Gianni Vattimo

Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Ir para a navegação Saltar para pesquisar
Gianni Vattimo
Vattimo, Gianni (1936-vivente) - Foto de Giovanni Dall'Orto - Como 22-5-99.jpg
Nascer
Giganteresio Vattimo

( 1936-01-04 )4 de janeiro de 1936 (86 anos)
Alma materUniversidade de Turim ( Laurea , 1959)
EraFilosofia contemporânea
Regiãofilosofia ocidental
EscolaFilosofia Continental
Fenomenologia
Hermenêutica
Principais interesses
Ética
Filosofia Política
Ideias notáveis
Pensiero debole (pensamento fraco)

Gianteresio Vattimo (nascido em 4 de janeiro de 1936) é um filósofo e político italiano .

Biografia

Gianteresio Vattimo nasceu em Turim , Piemonte . Ele estudou filosofia com o existencialista Luigi Pareyson na Universidade de Turim , e graduou-se com laurea em 1959. Em 1963 mudou-se para Heidelberg e estudou com Karl Löwith , Habermas e Hans-Georg Gadamer com uma bolsa da Fundação Alexander von Humboldt . [1] Em seguida, Vattimo retornou a Turim, onde se tornou professor assistente em 1964, e mais tarde professor titular de Estéticaem 1969. Enquanto permaneceu em Turim, tornando-se Professor de Filosofia Teórica em 1982, foi professor visitante em várias universidades americanas.

Por suas obras, recebeu títulos honorários das universidades de La Plata , Palermo , Madri , Havana , San Marcos de Lima.

Vattimo diz que foi dispensado do serviço militar. [2]

Depois de ser ativo no Partido Radical , na efêmera Alleanza per Torino , e nos Democratas de Esquerda , Vattimo ingressou no Partido dos Comunistas Italianos . Foi eleito deputado ao Parlamento Europeu primeiro em 1999 e para um segundo mandato em 2009.

Ele é abertamente gay e um niilista que abraçou a idéia de Friedrich Nietzsche sobre a morte de Deus . [3]

Filosofia

A filosofia de Vattimo pode ser caracterizada como pós -moderna com sua ênfase no "pensiero debole" (pensamento fraco). Isso exige que as certezas fundacionais da modernidade com sua ênfase na verdade objetiva fundada em um sujeito racional unitário sejam abandonadas para uma concepção mais multifacetada e mais próxima daquela das artes . Ele se baseia na filosofia de Martin Heidegger com sua crítica dos fundamentos e na filosofia hermenêutica de seu professor Hans-Georg Gadamer . Talvez sua maior influência seja o pensamento de Friedrich Nietzsche , cuja "descoberta da 'mentira', a descoberta que alegava 'valores 'e estruturas metafísicas são apenas um jogo de forças" (1993:93), desempenha um papel importante na noção de "pensamento fraco" de Vattimo.

Vattimo rejeita qualquer noção de uma estrutura transcendental da razão ou da realidade que seria dada de uma vez por todas. Isso não implica a perda da verdade , mas uma reinterpretação heideggeriana da verdade como abertura de horizontes. Tal verdade é mais profunda do que proposições que são possibilitadas por tais aberturas. As filosofias são então sempre respostas a questões contingentes , são ' ontologias da atualidade ', tese que pode ser confirmada pelos vínculos histórico-culturais de filosofias particulares. Para que a hermenêutica seja consistente com sua própria rejeição da metafísica, deve apresentar-se, argumenta Vattimo "como a interpretação filosófica mais persuasiva de uma situação ou ' época '" (1997:10). Para isso, Vattimo propõe uma leitura da hermenêutica como tendo uma vocação "niilista". [4]

Para Vattimo, a hermenêutica tornou-se chata e vaga, sem qualquer significado claro para problemas filosóficos. Sua resposta é insistir nas consequências niilistas da hermenêutica. A afirmação de que "não existem fatos apenas interpretações e isso também é uma interpretação" equivale a dizer que a hermenêutica não pode ser vista como a descrição mais precisa/verdadeira das estruturas permanentes da realidade da existência humana . A hermenêutica não é uma teoria metafísica nesse sentido e, portanto, só pode ser "provada" ao ser apresentada como a resposta a uma história do ser, uma história da fabulação do mundo, do enfraquecimento das estruturas, ou seja, como a ocorrência de niilismo.

Essa leitura niilista da história envolve uma certa atitude em relação à modernidade , pela qual a modernidade é dissolvida de dentro por meio de uma radicalização distorcida de suas premissas. Vattimo usa o termo Verwindung de Heidegger para capturar essa recuperação pós-moderna da modernidade.

A história como processo de enfraquecimento (secularização e desencanto são outros termos usados ​​por Vattimo) "assume a forma de uma decisão pela não-violência" (1992:95). Uma ética da comunicação nos moldes sugeridos por Jürgen Habermas sofre, segundo Vattimo, de se encontrar numa posição substancialmente a-histórica, oscilando entre o formalismo e o relativismo cultural (1992:117). Para Vattimo é somente quando a hermenêutica aceita seu destino niilista que "ela pode encontrar na 'negatividade', na dissolução como o 'destino do Ser' ... o princípio orientador que lhe permite realizar sua própria inclinação original para a ética, sem restaurar a metafísica nem se render à futilidade de uma filosofia relativista da cultura" (1992: 119).

Em 2004, após deixar o partido dos Democratas de Esquerda, endossou o marxismo , reavaliando positivamente seus princípios projetuais e desejando um "retorno" ao pensamento do filósofo Trier e a um comunismo , livre de desdobramentos soviéticos distorcidos, que ser dialeticamente superado. Vattimo afirma a continuidade de suas novas escolhas com o "pensamento fraco", tendo mudado "muitas de suas idéias". Ele se refere a um "Marx enfraquecido", [5]como base ideológica capaz de mostrar a real natureza do comunismo. A nova abordagem marxista, portanto, surge como um desenvolvimento prático do "pensamento fraco" no quadro de uma perspectiva política. Seu próximo livro político, em coautoria com Santiago Zabala, é Hermeneutic Communism: From Heidegger to Marx (2011).

Os autores explicam o livro Hermeneutic Communism da seguinte forma: "Embora o material aqui publicado nunca tenha sido lançado antes, há dois livros que determinaram a produção deste texto: Ecce Comu de Gianni: Come si diventa cio che si era (2007) e Os restos do ser , de Santiago : Ontologia hermenêutica após a metafísica (2009). No primeiro, Vattimo enfatizou a necessidade política de reavaliar o comunismo ; no segundo, Zabala insistiu na natureza progressiva da hermenêutica . O comunismo hermenêutico pode ser considerado um desenvolvimento radical de ambos ." [6]

Pontos de vista e opiniões

Apoio ao Hamas

Vattimo acrescentou seu nome a uma petição divulgada em 28 de fevereiro de 2009, pedindo à União Européia que retire o Hamas de sua lista de organizações terroristas e lhe conceda pleno reconhecimento como uma voz legítima do povo palestino .

Em 22 de julho de 2014, em resposta à operação militar das FDI em Gaza contra os ataques do Hamas a Israel , Vattimo disse que gostaria pessoalmente de "atirar naqueles sionistas bastardos" e acha que os europeus deveriam arrecadar dinheiro "para comprar mais foguetes ao Hamas". [2] Ele expressou sua vontade de ir a Gaza e lutar lado a lado com o Hamas e afirmou, quando perguntado se ele atiraria em israelenses, que: 'Por natureza eu não sou violento, mas eu atiraria naqueles ( deles) que bombardeiam hospitais, clínicas particulares e crianças.' Vattimo acrescentou que para ele estes eram 'puros nazis', o próprio estado um estado nazi (uno stato nazista) talvez um pouco pior até do que Hitler porque no caso de Israel têm o apoio das grandes democracias ocidentais.

Acusações de anti-semitismo

Vattimo foi acusado de anti-semitismo devido ao seu anti-sionismo . Renzo Gattegna , presidente da União das Comunidades Judaicas Italianas , acusou-o de anti-semitismo, escrevendo "palavras de ódio que não acrescentam nada de novo e são acompanhadas pela esquálida reproposta de estereótipos anti-semitas". [8] [9] Rabi Barbara Aiello, a primeira rabina da Itália, também acusou Vattimo de anti-semitismo. Reagindo às suas declarações de "bastardos sionistas" e a outras semelhantes, os ministros das Relações Exteriores da Itália, França e Alemanha disseram que condenam tal linguagem, bem como a violência que ocorreu em manifestações pró-palestinas na Europa. [10]Pronunciado em um momento de indignação contra o prolongado bombardeio de Gaza pelo exército israelense, Vattimo pediu desculpas a um jornal israelense ( Haaretz ). "Em entrevista por telefone [...], Gianni Vattimo disse que "lamenta" tais palavras e "se sente envergonhado" por elas", [11] alegando que foi "provocado" pelos apresentadores do programa em que fez seus comentários . [12]

Trabalhos selecionados

Vattimo em Lima, Peru, em 2010
  • (1991) O Fim da Modernidade: Niilismo e Hermenêutica na Cultura Pós-moderna , traduzido por John R. Snyder, Polity Press, 1991. Tradução de La fine della modernità , Garzanti, Milão, 1985
  • (1992) The Transparent Society , traduzido por David Webb, Johns Hopkins University Press, 1994. Tradução de La società trasparente , Garzanti, Milão, 1989
  • (1993) The Adventure of Difference: Philosophy after Nietzsche and Heidegger , traduzido por Thomas Harrison e Cyprian P. Blamires, Johns Hopkins University Press, 1993. Tradução de Le avventure della differenza , Garzanti, Milão, 1980
  • (1997) Além da Interpretação: O Significado da Hermenêutica para a Filosofia , traduzido por David Webb, Stanford University Press, 1997. Tradução de Oltre l'interpretazione , Laterza, Roma-Bari, 1994
  • (1998) Religião por Jacques Derrida, editado por Gianni Vattimo, traduzido por David Webb, Stanford University Press, 1998
  • (1999) Crença por Gianni Vattimo, et al., Polity Press, 1999. Tradução de Credere di credere , Garzanti, Milão, 1996
  • (2002a) Nietzsche: Filosofia como Crítica Cultural , traduzido por Nicholas Martin Stanford University Press, 2002. Tradução de Introduzione a Nietzsche , Laterza, Rome-Bari,1985
  • (2002b) After Christianity , Nova York: Columbia University Press, 2002.
  • (2004) Niilismo e Emancipação: Ética, Política e Direito , editado por Santiago Zabala, Columbia University Press, 2004
  • (2005) The Future of Religion , Richard Rorty e Gianni Vattimo, editado por Santiago Zabala, Columbia University Press, 2005
  • (2006) Após a morte de Deus , John D. Caputo e Gianni Vattimo, editado por Jeffrey W. Robbins, Columbia University Press.
  • (2008) Diálogo com Nietzsche , Gianni Vattimo, Columbia University Press.
  • (2008) Art's Claim to Truth , Gianni Vattimo, editado por Santiago Zabala, Columbia University Press.
  • (2009) Cristianismo, Verdade e Fé Fraca , Gianni Vattimo e René Girard, editado por P. Antonello, Columbia University Press.
  • (2010) A Responsabilidade do Filósofo , Gianni Vattimo, editado por Franca D'Agostini, Columbia University Press.
  • (2011) Comunismo Hermenêutico , Gianni Vattimo e Santiago Zabala, Columbia University Press.
  • (2012) Weak Thought , traduzido por Peter Carravetta , série SUNY in Contemporary Italian Philosophy, 2012. Tradução de Il pensiero debole , Feltrinelli, Milano, 1983
  • (2014) Desconstruindo o sionismo: uma crítica da metafísica política , editado por Gianni Vattimo e Michael Marder , Bloomsbury.

Veja também

Referências

  1. Gianni Gattino (13 de julho de 2019). "Sul sentiero dei filosofi due righe cambiano tutto" . La Stampa (em italiano) . Recuperado em 21 de junho de 2021 .
  2. ^ a b Filósofo italiano conhecido: 'Eu gostaria de atirar naqueles sionistas bastardos'
  3. ^ Robert Savino Oventile. ""Mellow Niilism": Uma Revisão do Niilismo e Emancipação de Gianni Vattimo . Revista Sobriquet . Recuperado em 2007-07-17 .
  4. ^ Matthias Riedl. Riedl, Matthias (janeiro de 2010). "A Permanência do Escatológico: Reflexões sobre a Idade Hermenêutica de Gianni Vattimo" . Discutindo o Pós-Secular .em Discurso do pós-secular: ensaios sobre a virada pós-secular habermasiana . Editado por Péter Losonczi e Aakash Singh. LIT: Münster 2010, pp. 111-126.
  5. ^ Gianni Vattimo. Ecce com. Venha si ri-diventa ciò che si era . Fazi. Roma, 2007
  6. ^ Gianni Vattimo e Santiago Zabala. Comunismo Hermenêutico: De Heidegger a Marx Columbia University Press. 2011. Pág. VII
  7. ^ Gisella Ruccia, 'Israele? Nazisti puri, forse peggio di Hitler,' Arquivado 2015-12-10 no Wayback Machine Il Fatto Quotidiano em 16 de julho de 2014.
  8. ^ "Político filósofo italiano bateu como antissemita" . Gazzetta del Mezzogiorno . Bari, Itália. 17 de julho de 2014 . Recuperado em 23 de julho de 2014 .
  9. ^ "Líderes espirituais incitam a violência no conflito de Gaza" . i24 Notícias . Luxemburgo: Newslux Sarl. 23 de julho de 2014 . Recuperado em 23 de julho de 2014 .
  10. ^ Giuffrida, Angela (23 de julho de 2014). "'Atire naqueles sionistas bastardos': estudioso italiano" . The Local . Rome: The Local Europe AB . Recuperado em 23 de julho de 2014 .
  11. ^ "Filósofo italiano pede desculpas por dizer que queria 'atirar naqueles sionistas bastardos'" . Haaretz .
  12. ^ [1] , sobre "<Haaretz>".

Leitura adicional

  • Marta Frascati-Lochhead. Kenosis e Teologia Feminista. O Desafio de Gianni Vattimo (SUNY, 1998)
  • Rossano Pecoraro , Niilismo e Pós (Modernidade). Introdução ao pensamento fraco de Gianni Vattimo , Rio de Janeiro-São Paulo, PUC-Loyola ED. 2005.
  • Martin G. Weiss, Gianni Vattimo. Einführung. Mit einem Interview mit Gianni Vattimo , Passagen Verlag, 2. Auflage: Wien 2006. ISBN 3-85165-738-1 . 
  • Giovanni Giorgio, Il pensiero di Gianni Vattimo. L'emancipazione dalla metafisica tra dialettica ed ermeneutica , Franco Angeli, Milano, 2006
  • Davide Mônaco, Gianni Vattimo. Ontologia ermeneutica, cristianesimo e postmodernità , Ets, Pisa 2006
  • Enfraquecimento da filosofia. Essays in Honor of Gianni Vattimo , editado por Santiago Zabala (com contribuições de U. Eco, C. Taylor, R. Rorty, JL. Nancy, F. Savater e muitos outros), Montreal: McGill-Queen's University Press, 2007.
  • Enrico Redaelli, Il nodo dei nodi. L'esercizio del pensiero em Vattimo, Vitiello, Sini , Ets, Pisa 2008.
  • Wolfgang Sützl, Emancipación o Violencia. Pacifismo estético em Gianni Vattimo. Barcelona: Icária 2007.
  • Ashley Woodward, Revisão da Filosofia de Enfraquecimento. Ensaios em Honra de Gianni Vattimo , Editado por Santiago Zabala", em "Colóquio" Edição 15 de junho de 2008.
  • Mario Kopić , Gianni Vattimo Čitanka (Gianni Vattimo Reader) , Zagreb, Antibarbarus, 2008. ISBN 978-953-249-061-9 
  • Entre o Niilismo e a Política. A Hermenêutica de Gianni Vattimo. Editado por Silvia Benso e Brian Schroeder. Nova York: Suny 2010. ISBN 978-1-4384-3285-4 
  • Matthew Edward Harris, Ensaios sobre Gianni Vattimo: Religião, Ética e História das Ideias . Newcastle-Upon-Tyne: Cambridge Scholars Publishing, 2016.
  • Tommaso Franci, Vattimo o del nihilismo , Roma, Armando, 2011.
  • Ricardo Milla, Vattimo y la hermenéutica política, en Isegoria (Madrid), 2011, julio, No 44, pp. 339–343
  • Lozano Pino, Jesús, "El amor es el límite. Reflexiones sobre el cristianismo hermenêutico de G. Vattimo y sus consecuencias teológico-políticas", Madrid, Dykinson, 2015. ISBN 978-84-9085-269-9 ISBN eletrônico: 978- 84-9085-282-8 
  • Brais González Arribas, Reduzindo a Violência. A hermenêutica niilista de Gianni Vattimo . Madri, Dykinson, 2016.
  • Emilio Carlo Corriero, "Morte de Deus de Nietzsche e filosofia italiana". Prefácio de Gianni Vattimo, Rowman & Littlefield, Londres - Nova York, 2016
  • Lozano Pino, Jesús, "El último Vattimo: Lección inaugural curso 2019-2020 de los Centros Teológicos de Málaga, Diocesis de Málaga, DL 2019. Depósito Legal:MA 1158-2019, ISBN 978-84-0914742-7 . 

Links externos