Bauhaus

Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Ir para navegação Pular para pesquisar
O emblema da Bauhaus , desenhado por Oskar Schlemmer , foi adotado em 1921.

Bauhaus e seus sites em Weimar, Dessau e Bernau
Patrimônio Mundial da UNESCO
6265 Dessau.JPG
O prédio da Bauhaus em Dessau foi projetado por Walter Gropius . Foi o serviço mais longo dos três locais da Bauhaus (1925–1932).
LocalizaçãoAlemanha
CritérioCultural: ii, iv, vi
Referência729
Inscrição1996 (20ª Sessão )
Área8,1614
Zona tampão59,26
Bauhaus está localizado na Alemanha
Weimar
Weimar
Dessau
Dessau
Bernau
Bernau
Tipografia de Herbert Bayer acima da entrada do bloco de oficinas da Bauhaus Dessau, 2005

O Staatliches Bauhaus ( alemão: [ˈʃtaːtlɪçəs ˈbaʊˌhaʊs] ( ouvir )Sobre este som ), comumente conhecido como Bauhaus (alemão: "construção de casa"), foi uma escola de arte alemã operando de 1919 a 1933 que combinava artesanato e artes plásticas . [1] A escola ficou famosa por sua abordagem ao design , que tentava unificar os princípios da produção em massa com a visão artística individual e se esforçava para combinar a estética com a função cotidiana . [1]

A Bauhaus foi fundada pelo arquiteto Walter Gropius em Weimar . Foi fundamentado na ideia de criar um Gesamtkunstwerk ("arte abrangente") em que todas as artes seriam eventualmente reunidas. O estilo Bauhaus mais tarde se tornou uma das correntes mais influentes no design moderno, arquitetura e arte modernistas , design e educação arquitetônica. [2] O movimento Bauhaus teve uma influência profunda nos desenvolvimentos subsequentes em arte, arquitetura, design gráfico, design de interiores, design industrial e tipografia . [3] A equipe da Bauhaus incluía artistas proeminentes como Paul Klee ,Wassily Kandinsky e László Moholy-Nagy em vários pontos.

Walter Gropius, fundador da Bauhaus (1883–1969)

A escola existiu em três cidades alemãs - Weimar , de 1919 a 1925; Dessau , de 1925 a 1932; e Berlim , de 1932 a 1933 - sob três diretores-arquitetos diferentes: Walter Gropius de 1919 a 1928; Hannes Meyer de 1928 a 1930; e Ludwig Mies van der Rohe de 1930 a 1933, quando a escola foi fechada por sua própria liderança sob pressão do regime nazista , tendo sido pintada como um centro do intelectualismo comunista. Embora a escola tenha sido fechada, a equipe continuou a espalhar seus preceitos idealistas ao deixar a Alemanha e emigrar para o mundo inteiro. [4]

As mudanças de local e liderança resultaram em uma mudança constante de foco, técnica, instrutores e política. Por exemplo, a olaria foi descontinuada quando a escola se mudou de Weimar para Dessau, embora fosse uma importante fonte de receita; quando Mies van der Rohe assumiu a escola em 1930, ele a transformou em uma escola particular e não permitiu que qualquer partidário de Hannes Meyer a frequentasse.

Estilo de design

O estilo Bauhaus tende a apresentar formas geométricas simples, como retângulos e esferas, sem decorações elaboradas. Edifícios, móveis e fontes geralmente apresentam cantos arredondados e, às vezes, paredes arredondadas. Outros edifícios são caracterizados por características retangulares, por exemplo, sacadas salientes com corrimãos planos e robustos voltados para a rua e longas fileiras de janelas. Os móveis costumam usar tubos de metal cromado que se curvam nos cantos.

Bauhaus e o modernismo alemão

Após a derrota da Alemanha na Primeira Guerra Mundial e o estabelecimento da República de Weimar , um espírito liberal renovado permitiu uma onda de experimentação radical em todas as artes, que havia sido suprimida pelo antigo regime. Muitos alemães de visão de esquerda foram influenciados pela experimentação cultural que se seguiu à Revolução Russa , como o construtivismo . Essas influências podem ser exageradas: Gropius não compartilhava dessas visões radicais e disse que a Bauhaus era totalmente apolítica. [5] Tão importante foi a influência do designer inglês do século 19 William Morris(1834-1896), que argumentou que a arte deve atender às necessidades da sociedade e que não deve haver distinção entre forma e função. [6] Assim, o estilo Bauhaus, também conhecido como Estilo Internacional , era marcado pela ausência de ornamentação e pela harmonia entre a função de um objeto ou edifício e seu desenho.

No entanto, a influência mais importante na Bauhaus foi o modernismo , um movimento cultural cujas origens remontam à década de 1880 e que já marcava presença na Alemanha antes da Guerra Mundial, apesar do conservadorismo prevalecente. As inovações de design comumente associadas a Gropius e a Bauhaus - as formas radicalmente simplificadas, a racionalidade e funcionalidade e a ideia de que a produção em massa era compatível com o espírito artístico individual - já estavam parcialmente desenvolvidas na Alemanha antes da Bauhaus ser fundada. A organização nacional de designers alemães Deutscher Werkbund foi formada em 1907 por Hermann Muthesiusaproveitar os novos potenciais de produção em massa, com o objetivo de preservar a competitividade econômica da Alemanha com a Inglaterra. Em seus primeiros sete anos, a Werkbund passou a ser considerada o órgão competente em questões de design na Alemanha e foi copiada em outros países. Muitas questões fundamentais de artesanato versus produção em massa, a relação entre utilidade e beleza, o propósito prático da beleza formal em um objeto comum e se uma única forma adequada poderia existir ou não, foram discutidas entre seus 1.870 membros (em 1914).

Pôster para o Bauhausaustellung (1923)

O modernismo arquitetônico alemão era conhecido como Neues Bauen . Com início em junho de 1907, o trabalho pioneiro de design industrial de Peter Behrens para a companhia elétrica alemã AEG integrou com sucesso a arte e a produção em massa em grande escala. Ele projetou produtos de consumo, peças padronizadas, criou designs de linhas simples para os gráficos da empresa, desenvolveu uma identidade corporativa consistente, construiu o marco modernista AEG Turbine Factory e fez uso total de materiais recém-desenvolvidos, como concreto derramado e aço exposto. Behrens foi um membro fundador da Werkbund, e tanto Walter Gropius quanto Adolf Meyer trabalharam para ele neste período.

A Bauhaus foi fundada em uma época em que o zeitgeist alemão havia mudado do expressionismo emocional para a prática Nova Objetividade . Todo um grupo de arquitetos ativos , incluindo Erich Mendelsohn , Bruno Taut e Hans Poelzig , abandonou a experimentação fantasiosa e foi em direção a uma construção racional, funcional, às vezes padronizada. Além da Bauhaus, muitos outros arquitetos de língua alemã importantes na década de 1920 responderam às mesmas questões estéticas e possibilidades materiais da escola. Eles também responderam à promessa de uma "moradia mínima" escrita na nova Constituição de Weimar . Ernst May , Bruno Taut eMartin Wagner , entre outros, construiu grandes blocos habitacionais em Frankfurt e Berlim. A aceitação do design modernista na vida cotidiana foi o assunto de campanhas publicitárias, exposições públicas bem-frequentadas como a propriedade de Weissenhof , filmes e, às vezes, acirrado debate público.

Bauhaus e Vkhutemas

A Vkhutemas, a escola técnica e de arte estatal russa fundada em 1920 em Moscou , foi comparada à Bauhaus. Fundada um ano depois da escola Bauhaus, a Vkhutemas tem paralelos próximos à Bauhaus alemã em sua intenção, organização e escopo. As duas escolas foram as primeiras a formar artistas-designers de uma forma moderna. [7] Ambas as escolas foram iniciativas patrocinadas pelo estado para fundir o artesanato tradicional com a tecnologia moderna, com um curso básico em princípios estéticos, cursos de teoria da cor , desenho industrial e arquitetura. [7] Vkhutemas era uma escola maior do que a Bauhaus, [8] mas foi menos divulgada fora da União Soviética e, consequentemente, é menos familiar nao oeste . [9]

Com o internacionalismo da arquitetura e do design modernos, houve muitas trocas entre os Vkhutemas e a Bauhaus. [10] O segundo diretor da Bauhaus, Hannes Meyer, tentou organizar um intercâmbio entre as duas escolas, enquanto Hinnerk Scheper da Bauhaus colaborou com vários membros da Vkhutein no uso da cor na arquitetura. Além disso, o livro de El Lissitzky , Rússia: uma Arquitetura para a Revolução Mundial, publicado em alemão em 1930, apresentava várias ilustrações de projetos Vkhutemas / Vkhutein ali.

História da Bauhaus

Weimar

O edifício principal da Bauhaus-University Weimar . Construído entre 1904 e 1911 e projetado por Henry van de Velde para abrigar o estúdio dos escultores na Escola de Arte Grand Ducal Saxon, foi declarado Patrimônio Mundial da UNESCO em 1996.

A escola foi fundada por Walter Gropius em Weimar em 1º de abril de 1919, [11] como uma fusão da Academia Saxônica do Grão-Ducal de Belas Artes e da Escola de Artes e Ofícios do Grande Ducado Saxônico para um departamento de arquitetura recém-afiliado. [12] Suas raízes estão na escola de artes e ofícios fundada pelo Grão-duque de Saxe-Weimar-Eisenach em 1906 e dirigida pelo arquiteto belga Art Nouveau Henry van de Velde . [13] Quando van de Velde foi forçado a renunciar em 1915 por ser belga, ele sugeriu Gropius, Hermann Obrist e August Endellcomo possíveis sucessores. Em 1919, após os atrasos causados ​​pela Primeira Guerra Mundial e um longo debate sobre quem deveria chefiar a instituição e os significados socioeconômicos de uma reconciliação das artes plásticas com as artes aplicadas (uma questão que permaneceu definidora ao longo da existência da escola) , Gropius foi nomeado diretor de uma nova instituição integradora dos dois, chamada Bauhaus. [14] No panfleto para uma exposição de abril de 1919 intitulada Exhibition of Unknown Architects , Gropius, ainda muito sob a influência de William Morris e do British Arts and Crafts Movement, proclamou seu objetivo como sendo "criar uma nova guilda de artesãos, sem as distinções de classe que levantam uma barreira arrogante entre artesão e artista." O neologismo de Gropius, Bauhaus, faz referência tanto à construção quanto à Bauhütte, uma guilda pré - moderna de pedreiros. [15] A intenção inicial era que a Bauhaus fosse uma combinação de escola de arquitetura, escola de artesanato e academia de artes. O pintor suíço Johannes Itten , o pintor germano-americano Lyonel Feininger e o escultor alemão Gerhard Marcks , junto com Gropius, compunham o corpo docente da Bauhaus em 1919. No ano seguinte, suas fileiras haviam crescido para incluir pintor, escultor e designer alemãoOskar Schlemmer, que chefiou a oficina de teatro, e o pintor suíço Paul Klee , ingressaram em 1922 no pintor russo Wassily Kandinsky . Um ano tumultuado na Bauhaus, 1922 também viu a mudança do pintor holandês Theo van Doesburg para Weimar para promover De Stijl ("O Estilo"), e uma visita à Bauhaus pelo artista construtivista russo e arquiteto El Lissitzky . [16]

De 1919 a 1922 a escola foi moldada pelas ideias pedagógicas e estéticas de Johannes Itten , que ministrou aos Vorkurs ou "curso preliminar" que foi a introdução às ideias da Bauhaus. [14] Itten foi fortemente influenciado em seu ensino pelas idéias de Franz Cižek e Friedrich Wilhelm August Fröbel . Ele também foi influenciado no que diz respeito à estética pelo trabalho do grupo Der Blaue Reiter em Munique , bem como pelo trabalho do expressionista austríaco Oskar Kokoschka . A influência do expressionismo alemãofavorecido por Itten era análogo em alguns aspectos ao lado das belas artes do debate em curso. Essa influência culminou com a adição do membro fundador do Der Blaue Reiter Wassily Kandinsky ao corpo docente e terminou quando Itten renunciou no final de 1923. Itten foi substituído pelo designer húngaro László Moholy-Nagy , que reescreveu os Vorkurscom uma inclinação para a Nova Objetividade defendida por Gropius, que era análoga em alguns aspectos ao lado das artes aplicadas do debate. Embora essa mudança tenha sido importante, ela não representou uma ruptura radical com o passado, mas sim um pequeno passo em um movimento socioeconômico mais amplo e gradual que estava ocorrendo pelo menos desde 1907, quando van de Velde argumentou para uma base artesanal para o design, enquanto Hermann Muthesius começava a implementar protótipos industriais. [16]

Projeto de Palco Mecânico por Joost Schmidt , 1925

Gropius não era necessariamente contra o expressionismo e, de fato, ele mesmo no mesmo panfleto de 1919 proclamando esta "nova guilda de artesãos, sem o esnobismo de classe", descreveu "pintura e escultura subindo ao céu das mãos de um milhão de artesãos, o cristal símbolo da nova fé do futuro. " Em 1923, no entanto, Gropius não estava mais evocando imagens de catedrais românicas crescentes e a estética artesanal do " movimento Völkisch ", em vez de declarar "queremos uma arquitetura adaptada ao nosso mundo de máquinas, rádios e carros velozes". [17]Gropius argumentou que um novo período da história havia começado com o fim da guerra. Ele queria criar um novo estilo arquitetônico para refletir esta nova era. Seu estilo de arquitetura e bens de consumo deveria ser funcional, barato e consistente com a produção em massa. Para esses fins, Gropius queria reunir arte e artesanato para chegar a produtos funcionais de alta qualidade com mérito artístico. A Bauhaus publicou uma revista chamada Bauhause uma série de livros chamada "Bauhausbücher". Como a República de Weimar não tinha o número de matérias-primas disponíveis para os Estados Unidos e a Grã-Bretanha, ela teve que contar com a proficiência de uma força de trabalho qualificada e a capacidade de exportar produtos inovadores e de alta qualidade. Portanto, eram necessários designers e também um novo tipo de educação artística. A filosofia da escola afirmava que o artista deveria ser treinado para trabalhar com a indústria. [18] [19]

Weimar ficava no estado alemão da Turíngia , e a escola Bauhaus recebia apoio estatal do governo estadual da Turíngia controlado pelos social-democratas . A escola em Weimar sofreu pressão política de círculos conservadores na política da Turíngia, cada vez mais depois de 1923, à medida que a tensão política aumentava. Uma condição imposta à Bauhaus nesse novo ambiente político era a exibição dos trabalhos realizados na escola. Essa condição foi satisfeita em 1923 com a exposição da Bauhaus do experimental Haus am Horn . [20]O Ministério da Educação estabeleceu contratos de seis meses para os funcionários e cortou o financiamento da escola pela metade. A Bauhaus emitiu um comunicado à imprensa em 26 de dezembro de 1924, definindo o fechamento da escola para o final de março de 1925. [21] [22] Neste ponto, ela já estava procurando fontes alternativas de financiamento. Depois que a Bauhaus se mudou para Dessau, uma escola de desenho industrial com professores e funcionários menos antagônicos ao regime político conservador permaneceu em Weimar. Essa escola ficou conhecida como Universidade Técnica de Arquitetura e Engenharia Civil e, em 1996, mudou seu nome para Bauhaus-University Weimar .

Presidente de Erich Dieckmann, 1925

Dessau

A Bauhaus mudou-se para Dessau em 1925 e novas instalações foram inauguradas no final de 1926. O projeto de Gropius para as instalações de Dessau foi um retorno ao Gropius futurista de 1914, que tinha mais em comum com as linhas de estilo internacional da Fagus Factory do que com o despojado Neoclássico do pavilhão Werkbund ou da Völkisch Sommerfeld House. [23] Durante os anos de Dessau, houve uma mudança notável na direção da escola. De acordo com Elaine Hoffman, Gropius abordou o arquiteto holandês Mart Stam para dirigir o programa de arquitetura recém-fundado, e quando Stam recusou o cargo, Gropius recorreu ao amigo e colega de Stam no grupo ABC, Hannes Meyer.

Meyer se tornou diretor quando Gropius renunciou em fevereiro de 1928, [1] e trouxe para a Bauhaus suas duas comissões de construção mais significativas, ambas ainda existentes: cinco prédios de apartamentos na cidade de Dessau e a Bundesschule des Allgemeinen Deutschen Gewerkschaftsbundes (ADGB Trade Union School) em Bernau bei Berlin . Meyer preferia medições e cálculos em suas apresentações aos clientes, junto com o uso de componentes arquitetônicos prontos para uso para reduzir custos. Essa abordagem se mostrou atraente para clientes em potencial. A escola obteve seu primeiro lucro sob sua liderança em 1929.

Mas Meyer também gerou muitos conflitos. Como um funcionalista radical, ele não tinha paciência com o programa estético e forçou as demissões de Herbert Bayer , Marcel Breuer e outros instrutores de longa data. Mesmo que Meyer tenha mudado a orientação da escola mais para a esquerda do que tinha sido com Gropius, ele não queria que a escola se tornasse uma ferramenta da política partidária de esquerda. Ele impediu a formação de uma célula estudantil comunista e, na atmosfera política cada vez mais perigosa, isso se tornou uma ameaça à existência da escola de Dessau. O prefeito de Dessau, Fritz Hesse, demitiu-o no verão de 1930. [24] O conselho da cidade de Dessau tentou convencer Gropius a retornar como diretor da escola, mas Gropius sugeriuLudwig Mies van der Rohe . Mies foi nomeado em 1930 e entrevistou imediatamente cada aluno, dispensando aqueles que considerava descompromissados. Ele interrompeu a fabricação de produtos da escola para que ela pudesse se concentrar no ensino, e não indicou nenhum novo corpo docente além de sua confidente Lilly Reich . Em 1931, o Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (Partido Nazista) estava se tornando mais influente na política alemã. Quando ganhou o controle do conselho municipal de Dessau, mudou-se para fechar a escola. [25]

Wassily Chairs de Marcel Breuer (1925–1926)

Berlin

No final de 1932, Mies alugou uma fábrica abandonada em Berlim (Birkbusch Street 49) para usar como a nova Bauhaus com seu próprio dinheiro. Os alunos e professores reabilitaram o edifício, pintando o interior de branco. A escola funcionou por dez meses sem mais interferência do Partido Nazista. Em 1933, a Gestapo fechou a escola de Berlim. Mies protestou contra a decisão, eventualmente falando com o chefe da Gestapo, que concordou em permitir a reabertura da escola. No entanto, logo após receber uma carta permitindo a abertura da Bauhaus, Mies e os outros professores concordaram em fechar voluntariamente a escola [ quando? ] . [25]

Embora nem o Partido Nazista nem Adolf Hitler tivessem uma política arquitetônica coesa antes de chegar ao poder em 1933, escritores nazistas como Wilhelm Frick e Alfred Rosenberg já haviam rotulado a Bauhaus de "não-alemã" e criticado seus estilos modernistas, gerando deliberadamente polêmica pública sobre questões como telhados planos. Cada vez mais no início dos anos 1930, eles caracterizaram a Bauhaus como uma fachada para comunistas e liberais sociais. De fato, vários estudantes comunistas leais a Meyer se mudaram para a União Soviética quando ele foi demitido em 1930.

Mesmo antes de os nazistas chegarem ao poder, a pressão política sobre a Bauhaus havia aumentado. O movimento nazista, quase desde o início, denunciou a Bauhaus por sua " arte degenerada ", e o regime nazista estava determinado a reprimir o que considerava estrangeiro, provavelmente influências judaicas do "modernismo cosmopolita". [1] Apesar dos protestos de Gropius que, como um veterano de guerra e um patriota seu trabalho não tinha subversiva política intenção, de Berlim Bauhaus foi pressionado a fechar em abril de 1933. Emigrantes teve sucesso, no entanto, na divulgação dos conceitos da Bauhaus para outros países, incluindo a "Nova Bauhaus" de Chicago: [26] Mies decidiu emigrar para os Estados Unidos para a diretoria da Escola de Arquitetura do Armor Institute (agoraIllinois Institute of Technology ) em Chicago e para buscar comissões de construção. [a] O funcionalismo simples orientado para a engenharia do modernismo despojado, no entanto, levou a algumas influências da Bauhaus que viveram na Alemanha nazista . Quando o engenheiro-chefe de Hitler, Fritz Todt , começou a abrir a nova autobahn (rodovias) em 1935, muitas das pontes e estações de serviço eram "exemplos ousados ​​de modernismo" - entre aqueles que enviaram projetos estava Mies van der Rohe. [27]

Produção arquitetônica

O paradoxo do início da Bauhaus era que, embora seu manifesto proclamou que o objetivo de toda atividade criativa era construir, [28] a escola não ofereceu aulas de arquitetura até 1927. Durante os anos sob Gropius (1919-1927), ele e seu sócio, Adolf Meyer, não observou nenhuma distinção real entre a produção de seu escritório de arquitetura e a da escola. Portanto, a produção construída da arquitetura Bauhaus nesses anos é a produção de Gropius: a casa Sommerfeld em Berlim, a casa Otte em Berlim, a casa Auerbach em Jena e o projeto do concurso para a Chicago Tribune Tower, o que trouxe muita atenção da escola. O edifício definitivo da Bauhaus de 1926 em Dessau também é atribuído a Gropius. Além das contribuições para a Haus am Horn de 1923 , o trabalho arquitetônico dos alunos se resumiu a projetos não construídos, acabamentos internos e trabalhos manuais como armários, cadeiras e cerâmica.

Nos próximos dois anos sob Meyer, o foco arquitetônico mudou da estética para a funcionalidade. Houve encomendas importantes: uma da cidade de Dessau para cinco "Laubenganghäuser" (prédios de apartamentos com acesso à varanda) bem projetados, que ainda estão em uso hoje, e outra para a Bundesschule des Allgemeinen Deutschen Gewerkschaftsbundes (ADGB Trade Union School) em Bernau bei Berlin . A abordagem de Meyer era pesquisar as necessidades dos usuários e desenvolver cientificamente a solução de design.

Mies van der Rohe repudiou a política de Meyer, seus apoiadores e sua abordagem arquitetônica. Ao contrário do "estudo dos fundamentos" de Gropius e da pesquisa de Meyer sobre os requisitos do usuário, Mies defendeu uma "implementação espacial das decisões intelectuais", o que efetivamente significava uma adoção de sua própria estética. Nem Mies van der Rohe nem seus alunos da Bauhaus viram qualquer projeto construído durante a década de 1930.

A concepção popular da Bauhaus como fonte de extensas habitações da era de Weimar não é exata. Dois projetos, o projeto de prédio de apartamentos em Dessau e o projeto de moradias Törten também em Dessau, se enquadram nessa categoria, mas o desenvolvimento de moradias para trabalhadores não era a primeira prioridade de Gropius nem de Mies. Foram os contemporâneos da Bauhaus Bruno Taut , Hans Poelzig e particularmente Ernst May , como os arquitetos da cidade de Berlim, Dresden e Frankfurt , respectivamente, que são legitimamente creditados com os milhares de unidades habitacionais socialmente progressistas construídas em Weimar, Alemanha . A casa Taut construída no sudoeste de Berlim durante a década de 1920, perto da parada do U-Bahn Onkel Toms Hütte, ainda está ocupado.

Impacto

Uma máquina de escrever Olivetti Studio 42 , projetada por Bauhausler Xanti Schawinsky em 1936

A Bauhaus teve um grande impacto nas tendências da arte e da arquitetura na Europa Ocidental, Canadá, Estados Unidos e Israel nas décadas seguintes ao seu desaparecimento, pois muitos dos artistas envolvidos fugiram ou foram exilados pelo regime nazista. Tel Aviv em 2004 foi nomeado para a lista de patrimônios mundiais pela ONU devido à sua abundância de arquitetura Bauhaus; [29] [30] teve cerca de 4.000 edifícios Bauhaus erguidos de 1933 em diante.

Em 1928, o pintor húngaro Alexander Bortnyik fundou uma escola de design em Budapeste chamada Műhely, [31] que significa "o estúdio". [32] Localizado no sétimo andar de uma casa na rua Nagymezo, [32] era para ser o equivalente húngaro da Bauhaus. [33] A literatura às vezes se refere a ele - de uma maneira simplificada - como "a Bauhaus de Budapeste". [34] Bortnyik era um grande admirador de László Moholy-Nagy e conheceu Walter Gropius em Weimar entre 1923 e 1925. [35] O próprio Moholy-Nagy ensinou no Miihely. Victor Vasarely , um pioneiro da Op Art, estudou nesta escola antes de se estabelecer em Paris em 1930. [36]

Walter Gropius, Marcel Breuer e Moholy-Nagy se reuniram na Grã-Bretanha em meados da década de 1930 e viveram e trabalharam no conjunto habitacional Isokon em Lawn Road, em Londres, antes que a guerra os alcançasse. Gropius e Breuer passaram a lecionar na Harvard Graduate School of Design e trabalharam juntos antes de sua separação profissional. A colaboração deles produziu, entre outros projetos, o Aluminium City Terrace em New Kensington, Pensilvânia, e a Alan IW Frank House em Pittsburg. A Harvard School foi enormemente influente na América no final dos anos 1920 e no início dos anos 1930, produzindo alunos como Philip Johnson , IM Pei , Lawrence Halprine Paul Rudolph , entre muitos outros.

No final dos anos 1930, Mies van der Rohe reassentou-se em Chicago, teve o patrocínio do influente Philip Johnson e tornou-se um dos arquitetos mais proeminentes do mundo. Moholy-Nagy também foi para Chicago e fundou a escola New Bauhaus sob o patrocínio do industrial e filantropo Walter Paepcke . Essa escola se tornou o Institute of Design , parte do Illinois Institute of Technology . O gravador e pintor Werner Drewes também foi o grande responsável por trazer a estética da Bauhaus para a América e lecionou na Columbia University e na Washington University em St. Louis .Herbert Bayer , patrocinado pela Paepcke, mudou-se para Aspen , Colorado, em apoio aos projetos Aspen da Paepcke no Aspen Institute . Em 1953, Max Bill , junto com Inge Aicher-Scholl e Otl Aicher , fundou a Escola de Design de Ulm (em alemão: Hochschule für Gestaltung - HfG Ulm) em Ulm, Alemanha, uma escola de design na tradição da Bauhaus. A escola se destaca por incluir a semiótica como campo de estudo. A escola fechou em 1968, mas o conceito de "Modelo Ulm" continua a influenciar a educação internacional de design. [37] Outra série de projetos na escola foram as fontes da Bauhaus, realizado principalmente nas décadas seguintes.

A influência da Bauhaus na educação em design foi significativa. Um dos principais objetivos da Bauhaus era unificar arte, artesanato e tecnologia, e essa abordagem foi incorporada ao currículo da Bauhaus. A estrutura da Bauhaus Vorkurs (curso preliminar) refletiu uma abordagem pragmática para integrar teoria e aplicação. No primeiro ano, os alunos aprenderam os elementos e princípios básicos do design e da teoria das cores e experimentaram uma variedade de materiais e processos. [38] [39]Esta abordagem para a educação em design tornou-se uma característica comum das escolas de arquitetura e design em muitos países. Por exemplo, a Shillito Design School em Sydney é um elo único entre a Austrália e a Bauhaus. O programa de cores e design da Shillito Design School foi firmemente sustentado pelas teorias e ideologias da Bauhaus. O curso básico do primeiro ano imitou os Vorkurs e se concentrou nos elementos e princípios do design, além da teoria e aplicação da cor. O fundador da escola, Phyllis Shillito, que abriu em 1962 e fechou em 1980, acreditava firmemente que "um aluno que domina os princípios básicos do design, pode projetar qualquer coisa, desde um vestido a um fogão de cozinha". [40]Na Grã-Bretanha, em grande parte sob a influência do pintor e professor William Johnstone, o Basic Design, um curso de fundação de arte influenciado pela Bauhaus, foi introduzido na Camberwell School of Art e na Central School of Art and Design, de onde se espalhou por todas as escolas de arte no país, tornando-se universal no início dos anos 1960.

Uma das contribuições mais importantes da Bauhaus está na área de design de móveis modernos . A característica cadeira Cantilever e a cadeira Wassily projetada por Marcel Breuer são dois exemplos. (Breuer acabou perdendo uma batalha legal na Alemanha com o arquiteto / designer holandês Mart Stam sobre os direitos de patente para o design da cadeira cantilever. Embora Stam tenha trabalhado no design da exposição de 1923 da Bauhaus em Weimar, e como palestrante convidado na Bauhaus mais tarde no Na década de 1920, ele não estava formalmente associado à escola e ele e Breuer trabalharam independentemente no conceito de cantilever, levando à disputa de patentes.) O produto mais lucrativo da Bauhaus era seu papel de parede.

A planta física em Dessau sobreviveu à Segunda Guerra Mundial e foi operada como uma escola de design com algumas instalações arquitetônicas pela República Democrática Alemã . Isso incluiu produções de palco ao vivo no teatro Bauhaus com o nome de Bauhausbühne ("Bauhaus Stage"). Após a reunificação alemã , uma escola reorganizada continuou no mesmo prédio, sem nenhuma continuidade essencial com a Bauhaus sob Gropius no início dos anos 1920. [41] Em 1979, o Bauhaus-Dessau College começou a organizar programas de pós-graduação com participantes de todo o mundo. Este esforço foi apoiado pela Fundação Bauhaus-Dessau, que foi fundada em 1974 como uma instituição pública.

A avaliação posterior do credo de design da Bauhaus foi crítica de seu reconhecimento imperfeito do elemento humano, um reconhecimento dos "aspectos desatualizados e nada atraentes da Bauhaus como uma projeção de utopia marcada por visões mecanicistas da natureza humana ... Higiene doméstica sem atmosfera doméstica". [42]

Exemplos subsequentes que deram continuidade à filosofia da Bauhaus incluem Black Mountain College, Hochschule für Gestaltung em Ulm e Domaine de Boisbuchet. [43]

Um edifício no estilo Bauhaus com janelas de "termômetro" na Pines Street em Tel Aviv

A Cidade Branca

A Cidade Branca (em hebraico : העיר הלבנה, Ha-Ir ha-Levana ) refere-se a uma coleção de mais de 4.000 edifícios construídos no Bauhaus ou Estilo Internacional em Tel Aviv desde a década de 1930 por arquitetos judeus alemães que emigraram para o Mandato Britânico da Palestina após a ascensão dos nazistas . Tel Aviv tem o maior número de edifícios no estilo Bauhaus / Internacional de qualquer cidade do mundo. Preservação, documentação e exposições chamaram a atenção para a coleção de arquitetura dos anos 1930 de Tel Aviv. Em 2003, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura ( UNESCO ) proclamou a fundação de Tel AvivWhite City é um Patrimônio Mundial da Cultura , como "um exemplo notável de novo planejamento urbano e arquitetura no início do século 20". [44] A citação reconheceu a adaptação única das tendências arquitetônicas internacionais modernas às tradições culturais, climáticas e locais da cidade. O Bauhaus Center Tel Aviv organiza passeios arquitetônicos regulares pela cidade.

Ano do Centenário de 2019

Como o centenário da fundação da Bauhaus, vários eventos, festivais e exposições foram realizados ao redor do mundo em 2019. [45] O festival internacional de abertura na Academia de Artes de Berlim de 16 a 24 de janeiro se concentrou na "apresentação e produção de peças de artistas contemporâneos, em que as questões estéticas e as configurações experimentais dos artistas da Bauhaus continuam a ser inspiradoramente contagiosas ”. [46] [47] Bauhaus original, The Centenary Exhibition na Berlinische Galerie (6 de setembro de 2019 a 27 de janeiro de 2020) apresentou 1.000 artefatos originais da coleção do Bauhaus-Archiv e contou a história por trás dos objetos. [48]

Funcionários e alunos Bauhaus

Pessoas que foram educadas, ou que ensinaram ou trabalharam em outras funções, na Bauhaus.

Galeria

Veja também

Notas de rodapé

  • a O fechamento e a resposta de Mies van der Rohe estão totalmente documentados emArchitects of Fortune, deElaine Hochman.
  • O Google homenageou a Bauhaus por seu 100º aniversário em 12 de abril de 2019 com um Google Doodle . [49]

Referências

  1. ^ a b c d Dicionário de arte e artistas de Oxford (Oxford: Oxford University Press, 4a edição, 2009), ISBN  0-19-953294-X , pp. 64-66
  2. ^ Pevsner, Nikolaus, ed. (1999). Um Dicionário de Arquitetura e Arquitetura Paisagista (brochura). Fleming, John; Honor, Hugh (5ª ed.). Londres: Penguin Books. p. 880. ISBN 978-0-14-051323-3.
  3. ^ "Bauhaus Movemen" . Repensando o mundo Arte e Tecnologia - Uma nova Unidade .
  4. ^ ...], [contribuidores Rachel Barnes (2001). O livro de arte do século 20 (Reimpresso. Ed.). Londres: Phaidon Press. ISBN 978-0-7148-3542-6.CS1 maint: nomes numéricos: lista de autores ( link )
  5. ^ Evans, Richard J. A vinda do terceiro Reich , p. 416
  6. ^ Funk and Wagnall's New Encyclopaedia , Vol 5, p. 348
  7. ^ a b (em russo) Grande enciclopédia soviética; Bolshaya Sovetskaya Entsiklopediya , Вхутемас
  8. ^ Wood, Paul (1999) O Desafio da Vanguarda . New Haven: Yale University Press ISBN 0-300-07762-9 , p. 244 
  9. ^ Tony Fry (outubro de 1999). A New Design Philosophy: An Introduction to Defuturing . UNSW Press. p. 161. ISBN 978-0-86840-753-1. Retirado em 15 de maio de 2011 .
  10. ^ Colton, Timothy J. (1995) Moscou: Governing the Socialist Metropolis . Cambridge MA: Harvard University Press ISBN 0-674-58749-9 ; p. 215 
  11. ^ Uhrig, Nicole (2020). Zukunftsfähige Perspektiven in der Landschaftsarchitektur für Gartenstädte: Cidade - Campo - Vida . Wiesbaden: Springer-Verlag. p. 113. ISBN 978-3-658-28940-9.
  12. ^ Gorman, Carma (2003). O Leitor de Design Industrial . Nova York: Allworth Press. p. 98. ISBN 1-58115-310-4.
  13. ^ Pevsner, Nikolaus, ed. (1999). Um Dicionário de Arquitetura e Arquitetura Paisagista (brochura). Fleming, John; Honor, Hugh (5ª ed.). Penguin Books. p. 44. ISBN 978-0-19-860678-9.
  14. ^ a b Frampton, Kenneth (1992). "The Bauhaus: Evolution of an Idea 1919–32". Modern Architecture: A Critical History (3rd ed. Rev. Ed.). Nova York: Thames and Hudson, Inc. p. 124. ISBN 978-0-500-20257-9.
  15. ^ Whitford, Frank, ed. (1992). A Bauhaus: Mestres e alunos por conta própria . Londres: Conran Octopus. p. 32. ISBN 978-1-85029-415-3. Ele inventou o nome 'Bauhaus' não apenas porque se referia especificamente a Bauen ('edifício', 'construção') - mas também por causa de sua semelhança com a palavra Bauhütte, a guilda medieval de construtores e pedreiros da qual surgiu a Maçonaria. A Bauhaus seria uma espécie de Bauhütte moderna, portanto, na qual os artesãos trabalhariam em projetos comuns, o maior dos quais seriam edifícios nos quais as artes e o artesanato seriam combinados.
  16. ^ a b Hal Foster, ed. (2004). "1923: The Bauhaus… realiza sua primeira exposição pública em Weimar, Alemanha" . Arte desde 1900: Volume 1 - 1900 a 1944 . Rosalind Krauss, Yve-Alain Bois, Benjamin Buchloh. Nova York: Thames & Hudson. pp.  185–189 . ISBN 978-0-500-28534-3.
  17. ^ Curtis, William (1987). "Walter Gropius, expressionismo alemão e a Bauhaus". Arquitetura moderna desde 1900 (2ª ed.). Prentice-Hall. pp. 309–316. ISBN 978-0-13-586694-8.
  18. ^ "The Bauhaus, 1919–1933" . O MET . O Metropolitan Museum of Art . Retirado em 14 de junho de 2016 .
  19. ^ "Bauhaus" . Encyclopædia Britannica . Retirado em 14 de junho de 2016 .
  20. ^ Ackermann et al., Bauhaus (Cologne: Könemann, 1999), 406.
  21. ^ Michael Baumgartner e Josef Helfenstein Na Bauhaus em Weimar, 1921–1924 Arquivado em 29 de setembro de 2009 na Wayback Machine , em Zentrum Paul Klee
  22. ^ Magdalena Droste (2002) [1990] Bauhaus, 1919–1933 p. 113
  23. ^ Curtis, William (2000). "Walter Gropius, expressionismo alemão e a Bauhaus". Arquitetura moderna desde 1900 (2ª ed.). Prentice-Hall. p. 120. ISBN 978-0-13-586694-8.
  24. ^ Richard A. Etlin (2002). Arte, cultura e mídia no Terceiro Reich . University of Chicago Press. p. 291. ISBN 978-0-226-22086-4. Retirado em 15 de maio de 2011 .
  25. ^ a b David Spaeth (1985). Ludwig Mies van der Rohe . Rizzoli New York. pp. 87–93. ISBN 978-0-8478-0563-1.
  26. ^ Jardi, Enric (1991). Paul Klee . Rizzoli Intl Pubns, p. 22
  27. ^ , Richard J Evans, O Terceiro Reich no Poder , 325
  28. ^ Gropius, Walter (abril de 1919). "Manifesto da Staatliches Bauhaus" . BauhausManifesto.com .
  29. ^ "Unesco celebra Tel Aviv" . BBC News . 8 de junho de 2004 . Página visitada em 26 de abril de 2010 .
  30. ^ Centro, Patrimônio Mundial da UNESCO. "Cidade Branca de Tel-Aviv - o movimento moderno" . whc.unesco.org .
  31. ^ Edward Lucie-Smith, Late Modern: The Visual Arts Since 1945 , Londres: Thames & Hudson, 1976, p. 164
  32. ^ a b Gaston Diehl, Vasarely , New York: Coroa, 1972, p. 12
  33. ^ Jean Luc Daval, História da pintura abstrata , Paris: Hazan, 1989, p. 199
  34. ^ Veja: William Chapin Seitz, preço de Marla, arte na idade de Aquário , Smithsonian Inst Press, 1992, p. 92; Edward Lucie-Smith, Late Modern: The Visual Arts Since 1945 , London: Thames & Hudson, 1976, p. 164; Jean Louis Ferrier, Yann Le Pichon, Arte do nosso século: a história da arte ocidental, 1900 até o presente 1990, Londres: Longman, p. 521.
  35. ^ Guitemie Maldonaldo, "Une réception différée et relayée. L'Atelier d'art abstrait et le" modèle-Bauhaus ", 1950-1953", em: Martin Schieder, Isabelle Ewig, In die Freiheit geworfen: Positionen zur deutsch-französischen Kunstgeschichte nach 1945 , Oldenbourg Verlag, 22 de novembro de 2006, p. 100
  36. ^ Jean Louis Ferrier, Yann Le Pichon, Arte de Nosso Século: A História da Arte Ocidental, 1900 até o Presente , 1990, Londres: Longman, p. 521.
  37. ^ Ulm, Ulmer Museum / HfG-Archiv. "HfG-Archiv Ulm - O HfG Ulm" . www.hfg-archiv.ulm.de . Arquivado do original em 4 de outubro de 2008 . Página visitada em 19 de agosto de 2008 .
  38. ^ Bayer, H., Gropius, W., & Gropius, I. (Eds.). (1975). Bauhaus 1919–1928 . Londres: Secker & Warburg.
  39. ^ Itten, J. (1963). Design e forma: o curso básico na Bauhaus e depois (edição revisada, 1975). Nova York: John Wiley & Sons.
  40. ^ O'Connor, Z. (2013). "The Shillito Design School: a ligação da Austrália com a Bauhaus". The International Journal of Design in Society , 6 (3), 149–159.
  41. ^ "Bauhaus Dessau" .
  42. ^ Schjeldahl, Peter, "Bauhaus Rules," The New Yorker , 16 de novembro de 2009
  43. ^ pablo.sevilla (13 de junho de 2019). "Entrevista com Mathias Schwartz-Clauss, diretor de Boisbuchet e curador do programa" . Domaine de Boisbuchet . Recuperado em 17 de dezembro de 2019 .
  44. ^ "UNESCO, Texto de Decisão, Centro do Patrimônio Mundial, recuperado em 14 de setembro de 2009" .
  45. ^ Weber, Micholas Fox, The Bauhaus at 100: science by design , Nature, 6 de agosto de 2019 (com link para pdf)
  46. ^ "100 anos Bauhaus: o festival de abertura" . Página visitada em 17 de janeiro de 2019 .
  47. ^ "Bauhaus em fotos: Os arquitetos exilados pelos nazistas" . BBC News . 16 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2019 . Página visitada em 17 de janeiro de 2019 .
  48. ^ "Bauhaus Original, Exposição do Centenário" . Berlinische Galerie. 6 de setembro de 2019 . Retirado em 16 de setembro de 2019 .
  49. ^ "100º aniversário da Bauhaus" . Google . 12 de abril de 2019.

Bibliografia

  • Oskar Schlemmer (1972). Tut Schlemmer (ed.). As Cartas e Diários de Oskar Schlemmer . Traduzido por Krishna Winston. Wesleyan University Press. ISBN 0-8195-4047-1.
  • Stefan Boness (2012). Tel Aviv - a cidade branca . Berlim: Jovis. ISBN 978-3-939633-75-4.
  • Magdalena Droste, Peter Gossel, ed. (2005). Bauhaus . Taschen America LLC. ISBN 3-8228-3649-4.
  • Marty Bax (1991). Bauhaus Lecture Notes 1930–1933. Teoria e prática da formação em arquitetura na Bauhaus, com base nas notas de aula feitas pelo ex-aluno e arquiteto holandês JJ van der Linden do currículo Mies van der Rohe . Amsterdã: Architectura e Natura. ISBN 90-71570-04-5.
  • Anja Baumhoff (2001). O mundo de gênero da Bauhaus. The Politics of Power no Premier Art Institute da República de Weimar, 1919–1931 . Frankfurt, Nova York: Peter Lang. ISBN 3-631-37945-5.
  • Boris Friedewald (2009). Bauhaus . Munique, Londres, Nova York: Prestel. ISBN 978-3-7913-4200-9.
  • Catherine Weill-Rochant (2008). Rita H. Gans (ed.). Bauhaus: Architektur em Tel Aviv (em francês e alemão). Zurique: Kiriat Yearim.
  • Catherine Weill-Rochant (abril de 2009). A Escola de Tel-Aviv: um racionalismo restrito . Jornal DOCOMOMO (Documentação e conservação de edifícios, sítios e bairros do movimento moderno).
  • Peder Anker (2010). De Bauhaus a Ecohouse: A History of Ecological Design . LSU Press. ISBN 978-0-8071-3551-8.
  • Kirsten Baumann (2007). Bauhaus Dessau: conceito de projeto de arquitetura . Berlim: JOVIS Verlag. ISBN 978-3-939633-11-2.
  • Monika Markgraf (Ed.) (2007). Arqueologia do Modernismo: Renovação Bauhaus Dessau . Berlim: JOVIS Verlag. ISBN 978-3-936314-83-0.Manutenção de CS1: texto extra: lista de autores ( link )
  • Torsten Blume / Burghard Duhm (Eds.) (2008). Bauhaus.Theatre.Dessau: Mudança de cena . Berlim: JOVIS Verlag. ISBN 978-3-936314-81-6.Manutenção de CS1: texto extra: lista de autores ( link )
  • Eric Cimino (2003). Vida de estudante na Bauhaus, 1919–1933 (MA). Boston: UMass-Boston.
  • Olaf Thormann: Bauhaus Saxônia . arnoldsche Art Publishers 2019, ISBN 978-3-89790-553-5 . 

Ligações externas