720 . Cambridge: Cambridge University Press .
  26. ^ Milton, John R. (2008) [2004]. "Locke, John (1632-1704)". Oxford Dictionary of National Biography (ed. Online). Imprensa da Universidade de Oxford. doi : 10.1093 / ref: odnb / 16885 . (É necessária uma assinatura ou associação à biblioteca pública do Reino Unido .)
  27. ^ "Os três maiores homens" . Tesouros americanos da Biblioteca do Congresso . Biblioteca do Congresso. Agosto de 2007 . Página visitada em 27 de junho de 2018 . Jefferson identificou Bacon , Locke e Newton como "os três maiores homens que já viveram, sem nenhuma exceção". Seus trabalhos nas ciências físicas e morais foram fundamentais para a educação e visão de mundo de Jefferson.
  28. ^ Jefferson, Thomas. "The Letters: 1743–1826 Bacon, Locke e Newton" . Arquivado do original em 31 de dezembro de 2009 . Página visitada em 13 de junho de 2009 . Bacon, Locke e Newton, cujas fotos eu irei incomodá-lo por ter copiado para mim: e como eu os considero como os três maiores homens que já viveram, sem nenhuma exceção, e como tendo lançado as bases daquelas superestruturas que foram levantadas nas ciências físicas e morais.
  29. ^ "Jefferson chamou Bacon, Newton e Locke, que tão indelevelmente moldaram suas idéias," minha trindade dos três maiores homens que o mundo já produziu " " . Explorer . Monticello . Retirado em 28 de agosto de 2012 .
  30. ^ Seigel, Jerrold (2005). A ideia de si mesmo: pensamento e experiência na Europa Ocidental desde o século XVII . Cambridge: Cambridge University Press .
  31. ^ Taylor, Charles (1989). Fontes do Self: The Making of Modern Identity . Cambridge: Harvard University Press .
  32. ^ Schultz, Duane P. (2008). A History of Modern Psychology (nona ed.). Belmont, CA: Thomas Higher Education. pp. 47–48. ISBN 978-0-495-09799-0.
  33. ^ McGrath, Alister (1998). Teologia histórica, uma introdução à história do pensamento cristão . Oxford: Blackwell Publishers. pp. 214-15.
  34. ^ a b c Heussi 1956 .
  35. ^ Olmstead 1960 , p. 18
  36. ^ Stahl, H. (1957). "Baptisten". Die Religion in Geschichte und Gegenwart (em alemão). 3 (1), col. 863CS1 maint: postscript (link)
  37. ^ Halbrooks, G. Thomas; Erich Geldbach; Bill J. Leonard; Brian Stanley (2011). "Batistas" . Religião no passado e no presente . doi : 10.1163 / 1877-5888_rpp_COM_01472 . ISBN 978-90-04-14666-2. Página visitada em 2 de junho de 2020 ..
  38. ^ Olmstead 1960 , pp. 102–05.
  39. ^ Olmstead 1960 , p. 5
  40. ^ Cohen, Martin (2008), Philosophical Tales , Blackwell, p. 101.
  41. ^ Tully, James (2007), An Approach to Political Philosophy: Locke in Contexts , Nova York: Cambridge University Press, p. 128, ISBN 978-0-521-43638-0
  42. ^ Farr, J. (1986). "I. 'Uma propriedade tão vil e miserável': o problema da escravidão no pensamento político de Locke". Teoria Política . 14 (2): 263–89. doi : 10.1177 / 0090591786014002005 . JSTOR 191463 . S2CID 145020766 .  .
  43. ^ Farr, J. (2008). "Locke, Lei Natural e Escravidão no Novo Mundo". Teoria Política . 36 (4): 495–522. doi : 10.1177 / 0090591708317899 . S2CID 159542780 . .
  44. ^ Brewer 2017 , p. 1052.
  45. ^ Brewer 2017 , pp. 1053–1054.
  46. ^ Brewer 2017 , pp. 1066 e 1072.
  47. ^ a b c Locke, John (1997a). "Um ensaio sobre a lei dos pobres". Em Mark Goldie (ed.). Locke: Political Essays . Cambridge: Cambridge University Press.
  48. ^ a b Vaughn, Karen (1978). "John Locke e a Teoria do Valor do Trabalho" (PDF) . Journal of Libertarian Studies . 2 (4): 311–26. Arquivado do original (PDF) em 19 de outubro de 2011.
  49. ^ Locke, John. [1690] 2017. Segundo Tratado de Governo (10ª ed.), Digitalizado por D. Gowan. Project Gutenberg . Página visitada em 2 de junho de 2020.
  50. ^ Zuckert, Michael (1996), The Natural Rights Republic , Notre Dame University Press, pp. 73-85
  51. ^ Wills, Garry (2002), Inventando América: Declaração de independência de Jefferson , Boston: Houghton Mifflin Co
  52. ^ Skinner, Quentin, Visions of Politics , Cambridge.
  53. ^ Locke, John (2009), Two Treatises on Government: A Translation into Modern English , Industrial Systems Research, p. 81, ISBN 978-0-906321-47-8
  54. ^ "John Locke: A desigualdade é inevitável e necessária" . Departamento de Filosofia da Universidade de Hong Kong. Arquivado do original (MS PowerPoint) em 9 de maio de 2009 . Retirado em 1 de setembro de 2011 .
  55. ^ Locke, John. "Segundo Tratado" . A Constituição dos Fundadores. §§ 25–51, 123–26. Arquivado do original em 11 de setembro de 2011 . Retirado em 1 de setembro de 2011 .
  56. ^ Cliff, Cobb; Foldvary, Fred. "John Locke on Property" . A Escola de Individualismo Cooperativo. Arquivado do original em 15 de março de 2012 . Página visitada em 14 de outubro de 2012 .
  57. ^ Locke, John (1691), Algumas considerações sobre as consequências da redução dos juros e da elevação do valor do dinheiro , marxistas.
  58. ^ Locke 1997b , p. 307.
  59. ^ Locke 1997b , p. 306.
  60. ^ The American International Encyclopedia , 9 , Nova York: JJ Little Co, 1954.
  61. ^ Angus, Joseph (1880). The Handbook of Specimens of English Literature . Londres: William Clowes and Sons . p. 324.
  62. ^ "Clarke [née Jepp], Mary". Oxford Dictionary of National Biography (ed. Online). Imprensa da Universidade de Oxford. doi : 10.1093 / ref: odnb / 66720 . (É necessária uma assinatura ou associação à biblioteca pública do Reino Unido .)
  63. ^ a b Locke 1996 , p. 10
  64. ^ Locke 1997b , p. 357.
  65. ^ "Dreaming, Philosophy of - Internet Encyclopedia of Philosophy" . utm.edu .
  66. ^ Forster, Greg (2005), política de consenso moral de John Locke.
  67. ^ Parker, Kim Ian (2004), The Biblical Politics of John Locke , Canadian Corporation for Studies in Religion.
  68. ^ Locke, John (2002), Nuovo, Victor (ed.), Escritos sobre religião , Oxford.
  69. ^ a b Marshall, John (1994), John Locke: resistência, religião e responsabilidade , Cambridge, p. 426.
  70. ^ Wainwright, Arthur, W., ed. (1987). A Edição Clarendon das Obras de John Locke: Uma Paráfrase e Notas sobre a Epístola de São Paulo aos Gálatas, 1 e 2 Coríntios, Romanos, Efésios . Oxford: Clarendon Press. p. 806. ISBN 978-0-19-824806-4.
  71. ^ Waldron 2002 , pp. 27, 223.
  72. ^ Nelson 2019 , pp. 7-8.
  73. ^ Waldron 2002 , p. 145
  74. ^ Henrich, D (1960), "Locke, John", Die Religion in Geschichte und Gegenwart (em alemão), 3. Auflage, Banda IV, Spalte 426
  75. ^ Waldron 2002 , pp. 217 e segs.
  76. ^ a b Waldron 2002 , p. 13
  77. ^ Dunn, John (1969), The Political Thought of John Locke: A Historical Account of the Argument of the 'Two Treatises of Government'Cambridge, UK: Cambridge University Press, p. 99, [Os dois tratados de governo estão] saturados de suposições cristãs..
  78. ^ Wolterstorff, Nicholas . 1994. " Piedade epistemológica de John Locke: A razão é a vela do Senhor ." Faith and Philosophy 11 (4): 572–91.
  79. ^ Waldron 2002 , p. 142
  80. ^ Elze, M (1958), "Grotius, Hugo", Die Religion in Geschichte und Gegenwart (em alemão) 2 (3): 1885–86.
  81. ^ Hohlwein, H (1961), "Pufendorf, Samuel Freiherr von", Die Religion in Geschichte und Gegenwart (em alemão), 5 (3): 721.
  82. ^ Waldron 2002 , p. 12
  83. ^ Waldron 2002 , pp. 22–43, 45–46, 101, 153–58, 195, 197.
  84. ^ Waldron 2002 , pp. 21–43.
  85. ^ Waldron 2002 , p. 136
  86. ^ Locke, John (1947). Dois tratados de governo . Nova York: Hafner Publishing Company. pp. 17-18, 35, 38.
  87. ^ Becker, Carl . A Declaração de Independência: Um Estudo na História das Idéias Políticas . 1922. Pesquisa de livros do Google . Edição revisada New York: Vintage Books, 1970. ISBN 978-0-394-70060-1 . 
  88. ^ Harrison, John; Laslett, Peter (1971). A Biblioteca de John Locke . Oxford: Clarendon Press. p. 1
  89. ^ a b c d Citado em Harrison, John; Laslett, Peter (1971). A Biblioteca de John Locke . Oxford: Clarendon Press. p. 8
  90. ^ Harrison, John; Laslett, Peter (1971). A Biblioteca de John Locke . Oxford: Clarendon Press. pp. 57–61.
  91. ^ a b c d Biblioteca Bodleian. "Coleções nomeadas de livros raros" .
  92. ^ Harrison, John; Laslett, Peter (1971). A Biblioteca de John Locke . Oxford: Clarendon Press. p. 20
  93. ^ Harrison, John; Laslett, Peter (1971). A Biblioteca de John Locke . Oxford: Clarendon Press. p. 18
  94. ^ a b c d e Clapinson, M, e TD Rogers. 1991. Catálogo Resumido de Manuscritos Ocidentais Pós-Medievais na Biblioteca Bodleian, Oxford . Vol. 2. Oxford University Press.
  95. ^ Os trabalhos de Robert Boyle , vol. 12. Editado por Michael Hunter e Edward B. Davis. Londres: Pickering & Chatto, 2000, pp. Xviii – xxi.
  96. ^ James Farr e Clayton Robers. “John Locke na Revolução Gloriosa: um Documento Redescoberto” Historical Journal 28 (1985): 395–98.
  97. ^ Richard Yeo, Notebooks, English Virtuosi (University of Chicago Press, 2014), 183.
  98. ^ John Locke, os escritos educacionais de John Locke , ed. James Axtell (Cambridge University Press, 1968), 421.
  99. ^ Richard Yeo, Notebooks, English Virtuosi (University of Chicago Press, 2014), 218.
  100. ^ GG Meynell, “Método de John Locke de colocação comum, como visto em seus rascunhos e seus cadernos médicos, Bodleian MSS Locke d. 9, f. 21 e f. 23, ” The Seventeenth Century 8, no. 2 (1993): 248.
  101. ^ Michael Stolberg, "John Locke's 'New Method of Common-Place-Books': Tradition, Innovation and Epistemic Effects", Early Science and Medicine 19, no. 5 (2014): 448–70.
  102. ^ John Locke, A New Method of Making Common-Place-Books (London: Printed for J. Greenood, 1706), 4.
  103. ^ GG Meynell, "A Database for Medical Notebooks and Medical Reading de John Locke", Medical History 42 (1997): 478
  104. ^ "Os manuscritos, Carta de Andrew Millar para Thomas Cadell, 16 de julho de 1765. Universidade de Edimburgo" . www.millar-project.ed.ac.uk . Retirado em 2 de junho de 2016 .
  105. ^ Locke, John. [1664] 1990. Questions Concerning the Law of Nature (texto latino definitivo), traduzido por R. Horwitz, et al. Ithaca: Cornell University Press .

Fontes

  • Ashcraft, Richard , 1986. Revolutionary Politics & Locke's Two Treatises of Government. Princeton: Princeton University Press. Discute a relação entre a filosofia de Locke e suas atividades políticas.
  • Ayers, Michael , 1991. Locke. Epistemologia e Ontologia Routledge (o trabalho padrão no Ensaio sobre a compreensão humana de Locke).
  • Bailyn, Bernard , 1992 (1967). As origens ideológicas da Revolução Americana . Harvard Uni. Pressione. Discute a influência de Locke e outros pensadores na Revolução Americana e no pensamento político americano subsequente.
  • Brewer, Holly (outubro de 2017). "Slavery, Sovereignty, and" Inheritable Blood ": Reconsidering John Locke and the Origins of American Slavery" . American Historical Review . 122 (4): 1038–1078. doi : 10.1093 / ahr / 122.4.1038 .
  • Cohen, Gerald , 1995. 'Marx and Locke on Land and Labour', em seu Self-Ownership, Freedom and Equality , Oxford University Press.
  • Cox, Richard, Locke on War and Peace , Oxford: Oxford University Press, 1960. Uma discussão da teoria das relações internacionais de Locke.
  • Chappell, Vere , ed., 1994. The Cambridge Companion to Locke . Trecho de Cambridge UP e pesquisa de texto
  • Dunn, John , 1984. Locke . Oxford Uni. Pressione. Uma introdução sucinta.
  • ———, 1969. The Political Thought of John Locke: An Historical Account of the Argument of the "Two Treatises of Government" . Cambridge Uni. Pressione. Introduziu a interpretação que enfatiza o elemento teológico no pensamento político de Locke.
  • Heussi, Karl (1956), Kompendium der Kirchengeschichte (em alemão), Tübingen, DE
  • Hudson, Nicholas, "John Locke and the Tradition of Nominalism", em: Nominalism and Literary Discourse , ed. Hugo Keiper, Christoph Bode e Richard Utz (Amsterdam: Rodopi, 1997), pp. 283-99.
  • Laslett, Peter (1988), Introdução , Cambridge: Cambridge University Presspara Locke, John, Dois tratados de governo
  • Locke, John (1996), Grant, Ruth W; Tarcov, Nathan (eds.), Some Thoughts Concerning Education and of the Conduct of the Understanding , Indianapolis: Hackett Publishing Co , p. 10
  • Locke, John (1997b), Woolhouse, Roger (ed.), An Essay Concerning Human Understanding , Nova York: Penguin Books
  • Locke Studies , publicado anualmente a partir de 2001, anteriormente The Locke Newsletter (1970-2000), publica trabalhos acadêmicos sobre John Locke.
  • Mack, Eric (2008). "Locke, John (1632-1704)" . Em Hamowy, Ronald (ed.). The Encyclopedia of Libertarianism . Thousand Oaks, CA: Sage ; Cato Institute . pp. 305–07. doi : 10.4135 / 9781412965811.n184 . ISBN 978-1-4129-6580-4. LCCN  2008009151 . OCLC  750831024 .
  • Macpherson, CB The Political Theory of Possessive Individualism: Hobbes to Locke (Oxford: Oxford University Press, 1962). Estabelece a profunda afinidade de Hobbes com Harrington, os Levellers e Locke até o utilitarismo do século XIX.
  • Moseley, Alexander (2007), John Locke: Continuum Library of Educational Thought , Continuum, ISBN 978-0-8264-8405-5
  • Nelson, Eric (2019). A Teologia do Liberalismo: Filosofia Política e Justiça de Deus . Cambridge: Harvard University Press. ISBN 978-0-674-24094-0.
  • Olmstead, Clifton E (1960), História da Religião nos Estados Unidos , Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall
  • Robinson, Dave; Groves, Judy (2003), Introducing Political Philosophy , Icon Books, ISBN 978-1-84046-450-4
  • Rousseau, George S. (2004), Nervous Acts: Essays on Literature, Culture and Sensibility , Palgrave Macmillan, ISBN 978-1-4039-3453-6
  • Tully, James , 1980. A Discourse on Property: John Locke and his Adversaries . Cambridge Uni. pressione
  • Waldron, Jeremy (2002), God, Locke, and Equality: Christian Foundations in Locke's Political Thought , Cambridge: Cambridge University Press, ISBN 978-0-521-89057-1
  • Yolton, John W. , ed., 1969. John Locke: Problems and Perspectives . Cambridge Uni. Pressione.
  • Yolton, John W., ed., 1993. A Locke Dictionary . Oxford: Blackwell.
  • Zuckert, Michael, Launching Liberalism: On Lockean Political Philosophy . Lawrence: University Press of Kansas.

links externos

Trabalho

Recursos