Busca de informações

Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Ir para a navegação Saltar para pesquisar

A busca de informações é o processo ou atividade de tentar obter informações em contextos humanos e tecnológicos. A busca de informação está relacionada, mas diferente, de recuperação de informação (RI).

Comparado com a recuperação de informações

Tradicionalmente, as ferramentas de RI foram projetadas para profissionais de RI para permitir que eles recuperem informações de uma fonte de forma eficaz e eficiente. Supõe-se que a informação existe na fonte e que uma consulta bem formada irá recuperá-la (e nada mais). Argumenta-se que a busca de informações por leigos na internet é muito diferente da recuperação de informações realizada no discurso de RI. No entanto, os mecanismos de pesquisa da Internet são construídos com base nos princípios de RI. Desde o final da década de 1990, um corpo de pesquisa sobre como os usuários casuais interagem com os mecanismos de busca da Internet vem se formando, mas o tópico está longe de ser totalmente compreendido. Pode-se dizer que o RI é orientado para a tecnologia, com foco em algoritmos e questões como precisão e recall. A busca de informações pode ser entendida como um processo mais aberto e orientado para o ser humano do que a recuperação de informações. Na busca de informação, não se sabe se existe uma resposta à sua pergunta, então o processo de busca pode fornecer o aprendizado necessário para satisfazer a necessidade de informação .

Em diferentes contextos

Muitas pesquisas em biblioteconomia e ciência da informação (LIS) se concentraram nas práticas de busca de informações de profissionais em vários campos de trabalho profissional. Estudos foram realizados sobre os comportamentos de busca de informações de bibliotecários, [1] acadêmicos, [2] profissionais médicos, [3] engenheiros, [4] advogados [5] [6] e minipúblicos [7](entre outros). Grande parte dessa pesquisa se baseou no trabalho realizado por Leckie, Pettigrew (agora Fisher) e Sylvain, que em 1996 conduziram uma extensa revisão da literatura LIS (assim como a literatura de outros campos acadêmicos) sobre a busca de informações por profissionais. Os autores propuseram um modelo analítico do comportamento de busca de informação dos profissionais, que se pretende generalizável entre as profissões, fornecendo assim uma plataforma para futuras pesquisas na área. O modelo pretendia "provocar novos insights... e dar origem a teorias mais refinadas e aplicáveis ​​de busca de informações" (1996, p. 188). O modelo foi adaptado por Wilkinson (2001) que propõe um modelo de busca de informação dos advogados. Estudos recentes neste tópico abordam o conceito de coleta de informações que "[8] (Solomon & Bronstein, 2021).

Teorias do comportamento de busca de informação

Uma variedade de teorias do comportamento da informação – por exemplo , o Princípio do Mínimo Esforço de Zipf , o Sense Making de Brenda Dervin , a Life in the Round de Elfreda Chatman – procuram compreender os processos que cercam a busca de informações. Além disso, muitas teorias de outras disciplinas têm sido aplicadas na investigação de um aspecto ou de todo o processo do comportamento de busca de informações. [9] [10]

Uma revisão da literatura sobre o comportamento de busca de informação mostra que a busca de informação tem sido geralmente aceita como dinâmica e não linear (Foster, 2005; Kuhlthau 2006). As pessoas vivenciam o processo de busca de informações como uma interação de pensamentos, sentimentos e ações ( Kuhlthau, 2006 ). Donald O. Case (2007) também escreveu um bom livro que é uma revisão da literatura.

Descobriu-se que a busca de informações está ligada a uma variedade de comportamentos de comunicação interpessoal além de fazer perguntas, incluindo estratégias como respostas de candidatos.

Robinson (2010) [11]a pesquisa sugere que, ao buscar informações no trabalho, as pessoas confiam tanto em outras pessoas quanto em repositórios de informações (por exemplo, documentos e bancos de dados) e gastam quantidades semelhantes de tempo consultando cada um (7,8% e 6,4% do tempo de trabalho, respectivamente; 14,2% no total). ). No entanto, a distribuição do tempo entre os estágios de busca de informações constituintes difere dependendo da fonte. Ao consultar outras pessoas, as pessoas gastam menos tempo localizando a fonte de informação e as informações dentro dessa fonte, tempo semelhante entendendo a informação e mais tempo resolvendo problemas e tomando decisões, do que consultando repositórios de informações. Além disso, a pesquisa descobriu que as pessoas gastam substancialmente mais tempo recebendo informações passivamente (ou seja, informações que não solicitaram) do que ativamente (ou seja, informações que solicitaram).

Modelo aninhado de áreas conceituais de Wilson

Modelo Aninhado de Áreas Conceituais de Wilson

Os conceitos de busca de informação, recuperação de informação e comportamento informacional são objetos de investigação da ciência da informação . Dentro desta disciplina científica, uma variedade de estudos foi realizada analisando a interação de um indivíduo com fontes de informação no caso de uma necessidade de informação específica , tarefa e contexto. Os modelos de pesquisa desenvolvidos nesses estudos variam em seu nível de abrangência. Wilson (1999) desenvolveu, portanto, um modelo aninhado de áreas conceituais, que visualiza a inter-relação dos conceitos centrais aqui mencionados.

Wilson define modelos de comportamento informacional como "afirmações, muitas vezes na forma de diagramas, que tentam descrever uma atividade de busca de informações, as causas e consequências dessa atividade, ou as relações entre os estágios do comportamento de busca de informações" (1999: 250).

Veja também

Referências

  1. ^ Marrom, CM; Ortega, L. (2007). "Comportamento de busca de informações de bibliotecários de ciências físicas: a pesquisa informa a prática" . Bibliotecas de faculdades e pesquisas . 66 (3): 231–247. doi : 10.5860/crl.66.3.231 .
  2. ^ Hemminger, BM; Lu, D.; Vaughan, KTL; Adams, SJ (2007). "Comportamento de busca de informação de cientistas acadêmicos" . Jornal da Sociedade Americana de Ciência e Tecnologia da Informação . 58 (14): 2205-2225. doi : 10.1002/asi.20686 . S2CID 6142949 . 
  3. ^ Davies, K.; Harrison, J. (2007). "O comportamento de busca de informações dos médicos: uma revisão das evidências" . Revista de Informação e Bibliotecas em Saúde . 24 (2): 78–94. doi : 10.1111/j.1471-1842.2007.00713.x . PMID 17584211 . 
  4. ^ Robinson, MA (2010). "Uma análise empírica dos comportamentos de informação dos engenheiros" . Jornal da Sociedade Americana de Ciência e Tecnologia da Informação . 61 (4): 640–658. doi : 10.1002/asi.21290 . S2CID 15130260 . 
  5. ^ Kuhlthau, CC; Tama, SL (2001). "Processo de busca de informações de advogados: uma chamada para serviços de informação 'só para mim'". Revista de Documentação . 57 (1): 25–43. doi : 10.1108/EUM0000000007076 .
  6. ^ Salomão, Y.; Bronstein, J. (2021). "A prática de coleta de informações de profissionais liberais em um ambiente de trabalho: mais do que apenas buscar informações". Revista de Biblioteconomia e Ciência da Informação . TBA (TBA). doi : 10.1177/0961000621992810 . S2CID 233978764 . 
  7. ^ O Sol, Feng; Cai, Guoray (7 de junho de 2017). Revisão da questão da comunidade: cristalizando o conhecimento para incentivar o engajamento cívico . ACM. págs. 260-269. doi : 10.1145/3085228.3085293 . ISBN 9781450353175. S2CID  31914413 .
  8. ^ Salomão, Y.; Bronstein, J. (2021). "A prática de coleta de informações de profissionais liberais em um ambiente de trabalho: mais do que apenas buscar informações". Revista de Biblioteconomia e Ciência da Informação . TBA (TBA). doi : 10.1177/0961000621992810 . S2CID 233978764 . 
  9. ^ Khosrowjerdi, M. 2016. Uma revisão de modelos teóricos de confiança no contexto de saúde online. IFLA Journal, 42 (3), 189-206, disponível http://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/0340035216659299
  10. Khosrowjerdi, M., Sundqvist, A., Byström, K. (2019). Padrões Culturais de Uso de Fontes de Informação: Um Estudo Global de 47 Países. Jornal da Associação para Ciência e Tecnologia da Informação. https://doi.org/10.1002/asi.24292
  11. ^ Robinson, MA (2010). "Uma análise empírica dos comportamentos de informação dos engenheiros" . Jornal da Sociedade Americana de Ciência e Tecnologia da Informação . 61 (4): 640–658. doi : 10.1002/asi.21290 . S2CID 15130260 . 

Geral