Seguro

Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Ir para navegação Pular para pesquisar

Um pôster de propaganda de uma seguradora holandesa de c. 1900–1918 retrata um cavaleiro de armadura

O seguro é um meio de proteção contra perdas financeiras. É uma forma de gestão de risco , usada principalmente para proteger contra o risco de uma perda contingente ou incerta.

Uma entidade que fornece seguro é conhecido como uma seguradora , uma companhia de seguros , uma companhia de seguros ou um subscritor . Uma pessoa ou entidade que compra seguro é conhecida como tomador do seguro , enquanto uma pessoa ou entidade coberta pela apólice é chamada de segurado . O titular da apólice e o segurado são frequentemente usados ​​como, mas não necessariamente, sinônimos, já que a cobertura às vezes pode se estender a segurados adicionaisquem não comprou o seguro. A transação de seguro envolve o tomador do seguro assumindo uma perda garantida, conhecida e relativamente pequena na forma de pagamento à seguradora em troca da promessa da seguradora de compensar o segurado no caso de uma perda coberta. A perda pode ou não ser financeira, mas deve ser redutível a termos financeiros e geralmente envolve algo em que o segurado tem um interesse segurável estabelecido por propriedade, posse ou relação pré-existente.

O segurado recebe um contrato , denominado apólice de seguro , que detalha as condições e circunstâncias sob as quais a seguradora irá indenizar o segurado, ou seu beneficiário designado ou cessionário. O valor cobrado pela seguradora do segurado pela cobertura prevista na apólice é denominado prêmio . Se o segurado sofrer uma perda que é potencialmente coberta pela apólice de seguro, o segurado envia uma reclamação à seguradora para processamento por um perito de sinistros . Uma despesa direta obrigatória exigida por uma apólice de seguro antes que uma seguradora pague um sinistro é chamada de franquia (ou se exigida por um seguro saúdepolítica, um copagamento ). A seguradora pode cobrir seu próprio risco contratando resseguro , por meio do qual outra seguradora concorda em assumir alguns dos riscos, especialmente se a seguradora primária considerar o risco muito grande para ser suportado por ela.

História

Métodos iniciais

Os comerciantes buscaram métodos para minimizar os riscos desde os primeiros tempos. Na foto, Governadores da Guilda dos Mercadores de Vinho, de Ferdinand Bol , c. 1680.

Os métodos de transferência ou distribuição de risco eram praticados por comerciantes babilônios , chineses e indianos já no terceiro e segundo milênios aC, respectivamente. [1] [2] Os mercadores chineses que viajavam pelas corredeiras de rios traiçoeiros redistribuíam seus produtos por muitos navios para limitar a perda devido ao naufrágio de qualquer navio.

A Lei 238 do Codex Hammurabi (c. 1755–1750 aC) estipulava que um capitão de mar , gerente de navio ou fretador de navio que salvasse um navio da perda total era obrigado a pagar apenas metade do valor do navio ao armador . [3] [4] [5] Na Digesta seu Pandectae (533), o segundo volume da codificação das leis ordenadas por Justiniano I (527–565) do Império Romano Oriental , uma opinião legal escrita pelo jurista romano Paulus no início doA Crise do Terceiro Século em 235 DC foi incluída sobre a Lex Rhodia ("lei de Rodes") que articula o princípio da média geral de seguro marítimo estabelecido na ilha de Rodes em aproximadamente 1000 a 800 AC como um membro da Hexápolis Dórica , plausivelmente pelos fenícios durante a invasão dórica proposta e o surgimento dos supostos povos do mar durante a Idade das Trevas grega (c. 1100-c. 750) que levou à proliferação do dialeto grego dórico . [6] [7] [8]

A lei da média geral constitui o princípio fundamental subjacente a todos os seguros. [7] Em 1816, uma escavação arqueológica em Minya, Egito (sob um Eyalet do Império Otomano ) produziu uma tábua da dinastia Nerva-Antonina -era das ruínas do Templo de Antínous em Antinoopolis , Aegyptus que prescrevia as regras e taxas de adesão de um colégio da sociedade funerária estabelecido em Lanuvium , Itália em aproximadamente 133 DC durante o reinado de Adriano (117-138) do Império Romano . [7] Em 1851, o futuro juiz associado da Suprema Corte dos Estados Unidos Joseph P. Bradley (1870-1892), uma vez empregado como atuário para a Mutual Benefit Life Insurance Company , enviou um artigo ao Journal of the Institute of Actuaries detalhando um relato histórico de uma dinastia Severana - uma tabela de vida compilada pelo jurista romano Ulpiano em aproximadamente 220 DC durante o reinado de Heliogábalo (218-222) que também foi incluída noDigesta . [9]

Conceitos de seguro também foram encontrados nas escrituras hindus do século III aC, como Dharmasastra , Arthashastra e Manusmriti . [10] Os gregos antigos tinham empréstimos marítimos. O dinheiro foi adiantado em um navio ou carga, a ser reembolsado com grandes juros se a viagem prosperar, mas não reembolsado em tudo se o navio for perdido, a taxa de juros sendo elevada o suficiente para pagar não apenas pelo uso do capital, mas pelo risco de perdê-lo (totalmente descrito por Demosthenes ). Empréstimos desse tipo são, desde então, comuns em terras marítimas, sob o nome de títulos bottomry e respondentia. [11]

O seguro direto de riscos marítimos para um prêmio pago independentemente dos empréstimos começou, tanto quanto se sabe, na Bélgica por volta de 1300 AD [11].

Contratos de seguro separados (ou seja, apólices de seguro não agrupadas com empréstimos ou outros tipos de contratos) foram inventados em Gênova no século 14, assim como os pools de seguros garantidos por penhor de propriedades fundiárias. O primeiro contrato de seguro conhecido data de Gênova em 1347 e, no século seguinte, o seguro marítimo se desenvolveu amplamente e os prêmios variavam intuitivamente com os riscos. [12] Esses novos contratos de seguro permitiram que o seguro fosse separado do investimento, uma separação de funções que inicialmente se mostrou útil no seguro marítimo .

A primeira apólice de seguro de vida conhecida foi feita no Royal Exchange, Londres , em 18 de junho de 1583, por £ 383,6s. 8d. por doze meses, sobre a vida de William Gibbons. [11]

Os métodos modernos

Os seguros tornaram-se muito mais sofisticados na Europa do Iluminismo , onde se desenvolveram variedades especializadas.

A Lloyd's Coffee House foi o primeiro mercado organizado de seguro marítimo.

O seguro de propriedade como o conhecemos hoje pode ser rastreado até o Grande Incêndio de Londres , que em 1666 devorou ​​mais de 13.000 casas. Os efeitos devastadores do incêndio transformaram o desenvolvimento do seguro "de uma questão de conveniência em uma questão de urgência, uma mudança de opinião refletida na inclusão de Sir Christopher Wren de um site para" o Escritório de Seguros "em seu novo plano para Londres em 1667. " [13] Uma série de tentativas de esquemas de seguro contra incêndio deram em nada, mas em 1681, o economista Nicholas Barbone onze associados estabeleceram a primeira companhia de seguros contra incêndio, o "Escritório de Seguros para Casas", nos fundos do Royal Exchange para segurar casas de tijolo e estrutura. Inicialmente, 5.000 residências foram seguradas por seu Gabinete de Seguros. [14]

Ao mesmo tempo, surgiram os primeiros planos de seguro para subscrição de empreendimentos comerciais . No final do século XVII, o crescimento de Londres como centro comercial estava aumentando devido à demanda por seguros marítimos . No final da década de 1680, Edward Lloyd abriu uma cafeteria , que se tornou o ponto de encontro das partes na indústria naval que desejavam segurar cargas e navios, incluindo aqueles dispostos a subscrever tais empreendimentos. Esses começos informais levaram ao estabelecimento do mercado de seguros Lloyd's de Londres e vários negócios de transporte e seguros relacionados. [15]

Folheto promovendo a Lei do Seguro Nacional de 1911 .

As primeiras apólices de seguro de vida foram celebradas no início do século XVIII. A primeira empresa a oferecer seguro de vida foi a Amicable Society for a Perpetual Assurance Office , fundada em Londres em 1706 por William Talbot e Sir Thomas Allen . [16] [17] Seguindo o mesmo princípio, Edward Rowe Mores estabeleceu a Sociedade para Garantias Equitativas sobre Vidas e Sobrevivência em 1762.

Foi a primeira seguradora mútua do mundo e foi pioneira em prêmios baseados em idade com base na taxa de mortalidade que estabelece "a estrutura para a prática científica de seguro e desenvolvimento" e "a base do seguro de vida moderno sobre o qual todos os esquemas de seguro de vida foram subsequentemente baseados." [18]

No final do século 19, o "seguro contra acidentes" começou a ser disponibilizado. [19] A primeira empresa a oferecer seguro contra acidentes foi a Railway Passengers Assurance Company, formada em 1848 na Inglaterra para fazer seguro contra o crescente número de fatalidades no sistema ferroviário nascente .

No final do século 19, os governos começaram a iniciar programas nacionais de seguro contra doenças e velhice. A Alemanha se baseou em uma tradição de programas de bem-estar na Prússia e na Saxônia que começou na década de 1840. Na década de 1880, o chanceler Otto von Bismarck introduziu pensões para idosos, seguro contra acidentes e assistência médica que formaram a base do estado de bem-estar social da Alemanha . [20] [21] Na Grã-Bretanha, uma legislação mais ampla foi introduzida pelo governo liberal na Lei de Seguro Nacional de 1911 . Isso deu às classes trabalhadoras britânicas o primeiro sistema contributivo de seguro contra doença e desemprego. [22]Este sistema foi amplamente expandido após a Segunda Guerra Mundial sob a influência do Relatório Beveridge , para formar o primeiro estado de bem-estar social moderno . [20] [23]

Princípios

O seguro envolve a união de fundos de muitas entidades seguradas (conhecidas como exposições) para pagar as perdas que algumas podem incorrer. As entidades seguradas estão, portanto, protegidas do risco por uma taxa, com a taxa sendo dependente da frequência e gravidade do evento ocorrido. Para ser um risco segurável , o risco segurado deve atender a certas características. O seguro como intermediário financeiro é uma empresa comercial e uma parte importante da indústria de serviços financeiros, mas as entidades individuais também podem se autossegurar economizando dinheiro para possíveis perdas futuras. [24]

Segurabilidade

O risco que pode ser segurado por empresas privadas geralmente compartilham sete características comuns: [25]

  1. Grande número de unidades de exposição semelhantes : Como o seguro opera por meio de recursos comuns, a maioria das apólices de seguro cobre membros individuais de grandes classes, permitindo que as seguradoras se beneficiem da lei dos grandes números em que as perdas previstas são semelhantes às perdas reais. As exceções incluem o Lloyd's of London , famoso por garantir a vida ou a saúde de atores, personalidades do esporte e outros indivíduos famosos. No entanto, todas as exposições terão diferenças particulares, o que pode levar a diferentes taxas de prêmio.
  2. Perda definitiva : Este tipo de perda ocorre em um momento e local conhecidos e por uma causa conhecida. O exemplo clássico envolve a morte de um segurado em uma apólice de seguro de vida. Incêndios , acidentes automobilísticos e ferimentos de trabalhadores podem atender facilmente a esse critério. Outros tipos de perdas só podem ser definitivas em teoria. As doenças ocupacionais , por exemplo, podem envolver a exposição prolongada a condições prejudiciais em que nenhum momento, lugar ou causa específicos são identificados. Idealmente, a hora, o local e a causa da perda devem ser claros o suficiente para que uma pessoa razoável, com informações suficientes, possa verificar objetivamente todos os três elementos.
  3. Perda acidental : O evento que dá início a um sinistro deve ser fortuito ou, pelo menos, fora do controle do beneficiário do seguro. A perda deve ser pura, no sentido de que resulta de um evento para o qual existe apenas a oportunidade de custo. Os eventos que contêm elementos especulativos, como riscos comerciais normais ou mesmo a compra de um bilhete de loteria, geralmente não são considerados seguráveis.
  4. Grande perda : o tamanho da perda deve ser significativo do ponto de vista do segurado. Os prêmios de seguro precisam cobrir o custo esperado das perdas, mais o custo de emissão e administração da apólice, ajustando as perdas e fornecendo o capital necessário para garantir razoavelmente que a seguradora será capaz de pagar os sinistros. Para pequenas perdas, esses últimos custos podem ser várias vezes o tamanho do custo esperado de perdas. Não faz sentido pagar esses custos, a menos que a proteção oferecida tenha valor real para o comprador.
  5. Prêmio acessível : Se a probabilidade de um evento segurado for tão alta, ou o custo do evento tão grande, que o prêmio resultante seja grande em relação à quantidade de proteção oferecida, então não é provável que o seguro seja adquirido, mesmo que em oferta. Além disso, como a profissão contábil formalmente reconhece nas normas de contabilidade financeira, o prêmio não pode ser tão grande a ponto de não haver uma chance razoável de uma perda significativa para a seguradora. Se não houver essa chance de perda, a transação pode ter a forma de seguro, mas não a substância (consulte o pronunciamento 113 do Conselho de Normas de Contabilidade Financeira dos EUA : "Contabilidade e Relatórios para Resseguro de Contratos de Curta Duração e Longa Duração ").
  6. Perda calculável: Existem dois elementos que devem ser pelo menos estimáveis, se não calculáveis ​​formalmente: a probabilidade de perda e o custo associado. A probabilidade de perda é geralmente um exercício empírico, enquanto o custo tem mais a ver com a capacidade de uma pessoa razoável de posse de uma cópia da apólice de seguro e uma prova de perda associada a uma reclamação apresentada de acordo com essa apólice de fazer uma declaração razoavelmente definitiva e avaliação objetiva do valor da perda recuperável em decorrência da reclamação.
  7. Risco limitado de perdas catastroficamente grandes : As perdas seguráveis ​​são idealmente independentes e não catastróficas, o que significa que as perdas não acontecem todas de uma vez e as perdas individuais não são severas o suficiente para levar a seguradora à falência; as seguradoras podem preferir limitar sua exposição a uma perda de um único evento a uma pequena parte de sua base de capital. O capital restringe a capacidade das seguradoras de vender seguro contra terremotos , bem como seguro eólico em zonas de furacão . Nos Estados Unidos, o governo federal garante risco de inundação. No seguro contra incêndio comercial, é possível encontrar propriedades individuais cujo valor total exposto é muito superior à restrição de capital de qualquer seguradora individual. Essas propriedades são geralmente compartilhadas entre várias seguradoras ou são seguradas por uma única seguradora que sindica o risco no mercado de resseguro .

Legal

Quando uma empresa segura uma entidade individual, existem requisitos e regulamentos legais básicos. Vários princípios legais de seguro comumente citados incluem: [26]

  1. Indenização - a seguradora indeniza ou indeniza o segurado em caso de certas perdas apenas até o interesse do segurado.
  2. Seguro de benefícios - conforme consta nos livros de estudo do The Chartered Insurance Institute, a seguradora não tem o direito de ressarcimento da parte que causou o dano e deve indenizar o segurado independentemente do fato de o segurado já ter processado o parte negligente pelos danos (por exemplo, seguro de acidentes pessoais)
  3. Juros seguráveis - o segurado normalmente deve sofrer diretamente com a perda. Os juros seguráveis ​​devem existir independentemente de haver seguro de propriedade ou seguro de uma pessoa. O conceito exige que o segurado tenha uma "aposta" na perda ou dano à vida ou propriedade segurada. O que é essa "aposta" será determinado pelo tipo de seguro envolvido e pela natureza da propriedade ou relação entre as pessoas. A exigência de um interesse segurável é o que distingue o seguro do jogo .
  4. Máxima boa fé - ( Uberrima fides ) o segurado e a seguradora estão vinculados por um vínculo de boa-fé de honestidade e lealdade. Fatos relevantes devem ser divulgados.
  5. Contribuição - as seguradoras que têm obrigações semelhantes com o segurado contribuem na indenização, de acordo com algum método.
  6. Sub-rogação - a seguradora adquire direitos legais para buscar recuperações em nome do segurado; por exemplo, a seguradora pode processar os responsáveis ​​pela perda do segurado. As Seguradoras podem renunciar a seus direitos de sub-rogação usando as cláusulas especiais.
  7. Causa proxima, ou causa próxima - a causa da perda (o perigo) deve ser coberta pelo contrato de seguro da apólice, e a causa dominante não deve ser excluída
  8. Mitigação - Em caso de perda ou acidente, o proprietário do ativo deve tentar manter a perda ao mínimo, como se o ativo não estivesse segurado.

Indenização

"Indenizar" significa restaurar a integridade ou ser reintegrado na posição em que se encontrava, na medida do possível, antes da ocorrência de um evento ou perigo específico. Conseqüentemente, o seguro de vida geralmente não é considerado um seguro de indenização, mas sim um seguro "contingente" (ou seja, um sinistro surge na ocorrência de um evento específico). Geralmente, existem três tipos de contratos de seguro que buscam indenizar um segurado:

  1. Uma política de "reembolso"
  2. Um "pagamento em nome" ou "em nome da apólice" [27]
  3. Uma política de "indenização"

Do ponto de vista do segurado, o resultado geralmente é o mesmo: a seguradora paga as despesas com sinistros e sinistros.

Se o segurado tiver uma apólice de "reembolso", o segurado pode ser obrigado a pagar por uma perda e, em seguida, ser "reembolsado" pela seguradora pela perda e custos diretos, incluindo, com a permissão da seguradora, despesas com sinistros. [27] [nota 1]

Sob uma apólice de "pagar em nome", a seguradora se defenderia e pagaria uma indenização em nome do segurado, que não estaria fora do bolso por nada. A maioria dos seguros de responsabilidade modernos é redigida com base na linguagem "pagar em nome", que permite à seguradora administrar e controlar o sinistro.

Em uma apólice de "indenização", a seguradora pode geralmente "reembolsar" ou "pagar em nome de", o que for mais benéfico para ela e para o segurado no processo de tratamento do sinistro.

Uma entidade que busca transferir risco (um indivíduo, corporação ou associação de qualquer tipo, etc.) torna-se a parte "segurada" uma vez que o risco é assumido por uma "seguradora", a parte seguradora, por meio de um contrato , denominado seguro política . Geralmente, um contrato de seguro inclui, no mínimo, os seguintes elementos: identificação das partes participantes (a seguradora, o segurado, os beneficiários), o prêmio, o período de cobertura, o evento de perda específico coberto, o valor da cobertura (ou seja, , valor a ser pago ao segurado ou beneficiário em caso de sinistro) e exclusões (eventos não cobertos). Assim, diz-se que um segurado é " indenizado " pelos prejuízos cobertos pela apólice.

Quando as partes seguradas sofrem uma perda por um perigo específico, a cobertura dá ao segurado o direito de fazer uma reclamação contra a seguradora pelo valor coberto da perda conforme especificado pela apólice. A taxa paga pelo segurado à seguradora por assumir o risco é chamada de prêmio. Os prêmios de seguro de muitos segurados são usados ​​para financiar contas reservadas para o pagamento posterior de sinistros - em teoria para um número relativamente pequeno de reclamantes - e para despesas gerais . Desde que uma seguradora mantenha fundos adequados reservados para perdas antecipadas (chamadas de reservas), a margem restante é o lucro da seguradora .

Exclusões

As políticas normalmente incluem uma série de exclusões, incluindo normalmente:

As seguradoras podem proibir certas atividades consideradas perigosas e, portanto, excluídas da cobertura. Um sistema para classificar as atividades de acordo com se elas são autorizadas pelas seguradoras refere-se a atividades e eventos aprovados de "luz verde", atividades e eventos de "luz amarela" que exigem consulta da seguradora e / ou renúncia de responsabilidade e atividades e eventos de "luz vermelha" proibidas e fora do âmbito da cobertura do seguro. [30]

Efeitos sociais

O seguro pode ter vários efeitos na sociedade, pois muda quem arca com os custos das perdas e danos. Por um lado, pode aumentar a fraude; por outro, pode ajudar as sociedades e os indivíduos a se prepararem para catástrofes e mitigar os efeitos das catástrofes tanto nas famílias quanto nas sociedades.

O seguro pode influenciar a probabilidade de perdas por meio de risco moral , fraude de seguro e medidas preventivas por parte da seguradora. Os estudiosos do seguro normalmente usam o risco moral para se referir ao aumento da perda devido ao descuido não intencional e à fraude do seguro para se referir ao aumento do risco devido ao descuido ou indiferença intencional. [31]As seguradoras tentam lidar com o descuido por meio de inspeções, provisões de apólices que exigem certos tipos de manutenção e possíveis descontos para esforços de mitigação de perdas. Embora, em teoria, as seguradoras pudessem encorajar o investimento na redução de sinistros, alguns comentaristas argumentaram que, na prática, as seguradoras não haviam buscado agressivamente medidas de controle de sinistros - particularmente para evitar perdas em desastres, como furacões - devido a preocupações com reduções de taxas e batalhas judiciais. No entanto, desde cerca de 1996, as seguradoras começaram a ter um papel mais ativo na mitigação de perdas, por exemplo, por meio de códigos de construção . [32]

Métodos de seguro

De acordo com os livros de estudo do The Chartered Insurance Institute, existem métodos variantes de seguro como segue:

  1. Co-seguro - riscos compartilhados entre as seguradoras
  2. Seguro duplo - ter duas ou mais apólices com cobertura sobreposta de um risco (ambas as apólices individuais não pagariam separadamente - em um conceito denominado contribuição, elas contribuiriam juntas para compensar as perdas do segurado. No entanto, no caso de seguros de contingência como seguro de vida, pagamento duplo é permitido)
  3. Autosseguro - situações em que o risco não é transferido para as seguradoras e apenas retido pelas próprias entidades ou pessoas físicas
  4. Resseguro - situações em que a seguradora transfere parte ou todos os riscos para outra Seguradora, chamada de resseguradora


Modelo de negócio das seguradoras

Acidentes acontecerão (William H. Watson, 1922) é um filme mudo pastelão sobre os métodos e percalços de um corretor de seguros. Coleção EYE Film Institute Netherlands .

As seguradoras podem usar o modelo de negócios de assinatura , cobrando pagamentos de prêmio periodicamente em troca de benefícios contínuos e / ou compostos oferecidos aos segurados.

Subscrição e investir

O modelo de negócios das seguradoras visa arrecadar mais prêmios e receitas de investimento do que é pago em perdas e também oferecer um preço competitivo que os consumidores aceitarão. O lucro pode ser reduzido a uma equação simples:

Lucro = prêmio ganho + receita de investimento - perda incorrida - despesas de subscrição.

As seguradoras ganham dinheiro de duas maneiras:

  • Por meio da subscrição , o processo pelo qual as seguradoras selecionam os riscos a serem segurados e decidem quanto em prêmios cobrar para aceitar esses riscos, assumindo a maior parte do risco caso ele se concretize.
  • Ao investir os prêmios que eles coletam dos segurados

O aspecto mais complicado do seguro é a ciência atuarial da determinação de taxas (fixação de preços) de apólices, que usa estatísticas e probabilidade para aproximar a taxa de sinistros futuros com base em um determinado risco. Depois de produzir as taxas, a seguradora usará de critério para rejeitar ou aceitar riscos por meio do processo de subscrição.

No nível mais básico, a determinação da taxa inicial envolve examinar a frequência e a gravidade dos perigos segurados e o pagamento médio esperado resultante desses perigos. Posteriormente, uma seguradora coletará dados históricos de perdas, trará os dados de perdas ao valor presente e comparará essas perdas anteriores com o prêmio coletado para avaliar a adequação da taxa. [33] Índices de perda e cargas de despesas também são usados. A classificação para diferentes características de risco envolve - no nível mais básico - comparar as perdas com as "relatividades de perda" - uma apólice com o dobro de perdas seria, portanto, cobrada o dobro. Análises multivariadas mais complexasàs vezes são usados ​​quando várias características estão envolvidas e uma análise univariada pode produzir resultados confusos. Outros métodos estatísticos podem ser usados ​​na avaliação da probabilidade de perdas futuras.

Após a rescisão de uma determinada apólice, o valor do prêmio cobrado menos o valor pago em sinistros é o lucro de subscrição da seguradora nessa apólice. O desempenho da subscrição é medido por algo denominado "índice combinado", que é o índice de despesas / perdas em relação aos prêmios. [34] Um índice combinado de menos de 100% indica um lucro de subscrição, enquanto qualquer coisa acima de 100 indica uma perda de subscrição. Uma empresa com um índice combinado superior a 100% pode, no entanto, permanecer lucrativa devido aos ganhos de investimento.

As seguradoras obtêm lucros de investimento em "float". Float, ou reserva disponível, é a quantidade de dinheiro disponível em um determinado momento que uma seguradora coletou em prêmios de seguro, mas não pagou em sinistros. As seguradoras começam a investir os prêmios de seguro assim que são cobrados e continuam a receber juros ou outras receitas sobre eles até que os sinistros sejam pagos. A Association of British Insurers (agrupando 400 seguradoras e 94% dos serviços de seguros do Reino Unido) tem quase 20% dos investimentos na Bolsa de Valores de Londres . [35] Em 2007, os lucros da indústria americana com o float totalizaram US $ 58 bilhões. Em uma carta de 2009 aos investidores, Warren Buffett escreveu: "fomos pagos$ 2,8 bilhões para manter nosso float em 2008 ". [36]

Nos Estados Unidos , a perda de subscrição de seguradoras de propriedades e acidentes foi de US $ 142,3 bilhões nos cinco anos encerrados em 2003. Mas o lucro geral no mesmo período foi de US $ 68,4 bilhões, como resultado do float. Alguns insiders do setor de seguros, principalmente Hank Greenberg , não acreditam que seja possível sustentar um lucro com o float para sempre sem um lucro de subscrição também, mas essa opinião não é universalmente aceita. A dependência do float para o lucro levou alguns especialistas do setor a chamar as seguradoras de "empresas de investimento que levantam dinheiro para seus investimentos com a venda de seguros". [37]

Naturalmente, o método de flutuação é difícil de ser executado em um período economicamente deprimido . Os mercados baixistas fazem com que as seguradoras abandonem os investimentos e endureçam seus padrões de subscrição, de modo que uma economia pobre geralmente significa altos prêmios de seguro. Essa tendência de oscilar entre períodos lucrativos e não lucrativos ao longo do tempo é comumente conhecida [ por quem? ] como o ciclo de subscrição ou seguro . [38]

Reivindicações

O tratamento de sinistros e perdas é a utilidade materializada do seguro; é o "produto" real pago. As reclamações podem ser feitas pelos segurados diretamente à seguradora ou por meio de corretores ou agentes . A seguradora pode exigir que o sinistro seja feito em seus próprios formulários ou pode aceitar sinistros em um formulário padrão da indústria, como os produzidos pela ACORD .

Os departamentos de sinistros das seguradoras empregam um grande número de avaliadores de sinistros apoiados por uma equipe de gerentes de registros e funcionários de entrada de dados . Os sinistros recebidos são classificados com base na gravidade e atribuídos a reguladores cuja autoridade de liquidação varia de acordo com seu conhecimento e experiência. O avaliador realiza uma investigação de cada sinistro, geralmente em estreita cooperação com o segurado, determina se a cobertura está disponível sob os termos do contrato de seguro e, em caso afirmativo, o valor monetário razoável do sinistro e autoriza o pagamento.

O segurado pode contratar seu próprio perito público para negociar o acordo com a seguradora em seu nome. Para apólices complicadas, em que os sinistros podem ser complexos, o segurado pode fazer um apólice de seguro adicional, denominado seguro de recuperação de perdas, que cobre o custo de um perito público no caso de um sinistro.

Ajustar sinistros de seguro de responsabilidade é particularmente difícil porque há um terceiro envolvido, o demandante , que não tem obrigação contratual de cooperar com a seguradora e pode, de fato, considerar a seguradora um bolso fundo . O perito deve obter aconselhamento jurídico para o segurado (seja um advogado interno ou um advogado externo do “painel”), monitorar o litígio que pode levar anos para ser concluído e comparecer pessoalmente ou por telefone com a autoridade de liquidação em uma conferência de liquidação obrigatória quando solicitado pelo juiz.

Se um avaliador de sinistros suspeitar de falta de seguro, a condição da média pode entrar em jogo para limitar a exposição da seguradora.

Ao gerenciar a função de tratamento de sinistros, as seguradoras procuram equilibrar os elementos de satisfação do cliente, despesas administrativas de tratamento e vazamentos de pagamentos indevidos de sinistros. Como parte desse ato de equilíbrio, as práticas de seguro fraudulentas são um grande risco de negócios que deve ser gerenciado e superado. Disputas entre seguradoras e segurados sobre a validade dos sinistros ou práticas de tratamento de sinistros às vezes se transformam em litígio (ver seguro de má-fé ).

Comercialização

As seguradoras costumam usar agentes de seguros para inicialmente comercializar ou subscrever seus clientes. Os agentes podem ser cativos, o que significa que escrevem apenas para uma empresa, ou independentes, o que significa que podem emitir apólices de várias empresas. A existência e o sucesso de empresas que utilizam agentes de seguros devem-se provavelmente à disponibilidade de serviços aprimorados e personalizados. As empresas também usam corretoras, bancos e outras entidades corporativas (como grupos de autoajuda, instituições de microfinanças, ONGs, etc.) para comercializar seus produtos. [39]

Tipos

Qualquer risco que possa ser quantificado pode ser potencialmente segurado. Tipos específicos de risco que podem dar origem a reivindicações são conhecidos como perigos. Uma apólice de seguro estabelecerá em detalhes quais perigos são cobertos pela apólice e quais não são. Abaixo estão listas não exaustivas dos diversos tipos de seguro existentes. Uma única apólice pode cobrir riscos em uma ou mais das categorias definidas abaixo. Por exemplo, o seguro de veículos normalmente cobriria o risco de propriedade (roubo ou dano ao veículo) e o risco de responsabilidade (reivindicações legais decorrentes de um acidente ). Um seguro de casa a apólice nos Estados Unidos geralmente inclui cobertura para danos à casa e aos pertences do proprietário, certas ações judiciais contra o proprietário e até mesmo uma pequena cobertura para despesas médicas de hóspedes feridos na propriedade do proprietário.

O seguro empresarial pode assumir várias formas diferentes, como os vários tipos de seguro de responsabilidade profissional, também chamado de indenização profissional (PI), que são discutidos abaixo com esse nome; e a apólice do proprietário da empresa (BOP), que agrupa em uma apólice muitos dos tipos de cobertura de que o proprietário da empresa precisa, de forma análoga à forma como o seguro do proprietário oferece as coberturas de que o proprietário precisa. [40]

Auto seguro

Um veículo destruído em Copenhague

O seguro de automóveis protege o segurado contra perdas financeiras no caso de um incidente envolvendo um veículo de sua propriedade, como em uma colisão de trânsito .

A cobertura normalmente inclui:

  • Cobertura de propriedade, por danos ou roubo do carro
  • Cobertura de responsabilidade, para a responsabilidade legal perante terceiros por lesões corporais ou danos materiais
  • Cobertura médica, para o custo de tratamento de lesões, reabilitação e, às vezes, perda de salários e despesas com funeral

Gap insurance

O seguro Gap cobre o valor excedente do seu empréstimo para compra de automóveis em um caso em que sua seguradora não cubra todo o empréstimo. Dependendo das políticas específicas da empresa, pode ou não cobrir a franquia também. Essa cobertura é comercializada para aqueles que pagam pouco pela entrada , têm altas taxas de juros sobre seus empréstimos e aqueles com prazos de 60 meses ou mais. O seguro contra lacunas é normalmente oferecido por uma empresa de finanças quando o proprietário do veículo adquire seu veículo, mas muitas seguradoras de automóveis também oferecem essa cobertura aos consumidores.

Seguro de saúde

Hospital Great Western, Swindon

As apólices de seguro saúde cobrem o custo dos tratamentos médicos. O seguro odontológico, assim como o seguro médico, protege os segurados dos custos odontológicos. Na maioria dos países desenvolvidos, todos os cidadãos recebem alguma cobertura de saúde de seus governos, paga por meio de impostos. Na maioria dos países, o seguro saúde costuma fazer parte dos benefícios do empregador.

Seguro de proteção de renda

A compensação dos trabalhadores , ou seguro de responsabilidade do empregador, é obrigatória em alguns países
  • As apólices de seguro de invalidez fornecem apoio financeiro no caso de o segurado se tornar incapaz de trabalhar devido a uma doença ou lesão incapacitante. Ele fornece suporte mensal para ajudar a pagar obrigações como empréstimos hipotecários e cartões de crédito . Apólices de invalidez de curto e longo prazo estão disponíveis para indivíduos, mas considerando as despesas, as apólices de longo prazo geralmente são obtidas apenas por aqueles com renda de pelo menos seis dígitos, como médicos, advogados, etc. Seguro de invalidez de curto prazo cobre uma pessoa por um período geralmente de até seis meses, pagando uma bolsa a cada mês para cobrir despesas médicas e outras necessidades.
  • O seguro de invalidez de longo prazo cobre as despesas de um indivíduo a longo prazo, até o momento em que ele seja considerado permanentemente inválido e, posteriormente, as companhias de seguros frequentemente tentarão encorajar a pessoa a voltar ao emprego, preferencialmente e antes de declará-la incapaz de trabalhar e, portanto, totalmente desativado.
  • O seguro geral de invalidez permite que os proprietários de empresas cubram as despesas gerais de seus negócios enquanto não podem trabalhar.
  • O seguro de invalidez permanente total oferece benefícios quando uma pessoa está permanentemente incapacitada e não pode mais trabalhar em sua profissão, muitas vezes tomado como um complemento do seguro de vida.
  • O seguro de compensação de trabalhadores substitui a totalidade ou parte dos salários perdidos de um trabalhador e as despesas médicas associadas incorridas devido a um acidente de trabalho.

Seguro contra acidentes

O seguro contra acidentes é seguro contra acidentes, não necessariamente vinculado a alguma propriedade específica. É um amplo espectro de seguros que uma série de outros tipos de seguro possam ser classificados, tais como automóveis, indenizações trabalhistas e alguns seguros de responsabilidade civil.

  • O seguro contra crimes é uma forma de seguro contra acidentes que cobre o tomador do seguro contra perdas decorrentes de atos criminosos de terceiros. Por exemplo, uma empresa pode obter seguro contra crimes para cobrir perdas decorrentes de roubo ou apropriação indébita .
  • O seguro contra terrorismo oferece proteção contra qualquer perda ou dano causado por atividades terroristas . Nos Estados Unidos, após o 11 de setembro , o Terrorism Risk Insurance Act 2002 (TRIA) estabeleceu um programa federal que fornece um sistema transparente de compensação pública e privada compartilhada por perdas seguradas resultantes de atos de terrorismo. O programa foi estendido até o final de 2014 pela Lei de Reautorização do Programa de Seguro contra Riscos de Terrorismo de 2007 (TRIPRA).
  • O seguro de sequestro e resgate é projetado para proteger indivíduos e empresas que operam em áreas de alto risco em todo o mundo contra os perigos de sequestro, extorsão, detenção injusta e sequestro.
  • O seguro contra riscos políticos é uma forma de seguro contra acidentes que pode ser contratado por empresas com operações em países onde existe o risco de que uma revolução ou outras condições políticas possam resultar em prejuízo.

Seguro de vida

O seguro de vida fornece um benefício monetário para a família do falecido ou outro beneficiário designado e pode fornecer especificamente para a renda da família do segurado, sepultamento, funeral e outras despesas finais. As apólices de seguro de vida geralmente permitem a opção de ter o produto pago ao beneficiário em um pagamento em dinheiro ou em uma anuidade . Na maioria dos estados, uma pessoa não pode comprar uma apólice de outra pessoa sem seu conhecimento.

As anuidades fornecem um fluxo de pagamentos e geralmente são classificadas como seguro porque são emitidas por companhias de seguros, são regulamentadas como seguros e exigem os mesmos tipos de experiência atuarial e de gestão de investimentos que o seguro de vida exige. As anuidades e pensões que pagam um benefício vitalício às vezes são consideradas como um seguro contra a possibilidade de um aposentado sobreviver a seus recursos financeiros. Nesse sentido, são o complemento do seguro de vida e, do ponto de vista da subscrição, são a imagem espelhada do seguro de vida.

Certos contratos de seguro de vida acumulam valores em dinheiro , que podem ser assumidos pelo segurado em caso de resgate da apólice ou que podem ser contraídos por empréstimo. Algumas políticas, como anuidades e políticas de dotação , são instrumentos financeiros para acumular ou liquidar riqueza quando necessário.

Em muitos países, como os Estados Unidos e o Reino Unido, a legislação tributária estabelece que os juros sobre esse valor em dinheiro não são tributáveis ​​em certas circunstâncias. Isso leva ao uso generalizado de seguro de vida como um método eficiente em termos de impostos de poupança , bem como proteção em caso de morte prematura.

Nos Estados Unidos, o imposto sobre a receita de juros sobre apólices de seguro de vida e anuidades é geralmente diferido. No entanto, em alguns casos, o benefício derivado do diferimento do imposto pode ser compensado por um retorno baixo. Isso depende da seguradora, do tipo de apólice e de outras variáveis ​​(mortalidade, retorno de mercado, etc.). Além disso, outros veículos de economia de imposto de renda (por exemplo, IRAs, planos 401 (k), Roth IRAs) podem ser alternativas melhores para a acumulação de valor.

Seguro funeral

O seguro funerário é um tipo muito antigo de seguro de vida, pago em caso de morte para cobrir despesas finais, como o custo de um funeral . Os gregos e romanos introduziram o seguro funerário c. 600 DC quando eles organizaram guildas chamadas "sociedades benevolentes" que cuidavam das famílias sobreviventes e pagavam as despesas do funeral dos membros após a morte. As guildas na Idade Média serviam a um propósito semelhante, assim como as sociedades amigas da época vitoriana.

Propriedade

Os danos do tornado a uma casa em Illinois seriam considerados um " ato de Deus " para fins de seguro

O seguro de propriedade oferece proteção contra riscos à propriedade, como incêndio , roubo ou danos causados ​​pelo clima . Isso pode incluir formas especializadas de seguro, tais como seguro contra incêndio, seguro contra inundações , seguro contra terremotos , seguro residencial , seguro marítimo interior ou seguro de caldeira . O termo seguro de propriedade pode, como seguro de acidentes, ser usado como uma ampla categoria de vários subtipos de seguro, alguns dos quais estão listados abaixo:

  • O seguro de aviação protege o casco e as peças sobressalentes da aeronave e os riscos de responsabilidade associados, como responsabilidade de passageiros e terceiros. Os aeroportos também podem aparecer nesta subcategoria, incluindo controle de tráfego aéreo e operações de reabastecimento para aeroportos internacionais até exposições domésticas menores.
  • O seguro de caldeiras (também conhecido como seguro de caldeiras e máquinas ou seguro contra avarias de equipamentos) protege contra danos físicos acidentais às caldeiras, equipamentos ou máquinas.
  • O seguro de risco do construtor protege contra o risco de perda física ou danos à propriedade durante a construção. O seguro de risco do Construtor é normalmente redigido em uma base de "todos os riscos", cobrindo danos decorrentes de qualquer causa (incluindo a negligência do segurado) não expressamente excluídos de outra forma. O seguro de risco do construtor é a cobertura que protege o interesse segurável de uma pessoa ou organização em materiais, acessórios ou equipamentos usados ​​na construção ou reforma de um edifício ou estrutura, caso esses itens sofram perda física ou dano de um perigo segurado. [41]
  • O seguro agrícola pode ser adquirido pelos agricultores para reduzir ou gerenciar vários riscos associados ao cultivo. Tais riscos incluem perda de safra ou danos causados ​​por clima, granizo, seca, geada, pragas [42] (incluindo especialmente insetos) ou doenças [43] [42] - alguns deles sendo denominados perigos nomeados . [42] O seguro baseado em índices usa modelos de como os extremos climáticos afetam a produção agrícola para definir certos gatilhos climáticos que, se superados, têm altas probabilidades de causar perdas substanciais na cultura. Quando ocorrem perdas na colheita associadas ao excesso do limite de gatilho climático, o agricultor segurado pelo índice tem direito a um pagamento de compensação. [44]
  • O seguro contra terremotos é uma forma de seguro patrimonial que paga ao segurado em caso de terremoto que cause danos materiais. A maioria das apólices de seguro residencial comum não cobre danos causados ​​por terremotos. As apólices de seguro contra terremotos geralmente apresentam uma franquia elevada . As taxas dependem da localização e, portanto, da probabilidade de um terremoto, bem como da construção da casa .
  • O título de fidelidade é uma forma de seguro contra acidentes que cobre os segurados por perdas incorridas como resultado de atos fraudulentos cometidos por indivíduos específicos. Geralmente, assegura uma empresa contra perdas causadas por atos desonestos de seus funcionários.
O furacão Katrina causou mais de US $ 80 bilhões em danos causados ​​por tempestades e inundações
  • O seguro contra inundações protege contra perda de propriedade devido a inundações. Muitas seguradoras dos EUA não oferecem seguro contra inundações em algumas partes do país. Em resposta a isso, o governo federal criou o Programa Nacional de Seguro contra Inundações, que atua como seguradora de último recurso.
  • O seguro residencial , também comumente chamado de seguro contra riscos ou seguro residencial (geralmente abreviado no setor imobiliário como HOI), oferece cobertura para danos ou destruição da casa do segurado. Em algumas áreas geográficas, a apólice pode excluir certos tipos de riscos, como inundações ou terremotos, que requerem cobertura adicional. Os problemas relacionados à manutenção são normalmente de responsabilidade do proprietário. A apólice pode incluir estoque ou pode ser comprado como uma apólice separada, especialmente para pessoas que alugam casas. Em alguns países, as seguradoras oferecem um pacote que pode incluir responsabilidade e responsabilidade legal por lesões e danos materiais causados ​​por membros da família, incluindo animais de estimação. [45]
  • O seguro do senhorio cobre propriedades residenciais ou comerciais que são alugadas aos inquilinos. Também cobre a responsabilidade do locador pelos ocupantes da propriedade. A maioria dos seguros de imóveis, por sua vez, cobre apenas as residências ocupadas pelo proprietário e não a responsabilidade ou danos relacionados aos inquilinos. [46]
  • O seguro marítimo e o seguro de carga marítima cobrem a perda ou dano de embarcações no mar ou nas vias navegáveis ​​interiores e de carga em trânsito, independentemente do meio de trânsito. Quando o proprietário da carga e o transportador são empresas separadas, o seguro de carga marítima normalmente compensa o proprietário da carga por perdas sofridas por incêndio, naufrágio, etc., mas exclui perdas que podem ser recuperadas do transportador ou do seguro do transportador. Muitos subscritores de seguros marítimos incluirão cobertura de "elemento de tempo" em tais apólices, o que estende a indenização para cobrir perda de lucro e outras despesas de negócios atribuíveis ao atraso causado por uma perda coberta.
  • O seguro de locatários , muitas vezes chamado de seguro de locatários, é uma apólice de seguro que fornece alguns dos benefícios do seguro residencial, mas não inclui cobertura para a moradia ou estrutura, com exceção de pequenas alterações que um locatário faz na estrutura .
  • O seguro complementar contra desastres naturais cobre despesas específicas após um desastre natural tornar a casa do segurado inabitável. Os pagamentos periódicos são feitos diretamente ao segurado até que a casa seja reconstruída ou um período de tempo especificado tenha decorrido.
  • O seguro garantia é um seguro tripartido que garante a execução do principal.
A demanda por seguro contra terrorismo aumentou após 11 de setembro
  • O seguro para vulcões é um seguro especializado que protege contra danos decorrentes especificamente de erupções vulcânicas .
  • O seguro contra vendavais é um seguro que cobre os danos que podem ser causados ​​por eventos de vento, como furacões .

Responsabilidade

O seguro de responsabilidade é um superconjunto muito amplo que cobre reivindicações legais contra o segurado. Muitos tipos de seguro incluem um aspecto de cobertura de responsabilidade. Por exemplo, a apólice de seguro do proprietário normalmente inclui cobertura de responsabilidade que protege o segurado em caso de sinistro apresentado por alguém que escorregou e caiu sobre a propriedade; O seguro automóvel também inclui um aspecto do seguro de responsabilidade civil que indeniza os danos que um carro batido pode causar à vida, saúde ou propriedade de outras pessoas. A proteção oferecida por um seguro de responsabilidade civil é dupla: a defesa judicial em caso de ação movida contra o segurado e a indenização (pagamento em nome do segurado) em relação a um acordo ou decisão judicial. As apólices de responsabilidade geralmente cobrem apenas a negligência do segurado,e não se aplicará a resultados de atos intencionais ou intencionais do segurado.

  • O seguro de responsabilidade civil ou seguro de responsabilidade geral cobre uma empresa ou organização contra sinistros caso suas operações prejudiquem um membro do público ou danifiquem sua propriedade de alguma forma.
  • O seguro de responsabilidade de diretores e executivos (D&O) protege uma organização (geralmente uma corporação) de custos associados a litígios resultantes de erros cometidos por diretores e executivos pelos quais são responsáveis.
  • O seguro de responsabilidade ambiental ou danos ambientais protege o segurado contra danos corporais, danos à propriedade e custos de limpeza como resultado da dispersão, liberação ou escape de poluentes.
  • O seguro contra erros e omissões (E&O) é um seguro de responsabilidade empresarial para profissionais como agentes de seguros, agentes e corretores imobiliários, arquitetos, administradores terceirizados (TPAs) e outros profissionais de negócios.
  • O seguro de indenização de prêmio protege o segurado de dar um prêmio grande em um evento específico. Os exemplos incluem a oferta de prêmios a competidores que consigam fazer uma tacada de meia quadra em um jogo de basquete ou um hole-in-one em um torneio de golfe .
  • O seguro de responsabilidade profissional , também chamado de seguro de indenização profissional (PI), protege profissionais segurados, como empresas de arquitetura e médicos, contra possíveis reivindicações de negligência feitas por seus pacientes / clientes. O seguro de responsabilidade profissional pode ter nomes diferentes dependendo da profissão. Por exemplo, o seguro de responsabilidade profissional com referência à profissão médica pode ser chamado de seguro contra erros médicos .

Freqüentemente, o programa de seguro de responsabilidade civil de um segurado comercial consiste em várias camadas. A primeira camada de seguro geralmente consiste em seguro primário, que fornece indenização em primeiro dólar para julgamentos e liquidações até os limites de responsabilidade da apólice primária. Geralmente, o seguro primário está sujeito a uma franquia e obriga o segurado a defender o segurado contra ações judiciais, o que normalmente é feito por meio de um advogado para defender o segurado. Em muitos casos, um segurado comercial pode optar por se autossegurar. Acima do seguro principal ou retenção auto-segurada, o segurado pode ter uma ou mais camadas de seguro excedente para fornecer limites adicionais de cobertura de proteção de indenização. Existem vários tipos de seguro em excesso, incluindo "autônomo"apólices em excesso (apólices que contêm seus próprios termos, condições e exclusões), seguro em excesso "seguir a forma" (apólices que seguem os termos da apólice subjacente, exceto conforme especificamente fornecido) e apólices de seguro "guarda-chuva" (seguro em excesso que em alguns circunstâncias poderiam fornecer uma cobertura mais ampla do que o seguro subjacente).[47]

Crédito

O seguro de crédito reembolsa parte ou a totalidade de um empréstimo quando o devedor se torna insolvente.

  • O seguro hipotecário protege o credor contra inadimplência do tomador. O seguro hipotecário é uma forma de seguro de crédito, embora o nome "seguro de crédito" seja mais usado para se referir a apólices que cobrem outros tipos de dívida.
  • Muitos cartões de crédito oferecem planos de proteção de pagamento que são uma forma de seguro de crédito.
  • O seguro de crédito comercial é um seguro empresarial sobre as contas a receber do segurado. A apólice paga o titular da apólice pelas contas a receber cobertas se o devedor não pagar.
  • O seguro de proteção de garantia (CPI) assegura a propriedade (principalmente veículos) mantida como garantia para empréstimos feitos por instituições de crédito.

Seguro de ataque cibernético

O seguro cibernético é um produto de seguro de linhas de negócios destinado a fornecer cobertura a empresas contra riscos baseados na Internet e , mais geralmente, de riscos relacionados à infraestrutura de tecnologia da informação, privacidade da informação, responsabilidade pela governança da informação e atividades relacionadas a isso.

Outros tipos

  • O seguro contra todos os riscos é um seguro que cobre uma ampla gama de incidentes e perigos, exceto aqueles mencionados na apólice. O seguro contra todos os riscos é diferente do seguro específico para riscos, que cobre perdas apenas daqueles riscos listados na apólice. [48] No seguro de automóveis , a apólice de todos os riscos inclui também os danos causados ​​pelo próprio motorista.
Cavalos de alto valor podem ser segurados por uma apólice de estoque de sangue
  • O seguro Bloodstock cobre cavalos individuais ou vários cavalos sob propriedade comum. A cobertura é normalmente para mortalidade como resultado de acidente, doença ou doença, mas pode se estender para incluir infertilidade, perda em trânsito, taxas veterinárias e potro em potencial.
  • O seguro contra interrupção de negócios cobre a perda de receita e as despesas incorridas, após um perigo coberto interromper as operações normais de negócios.
  • O seguro Defense Base Act (DBA) fornece cobertura para trabalhadores civis contratados pelo governo para executar contratos fora dos Estados Unidos e Canadá. O DBA é exigido para todos os cidadãos dos EUA, residentes dos EUA, titulares de Green Card dos EUA e todos os funcionários ou subcontratados contratados com contratos com o governo no exterior. Dependendo do país, os estrangeiros também devem ser cobertos pelo DBA. Essa cobertura normalmente inclui despesas relacionadas a tratamento médico e perda de salários, bem como benefícios por invalidez e morte.
  • O seguro para expatriados oferece aos indivíduos e organizações que operam fora de seu país de origem proteção para automóveis, propriedade, saúde, responsabilidade e atividades comerciais.
  • Contratado-in Insurance fábrica cobre responsabilidade onde, sob um contrato de aluguer, o cliente é obrigado a pagar o custo do contratado em equipamentos e por quaisquer taxas de aluguer devido a uma empresa de aluguer de plantas, tais como plantas e máquinas de construção. [49]
  • O seguro de despesas legais cobre os segurados pelos custos potenciais de uma ação legal contra uma instituição ou um indivíduo. Quando acontece algo que desencadeia a necessidade de uma ação judicial, é conhecido como "o evento". Existem dois tipos principais de seguro de protecção jurídica: seguro pré-evento e seguro pós-evento .
  • O seguro de gado é uma apólice especializada fornecida a, por exemplo, fazendas comerciais ou de lazer, aquários, pisciculturas ou qualquer outra propriedade animal. A cobertura está disponível para mortalidade ou abate econômico como resultado de acidente, doença ou doença, mas pode se estender para incluir destruição por ordem do governo.
  • O seguro de responsabilidade de mídia é projetado para cobrir profissionais que se envolvem na produção e impressão de filmes e televisão, contra riscos como difamação .
  • O seguro de incidentes nucleares cobre danos resultantes de um incidente envolvendo materiais radioativos e é geralmente organizado em nível nacional. (Consulte a cláusula de exclusão nuclear e, para os Estados Unidos, a Lei de Indenização de Indústrias Nucleares Price – Anderson .)
  • O seguro para animais de estimação protege os animais de estimação contra acidentes e doenças; algumas empresas também cobrem cuidados de rotina / bem-estar e sepultamento.
  • O seguro contra poluição geralmente assume a forma de cobertura primária para contaminação da propriedade segurada por fontes externas ou no local. A cobertura também é oferecida para responsabilidade perante terceiros decorrente da contaminação do ar, água ou solo devido à liberação repentina e acidental de materiais perigosos do local segurado. A apólice geralmente cobre os custos de limpeza e pode incluir cobertura para vazamentos de tanques de armazenamento subterrâneos. Os atos intencionais são especificamente excluídos.
  • O seguro de compra visa fornecer proteção sobre os produtos que as pessoas compram. O seguro de compra pode cobrir proteção de compra individual, garantias , avais , planos de assistência e até seguro de telefone celular. Esse seguro é normalmente muito limitado no âmbito dos problemas cobertos pela apólice.
  • O seguro fiscal está sendo cada vez mais usado em transações corporativas para proteger os contribuintes no caso de uma posição fiscal que assumiu ser contestada pelo IRS ou por uma autoridade tributária estadual, local ou estrangeira [50]
  • O seguro de título fornece uma garantia de que o título de propriedade pertence ao comprador ou ao credor hipotecário , livre e desembaraçado de ônus ou gravames. Geralmente é emitido em conjunto com uma busca nos registros públicos realizada no momento de uma transação imobiliária .
  • O seguro de viagem é uma cobertura de seguro assumida por quem viaja ao exterior, que cobre certas perdas, como despesas médicas, perda de pertences pessoais, atrasos em viagens e responsabilidades pessoais.
  • O seguro de mensalidade protege os alunos contra retirada involuntária de instituições educacionais de alto custo
  • O seguro de taxa de juros protege o titular de mudanças adversas nas taxas de juros, por exemplo, para aqueles com um empréstimo ou hipoteca de taxa variável
  • O seguro de divórcio é uma forma de seguro de responsabilidade contratual que paga ao segurado um benefício em dinheiro se o casamento terminar em divórcio.

Veículos de financiamento de seguro

  • O seguro fraternal é fornecido em uma base cooperativa por sociedades de benefício fraternal ou outras organizações sociais. [51]
  • O seguro sem culpa é um tipo de apólice de seguro (geralmente seguro de automóvel) em que os segurados são indenizados por sua própria seguradora, independentemente da culpa no incidente.
  • O autosseguro protegido é um mecanismo alternativo de financiamento de risco no qual uma organização retém o custo de risco calculado matematicamente dentro da organização e transfere o risco catastrófico com limites específicos e agregados para uma seguradora, de forma que o custo total máximo do programa seja conhecido. Um Programa de Auto-Seguro Protegido devidamente projetado e subscrito reduz e estabiliza o custo do seguro e fornece informações valiosas de gerenciamento de risco.
  • O seguro avaliado retrospectivamente é um método de estabelecer um prêmio em grandes contas comerciais. O prêmio final é baseado na experiência real de perda do segurado durante a vigência da apólice, às vezes sujeito a um prêmio mínimo e máximo, com o prêmio final determinado por uma fórmula. De acordo com esse plano, o prêmio do ano corrente é baseado parcialmente (ou totalmente) nas perdas do ano corrente, embora os ajustes do prêmio possam levar meses ou anos além da data de vencimento do ano corrente. A fórmula de rating é garantida no contrato de seguro. Fórmula: prêmio retrospectivo = perda convertida + prêmio básico × multiplicador de imposto. Numerosas variações desta fórmula foram desenvolvidas e estão em uso.
  • Formal auto-seguro (retenção de risco ativa) é a decisão deliberada de pagar os prejuízos de outra forma seguráveis fora do próprio dinheiro de ninguém. [52] Isso pode ser feito em uma base formal, estabelecendo um fundo separado no qual os fundos são depositados em uma base periódica, ou simplesmente renunciando à compra do seguro disponível e pagando com o próprio bolso. O autosseguro geralmente é usado para pagar perdas de alta frequência e baixa gravidade. [53]Tais perdas, se cobertas por seguro convencional, significam ter que pagar um prêmio que inclui carregamentos para despesas gerais da empresa, custo de contabilização da apólice, despesas de aquisição, impostos sobre prêmios e contingências. Embora isso seja verdade para todos os seguros, para perdas pequenas e frequentes, os custos de transação podem exceder o benefício de redução da volatilidade que o seguro oferece. [53]
  • Resseguro é um tipo de seguro adquirido por seguradoras ou empregadores autossegurados para proteção contra perdas inesperadas. O resseguro financeiro é uma forma de resseguro usada principalmente para gerenciamento de capital, em vez de transferir risco de seguro.
  • O seguro social pode significar muitas coisas para muitas pessoas em muitos países. Mas um resumo de sua essência é que é uma coleção de coberturas de seguro (incluindo componentes de seguro de vida, seguro de renda por invalidez, seguro-desemprego, seguro saúde e outros), além de poupança para aposentadoria, que requer a participação de todos os cidadãos. Ao forçar todos na sociedade a serem tomadores de seguros e pagarem prêmios, ele garante que todos possam se tornar requerentes quando ou se precisarem. Ao longo do caminho, isso inevitavelmente se relaciona com outros conceitos, como sistema de justiça e estado de bem - estar . Este é um tópico amplo e complicado que gera um debate tremendo, que pode ser estudado mais detalhadamente nos seguintes artigos (e outros):
  • O seguro contra perdas oferece proteção contra perdas catastróficas ou imprevisíveis. É adquirido por organizações que não desejam assumir 100% da responsabilidade por perdas decorrentes dos planos. De acordo com uma apólice de stop loss, a seguradora torna-se responsável por perdas que excedam certos limites chamados de franquias.

Comunidade fechada e auto-seguro governamental

Algumas comunidades preferem criar seguro virtual entre si por outros meios que não a transferência de risco contratual, que atribui valores numéricos explícitos ao risco. Vários grupos religiosos , incluindo os amish e alguns grupos muçulmanos , dependem do apoio fornecido por suas comunidades em desastresbatida. O risco apresentado por qualquer pessoa é assumido coletivamente pela comunidade, que arca com o custo de reconstruir os bens perdidos e apoiar as pessoas cujas necessidades aumentam repentinamente após uma perda de algum tipo. Em comunidades de apoio, onde se pode confiar que outros seguirão os líderes comunitários, essa forma tácita de seguro pode funcionar. Dessa forma, a comunidade pode compensar as diferenças extremas de segurabilidade que existem entre seus membros. Outra justificativa também é fornecida, invocando o risco moral de contratos de seguro explícitos.

No Reino Unido , a Coroa (que, para fins práticos, significava o serviço público ) não fazia seguro de propriedade, como prédios do governo. Se um prédio do governo fosse danificado, o custo do reparo seria coberto com fundos públicos porque, no longo prazo, isso era mais barato do que pagar prêmios de seguro. Como muitos edifícios do governo do Reino Unido foram vendidos a empresas imobiliárias e alugados de volta, esse arranjo agora é menos comum.

Nos Estados Unidos, a forma mais comum de autosseguro são os pools de gerenciamento de risco governamental. São cooperativas autofinanciadas, operando como portadores de cobertura para a maioria das entidades governamentais hoje, como governos de condados, municípios e distritos escolares. Em vez de essas entidades se autossegurarem de forma independente e correrem o risco de falência devido a um grande julgamento ou perda catastrófica, essas entidades governamentais formam um pool de risco. Essas carteiras iniciam suas operações por capitalização por meio de depósitos de membros ou emissão de títulos. A cobertura (como responsabilidade geral, responsabilidade automóvel, responsabilidade profissional, compensação de trabalhadores e propriedade) é oferecida pelo pool aos seus membros, semelhante à cobertura oferecida pelas companhias de seguros. No entanto, os pools auto-segurados oferecem aos membros taxas mais baixas (por não precisarem de corretores de seguros), maiores benefícios (como serviços de prevenção de sinistros) e especialização no assunto. De aproximadamente 91.000 entidades governamentais distintas que operam nos Estados Unidos, 75.000 são membros de pools auto-segurados em várias linhas de cobertura, formando aproximadamente 500 pools. Embora seja um segmento relativamente pequeno do mercado de seguros, as contribuições anuais (prêmios autossegurados) para tais pools foram estimadas em até 17 bilhões de dólares anualmente.[54]

As companhias de seguros

Certificado emitido pela Republic Fire Insurance Co. de Nova York c. 1860

As seguradoras podem vender qualquer combinação de tipos de seguro, mas geralmente são classificadas em três grupos: [55]

As seguradoras gerais podem ser divididas nessas subcategorias.

  • Linhas padrão
  • Excesso de linhas

Na maioria dos países, as seguradoras de vida e não vida estão sujeitas a diferentes regimes regulatórios e a diferentes regras fiscais e contábeis . A principal razão para a distinção entre os dois tipos de empresa é que os negócios de vida, anuidade e pensão são de natureza de muito longo prazo - a cobertura de seguro de vida ou pensão pode cobrir riscos ao longo de muitas décadas . Em contraste, a cobertura de seguro não vida geralmente cobre um período mais curto, como um ano.

Mutual contra proprietária

As seguradoras são geralmente classificadas como mútuas ou proprietárias. [56] As sociedades mútuas são propriedade dos segurados, enquanto os acionistas (que podem ou não possuir apólices) são proprietários das seguradoras.

A desmutualização de seguradoras mútuas para formação de sociedades por ações, bem como a formação de um híbrido conhecido como holding mutual, tornou-se comum em alguns países, como os Estados Unidos, no final do século XX. No entanto, nem todos os estados permitem holdings mútuas.

Resseguradoras

As resseguradoras são seguradoras que vendem apólices a outras seguradoras, permitindo-lhes reduzir seus riscos e se proteger de perdas substanciais. [57] O mercado de resseguro é dominado por poucas empresas muito grandes, com enormes reservas. Um ressegurador também pode ser um lançador direto de riscos de seguro.

Companhias de seguros cativas

Seguro cativoas empresas podem ser definidas como seguradoras de propósito limitado estabelecidas com o objetivo específico de financiar riscos provenientes de seu grupo ou grupos-mãe. Essa definição às vezes pode ser estendida para incluir alguns dos riscos dos clientes da empresa-mãe. Resumindo, é um veículo de autosseguro interno. Os cativos podem assumir a forma de uma entidade "pura", que é uma subsidiária 100% da controladora autossegurada; de um cativo "mútuo", que assegura os riscos coletivos dos membros de uma indústria); e de uma “associação” cativa, que se autossegura os riscos individuais dos membros de uma associação profissional, comercial ou industrial. Cativos representam comerciais,vantagens econômicas e fiscais para seus patrocinadores pelas reduções de custos que ajudam a criar e pela facilidade de gerenciamento de riscos de seguro e pela flexibilidade de fluxos de caixa que geram. Além disso, podem fornecer cobertura de riscos que não está disponível nem é oferecida no mercado de seguros tradicional a preços razoáveis.

Os tipos de risco que um cativo pode assumir para seus pais incluem danos à propriedade, responsabilidade pública e do produto, indenização profissional, benefícios para funcionários, responsabilidade do empregador, despesas com automóveis e assistência médica. A exposição da cativa a tais riscos pode ser limitada pelo uso de resseguro.

Os cativos estão se tornando um componente cada vez mais importante da estratégia de gestão e financiamento de risco de seus pais. Isso pode ser entendido no seguinte contexto:

  • Custos premium pesados ​​e crescentes em quase todas as linhas de cobertura
  • Dificuldades em segurar certos tipos de risco fortuito
  • Padrões de cobertura diferencial em várias partes do mundo
  • Estruturas de classificação que refletem tendências de mercado, em vez de experiência de perda individual
  • Crédito insuficiente para franquias ou esforços de controle de perdas

Outras formas

Outras formas possíveis para uma seguradora incluem recíprocos , em que os segurados retribuem ao compartilhar os riscos, e as organizações do Lloyd's. [58]

Admitiu versus não-admitiu

As seguradoras admitidas são aquelas nos Estados Unidos que foram admitidas ou licenciadas pela agência de licenciamento estadual. O seguro que vendem é denominado seguro admitido . As empresas não admitidas não foram aprovadas pela agência estadual de licenciamento, mas estão autorizadas a vender seguro em circunstâncias especiais quando atendem a uma necessidade de seguro que as empresas admitidas não podem ou não irão atender. [59]

Consultores de seguros

Existem também empresas conhecidas como "consultores de seguros". Como um corretor de hipotecas, essas empresas recebem uma taxa do cliente para pesquisar a melhor apólice de seguro entre muitas empresas. Semelhante a um consultor de seguros, um "corretor de seguros" também busca a melhor apólice de seguro entre muitas empresas. No entanto, com corretores de seguros, a taxa geralmente é paga na forma de comissão da seguradora selecionada, e não diretamente do cliente.

Nem consultores de seguros nem corretores de seguros são seguradoras e nenhum risco é transferido para eles nas transações de seguros. Os administradores terceirizados são empresas que prestam serviços de subscrição e, às vezes, de tratamento de sinistros para seguradoras. Essas empresas geralmente possuem conhecimentos especializados que as seguradoras não possuem.

Estabilidade financeira e classificação

A estabilidade financeira e a força de uma seguradora devem ser uma consideração importante ao comprar um contrato de seguro. Um prêmio de seguro pago atualmente oferece cobertura para perdas que podem surgir muitos anos no futuro. Por isso, a viabilidade da seguradora é muito importante. Nos últimos anos, várias seguradoras tornaram-se insolventes, deixando seus segurados sem cobertura (ou cobertura apenas de um pool de seguros apoiado pelo governo ou outro acordo com pagamentos menos atraentes em caso de perdas). Diversas agências de classificação independentes fornecem informações e avaliam a viabilidade financeira das seguradoras.

As seguradoras são classificadas por várias agências, como A. M. Best . As classificações incluem a solidez financeira da empresa, que mede sua capacidade de pagar indenizações. Também avalia os instrumentos financeiros emitidos pela seguradora, como títulos, notas e produtos de securitização.

Em todo o mundo

Prêmios de seguro de vida emitidos em 2005
Prêmios de seguro não vida emitidos em 2005

Os prêmios de seguros globais cresceram 2,7% em termos ajustados pela inflação em 2010 para US $ 4,3 trilhões, subindo acima dos níveis pré-crise. O retorno ao crescimento e os prêmios recorde gerados durante o ano seguiram-se a dois anos de queda em termos reais. Os prêmios de seguros de vida aumentaram 3,2% em 2010 e os prêmios de não vida 2,1%. Enquanto os países industrializados viram um aumento nos prêmios de cerca de 1,4%, os mercados de seguros nas economias emergentes tiveram uma rápida expansão, com um crescimento de 11% na receita de prêmios. A indústria de seguros global foi suficientemente capitalizada para suportar a crise financeira de 2008 e 2009 e a maioria das seguradoras restaurou seu capital aos níveis anteriores à crise no final de 2010. Com a continuação da recuperação gradual da economia global,é provável que a indústria de seguros continue a ver crescimento na receita de prêmios tanto nos países industrializados quanto nos mercados emergentes em 2011.

Economias avançadas respondem pela maior parte do seguro global. Com receita de prêmios de $ 1,62 trilhão, a Europa foi a região mais importante em 2010, seguida pela América do Norte $ 1,41 trilhão e Ásia $ 1,16 trilhão. A Europa, entretanto, viu um declínio na receita de prêmios durante o ano, em contraste com o crescimento visto na América do Norte e na Ásia. Os quatro principais países geraram mais da metade dos prêmios. Os Estados Unidos e o Japão sozinhos respondem por 40% do seguro mundial, muito mais do que sua participação de 7% na população global. As economias emergentes representaram mais de 85% da população mundial, mas apenas cerca de 15% dos prêmios. No entanto, seus mercados estão crescendo em um ritmo mais rápido. [60] O país que se espera ter o maior impacto na distribuição de ações de seguros em todo o mundo é a China. De acordo comSam Radwan, da ENHANCE International LLC , baixa penetração de prêmios (prêmio de seguro em% do PIB), envelhecimento da população e o maior mercado de automóveis em termos de novas vendas, crescimento de prêmios em média 15–20% nos últimos cinco anos e China deverá ser o maior mercado de seguros nas próximas duas décadas. [61]

Diferenças regulamentares

Nos Estados Unidos, o seguro é regulamentado pelos estados sob a Lei McCarran-Ferguson , com "propostas periódicas para intervenção federal", e uma coalizão sem fins lucrativos de agências de seguros estaduais chamada National Association of Insurance Commissioners trabalha para harmonizar as diferentes leis do país e regulamentos. [62] A Conferência Nacional de Legisladores de Seguros (NCOIL) também trabalha para harmonizar as diferentes leis estaduais. [63]

Na União Europeia , a Terceira Diretiva Não Vida e a Terceira Diretiva Vida, ambas aprovadas em 1992 e efetivas em 1994, criaram um mercado único de seguros na Europa e permitiram que as seguradoras oferecessem seguros em qualquer lugar da UE (sujeito à permissão das autoridades em a sede) e permitiu aos consumidores de seguros adquirir seguros a qualquer seguradora na UE. [64] No que diz respeito aos seguros no Reino Unido , a Financial Services Authority assumiu a regulamentação de seguros do General Insurance Standards Council em 2005; [65] as leis aprovadas incluem a Lei das Companhias de Seguros de 1973 e outra em 1982, [66] e reformas na garantiae outros aspectos em discussão a partir de 2012 . [67]

O setor de seguros na China foi nacionalizado em 1949 e, posteriormente, oferecido por apenas uma única empresa estatal, a Companhia de Seguros do Povo da China , que acabou sendo suspensa devido ao declínio da demanda em um ambiente comunista. Em 1978, as reformas de mercado levaram a um aumento no mercado e em 1995 uma abrangente Lei de Seguros da República Popular da China [68] foi aprovada, seguida em 1998 pela formação da Comissão Reguladora de Seguros da China (CIRC), que tem ampla regulamentação autoridade sobre o mercado de seguros da China. [69]

Na Índia, a IRDA é uma autoridade reguladora de seguros. De acordo com a seção 4 da Lei IRDA de 1999, Autoridade Reguladora e de Desenvolvimento de Seguros (IRDA), que foi constituída por uma lei do parlamento. A Academia Nacional de Seguros de Pune é o instituto de desenvolvimento de capacidade de seguro de ponta promovido com o apoio do Ministério das Finanças e por empresas de seguros gerais, de vida e de LIC.

Em 2017, no âmbito do projeto conjunto do Banco da Rússia e Yandex , uma marca de seleção especial (um círculo verde com uma marca e uma caixa de texto 'Реестр ЦБ РФ' (Registro estadual unificado de entidades seguradoras)) apareceu na pesquisa para o sistema Yandex, informar ao consumidor que os serviços financeiros da empresa são oferecidos no site marcado, que tem o estatuto de seguradora, corretora ou mutualista. [70]

Controvérsias

Não reduz o risco

O seguro é apenas um mecanismo de transferência de risco em que o encargo financeiro que pode surgir devido a algum evento fortuito é transferido para uma entidade maior, chamada de seguradora, por meio do pagamento de prêmios. Isso apenas reduz o encargo financeiro e não as chances reais de acontecer um evento. O seguro é um risco tanto para a seguradora quanto para o segurado. A seguradora entende o risco envolvido e fará uma avaliação de risco ao redigir a apólice.

Como resultado, os prêmios podem subir se eles determinarem que o segurado fará uma reclamação. No entanto, os prêmios podem ser reduzidos se o segurado se comprometer com um programa de gerenciamento de risco, conforme recomendado pela seguradora. [71] Portanto, é importante que as seguradoras vejam o gerenciamento de risco como uma iniciativa conjunta entre o segurado e a seguradora, uma vez que um plano de gerenciamento de risco robusto minimiza a possibilidade de um grande sinistro para a seguradora enquanto estabiliza ou reduz os prêmios para o segurado.

Se uma pessoa está financeiramente estável e planeja eventos inesperados na vida, ela pode ficar sem seguro. No entanto, eles devem ter o suficiente para cobrir uma perda total e completa do emprego e de seus bens. Alguns estados aceitam um seguro-garantia, um título do governo ou até mesmo fazer um depósito em dinheiro com o estado. [ citação necessária ]

O risco moral

Uma seguradora pode inadvertidamente descobrir que seus segurados podem não ser tão avessos ao risco quanto seriam de outra forma (uma vez que, por definição, o segurado transferiu o risco para a seguradora), um conceito conhecido como risco moral . Isso 'isola' muitos dos verdadeiros custos de viver com risco, negando medidas que podem mitigar ou se adaptar ao risco e levando alguns a descrever os esquemas de seguro como potencialmente inadequados . [72]

Complexidade dos contratos de seguro

O 11 de setembro foi uma grande perda de seguro, mas houve disputas sobre a apólice de seguro do World Trade Center

As apólices de seguro podem ser complexas e alguns segurados podem não compreender todas as taxas e coberturas incluídas em uma apólice. Como resultado, as pessoas podem comprar apólices em condições desfavoráveis. Em resposta a essas questões, muitos países promulgaram regimes regulamentares e estatutários detalhados que regem todos os aspectos do negócio de seguros, incluindo padrões mínimos para apólices e as formas como podem ser anunciadas e vendidas.

Por exemplo, a maioria das apólices de seguro em inglês hoje foram cuidadosamente elaboradas em inglês simples ; o setor aprendeu da maneira mais difícil que muitos tribunais não impõem apólices contra segurados quando os próprios juízes não conseguem entender o que as apólices dizem. Normalmente, os tribunais interpretam ambigüidades nas apólices de seguro contra a seguradora e em favor da cobertura da apólice.

Muitos compradores institucionais de seguros compram seguros por meio de um corretor de seguros. Embora na superfície pareça que o corretor representa o comprador (não a seguradora), e normalmente aconselha o comprador sobre a cobertura adequada e as limitações da apólice, na grande maioria dos casos a compensação do corretor vem na forma de uma comissão como uma porcentagem de o prêmio de seguro, criando um conflito de interesses no sentido de que o interesse financeiro do corretor tende a encorajar um segurado a adquirir mais seguro do que o necessário a um preço mais alto. Um corretor geralmente mantém contratos com muitas seguradoras, permitindo assim que o corretor "compre" no mercado as melhores taxas e coberturas possíveis.

O seguro também pode ser adquirido por meio de um agente. Um agente vinculado, trabalhando exclusivamente com uma seguradora, representa a seguradora da qual o segurado compra (enquanto um agente livre vende apólices de várias seguradoras). Assim como existe um potencial conflito de interesses com um corretor, um agente tem um tipo diferente de conflito. Como os agentes trabalham diretamente para a seguradora, se houver uma reclamação, o agente pode aconselhar o cliente em benefício da seguradora. Os corretores geralmente não podem oferecer uma variedade de opções tão ampla em comparação com um corretor de seguros.

Um consultor de seguros independente aconselha os segurados sobre uma comissão por serviço, semelhante a um advogado e, portanto, oferece aconselhamento totalmente independente, livre do conflito de interesse financeiro de corretores ou agentes. No entanto, esse consultor ainda deve trabalhar por meio de corretores ou agentes para garantir cobertura para seus clientes.

Benefícios para o consumidor limitados

Nos Estados Unidos, economistas e defensores do consumidor geralmente consideram o seguro valioso para perdas catastróficas de baixa probabilidade, mas não para perdas pequenas e de alta probabilidade. Por causa disso, os consumidores são aconselhados a escolher franquias altas e não fazer seguro de perdas que não causariam uma interrupção em sua vida. No entanto, os consumidores têm mostrado uma tendência a preferir franquias baixas e preferir segurar perdas pequenas e de probabilidade relativamente alta em vez de baixa probabilidade, talvez por não entender ou ignorar o risco de baixa probabilidade. Isso está associado à redução da compra de seguro contra perdas de baixa probabilidade e pode resultar em aumento de ineficiências por risco moral . [73]

Redlining

Redlining é a prática de negar cobertura de seguro em áreas geográficas específicas, supostamente por causa de uma alta probabilidade de perda, enquanto a alegada motivação é a discriminação ilegal. O perfil racial ou linha vermelha tem uma longa história no setor de seguros de propriedade nos Estados Unidos. A partir de uma análise dos materiais de subscrição e marketing do setor, documentos judiciais e pesquisas de agências governamentais, grupos da indústria e da comunidade e acadêmicos, fica claro que a raça há muito afetou e continua a afetar as políticas e práticas do setor de seguros. [74]

Em julho de 2007, a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos (FTC) divulgou um relatório apresentando os resultados de um estudo sobre as pontuações de seguro com base em crédito no seguro de automóveis. O estudo descobriu que esses escores são preditores eficazes de risco. Ele também mostrou que afro-americanos e hispânicos estão substancialmente sobrerrepresentados nas pontuações de crédito mais baixas e substancialmente sub-representados nas mais altas, enquanto os caucasianos e asiáticos estão mais uniformemente distribuídos nas pontuações. As pontuações de crédito também foram encontradas para prever o risco dentro de cada um dos grupos étnicos, levando a FTC a concluir que os modelos de pontuação não são apenas substitutos para o redlining. O FTC indicou que poucos dados estavam disponíveis para avaliar o benefício das pontuações de seguro para os consumidores. [75]O relatório foi contestado por representantes da Consumer Federation of America , da National Fair Housing Alliance, do National Consumer Law Center e do Center for Economic Justice, por se basear em dados fornecidos pela indústria de seguros. [76]

Todos os estados têm disposições em suas leis de regulação de taxas ou em seus atos de prática de comércio justo que proíbem a discriminação injusta, geralmente chamada de redlining, na definição de taxas e na disponibilização de seguros. [77]

Na determinação de prêmios e estruturas de taxas de prêmios, as seguradoras consideram fatores quantificáveis, incluindo localização, pontuação de crédito , gênero , ocupação , estado civil e nível de educação . No entanto, o uso de tais fatores é frequentemente considerado injusto ou ilegalmente discriminatório , e a reação contra essa prática tem, em alguns casos, levado a disputas políticas sobre as maneiras pelas quais as seguradoras determinam os prêmios e a intervenção regulatória para limitar os fatores usados.

O trabalho de um subscritor de seguro é avaliar um determinado risco quanto à probabilidade de ocorrer uma perda. Qualquer fator que cause maior probabilidade de perda deve, teoricamente, ser cobrado uma taxa mais elevada. Este princípio básico de seguro deve ser seguido para que as seguradoras permaneçam solventes. [ carece de fontes? ] Assim, "discriminação" contra (isto é, tratamento diferencial negativo de) segurados em potencial na avaliação de risco e no processo de fixação de prêmio é um subproduto necessário dos fundamentos da subscrição de seguro. [ citação necessária ]Por exemplo, as seguradoras cobram dos idosos prêmios significativamente mais elevados do que cobram dos jovens pelo seguro de vida. As pessoas mais velhas são, portanto, tratadas de forma diferente das pessoas mais jovens (ou seja, é feita uma distinção, ocorre discriminação). A justificativa para o tratamento diferenciado vai ao cerne do risco que uma seguradora de vida assume: pessoas mais velhas tendem a morrer mais cedo do que jovens, então o risco de perda (a morte do segurado) é maior em qualquer período de tempo e, portanto, o o prêmio de risco deve ser maior para cobrir o risco maior. [ carece de fontes? ] No entanto, tratar os segurados de forma diferente quando não há uma razão atuarialmente sólida para fazê-lo é discriminação ilegal.

Patentes de seguros

Novos produtos de garantia agora podem ser protegidos contra cópia com uma patente de método de negócios nos Estados Unidos .

Um exemplo recente de um novo produto de seguro patenteado é o seguro de automóveis baseado no uso . As primeiras versões foram inventadas e patenteadas de forma independente por uma importante seguradora de automóveis dos Estados Unidos, a Progressive Auto Insurance ( Patente dos Estados Unidos 5.797.134 ) e um inventor independente espanhol, Salvador Minguijon Perez ( EP 0700009 ).  

Muitos inventores independentes são a favor de patentear novos produtos de seguro, pois isso lhes dá proteção contra grandes empresas quando lançam seus novos produtos de seguro no mercado. Os inventores independentes respondem por 70% dos novos pedidos de patentes dos EUA nesta área.

Muitos executivos de seguros se opõem a patentear produtos de seguro porque isso cria um novo risco para eles. A seguradora Hartford , por exemplo, recentemente teve que pagar US $ 80 milhões a um inventor independente, Bancorp Services, a fim de resolver uma violação de patente e roubo de ação judicial de segredo comercial para um tipo de produto de seguro de vida de propriedade corporativa inventado e patenteado pelo Bancorp.

Atualmente, existem cerca de 150 novos pedidos de patentes sobre invenções de seguros protocolados por ano nos Estados Unidos. A taxa de emissão de patentes aumentou constantemente de 15 em 2002 para 44 em 2006. [78]

A primeira patente de seguro concedida foi [79], incluindo outro exemplo de um pedido publicado foi US2009005522 "empresa de avaliação de risco" . Foi postado em 6 de março de 2009. Este pedido de patente descreve um método para aumentar a facilidade de troca de seguradoras. [80]

Seguro na demanda

O seguro sob demanda (também IoD) é um serviço de seguro que fornece aos clientes proteção de seguro quando eles precisam, ou seja, apenas episódico em vez de 24 horas por dia , 7 dias por semana , como normalmente fornecido pelas seguradoras tradicionais (por exemplo, os clientes podem comprar um seguro para um único voo em vez de um plano de seguro de viagem de longa duração).

Setor de Seguros e rent-seeking

Certos produtos e práticas de seguro foram descritos como busca de renda pelos críticos. [ carece de fontes? ] Ou seja, alguns produtos ou práticas de seguro são úteis principalmente por causa dos benefícios legais, como redução de impostos, em oposição a fornecer proteção contra riscos de eventos adversos. De acordo com a legislação tributária dos Estados Unidos , por exemplo, a maioria dos proprietários de anuidades variáveis e seguro de vida variável pode investir seus pagamentos de prêmio no mercado de ações e adiar ou eliminar o pagamento de quaisquer impostos sobre seus investimentos até que os resgates sejam feitos. Às vezes, esse diferimento de impostos é a única razão pela qual as pessoas usam esses produtos. [ citação necessária] Outro exemplo é a infra-estrutura legal que permite que o seguro de vida seja mantido em um fundo irrevogável que é usado para pagar um imposto sobre heranças, enquanto os próprios rendimentos são imunes ao imposto sobre heranças.

Preocupações religiosas

Acadêmicos muçulmanos têm opiniões diferentes sobre seguro de vida. As apólices de seguro de vida que rendem juros (ou bônus garantido / NAV) são geralmente consideradas uma forma de riba [81] ( usura ) e algumas consideram até mesmo apólices que não rendem juros uma forma de gharar ( especulação ). Alguns argumentam que o gharar não está presente devido à ciência atuarial por trás da subscrição. [82] Estudiosos rabínicos judeus também expressaram reservas em relação ao seguro como uma forma de evitar a vontade de Deus, mas a maioria o considera aceitável com moderação. [83]

Alguns cristãos acreditam que o seguro representa falta de fé [84] [85] e há uma longa história de resistência ao seguro comercial nas comunidades anabatistas ( menonitas , amish , huteritas , irmãos em Cristo ), mas muitos participam de autosseguro com base na comunidade programas que disseminam o risco em suas comunidades. [86] [87] [88]

Veja também

Artigos específicos do país:

Notas

  1. ^ No entanto, a falência do segurado com uma apólice de "reembolso" não exonera a seguradora. Certos tipos de seguro, por exemplo, indenização trabalhista e responsabilidade civil automóvel, estão sujeitos a requisitos legais de que as partes lesadas tenham acesso direto à cobertura.

Referências

Citations

  1. ^ Novi Dewan. Indústria indiana de seguros de vida e saúde: uma abordagem de marketing . Springer Science & Business Media. p. 2
  2. ^ Veja, por exemplo, Vaughan, EJ, 1997, Risk Management , New York: Wiley.
  3. ^ Hammurabi (1903). Traduzido por Sommer, Otto. "Código de Hammurabi, Rei da Babilônia" . Registros do passado . Washington, DC : Records of the Past Exploration Society . 2 (3): 86 . Página visitada em 20 de junho de 2021 . 238. Se um capitão destrói ... dinheiro para seu dono.
  4. ^ Hamurabi (1904). "Código de Hamurabi, Rei da Babilônia" (PDF) . Liberty Fund . Traduzido por Harper, Robert Francis (2ª ed.). Chicago : University of Chicago Press . p. 85 . Página visitada em 20 de junho de 2021 . §238. Se um barqueiro afundar ... metade de seu valor.
  5. ^ Hamurabi (1910). "Código de Hammurabi, Rei da Babilônia" . Projeto Avalon . Traduzido por King, Leonard William. New Haven, CT : Yale Law School . Página visitada em 20 de junho de 2021 . 238. Se um marinheiro naufragar ... seu valor em dinheiro.
  6. ^ "The Civil Law, Volume I, The Opinions of Julius Paulus, Book II" . Constitution.org . Traduzido por Scott, SP Central Trust Company. 1932 . Página visitada em 16 de junho de 2021 . TÍTULO VII. NO LEX RHODIA. É fornecido pela Lex Rhodia que se a mercadoria for lançada ao mar com o propósito de tornar um navio mais leve, a perda é compensada pela avaliação de tudo que é feita para o benefício de todos.
  7. ^ a b c A história documental do seguro, 1000 BC – 1875 AD Newark, NJ : Prudential Press . 1915. pp.  5-6 . Página visitada em 15 de junho de 2021 .
  8. ^ "Calendário da História Jurídica Mundial de Duhaime" . Dicionário de Leis de Duhaime . Retirado em 9 de abril de 2016 .
  9. ^ The Documentary History of Insurance, 1000 AC-1875 DC Newark, NJ : Prudential Press . 1915. pp.  6–7 . Página visitada em 15 de junho de 2021 .
  10. ^ Tapas Kumar Parida, Debashis Acharya (2016). A Indústria de Seguros de Vida na Índia: Estado Atual e Eficiência . Springer. p. 2. ISBN 9789811022333.
  11. ^ a b c Lewis, Charlton; Ingram, Thomas (1911). "Seguro"  . Em Chisholm, Hugh (ed.). Encyclopædia Britannica . 14 (11ª ed.). Cambridge University Press. pp. 657–658.
  12. ^ J. Franklin, The Science of Conjecture: Evidence and Probability Before Pascal (Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2001), 274-277.
  13. ^ Dickson (1960): 4
  14. ^ Dickson (1960): 7
  15. ^ Palmer, Sarah (outubro de 2007). "Lloyd, Edward ( c. 1648–1713)" . Dicionário Oxford de Biografia Nacional . 1 (ed. Online). Imprensa da Universidade de Oxford. doi : 10.1093 / ref: odnb / 16829 . Arquivado do original em 15 de julho de 2011 . Página visitada em 16 de fevereiro de 2011 . (É necessária uma assinatura ou associação à biblioteca pública do Reino Unido .)
  16. ^ Anzovin, Steven, Famous First Facts 2000, item # 2422, HW Wilson Company, ISBN 0-8242-0958-3 p. 121 A primeira companhia de seguros de vida conhecida do registro foi fundada em 1706 pelo bispo de Oxford e o financista Thomas Allen em Londres, Inglaterra. A empresa, chamada de Sociedade Amigável para um Escritório de Garantia Perpétua, coletava prêmios anuais dos segurados e pagava os indicados dos membros falecidos de um fundo comum. 
  17. ^ Amicable Society, The charters, atos do parlamento e estatutos da corporação da Amicable Society para um escritório de garantia perpétua , Gilbert e Rivington, 1854, p. 4
  18. ^ "Hoje e História: A História da Equitable Life" . 26 de junho de 2009 . Página visitada em 16 de agosto de 2009 .
  19. ^ "Encarta: Seguro de saúde" . Arquivado do original em 17 de julho de 2009.
  20. ^ a b E. P. Hennock, a origem do Estado de bem-estar na Inglaterra e na Alemanha, 1850–1914: Políticas sociais comparadas (2007)
  21. ^ Hermann Beck, Origens do Estado de Bem-Estar Autoritário na Prússia, 1815-1870 (1995)
  22. ^ The Cabinet Papers 1915-1982: National Health Insurance Act 1911. The National Archives, 2013. Recuperado em 30 de junho de 2013.
  23. ^ Bentley B. Gilbert, política social britânica, 1914-1939 (1970)
  24. ^ Gollier C. (2003). Para segurar ou não segurar ?: Um quebra-cabeça de seguros . The Geneva Papers on Risk and Insurance Theory .
  25. ^ Esta discussão foi adaptada de Mehr e Camack "Principles of Insurance", 6ª edição, 1976, pp 34-37.
  26. ^ Associação irlandesa de corretores. Princípios de seguro arquivados em 11 de abril de 2009 na Wayback Machine .
  27. ^ a b C. Kulp & J. Hall, seguro contra acidentes, quarta edição, 1968, página 35
  28. ^ Menapace, Michael (10 de março de 2019). "Perdas por malware podem não ser cobertas devido à exclusão de atos hostis de sua apólice" . The National Law Review . Recuperado em 25 de abril de 2019 .
  29. ^ Stock, Rob (19 de março de 2019). "As seguradoras renunciam a exclusões de terrorismo para vítimas de tiros em Christchurch" . Coisas . Recuperado em 25 de abril de 2019 .
  30. ^ California State PTA (2019), Insurance Guide , revisado em abril de 2019, acessado em 19 de dezembro de 2020
  31. ^ Peter Zweifel; Roland Eisen (24 de fevereiro de 2012). Economia de seguros . Springer Science & Business Media. pp. 268–. ISBN 978-3-642-20547-7.
  32. ^ Kunreuther H. (1996). Mitigando perdas por desastres por meio de seguros . Jornal de risco e incerteza .
  33. ^ Brown RL. (1993). Introdução à tarifação e reserva de sinistros para seguros de bens e acidentes . Publicações ACTEX.
  34. ^ Feldstein, Sylvan G .; Fabozzi, Frank J. (2008). O Manual de Obrigações Municipais . Wiley . p. 614. ISBN 978-0-470-10875-8. Página visitada em 8 de fevereiro de 2010 .
  35. ^ O que fazemos ABI Arquivado em 7 de setembro de 2009 na Wayback Machine . Abi.org.uk. Obtido em 18 de julho de 2013.
  36. ^ Feinman, Jay M. (2010). Atrasar, negar, defender: por que as seguradoras não pagam sinistros e o que você pode fazer a respeito . Portfólio. p. 16. ISBN 9781101196281. OCLC  883320058 .
  37. ^ Weir, Audrey A .; Hampton, John H. (março de 1995). "Princípios Básicos de Gerenciamento de Riscos e Seguros". The Journal of Risk and Insurance . 62 (1): 157. doi : 10,2307 / 253703 . ISSN 0022-4367 . JSTOR 253703 .  
  38. ^ Fitzpatrick, Sean, Fear is the Key: A Behavioral Guide to Underwriting Cycles, 10 Conn. Ins. LJ 255 (2004).
  39. ^ Berger, Allen N .; Cummins, J. David; Weiss, Mary A. (outubro de 1997). "A Coexistência de Sistemas de Distribuição Múltiplos para Serviços Financeiros: O Caso do Seguro de Responsabilidade Civil" (PDF) . Journal of Business . 70 (4): 515–46. doi : 10.1086 / 209730 . Arquivado do original (PDF) em 19 de setembro de 2000. ( rascunho online arquivado em 22 de junho de 2010 na Wayback Machine )
  40. ^ Instituto de informações de seguros . "Informações de seguro comercial. O que é coberto por uma apólice de proprietário de empresa?" . Página visitada em 9 de maio de 2007 .
  41. ^ "Seguro de Risco do Construtor: Cobertura Especializada para Projetos de Construção" . Ajustando hoje . Adjusters International . Página visitada em 16 de outubro de 2009 .
  42. ^ a b c Ali, Williams; Abdulai, Awudu; Mishra, Ashok K. (6 de outubro de 2020). "Avanços recentes nas análises da demanda por seguro agrícola em países em desenvolvimento e emergentes". Revisão anual da economia de recursos . Revisões anuais . 12 (1): 411–430. doi : 10.1146 / annurev-resource-110119-025306 . ISSN 1941-1340 . S2CID 225173762 .  
  43. ^ US application 20.060.287.896 "Método para fornecer seguro de safra para uma safra associada a um atributo definido" 
  44. ^ Born, Lorna; Spillane, Charles; Murray, Una (20 de dezembro de 2018). "Integrando gênero no seguro agrícola baseado em índices: um foco na África do Sul". Desenvolvimento na prática . 29 (4): 409–423. doi : 10.1080 / 09614524.2018.1556608 . hdl : 10568/102499 . ISSN 0961-4524 . S2CID 158288729 .  
  45. ^ Instituto de informações de seguros . "O que é seguro residencial?" . Página visitada em 11 de novembro de 2008 .
  46. ^ Miller, Nathan. "Seguro para proprietários: protegendo seu investimento" . Forbes . Página visitada em 27 de outubro de 2019 .
  47. ^ Marinheiro, SM; Kittredge, C. (primavera de 1997). “Seguro de Responsabilidade Civil Excedente: Direito e Contencioso”. Tort & Insurance Law Journal . 32 (3): 653–714. JSTOR 25763179 . 
  48. ^ Tipos de seguro empresarial | SBA.gov Arquivado em 29 de junho de 2010 na Wayback Machine . Business.gov. Obtido em 18 de julho de 2013.
  49. ^ Breathe Insurance Brokers Ltd., Plant Hire Insurance , acessado em 1º de novembro de 2020
  50. ^ Blitz, Gary; Schoenberg, Daniel. "REITs privados: facilitando uma saída mais limpa com seguro fiscal" . Consultores de transação . ISSN 2329-9134 . 
  51. ^ Margaret E. Lynch, Editora, "Health Insurance Terminology", Health Insurance Association of America, 1992, ISBN 1-879143-13-5 
  52. ^ Lencsis, Peter M. (1998). Remuneração do trabalhador: referência e guia . Westport, Connecticut: Quorum Books. pp. 75–76. ISBN 9781567201741. Retirado em 30 de dezembro de 2020 .
  53. ^ a b Teale, John (2013). Seguros e gerenciamento de riscos . Sydney, Austrália: CCH / Wolters Kluwer. p. 40. ISBN 978-1-922042-88-0. A retenção de risco ocorre quando um indivíduo ou empresa retém todo ou parte de um determinado risco. A retenção de risco é geralmente apropriada quando a frequência de perda é baixa e sua gravidade é baixa. A retenção de risco também pode ser apropriada para riscos de alta frequência e baixa gravidade, onde as perdas potenciais são de baixo valor. A retenção de riscos pode ser ativa ou passiva. A retenção ativa de risco refere-se à situação em que um indivíduo reconhece o risco e deliberadamente escolhe reter todo ou parte desse risco. Isso pode ser alcançado por uma empresa ou indivíduo que opte por arcar com os primeiros $ 500 de qualquer perda como excesso de apólice (ou franquia). Uma franquia (ou dedução) é uma provisão na apólice pela qual um valor específico é deduzido do pagamento da perda de outra forma pagável ao segurado. Alternativamente,o gestor de risco pode decidir auto-seguro de todo o risco, poupando assim o que teria pago como prémio de seguro. A retenção ativa de risco é usada porque um excesso de apólice eliminará as pequenas reclamações de apólices e as despesas administrativas de ajuste dessas reclamações, resultando em prêmios reduzidos. Também é usado quando o seguro não está disponível ou é muito caro.
  54. ^ Marcos Antonio Mendoza, "Resseguro como governança: grupos de gerenciamento de risco governamental como um estudo de caso no papel da governança desempenhado por instituições de resseguro", 21 Conn. Ins. LJ 53, 55-60 (2014) https://ssrn.com/abstract=2573253
  55. ^ a b "O manual da indústria: A indústria de seguros" . Investopedia . 7 de janeiro de 2004. Arquivado do original em 7 de setembro de 2018 . Retirado em 28 de novembro de 2018 .
  56. ^ David Ransom (2011). IF1 - Insurance, Legal & Regulatory . Chartered Insurance Institute. p. 2/5. ISBN 978-0-85713-094-5.
  57. ^ Ross, Sean. “O Modelo de Negócio das Resseguradoras” . Investopedia . Retirado em 26 de agosto de 2021 .
  58. ^ Liberto, Daniel. "Organizações Lloyd's" . Investopedia . Retirado em 26 de agosto de 2021 .
  59. ^ "Seguro admitido" . investopedia.com . 29 de janeiro de 2018 . Página visitada em 15 de janeiro de 2019 .
  60. ^ "Seguro" (PDF) . TheCityUK. Dezembro de 2011. Arquivado do original (PDF) em 5 de janeiro de 2012.  (365 KB) p. 2
  61. ^ Radwan, Sam (15 de junho de 2010). "Mercado de seguros da China: lições de Taiwan" . Bloomberg Businessweek . Arquivado do original em 19 de junho de 2010. Página visitada em 6 de novembro de 2012.
  62. ^ Randall S. (1998). "Regulamento de Seguros nos Estados Unidos: Federalismo Regulatório e a Associação Nacional de Comissários de Seguros" . Arquivado em 11 de maio de 2011 na Wayback Machine . Revisão da Lei da Florida State University .
  63. ^ J Schacht, B Foudree. (2007). "Um estudo sobre a autoridade do Estado: argumentando para a supervisão adequada de seguros" . Arquivado em 10 de maio de 2011 na Wayback Machine . NCOIL
  64. ^ CJ Campbell, L. Goldberg, A. Rai. (2003). "O Impacto das Diretivas de Seguros da União Europeia nas Ações das Companhias de Seguros" . The Journal of Risk and Insurance .
  65. ^ Haurant S. (2005). "FSA assume regulamentação de seguros" . The Guardian .
  66. ^ Adams J. (2012). “O impacto da mudança da regulamentação no setor de seguros” . Autoridade de Serviços Financeiros .
  67. ^ "Reformando a lei do contrato de seguro do Reino Unido" . Lloyd's. 30 de agosto de 2012. Arquivado do original em 14 de janeiro de 2013.
  68. ^ "Lei de seguros da República Popular da China - 1995" . Lehman, Lee & Xu.
  69. ^ Thomas JE. (2002). "O papel e os poderes da comissão reguladora de seguros da China na administração da legislação de seguros na China" . Arquivado em 11 de maio de 2011 na Wayback Machine . Geneva Papers on Risk and Insurance .
  70. ^ "Os sites das seguradoras recebem as primeiras marcas | Банк России" . www.cbr.ru . Página visitada em 21 de maio de 2018 .
  71. ^ Libatique, Roxanne. “Corretor sênior sobre a importância de reduzir a exposição ao risco dos clientes” . www.insurancebusinessmag.com . Página visitada em 5 de novembro de 2020 .
  72. ^ O'Hare, Paul; Branco, Iain; Connelly, Angela (1 de setembro de 2015). "Seguro como má adaptação: resiliência e o paradoxo do 'business as usual'" (PDF) . Meio Ambiente e Planejamento C: Governo e Política . 34 (6): 1175–1193. doi : 10.1177 / 0263774X15602022 . ISSN 0263-774X . S2CID 155016786 .   
  73. ^ Schindler, RM (1994). Motivação do consumidor para adquirir seguros com baixa franquia . Em Marketing and Public Policy Conference Proceedings , vol. 4, DJ Ringold (ed.), Chicago, IL: American Marketing Association, 147-155.
  74. ^ Gregory D. Squires (2003), "Racial Profiling, Insurance Style: Insurance Redlining and the Uneven Development of Metropolitan Areas", Journal of Urban Affairs Volume 25 Edição 4 pp. 391–410, novembro de 2003
  75. ^ Pontuações do seguro com base em crédito: Impactos sobre os consumidores de seguro automóvel , Federal Trade Commission (julho de 2007)
  76. ^ Consumers Dispute FTC Report on Insurance Credit Scoring www.consumeraffairs.com (julho de 2007)
  77. ^ Instituto de informações de seguros . "Atualização de Problemas: Modernização da Regulamentação" . Página visitada em 11 de novembro de 2008 .
  78. ^ "(Fonte: Insurance IP Bulletin, 15 de dezembro de 2006)" . Arquivado do original em 27 de setembro de 2007.
  79. ^ "FPO IP Research & Communities" . www.freepatentsonline.com .
  80. ^ Bakos, Nowotarski, " An Experiment in Better Patent Examination ", Insurance IP Bulletin, 15 de dezembro de 2008.
  81. ^ "Islã Pergunta e Resposta - A verdadeira natureza do seguro e as decisões a respeito" . Página visitada em 18 de janeiro de 2010 .
  82. ^ "Seguro de Vida de uma Perspectiva Islâmica" . Arquivado do original em 22 de maio de 2010 . Página visitada em 18 de janeiro de 2010 .
  83. ^ "Associação Judaica de Ética Empresarial - Seguros" . Arquivado do original em 19 de abril de 2010 . Página visitada em 25 de março de 2008 .
  84. ^ "Seguro: Uma Perspectiva Cristã - Fé nos Negócios" . www.faith-in-business.org . Página visitada em 5 de janeiro de 2021 .
  85. ^ "Os cristãos devem comprar seguro?" . Crosswalk.com . Recuperado em 25 de dezembro de 2018 .
  86. ^ Rubinkam, Michael (5 de outubro de 2006). "Amish aceita relutantemente doações" . The Washington Post . Página visitada em 25 de março de 2008 .
  87. ^ Donald B. Kraybill (1989). O enigma da cultura Amish . Baltimore: Johns Hopkins University Press. p. 277. ISBN 978-0-8018-3682-4.
  88. ^ "Global Anabaptist Mennonite Encyclopedia Online, Insurance" . Página visitada em 18 de janeiro de 2010 .

Fontes

Ligações externas