Democracia

Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Ir para navegação Pular para pesquisar

Uma pessoa dá seu voto no segundo turno das eleições presidenciais francesas de 2007

Democracia ( grego : δημοκρατία , dēmokratiā , de dēmos 'povo' e kratos 'governo' [1] ) é uma forma de governo em que o povo tem autoridade para deliberar e decidir a legislação (" democracia direta "), ou para escolher governar funcionários a fazê-lo (" democracia representativa"). Quem é considerado parte do" povo "e como a autoridade é compartilhada ou delegada pelo povo mudou ao longo do tempo e em taxas diferentes em diferentes países, mas com o tempo cada vez mais habitantes de um país democrático foram geralmente incluídos As pedras angulares da democracia incluem a liberdade de reunião e expressão , inclusão e igualdade , filiação , consentimento , voto , direito à vida e direitos das minorias .

A noção de democracia evoluiu consideravelmente ao longo do tempo. A forma original de democracia era uma democracia direta. A forma mais comum de democracia hoje é a democracia representativa , onde o povo elege funcionários do governo para governar em seu nome, como em uma democracia parlamentar ou presidencial . [2]

A tomada de decisão diária predominante nas democracias é a regra da maioria , [3] [4] embora outras abordagens de tomada de decisão, como a maioria absoluta e o consenso , também tenham sido parte integrante das democracias. Eles servem ao propósito crucial de inclusão e legitimidade mais ampla em questões delicadas - contrabalançar o majoritarismo - e, portanto, geralmente têm precedência em um nível constitucional. Na variante comum da democracia liberal , os poderes da maioria são exercidos no âmbito de uma democracia representativa, mas a constituiçãolimita a maioria e protege a minoria - geralmente por meio do gozo de todos os direitos individuais, por exemplo, liberdade de expressão ou liberdade de associação. [5] [6]

O termo apareceu no século 5 aC para denotar os sistemas políticos então existentes nas cidades-estado gregas , notavelmente a Atenas clássica , para significar "governo do povo", em contraste com a aristocracia ( ἀριστοκρατία , aristokratía ), que significa "governo de uma elite " [7] A democracia ocidental , distinta daquela que existia na antiguidade, é geralmente considerada como tendo se originado em cidades-estado como as da Atenas Clássica e da República Romana , onde vários esquemas e graus de emancipação da população masculina livre foram observados antes que a forma desaparecesse no Ocidente no início deantiguidade tardia . Em virtualmente todos os governos democráticos ao longo da história antiga e moderna, a cidadania democrática consistia em uma classe de elite até que a emancipação plena fosse conquistada para todos os cidadãos adultos na maioria das democracias modernas por meio dos movimentos sufragistas dos séculos XIX e XX.

A democracia contrasta com as formas de governo em que o poder é detido por um indivíduo, como em sistemas autocráticos como a monarquia absoluta , ou onde o poder é detido por um pequeno número de indivíduos, como em uma oligarquia - oposições herdadas da filosofia grega antiga . [8] Karl Popper definiu a democracia em contraste com a ditadura ou tirania , focalizando as oportunidades para o povo controlar seus líderes e expulsá-los sem a necessidade de uma revolução . [9]

Características

  Mais democrático (mais próximo de 10)
  Menos democrático (mais próximo de 0)
O status de fato da democracia no mundo em 2020, de acordo com o Índice de Democracia do The Economist [10]
O status de jure da democracia no mundo em 2020; apenas a Arábia Saudita , Omã , Emirados Árabes Unidos , Qatar , Brunei e o Vaticano não afirmam ser uma democracia.

Embora a democracia seja geralmente entendida como definida pelo voto, [1] [6] não existe consenso sobre uma definição precisa de democracia. [11] Karl Popper diz que a visão "clássica" da democracia é simplesmente, [12] "em resumo, a teoria de que a democracia é o governo do povo e que o povo tem o direito de governar". Kofi Annan afirma que "existem tantas formas diferentes de democracia quantas são as nações democráticas do mundo". [13] Um estudo identificou 2.234 adjetivos usados ​​para descrever a democracia na língua inglesa. [14]

Os princípios democráticos são refletidos em todos os cidadãos elegíveis sendo iguais perante a lei e tendo igual acesso aos processos legislativos. [ carece de fontes? ] Por exemplo, em uma democracia representativa , cada voto tem peso igual, nenhuma restrição irracional pode ser aplicada a qualquer pessoa que pretenda se tornar um representante, [de acordo com quem? ] e a liberdade de seus cidadãos elegíveis é garantida por direitos e liberdades legitimados que são tipicamente protegidos por uma constituição . [15] [16] Outros usos de "democracia" incluem o de democracia direta , em que as questões são votadas diretamente pelos constituintes.

Uma teoria sustenta que a democracia requer três princípios fundamentais: controle ascendente (soberania residindo nos níveis mais baixos de autoridade), igualdade política e normas sociais pelas quais os indivíduos e instituições consideram apenas atos aceitáveis ​​que reflitam os dois primeiros princípios de controle ascendente e igualdade política . [17] A igualdade jurídica , a liberdade política e o Estado de direito [18] são frequentemente identificados como características fundamentais para o bom funcionamento de uma democracia. [11]

O termo "democracia" é às vezes usado como uma abreviatura para democracia liberal , que é uma variante da democracia representativa que pode incluir elementos como pluralismo político ; igualdade perante a lei; o direito de peticionar a funcionários eleitos para reparação de queixas; devido processo ; liberdades civis ; direitos humanos ; e elementos da sociedade civil fora do governo. [ carece de fontes? ] Roger Scruton argumentou que a democracia por si só não pode fornecer liberdade pessoal e política a menos que as instituições da sociedade civil também estejam presentes. [19]

Em alguns países, notadamente no Reino Unido, que originou o sistema de Westminster , o princípio dominante é o da soberania parlamentar , mantendo a independência judicial . [20] [21] Na Índia , a soberania parlamentar está sujeita à Constituição da Índia, que inclui revisão judicial . [22] Embora o termo "democracia" seja normalmente usado no contexto de um estado político , os princípios também se aplicam a organizações privadas .

Existem muitos métodos de tomada de decisão usados ​​nas democracias, mas o governo da maioria é a forma dominante. Sem compensação, como a proteção legal dos direitos individuais ou de grupo, as minorias políticas podem ser oprimidas pela " tirania da maioria ". A regra da maioria é uma abordagem competitiva, oposta à democracia de consenso , criando a necessidade de que as eleições , e geralmente a deliberação , sejam substantiva e processualmente " justas ", isto é, justas e equitativas . Em alguns países, liberdade de expressão política , liberdade de expressão , liberdade de imprensae a democracia na Internet são consideradas importantes para garantir que os eleitores estejam bem informados, permitindo-lhes votar de acordo com seus próprios interesses. [23] [24]

Também foi sugerido que uma característica básica da democracia é a capacidade de todos os eleitores de participar livre e plenamente na vida de sua sociedade. [25] Com sua ênfase nas noções de contrato social e na vontade coletiva de todos os eleitores, a democracia também pode ser caracterizada como uma forma de coletivismo político porque é definida como uma forma de governo em que todos os cidadãos elegíveis têm voz igual na legislando. [26]

As repúblicas , embora frequentemente associadas à democracia por causa do princípio compartilhado de governo por consentimento dos governados , não são necessariamente democracias, pois o republicanismo não especifica como o povo deve governar. [27] Classicamente, o termo " república " abrangia tanto democracias quanto aristocracias . [28] [29] Em um sentido moderno, a forma republicana de governo é uma forma de governo sem monarca . Por causa disso, as democracias podem ser repúblicas ou monarquias constitucionais , como o Reino Unido .

História

Pintura do século XIX de Philipp Foltz retratando o político ateniense Péricles fazendo seu famoso discurso fúnebre diante da Assembleia . [30]

Historicamente, democracias e repúblicas são raras. [31] Os teóricos republicanos vincularam a democracia ao pequeno tamanho: conforme as unidades políticas cresciam em tamanho, aumentava a probabilidade de o governo se tornar despótico. [31] [32] Ao mesmo tempo, pequenas unidades políticas eram vulneráveis ​​à conquista. [31] Montesquieu escreveu: "Se uma república for pequena, é destruída por uma força estrangeira; se for grande, é arruinada por uma imperfeição interna." [33] De acordo com o cientista político Daniel Deudney da Johns Hopkins University , a criação dos Estados Unidos, com seu grande tamanho e seu sistema de freios e contrapesos, foi uma solução para os problemas duplos de tamanho. [31]

Polities retrospectivamente diferentes, fora das democracias declaradas, foram descritas como protodemocráticas.

Origens

O termo democracia apareceu pela primeira vez no pensamento político e filosófico grego antigo na cidade-estado de Atenas durante a Antiguidade clássica . [34] [35] A palavra vem de dêmos '(comum) pessoas' e krátos 'força / poder'. [36] Sob Clístenes , o que geralmente é considerado o primeiro exemplo de um tipo de democracia em 508–507 aC foi estabelecido em Atenas. Clístenes é conhecido como "o pai da democracia ateniense ". [37]

A democracia ateniense assumiu a forma de uma democracia direta e tinha duas características distintas: a seleção aleatória de cidadãos comuns para preencher os poucos cargos administrativos e judiciais existentes do governo [38] e uma assembleia legislativa composta por todos os cidadãos atenienses. [39] Todos os cidadãos elegíveis tinham permissão para falar e votar na assembleia, que definia as leis da cidade-estado. No entanto, a cidadania ateniense excluía mulheres, escravos, estrangeiros (μέτοικοι / métoikoi ) e jovens abaixo da idade para o serviço militar. [40] [41] [ contraditório ]Efetivamente, apenas 1 em cada 4 residentes em Atenas se qualificou como cidadão. Possuir terras não era um requisito para a cidadania. [42] A exclusão de grandes partes da população do corpo de cidadãos está intimamente relacionada ao antigo entendimento de cidadania. Na maior parte da antiguidade, o benefício da cidadania estava vinculado à obrigação de lutar em campanhas de guerra. [43]

A democracia ateniense não era apenas direta no sentido de que as decisões eram tomadas pelo povo reunido, mas também a mais direta no sentido de que o povo através da assembléia, boule e tribunais controlavam todo o processo político e uma grande proporção dos cidadãos eram constantemente envolvidos nos negócios públicos. [44] Mesmo que os direitos do indivíduo não fossem garantidos pela constituição ateniense no sentido moderno (os antigos gregos não tinham uma palavra para "direitos" [45] ), aqueles que eram cidadãos de Atenas desfrutavam de suas liberdades, não em oposição a o governo, mas por viver em uma cidade que não estava sujeita a outro poder e por não estarem eles próprios sujeitos ao governo de outra pessoa.[46]

A votação por intervalo apareceu em Esparta já em 700 aC. A Apella era uma assembleia popular, realizada uma vez por mês, da qual podia participar todo cidadão do sexo masculino com pelo menos 30 anos de idade. No Apella, os espartanos elegeram líderes e votaram por meio de votos e gritos (a votação é então decidida em quão alto a multidão grita). Aristóteles chamou isso de "infantil", em comparação com as cédulas de pedra usadas pelos cidadãos atenienses. Esparta o adotou por causa de sua simplicidade e para evitar qualquer votação tendenciosa, compra ou trapaça que predominou nas primeiras eleições democráticas. [47] [48]

Embora a República Romana tenha contribuído significativamente para muitos aspectos da democracia, apenas uma minoria dos romanos eram cidadãos com votos nas eleições para representantes. Os votos dos poderosos ganhavam mais peso por meio de um sistema de gerrymandering , de modo que a maioria dos altos funcionários, incluindo membros do Senado , vinha de algumas famílias ricas e nobres. [49] Além disso, a derrubada do reino romano foi o primeiro caso no mundo ocidental de uma sociedade formada com o propósito explícito de ser uma república , embora não tivesse muita democracia. O modelo romano de governo inspirou muitos pensadores políticos ao longo dos séculos, [50]e as democracias representativas modernas de hoje imitam mais os modelos romanos do que os gregos, porque era um estado em que o poder supremo era exercido pelo povo e seus representantes eleitos, e que tinha um líder eleito ou nomeado. [51]

Vaishali , capital da Confederação Vajjian de (Vrijji mahajanapada ), Índia também foi considerada um dos primeiros exemplos de uma república por volta do século 6 aC. [52] [53] [54]

Outras culturas, como a Nação Iroquois nas Américas entre cerca de 1450 e 1600 DC, também desenvolveram uma forma de sociedade democrática antes de entrarem em contato com os europeus. Isso indica que formas de democracia podem ter sido inventadas em outras sociedades ao redor do mundo. [55]

Idade Média

Enquanto a maioria das regiões da Europa durante a Idade Média eram governadas por clérigos ou senhores feudais , existiam vários sistemas envolvendo eleições ou assembleias, embora frequentemente envolvendo apenas uma pequena parte da população. Na Escandinávia , os corpos conhecidos como coisas consistiam em homens livres presididos por um orador . Esses órgãos deliberativos eram responsáveis ​​por resolver questões políticas, e as variantes incluíam o Althing na Islândia e o Løgting nas Ilhas Faroé . [56] [57] The veche , encontrado emEuropa Oriental , era um corpo semelhante ao escandinavo. Na Igreja Católica Romana , o papa foi eleito por um conclave papal composto por cardeais desde 1059. O primeiro órgão parlamentar documentado na Europa foram as Cortes de León . Estabelecidas por Alfonso IX em 1188, as Cortes tinham autoridade para estabelecer impostos, relações exteriores e legislar, embora a natureza exata de seu papel permaneça contestada. [58] A República de Ragusa , fundada em 1358 e centrada em torno da cidade de Dubrovnik, forneceu representação e direitos de voto apenas para sua aristocracia masculina. Várias cidades-estado e governos italianos tinham formas republicanas de governo. Por exemplo, a República de Florença , criada em 1115, era liderada pela Signoria, cujos membros eram escolhidos por sorteio . Na Frísia dos séculos 10 a 15 , uma sociedade distintamente não feudal, o direito de voto em assuntos locais e em funcionários do condado baseava-se no tamanho da terra. O Kouroukan Fouga dividiu o Império do Mali em clãs governantes (linhagens) que foram representados em uma grande assembléia chamada Gbara . No entanto, a carta tornou o Mali mais semelhante a uma monarquia constitucional do que a umrepública democrática .

Magna Carta , 1215, Inglaterra

O Parlamento da Inglaterra tinha suas raízes nas restrições ao poder dos reis escritas na Magna Carta (1215), que protegia explicitamente certos direitos dos súditos do rei e apoiava implicitamente o que se tornou o recurso inglês de habeas corpus , salvaguardando a liberdade individual contra prisão ilegal com direito de recurso. [59] [60] A primeira assembleia nacional representativa na Inglaterra foi o Parlamento de Simon de Montfort em 1265. [61] [62] O surgimento de petiçõesé uma das primeiras evidências de que o parlamento está sendo usado como um fórum para lidar com as queixas gerais das pessoas comuns. No entanto, o poder de convocar o parlamento permaneceu nas mãos do monarca. [63]

Estudos têm relacionado o surgimento de instituições parlamentares na Europa durante o período medieval à aglomeração urbana e à criação de novas classes, como artesãos, [64] , bem como à presença de nobres e elites religiosas. [65] Os estudiosos também ligaram o surgimento de um governo representativo à relativa fragmentação política da Europa. [66]O cientista político da Universidade de Nova York David Stasavage vincula a fragmentação da Europa e sua subsequente democratização à maneira como o Império Romano desabou: o território romano foi conquistado por pequenos grupos fragmentados de tribos germânicas, levando à criação de pequenas unidades políticas onde os governantes eram relativamente fracos e precisavam do consentimento dos governados para evitar ameaças estrangeiras. [67]

Na Polónia , a nobre democracia caracterizou-se por um aumento da atividade da média nobreza , que pretendia aumentar a sua participação no exercício do poder à custa dos magnatas. Os magnatas dominavam os cargos mais importantes do estado (seculares e eclesiásticos) e faziam parte do conselho real, mais tarde senado. A crescente importância da média nobreza teve um impacto sobre o estabelecimento da instituição da sejmik da terra (assembleia local), que posteriormente obteve mais direitos. Durante o século XV e a primeira metade do século XVI, os sejmiks receberam cada vez mais poderes e se tornaram as instituições mais importantes do poder local. Em 1454, Casimiro IV Jagiellonconcedeu aos sejmiks o direito de decidir sobre impostos e de convocar uma mobilização em massa nos Estatutos de Nieszawa . Ele também se comprometeu a não criar novas leis sem seu consentimento. [68]

Era moderna

Período moderno

John Locke expandida em Thomas Hobbes 's teoria do contrato social e desenvolveu o conceito de direitos naturais , o direito à propriedade privada eo princípio do consentimento dos governados . Suas idéias constituem a base ideológica das democracias liberais de hoje.

Na Inglaterra do século 17, houve um interesse renovado pela Magna Carta . [69] O Parlamento da Inglaterra aprovou a Petição de Direito em 1628, que estabeleceu certas liberdades para os súditos. A Guerra Civil Inglesa (1642-1651) foi travada entre o rei e um oligárquico, mas eleito o Parlamento, [70] [71] durante a qual a ideia de um partido político tomou forma com grupos debatendo direitos de representação política durante os Debates Putney de 1647 . [72] Posteriormente, o Protetorado (1653-59) e a Restauração Inglesa (1660) restauraram o governo mais autocrático, embora o Parlamento tenha aprovado oHabeas Corpus Act em 1679 que fortaleceu a convenção que proibia a detenção sem causa ou evidência suficiente. Após a Revolução Gloriosa de 1688, a Declaração de Direitos foi promulgada em 1689, que codificou certos direitos e liberdades e ainda está em vigor. O projeto de lei estabelecia a exigência de eleições regulares, regras para a liberdade de expressão no Parlamento e limitava o poder do monarca, garantindo que, ao contrário de grande parte da Europa na época, o absolutismo real não prevalecesse. [73] [74] Historiadores econômicos Douglass North e Barry Weingastcaracterizaram as instituições implementadas na Revolução Gloriosa como um sucesso retumbante em termos de restringir o governo e garantir a proteção dos direitos de propriedade. [75]

O interesse renovado pela Magna Carta, a Guerra Civil Inglesa e a Revolução Gloriosa no século 17 estimularam o crescimento da filosofia política nas Ilhas Britânicas. Thomas Hobbes foi o primeiro filósofo a articular uma teoria detalhada do contrato social . Escrevendo em Leviathan (1651), Hobbes teorizou que os indivíduos que viviam no estado de natureza levavam vidas "solitárias, pobres, desagradáveis, brutais e curtas" e constantemente travavam uma guerra de todos contra todos . Para evitar a ocorrência de um estado de natureza anárquico, Hobbes argumentou que os indivíduos cederam seus direitos a um governo forte e autoritário. Mais tarde, o filósofo e médico John Lockepostularia uma interpretação diferente da teoria do contrato social. Escrevendo em seus Two Treatises of Government (1689), Locke postulou que todos os indivíduos possuíam os direitos inalienáveis ​​à vida, liberdade e propriedade (propriedade). [76] De acordo com Locke, os indivíduos se uniriam voluntariamente para formar um estado com o propósito de defender seus direitos. Particularmente importantes para Locke eram os direitos de propriedade, cuja proteção Locke considerava o objetivo principal do governo. [77] Além disso, Locke afirmou que os governos eram legítimos apenas se tivessem o consentimento dos governados . Para Locke, os cidadãos tinham o direito de se revoltarcontra um governo que agiu contra seus interesses ou se tornou tirânico. [78] Embora não tenham sido amplamente lidos durante sua vida, as obras de Locke são consideradas os documentos fundadores do pensamento liberal e influenciaram profundamente os líderes da Revolução Americana e, posteriormente, da Revolução Francesa . [79] Sua estrutura liberal democrática de governo continua a ser a forma mais proeminente de democracia no mundo.

Nas repúblicas cossacas da Ucrânia nos séculos XVI e XVII, o cossaco Hetmanate e Zaporizhian Sich , titular do posto mais alto de Hetman, foi eleito pelos representantes dos distritos do país.

Na América do Norte, o governo representativo começou em Jamestown, Virgínia , com a eleição da Casa dos Burgesses (precursora da Assembleia Geral da Virgínia ) em 1619. Puritanos ingleses que migraram de 1620 estabeleceram colônias na Nova Inglaterra cujo governo local era democrático; [80] embora essas assembleias locais tivessem algumas pequenas quantidades de poder devolvido, a autoridade final era mantida pela Coroa e pelo Parlamento Inglês. Os Puritanos ( Pais Peregrinos ), Batistas e Quakersquem fundou essas colônias aplicou a organização democrática de suas congregações também para a administração de suas comunidades em questões mundanas. [81] [82] [83]

Séculos 18 e 19.

Estátua de Atena , a deusa padroeira de Atenas , em frente ao edifício do Parlamento austríaco . Atenas tem sido usada como um símbolo internacional de liberdade e democracia desde pelo menos o final do século XVIII. [84]

O primeiro Parlamento da Grã-Bretanha foi estabelecido em 1707, após a fusão do Reino da Inglaterra e do Reino da Escócia sob os Atos de União . Embora o monarca se tornasse cada vez mais uma figura de proa , [85] o Parlamento só era eleito por proprietários do sexo masculino, que correspondiam a 3% da população em 1780. [86] O primeiro britânico conhecido de herança africana a votar em uma eleição geral, Inácio Sancho , votado em 1774 e 1780. [87] Durante a Idade da Liberdade na Suécia (1718-1772), direitos civisforam expandidos e o poder transferido do monarca para o parlamento. O campesinato tributado era representado no parlamento, embora com pouca influência, mas os plebeus sem propriedade tributada não tinham direito a sufrágio.

A criação da curta República da Córsega em 1755 foi uma das primeiras tentativas de adotar uma constituição democrática (todos os homens e mulheres com mais de 25 anos podiam votar). [88] Esta Constituição da Córsega foi a primeira baseada nos princípios do Iluminismo e incluiu o sufrágio feminino , algo que não foi concedido na maioria das outras democracias até o século XX.

No período colonial americano antes de 1776 , e por algum tempo depois, muitas vezes apenas os proprietários brancos adultos do sexo masculino podiam votar; africanos escravizados, a maioria dos negros livres e a maioria das mulheres não receberam o direito de voto. Isso mudou de estado por estado, começando com o estado republicano de New Connecticut, logo depois chamado de Vermont , que, ao declarar a independência da Grã-Bretanha em 1777, adotou uma constituição baseada na Pensilvânia com cidadania e sufrágio democrático para homens com ou sem propriedade, e passou a abolir a escravidão. [89] [90] A Revolução Americana levou à adoção da Constituição dos Estados Unidos em 1787, a mais antiga sobrevivente, ainda ativa, governamentalconstituição codificada . A Constituição previa um governo eleito e protegia os direitos e liberdades civis para alguns, mas não acabou com a escravidão nem estendeu os direitos de voto nos Estados Unidos , deixando a questão do sufrágio para os estados individuais. [91] Geralmente, os estados limitavam o sufrágio aos proprietários e contribuintes do sexo masculino, brancos. [92] Na época da primeira eleição presidencial em 1789 , cerca de 6% da população era elegível para votar. [93] A Naturalization Act de 1790 limitou a cidadania dos EUA apenas aos brancos. [94] A Declaração de Direitosem 1791, estabeleceu limites ao poder do governo para proteger as liberdades pessoais, mas teve pouco impacto nos julgamentos dos tribunais nos primeiros 130 anos após a ratificação. [95]

Em 1789, a França Revolucionária adotou a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão e, embora de curta duração, a Convenção Nacional foi eleita por todos os homens em 1792. [96] A Constituição Polonesa-Lituana de 3 de maio de 1791 buscou implementar uma monarquia constitucional mais eficaz , introduziu a igualdade política entre os cidadãos e a nobreza e colocou os camponeses sob a proteção do governo, mitigando os piores abusos da servidão . Em vigor há menos de 19 meses, foi declarado nulo e sem efeito pelo Grodno Sejm que se reuniu em 1793. [97] [98]No entanto, a Constituição de 1791 ajudou a manter vivas as aspirações polonesas para a eventual restauração da soberania do país mais de um século depois.

No entanto, no início do século 19, pouco da democracia - como teoria, prática ou mesmo como palavra - permaneceu no mundo do Atlântico Norte. [99] Durante este período, a escravidão permaneceu uma instituição social e econômica em vários lugares do mundo. Esse foi particularmente o caso nos Estados Unidos, onde oito presidentes em exercício tinham escravos, e os últimos quinze estados escravistas mantiveram a escravidão legal no Sul dos Estados Unidos até a Guerra Civil . [100] Defendendo o movimento de negros dos Estados Unidos para locais onde gozariam de maior liberdade e igualdade, na década de 1820 os membros abolicionistas da ACS estabeleceram o assentamento da Libéria . [101]O Slave Trade Act 1807 do Reino Unido proibiu o comércio em todo o Império Britânico , o que foi imposto internacionalmente pela Marinha Real sob os tratados que a Grã-Bretanha negociou com outros estados. [102] Em 1833, o Reino Unido aprovou a Lei de Abolição da Escravidão que entrou em vigor em todo o Império Britânico, embora a escravidão fosse legalmente autorizada a continuar em áreas controladas pela Companhia das Índias Orientais , no Ceilão e em Santa Helena por mais dez anos . [103]

O estabelecimento do sufrágio universal masculino na França em 1848 foi um marco importante na história da democracia.

Nos Estados Unidos, a eleição presidencial de 1828 foi a primeira em que homens brancos não possuidores de propriedades puderam votar na grande maioria dos estados. A participação eleitoral disparou durante a década de 1830, atingindo cerca de 80% da população masculina branca adulta nas eleições presidenciais de 1840 . [104] A Carolina do Norte foi o último estado a abolir a qualificação de propriedade em 1856, resultando em uma grande aproximação ao sufrágio universal masculino branco (no entanto, os requisitos de pagamento de impostos permaneceram em cinco estados em 1860 e sobreviveram em dois estados até o século 20). [105] [106] [107] [nota 1] No Censo dos Estados Unidos de 1860 , a população escrava havia crescido para quatro milhões, [108]e na Reconstrução após a Guerra Civil, três emendas constitucionais foram aprovadas: a 13ª Emenda (1865) que acabou com a escravidão; a 14ª Emenda (1869), que concedeu aos negros a cidadania, e a 15ª Emenda (1870), que deu aos homens negros o direito nominal de votar. [109] [110] A plena emancipação dos cidadãos não foi garantida até que o movimento pelos direitos civis tenha sido aprovado pelo Congresso dos Estados Unidos da Lei de Direitos de Voto de 1965 . [111] [112]

A franquia de voto no Reino Unido foi expandida e uniformizada em uma série de reformas que começaram com o Reform Act 1832 e continuaram no século 20, notadamente com o Representation of the People Act 1918 e o Equal Franchise Act 1928 . O sufrágio universal masculino foi estabelecido na França em março de 1848, após a Revolução Francesa de 1848 . [113] Em 1848, várias revoluções eclodiram na Europa quando os governantes foram confrontados com demandas populares por constituições liberais e um governo mais democrático. [114]

Em 1876, o Império Otomano fez a transição de uma monarquia absoluta para uma constitucional, e realizou duas eleições no ano seguinte para eleger membros para seu parlamento recém-formado. [115] Regulamentos eleitorais provisórios foram emitidos, declarando que os membros eleitos dos Conselhos Administrativos Provinciais elegeriam membros para o primeiro Parlamento . Mais tarde naquele ano, uma nova constituição foi promulgada, que previa um Parlamento bicameral com um Senado nomeado pelo Sultão e uma Câmara dos Deputados eleita pelo povo . Apenas homens com mais de 30 anos que eram competentes em turcoe tinha plenos direitos civis foram autorizados a concorrer às eleições. As razões para a desqualificação incluíram ter dupla nacionalidade, ser empregado por um governo estrangeiro, ser falido, empregado como empregado ou ter "notoriedade por más ações". O sufrágio universal completo foi alcançado em 1934. [116]

Em 1893, a colônia autônoma da Nova Zelândia se tornou o primeiro país do mundo (exceto para a curta República da Córsega do século 18) a conceder sufrágio universal ativo , dando às mulheres o direito de votar. [117]

Séculos 20 e 21

O número de nações de 1.800 a 2003 com pontuação de 8 ou mais na escala Polity IV , outra medida amplamente usada de democracia

As transições do século 20 para a democracia liberal ocorreram em sucessivas " ondas de democracia ", resultantes de guerras, revoluções, descolonização e circunstâncias religiosas e econômicas. [118] Ondas globais de "regressão democrática" revertendo a democratização também ocorreram nas décadas de 1920 e 30, 1960 e 1970 e 2010. [119] [120]

A Primeira Guerra Mundial e a dissolução dos impérios autocráticos otomano e austro-húngaro resultaram na criação de novos Estados-nação na Europa, a maioria deles, pelo menos nominalmente, democráticos. Na década de 1920, os movimentos democráticos floresceram e o sufrágio feminino avançou, mas a Grande Depressão trouxe o desencanto e a maioria dos países da Europa, América Latina e Ásia se voltaram para o governo do homem forte ou ditaduras. O fascismo e as ditaduras floresceram na Alemanha nazista , Itália , Espanha e Portugal , bem como em governos não democráticos no Báltico , oBálcãs , Brasil , Cuba , China e Japão , entre outros. [121]

A Segunda Guerra Mundial trouxe uma reversão definitiva dessa tendência na Europa Ocidental. A democratização dos setores americano, britânico e francês da Alemanha ocupada (disputada [122] ), Áustria, Itália e Japão ocupado serviu de modelo para a posterior teoria da mudança de governo . No entanto, a maior parte da Europa Oriental , incluindo o setor soviético da Alemanha, caiu no bloco não democrático dominado pelos soviéticos .

A guerra foi seguida pela descolonização e, novamente, a maioria dos novos estados independentes tinha constituições nominalmente democráticas. A Índia emergiu como a maior democracia do mundo e continua sendo. [123] Países que já fizeram parte do Império Britânico frequentemente adotaram o sistema Westminster britânico . [124] [125] Em 1960, a grande maioria dos países-estados eram nominalmente democracias, embora a maioria das populações do mundo vivesse em democracias nominais que experimentaram eleições simuladas e outras formas de subterfúgio (particularmente em estados "comunistas" e os primeiros colônias.)

Uma onda subsequente de democratização trouxe ganhos substanciais em direção à verdadeira democracia liberal para muitos estados, apelidada de "terceira onda de democracia". Portugal, Espanha e várias ditaduras militares na América do Sul voltaram ao governo civil nas décadas de 1970 e 1980. [nota 2] Em seguida, vieram os países do Leste e do Sul da Ásia em meados da década de 1980. O mal-estar econômico na década de 1980, junto com o ressentimento com a opressão soviética, contribuíram para o colapso da União Soviética , o fim associado da Guerra Fria e a democratização e liberalização do antigo bloco orientalpaíses. As mais bem-sucedidas das novas democracias foram aquelas geograficamente e culturalmente mais próximas da Europa Ocidental, e agora fazem parte da União Europeia ou são países candidatos . Em 1986, após a queda da ditadura asiática mais proeminente, o único estado democrático desse tipo na época surgiu nas Filipinas com a ascensão de Corazon Aquino , que mais tarde seria conhecida como a Mãe da Democracia Asiática.

Corazon Aquino fazendo o juramento de posse, tornando-se a primeira mulher presidente na Ásia

A tendência liberal se espalhou para alguns estados da África na década de 1990, mais proeminentemente na África do Sul. Alguns exemplos recentes de tentativas de liberalização incluem a Revolução Indonésia de 1998 , a Revolução Bulldozer na Iugoslávia , a Revolução das Rosas na Geórgia , a Revolução Laranja na Ucrânia, a Revolução do Cedro no Líbano, a Revolução das Tulipas no Quirguistão e a Revolução de Jasmim na Tunísia .

Era das democracias no final de 2015 [126]

De acordo com a Freedom House , em 2007 havia 123 democracias eleitorais (contra 40 em 1972). [127] De acordo com o Fórum Mundial sobre Democracia , as democracias eleitorais agora representam 120 dos 192 países existentes e constituem 58,2 por cento da população mundial. Ao mesmo tempo, as democracias liberais, ou seja, os países que a Freedom House considera livres e que respeitam os direitos humanos básicos e o estado de direito são 85 em número e representam 38% da população global. [128] Também em 2007, as Nações Unidas declararam 15 de setembro o Dia Internacional da Democracia . [129]

Reunião da Grande Comissão do Parlamento da Finlândia em 2008.

A maioria das democracias eleitorais continua a excluir os menores de 18 anos da votação. [130] A idade para votar foi reduzida para 16 para as eleições nacionais em vários países, incluindo Brasil, Áustria, Cuba e Nicarágua. Na Califórnia, uma proposta de 2004 para permitir um quarto dos votos aos 14 votos e meio aos 16 foi finalmente derrotada. Em 2008, o parlamento alemão propôs, mas arquivou um projeto de lei que concederia o voto a cada cidadão no nascimento, para ser usado por um dos pais até que a criança o reivindicasse para si.

De acordo com a Freedom House, a partir de 2005, houve onze anos consecutivos em que o declínio dos direitos políticos e das liberdades civis em todo o mundo superou as melhorias, [131] à medida que forças políticas populistas e nacionalistas ganharam terreno em toda a Polônia (de acordo com a lei e o Partido da Justiça ) para as Filipinas (sob Rodrigo Duterte ). [131] [119] Em um relatório da Freedom House divulgado em 2018, os escores de democracia para a maioria dos países diminuíram pelo 12º ano consecutivo. [132] O Christian Science Monitor relatou que nacionalistas e populistasideologias políticas estavam ganhando terreno, em detrimento do império da lei , em países como Polônia, Turquia e Hungria. Por exemplo, na Polónia, o Presidente nomeou 27 novos juízes do Supremo Tribunal devido a objeções legais da Comissão Europeia . Na Turquia, milhares de juízes foram destituídos de seus cargos após uma tentativa fracassada de golpe durante uma repressão governamental . [133]

O " retrocesso democrático " na década de 2010 foi atribuído à desigualdade econômica e descontentamento social, [134] personalismo, [135] má gestão da pandemia COVID-19 , [136] [137] , bem como outros fatores, como a manipulação governamental da sociedade civil , "polarização tóxica", campanhas estrangeiras de desinformação, [138] racismo e nativismo, excesso de poder executivo, [139] [140] [141] e diminuição do poder da oposição. [142]Nas democracias ocidentais de língua inglesa, as atitudes "baseadas na proteção", que combinam o conservadorismo cultural e as atitudes econômicas de esquerda, foram o indicador mais forte de apoio aos modos autoritários de governança. [143]

Teoria

Teoria inicial

Aristóteles contrastou o governo de muitos (democracia / timocracia ), com o governo de poucos ( oligarquia / aristocracia ) e com o governo de uma única pessoa ( tirania ou hoje autocracia / monarquia absoluta ). Ele também pensava que havia uma variante boa e uma variante ruim de cada sistema (ele considerava a democracia como a contraparte degenerada da timocracia). [144] [145]

Uma visão comum entre os primeiros teóricos republicanos do renascimento era que a democracia só poderia sobreviver em pequenas comunidades políticas. [146] Atendendo às lições da mudança da República Romana para o monarquismo à medida que crescia ou diminuía, esses teóricos republicanos sustentavam que a expansão do território e da população inevitavelmente levava à tirania. [146] A democracia era, portanto, altamente frágil e rara historicamente, uma vez que só poderia sobreviver em pequenas unidades políticas, que devido ao seu tamanho eram vulneráveis ​​à conquista por unidades políticas maiores. [146] Montesquieu disse a famosa frase: "se uma república é pequena, é destruída por uma força externa; se for grande, é destruída por um vício interno." [146] Rousseauafirmou: "É, portanto, a propriedade natural dos pequenos estados serem governados como uma república, dos médios serem sujeitos a um monarca e dos grandes impérios serem dominados por um príncipe despótico." [146]

Teoria contemporânea

Entre os teóricos políticos modernos, existem três concepções conflitantes de democracia: democracia agregativa , democracia deliberativa e democracia radical . [147]

Agregadora

A teoria da democracia agregativa afirma que o objetivo dos processos democráticos é solicitar as preferências dos cidadãos e agregá-los para determinar quais políticas sociais a sociedade deve adotar. Portanto, os defensores dessa visão sustentam que a participação democrática deve se concentrar principalmente no voto , onde a política com mais votos é implementada.

Existem diferentes variantes de democracia agregativa. Sob o minimalismo , a democracia é um sistema de governo no qual os cidadãos deram às equipes de líderes políticos o direito de governar em eleições periódicas. De acordo com essa concepção minimalista, os cidadãos não podem e não devem "governar" porque, por exemplo, na maioria das questões, na maioria das vezes, eles não têm pontos de vista claros ou seus pontos de vista não são bem fundamentados. Joseph Schumpeter articulou essa visão de maneira mais famosa em seu livro Capitalismo, Socialismo e Democracia . [148] Os proponentes contemporâneos do minimalismo incluem William H. Riker , Adam Przeworski , Richard Posner .

De acordo com a teoria da democracia direta , por outro lado, os cidadãos devem votar diretamente, e não por meio de seus representantes, nas propostas legislativas. Os defensores da democracia direta oferecem várias razões para apoiar essa visão. A atividade política pode ser valiosa em si mesma, ela socializa e educa os cidadãos, e a participação popular pode conter elites poderosas. Mais importante ainda, os cidadãos não governam a si próprios, a menos que decidam diretamente as leis e políticas.

Os governos tenderão a produzir leis e políticas próximas às opiniões do eleitor mediano - com metade à esquerda e a outra metade à direita. Este não é um resultado desejável, pois representa a ação de elites políticas egoístas e um tanto irresponsáveis ​​competindo por votos. Anthony Downs sugere que os partidos políticos ideológicos são necessários para atuar como um mediador entre indivíduos e governos. Downs expôs essa visão em seu livro de 1957, Uma Teoria Econômica da Democracia . [149]

Robert A. Dahl argumenta que o princípio democrático fundamental é que, quando se trata de vincular decisões coletivas, cada pessoa em uma comunidade política tem o direito de ter seus interesses recebendo igual consideração (não necessariamente que todas as pessoas sejam igualmente satisfeitas pelos decisão coletiva). Ele usa o termo poliarquia para se referir a sociedades nas quais existe um certo conjunto de instituições e procedimentos que são percebidos como conducentes a tal democracia. Em primeiro lugar entre essas instituições está a ocorrência regular de eleições livres e abertasque são usados ​​para selecionar representantes que então administram todas ou a maior parte das políticas públicas da sociedade. No entanto, esses procedimentos poliárquicos podem não criar uma democracia plena se, por exemplo, a pobreza impedir a participação política. [150] Da mesma forma, Ronald Dworkin argumenta que "a democracia é um ideal substantivo, não meramente procedimental." [151]

Deliberativo

A democracia deliberativa é baseada na noção de que a democracia é o governo por deliberação . Ao contrário da democracia agregativa, a democracia deliberativa sustenta que, para uma decisão democrática ser legítima, ela deve ser precedida por uma deliberação autêntica, não apenas pela agregação de preferências que ocorre no voto. Deliberação autêntica é a deliberação entre tomadores de decisão que está livre de distorções de poder político desigual, como o poder de um tomador de decisão obtido por meio da riqueza econômica ou do apoio de grupos de interesse. [152] [153] [154] Se os tomadores de decisão não conseguirem chegar a um consenso após deliberar autenticamente sobre uma proposta, eles votam na proposta usando uma forma de regra da maioria.As assembleias de cidadãos são consideradas por muitos estudiosos como exemplos práticos de democracia deliberativa, [155] [156] [157] com um relatório recente da OCDE identificando as assembleias de cidadãos como um mecanismo cada vez mais popular para envolver os cidadãos na tomada de decisão governamental. [158]

Radical

A democracia radical se baseia na ideia de que existem relações de poder hierárquicas e opressoras na sociedade. O papel da democracia é tornar visíveis e desafiar essas relações, permitindo a diferença, dissidência e antagonismos nos processos de tomada de decisão.

Medição da democracia

Índices de classificação grau de democracia

  Países designados como " democracias eleitorais " na pesquisa Freedom in the World 2021 da Freedom House , cobrindo o ano de 2020. [159]

A classificação do grau de democracia é publicada por várias organizações de acordo com suas próprias definições do termo e com base em diferentes tipos de dados: [160]

  • O V-Dem Instituto de Variedades de Democracia Relatório é publicado anualmente desde 2014 pelo sueco instituto de pesquisa V-Dem. [161] [162] Inclui índices separados que medem cinco tipos diferentes de democracia: democracia eleitoral , democracia liberal , democracia participativa , democracia deliberativa e democracia igualitária. [163]
  • O Índice de Democracia , publicado pela Economist Intelligence Unit com sede no Reino Unido , é uma avaliação da democracia dos países. Países são classificados de ser ou democracias plenas , democracias imperfeitas , Regimes híbridos , ou regimes autoritários . Democracias plenas, democracias imperfeitas e regimes híbridos são considerados democracias, e os estados autoritários são considerados ditatoriais ou oligárquicos . O índice é baseado em 60 indicadores agrupados em cinco categorias diferentes. [164]
  • A série de dados Polity com sede nos Estados Unidos é uma série de dados amplamente usada na pesquisa de ciência política. Ele contém informações anuais codificadas sobre as características e transições da autoridade do regime para todos os estados independentes com mais de 500.000 habitantes e cobre os anos 1800–2006. As conclusões da Polity sobre o nível de democracia de um estado são baseadas em uma avaliação das eleições daquele estado para competitividade, abertura e nível de participação. O trabalho do Polity é patrocinado pela Força-Tarefa de Instabilidade Política (PITF), que é financiada pela Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos . No entanto, as opiniões expressas nos relatórios são exclusivamente dos autores e não representam as opiniões do governo dos Estados Unidos.
  • MaxRange , um conjunto de dados que define o nível de democracia e estrutura institucional (tipo de regime) em uma escala de 100 graus, onde cada valor representa um tipo de regime único. Os valores são classificados de 1 a 100 com base no nível de democracia e responsabilidade política. MaxRange define o valor correspondente a todos os estados e todos os meses de 1789 a 2015 e atualização. MaxRange é criado e desenvolvido pela Max Range, e agora está associado à universidade de Halmstad, Suécia. [165]

Outros índices que medem a liberdade e os direitos humanos incluem o grau de democracia como um elemento. Alguns deles incluem o ranking Freedom in the World , o Índice Mundial de Liberdade de Imprensa , o Índice de Liberdade no Mundo e o Projeto de Dados de Direitos Humanos do CIRI .

Dificuldades na democracia de medição

Como a democracia é um conceito abrangente que inclui o funcionamento de diversas instituições que não são fáceis de medir, existem fortes limitações para quantificar e medir econometricamente os efeitos potenciais da democracia ou sua relação com outros fenômenos - seja desigualdade, pobreza, educação, etc. [166 ]Dadas as restrições na obtenção de dados confiáveis ​​com variação dentro do país sobre aspectos da democracia, os acadêmicos têm estudado amplamente as variações entre os países. No entanto, as variações entre as instituições democráticas são muito grandes entre os países, o que restringe comparações significativas usando abordagens estatísticas. Uma vez que a democracia é normalmente medida de forma agregada como uma variável macro usando uma única observação para cada país e a cada ano, estudar a democracia enfrenta uma série de restrições econométricas e é limitado a correlações básicas. A comparação entre países de um conceito composto, abrangente e qualitativo como a democracia pode, portanto, nem sempre ser, para muitos propósitos, metodologicamente rigorosa ou útil. [166]

Dieter Fuchs e Edeltraud Roller sugerem que, para medir verdadeiramente a qualidade da democracia, as medidas objetivas precisam ser complementadas por "medidas subjetivas baseadas na perspectiva dos cidadãos". [167] Da mesma forma, Quinton Mayne e Brigitte Geißel também defendem que a qualidade da democracia não depende exclusivamente do desempenho das instituições, mas também das próprias disposições e compromissos dos cidadãos. [168]

Tipos de democracias governamentais

A democracia assumiu várias formas, tanto na teoria quanto na prática. Algumas variedades de democracia fornecem melhor representação e mais liberdade para seus cidadãos do que outras. [169] [170] No entanto, se qualquer democracia não está estruturada para proibir o governo de excluir o povo do processo legislativo, ou qualquer ramo do governo de alterar a separação de poderes em seu favor, então um ramo do sistema pode acumular muito poder e destruir a democracia. [171] [172] [173]

Estados do mundo coloridos pela forma de governo 1
    Repúblicas presidenciais  completas 2      Repúblicas semi-presidenciais 2
     Repúblicas parlamentares com um presidente executivo dependente da legislatura      Repúblicas parlamentares 2
      Monarquias constitucionais parlamentares      Monarquias constitucionais que têm um chefe de governo separado, mas onde a realeza ainda detém um poder executivo e / ou legislativo significativo
     Monarquias absolutas      Estados unipartidários
     Países onde as disposições constitucionais para o governo foram suspensas (por exemplo, ditaduras militares )     Países que não se enquadram em nenhum dos sistemas acima
1 Este mapa foi compilado de acordo com a lista da Wikipedia de países por sistema de governo . Veja lá as fontes. 2 Vários estados constitucionalmente considerados repúblicas multipartidárias são amplamente descritos por estranhos como estados autoritários. Este mapa apresenta apenas a forma de governo de jure , e não o grau de democracia de fato .

Os seguintes tipos de democracia não são exclusivos uns dos outros: muitos especificam detalhes de aspectos que são independentes uns dos outros e podem coexistir em um único sistema.

Formas básicas

Existem várias variantes de democracia, mas há duas formas básicas, ambas concernentes a como todo o corpo de todos os cidadãos elegíveis executa sua vontade. Uma forma de democracia é a democracia direta , na qual todos os cidadãos elegíveis têm participação ativa na tomada de decisões políticas, por exemplo, votando em iniciativas políticas diretamente. [174] Na maioria das democracias modernas, todo o corpo de cidadãos elegíveis continua sendo o poder soberano, mas o poder político é exercido indiretamente por meio de representantes eleitos; isso é chamado de democracia representativa .

Direto

A Landsgemeinde (em 2009) do cantão de Glarus , um exemplo de democracia direta na Suíça
Na Suíça , sem necessidade de registro, cada cidadão recebe boletins de voto e folhetos informativos para cada voto (e pode enviá-los de volta pelo correio). A Suíça tem um sistema de democracia direta e os votos (e eleições) são organizados cerca de quatro vezes por ano; aqui, para o cidadão de Berna em novembro de 2008, cerca de 5 referendos nacionais, 2 cantonais, 4 municipais e 2 eleições (governo e parlamento da cidade de Berna) para cuidar ao mesmo tempo.

A democracia direta é um sistema político em que os cidadãos participam pessoalmente da tomada de decisões, ao invés de depender de intermediários ou representantes. Uma democracia direta dá à população votante o poder de:

  1. Mudar as leis constitucionais,
  2. Apresentar iniciativas , referendos e sugestões de leis,
  3. Dê ordens vinculativas a funcionários eleitos, como revogá-los antes do final de seu mandato eleito ou iniciar um processo por quebra de uma promessa de campanha.

Nos governos representativos dos dias modernos, certas ferramentas eleitorais como referendos, iniciativas dos cidadãos e eleições revogatórias são chamadas de formas de democracia direta. [175] No entanto, alguns defensores da democracia direta defendem as assembleias locais de discussão face a face. A democracia direta como sistema de governo existe atualmente nos cantões suíços de Appenzell Innerrhoden e Glarus , [176] os Municípios Autônomos Zapatistas Rebeldes , [177] comunidades afiliadas ao CIPO-RFM , [178] os conselhos municipais bolivianos de FEJUVE, [179] e cantões curdos de Rojava . [180]

Sistema de lote

O uso de um sistema de lote, uma característica da democracia ateniense , é uma característica de algumas versões de democracias diretas. Nesse sistema, importantes tarefas governamentais e administrativas são desempenhadas por cidadãos escolhidos em uma loteria. [181]

Representante

A democracia representativa envolve a eleição de funcionários do governo pelas pessoas que estão sendo representadas. Se o chefe de estado também for eleito democraticamente , é chamado de república democrática . [182] Os mecanismos mais comuns envolvem a eleição do candidato por maioria ou pluralidade de votos. A maioria dos países ocidentais possui sistemas representativos. [176]

Os representantes podem ser eleitos ou se tornarem representantes diplomáticos por um determinado distrito (ou constituinte ), ou representar todo o eleitorado por meio de sistemas proporcionais , alguns usando uma combinação dos dois. Algumas democracias representativas também incorporam elementos de democracia direta, como referendos . Uma característica da democracia representativa é que, embora os representantes sejam eleitos pelo povo para atuar no interesse do povo, eles mantêm a liberdade de exercer seu próprio julgamento sobre a melhor forma de fazê-lo. Tais razões têm gerado críticas à democracia representativa, [183] [184] apontando as contradições dos mecanismos de representação com a democracia [185] [186]

Parlamentar

A democracia parlamentar é uma democracia representativa em que o governo é nomeado ou pode ser demitido por representantes, em oposição a uma "regra presidencial" em que o presidente é chefe de estado e chefe de governo e é eleito pelos eleitores. Em uma democracia parlamentar, o governo é exercido por delegação a um ministério executivo e sujeito a revisões e verificações contínuas pelo parlamento legislativo eleito pelo povo. [187] [188] [189] [190]

Os sistemas parlamentares têm o direito de demitir um primeiro-ministro a qualquer momento que eles sintam que ele ou ela não está fazendo seu trabalho de acordo com as expectativas da legislatura. Isso é feito por meio de um voto de não-confiança, em que a legislatura decide se destitui ou não o primeiro-ministro do cargo por meio de um apoio majoritário à sua destituição. [191]Em alguns países, o primeiro-ministro também pode convocar uma eleição sempre que quiser e, normalmente, o primeiro-ministro realiza uma eleição quando sabe que é favorável ao público para ser reeleito. Em outras democracias parlamentares, eleições extras praticamente nunca são realizadas, sendo preferido um governo de minoria até as próximas eleições ordinárias. Uma característica importante da democracia parlamentar é o conceito de " oposição leal ". A essência do conceito é que o segundo maior partido político (ou coalizão) se opõe ao partido (ou coalizão) do governo, embora permaneça leal ao estado e seus princípios democráticos.

Presidencial

A Democracia Presidencial é um sistema em que o público elege o presidente por eleição. O presidente atua como chefe de estado e de governo, controlando a maioria dos poderes executivos. O presidente serve por um mandato específico e não pode exceder esse período de tempo. As eleições normalmente têm uma data fixa e não são alteradas facilmente. O presidente tem controle direto sobre o gabinete, nomeando especificamente os membros do gabinete. [191]

O presidente não pode ser facilmente destituído do cargo pelo legislativo, mas ele não pode destituir membros do poder legislativo com mais facilidade. Isso fornece alguma medida de separação de poderes . Em conseqüência, no entanto, o presidente e o legislativo podem acabar no controle de partidos separados, permitindo que um bloqueie o outro e, assim, interfira no funcionamento ordenado do estado. Esse pode ser o motivo pelo qual a democracia presidencial não é muito comum fora das Américas, da África e da Ásia Central e do Sudeste. [191]

Um sistema semi-presidencialista é um sistema de democracia em que o governo inclui um primeiro-ministro e um presidente. Os poderes específicos do primeiro-ministro e do presidente variam de acordo com o país. [191]

Híbrido ou semi-directa

Algumas democracias modernas que são predominantemente representativas por natureza também dependem fortemente de formas de ação política que são diretamente democráticas. Essas democracias, que combinam elementos de democracia representativa e democracia direta, são denominadas democracias híbridas , [192] democracias semidiretas ou democracias participativas . Os exemplos incluem a Suíça e alguns estados dos EUA , onde o uso frequente de referendos e iniciativas .

A confederação suíça é uma democracia semi-direta. [176] No nível federal, os cidadãos podem propor mudanças na constituição ( iniciativa popular federal ) ou solicitar a realização de um referendo sobre qualquer lei votada pelo parlamento . [176] Entre janeiro de 1995 e junho de 2005, os cidadãos suíços votaram 31 vezes para responder a 103 perguntas (durante o mesmo período, os cidadãos franceses participaram de apenas dois referendos). [176]Embora nos últimos 120 anos menos de 250 iniciativas tenham sido submetidas a referendo. A população tem sido conservadora, aprovando apenas cerca de 10% das iniciativas apresentadas; além disso, muitas vezes optaram por uma versão da iniciativa reescrita pelo governo. [ citação necessária ]

Os exemplos incluem o uso extensivo de referendos no estado americano da Califórnia , que é um estado com mais de 20 milhões de eleitores. [193]

Na Nova Inglaterra , as reuniões municipais são frequentemente usadas, especialmente em áreas rurais, para gerenciar o governo local. Isso cria uma forma híbrida de governo, com uma democracia direta local e um governo estadual representativo. Por exemplo, a maioria das cidades de Vermont realiza assembleias municipais anuais em março, nas quais os oficiais são eleitos, os orçamentos para a cidade e as escolas são votados e os cidadãos têm a oportunidade de falar e ser ouvidos em questões políticas. [194]

Variantes

Monarquia constitucional

Rainha Elizabeth II , uma monarca constitucional

Muitos países como o Reino Unido , Espanha , Holanda , Bélgica , países escandinavos , Tailândia , Japão e Butão transformaram monarcas poderosos em monarcas constitucionais com papéis limitados ou, muitas vezes, gradualmente, meramente simbólicos. Por exemplo, nos estados predecessores do Reino Unido, a monarquia constitucional começou a surgir e continuou ininterrupta desde a Revolução Gloriosa de 1688 e a aprovação da Declaração de Direitos de 1689 . [20] [73]

Em outros países, a monarquia foi abolida junto com o sistema aristocrático (como na França , China , Rússia , Alemanha , Áustria , Hungria , Itália , Grécia e Egito ). Uma pessoa eleita, com ou sem poderes significativos, tornou-se chefe de estado nesses países.

Câmaras legislativas de elite, que frequentemente tinham mandato vitalício ou hereditário, eram comuns em muitos estados. Com o tempo, estes tiveram seus poderes limitados (como no caso da Câmara dos Lordes britânica ) ou tornaram-se eletivos e permaneceram poderosos (como no Senado australiano ).

República

O termo república tem muitos significados diferentes, mas hoje geralmente se refere a uma democracia representativa com um chefe de estado eleito , como um presidente , servindo por um período limitado, em contraste com estados com um monarca hereditário como chefe de estado, mesmo que esses estados também são democracias representativas com um chefe de governo eleito ou nomeado , como um primeiro-ministro . [195]

Os fundadores dos Estados Unidos raramente elogiavam e freqüentemente criticavam a democracia, que em sua época tendia a significar especificamente democracia direta, muitas vezes sem a proteção de uma constituição que consagrasse os direitos básicos; James Madison argumentou, especialmente em The Federalist No. 10 , que o que distinguia uma democracia direta de uma república era que a primeira se tornava mais fraca à medida que crescia e sofria mais violentamente com os efeitos da facção, enquanto uma república poderia ficar mais forte à medida que se tornava maior e combate facção por sua própria estrutura.

O que era crítico para os valores americanos, insistiu John Adams , [196] era que o governo fosse "regido por leis fixas, as quais o povo tinha voz e o direito de defender". Enquanto Benjamin Franklin estava saindo após escrever a constituição dos Estados Unidos, Elizabeth Willing Powel [197] perguntou-lhe "Bem, doutor, o que temos - uma república ou uma monarquia?". Ele respondeu: "Uma república - se você puder mantê-la." [198]

A democracia liberal

Uma democracia liberal é uma democracia representativa em que a capacidade dos representantes eleitos de exercer o poder de tomada de decisão está sujeita ao Estado de Direito e moderada por uma constituição ou leis que enfatizam a proteção dos direitos e liberdades dos indivíduos, e que impõe restrições aos líderes e à medida em que a vontade da maioria pode ser exercida contra os direitos das minorias (ver liberdades civis ).

Em uma democracia liberal, é possível que algumas decisões em grande escala surjam das muitas decisões individuais que os cidadãos são livres para tomar. Em outras palavras, os cidadãos podem "votar com os pés" ou "votar com seus dólares", resultando em um significativo governo informal pelas massas que exerce muitos "poderes" associados ao governo formal em outros lugares.

Socialista

O pensamento socialista tem vários pontos de vista diferentes sobre a democracia. A social-democracia , o socialismo democrático e a ditadura do proletariado (geralmente exercida através da democracia soviética ) são alguns exemplos. Muitos socialistas democratas e social-democratas acreditam em uma forma de democracia participativa , industrial , econômica e / ou local de trabalho combinada com uma democracia representativa .

Dentro da ortodoxia marxista há uma hostilidade ao que é comumente chamado de "democracia liberal", que é simplesmente referida como democracia parlamentar por causa de sua natureza frequentemente centralizada. Por causa do desejo dos marxistas ortodoxos de eliminar o elitismo político que vêem no capitalismo, os marxistas , leninistas e trotskistas acreditam na democracia direta implementada por meio de um sistema de comunas (às vezes chamadas de sovietes ). Em última análise, esse sistema se manifesta como democracia de conselho e começa com a democracia no local de trabalho.

A democracia não pode consistir apenas em eleições quase sempre fictícias e administradas por ricos proprietários de terras e políticos profissionais.

-  Che Guevara , discurso no Uruguai, 1961 [199]

Anarquista

Os anarquistas estão divididos neste domínio, dependendo se eles acreditam que a regra da maioria é tirânica ou não . Para muitos anarquistas, a única forma de democracia considerada aceitável é a democracia direta. Pierre-Joseph Proudhon argumentou que a única forma aceitável de democracia direta é aquela em que se reconhece que as decisões da maioria não vinculam a minoria, mesmo quando unânimes. [200] No entanto, o anarco-comunista Murray Bookchin criticou os anarquistas individualistas por se oporem à democracia, [201] e disse que o "governo da maioria" é consistente com o anarquismo. [202]

Alguns anarco-comunistas se opõem à natureza majoritária da democracia direta, sentindo que ela pode impedir a liberdade individual e optando por uma forma não majoritária de democracia de consenso , semelhante à posição de Proudhon sobre a democracia direta. [203] Henry David Thoreau , que não se autoidentificou como anarquista, mas defendeu "um governo melhor" [204] e é citado como inspiração por alguns anarquistas, argumentou que as pessoas não deveriam estar na posição de governar os outros ou sendo governado quando não há consentimento.

Classificação

Às vezes chamada "democracia sem eleições", sorteio escolhe os tomadores de decisão através de um processo aleatório. A intenção é que os escolhidos representem as opiniões e os interesses do povo em geral e sejam mais justos e imparciais do que um funcionário eleito. A técnica foi amplamente utilizada na democracia ateniense e na Florença da Renascença [205] e ainda é usada na seleção de júris modernos .

Consociacional

Uma democracia consociacional permite votos majoritários simultâneos em dois ou mais constituintes étnico-religiosos, e as políticas são implementadas apenas se obtiverem o apoio da maioria de ambos ou de todos eles.

A democracia de consenso

Uma democracia de consenso, ao contrário, não seria dicotômica. Em vez disso, as decisões seriam baseadas em uma abordagem de múltiplas opções e as políticas seriam implementadas se ganhassem apoio suficiente, seja em um acordo puramente verbal ou por meio de um voto de consenso - um voto de preferência de múltiplas opções. Se o limite de apoio estivesse em um nível suficientemente alto, as minorias seriam protegidas automaticamente. Além disso, qualquer votação seria daltônica.

Supranacional

A votação por maioria qualificada foi concebida pelo Tratado de Roma como o principal método de tomada de decisões no Conselho de Ministros Europeu . Este sistema aloca votos aos estados membros em parte de acordo com sua população, mas fortemente favorável aos estados menores. Isso pode ser visto como uma forma de democracia representativa, mas os representantes para o Conselho podem ser nomeados em vez de eleitos diretamente.

Inclusivo

A democracia inclusiva é uma teoria política e um projeto político que visa a democracia direta em todos os campos da vida social: democracia política na forma de assembléias presenciais que são confederadas, democracia econômica em uma economia sem Estado , sem dinheiro e sem mercado, democracia em a esfera social, ou seja, a autogestão nos locais de trabalho e educação, e a democracia ecológica que visa a reintegração da sociedade e da natureza. O projeto teórico de democracia inclusiva emergiu do trabalho do filósofo político Takis Fotopoulos em "Towards An Inclusive Democracy" e foi desenvolvido na revista Democracy & Nature e seu sucessorThe International Journal of Inclusive Democracy .

A unidade básica de tomada de decisão em uma democracia inclusiva é a assembleia demótica, ou seja, a assembleia de demos, o corpo do cidadão em uma determinada área geográfica que pode abranger uma cidade e as aldeias vizinhas, ou mesmo bairros de grandes cidades. Uma democracia inclusiva hoje só pode assumir a forma de uma democracia confederal que é baseada em uma rede de conselhos administrativos cujos membros ou delegados são eleitos em assembléias democráticas cara a cara nas várias manifestações. Assim, seu papel é puramente administrativo e prático, não de formulação de políticas como o dos representantes na democracia representativa.

O órgão de cidadania é aconselhado por especialistas, mas é o órgão de cidadania que atua como o tomador de decisão final. A autoridade pode ser delegada a um segmento do corpo de cidadãos para realizar funções específicas, por exemplo, servir como membros de tribunais populares ou de conselhos regionais e confederados. A delegação é feita, em princípio, por sorteio, em regime de rodízio, sendo sempre revogável pelo órgão de cidadania. Os delegados aos órgãos regionais e confederais devem ter mandatos específicos.

Política participativa

Uma Parpolity ou Participatory Polity é uma forma teórica de democracia que é governada por uma estrutura de Conselho Aninhado . A filosofia norteadora é que as pessoas devem ter poder de decisão na proporção de quanto são afetadas pela decisão. Conselhos locais de 25 a 50 pessoas são completamente autônomos em questões que afetam apenas a eles, e esses conselhos enviam delegados a conselhos de nível superior que são novamente autônomos em questões que afetam apenas a população afetada por aquele conselho.

Um tribunal municipal de cidadãos escolhidos aleatoriamente serve como um controle sobre a tirania da maioria , e regras sobre qual corpo pode votar em qual questão. Os delegados podem votar de maneira diferente da vontade do conselho de envio, mas são obrigados a comunicar os desejos do conselho de envio. Os delegados podem ser retirados a qualquer momento. Os referendos são possíveis a qualquer momento por meio de votos da maioria dos conselhos de nível inferior, no entanto, nem tudo é um referendo, pois isso é provavelmente uma perda de tempo. Uma parpolidade deve funcionar em conjunto com uma economia participativa .

Cosmopolitan

A democracia cosmopolita, também conhecida como democracia global ou federalismo mundial , é um sistema político no qual a democracia é implementada em escala global, diretamente ou por meio de representantes. Uma justificativa importante para esse tipo de sistema é que as decisões tomadas em democracias nacionais ou regionais freqüentemente afetam pessoas fora do eleitorado que, por definição, não podem votar. Em contraste, em uma democracia cosmopolita, as pessoas que são afetadas pelas decisões também têm voz ativa. [206]

De acordo com seus defensores, qualquer tentativa de resolver problemas globais é antidemocrática sem alguma forma de democracia cosmopolita. O princípio geral da democracia cosmopolita é expandir alguns ou todos os valores e normas da democracia, incluindo o Estado de Direito; a resolução não violenta de conflitos; e igualdade entre os cidadãos, para além dos limites do Estado. Para ser totalmente implementado, isso exigiria a reforma das organizações internacionais existentes , por exemplo, as Nações Unidas , bem como a criação de novas instituições, como um Parlamento Mundial , que idealmente aumentaria o controle público e a responsabilidade na política internacional.

A democracia cosmopolita foi promovida, entre outros, pelo físico Albert Einstein, [207] o escritor Kurt Vonnegut, o colunista George Monbiot e os professores David Held e Daniele Archibugi . [208] A criação do Tribunal Penal Internacional em 2003 foi vista como um grande passo à frente por muitos defensores deste tipo de democracia cosmopolita.

Democracia criativo

A Democracia Criativa é defendida pelo filósofo americano John Dewey . A ideia central da Democracia Criativa é que a democracia estimula a capacitação individual e a interação da sociedade. Dewey argumenta que a democracia é um modo de vida em seu trabalho de "Democracia Criativa: A Tarefa Antes de Nós" [209] e uma experiência construída na fé na natureza humana, na fé nos seres humanos e na fé no trabalho com os outros. A democracia, na opinião de Dewey, é um ideal moral que requer esforço e trabalho efetivos das pessoas; não é um conceito institucional que existe fora de nós. “A tarefa da democracia”, conclui Dewey, “é sempre a de criar uma experiência mais livre e humana na qual todos compartilham e para a qual todos contribuem”.

Democracia guiada

A democracia guiada é uma forma de democracia que incorpora eleições populares regulares, mas que muitas vezes "orienta" cuidadosamente as escolhas oferecidas ao eleitorado de uma forma que pode reduzir a capacidade do eleitorado de realmente determinar o tipo de governo exercido sobre elas. Essas democracias normalmente têm apenas uma autoridade central, que muitas vezes não está sujeita à revisão pública significativa por qualquer outra autoridade governamental. A democracia ao estilo russo costuma ser chamada de "democracia guiada". [210] Os políticos russos referiram-se a seu governo como tendo apenas um centro de poder / autoridade, ao contrário da maioria das outras formas de democracia que geralmente tentam incorporar duas ou mais fontes de autoridade naturalmente concorrentes dentro do mesmo governo. [211]

Democracia não-governamental

Além da esfera pública, princípios democráticos semelhantes e mecanismos de votação e representação têm sido usados ​​para governar outros tipos de grupos. Muitas organizações não governamentais decidem políticas e liderança por meio do voto. A maioria dos sindicatos e cooperativas são governados por eleições democráticas. As corporações são controladas pelos acionistas com base no princípio de uma ação, um voto - às vezes complementado pela democracia no local de trabalho . Amitai Etzioni postulou um sistema que funde elementos da democracia com a lei sharia , denominado Islamocracia . [212]Há também um número crescente de instituições educacionais democratas , como escolas de Sudbury, que são co-governadas por alunos e funcionários.

Justificativa

Várias justificativas para a democracia foram postuladas.

Legitimidade

A teoria do contrato social argumenta que a legitimidade do governo é baseada no consentimento dos governados , ou seja, uma eleição, e que as decisões políticas devem refletir a vontade geral .

Melhor tomada de decisão

O teorema do júri de Condorcet é a prova lógica de que se cada tomador de decisão tem uma probabilidade melhor do que a chance de tomar a decisão certa, então ter o maior número de tomadores de decisão, ou seja, uma democracia, resultará nas melhores decisões. Isso também foi argumentado por teorias da sabedoria da multidão .

Paz democrática

A teoria da paz democrática afirma que as democracias liberais não vão à guerra umas contra as outras.

O sucesso económico

Em Why Nations Fail , Daron Acemoglu e James A. Robinson argumentam que as democracias são mais economicamente bem-sucedidas porque os sistemas políticos não democráticos tendem a limitar os mercados e favorecer os monopólios às custas da destruição criativa necessária para o crescimento econômico sustentado .

Críticas

Teorema de seta

O teorema da impossibilidade de Arrow sugere que a democracia é logicamente incoerente. Isso se baseia em um determinado conjunto de critérios para que a tomada de decisão democrática seja inerentemente conflitante, ou seja, esses três critérios de "justiça":

  • Se todos os eleitores preferirem a alternativa X em vez da alternativa Y, o grupo prefere X em vez de Y.
  • Se a preferência de todos os eleitores entre X e Y permanecer inalterada, a preferência do grupo entre X e Y também permanecerá inalterada (mesmo se as preferências dos eleitores entre outros pares como X e Z, Y e Z ou Z e W mudarem).
  • Não existe "ditador": nenhum eleitor individual possui o poder de determinar sempre a preferência do grupo.

Kenneth Arrow resumiu as implicações do teorema de uma forma não matemática, afirmando que "nenhum método de votação é justo", "todo método de votação classificado é falho" e "o único método de votação que não é falho é uma ditadura". [213]

No entanto, as premissas formais de Arrow podem ser consideradas excessivamente rígidas e, com seu enfraquecimento razoável, a incoerência lógica da democracia parece muito menos crítica. [2]

Ineficiências

Alguns economistas criticaram a eficiência da democracia, citando a premissa do eleitor irracional, ou seja, um eleitor que toma decisões sem todos os fatos ou informações necessárias para tomar uma decisão verdadeiramente informada. Outro argumento é que a democracia retarda os processos devido à quantidade de insumos e participação necessária para avançar com uma decisão. Um exemplo comum frequentemente citado para comprovar esse ponto é o alto desenvolvimento econômico alcançado pela China (um país não democrático) em comparação com a Índia (um país democrático). De acordo com economistas, a falta de participação democrática em países como a China permite um crescimento econômico desenfreado. [214]

Por outro lado, Sócrates acreditava que a democracia sem massas educadas (educadas no sentido mais amplo de ser instruído e responsável) só levaria ao populismo como critério para se tornar um líder eleito e não competência. Em última análise, isso levaria ao fim da sociedade. Isso foi citado por Platão no livro 10 de A República, na conversa de Sócrates com Adimantus. [215] Sócrates era de opinião que o direito de votar não deve ser um direito indiscriminado (por exemplo, por nascimento ou cidadania), mas deve ser concedido apenas a pessoas que pensaram suficientemente de sua escolha.

Regra popular como uma fachada

Os pensadores italianos do século 20 Vilfredo Pareto e Gaetano Mosca (independentemente) argumentaram que a democracia era ilusória e servia apenas para mascarar a realidade do governo de elite. Na verdade, eles argumentaram que a oligarquia de elite é a lei inflexível da natureza humana, em grande parte devido à apatia e divisão das massas (em oposição ao impulso, iniciativa e unidade das elites), e que as instituições democráticas não fariam mais do que mudar o exercício do poder da opressão à manipulação. [216] Como Louis Brandeis uma vez professou: "Podemos ter democracia, ou podemos ter a riqueza concentrada nas mãos de alguns, mas não podemos ter as duas." [ esclarecimento necessário ] .[217] O escritor britânico Ivo Mosley , neto do camisa-preta Oswald Mosley descreve em Em Nome do Povo: Pseudo-Democracia e a Destruição de Nosso Mundo , como e por que as formas atuais de governo eleitoral estão destinadas a ficar aquém de suas promessas. [218] Um estudo conduzido pelo professor de Princeton Martin Gilens de 1.779 decisões do governo dos EUA concluiu que "as elites e grupos organizados que representam interesses comerciais têm impactos independentes substanciais na política do governo dos EUA, enquanto os cidadãos médios e grupos de interesse de massa têm pouca ou nenhuma influência independente . " [219]

Regra de turba

A República, de Platão , apresenta uma visão crítica da democracia por meio da narração de Sócrates : "Democracia, que é uma forma charmosa de governo, cheia de variedade e desordem, e que dispensa uma espécie de igualdade para iguais e inigualáveis". [220] Em sua obra, Platão lista 5 formas de governo, da melhor à pior. Supondo que a República pretendia ser uma crítica séria do pensamento político em Atenas, Platão argumenta que apenas Kallipolis, uma aristocracia liderada pelos relutantes reis-filósofos (os homens mais sábios), é uma forma justa de governo. [221]

James Madison criticou a democracia direta (à qual ele se referiu simplesmente como "democracia") no Federalist No. 10 , argumentando que a democracia representativa - que ele descreveu usando o termo "república" - é uma forma preferível de governo, dizendo: "... As democracias sempre foram espetáculos de turbulência e contenda; sempre foram consideradas incompatíveis com a segurança pessoal ou os direitos de propriedade; e em geral foram tão curtas em suas vidas quanto violentas em suas mortes ”. Madison ofereceu que as repúblicas eram superiores às democracias porque as repúblicas protegidas contra a tirania da maioria , declarando no Federalist No. 10: "a mesma vantagem que uma república tem sobre uma democracia, no controle dos efeitos de facção, é desfrutada por uma grande república sobre uma pequena república".

A instabilidade política

Mais recentemente, a democracia é criticada por não oferecer estabilidade política suficiente. Como os governos são frequentemente eleitos dentro e fora do país, tende a haver mudanças frequentes nas políticas dos países democráticos, tanto interna quanto externamente. Mesmo se um partido político mantiver o poder, protestos ruidosos e que ocupam as manchetes e críticas severas da mídia popular costumam ser o suficiente para forçar mudanças políticas repentinas e inesperadas. Mudanças freqüentes nas políticas com relação a negócios e imigração provavelmente impedirão o investimento e, portanto, impedirão o crescimento econômico. Por esta razão, muitas pessoas apresentaram a ideia de que a democracia é indesejável para um país em desenvolvimento onde o crescimento econômico e a redução da pobreza são as principais prioridades. [222]

Esta aliança oportunista não só tem a desvantagem de ter que atender a muitas facções ideologicamente opostas, mas geralmente é de curta duração, uma vez que qualquer desequilíbrio percebido ou real no tratamento dos parceiros da coalizão, ou mudanças na liderança dos próprios parceiros da coalizão, pode muito facilmente resultaria na retirada do parceiro de coalizão de seu apoio ao governo.

A mídia tendenciosa foi acusada de causar instabilidade política, resultando na obstrução da democracia, ao invés de sua promoção. [223]

Oposição

A democracia nos tempos modernos quase sempre enfrentou oposição do governo existente anteriormente e, muitas vezes, enfrentou oposição das elites sociais. A implementação de um governo democrático dentro de um estado não democrático é tipicamente provocada pela revolução democrática .

Desenvolvimento

Banner em Hong Kong pedindo democracia, agosto de 2019

Vários filósofos e pesquisadores delinearam fatores históricos e sociais vistos como apoiando a evolução da democracia.

Outros comentaristas mencionaram a influência do desenvolvimento econômico. [224] Em uma teoria relacionada, Ronald Inglehart sugere que melhores padrões de vida nos países desenvolvidos modernos podem convencer as pessoas de que podem considerar sua sobrevivência básica como certa, levando a uma maior ênfase nos valores de autoexpressão , que se correlacionam intimamente com a democracia. [225] [226]

Douglas M. Gibler e Andrew Owsiak em seu estudo argumentaram sobre a importância da paz e das fronteiras estáveis ​​para o desenvolvimento da democracia. Freqüentemente, supõe-se que a democracia causa paz , mas este estudo mostra que, historicamente, a paz quase sempre antecedeu o estabelecimento da democracia. [227]

Carroll Quigley conclui que as características das armas são o principal preditor da democracia: [228] [229] A democracia - este cenário - tende a surgir apenas quando as melhores armas disponíveis são fáceis de obter e usar pelos indivíduos. [230] Por volta de 1800, as armas eram as melhores armas pessoais disponíveis e, nos Estados Unidos da América (já nominalmente democráticos), quase todo mundo tinha dinheiro para comprar uma arma e aprender a usá-la com bastante facilidade. Os governos não poderiam fazer melhor: tornou-se a era dos exércitos em massa de soldados cidadãos armados. [230] Da mesma forma, Périclean Grécia foi uma época de soldado cidadão e democracia. [231]

Outras teorias enfatizavam a relevância da educação e do capital humano - e, dentro delas, da capacidade cognitiva para aumentar a tolerância, a racionalidade, a alfabetização política e a participação. Dois efeitos de educação e habilidade cognitiva são distinguidos: [232] [ necessidade de citação para verificar ] [233] [234]

  • um efeito cognitivo (competência para fazer escolhas racionais, melhor processamento de informações)
  • um efeito ético (apoio aos valores democráticos, liberdade, direitos humanos etc.), que por si só depende da inteligência.

É difícil encontrar evidências consistentes com as teorias convencionais de por que a democracia surge e é sustentada. As análises estatísticas desafiaram a teoria da modernização , demonstrando que não há evidências confiáveis ​​para a afirmação de que a democracia tem mais probabilidade de surgir quando os países se tornam mais ricos, mais educados ou menos desiguais. [235] Na verdade, a evidência empírica mostra que o crescimento econômico e a educação podem não levar ao aumento da demanda por democratização, como sugere a teoria da modernização: historicamente, a maioria dos países alcançou altos níveis de acesso à educação primária bem antes da transição para a democracia. [236]Em vez de atuar como um catalisador para a democratização, em algumas situações, a oferta de educação pode ser usada por regimes não democráticos para doutrinar seus súditos e fortalecer seu poder. [236]

A suposta ligação entre educação e crescimento econômico é questionada ao se analisar as evidências empíricas. Em diferentes países, a correlação entre o nível de escolaridade e os resultados dos testes de matemática é muito fraca (0,07). Existe uma relação igualmente fraca entre os gastos por aluno e a competência em matemática (0,26). Além disso, a evidência histórica sugere que o capital humano médio (medido usando taxas de alfabetização) das massas não explica o início da industrialização na França de 1750 a 1850, apesar dos argumentos em contrário. [237]Juntos, esses resultados mostram que a educação nem sempre promove o capital humano e o crescimento econômico, como geralmente se argumenta que é o caso. Em vez disso, a evidência implica que a oferta de educação muitas vezes fica aquém de seus objetivos expressos ou, alternativamente, que os atores políticos usam a educação para promover objetivos diferentes do crescimento e desenvolvimento econômico.

Também não há evidências convincentes de que o aumento da dependência das receitas do petróleo impede a democratização, apesar de uma vasta literatura teórica sobre " a maldição dos recursos " que afirma que as receitas do petróleo cortam a ligação entre a tributação dos cidadãos e a responsabilidade do governo, vista como a chave para a democracia representativa. [238] A falta de evidências para essas teorias convencionais de democratização levou os pesquisadores a buscar os determinantes "profundos" das instituições políticas contemporâneas, sejam elas geográficas ou demográficas. [239] [240] Instituições mais inclusivas levam à democracia porque à medida que as pessoas ganham mais poder, elas são capazes de exigir mais das elites, que por sua vez têm que conceder mais coisas para manter sua posição.[ carece de fontes? ] Este círculo virtuoso pode acabar em democracia.

Um exemplo disso é o ambiente da doença. Locais com diferentes taxas de mortalidade tinham diferentes populações e níveis de produtividade em todo o mundo. Por exemplo, na África, a mosca tsé - tsé - que aflige humanos e animais domésticos - reduziu a capacidade dos africanos de arar a terra. Isso tornou a África menos povoada. Como consequência, o poder político ficou menos concentrado. [241] Isso também afetou as instituições coloniais dos países europeus estabelecidos na África. [242]O fato de os colonos viverem ou não em um local fez com que eles desenvolvessem diferentes instituições que levaram a diferentes caminhos econômicos e sociais. Isso também afetou a distribuição de poder e as ações coletivas que as pessoas poderiam realizar. Como resultado, alguns países africanos acabaram tendo democracias e outros autocracias .

Um exemplo de determinantes geográficos para a democracia é o acesso às áreas costeiras e rios. Essa dotação natural tem uma relação positiva com o desenvolvimento econômico graças aos benefícios do comércio . [243] O comércio trouxe desenvolvimento econômico, que por sua vez, ampliou o poder. Os governantes que queriam aumentar as receitas tinham que proteger os direitos de propriedade para criar incentivos para que as pessoas investissem. Quanto mais pessoas tinham mais poder, mais concessões tinham que ser feitas pelo governante e em muitos [ quantificar ] lugares esse processo levou à democracia. Esses determinantes definiram a estrutura da sociedade movendo o equilíbrio do poder político. [244]

No século 21, a democracia se tornou um método tão popular de tomar decisões que sua aplicação além da política para outras áreas como entretenimento, comida e moda, consumismo, planejamento urbano, educação, arte, literatura, ciência e teologia foi criticada como " o dogma reinante de nosso tempo ". [245] O argumento sugere que a aplicação de uma abordagem populista ou orientada para o mercado à arte e literatura (por exemplo) significa que o trabalho criativo inovador não será publicado ou produzido. Na educação, o argumento é que estudos essenciais, mas mais difíceis, não são realizados. A ciência, como disciplina baseada na verdade , é particularmente corrompida pela ideia de que a conclusão correta pode ser alcançada pelo voto popular. No entanto, mais recentemente, os teóricos [ quais?] também propuseram o conceito de democracia epistêmica para afirmar que a democracia realmente faz um bom trabalho rastreando a verdade.

Robert Michels afirma que, embora a democracia nunca possa ser plenamente realizada, a democracia pode ser desenvolvida automaticamente no ato de lutar pela democracia:

O camponês da fábula, quando em seu leito de morte, conta aos filhos que um tesouro está enterrado no campo. Após a morte do velho, os filhos cavam em todos os lugares para descobrir o tesouro. Eles não o encontram. Mas seu trabalho infatigável melhora o solo e garante para eles um bem-estar comparativo. O tesouro da fábula pode muito bem simbolizar a democracia. [246]

O Dr. Harald Wydra , em seu livro Communism and The Emergence of Democracy (2007), afirma que o desenvolvimento da democracia não deve ser visto como um conceito puramente procedimental ou estático, mas sim como um "processo contínuo de formação de significado". [247] Baseando-se na ideia de Claude Lefort do lugar vazio do poder, que "o poder emana do povo [...] mas não é o poder de ninguém", ele observa que a democracia é reverência a uma autoridade mítica simbólica - como na realidade , não existem pessoas ou demonstrações . As figuras políticas democráticas não são governantes supremos, mas sim guardiãs temporárias de um lugar vazio. Qualquer reivindicação de substância, como o bem coletivo , o interesse públicoou a vontade da nação está sujeita à luta competitiva e tempos de [ esclarecimento necessário ] ganhar autoridade de cargo e governo. A essência do sistema democrático é um lugar vazio, vazio de pessoas reais, que só pode ser preenchido temporariamente e nunca mais apropriado. A sede do poder está lá, mas permanece aberta a mudanças constantes. Como tal, as definições das pessoas de "democracia" ou de progresso "democrático" ao longo da história como um processo contínuo e potencialmente sem fim de construção social. [248]

Disruption

Alguns governos democráticos experimentaram o colapso súbito do estado e a mudança de regime para uma forma de governo não democrática. Golpes militares domésticos ou rebeliões são os meios mais comuns pelos quais governos democráticos foram derrubados. [249] (Ver Lista de golpes e tentativas de golpe por país e Lista de guerras civis .) Exemplos incluem a Guerra Civil Espanhola , o Golpe de 18 de Brumário, que encerrou a Primeira República Francesa , e o golpe de Estado de 28 de maio de 1926, que terminou a Primeira República Portuguesa . Alguns golpes militares são apoiados por governos estrangeiros, como oGolpe de Estado na Guatemala em 1954 e 1953 iraniana golpe de Estado . Outros tipos de fim repentino da democracia incluem:

O retrocesso democrático pode acabar com a democracia de maneira gradual, aumentando a ênfase na segurança nacional e erodindo eleições livres e justas , liberdade de expressão , independência do judiciário , estado de direito . Um exemplo famoso é o Ato de Capacitação de 1933 , que legalmente encerrou a democracia na Alemanha de Weimar e marcou a transição para a Alemanha nazista .

A violência política temporária ou de longo prazo e a interferência do governo podem impedir eleições livres e justas , que corroem a natureza democrática dos governos. Isso aconteceu em nível local, mesmo em democracias bem estabelecidas como os Estados Unidos; por exemplo, a insurreição de Wilmington de 1898 e a privação de direitos dos afro-americanos após a era da reconstrução .

Tradução

A palavra chinesa 民主 mínzhǔ atualmente significa democracia. Antes da década de 1860, existiam várias traduções chinesas da palavra democracia, com 民政 mínzhèng sendo usado por William Lobscheid . O termo mínzhǔ foi traduzido pela primeira vez como democracia pela versão chinesa de Elementos de Direito Internacional de William Alexander Parsons Martin . [250] Liang Qichao traduziu o termo como 德谟 格拉 时Démógélāshí . Houve argumentos no início do século 20 de que os chineses não tinham a palavra adequada para democracia, então alguns escritores usaram transliterações como Liang Qichao, 得 谟 克拉西Démókèlā xī , ou 德 先生Dé-xiānsheng (Sr. De). [251]

Veja também

Notas de rodapé

  1. ^ A Décima Quarta Emenda à Constituição dos Estados Unidos em 1868 alterou a forma como cada estado é representado na Câmara dos Representantes . Contou todos os residentes para repartição, incluindo escravos, anulando o compromisso de três quintos , e reduziu a repartição de um estado se negasse injustamente a homens com idade superior a 21 o direito de voto; no entanto, isso não foi aplicado na prática. Alguns homens brancos pobres permaneceram excluídos pelo menos até a aprovação da Lei do Direito ao Voto de 1965 . Para as eleições estaduais, não foi até que a Suprema Corte dos EUA decidiu por 6–3 em Harper v. Virginia Board of Elections (1966) que todos os impostos estaduais foram inconstitucionais por violarem oCláusula de Igualdade de Proteção da Décima Quarta Emenda. Isso removeu um fardo sobre os pobres.
  2. ^ Portugal em 1974 , Espanha em 1975 , Argentina em 1983 , Bolívia , Uruguai em 1984 , Brasil em 1985 e Chile no início dos anos 1990 .

Referências

  1. ^ a b "Democracia" . Oxford University Press . Página visitada em 24 de fevereiro de 2021 .
  2. ^ a b Tangian, Andranik (2020). Teoria Analítica da Democracia: História, Matemática e Aplicações . Estudos em Escolha e Bem-Estar. Cham, Suíça: Springer. doi : 10.1007 / 978-3-030-39691-6 . ISBN 978-3-030-39690-9.
  3. ^ "Definição de DEMOCRACIA" . www.merriam-webster.com . Retirado em 5 de julho de 2018 .
  4. ^ Locke, John. Dois tratados sobre o governo: uma tradução para o inglês moderno . Citação: "Não há alternativa prática ao governo político da maioria - isto é, tomar o consentimento da maioria como um ato do todo e vincular todos os indivíduos. Seria quase impossível obter o consentimento de cada indivíduo antes de agir coletivamente. .. Nenhum povo racional poderia desejar e constituir uma sociedade que tivesse que se dissolver imediatamente porque a maioria foi incapaz de tomar a decisão final e a sociedade foi incapaz de agir como um só corpo. " "# v = uma página & q =% E2% 80% 9CTnão há alternativa prática para a regra política da maioria% E2% 80% 93 ou seja, tomar o consentimento da maioria como um ato do todo e obrigar todos os indivíduos." & f = falso Livros do Google .
  5. ^ Oxford English Dictionary: "democracy".
  6. ^ a b Watkins, Frederick (1970). "Democracy". Encyclopædia Britannica. 7 (Expo '70 hardcover ed.). William Benton. pp. 215–23. ISBN 978-0-85229-135-1.
  7. ^ Wilson, N.G. (2006). Encyclopedia of ancient Greece. New York: Routledge. p. 511. ISBN 0-415-97334-1.
  8. ^ Barker, Ernest (1906). The Political Thought of Plato and Aristotle. Chapter VII, Section 2: G.P. Putnam's Sons.CS1 maint: location (link)
  9. ^ Jarvie, 2006, pp. 218–19
  10. ^ "Democracy Index 2017 – Economist Intelligence Unit" (PDF). EIU.com. Archived from the original (PDF) on 18 February 2018. Retrieved 17 February 2018.
  11. ^ a b Staff writer (22 August 2007). "Liberty and justice for some". The Economist. Economist Group.
  12. ^ Popper, Karl (April 23, 1988). "The open society and its enemies revisited", The Economist (2016 reprint).
  13. ^ Annan, Kofi, "Democracy", Council of Europe.
  14. ^ Gagnon, Jean-Paul (1 June 2018). "2,234 Descriptions of Democracy". Democratic Theory. 5 (1): 92–113. doi:10.3167/dt.2018.050107. ISSN 2332-8894.
  15. ^ Dahl, Robert A.; Shapiro, Ian; Cheibub, José Antônio (2003). The democracy sourcebook. Cambridge, Massachusetts: MIT Press. ISBN 978-0-262-54147-3. Details.
  16. ^ Hénaff, Marcel; Strong, Tracy B. (2001). Public space and democracy. Minneapolis: University of Minnesota Press. ISBN 978-0-8166-3388-3.
  17. ^ Kimber, Richard (September 1989). "On democracy". Scandinavian Political Studies. 12 (3): 201, 199–219. doi:10.1111/j.1467-9477.1989.tb00090.x. Full text.
  18. ^ Diamond, Larry; Morlino, Leonardo (25 November 2005). Assessing the Quality of Democracy. JHU Press. ISBN 978-0-8018-8287-6 – via Google Books.
  19. ^ Scruton, Roger (9 August 2013). "A Point of View: Is democracy overrated?". BBC News. BBC.
  20. ^ a b Kopstein, Jeffrey; Lichbach, Mark; Hanson, Stephen E., eds. (2014). Comparative Politics: Interests, Identities, and Institutions in a Changing Global Order (4, revised ed.). Cambridge University Press. pp. 37–39. ISBN 978-1-139-99138-4.
  21. ^ "Parliamentary sovereignty". UK Parliament. Retrieved 18 August 2014; "Independence". Courts and Tribunals Judiciary. Retrieved 9 November 2014.
  22. ^ Daily Express News (2 August 2013). "All-party meet vows to uphold Parliament supremacy". The New Indian Express. Express Publications (Madurai) Limited. Retrieved 18 August 2013.
  23. ^ Barak, Aharon (2 November 2006). The Judge in a Democracy. Princeton University Press. ISBN 978-0-691-12017-1 – via Google Books.
  24. ^ Kelsen, Hans (October 1955). "Foundations of democracy". Ethics. 66 (1): 1–101. doi:10.1086/291036. JSTOR 2378551. S2CID 144699481.
  25. ^ Nussbaum, Martha (2000). Women and human development: the capabilities approach. Cambridge New York: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-00385-8.
  26. ^ Snyder, Richard; Samuels, David (2006), "Devaluing the vote in Latin America", in Diamond, Larry; Plattner, Marc F. (eds.), Electoral systems and democracy, Baltimore: Johns Hopkins University Press, p. 168, ISBN 978-0-8018-8475-7.
  27. ^ R. R. Palmer, The Age of the Democratic Revolution: Political History of Europe and America, 1760–1800 (1959)
  28. ^ Montesquieu, Spirit of the Laws, Bk. II, ch. 2–3.
  29. ^ Everdell, William R. (2000) [1983]. The end of kings: a history of republics and republicans (2nd ed.). Chicago: University of Chicago Press. ISBN 978-0-226-22482-4.
  30. ^ "Pericles' Funeral Oration". the-athenaeum.org.
  31. ^ a b c d Deudney, Daniel (9 November 2008). Bounding Power. ISBN 978-0-691-13830-5.
  32. ^ Thorhallsson, Baldur; Steinsson, Sverrir (2017), "Small State Foreign Policy", Oxford Research Encyclopedia of Politics, Oxford University Press, doi:10.1093/acrefore/9780190228637.013.484, ISBN 978-0-19-022863-7
  33. ^ "Montesquieu: The Spirit of Laws: Book 9". www.constitution.org. Retrieved 22 December 2019.
  34. ^ John Dunn, Democracy: the unfinished journey 508 BC – 1993 AD, Oxford University Press, 1994, ISBN 0-19-827934-5
  35. ^ Raaflaub, Ober & Wallace 2007, p. [page needed].
  36. ^ Luciano Canfora, La democrazias:Storia di un'ideologia, Laterza (2004) 2018 pp.12-13
  37. ^ R. Po-chia Hsia, Lynn Hunt, Thomas R. Martin, Barbara H. Rosenwein, and Bonnie G. Smith, The Making of the West, Peoples and Cultures, A Concise History, Volume I: To 1740 (Boston and New York: Bedford/St. Martin's, 2007), 44.
  38. ^ Aristotle Book 6
  39. ^ Grinin, Leonid E. (2004). The Early State, Its Alternatives and Analogues. Uchitel' Publishing House.
  40. ^ Davies, John K. (1977). "Athenian Citizenship: The Descent Group and the Alternatives". The Classical Journal. 73 (2): 105–121. ISSN 0009-8353. JSTOR 3296866.
  41. ^ "Women and Family in Athenian Law". www.stoa.org. Retrieved 1 March 2018.
  42. ^ Manville, Philip Brook (14 July 2014). citizenship requirements&pg=PA94 The Origins of Citizenship in Ancient Athens Check |url= value (help). Princeton University Press. ISBN 978-1-4008-6083-8.
  43. ^ Susan Lape, Reproducing Athens: Menander's Comedy, Democratic Culture, and the Hellenistic City, Princeton University Press, 2009, p. 4, ISBN 1-4008-2591-1
  44. ^ Raaflaub, Ober & Wallace 2007, p. 5.
  45. ^ Ober & Hedrick 1996, p. 107.
  46. ^ Clarke & Foweraker 2001, pp. 194–201.
  47. ^ "Full historical description of the Spartan government". Rangevoting.org. Retrieved 28 September 2013.
  48. ^ Terrence A. Boring, Literacy in Ancient Sparta, Leiden Netherlands (1979). ISBN 90-04-05971-7
  49. ^ "Ancient Rome from the earliest times down to 476 A.D". Annourbis.com. Retrieved 22 August 2010.
  50. ^ Livy & De Sélincourt 2002, p. 34
  51. ^ Watson 2005, p. 271
  52. ^ Bindloss, Joe; Sarina Singh (2007). India: Lonely planet Guide. Lonely Planet. p. 556. ISBN 978-1-74104-308-2.
  53. ^ Hoiberg, Dale; Indu Ramchandani (2000). Students' Britannica India, Volumes 1-5. Popular Prakashan. p. 208. ISBN 0-85229-760-2.
  54. ^ Kulke, Hermann; Dietmar Rothermund (2004). A history of India. Routledge. p. 57. ISBN 0-415-32919-1.
  55. ^ Graymont, Barbara (1972). The Iroquois in the American Revolution ([1st ed.] ed.). [Syracuse, N.Y.]: Syracuse University Press. ISBN 0-8156-0083-6. OCLC 194977.
  56. ^ Dahl, Robert A. (1 October 2008). On Democracy: Second Edition. Yale University Press. ISBN 978-0-300-23332-2.
  57. ^ Fladmark, J. M.; Heyerdahl, Thor (17 November 2015). Heritage and Identity: Shaping the Nations of the North. Routledge. ISBN 978-1-317-74224-1.
  58. ^ O'Callaghan, Joseph F. (1989). "The Cortes and Taxation". The Cortes of Castile-Leon, 1188–1350: 130–151. doi:10.9783/9781512819571. ISBN 9781512819571. JSTOR j.ctv513b8x.12.
  59. ^ "Magna Carta: an introduction". The British Library. Retrieved 28 January 2015. Magna Carta is sometimes regarded as the foundation of democracy in England. ...Revised versions of Magna Carta were issued by King Henry III (in 1216, 1217 and 1225), and the text of the 1225 version was entered onto the statute roll in 1297. ...The 1225 version of Magna Carta had been granted explicitly in return for a payment of tax by the whole kingdom, and this paved the way for the first summons of Parliament in 1265, to approve the granting of taxation.
  60. ^ "Citizen or Subject?". The National Archives. Retrieved 17 November 2013.
  61. ^ Jobson, Adrian (2012). The First English Revolution: Simon de Montfort, Henry III and the Barons' War. Bloomsbury. pp. 173–74. ISBN 978-1-84725-226-5.
  62. ^ "Simon de Montfort: The turning point for democracy that gets overlooked". BBC. 19 January 2015. Retrieved 19 January 2015; "The January Parliament and how it defined Britain". The Telegraph. 20 January 2015. Retrieved 28 January 2015.
  63. ^ "Origins and growth of Parliament". The National Archives. Retrieved 17 November 2013.
  64. ^ Abramson, Scott F.; Boix, Carles (2019). "Endogenous Parliaments: The Domestic and International Roots of Long-Term Economic Growth and Executive Constraints in Europe". International Organization. 73 (4): 793–837. doi:10.1017/S0020818319000286. ISSN 0020-8183. S2CID 211428630.
  65. ^ Møller, Jørgen (2014). "Why Europe Avoided Hegemony: A Historical Perspective on the Balance of Power". International Studies Quarterly. 58 (4): 660–670. doi:10.1111/isqu.12153.
  66. ^ Cox, Gary W. (2017). "Political Institutions, Economic Liberty, and the Great Divergence". The Journal of Economic History. 77 (3): 724–755. doi:10.1017/S0022050717000729. ISSN 0022-0507.
  67. ^ Stasavage, David (11 May 2016). "Representation and Consent: Why They Arose in Europe and Not Elsewhere". Annual Review of Political Science. 19 (1): 145–162. doi:10.1146/annurev-polisci-043014-105648. ISSN 1094-2939. S2CID 14393625.
  68. ^ Lukowski, Jerzy; Zawadzki, Hubert (January 2019). A Concise History of Poland (3rd ed.). Cambridge University Press. ISBN 9781108333993.
  69. ^ "From legal document to public myth: Magna Carta in the 17th century". The British Library. Retrieved 16 October 2017; "Magna Carta: Magna Carta in the 17th Century". The Society of Antiquaries of London. Archived from the original on 25 September 2018. Retrieved 16 October 2017.
  70. ^ "Origins and growth of Parliament". The National Archives. Retrieved 7 April 2015.
  71. ^ "Rise of Parliament". The National Archives. Retrieved 7 April 2015.
  72. ^ "Putney debates". The British Library. Retrieved 22 December 2016.
  73. ^ a b "Britain's unwritten constitution". British Library. Retrieved 27 November 2015. The key landmark is the Bill of Rights (1689), which established the supremacy of Parliament over the Crown.... The Bill of Rights (1689) then settled the primacy of Parliament over the monarch’s prerogatives, providing for the regular meeting of Parliament, free elections to the Commons, free speech in parliamentary debates, and some basic human rights, most famously freedom from ‘cruel or unusual punishment’.
  74. ^ "Constitutionalism: America & Beyond". Bureau of International Information Programs (IIP), U.S. Department of State. Archived from the original on 24 October 2014. Retrieved 30 October 2014. The earliest, and perhaps greatest, victory for liberalism was achieved in England. The rising commercial class that had supported the Tudor monarchy in the 16th century led the revolutionary battle in the 17th and succeeded in establishing the supremacy of Parliament and, eventually, of the House of Commons. What emerged as the distinctive feature of modern constitutionalism was not the insistence on the idea that the king is subject to law (although this concept is an essential attribute of all constitutionalism). This notion was already well established in the Middle Ages. What was distinctive was the establishment of effective means of political control whereby the rule of law might be enforced. Modern constitutionalism was born with the political requirement that representative government depended upon the consent of citizen subjects... However, as can be seen through provisions in the 1689 Bill of Rights, the English Revolution was fought not just to protect the rights of property (in the narrow sense) but to establish those liberties which liberals believed essential to human dignity and moral worth. The "rights of man" enumerated in the English Bill of Rights gradually were proclaimed beyond the boundaries of England, notably in the American Declaration of Independence of 1776 and in the French Declaration of the Rights of Man in 1789.
  75. ^ North, Douglass C.; Weingast, Barry R. (1989). "Constitutions and Commitment: The Evolution of Institutions Governing Public Choice in Seventeenth-Century England". The Journal of Economic History. 49 (4): 803–832. doi:10.1017/S0022050700009451. ISSN 1471-6372.
  76. ^ Locke, John (1988) [1689]. Laslett, Peter (ed.). Two Treatises of Government. Cambridge, NY: Cambridge University Press. Sec. 87, 123, 209, 222. ISBN 0-521-35448-X.
  77. ^ Locke, John. Two Treatises on Government: a Translation into Modern English. Quote: "Government has no other end, but the preservation of property. "#v=onepage&q=%E2%80%9CThere is no practical alternative to majority political rule %E2%80%93 i.e., to taking the consent of the majority as the act of the whole and binding every individual."&f=false Google Books.
  78. ^ Powell, Jim (1 August 1996). "John Locke: Natural Rights to Life, Liberty, and Property". In The Freemann. Foundation for Economic Education, Irvington, New York, US.
  79. ^ Curte, Merle (1937). "The Great Mr. Locke: America's Philosopher, 1783–1861". The Huntington Library Bulletin (11): 107–151. doi:10.2307/3818115. ISSN 1935-0708. JSTOR 3818115.
  80. ^ Tocqueville, Alexis de (2003). Democracy in America. Barnes & Noble. pp. 11, 18–19. ISBN 0-7607-5230-3.
  81. ^ Allen Weinstein and David Rubel (2002), The Story of America: Freedom and Crisis from Settlement to Superpower, DK Publishing, Inc., New York, ISBN 0-7894-8903-1, p. 61
  82. ^ Clifton E. Olmstead (1960), History of Religion in the United States, Prentice-Hall, Englewood Cliffs, NJ, pp. 63–65, 74–75, 102–05, 114–15
  83. ^ Christopher Fennell (1998), Plymouth Colony Legal Structure
  84. ^ Deacy, Susan (2008). Athena. London and New York: Routledge. pp. 145–49. ISBN 978-0-415-30066-7.
  85. ^ "Citizenship 1625–1789". The National Archives. Retrieved 17 November 2013.
  86. ^ "Getting the vote". The National Archives. Retrieved 22 August 2010.
  87. ^ "Record of Ignatius Sancho's vote in the general election, October 1774". British Library. Retrieved 2 October 2020.
  88. ^ Gregory, Desmond (1985). The ungovernable rock: a history of the Anglo-Corsican Kingdom and its role in Britain's Mediterranean strategy during the Revolutionary War, 1793–1797. London: Fairleigh Dickinson University Press. p. 31. ISBN 978-0-8386-3225-3.
  89. ^ "Voting in Early America". Colonial Williamsburg. Spring 2007. Retrieved 21 April 2015.
  90. ^ Dinkin, Robert (1982). Voting in Revolutionary America: A Study of Elections in the Original Thirteen States, 1776–1789. USA: Greenwood Publishing. pp. 37–42. ISBN 978-0-313-23091-2.
  91. ^ Ratcliffe, Donald (Summer 2013). "The Right to Vote and the Rise of Democracy, 1787–1828" (PDF). Journal of the Early Republic. 33 (2): 231. doi:10.1353/jer.2013.0033. S2CID 145135025.
  92. ^ Ratcliffe, Donald (Summer 2013). "The Right to Vote and the Rise of Democracy, 1787-1828" (PDF). Journal of the Early Republic. 33 (2): 225–229. doi:10.1353/jer.2013.0033. S2CID 145135025.
  93. ^ "Expansion of Rights and Liberties - The Right of Suffrage". Online Exhibit: The Charters of Freedom. National Archives. Archived from the original on 6 July 2016. Retrieved 21 April 2015.
  94. ^ Schultz, Jeffrey D. (2002). Encyclopedia of Minorities in American Politics: African Americans and Asian Americans. p. 284. ISBN 978-1-57356-148-8. Retrieved 8 October 2015.
  95. ^ "The Bill Of Rights: A Brief History". ACLU. Retrieved 21 April 2015.
  96. ^ "The French Revolution II". Mars.wnec.edu. Archived from the original on 27 August 2008. Retrieved 22 August 2010.
  97. ^ Norman Davies (15 May 1991). The Third of May 1791 (PDF). Minda de Gunzburg Center for European Studies, Harvard University. Archived from the original (PDF) on 5 September 2019. Retrieved 5 September 2019.
  98. ^ Jan Ligeza (2017). Preambuła Prawa [The Preamble of Law] (in Polish). Polish Scientific Publishers PWN. p. 12. ISBN 978-83-945455-0-5.
  99. ^ Michael Denning (2004). Culture in the Age of Three Worlds. Verso. p. 212. ISBN 978-1-85984-449-6. Retrieved 10 July 2013.
  100. ^ Calore, Paul (2008). The Causes of the Civil War: The Political, Cultural, Economic and Territorial Disputes between North and South. McFarland. p. 10.
  101. ^ "Background on conflict in Liberia" Archived 14 February 2007 at the Wayback Machine, Friends Committee on National Legislation, 30 July 2003
  102. ^ Lovejoy, Paul E. (2000). Transformations in slavery: a history of slavery in Africa (2nd ed.). New York: Cambridge University Press. p. 290. ISBN 978-0-521-78012-4.
  103. ^ "1834: The End of Slavery? | Historic England". historicengland.org.uk.
  104. ^ William G. Shade, "The Second Party System". in Paul Kleppner, et al. Evolution of American Electoral Systems (1983) pp 77–111
  105. ^ Engerman, Stanley L.; Sokoloff, Kenneth L. (2005). "The Evolution of Suffrage Institutions in the New World" (PDF): 14–16. Cite journal requires |journal= (help)
  106. ^ Scher, Richard K. (2015). The Politics of Disenfranchisement: Why is it So Hard to Vote in America?. Routledge. p. viii–ix. ISBN 978-1-317-45536-3.
  107. ^ "Civil Rights in America: Racial Voting Rights" (PDF). A National Historic Landmarks Theme Study. 2009. Cite journal requires |journal= (help)
  108. ^ "Introduction – Social Aspects of the Civil War". Itd.nps.gov. Archived from the original on 14 July 2007. Retrieved 22 August 2010.
  109. ^ Gillette, William (1986). "Fifteenth Amendment: Framing and ratification". Encyclopedia of the American Constitution.  – via HighBeam Research (subscription required). Archived from the original on 10 June 2014. Retrieved 23 June 2013.
  110. ^ "Black voting rights, 15th Amendment still challenged after 150 years". USA Today. Retrieved 18 November 2020.
  111. ^ Transcript of Voting Rights Act (1965) U.S. National Archives.
  112. ^ The Constitution: The 24th Amendment Time.
  113. ^ French National Assembly. "1848 " Désormais le bulletin de vote doit remplacer le fusil "". Retrieved 26 September 2009.
  114. ^ "Movement toward greater democracy in Europe Archived 4 August 2010 at the Wayback Machine". Indiana University Northwest.
  115. ^ Hasan Kayalı (1995) Elections in the Ott Empire (1995).pdf "Elections and the Electoral Process in the Ottoman Empire, 1876–1919" International Journal of Middle East Studies, Vol. 27, No. 3, pp 265–286
  116. ^ Reconstructing Gender in Middle East: Tradition, Identity, and Power. Columbia University Press. 1995. p. 101.
  117. ^ Nohlen, Dieter (2001). Elections in Asia and the Pacific: South East Asia, East Asia, and the South Pacific. Oxford University Press. p. 14.
  118. ^ Diamond, Larry (15 September 2015). "Timeline: Democracy in Recession". The New York Times. Retrieved 25 January 2016.
  119. ^ a b Kurlantzick, Joshua (11 May 2017). "Mini-Trumps Are Running for Election All Over the World". Bloomberg.com. Retrieved 16 May 2017.
  120. ^ Mounk, Yascha (January 2017). "The Signs of Deconsolidation". Journal of Democracy. Retrieved 16 May 2017.
  121. ^ "Age of Dictators: Totalitarianism in the inter-war period". Archived from the original on 7 September 2006. Retrieved 7 September 2006.CS1 maint: bot: original URL status unknown (link)
  122. ^ "Did the United States Create Democracy in Germany?: The Independent Review: The Independent Institute". Independent.org. Retrieved 22 August 2010.
  123. ^ "World | South Asia | Country profiles | Country profile: India". BBC News. 7 June 2010. Retrieved 22 August 2010.
  124. ^ Julian Go (2007). "A Globalizing Constitutionalism?, Views from the Postcolony, 1945–2000". In Arjomand, Saïd Amir (ed.). Constitutionalism and political reconstruction. Brill. pp. 92–94. ISBN 978-90-04-15174-1.
  125. ^ "How the Westminster Parliamentary System was exported around the World". University of Cambridge. 2 December 2013. Retrieved 16 December 2013.
  126. ^ "Age of democracies at the end of 2015". Our World in Data. Retrieved 15 February 2020.
  127. ^ "Tables and Charts". Freedomhouse.org. 10 May 2004. Archived from the original on 13 July 2009. Retrieved 22 August 2010.
  128. ^ "List of Electoral Democracies". World Forum on Democracy. Archived from the original on 16 October 2013.
  129. ^ "General Assembly declares 15 September International Day of Democracy; Also elects 18 Members to Economic and Social Council". Un.org. Retrieved 22 August 2010.
  130. ^ Wall, John (October 2014). "Democratising democracy: the road from women's to children's suffrage" (PDF). The International Journal of Human Rights. 18:6 (6): 646–59. doi:10.1080/13642987.2014.944807. S2CID 144895426 – via Rutgers University.
  131. ^ a b "Freedom in the Word 2017". freedomhouse.org. 2016. Retrieved 16 May 2017.
  132. ^ "Freedom House: Democracy Scores for Most Countries Decline for 12th Consecutive Year", VOA News, 16 January 2018. Retrieved 21 January 2018.
  133. ^ "As populism rises, fragile democracies move to weaken their courts". Christian Science Monitor. 13 November 2018. ISSN 0882-7729. Retrieved 14 November 2018.
  134. ^ Greskovitz, Béla (2015). "The Hollowing and Backsliding of Democracy in East-Central Europe". Global Policy. 6 (1): 28–37. doi:10.1111/1758-5899.12225.
  135. ^ Rhodes-Purdy, Matthew; Madrid, Raúl L. (27 November 2019). "The perils of personalism". Democratization. 27 (2): 321–339. doi:10.1080/13510347.2019.1696310. ISSN 1351-0347. S2CID 212974380.
  136. ^ "Global overview of COVID-19: Impact on elections". www.idea.int. Retrieved 28 January 2021.
  137. ^ Repucci, Sarah; Slipowitz, Amy. "Democracy under Lockdown". Freedom House. Retrieved 28 January 2021.
  138. ^ Democracy Facing Global Challenges: V-Dem Annual Democracy Report 2019 (PDF) (Report). V-Dem Institute at the University of Gothenburg. May 2019.
  139. ^ Mettler, Suzanne (2020). Four Threats: The Recurring Crises of American Democracy. New York: St. Martin's Press. ISBN 978-1-250-24442-0. OCLC 1155487679.
  140. ^ Farrell, Henry (14 August 2020). "History tells us there are four key threats to U.S. democracy". The Washington Post.
  141. ^ Lieberman, By Suzanne Mettler and Robert C. (10 August 2020). "The Fragile Republic". Foreign Affairs. Retrieved 15 August 2020.
  142. ^ Haggard, Stephan; Kaufman, Robert (2021). Backsliding: Democratic Regress in the Contemporary World. Cambridge University Press. doi:10.1017/9781108957809. ISBN 9781108957809. Retrieved 21 January 2021.
  143. ^ Malka, Ariel; Lelkes, Yphtach; Bakker, Bert N.; Spivack, Eliyahu (2020). "Who Is Open to Authoritarian Governance within Western Democracies?". Perspectives on Politics: 1–20. doi:10.1017/S1537592720002091. ISSN 1537-5927.
  144. ^ "Aristotle, Nicomachean Ethics, Book VIII, Chapter 10 (1160a.31-1161a.9)". Internet Classics Archive. Retrieved 21 June 2018.
  145. ^ "Aristotle". Internet Encyclopedia of Philosophy.
  146. ^ a b c d e Deudney, Daniel H. (9 November 2008). Deudney, D.: Bounding Power: Republican Security Theory from the Polis to the Global Village. (eBook and Paperback). press.princeton.edu. ISBN 978-0-691-13830-5. Retrieved 14 March 2017.
  147. ^ Springer, Simon (2011). "Public Space as Emancipation: Meditations on Anarchism, Radical Democracy, Neoliberalism and Violence". Antipode. 43 (2): 525–62. doi:10.1111/j.1467-8330.2010.00827.x.
  148. ^ Joseph Schumpeter, (1950). Capitalism, Socialism, and Democracy. Harper Perennial. ISBN 0-06-133008-6.
  149. ^ Anthony Downs, (1957). An Economic Theory of Democracy. Harper Collins College. ISBN 0-06-041750-1.
  150. ^ Dahl, Robert, (1989). Democracy and its Critics. New Haven: Yale University Press. ISBN 0-300-04938-2
  151. ^ Dworkin, Ronald (2006). Is Democracy Possible Here? Princeton: Princeton University Press. ISBN 978-0-691-13872-5, p. 134.
  152. ^ Gutmann, Amy, and Dennis Thompson (2002). Why Deliberative Democracy? Princeton University Press. ISBN 978-0-691-12019-5
  153. ^ Joshua Cohen, "Deliberation and Democratic Legitimacy" in Essays on Reason and Politics: Deliberative Democracy Ed. James Bohman and William Rehg (The MIT Press: Cambridge) 1997, 72–73.
  154. ^ Ethan J. "Can Direct Democracy Be Made Deliberative?", Buffalo Law Review, Vol. 54, 2006
  155. ^ Warren, Mark E.; Pearse, Hilary (2008). Designing Deliberative Democracy: The British Columbia Citizens' Assembly. Cambridge University Press.
  156. ^ Suiter, Jane; Farrell, David M; O’Malley, Eoin (1 March 2016). "When do deliberative citizens change their opinions? Evidence from the Irish Citizens' Assembly". International Political Science Review. 37 (2): 198–212. doi:10.1177/0192512114544068. ISSN 0192-5121. S2CID 155953192.
  157. ^ Smith, Graham (2009). Democratic Innovations: Designing Institutions for Citizen Participation. Theories of Institutional Design. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-51477-4.
  158. ^ "Innovative Citizen Participation and New Democratic Institutions: Catching the Deliberative Wave | en | OECD". www.oecd.org. Retrieved 20 November 2020.
  159. ^ List of Electoral Democracies FIW21 (.XLSX), by Freedom House
  160. ^ Skaaning, Svend-Erik (2018). "Different Types of Data and the Validity of Democracy Measures". Politics and Governance. 6 (1): 105. doi:10.17645/pag.v6i1.1183.
  161. ^ Glynn, Adam; Staton, Jeffrey; Altman, David; Skaaning, Svend-Erik; Coppedge, Michael; Teorell, Jan; Kroenig, Matthew; Tzelgov, Eitan; McMann, Kelly. "Varieties of Democracy v.1 (2014)". curate.nd.edu. Retrieved 12 June 2021.
  162. ^ Nazifa Alizada, Rowan Cole, Lisa Gastaldi, Sandra Grahn, Sebastian Hellmeier, Palina Kolvani, Jean Lachapelle, Anna Lührmann, Seraphine F. Maerz, Shreeya Pillai, and Staffan I. Lindberg. 2021. Autocratization Turns Viral. Democracy Report 2021. University of Gothenburg: V-Dem Institute. https://www.v-dem.net/media/filer_public/74/8c/748c68ad-f224-4cd7-87f9-8794add5c60f/dr_2021_updated.pdf
  163. ^ Coppedge, Michael, John Gerring, Carl Henrik Knutsen, Staffan I. Lindberg,Jan Teorell, David Altman, Michael Bernhard, Agnes Cornell, M. Steven Fish, Lisa Gastaldi,Haakon Gjerløw, Adam Glynn, Allen Hicken, Anna Lührmann, Seraphine F. Maerz, Kyle L.Marquardt, Kelly McMann, Valeriya Mechkova, Pamela Paxton, Daniel Pemstein, Johannes vonRömer, Brigitte Seim, Rachel Sigman, Svend-Erik Skaaning, Jeffrey Staton, Aksel Sundtröm, EitanTzelgov, Luca Uberti, Yi-ting Wang, Tore Wig, and Daniel Ziblatt. 2021. "V-Dem Codebook v11"Varieties of Democracy (V-Dem) Project.[1]
  164. ^ "Democracy index 2012: Democracy at a standstill". Economist Intelligence Unit. 14 March 2013. Retrieved 24 March 2013.
  165. ^ "MaxRange". Archived from the original on 17 August 2018. Retrieved 28 April 2015.
  166. ^ a b Alexander Krauss, 2016. scientific limits of understanding the %28potential%29 relationship between complex social phenomena -- the case of democracy and inequality.pdf The scientific limits of understanding the (potential) relationship between complex social phenomena: the case of democracy and inequality. Vol. 23(1). Journal of Economic Methodology.
  167. ^ Fuchs, Dieter; Roller, Edeltraud (2018). "Conceptualizing and Measuring the Quality of Democracy: The Citizens' Perspective". Politics and Governance. 6 (1): 22. doi:10.17645/pag.v6i1.1188.
  168. ^ Mayne, Quinton; Geißel, Brigitte (2018). "Don't Good Democracies Need "Good" Citizens? Citizen Dispositions and the Study of Democratic Quality". Politics and Governance. 6 (1): 33. doi:10.17645/pag.v6i1.1216.
  169. ^ G.F. Gaus, C. Kukathas, Handbook of Political Theory, SAGE, 2004, pp. 143–45, ISBN 0-7619-6787-7, Google Books link
  170. ^ The Judge in a Democracy, Princeton University Press, 2006, p. 26, ISBN 0-691-12017-X, Google Books link
  171. ^ A. Barak, The Judge in a Democracy, Princeton University Press, 2006, p. 40, ISBN 0-691-12017-X, Google Books link
  172. ^ T.R. Williamson, Problems in American Democracy, Kessinger Publishing, 2004, p. 36, ISBN 1-4191-4316-6, Google Books link
  173. ^ U.K. Preuss, "Perspectives of Democracy and the Rule of Law." Journal of Law and Society, 18:3 (1991). pp. 353–64
  174. ^ Budge, Ian (2001). "Direct democracy". In Clarke, Paul A.B.; Foweraker, Joe (eds.). Encyclopedia of Political Thought. Taylor & Francis. ISBN 978-0-415-19396-2.
  175. ^ Beramendi, Virginia, and Jennifer Somalie. Angeyo. Direct Democracy: The International Idea Handbook. Stockholm, Sweden: International IDEA, 2008. Print.
  176. ^ a b c d e Vincent Golay and Mix et Remix, Swiss political institutions, Éditions loisirs et pédagogie, 2008. ISBN 978-2-606-01295-3.
  177. ^ Niels Barmeyer, Developing Zapatista Autonomy, Chapter Three: Who is Running the Show? The Workings of Zapatista Government.
  178. ^ Denham, Diana (2008). Teaching Rebellion: Stories from the Grassroots Mobilization in Oaxaca.
  179. ^ Zibechi, Raul (2013). Dispersing Power: Social Movements as Anti-State Forces in Latin America.
  180. ^ "A Very Different Ideology in the Middle East". Rudaw.
  181. ^ Manin, Bernard (1997). "Principles of Representative Government". Choice Reviews Online. Cambridge University Press. 35 (6): 8–11. doi:10.5860/choice.35-3567. S2CID 153766786.
  182. ^ "Radical Revolution – The Thermidorean Reaction". Wsu.edu. 6 June 1999. Archived from the original on 3 February 1999. Retrieved 22 August 2010.
  183. ^ Köchler, Hans (1987). The Crisis of Representative Democracy. Frankfurt/M., Bern, New York. ISBN 978-3-8204-8843-2.
  184. ^ Urbinati, Nadia (1 October 2008). "2". Representative Democracy: Principles and Genealogy. ISBN 978-0-226-84279-0.
  185. ^ Fenichel Pitkin, Hanna (September 2004). "Representation and democracy: uneasy alliance". Scandinavian Political Studies. 27 (3): 335–42. doi:10.1111/j.1467-9477.2004.00109.x. S2CID 154048078.
  186. ^ Aristotle. "Ch. 9". Politics. Book 4.
  187. ^ Keen, Benjamin, A History of Latin America. Boston: Houghton Mifflin, 1980.
  188. ^ Kuykendall, Ralph, Hawaii: A History. New York: Prentice Hall, 1948.
  189. ^ Brown, Charles H., The Correspondents' War. New York: Charles Scribners' Sons, 1967.
  190. ^ Taussig, Capt. J.K., "Experiences during the Boxer Rebellion," in Quarterdeck and Fo'c'sle. Chicago: Rand McNally & Company, 1963
  191. ^ a b c d O'Neil, Patrick H. Essentials of Comparative Politics. 3rd ed. New York: W.W. Norton 2010. Print
  192. ^ Garret, Elizabeth (13 October 2005). "The Promise and Perils of Hybrid Democracy" (PDF). The Henry Lecture, University of Oklahoma Law School. Archived from the original (PDF) on 9 October 2017. Retrieved 7 August 2012.
  193. ^ "Article on direct democracy by Imraan Buccus". Themercury.co.za. Archived from the original on 17 January 2010. Retrieved 22 August 2010.
  194. ^ "A Citizen's Guide To Vermont Town Meeting". July 2008. Archived from the original on 5 August 2012. Retrieved 12 October 2012.
  195. ^ "Republic – Definition from the Merriam-Webster Online Dictionary". M-W.com. 25 April 2007. Retrieved 22 August 2010.
  196. ^ Novanglus, no. 7. 6 March 1775
  197. ^ Brockell, Gillian (19 December 2019). "'A republic, if you can keep it': Did Ben Franklin really say Impeachment Day's favorite quote?". The Washington Post. Retrieved 20 January 2021.
  198. ^ "The Founders' Constitution: Volume 1, Chapter 18, Introduction, "Epilogue: Securing the Republic"". Press-pubs.uchicago.edu. Retrieved 22 August 2010.
  199. ^ "Economics Cannot be Separated from Politics" speech by Che Guevara to the ministerial meeting of the Inter-American Economic and Social Council (CIES), in Punta del Este, Uruguay on August 8, 1961
  200. ^ Pierre-Joseph Proudhon. General Idea of the Revolution See also commentary by Graham, Robert. The General Idea of Proudhon's Revolution
  201. ^ Bookchin, Murray. Communalism: The Democratic Dimensions of Social Anarchism. Anarchism, Marxism and the Future of the Left: Interviews and Essays, 1993–1998, AK Press 1999, p. 155
  202. ^ Bookchin, Murray. Social Anarchism or Lifestyle Anarchism: An Unbridgeable Chasm
  203. ^ Graeber, David and Grubacic, Andrej. Anarchism, Or The Revolutionary Movement Of The Twenty-first Century
  204. ^ Thoreau, H.D. On the Duty of Civil Disobedience
  205. ^ Dowlen, Oliver (2008). The Political Potential of Sortition: A study of the random selection of citizens for public office. Imprint Academic.
  206. ^ "Article on Cosmopolitan democracy by Daniele Archibugi" (PDF). Archived from the original (PDF) on 25 July 2011. Retrieved 22 August 2010.
  207. ^ "letter by Einstein – "To the General Assembly of the United Nations"". Archived from the original on 10 May 2013. Retrieved 2 July 2013., first published in United Nations World New York, Oct 1947, pp. 13–14
  208. ^ Daniele Archibugi & David Held, eds., Cosmopolitan Democracy. An Agenda for a New World Order, Polity Press, Cambridge, 1995; David Held, Democracy and the Global Order, Polity Press, Cambridge, 1995, Daniele Archibugi, The Global Commonwealth of Citizens. Toward Cosmopolitan Democracy, Princeton University Press, Princeton, 2008
  209. ^ "Creative Democracy – The Task Before Us" (PDF). Archived from the original (PDF) on 12 February 2015. Retrieved 12 February 2015.
  210. ^ Ten Years After the Soviet Breakup: From Democratization to "Guided Democracy" Journal of Democracy. By Archie Brown. Oct. 2001. Downloaded 28 April 2017.
  211. ^ Putin’s Rule: Its Main Features and the Current Diarchy Johnson's Russia List. By Peter Reddaway. 18 February 2009. Downloaded 28 April 2017.
  212. ^ Compare: Tibi, Bassam (2013). The Sharia State: Arab Spring and Democratization. p. 161. ISBN 978-1-135-92468-3.
  213. ^ Raghunathan, Viswanathan (2010). The Corruption Conundrum and Other Paradoxes and Dilemmas. Penguin Books. ISBN 9780670083565.
  214. ^ "Is Democracy a Pre-Condition in Economic Growth? A Perspective from the Rise of Modern China". UN Chronicle. Archived from the original on 16 March 2017. Retrieved 24 January 2017.
  215. ^ Conversation of Socrates, Plato; H, Translated by Spens. The Republic of Plato – Book ten – A conversation between Socrates and Admimantus.
  216. ^ Femia, Joseph V. (2001). Against the masses : varieties of anti-democratic thought since the French Revolution. Oxford: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-828063-7. OCLC 46641885.
  217. ^ Dilliard, Irving (1941). Mr. Justice Brandeis, great American;press opinion and public appraisal. Saint Louis. hdl:2027/mdp.39015009170443.
  218. ^ "Book Review, In the Name of the People". Publishers Weekly. 3 April 2013.
  219. ^ "Testing theories of American politics: Elites, interest groups, and average citizens", M. Gilens and B. I. Page (2014), Perspectives on politics 12, 564–581, [2]
  220. ^ Plato, the Republic of Plato (London: J.M Dent & Sons LTD.; New York: E.P. Dutton & Co. Inc.), 558-C.
  221. ^ The contrast between Plato's theory of philosopher-kings, arresting change, and Aristotle's embrace of change is the historical tension espoused by Karl Raimund Popper in his WWII treatise, The Open Society and its Enemies (1943).
  222. ^ "Head to head: African democracy". BBC News. 16 October 2008. Retrieved 1 April 2010.
  223. ^ The Review of Policy Research, Volume 22, Issues 1–3, Policy Studies Organization, Potomac Institute for Policy Studies. Blackwell Publishing, 2005. p. 28
  224. ^ For example: Lipset, Seymour Martin. (1959). "Some Social Requisites of Democracy: Economic Development and Political Legitimacy". American Political Science Review. 53 (1): 69–105. doi:10.2307/1951731. JSTOR 1951731. S2CID 53686238.
  225. ^ Inglehart, Ronald. Welzel, Christian Modernisation, Cultural Change and Democracy: The Human Development Sequence, 2005. Cambridge: Cambridge University Press
  226. ^ Inglehart, Ronald F. (2018). Cultural Evolution: People's Motivations Are Changing, and Reshaping the World. Cambridge University Press. doi:10.1017/9781108613880. ISBN 978-1-108-61388-0.
  227. ^ Gibler, Douglas M.; Owsiak, Andrew (2017). "Democracy and the Settlement of International Borders, 1919–2001". Journal of Conflict Resolution. 62 (9): 1847–75. doi:10.1177/0022002717708599. S2CID 158036471.
  228. ^ Foreword, written by historian Harry J Hogan Archived 1 September 2013 at the Wayback Machine in 1982, to Quigley's Weapons Systems and Political Stability
  229. ^ see also Chester G Starr, Review of Weapons Systems and Political Stability, American Historical Review, Feb 1984, p. 98, available at carrollquigley.net
  230. ^ a b Carroll Quigley (1983). Weapons systems and political stability: a history. University Press of America. pp. 38–39. ISBN 978-0-8191-2947-5. Retrieved 20 May 2013.
  231. ^ Carroll Quigley (1983). Weapons systems and political stability: a history. University Press of America. p. 307. ISBN 978-0-8191-2947-5. Retrieved 20 May 2013.
  232. ^ Glaeser, E.; Ponzetto, G.; Shleifer, A. (2007). "Why does democracy need education?". Journal of Economic Growth. 12 (2): 77–99. doi:10.1007/s10887-007-9015-1. Retrieved 3 July 2017.
  233. ^ Deary, I.J.; Batty, G.D.; Gale, C.R. (2008). "Bright children become enlightened adults" (PDF). Psychological Science. 19 (1): 1–6. doi:10.1111/j.1467-9280.2008.02036.x. hdl:20.500.11820/a86dbef4-60eb-44fa-add3-513841cdf81b. PMID 18181782. S2CID 21297949.
  234. ^ Compare: Rindermann, H (2008). "Relevance of education and intelligence for the political development of nations: Democracy, rule of law and political liberty". Intelligence. 36 (4): 306–22. doi:10.1016/j.intell.2007.09.003. Political theory has described a positive linkage between education, cognitive ability and democracy. This assumption is confirmed by positive correlations between education, cognitive ability, and positively valued political conditions (N = 183–130). [...] It is shown that in the second half of the 20th century, education and intelligence had a strong positive impact on democracy, rule of law and political liberty independent from wealth (GDP) and chosen country sample. One possible mediator of these relationships is the attainment of higher stages of moral judgment fostered by cognitive ability, which is necessary for the function of democratic rules in society. The other mediators for citizens as well as for leaders could be the increased competence and willingness to process and seek information necessary for political decisions due to greater cognitive ability. There are also weaker and less stable reverse effects of the rule of law and political freedom on cognitive ability.
  235. ^ Albertus, Michael; Menaldo, Victor (2012). "Coercive Capacity and the Prospects for Democratisation". Comparative Politics. 44 (2): 151–69. doi:10.5129/001041512798838003. S2CID 153949862.
  236. ^ a b Paglayan, Agustina S. (February 2021). "The Non-Democratic Roots of Mass Education: Evidence from 200 Years". American Political Science Review. 115 (1): 179–198. doi:10.1017/S0003055420000647. ISSN 0003-0554.
  237. ^ Squicciarini, Mara and Voigtländer, Nico, Knowledge Elites and Modernization: Evidence from Revolutionary France (October 2016). NBER Working Paper No. w22779, Available at SSRN: https://ssrn.com/abstract=2861711
  238. ^ "The Resource Curse: Does the Emperor Have no Clothes?".
  239. ^ Acemoglu, Daron; Robinson, James A. (2006). Economic Origins of Dictatorship and Democracy. Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-85526-6.
  240. ^ "Rainfall and Democracy".
  241. ^ Alsan, Marcella (2015). "The Effect of the TseTse Fly on African Development" (PDF). American Economic Review. 105 (1): 382–410. CiteSeerX 10.1.1.1010.2955. doi:10.1257/aer.20130604.
  242. ^ Acemoglu, Daron; Johnson, Simon; Robinson, James (2005). "Institutions as a fundamental cause of long-run growth". Handbook of Economic Growth. Handbook of Economic Growth. 1. pp. 385–472, Sections 1 to 4. doi:10.1016/S1574-0684(05)01006-3. ISBN 978-0-444-52041-8.
  243. ^ Mellinger, Andrew D., Jeffrey Sachs, and John L. Gallup. (1999). "Climate, Water Navigability, and Economic Development". Working Paper.
  244. ^ Acemoglu, Daron; Johnson, Simon; Robinson, James (2005). "Institutions as a fundamental cause of long-run growth". Handbook of Economic Growth. Handbook of Economic Growth. 1. pp. 385–472, Sections 5 to 10. doi:10.1016/S1574-0684(05)01006-3. ISBN 978-0-444-52041-8.
  245. ^ Farrelly, Elizabeth (15 September 2011). "Deafened by the roar of the crowd". The Sydney Morning Herald. Archived from the original on 30 December 2011. Retrieved 17 September 2011.
  246. ^ Robert Michels (1999) [1962 by Crowell-Collier]. Political Parties. Transaction Publishers. p. 243. ISBN 978-1-4128-3116-1. Retrieved 5 June 2013.
  247. ^ Harald Wydra, Communism and the Emergence of Democracy, Cambridge: Cambridge University Press, 2007, pp. 22–27.
  248. ^ Compare: Wydra, Harald (2007). "Democracy as a process of meaning-formation". Communism and the Emergence of Democracy. Cambridge University Press. pp. 244–68. ISBN 978-1-139-46218-1. Retrieved 11 August 2018.
  249. ^ a b Alan Siaroff (2009). Comparing Political Regimes: A Thematic Introduction to Comparative Politics. University of Toronto Press. p. 285. ISBN 9781442600126.
  250. ^ Lin, Wei (December 2018). "The Translated and Transformed Concept of Min Zhu (Democracy and Republic): A Political Cultural Influence on Translation" (PDF). International Journal of Languages, Literature and Linguistics. 4 (4): 303–308. doi:10.18178/IJLLL.2018.4.4.191. - Cited: p. 303
  251. ^ Lin, Wei (December 2018). "The Translated and Transformed Concept of Min Zhu (Democracy and Republic): A Political Cultural Influence on Translation" (PDF). International Journal of Languages, Literature and Linguistics. 4 (4): 303–308. doi:10.18178/IJLLL.2018.4.4.191. - Cited: p. 304

Works cited

Further reading

External links