René Descartes

Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Ir para navegação Pular para pesquisar

René Descartes
Frans Hals - Portret van René Descartes.jpg
Retrato segundo Frans Hals [a]
Nascer31 de março de 1596
Morreu11 de fevereiro de 1650
(53 anos)
Nacionalidadefrancês
Educação
EraFilosofia do século 17,
Idade do Iluminismo
RegiãoFilosofia ocidental Filosofia
holandesa Filosofia
francesa
Escola
TeseLL.B. sem título tese  (1616)
Principais interesses
Epistemologia , metafísica , matemática , física , cosmologia
Ideias notáveis
Assinatura
Firma Descartes.svg

René Descartes ( / d k ɑr t / ou UK : / d k ɑr t / ; francês:  [ʁəne dekaʁt] ( ouvir )About this sound ; latinizado : Renatus Cartesius ; [b] [15] 31 de março de 1596 - 11 de fevereiro 1650 [16] [17] [18] : 58 ) foi um filósofo , matemático e cientista francêsque inventou a geometria analítica, ligando os campos anteriormente separados da geometria e álgebra. Ele passou grande parte de sua vida profissional na República Holandesa , inicialmente servindo ao Exército dos Estados holandeses de Maurício de Nassau , Príncipe de Orange e o Stadtholder das Províncias Unidas . Uma das figuras intelectuais mais notáveis ​​da Idade de Ouro holandesa , [19] Descartes também é amplamente considerado um dos fundadores da filosofia moderna .

Muitos elementos da filosofia de Descartes têm precedentes no aristotelismo tardio , no estoicismo revivido do século 16 ou em filósofos anteriores como Agostinho . Em sua filosofia natural , ele diferia das escolas em dois pontos principais: primeiro, ele rejeitou a divisão da substância corpórea em matéria e forma; segundo, ele rejeitou qualquer apelo a fins finais , divinos ou naturais, ao explicar os fenômenos naturais. [20] Em sua teologia, ele insiste na liberdade absoluta do ato de criação de Deus. Recusando-se a aceitar a autoridade dos filósofos anteriores, Descartes freqüentemente diferenciava seus pontos de vista dos filósofos que o precederam. Na seção de abertura de Paixões da Alma , um dos primeiros tratados modernos sobre emoções, Descartes chega a afirmar que escreverá sobre esse tópico "como se ninguém tivesse escrito sobre esses assuntos antes". Sua declaração filosófica mais conhecida é " cogito, ergo sum " ("Penso, logo existo"; francês: Je pense, donc je suis ), encontrada em Discourse on the Method (1637; em francês e latim) e Principles of Philosophy (1644, em latim). [21]

Descartes tem sido freqüentemente chamado de o pai da filosofia moderna e é amplamente visto como responsável pela maior atenção dada à epistemologia no século XVII. [22] [23] Ele lançou as bases para o racionalismo continental do século 17 , mais tarde defendido por Spinoza e Leibniz , e mais tarde foi combatido pela escola empirista de pensamento que consistia em Hobbes , Locke , Berkeley e Hume. Na República Holandesa do século 17, a ascensão do racionalismo moderno inicial - como uma escola de filosofia altamente sistemática em seu próprio direito pela primeira vez na história - exerceu uma influência imensa e profunda no pensamento ocidental moderno em geral, com o nascimento de dois influentes sistemas filosóficos racionalistas de Descartes (que passou a maior parte de sua vida adulta e escreveu todas as suas principais obras nas Províncias Unidas da Holanda) e Spinoza - a saber, cartesianismo e spinozismo . Foram os arquirracionalistas do século 17, como Descartes, Spinoza e Leibniz, que deram à " Era da Razão " seu nome e seu lugar na história. Leibniz, Spinoza, [24]e Descartes eram todos versados ​​em matemática, bem como em filosofia, e Descartes e Leibniz também contribuíram muito para a ciência. [25]

As Meditações sobre a filosofia primeira, de Descartes (1641), continua a ser um texto padrão na maioria dos departamentos de filosofia das universidades. A influência de Descartes na matemática é igualmente aparente; o sistema de coordenadas cartesianas foi nomeado em sua homenagem . Ele é creditado como o pai da geometria analítica , a ponte entre a álgebra e a geometria - usada na descoberta do cálculo e da análise infinitesimal . Descartes também foi uma das figuras-chave da Revolução Científica .

Vida

Juventude

A casa onde Descartes nasceu em La Haye en Touraine

René Descartes nasceu em La Haye en Touraine, Província de Touraine (atual Descartes , Indre-et-Loire ), França , em 31 de março de 1596. [26] Sua mãe, Jeanne Brochard, morreu logo após dar à luz, e assim não se esperava que ele sobrevivesse. [26] O pai de Descartes, Joachim, era membro do Parlamento da Bretanha em Rennes . [27] : 22 René morava com sua avó e com seu tio-avô. Embora a família Descartes fosse católica romana, a região de Poitou era controlada pelos huguenotes protestantes . [28]Em 1607, tarde por causa de sua saúde frágil, ele ingressou no Jesuit Collège Royal Henry-Le-Grand em La Flèche , [29] [30] onde foi apresentado à matemática e à física, incluindo o trabalho de Galileu . [31] [32] Após a graduação em 1614, ele estudou por dois anos (1615-1616) na Universidade de Poitiers , ganhando um Bacharelado e Licença em direito canônico e civil em 1616, [31] de acordo com os desejos de seu pai de que ele deve se tornar um advogado. [33] De lá, ele se mudou para Paris.

Em Discurso sobre o método , Descartes relembra: [34] : 20-21

Abandonei inteiramente o estudo das letras. Resolvendo buscar nenhum outro conhecimento senão aquele que poderia ser encontrado em mim mesmo ou então no grande livro do mundo, passei o resto da minha juventude viajando, visitando cortes e exércitos, misturando-me com pessoas de temperamentos e classes diversos, reunindo vários experiências, testando-me nas situações que a fortuna me ofereceu, e refletindo o tempo todo sobre tudo o que encontrei para tirar algum proveito disso.

Registro de graduação de Descartes na Universidade de Poitiers , 1616

De acordo com sua ambição de se tornar um oficial militar profissional em 1618, Descartes se juntou, como um mercenário , ao Exército dos Estados Holandeses Protestantes em Breda sob o comando de Maurício de Nassau , [31] e empreendeu um estudo formal de engenharia militar , conforme estabelecido por Simon Stevin . [35] : 66 Descartes, portanto, recebeu muito incentivo em Breda para avançar seu conhecimento da matemática. [31] Desta forma, ele conheceu Isaac Beeckman , [31] o diretor de um Dordrechtescola, para a qual escreveu o Compêndio de Música (escrito em 1618, publicado em 1650). [36] Juntos, eles trabalharam em queda livre , catenária , seção cônica e estática de fluidos . Ambos acreditavam que era necessário criar um método que ligasse totalmente a matemática à física. [37]

Enquanto estava a serviço do duque católico Maximiliano da Baviera desde 1619, [38] Descartes esteve presente na Batalha da Montanha Branca perto de Praga , em novembro de 1620. [39] [40]

Visões

De acordo com Adrien Baillet , na noite de 10-11 de novembro de 1619 (dia de São Martinho ), enquanto estava estacionado em Neuburg an der Donau , Descartes se trancou em uma sala com um "forno" (provavelmente um galo ) [41] para escapar o frio. Enquanto estava lá dentro, ele teve três sonhos, [42] e acreditava que um espírito divino lhe revelava uma nova filosofia. No entanto, é provável que o que Descartes considerava seu segundo sonho fosse na verdade um episódio de síndrome da cabeça explodindo . [43] Ao sair, ele formulou geometria analíticae a ideia de aplicar o método matemático à filosofia. Ele concluiu a partir dessas visões que a busca pela ciência provaria ser, para ele, a busca da verdadeira sabedoria e uma parte central do trabalho de sua vida. [44] [45] Descartes também viu muito claramente que todas as verdades estavam ligadas umas às outras, de modo que encontrar uma verdade fundamental e prosseguir com a lógica abriria o caminho para todas as ciências. Descartes descobriu essa verdade básica muito em breve: seu famoso " penso, logo existo ". [37]

França

Em 1620, Descartes deixou o exército. Ele visitou a Basilica della Santa Casa em Loreto, depois visitou vários países antes de retornar à França e, durante os anos seguintes, passou uma temporada em Paris. Foi lá que ele compôs seu primeiro ensaio sobre o método: Regulae ad Directionem Ingenii ( Regras para a Direção da Mente ). [37] Ele chegou a La Haye em 1623, vendendo todas as suas propriedades para investir em títulos , o que proporcionou uma renda confortável para o resto de sua vida. [35] : 132 [46] : 94 Descartes estava presente no cerco de La Rochelle pelo cardeal Richelieuem 1627. [46] : 128 No outono do mesmo ano, na residência do núncio papal Guidi di Bagno , onde ele veio com Mersenne e muitos outros estudiosos para ouvir uma palestra proferida pelo alquimista Nicolas de Villiers, Sieur de Chandoux, com base nos princípios de uma suposta nova filosofia, [47] o cardeal Bérulle instou-o a escrever uma exposição de sua nova filosofia em algum local fora do alcance da Inquisição. [48]

Holanda

Em Amsterdã , Descartes morou na Westermarkt 6 (Maison Descartes, à esquerda).

Descartes retornou à República Holandesa em 1628. [42] Em abril de 1629, ele ingressou na Universidade de Franeker , estudando com Adriaan Metius , morando com uma família católica ou alugando o Sjaerdemaslot . No ano seguinte, sob o nome de "Poitevin", ele se matriculou na Universidade de Leiden para estudar matemática com Jacobus Golius , que o confrontou com o teorema do hexágono de Pappus , e astronomia com Martin Hortensius . [49]Em outubro de 1630, ele teve um desentendimento com Beeckman, a quem acusou de plagiar algumas de suas idéias. Em Amsterdã, ele teve um relacionamento com uma criada, Helena Jans van der Strom, com quem teve uma filha, Francine , que nasceu em 1635 em Deventer . Ela morreu de escarlatina aos 5 anos.

Ao contrário de muitos moralistas da época, Descartes não deprecia as paixões, mas sim as defende; ele chorou com a morte de Francine em 1640. [50] De acordo com uma biografia recente de Jason Porterfield, "Descartes disse que não acreditava que se devesse conter as lágrimas para provar que era um homem". [51] Russel Shorto especula que a experiência da paternidade e a perda de um filho constituíram um ponto de viragem no trabalho de Descartes, mudando seu foco da medicina para uma busca por respostas universais. [52]

Apesar das mudanças frequentes, [53] ele escreveu todas as suas principais obras durante seus mais de 20 anos na Holanda, iniciando uma revolução na matemática e na filosofia. [54] Em 1633, Galileu foi condenado pela Inquisição italiana , e Descartes abandonou os planos de publicar o Tratado sobre o Mundo , sua obra dos quatro anos anteriores. No entanto, em 1637, ele publicou partes desta obra em três ensaios: [55] "Les Météores" (Os Meteoros), " La Dioptrique " (Dioptria) e La Géométrie ( Geometria ), precedida de uma introdução, seu famoso Discours de la méthode ( Discurso sobre o método ).[55] Nele, Descartes estabelece quatro regras de pensamento, destinadas a garantir que nosso conhecimento repousa sobre uma base sólida: [56]

A primeira era nunca aceitar como verdadeiro algo que eu não soubesse ser; isto é, para evitar cuidadosamente a precipitação e o preconceito, e não incluir nada mais em meu julgamento do que o que foi apresentado a minha mente de forma tão clara e distinta que exclua todo fundamento de dúvida.

Em La Géométrie , Descartes explorou as descobertas que fez com Pierre de Fermat , o que pôde fazer porque seu artigo, Introdução a Loci , foi publicado postumamente em 1679. Mais tarde ficou conhecido como Geometria Cartesiana. [57]

Descartes continuou a publicar trabalhos relativos à matemática e à filosofia pelo resto de sua vida. Em 1641, ele publicou um tratado de metafísica, Meditationes de Prima Philosophia ( Meditações sobre a filosofia primeira ), escrito em latim e, portanto, dirigido aos eruditos. Foi seguido em 1644 pelos Principia Philosophiae ( Princípios de Filosofia ), uma espécie de síntese do Discurso sobre o Método e Meditações sobre a Filosofia Primeira . Em 1643, a filosofia cartesiana foi condenada na Universidade de Utrecht , e Descartes foi obrigado a fugir para Haia, estabelecendo - se em Egmond-Binnen .

Christia Mercer sugeriu que Descartes pode ter sido influenciado pela autora espanhola e freira católica romana Teresa de Ávila , que, cinquenta anos antes, publicou The Interior Castle , a respeito do papel da reflexão filosófica no crescimento intelectual. [13] [58]

Descartes começou (por meio de Alfonso Polloti, um general italiano no serviço holandês) uma correspondência de seis anos com a princesa Elisabeth da Boêmia , dedicada principalmente a assuntos morais e psicológicos. [59] Ligado a esta correspondência, em 1649 publicou Les Passions de l'âme ( As Paixões da Alma ) , que dedicou à princesa. Uma tradução francesa de Principia Philosophiae , preparada pelo Abade Claude Picot, foi publicada em 1647. Esta edição também foi dedicada à Princesa Elisabeth. No prefácio da edição francesa, Descartes elogiou a verdadeira filosofia como um meio de obter sabedoria. Ele identifica quatro fontes ordinárias para alcançar a sabedoria e, por fim, diz que há uma quinta, melhor e mais segura, que consiste na busca das causas primeiras. [60]

Suécia

Em 1649, Descartes havia se tornado um dos filósofos e cientistas mais famosos da Europa. [55] Naquele ano, a rainha Cristina da Suécia o convidou para sua corte para organizar uma nova academia científica e ensiná-la em suas idéias sobre o amor. Descartes aceitou e mudou-se para a Suécia no meio do inverno. [61] Ela se interessou e estimulou Descartes a publicar As Paixões da Alma. [62]

Ele era um convidado na casa de Pierre Chanut , que vivia em Västerlånggatan , a menos de 500 metros do Tre Kronor em Estocolmo . Lá, Chanut e Descartes fizeram observações com um barômetro de mercúrio Torricellian . Desafiando Blaise Pascal , Descartes fez o primeiro conjunto de leituras barométricas em Estocolmo para ver se a pressão atmosférica poderia ser usada na previsão do tempo. [63]

Morte

(à esquerda) O túmulo de Descartes (meio, com detalhe da inscrição), na Abadia de Saint-Germain-des-Prés , Paris; (à direita) memorial a Descartes, erguido na década de 1720, no Adolf Fredriks kyrka

Descartes combinou dar aulas para a rainha Cristina depois de seu aniversário, três vezes por semana, às 5 da manhã, em seu castelo frio e frio. Logo ficou claro que eles não gostavam um do outro; ela não se importava com a filosofia mecânica dele , nem ele compartilhava seu interesse pelo grego antigo . Em 15 de janeiro de 1650, Descartes vira Cristina apenas quatro ou cinco vezes. Em 1 de fevereiro, ele contraiu pneumonia e morreu em 11 de fevereiro. [64] A causa da morte foi pneumonia, de acordo com Chanut, mas peripneumonia, de acordo com o médico de Christina, Johann van Wullen, que não teve permissão para sangrá-lo. [65] (O inverno parece ter sido ameno, [66]exceto na segunda quinzena de janeiro, que foi dura, conforme descrito pelo próprio Descartes; no entanto, "essa observação provavelmente pretendia ser tanto a visão de Descartes sobre o clima intelectual quanto sobre o clima.") [62]

E. Pies questionou esse relato, com base em uma carta do Doutor van Wullen; no entanto, Descartes recusou seu tratamento, e mais argumentos contra sua veracidade foram levantados desde então. [67] Em um livro de 2009, o filósofo alemão Theodor Ebert argumenta que Descartes foi envenenado por um missionário católico que se opôs aos seus pontos de vista religiosos. [68] [69] [70]

Como católico [71] [72] [73] em uma nação protestante, ele foi enterrado em um cemitério usado principalmente para órfãos em Adolf Fredriks kyrka em Estocolmo. Seus manuscritos chegaram às mãos de Claude Clerselier , cunhado de Chanut, e "um católico devoto que iniciou o processo de transformar Descartes em santo cortando, acrescentando e publicando suas cartas seletivamente". [74] [75] : 137–154 Em 1663, o Papa colocou as obras de Descartes no Índice de Livros Proibidos . Em 1666, dezesseis anos após sua morte, seus restos mortais foram levados para a França e enterrados em Saint-Étienne-du-Mont . Em 1671,Luís XIV proibiu todas as palestras de cartesianismo . Embora a Convenção Nacional de 1792 tivesse planejado transferir seus restos mortais para o Panteão , ele foi enterrado novamente na Abadia de Saint-Germain-des-Prés em 1819, sem um dedo e o crânio. [76] Seu crânio está em exibição no Musée de l'Homme em Paris. [77]

Obra filosófica

René Descartes no trabalho

Em seu Discurso sobre o método , ele tenta chegar a um conjunto fundamental de princípios que podem ser conhecidos como verdadeiros, sem qualquer dúvida. Para conseguir isso, ele emprega um método denominado dúvida hiperbólica / metafísica, também às vezes referido como ceticismo metodológico ou dúvida cartesiana: ele rejeita quaisquer ideias que possam ser duvidadas e, em seguida, as restabelece a fim de adquirir uma base sólida para o conhecimento genuíno. [78] Descartes construiu suas idéias do zero, o que ele faz em The Meditations on First Philosophy . Ele relaciona isso à arquitetura: o solo superficial é retirado para criar um novo edifício ou estrutura. Descartes chama sua dúvida de solo e os novos conhecimentos de edifícios. Para Descartes, o fundacionalismo de Aristótelesestá incompleto e seu método de dúvida aumenta o fundacionalismo. [79]

Inicialmente, Descartes chega a apenas um único primeiro princípio que ele pensa. Isso é expresso na frase latina no Discurso sobre o Método " Cogito, ergo sum " (em inglês: "Eu penso, logo existo"). [80] Descartes concluiu, se ele duvidava, então algo ou alguém deve estar duvidando; portanto, o próprio fato de ele duvidar provava sua existência. "O significado simples da frase é que se alguém é cético quanto à existência, isso é, por si só, prova de que ele existe." [81] Esses dois primeiros princípios - eu acho e eu existo - foram posteriormente confirmados pela percepção clara e distinta de Descartes (delineada em sua Terceira Meditação das Meditações): como ele percebe clara e distintamente esses dois princípios, Descartes raciocinou, garante sua indubitabilidade.

Descartes conclui que pode ter certeza de que existe porque pensa. Mas de que forma? Ele percebe seu corpo através do uso dos sentidos; no entanto, eles não eram confiáveis ​​anteriormente. Assim, Descartes determina que o único conhecimento indubitável é que ele é uma coisa pensante . Pensar é o que ele faz, e seu poder deve vir de sua essência. Descartes define "pensamento" ( cogitatio ) como "o que acontece em mim de tal forma que estou imediatamente consciente disso, na medida em que estou consciente disso". Pensar é, portanto, toda atividade de uma pessoa da qual a pessoa está imediatamente consciente . [82] Ele deu razões para pensar que os pensamentos ao acordar são distinguíveis dos sonhos, e que a mente de alguém não pode ter sido "sequestrada" por um demônio maligno colocando um mundo externo ilusório diante de seus sentidos. [79]

E assim, algo que pensei estar vendo com meus olhos, é compreendido apenas pela faculdade de julgamento que está em minha mente. [83] : 109

Desse modo, Descartes passa a construir um sistema de conhecimento, descartando a percepção como não confiável e, em vez disso, admitindo apenas a dedução como método. [84]

Dualismo

L'homme (1664)

Descartes, influenciado pelos autômatos em exibição por toda a cidade de Paris, começou a investigar a conexão entre a mente e o corpo e como os dois interagem. [85] Suas principais influências para o dualismo foram teologia e física . [86] A teoria sobre o dualismo de mente e corpo é a doutrina característica de Descartes e permeia outras teorias que ele apresentou. Conhecido como dualismo cartesiano (ou dualismo mente-corpo), sua teoria sobre a separação entre a mente e o corpo passou a influenciar as filosofias ocidentais subsequentes. [87] Em Meditações sobre a filosofia primeira , Descartes tentou demonstrar a existência deDeus e a distinção entre a alma humana e o corpo. Os humanos são uma união de mente e corpo; [88] assim, o dualismo de Descartes abraçou a ideia de que mente e corpo são distintos, mas intimamente ligados. Embora muitos leitores contemporâneos de Descartes considerassem difícil compreender a distinção entre mente e corpo, ele a considerava inteiramente direta. Descartes empregou o conceito de modos , que são as maneiras pelas quais as substâncias existem. Em Princípios de Filosofia , Descartes explicou, "podemos perceber claramente uma substância separada do modo que dizemos ser diferente dela, enquanto não podemos, inversamente, compreender o modo separado da substância". Para perceber um modo separado de sua substância requer uma abstração intelectual, [89] que Descartes explicou da seguinte maneira:

A abstração intelectual consiste em afastar meu pensamento de uma parte do conteúdo dessa ideia mais rica para melhor aplicá-la à outra parte com maior atenção. Assim, quando considero uma forma sem pensar na substância ou na extensão de que ela é, faço uma abstração mental. [89]

According to Descartes, two substances are really distinct when each of them can exist apart from the other. Thus, Descartes reasoned that God is distinct from humans, and the body and mind of a human are also distinct from one another.[90] He argued that the great differences between body (an extended thing) and mind (an un-extended, immaterial thing) make the two ontologically distinct. According to Descartes' indivisibility argument, the mind is utterly indivisible: because "when I consider the mind, or myself in so far as I am merely a thinking thing, I am unable to distinguish any part within myself; I understand myself to be something quite single and complete."[91]

Além disso, em As Meditações , Descartes discute um pedaço de cera e expõe a doutrina mais característica do dualismo cartesiano: que o universo continha dois tipos radicalmente diferentes de substâncias - a mente ou alma definida como pensamento e o corpo definido como matéria e irracional . [92] A filosofia aristotélica dos dias de Descartes sustentava que o universo era inerentemente intencional ou teleológico. Tudo o que aconteceu, seja o movimento das estrelas ou o crescimento de uma árvore, era supostamente explicável por um determinado propósito, objetivo ou fim que surgiu na natureza. Aristóteles chamou isso de "causa final", e essas causas finais eram indispensáveis ​​para explicar os modos como a natureza operava. A teoria do dualismo de Descartes apóia a distinção entre a ciência aristotélica tradicional e a nova ciência de Kepler e Galileu, que negava o papel de um poder divino e de "causas finais" em suas tentativas de explicar a natureza. O dualismo de Descartes forneceu o fundamento filosófico para o último, expulsando a causa final do universo físico (ou res extensa ) em favor da mente (ou res cogitans ). Portanto, enquanto o dualismo cartesiano pavimentou o caminho para a física moderna, também manteve a porta aberta para as crenças religiosas sobre a imortalidade da alma . [93]

O dualismo de Descartes entre mente e matéria implicava um conceito de seres humanos. Um ser humano era, de acordo com Descartes, uma entidade composta de mente e corpo. Descartes deu prioridade à mente e argumentou que a mente poderia existir sem o corpo, mas o corpo não poderia existir sem a mente. Em As Meditações , Descartes chega a argumentar que, embora a mente seja uma substância, o corpo é composto apenas de "acidentes". [94] Mas ele argumentou que a mente e o corpo estão intimamente ligados: [95]

A natureza também me ensina, pelas sensações de dor, fome, sede e assim por diante, que não estou apenas presente em meu corpo como um piloto em seu navio, mas que estou intimamente ligado e, por assim dizer, misturado a ele , de modo que eu e o corpo formamos uma unidade. Se assim não fosse, eu, que não sou senão uma coisa pensante, não sentiria dor quando o corpo fosse ferido, mas perceberia o dano puramente pelo intelecto, assim como um marinheiro percebe pela vista se alguma coisa em seu navio está quebrada . [95]

A discussão de Descartes sobre a corporificação levantou um dos problemas mais desconcertantes de sua filosofia dualista: qual é exatamente a relação de união entre a mente e o corpo de uma pessoa? [95] Portanto, o dualismo cartesiano estabeleceu a agenda para a discussão filosófica do problema mente-corpo por muitos anos após a morte de Descartes. [96] Descartes também era um racionalista e acreditava no poder das idéias inatas . [97] Descartes defendeu a teoria do conhecimento inato e que todos os humanos nasceram com o conhecimento por meio do poder superior de Deus. Foi essa teoria do conhecimento inato que mais tarde foi combatida pelo filósofo John Locke(1632-1704), um empirista. [98] O empirismo sustenta que todo conhecimento é adquirido através da experiência.

Fisiologia e psicologia

Em As Paixões da Alma , publicado em 1649, [99]Descartes discutiu a crença contemporânea comum de que o corpo humano continha espíritos animais. Acreditava-se que esses espíritos animais eram fluidos leves e vagueando, circulando rapidamente pelo sistema nervoso entre o cérebro e os músculos e serviam como uma metáfora para sentimentos, como estar em alta ou mal-humorado. Acreditava-se que esses espíritos animais afetavam a alma humana, ou as paixões da alma. Descartes distinguiu seis paixões básicas: admiração, amor, ódio, desejo, alegria e tristeza. Todas essas paixões, argumentou ele, representavam diferentes combinações do espírito original e influenciavam a alma a desejar ou querer certas ações. Ele argumentou, por exemplo, que o medo é uma paixão que move a alma para gerar uma resposta no corpo. Em linha com seus ensinamentos dualistas sobre a separação entre a alma e o corpo,ele levantou a hipótese de que alguma parte do cérebro serviu como um conector entre a alma e o corpo e destacou oglândula pineal como conector. [100] Descartes argumentou que os sinais passavam do ouvido e do olho para a glândula pineal, por meio de espíritos animais. Assim, diferentes movimentos na glândula causam vários espíritos animais. Ele argumentou que esses movimentos na glândula pineal são baseados na vontade de Deus e que os humanos devem desejar e gostar das coisas que são úteis para eles. Mas ele também argumentou que os espíritos animais que se moviam ao redor do corpo podiam distorcer os comandos da glândula pineal, portanto, os humanos tinham que aprender a controlar suas paixões. [101]

Descartes apresentou uma teoria sobre reações corporais automáticas a eventos externos, que influenciou a teoria do reflexo do século XIX . Ele argumentou que os movimentos externos, como toque e som, alcançam as terminações dos nervos e afetam os espíritos animais. Por exemplo, o calor do fogo afeta um ponto na pele e desencadeia uma cadeia de reações, com os espíritos animais alcançando o cérebro através do sistema nervoso central e, por sua vez, os espíritos animais são enviados de volta aos músculos para mover a mão longe do fogo. [101] Por meio dessa cadeia de reações, as reações automáticas do corpo não requerem um processo de pensamento. [97]

Acima de tudo, ele foi um dos primeiros cientistas que acreditavam que a alma deveria ser objeto de investigação científica. Ele desafiou a visão de seus contemporâneos de que a alma era divina , portanto, as autoridades religiosas consideravam seus livros perigosos. Os escritos de Descartes formaram a base para teorias sobre as emoções e como as avaliações cognitivas eram traduzidas em processos afetivos. Descartes acreditava que o cérebro se assemelhava a uma máquina de trabalho e, ao contrário de muitos de seus contemporâneos, ele acreditava que a matemática e a mecânica podiam explicar os processos mais complicados da mente. No século 20, Alan Turing avançou a ciência da computação com base na biologia matemáticainspirado por Descartes. Suas teorias sobre os reflexos também serviram de base para teorias fisiológicas avançadas , mais de 200 anos após sua morte. O fisiologista Ivan Pavlov era um grande admirador de Descartes. [102]

Filosofia moral

Para Descartes, a ética era uma ciência, a mais elevada e perfeita delas. Como o resto das ciências, a ética teve suas raízes na metafísica. [84] Desta forma, ele defende a existência de Deus, investiga o lugar do homem na natureza, formula a teoria do dualismo mente-corpo e defende o livre arbítrio . Porém, como era um racionalista convicto, Descartes afirma claramente que a razão é suficiente na busca dos bens que devemos buscar, e a virtude consiste no raciocínio correto que deve nortear nossas ações. No entanto, a qualidade desse raciocínio depende do conhecimento, pois uma mente bem informada será mais capaz de fazer boas escolhas, e também depende da condição mental. Por esta razão, ele disse que uma filosofia moral completa deveria incluir o estudo do corpo. [103] : 189 Ele discutiu este assunto na correspondência com a princesa Elisabeth da Boêmia , e como resultado escreveu sua obra As Paixões da Alma , que contém um estudo dos processos psicossomáticos e reações no homem, com ênfase nas emoções ou paixões. [104] Suas obras sobre a paixão e emoção humanas seriam a base para a filosofia de seus seguidores (ver cartesianismo ), e teriam um impacto duradouro nas idéias sobre o que a literatura e a arte deveriam ser, especificamente como deveriam invocar a emoção.[105]

Os humanos devem buscar o bem soberano que Descartes, seguindo Zenão , identifica com a virtude, pois isso produz bem-aventurança . Para Epicuro , o bem soberano era o prazer, e Descartes diz que, de fato, isso não está em contradição com o ensinamento de Zenão, porque a virtude produz um prazer espiritual, que é melhor do que o prazer corporal. Em relação à opinião de Aristóteles de que a felicidade depende dos bens da fortuna, Descartes não nega que esse bem contribui para a felicidade, mas observa que eles estão em grande parte fora do nosso controle, enquanto a mente está sob o controle total. [104]Os escritos morais de Descartes surgiram na última parte de sua vida, mas antes, em seu Discurso sobre o método , ele adotou três máximas para ser capaz de agir enquanto colocava todas as suas idéias em dúvida. Isso é conhecido como sua "Moral Provisória" .

Religião

In the third and fifth Meditation, Descartes offers proofs of a benevolent God (the trademark argument and the ontological argument respectively). Because God is benevolent, Descartes has faith in the account of reality his senses provide him, for God has provided him with a working mind and sensory system and does not desire to deceive him. From this supposition, however, Descartes finally establishes the possibility of acquiring knowledge about the world based on deduction and perception. Regarding epistemology, therefore, Descartes can be said to have contributed such ideas as a rigorous conception of foundationalism and the possibility that reasoné o único método confiável de obtenção de conhecimento. Descartes, no entanto, estava bem ciente de que a experimentação era necessária para verificar e validar teorias. [84]

Descartes invoca seu princípio de adequação causal [106] para apoiar seu argumento de marca registrada para a existência de Deus, citando Lucrécio em defesa: "Ex nihilo nihil fit" , que significa " Nada vem do nada " ( Lucrécio ). [107] Oxford Reference resume o argumento, como segue, "que nossa ideia de perfeição está relacionada à sua origem perfeita (Deus), assim como um selo ou marca é deixada em um artigo de fabricação por seu criador." [108]Na quinta Meditação, Descartes apresenta uma versão do argumento ontológico que se baseia na possibilidade de pensar a "ideia de um ser que é supremamente perfeito e infinito" e sugere que "de todas as ideias que estão em mim, a ideia que eu tenho de Deus é o mais verdadeiro, o mais claro e distinto. " [109] Descartes se considerava um católico devoto, [71] [72] [73] e um dos propósitos das Meditações era defender a fé católica. Sua tentativa de fundamentar as crenças teológicas na razão encontrou intensa oposição em sua época. Pascal considerava as opiniões de Descartes um racionalista e mecanicista, e o acusou de deísmo: "Eu não posso perdoar Descartes; em toda a sua filosofia, Descartes fez o seu melhor para dispensar Deus. Mas Descartes não podia evitar cutucar Deus para colocar o mundo em movimento com um estalar de seus dedos nobres; depois disso, ele não tinha mais uso for God ", enquanto um contemporâneo poderoso, Martin Schoock , acusou-o de crenças ateístas , embora Descartes tenha fornecido uma crítica explícita do ateísmo em suas Meditações . A Igreja Católica proibiu seus livros em 1663. [110] [111] [112] : 274 Descartes também escreveu uma resposta ao ceticismo mundial externo. Por meio desse método de ceticismo, ele não duvida por duvidar, mas para obter informações concretas e confiáveis. Em outras palavras, certeza. Ele argumenta que as percepções sensoriais come to him involuntarily, and are not willed by him. They are external to his senses, and according to Descartes, this is evidence of the existence of something outside of his mind, and thus, an external world. Descartes goes on to show that the things in the external world are material by arguing that God would not deceive him as to the ideas that are being transmitted, and that God has given him the "propensity" to believe that such ideas are caused by material things. Descartes also believes a substance is something that does not need any assistance to function or exist. Descartes further explains how only God can be a true "substance". But minds are substances, meaning they need only God for it to function. The mind is a thinking substance. The means for a thinking substance stem from ideas.[113]

Descartes evitou questões teológicas, restringindo sua atenção a mostrar que não há incompatibilidade entre sua metafísica e a ortodoxia teológica. Ele evitou tentar demonstrar dogmas teológicos metafisicamente. Quando questionado por não ter estabelecido a imortalidade da alma meramente ao mostrar que a alma e o corpo são substâncias distintas, ele respondeu: "Não me responsabilizo por tentar usar o poder da razão humana para resolver qualquer uma dessas assuntos que dependem do livre arbítrio de Deus. " [114]

Ciências naturais

Descartes é freqüentemente considerado o primeiro pensador a enfatizar o uso da razão para desenvolver as ciências naturais . [115] Para ele, a filosofia era um sistema de pensamento que incorporava todo o conhecimento, como ele relatou em uma carta a um tradutor francês: [84]

Assim, toda a Filosofia é como uma árvore, da qual a Metafísica é a raiz, a Física o tronco e todas as outras ciências os ramos que nascem desse tronco, que se reduzem a três princípios, a saber, Medicina, Mecânica e Ética. Pela ciência da moral, entendo o mais elevado e perfeito que, pressupondo todo um conhecimento das outras ciências, é o último grau de sabedoria.

Em animais

Descartes negou que os animais tivessem razão ou inteligência. [116] Ele argumentou que os animais não careciam de sensações ou percepções, mas isso poderia ser explicado mecanicamente. [117] Enquanto os humanos tinham uma alma, ou mente, e eram capazes de sentir dor e ansiedade , os animais, por não terem alma, não podiam sentir dor ou ansiedade. Se os animais mostrassem sinais de angústia, isso era para proteger o corpo de danos, mas o estado inato necessário para que sofressem estava ausente. [118]Embora os pontos de vista de Descartes não fossem universalmente aceitos, eles se tornaram proeminentes na Europa e na América do Norte, permitindo que os humanos tratassem os animais com impunidade. A visão de que os animais eram totalmente separados da humanidade e meramente máquinas permitia maus - tratos aos animais e foi sancionada por leis e normas sociais até meados do século XIX. [119] : 180–214 As publicações de Charles Darwin acabariam por erodir a visão cartesiana dos animais. [120] : 37 Darwin argumentou que a continuidade entre os humanos e outras espécies abriu as possibilidades de que os animais não tivessem propriedades diferentes de sofrer. [121] : 177

Impacto histórico

Emancipação da doutrina da Igreja

Capa de Meditações

Descartes foi muitas vezes apelidado de pai da filosofia ocidental moderna , o pensador cuja abordagem mudou profundamente o curso da filosofia ocidental e estabeleceu as bases para a modernidade . [22] [122] As duas primeiras de suas Meditações sobre a filosofia primeira , aquelas que formulam a famosa dúvida metódica, representam a parte dos escritos de Descartes que mais influenciaram o pensamento moderno. [123] Tem sido argumentado que o próprio Descartes não percebeu a extensão deste movimento revolucionário. [124]Ao deslocar o debate de "o que é verdade" para "do que posso ter certeza?", Descartes sem dúvida transferiu o fiador autorizado da verdade de Deus para a humanidade (embora o próprio Descartes afirmasse ter recebido suas visões de Deus) - enquanto o tradicional conceito de "verdade" implica uma autoridade externa, "certeza", em vez disso, depende do julgamento do indivíduo.

Numa revolução antropocêntrica , o ser humano passa a ser elevado ao nível de sujeito, de agente, de ser emancipado dotado de razão autônoma. Foi um passo revolucionário que estabeleceu as bases da modernidade, cujas repercussões ainda se fazem sentir: a emancipação da humanidade da verdade reveladora cristã e da doutrina da Igreja ; humanidade fazendo sua própria lei e tomando sua própria posição. [125] [126] [127] Na modernidade, o fiador da verdade não é mais Deus, mas o ser humano, cada um dos quais é "modelador e garante autoconsciente" da própria realidade. [128] [129]Desse modo, cada pessoa se torna um adulto raciocinador, um sujeito e agente, [128] em oposição a uma criança obediente a Deus. Essa mudança de perspectiva foi característica da passagem do período medieval cristão para o período moderno, uma mudança que havia sido antecipada em outros campos e que agora estava sendo formulada no campo da filosofia por Descartes. [128] [130]

Essa perspectiva antropocêntrica da obra de Descartes, estabelecendo a razão humana como autônoma, forneceu a base para a emancipação do Iluminismo de Deus e da Igreja. Segundo Martin Heidegger , a perspectiva do trabalho de Descartes também forneceu a base para toda a antropologia subsequente . [131] Diz-se às vezes que a revolução filosófica de Descartes desencadeou o antropocentrismo e o subjetivismo modernos . [22] [132] [133] [134]

Legado matemático

Um gráfico de coordenadas cartesianas, usando seus inventados x e y eixos

Um dos legados mais duradouros de Descartes foi seu desenvolvimento da geometria cartesiana ou analítica , que usa a álgebra para descrever a geometria. Descartes "inventou a convenção de representar desconhecidos em equações por x , y e z , e conhecidos por a , b e c ". Ele também "foi o pioneiro na notação padrão" que usa sobrescritos para mostrar os poderes ou expoentes; por exemplo, o 2 usado em x 2 para indicar x ao quadrado. [135] [136] : 19Ele foi o primeiro a atribuir um lugar fundamental para a álgebra no sistema de conhecimento, usando-a como um método para automatizar ou mecanizar o raciocínio, particularmente sobre quantidades abstratas desconhecidas. [137] : 91–114 Os matemáticos europeus tinham visto anteriormente a geometria como uma forma mais fundamental de matemática, servindo como a base da álgebra. As regras algébricas receberam provas geométricas de matemáticos como Pacioli , Cardan , Tartaglia e Ferrari . Equações de grau superior ao terceiro eram consideradas irreais, porque uma forma tridimensional, como um cubo, ocupava a maior dimensão da realidade. Descartes professou que a quantidade abstrataum 2 pode representar o comprimento, bem como uma área. Isso estava em oposição aos ensinamentos de matemáticos como François Viète , que insistia que uma segunda potência deveria representar uma área. Embora Descartes não tenha perseguido o assunto, ele precedeu Gottfried Wilhelm Leibniz ao conceber uma ciência mais geral da álgebra ou "matemática universal", como um precursor da lógica simbólica , que poderia abranger princípios lógicos e métodos simbolicamente e mecanizar o raciocínio geral. [138] : 280-281

O trabalho de Descartes forneceu a base para o cálculo desenvolvido por Newton e Leibniz, que aplicaram o cálculo infinitesimal ao problema da linha tangente , permitindo assim a evolução desse ramo da matemática moderna. [139] Sua regra de sinais também é um método comumente usado para determinar o número de raízes positivas e negativas de um polinômio.

The beginning to Descartes's interest in physics is accredited to the amateur scientist and mathematician Isaac Beeckman, who was at the forefront of a new school of thought known as mechanical philosophy. With this foundation of reasoning, Descartes formulated many of his theories on mechanical and geometric physics.[140] Descartes discovered an early form of the law of conservation of momentum (a measure of the motion of an object), and envisioned it as pertaining to motion in a straight line, as opposed to perfect circular motion, as Galileo had envisioned it.[140][141] He outlined his views on the universe in his Principles of Philosophy, onde ele descreve suas três leis do movimento . [142] ( as próprias leis do movimento de Newton seriam mais tarde modeladas na exposição de Descartes. [140] )

Descartes também fez contribuições para o campo da óptica . Ele mostrou, usando construção geométrica e a lei de refração (também conhecida como lei de Descartes, ou mais comumente lei de Snell fora da França) que o raio angular de um arco - íris é de 42 graus (ou seja, o ângulo subtendido no olho pela borda do arco-íris e o raio que passa do sol através do centro do arco-íris é de 42 °). [143] Ele também descobriu independentemente a lei da reflexão , e seu ensaio sobre óptica foi a primeira menção publicada desta lei. [144]

Influência sobre a matemática de Newton

A opinião popular atual sustenta que Descartes teve a maior influência sobre o jovem Newton, e esta é indiscutivelmente uma de suas contribuições mais importantes. A influência de Decartes estendeu-se não diretamente de sua edição francesa original de La Géométrie , no entanto, mas sim da segunda edição latina expandida de Frans van Schooten da obra. [145] : 100 Newton continuou o trabalho de Descartes em equações cúbicas , que libertou o sujeito dos grilhões das perspectivas gregas. O conceito mais importante foi seu tratamento muito moderno de variáveis ​​individuais. [146] : 109-129

Recepção contemporânea

Em termos comerciais, O Discurso apareceu durante a vida de Descartes em uma única edição de 500 cópias, 200 das quais reservadas para o autor. Compartilhando um destino semelhante foi a única edição francesa de As Meditações , que não havia conseguido se esgotar na época da morte de Descartes. Uma edição latina concomitante deste último foi, no entanto, avidamente procurada pela comunidade acadêmica da Europa e provou ser um sucesso comercial para Descartes. [147] : xliii – xliv

Although Descartes was well known in academic circles towards the end of his life, the teaching of his works in schools was controversial. Henri de Roy (Henricus Regius, 1598–1679), Professor of Medicine at the University of Utrecht, was condemned by the Rector of the University, Gijsbert Voet (Voetius), for teaching Descartes's physics.[148]

Purported Rosicrucianism

The membership of Descartes to the Rosicrucians is debated.[149]

The initials of his name have been linked to the R.C. acronym widely used by Rosicrucians.[150] Furthermore, in 1619 Descartes moved to Ulm which was a well renowned international center of the Rosicrucian movement.[150] During his journey in Germany, Descartes met Johannes Faulhaber who had previously expressed his personal commitment to join the brotherhood.[151]

Descartes dedicated the work titled The Mathematical Treasure Trove of Polybius, Citizen of the World to "learned men throughout the world and especially to the distinguished B.R.C. (Brothers of the Rosy Cross) in Germany". The work wasn't completed and its publication is uncertain.[152]

Bibliografia

Escritos

  • 1618. Compêndio de Musicae . Um tratado sobre teoria musical e estética da música, que Descartes dedicou ao primeiro colaborador Isaac Beeckman (escrito em 1618, publicado pela primeira vez - postumamente - em 1650). [153] : 127-129
  • 1626–1628. Regulae ad directionem ingenii (Rules for the Direction of the Mind). Incomplete. First published posthumously in Dutch translation in 1684 and in the original Latin at Amsterdam in 1701 (R. Des-Cartes Opuscula Posthuma Physica et Mathematica). The best critical edition, which includes the Dutch translation of 1684, is edited by Giovanni Crapulli (The Hague: Martinus Nijhoff, 1966).
  • c. 1630. De solidorum elementis. Concerns the classification of Platonic solids and three-dimensional figurate numbers. Said by some scholars to prefigure Euler's polyhedral formula. Unpublished; discovered in Descartes' estate in Stockholm 1650, soaked for three days in the Seine in a shipwreck while being shipped back to Paris, copied in 1676 by Leibniz, and lost. Leibniz's copy, also lost, was rediscovered circa 1860 in Hannover.[154]
  • 1630–1631. La recherche de la vérité par la lumière naturelle (The Search for Truth) unfinished dialogue published in 1701.[155]:264ff
  • 1630–1633. Le Monde ( O Mundo ) e L'Homme ( Homem ). Primeira apresentação sistemática de Descartes de sua filosofia natural. Man foi publicado postumamente em tradução latina em 1662; e The World postumamente em 1664.
  • 1637. Discours de la méthode ( Discurso sobre o método ). Uma introdução aos Essais , que incluem o Dioptrique , o Météores e o Géométrie .
  • 1637. La Géométrie (Geometry). Descartes's major work in mathematics. There is an English translation by Michael Mahoney (New York: Dover, 1979).
  • 1641. Meditationes de prima philosophia (Meditations on First Philosophy), also known as Metaphysical Meditations. In Latin; a second edition, published the following year, included an additional objection and reply, and a Letter to Dinet. A French translation by the Duke of Luynes, probably done without Descartes's supervision, was published in 1647. Includes six Objections and Replies.
  • 1644. Principia philosophiae (Principles of Philosophy), a Latin textbook at first intended by Descartes to replace the Aristotelian textbooks then used in universities. A French translation, Principes de philosophie by Claude Picot, under the supervision of Descartes, appeared in 1647 with a letter-preface to Princess Elisabeth of Bohemia.
  • 1647. Notae in programma (Comments on a Certain Broadsheet). A reply to Descartes's one-time disciple Henricus Regius.
  • 1648. La description du corps humain (The Description of the Human Body). Published posthumously by Clerselier in 1667.
  • 1648. Responsiones Renati Des Cartes... (Conversation with Burman). Notes on a Q&A session between Descartes and Frans Burman on 16 April 1648. Rediscovered in 1895 and published for the first time in 1896. An annotated bilingual edition (Latin with French translation), edited by Jean-Marie Beyssade, was published in 1981 (Paris: PUF).
  • 1649. Les passions de l'âme (Passions of the Soul). Dedicated to Princess Elisabeth of the Palatinate.
  • 1657. Correspondance (three volumes: 1657, 1659, 1667). Published by Descartes's literary executor Claude Clerselier. The third edition, in 1667, was the most complete; Clerselier omitted, however, much of the material pertaining to mathematics.

In January 2010, a previously unknown letter from Descartes, dated 27 May 1641, was found by the Dutch philosopher Erik-Jan Bos when browsing through Google. Bos found the letter mentioned in a summary of autographs kept by Haverford College in Haverford, Pennsylvania. The college was unaware that the letter had never been published. This was the third letter by Descartes found in the last 25 years.[156][157]

Collected editions

  • Oeuvres de Descartes edited by Charles Adam and Paul Tannery, Paris: Léopold Cerf, 1897–1913, 13 volumes; new revised edition, Paris: Vrin-CNRS, 1964–1974, 11 volumes (the first 5 volumes contains the correspondence). [This edition is traditionally cited with the initials AT (for Adam and Tannery) followed by a volume number in Roman numerals; thus AT VII refers to Oeuvres de Descartes volume 7.]
  • Étude du bon sens, La recherche de la vérité et autres écrits de jeunesse (1616–1631) edited by Vincent Carraud and Gilles Olivo, Paris: PUF, 2013.
  • Descartes, Œuvres complètes, new edition by Jean-Marie Beyssade and Denis Kambouchner, Paris: Gallimard, published volumes:
    • I: Premiers écrits. Règles pour la direction de l'esprit, 2016.
    • III: Discours de la Méthode et Essais, 2009.
    • VIII.1: Correspondance, 1 edited by Jean-Robert Armogathe, 2013.
    • VIII.2: Correspondance, 2 edited by Jean-Robert Armogathe, 2013.
  • René Descartes. Opere 1637–1649, Milano, Bompiani, 2009, pp. 2531. Edizione integrale (di prime edizioni) e traduzione italiana a fronte, a cura di G. Belgioioso con la collaborazione di I. Agostini, M. Marrone, M. Savini ISBN 978-88-452-6332-3.
  • René Descartes. Opere 1650–2009, Milano, Bompiani, 2009, pp. 1723. Edizione integrale delle opere postume e traduzione italiana a fronte, a cura di G. Belgioioso con la collaborazione di I. Agostini, M. Marrone, M. Savini ISBN 978-88-452-6333-0.
  • René Descartes. Tutte le lettere 1619–1650, Milano, Bompiani, 2009 IIa ed., pp. 3104. Nuova edizione integrale dell'epistolario cartesiano con traduzione italiana a fronte, a cura di G. Belgioioso con la collaborazione di I. Agostini, M. Marrone, F.A. Meschini, M. Savini e J.-R. Armogathe ISBN 978-88-452-3422-4.
  • René Descartes, Isaac Beeckman, Marin Mersenne. Lettere 1619–1648, Milano, Bompiani, 2015 pp. 1696. Edizione integrale con traduzione italiana a fronte, a cura di Giulia Beglioioso e Jean Robert-Armogathe ISBN 978-88-452-8071-9.

Early editions of specific works

Collected English translations

  • 1955. The Philosophical Works , ES Haldane e GRT Ross, trad. Publicações de Dover. Este trabalho é tradicionalmente citado com as iniciais HR (para Haldane e Ross) seguidas por um número de volume em algarismos romanos; assim, HR II refere-se ao volume 2 desta edição.
  • 1988. The Philosophical Writings of Descartes in 3 vols. Cottingham, J., Stoothoff, R., Kenny, A., and Murdoch, D., trans. Cambridge University Press. This work is traditionally cited with the initials CSM (for Cottingham, Stoothoff, and Murdoch) or CSMK (for Cottingham, Stoothoff, Murdoch, and Kenny) followed by a volume number in Roman numeral; thus CSM II refers to volume 2 of this edition.
  • 1998. René Descartes: The World and Other Writings. Translated and edited by Stephen Gaukroger. Cambridge University Press. (This consists mainly of scientific writings, on physics, biology, astronomy, optics, etc., which were very influential in the 17th and 18th centuries, but which are routinely omitted or much abridged in modern collections of Descartes's philosophical works.)

Translation of single works

Veja também

References

Notes

  1. ^ Although the uncertain authorship of this most iconic portrait of Descartes was traditionally attributed to Frans Hals, there is no record of their meeting. During the 20th century the assumption was widely challenged.[1]
  2. ^ Forma Adjetival : cartesiano / k ɑr t i z i ə n , - i ʒ ən /

Citations

  1. ^ Nadler, S. , o filósofo, o padre, e o pintor (Princeton: Princeton University Press , 2013), pp. 174–198.
  2. ^ Tad M. Schmaltz, Radical Cartesianism: The French Reception of Descartes , Cambridge University Press , 2002, p. 257 .
  3. ^ Fumerton, Richard (21 February 2000). "Foundationalist Theories of Epistemic Justification". Stanford Encyclopedia of Philosophy. Retrieved 19 August 2018.
  4. ^ Bostock, D., Philosophy of Mathematics: An Introduction, Wiley-Blackwell, 2009, p. 43: "All of Descartes, Locke, Berkeley, and Hume supposed that mathematics is a theory of our ideas, but none of them offered any argument for this conceptualist claim, and apparently took it to be uncontroversial."
  5. ^ Gutting, Gary (1999). Liberalismo pragmático e a crítica da modernidade . Cambridge University Press. p. 116 . ISBN 9780521649735. A modernidade começa com a mutação do agostinianismo de Descartes. Taylor enfatiza que "Descartes é, em muitos aspectos, profundamente agostiniano".
  6. ^ Yolton, JW , Realism and Appearances: An Essay in Ontology , Cambridge University Press, 2000, p. 136 .
  7. ^ "The Correspondence Theory of Truth" ( Stanford Encyclopedia of Philosophy )
  8. ^ Gaukroger, S., Descartes: An Intellectual Biography , Clarendon Press, 1995, p. 228 .
  9. ^ a b Étienne Gilson argued in La Liberté chez Descartes et la Théologie (Alcan, 1913, pp. 132–147) that Duns Scotus was not the source of Descartes's Voluntarism. Although there exist doctrinal differences between Descartes and Scotus "it is still possible to view Descartes as borrowing from a Scotist Voluntarist tradition" (see: John Schuster, Descartes-Agonistes: Physico-mathematics, Method & Corpuscular-Mechanism 1618–33, Springer, 2012, p. 363, n. 26).
  10. ^ Marenbon, John (2007). Medieval Philosophy: an historical and philosophical introduction. Routledge. p. 174. ISBN 978-0-415-28113-3.
  11. ^ H. Ben-Yami, Descartes' Philosophical Revolution: A Reassessment, Palgrave Macmillan, 2015, p. 76.
  12. ^ H. Ben-Yami, Descartes' Philosophical Revolution: A Reassessment, Palgrave Macmillan, 2015, p. 179: "[Descartes'] work in mathematics was apparently influenced by Viète's, despite his denial of any acquaintance with the latter's work."
  13. ^ a b Mercer, C., "Descartes' debt to Teresa of Ávila, or why we should work on women in the history of philosophy", Philosophical Studies 174, 2017.
  14. ^ "Jacques Bénigne Bossuet, French prelate and historian (1627–1704)" from the Encyclopædia Britannica, 10th Edition (1902)
  15. ^ Wells, John (3 April 2008). Longman Pronunciation Dictionary (3rd ed.). Pearson Longman. ISBN 978-1-4058-8118-0.
  16. ^ "Descartes". Collins English Dictionary. HarperCollins.
  17. ^ "Descartes, René" (US English). Lexico. Oxford University Press. 2020.
  18. ^ Colie, Rosalie L. (1957). Light and Enlightenment. Cambridge University Press. p. 58.
  19. ^ Nadler, Steven . 2015. O Filósofo, o Sacerdote e o Pintor: Um Retrato de Descartes . Princeton University Press. ISBN 978-0-691-16575-2 . 
  20. ^ Carlson, Neil R. (2001). Fisiologia do Comportamento . Needham Heights, Massachusetts: Pearson: Allyn & Bacon. p. 8. ISBN 978-0-205-30840-8.
  21. ^ Esta ideia já havia sido proposta pelo filósofo espanhol Gómez Pereira há cem anos na forma: "Eu sei que sei algo, quem sabe existe, então eu existo" ( nosco me aliquid noscere, & quidquid noscit, est, ergo soma do ego ).
    • Pereira, Gómez. 1749 [1554]. "De Immortalitate Animae." Antoniana Margarita . p. 277.
    • Santos López, Modesto. 1986. "Gómez Pereira, médico y filósofo medinense." Em Historia de Medina del Campo y su Tierra, volume I: Nacimiento y expansión , editado por EL Sanz.
  22. ^ a b c Bertrand Russell (2004) História da filosofia ocidental, pp. 511, 516-17
  23. ^ Veja também: Volta epistemológica .
  24. ^ Moorman, RH 1943. " The Influence of Mathematics on the Philosophy of Spinoza ." National Mathematics Magazine 18 (3): 108–15.
  25. ^ Grondin, J. , Introdução à Metafísica: De Parmênides a Levinas ( Nova York : Columbia University Press , 2004), p. 126 .
  26. ^ a b Bruno, Leonard C. (2003) [1999]. Matemática e matemáticos: a história das descobertas matemáticas ao redor do mundo; Vol. 1 . Baker, Lawrence W. Detroit, Mich .: UX L. p. 99 . ISBN 978-0-7876-3813-9. OCLC  41497065 .
  27. ^ Rodis-Lewis, Geneviève (1992). "Descartes' Life and the Development of His Philosophy". In Cottingham, John (ed.). The Cambridge Companion to Descartes. Cambridge University Press. p. 22. ISBN 978-0-521-36696-0.
  28. ^ "All-history.org". Archived from the original on 29 January 2015. Retrieved 23 December 2014.
  29. ^ Clarke, Desmond M. (2006). Descartes : a biography. New York: Cambridge University Press. ISBN 0-511-16899-3. OCLC 67705926.
  30. ^ "Descartes, Rene | Internet Encyclopedia of Philosophy" . Retirado em 27 de julho de 2021 .
  31. ^ a b c d e Bruno, Leonard C. (2003) [1999]. Matemática e matemáticos: a história das descobertas matemáticas ao redor do mundo; Vol. 1 . Baker, Lawrence W. Detroit, Mich .: UX L. p. 100 . ISBN 978-0-7876-3813-9. OCLC  41497065 .
  32. ^ Porter, Roy (1999) [1997]. "The New Science". O maior benefício para a humanidade: uma história médica da humanidade desde a antiguidade até o presente . Grã-Bretanha: Harper Collins. p. 217. ISBN 978-0-00-637454-1.
  33. ^ Baird, Forrest E.; Kaufmann, Walter (2008). From Plato to Derrida. Upper Saddle River, New Jersey: Pearson Prentice Hall. pp. 373–377. ISBN 978-0-13-158591-1.
  34. ^ Descartes. [1637] 2011. Discourse on the Method. Zhubei: Hyweb Technology. p. 20–21.
  35. ^ a b Gaukroger, Stephen. 1995. Descartes: An Intellectual Biography. Oxford: Clarendon Press.
  36. ^ McQuillan, J. C. 2016. Early Modern Aesthetics. Lanham, MD: Rowman & Littlefield. p. 45.
  37. ^ a b c Durandin, Guy. 1970. Les Principes de la Philosophie. Introduction et notes. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin.
  38. ^ "René Descartes - Biography". Maths History. Retrieved 27 September 2020.
  39. ^ Parker, N. Geoffrey. 2007. "Battle of White Mountain" (revised). Encyclopædia Britannica.
  40. ^ Jeffery, R. 2018. Princess Elisabeth of Bohemia: The Philosopher Princess. Lanham, MD: Lexington Books. p. 68.
  41. ^ Rothkamm, J., Institutio Oratoria: Bacon, Descartes, Hobbes, Spinoza (Leiden & Boston: Brill, 2009), p. 40.
  42. ^ a b Bruno, Leonard C. (2003) [1999]. Math and mathematicians : the history of math discoveries around the world; Vol. 1. Baker, Lawrence W. Detroit, Mich.: U X L. p. 101. ISBN 978-0-7876-3813-9. OCLC 41497065.
  43. ^ Otaiku AI (2018). "René Descartes tinha Síndrome da Cabeça Explosiva?" . J. Clin. Sleep Med . 14 (4): 675–8. doi : 10.5664 / jcsm.7068 . PMC 5886445 . PMID 29609724 .  
  44. ^ Durant, Will ; Durant, Ariel (1961). The Story of Civilization: Part VII, the Age of Reason Begins . Nova York: Simon e Schuster. p. 637 . ISBN 978-0-671-01320-2.
  45. ^ Clarke (2006), pp. 58–59.
  46. ^ a b Shea, William R. 1991. A mágica dos números e do movimento . Publicações de história da ciência.
  47. ^ Matton, Sylvain, ed. 2013. Lettres sur l'or potable suivies du traité De la connaissance des vrais principes de la nature et des mélanges et de fragments d'un Commentaire sur l'Amphithéâtre de la Sapience éternelle de Khunrath, by Nicolas de Villiers. Paris: Préface de Vincent Carraud.
  48. ^ Moote, A. L. 1989. Louis XIII, the Just. Oakland: University of California Press. pp. 271–72.
  49. ^ Grayling, A. C. 2006. Descartes: The Life of René Descartes and Its Place in His Times. Simon & Schuster. pp. 151–52.
  50. ^ Durant, Will e Ariel (1961). A História da Civilização: Par VII, a Era da Razão Começa . Nova York: Simon e Schuster. p. 638 . ISBN 978-0-671-01320-2.
  51. ^ Porterfield, J., René Descartes (Nova York: Rosen Publishing , 2018), p. 66 .
  52. ^ Russell Shorto, Descartes 'Bones: A Skeletal History of the Conflict Between Faith and Reason ISBN 978-0-385-51753-9 (Nova York, Random House, 2008) 
  53. ^ While in the Netherlands he changed his address frequently, living among other places in Dordrecht (1628), Franeker (1629), Amsterdam (1629–1630), Leiden (1630), Amsterdam (1630–1632), Deventer (1632–1634), Amsterdam (1634–1635), Utrecht (1635–1636), Leiden (1636), Egmond (1636–1638), Santpoort (1638–1640), Leiden (1640–1641), Endegeest (a castle near Oegstgeest) (1641–1643), and finally for an extended time in Egmond-Binnen (1643–1649).
  54. ^ He had lived with Henricus Reneri in Deventer and Amsterdam, and had met with Constantijn Huygens and Vopiscus Fortunatus Plempius; Descartes was interviewed by Frans Burman at Egmond-Binnen in 1648. Henricus Regius, Jan Stampioen, Frans van Schooten, Comenius and Gisbertus Voetius were his main opponents.
  55. ^ a b c Bruno, Leonard C. (2003) [1999]. Math and mathematicians: the history of math discoveries around the world; Vol. 1. Baker, Lawrence W. Detroit, Mich.: U X L. p. 103. ISBN 978-0-7876-3813-9. OCLC 41497065.
  56. ^ Descartes, Discourse on the Method (Zhubei: Hyweb Technology: 2011), p. 88.
  57. ^ "Pierre de Fermat | Biography & Facts". Encyclopedia Britannica. Retrieved 14 November 2017.
  58. ^ Craig, D. J., "She Thinks, Therefore I Am", Columbia Magazine, Fall 2017.
  59. ^ Harth, E., Cartesian Women: Versions and Subversions of Rational Discourse in the Old Regime, (Ithaca: Cornell University Press, 1992), pp. 67–77.
  60. ^ Blom, John J., Descartes, His Moral Philosophy and Psychology. New York University Press, 1978. ISBN 0-8147-0999-0
  61. ^ Bruno, Leonard C. (2003) [1999]. Math and mathematicians : the history of math discoveries around the world. Baker, Lawrence W. Detroit, Mich.: U X L. pp. 103–4. ISBN 978-0-7876-3813-9. OCLC 41497065.
  62. ^ a b Smith, Kurt (Fall 2010). "Descartes' Life and Works". Stanford Encyclopedia of Philosophy.
  63. ^ Meteorologia moderna: uma série de seis palestras: ministradas sob os auspícios da Sociedade Meteorológica em 1878 , 1879, p. 73 .
  64. ^ Bruno, Leonard C. (2003) [1999]. Matemática e matemáticos: a história das descobertas matemáticas em todo o mundo . Baker, Lawrence W. Detroit, Mich .: UX L. p. 104 . ISBN 978-0-7876-3813-9. OCLC  41497065 .
  65. ^ "Il ya des preuves que René Descartes a été assassiné" . L'Obs (em francês) . Página visitada em 27 de setembro de 2020 .
  66. ^ "Severity of winter seasons in the northern Baltic Sea between 1529 and 1990: reconstruction and analysis" by S. Jevrejeva (2001), p. 6, Table 3
  67. ^ Pies Е., Der Mordfall Descartes, Solingen, 1996, and Ebert Т., Der rätselhafte Tod des René Descartes, Aschaffenburg, Alibri, 2009. French translation: L'Énigme de la mort de Descartes, Paris, Hermann, 2011
  68. ^ "Descartes was "poisoned by Catholic priest" – The Guardian, Feb 14 2010". The Guardian. 14 February 2010. Retrieved 8 October 2014.
  69. ^ "Descartes foi assassinado em Estocolmo?" . Stockholm News . 22 de fevereiro de 2010. Arquivado do original em 15 de dezembro de 2014.[ fonte autopublicada ]
  70. ^ Ebert, Theodor (2009). Der rätselhafte Tod des René Descartes (em alemão). Alibri Verlag . ISBN 978-3-86569-048-7.
  71. ^ a b Garstein, Oskar (1992). Roma e a Contra-Reforma na Escandinávia: A Idade de Gustavo Adolfo e a Rainha Cristina da Suécia, 1622-1656 . BRILL. ISBN 978-90-04-09395-9.
  72. ^ a b Rodis-Lewis, Geneviève (1999). Descartes: sua vida e pensamento . Cornell University Press. ISBN 978-0-8014-8627-2.
  73. ^ a b Oppy, Graham ; Trakakis, NN (11 de setembro de 2014). Filosofia da Religião Moderna: A História da Filosofia da Religião Ocidental, volume 3 . Routledge. ISBN 978-1-317-54645-0.
  74. ^ "Andrefabre.e-monsite.com" . Arquivado do original em 5 de novembro de 2014 . Retirado em 21 de dezembro de 2014 .
  75. ^ Watson, R., Cogito, Ergo Sum: The Life of René Descartes (Boston: David R. Godine, 2002), pp. 137–154.
  76. ^ The remains are, two centuries later, still resting between two other graves—those of the scholarly monks Jean Mabillon and Bernard de Montfaucon—in a chapel of the abbey.
  77. ^ "5 historical figures whose heads have been stolen". Strange Remains. 23 July 2015. Retrieved 29 November 2016.
  78. ^ Copenhaver, Rebecca. "Forms of skepticism". Archived from the original on 8 January 2005. Retrieved 15 August 2007.
  79. ^ a b Newman, Lex (2016). Zalta, Edward N. (ed.). Stanford Encyclopedia of Philosophy (Winter 2016 ed.). Metaphysics Research Lab, Stanford University.
  80. ^ "Cogito, ergo sum | philosophy". Encyclopedia Britannica. Retrieved 28 July 2021.
  81. ^ "Ten books: Chosen by Raj Persuade". The British Journal of Psychiatry.
  82. ^ Descartes, René (1644). The Principles of Philosophy. IX.
  83. ^ Bardt, C., Material and Mind (Cambridge, MA: MIT Press, 2019), p. 109.
  84. ^ a b c d Descartes, René. "Letter of the Author to the French Translator of the Principles of Philosophy serving for a preface". Translated by Veitch, John. Retrieved 6 December 2011.
  85. ^ Cottingham, John. "'A Brute to the Brutes?': Descartes' Treatment of Animals" (PDF). Whitman People. Retrieved 24 February 2018.
  86. ^ Watson, Richard A. (January 1982). "What Moves the Mind: An Excursion in Cartesian Dualism". American Philosophical Quarterly. University of Illinois Press. 19 (1): 73–81. JSTOR 20013943.
  87. ^ Gobert, R. D., The Mind-Body Stage: Passion and Interaction in the Cartesian Theater (Stanford: Stanford University Press, 2013).
  88. ^ David Cunning (2014). The Cambridge Companion to Descartes' Meditations. Cambridge University Press. p. 277. ISBN 978-1-107-72914-8.
  89. ^ a b David Cunning (2014). The Cambridge Companion to Descartes' Meditations. Cambridge University Press. p. 278. ISBN 978-1-107-72914-8.
  90. ^ David Cunning (2014). The Cambridge Companion to Descartes' Meditations. Cambridge University Press. p. 279. ISBN 978-1-107-72914-8.
  91. ^ David Cunning (2014). The Cambridge Companion to Descartes' Meditations. Cambridge University Press. p. 280. ISBN 978-1-107-72914-8.
  92. ^ Georges Dicker (2013). Descartes: An Analytic and Historical Introduction. OUP. p. 86. ISBN 978-0-19-538032-3.
  93. ^ Georges Dicker (2013). Descartes: An Analytic and Historical Introduction. OUP. p. 87. ISBN 978-0-19-538032-3.
  94. ^ Georges Dicker (2013). Descartes: An Analytic and Historical Introduction. OUP. p. 301. ISBN 978-0-19-538032-3.
  95. ^ a b c Georges Dicker (2013). Descartes: An Analytic and Historical Introduction. OUP. p. 303. ISBN 978-0-19-538032-3.
  96. ^ Stanford Encyclopaedia of Philosophy (online): Descartes and the Pineal Gland.
  97. ^ a b Eric Shiraev (2010). A History of Psychology: A Global Perspective: A Global Perspective. Sage. p. 88. ISBN 978-1-4129-7383-0.
  98. ^ Baldwin, Bird T. (April 1913). "John Locke's Contributions to Education" (PDF). The Sewanee Review. The Johns Hopkins University Press. 21 (2): 177–187. JSTOR 27532614.
  99. ^ "17th and 18th Century Theories of Emotions > Descartes on the Emotions (Stanford Encyclopedia of Philosophy)". The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Retrieved 29 July 2021.
  100. ^ Eric Shiraev (2010). A History of Psychology: A Global Perspective: A Global Perspective. Sage. p. 86. ISBN 978-1-4129-7383-0.
  101. ^ a b Eric Shiraev (2010). A History of Psychology: A Global Perspective: A Global Perspective. Sage. p. 87. ISBN 978-1-4129-7383-0.
  102. ^ Eric Shiraev (2010). A History of Psychology: A Global Perspective. Sage. p. 88. ISBN 978-1-4129-7383-0.
  103. ^ Pickavé, M., & Shapiro, L., eds., Emotion and Cognitive Life in Medieval and Early Modern Philosophy (Oxford: Oxford University Press, 2012), p. 189.
  104. ^ a b Blom, John J., Descartes. His moral philosophy and psychology. New York University Press. 1978. ISBN 0-8147-0999-0
  105. ^ Jacob, Margaret C. (2009). The Scientific Revolution A Brief History with Documents. Boston: Bedford/St. Martin's. pp. 16, 17. ISBN 978-0-312-65349-1.
  106. ^ Dicker, G., Descartes: An Analytical and Historical Introduction (Oxford: Oxford University Press, 2013), pp. 118ff.
  107. ^ Carus, Lucretius (1947). De Rerum Natura. Oxford University Press. pp. 146–482.
  108. ^ "Argumento de marca registrada" . Oxford Reference . Retirado em 29 de julho de 2021 .
  109. ^ Descartes, Rene "Meditations on First Philosophy, 3rd Ed., Traduzido do latim por: Donald A. Cress
  110. ^ Descartes, René. (2009). Encyclopædia Britannica 2009 Deluxe Edition . Chicago: Encyclopædia Britannica.
  111. ^ Edward C. Mendler, Falsas Verdades: O erro de confiar na autoridade , p. 16
  112. ^ Peterson, LL, American Trinity: Jefferson, Custer e o Espírito do Oeste ( Helena, MT : Sweetgrass Books, 2017), p. 274 .
  113. ^ "Descartes, Rene | Internet Encyclopaedia of Philosophy" . www.iep.utm.edu . Retirado em 22 de fevereiro de 2017 .
  114. ^ Gaukroger, Stephen (1995). Descartes - Uma Biografia Intelectual . Oxford University Press Inc., Nova York: Clarendon Press. pp. 355–356. ISBN 978-0-19-823994-9.
  115. ^ Grosholz, Emily (1991). Método cartesiano e o problema da redução . Imprensa da Universidade de Oxford. ISBN  978-0-19-824250-5. But contemporary debate has tended to...understand [Cartesian method] merely as the 'method of doubt'...I want to define Descartes' method in broader terms...to trace its impact on the domains of mathematics and physics as well as metaphysics.
  116. ^ Waddicor, M. H., Montesquieu and the Philosophy of Natural Law (Leiden: Martinus Nijhoff Publishers, 1970), p. 63.
  117. ^ "Animal Consciousness, No. 2. Historical background". Stanford Encyclopaedia of Philosophy. 23 December 1995. Retrieved 16 December 2014.
  118. ^ Parker, J. V., Animal Minds, Animal Souls, Animal Rights (Lanham: University Press of America, 2010), pp. 16, 88, 99.
  119. ^ Gaukroger, S., Descartes' System of Natural Philosophy (Cambridge: Cambridge University Press, 2002), pp. 180–214.
  120. ^ Spencer, J., "'Love and Hatred are Common to the Whole Sensitive Creation': Animal Feeling in the Century before Darwin," in A. Richardson, ed., After Darwin: Animals, Emotions, and the Mind (Amsterdam and New York: Rodopi, 2013), p. 37.
  121. ^ Workman, L. (2013). Charles Darwin: The Shaping of Evolutionary Thinking. Palgrave Macmillan. p. 177. ISBN 978-1-137-31323-2.
  122. ^ Heidegger [1938] (2002), p. 76 quotation:

    Descartes... that which he himself founded... modern (and that means, at the same time, Western) metaphysics.

  123. ^ Schmaltz, Tad M. Radical Cartesianism: The French Reception of Descartes p. 27 quotation:

    The Descartes most familiar to twentieth-century philosophers is the Descartes of the first two Meditations, someone proccupied with hyperbolic doubt of the material world and the certainty of knowledge of the self that emerges from the famous cogito argument.

  124. ^ Roy Wood Sellars (1949) Philosophy for the future: the quest of modern materialism quotation:

    Husserl has taken Descartes very seriously in a historical as well as in a systematic sense [...] [in The Crisis of the European Sciences and Transcendental Phenomenology, Husserl] finds in the first two Meditations of Descartes a depth which it is difficult to fathom, and which Descartes himself was so little able to appreciate that he let go "the great discovery" he had in his hands.

  125. ^ Martin Heidegger [1938] (2002) The Age of the World Picture quotation:

    For up to Descartes...a particular sub-iectum...lies at the foundation of its own fixed qualities and changing circumstances. The superiority of a sub-iectum...arises out of the claim of man to a...self-supported, unshakeable foundation of truth, in the sense of certainty. Why and how does this claim acquire its decisive authority? The claim originates in that emancipation of man in which he frees himself from obligation to Christian revelational truth and Church doctrine to a legislating for himself that takes its stand upon itself.

  126. ^ Ingraffia, Brian D. (1995) Postmodern theory and biblical theology: vanquishing God's shadow p. 126
  127. ^ Norman K. Swazo (2002) Crisis theory and world order: Heideggerian reflections pp. 97–99
  128. ^ a b c Lovitt, Tom (1977) introduction to Martin Heidegger's The question concerning technology, and other essays, pp. xxv–xxvi
  129. ^ Briton, Derek The modern practice of adult education: a postmodern critique p. 76
  130. ^ Martin Heidegger The Word of Nietzsche: God is Dead pp. 88–90
  131. ^ Heidegger [1938] (2002), p. 75 quotation:

    With the interpretation of man as subiectum, Descartes creates the metaphysical presupposition for future anthropology of every kind and tendency.

  132. ^ Schwartz, B. I., China and Other Matters (Cambridge, MA: Harvard University Press, 1996), p. 95, quotation:

    ... the kind of anthropocentric subjectivism which has emerged from the Cartesian revolution.

  133. ^ Charles B. Guignon Heidegger and the problem of knowledge p. 23
  134. ^ Husserl, Edmund (1931) Cartesian Meditations: An Introduction to Phenomenology quotation:

    When, with the beginning of modern times, religious belief was becoming more and more externalized as a lifeless convention, men of intellect were lifted by a new belief: their great belief in an autonomous philosophy and science. [...] in philosophy, the Meditations were epoch-making in a quite unique sense, and precisely because of their going back to the pure ego cogito. Descartes work has been used, in fact to inaugurates an entirely new kind of philosophy. Changing its total style, philosophy takes a radical turn: from naïve objectivism to transcendental subjectivism.

  135. ^ René Descartes, Discourse de la Méthode (Leiden, Netherlands): Jan Maire, 1637, appended book: La Géométrie, book one, p. 299. From p. 299: " ... Et aa, ou a2, pour multiplier a par soy mesme; Et a3, pour le multiplier encore une fois par a, & ainsi a l'infini; ... " ( ... and aa, or a2, in order to multiply a by itself; and a3, in order to multiply it once more by a, and thus to infinity; ... )
  136. ^ Sorell, T., Descartes: A Very Short Introduction (2000). New York: Oxford University Press. p. 19.
  137. ^ Gaukroger, S., "The nature of abstract reasoning: philosophical aspects of Descartes' work in algebra", in J. Cottingham, ed., The Cambridge Companion to Descartes (Cambridge: Cambridge University Press, 1992), pp. 91–114.
  138. ^ Morris Kline, Mathematical Thought from Ancient to Modern Times, Vol. 1 (1972). New York & Oxford: Oxford University Press. pp. 280–281.
  139. ^ Gullberg, janeiro (1997). Matemática desde o nascimento dos números . WW Norton. ISBN 978-0-393-04002-9.
  140. ^ a b c Slowik, Edward (22 de agosto de 2017). "Física de Descartes" . Em Edward N. Zalta (ed.). Arquivo da Enciclopédia de Filosofia de Stanford . Página visitada em 1 de outubro de 2018 .
  141. ^ Alexander Afriat, "Cartesian and Lagrangian Momentum" (2004).
  142. ^ René Descartes (1664). Principia Philosophiae . Parte II, §§ 37–40.
  143. ^ Tipler, PA e G. Mosca (2004). Física para cientistas e engenheiros . WH Freeman. ISBN 978-0-7167-4389-7.
  144. ^ "René Descartes". Encarta. Microsoft. 2008. Archived from the original on 7 September 2007. Retrieved 15 August 2007.
  145. ^ Westfall, R. S., Never at Rest: A Biography of Isaac Newton (Cambridge: Cambridge University Press, 1980), p. 100.
  146. ^ Whiteside, D. T., "Newton the Mathematician", in Z. Bechler, ed., Contemporary Newtonian Research (Berlin/Heidelberg: Springer, 1982), pp. 109–129.
  147. ^ Maclean, I., introduction to Descartes, R., A Discourse on the Method of Correctly Conducting One's Reason and Seeking Truth in the Sciences (Oxford: Oxford University Press, 2006), pp. xliii–xliv.
  148. ^ Cottingham, John; Murdoch, Dugald; Stoothof, Robert (1984). "Comments on a Certain Broadsheet". The Philosophical Writings of Descartes. Cambridge University Press. p. 293. ISBN 978-0-521-28807-1.
  149. ^ "The Rosicrucian history". www.rosicrucian.org.
  150. ^ a b Bond, Steven (24 de junho de 2011). " " RC ": Rosacrucianismo e Cartesianismo em Joyce e Beckett" . Miranda (4–2011). doi : 10.4000 / miranda.1939 . ISSN 2108-6559 . OCLC 5497224736 . Arquivado do original em 2 de junho de 2018 - via DOAJ .  
  151. ^ Henri, John; Nolan, Lawrence (26 de janeiro de 2015). Nolan, Lawrence (ed.). "Rosacruz" . The Cambridge Descartes Lexicon . Cambridge University Press: 659–660. doi : 10.1017 / CBO9780511894695.224 . ISBN 9780511894695. Arquivado do original em 10 de junho de 1981 . Página visitada em 13 de maio de 2021 .
  152. ^ Mansikka, Tomas (21 de abril de 2018). "Esoterismo ao contrário. Descartes e a imaginação poética no século XVII" (pdf) . Aproximando-se da religião . 8 (1): 84. doi : 10.30664 / ar.66731 . ISSN 1799-3121 . OCLC 8081521487 . Recuperado em 13 de maio de 2021 - via [1] .   
  153. ^ Cook, H. J., in Porter, R., & Teich, M., eds., The Scientific Revolution in National Context (Cambridge: Cambridge University Press, 1992), pp. 127–129.
  154. ^ Federico, Pasquale Joseph (1982). Descartes on Polyhedra: A Study of the "De solidorum elementis". Sources in the History of Mathematics and Physical Sciences. 4. Springer.
  155. ^ Cottingham, J., Murdoch, D., & Stoothof, R., trans. and eds., The Philosophical Writings of Descartes, Vol. 2 (Cambridge: Cambridge University, 1984), pp. 264ff.
  156. ^ Vlasblom, Dirk (25 de fevereiro de 2010). "Carta desconhecida de Descartes encontrada" . NRC.nl (em holandês). Arquivado do original em 8 de novembro de 2016 . Retirado em 30 de maio de 2012 .
  157. ^ Vlasblom, Dirk. "Hoe Descartes em 1641 op andere gedachten kwam" . NRC.nl (em holandês). Arquivado do original em 27 de outubro de 2016.

Fontes

Ligações externas

Geral

Bibliographies

Stanford Encyclopedia of Philosophy

Internet Encyclopedia of Philosophy

Other