Anarquismo

Este é um bom artigo.  Clique aqui para obter mais informações.
Página semi-protegida
Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Ir para navegação Pular para pesquisar

O anarquismo é uma filosofia política e um movimento cético quanto à autoridade e rejeita todas as formas involuntárias e coercitivas de hierarquia . O anarquismo clama pela abolição do estado , que considera indesejável, desnecessário e prejudicial. Como historicamente de esquerda movimento, colocado sobre o mais à esquerda do espectro de política , que é geralmente descrito ao lado marxismo libertário como o libertário asa ( socialismo libertário ) do movimento socialista , e tem uma forte associação histórica com anticapitalismoe socialismo .

A história do anarquismo remonta à pré - história , quando os humanos viviam em sociedades anárquicas muito antes do estabelecimento de estados, reinos ou impérios formais . Com a ascensão de corpos hierárquicos organizados, o ceticismo em relação à autoridade também aumentou, mas foi só no século 19 que um movimento político autoconsciente surgiu. Durante a segunda metade do século 19 e as primeiras décadas do século 20, o movimento anarquista floresceu em muitas partes do mundo e teve um papel significativo nas lutas dos trabalhadores pela emancipação . Várias escolas anarquistas de pensamentoformado durante este período. Os anarquistas participaram de várias revoluções, principalmente na Guerra Civil Espanhola , cujo fim marcou o fim da era clássica do anarquismo . Nas últimas décadas do século 20 e no século 21, o movimento anarquista ressurgiu mais uma vez.

O anarquismo emprega uma diversidade de táticas a fim de atingir seus fins ideais, que podem ser amplamente separados em táticas revolucionárias e evolucionárias; há uma sobreposição significativa entre os dois, que são meramente descritivos. As táticas revolucionárias visam derrubar a autoridade e o estado, tendo dado uma guinada violenta no passado, enquanto as táticas evolucionárias visam prefigurar como seria uma sociedade anarquista. O pensamento, a crítica e a práxis anarquistas têm desempenhado um papel em diversas áreas da sociedade humana. O anarquismo foi defendido e criticado; as críticas ao anarquismo incluem alegações de que ele é internamente inconsistente, violento ou utópico.

Etimologia, terminologia e definição

Wilhelm Weitling é um exemplo de escritor que acrescentou à teoria anarquista sem usar o termo exato. [1]

A origem etimológica do anarquismo vem do grego antigo anarkhia , que significa "sem governante", composto pelo prefixo an- ("sem") e pela palavra arkhos ("líder" ou "governante"). O sufixo -ismo denota a corrente ideológica que favorece a anarquia . [2] O anarquismo aparece em inglês a partir de 1642 como anarquismo e anarquia a partir de 1539; os primeiros usos do inglês enfatizavam um senso de desordem. [3] Várias facções dentro da Revolução Francesa rotularam seus oponentes como anarquistas, embora poucos desses acusados ​​compartilhassem muitos pontos de vista com os anarquistas posteriores. Muitos revolucionários do século 19, como William Godwin (1756-1836) e Wilhelm Weitling (1808-1871) contribuiriam para as doutrinas anarquistas da próxima geração, mas não usaram anarquistas ou anarquistas para descrever a si próprios ou suas crenças. [4]

O primeiro filósofo político a se denominar anarquista ( francês : anarquista ) foi Pierre-Joseph Proudhon (1809-1865), marcando o nascimento formal do anarquismo em meados do século XIX. Desde a década de 1890 e começando na França, [5] o libertarianismo tem sido freqüentemente usado como sinônimo de anarquismo [6] e seu uso como sinônimo ainda é comum fora dos Estados Unidos. [7] Alguns usos do libertarianismo referem -se apenas à filosofia individualista de livre mercado , e o anarquismo de livre mercado em particular é denominado anarquismo libertário .[8]

Embora o termo libertário tenha sido em grande parte sinônimo de anarquismo, [9] seu significado foi mais recentemente diluído com a adoção mais ampla de grupos ideologicamente díspares, [10] incluindo tanto a Nova Esquerda quanto os marxistas libertários , que não se associam a socialistas autoritários ou partido de vanguarda e liberais culturais extremistas , que se preocupam principalmente com as liberdades civis . [10] Além disso, alguns anarquistas usam o socialista libertário [11] para evitar as conotações negativas do anarquismo e enfatizar suas conexões comsocialismo . [10] O anarquismo é amplamente usado para descrever a ala anti-autoritária do movimento socialista . [12] [nota 1] O anarquismo é contrastado com as formas socialistas orientadas para o estado ou vindas de cima. [17] Estudiosos do anarquismo geralmente destacam as credenciais socialistas do anarquismo [18] e criticam as tentativas de criar dicotomias entre os dois. [19] Alguns estudiosos descrevem o anarquismo como tendo muitas influências do liberalismo , [10] e sendo tanto liberais quanto socialistas, mas mais ainda, [20] enquanto a maioria dos estudiosos rejeita o anarco-capitalismocomo um mal-entendido dos princípios anarquistas. [21] [nb 2]

Embora a oposição ao estado seja central para o pensamento anarquista, definir o anarquismo não é uma tarefa fácil para os estudiosos, pois há muita discussão entre os estudiosos e anarquistas sobre o assunto, e várias correntes percebem o anarquismo de forma ligeiramente diferente. [23] [nota 3] Os principais elementos de definição incluem a vontade de uma sociedade não coercitiva, a rejeição do aparato estatal, a crença de que a natureza humana permite que os humanos existam ou progridam em direção a uma sociedade não coercitiva e uma sugestão sobre como agir para perseguir o ideal da anarquia. [26]

História

Era pré-moderna

Zenão de Cítio (c. 334 - c. 262 aC), cuja República inspirou Pedro Kropotkin [27]

Durante a era pré-histórica da humanidade, não existia uma autoridade estabelecida. Foi depois da criação de vilas e cidades que as instituições de autoridade foram estabelecidas e as idéias anarquistas adotadas como reação. [28] Os precursores mais notáveis ​​do anarquismo no mundo antigo estavam na China e na Grécia. Na China, o anarquismo filosófico (a discussão sobre a legitimidade do Estado) foi delineado pelos filósofos taoístas Zhuang Zhou e Laozi . [29] Junto com o estoicismo , o taoísmo foi dito ter "antecipações significativas" do anarquismo. [30]

Atitudes anárquicas também foram articuladas por trágicos e filósofos na Grécia. Ésquilo e Sófocles usaram o mito de Antígona para ilustrar o conflito entre as regras estabelecidas pelo Estado e a autonomia pessoal . Sócrates questionou as autoridades atenienses constantemente e insistiu no direito à liberdade individual de consciência. Os cínicos rejeitaram a lei humana ( nomos ) e autoridades associadas enquanto tentavam viver de acordo com a natureza ( physis ). Os estóicos apoiavam uma sociedade baseada em relações não oficiais e amigáveis ​​entre seus cidadãos, sem a presença de um estado. [31]

Durante a Idade Média , não havia atividade anarquista, exceto alguns movimentos religiosos ascéticos no mundo muçulmano ou na Europa cristã. Este tipo de tradição mais tarde deu origem ao anarquismo religioso . No Império Sassânida , Mazdak chamado para uma igualitária sociedade e da abolição da monarquia , apenas para ser breve executado pelo imperador Kavad I . [32]

Em Basra , seitas religiosas pregaram contra o estado. Na Europa, várias seitas desenvolveram tendências antiestaduais e libertárias. As idéias libertárias surgiram ainda mais durante a Renascença, com a disseminação do humanismo , do racionalismo e do raciocínio pela Europa. Os romancistas criaram uma ficção de sociedades ideais que se baseavam no voluntarismo, e não na coerção. The Age of Enlightenment avançou ainda mais em direção ao anarquismo com o otimismo para o progresso social. [33]

Era moderna

Durante a Revolução Francesa , grupos partidários como os Enragés e os sans-culottes viram um ponto de inflexão na fermentação de sentimentos antiestaduais e federalistas. [34] As primeiras correntes anarquistas se desenvolveram ao longo do século 18 quando William Godwin defendeu o anarquismo filosófico na Inglaterra, deslegitimando moralmente o estado, o pensamento de Max Stirner pavimentou o caminho para o individualismo e a teoria do mutualismo de Pierre-Joseph Proudhon encontrou solo fértil em França. [35]No final da década de 1870, várias escolas de pensamento anarquista tornaram-se bem definidas e uma onda de globalização sem precedentes ocorreu de 1880 a 1914. [36] Esta era do anarquismo clássico durou até o final da Guerra Civil Espanhola e é considerada o ouro era do anarquismo. [35]

Mikhail Bakunin se opôs ao objetivo marxista da ditadura do proletariado e aliou-se aos federalistas na Primeira Internacional antes de sua expulsão pelos marxistas.

Com base no mutualismo, Mikhail Bakunin fundou o anarquismo coletivista e ingressou na Associação Internacional dos Trabalhadores , um sindicato de classe mais tarde conhecido como a Primeira Internacional que se formou em 1864 para unir diversas correntes revolucionárias. A Internacional tornou-se uma força política significativa, com Karl Marx sendo uma figura de liderança e membro de seu Conselho Geral. A facção de Bakunin (a Federação Jura ) e os seguidores de Proudhon (os mutualistas) se opuseram ao socialismo de estado , defendendo o abstencionismo político e pequenas propriedades. [37] Após acirradas disputas, os Bakuninistas foram expulsos da Internacional peloMarxistas no Congresso de Haia de 1872 . [38] Os anarquistas foram tratados de forma semelhante na Segunda Internacional , sendo finalmente expulsos em 1896. [39] Bakunin previu que se os revolucionários ganhassem o poder pelos termos de Marx, eles acabariam nos novos tiranos dos trabalhadores. Em resposta à sua expulsão da Primeira Internacional, os anarquistas formaram a St. Imier International . Sob a influência de Peter Kropotkin , um filósofo e cientista russo, o anarco-comunismo se sobrepôs ao coletivismo. [40] Anarco-comunistas, que se inspiraram na Comuna de Paris de 1871, defendeu a livre federação e a distribuição dos bens de acordo com as necessidades. [41]

Na virada do século, o anarquismo se espalhou por todo o mundo. [42] Foi uma característica notável do movimento sindicalista internacional. [43] Na China, pequenos grupos de estudantes importaram a versão humanística pró-ciência do anarco-comunismo. [44] Tóquio era um ponto de encontro para jovens rebeldes de países do Extremo Oriente, que viajavam para a capital japonesa para estudar. [45] Na América Latina, a Argentina foi um reduto do anarco-sindicalismo , onde se tornou a ideologia de esquerda mais proeminente. [46] Durante este tempo, uma minoria de anarquistas adotou táticas de violência política revolucionária . Esta estratégia ficou conhecida comopropaganda da ação . [47] O desmembramento do movimento socialista francês em muitos grupos e a execução e exílio de muitos comunardos para as colônias penais após a supressão da Comuna de Paris favoreceram a expressão e atos políticos individualistas. [48] Embora muitos anarquistas tenham se distanciado desses atos terroristas, a infâmia se abateu sobre o movimento e foram feitas tentativas para excluí-los da imigração americana, incluindo a Lei de Imigração de 1903 , também chamada de Ato de Exclusão Anarquista. [49] O ilegalismo foi outra estratégia que alguns anarquistas adotaram durante este período. [50]

Nestor Makhno visto com membros do Exército Insurrecionário Revolucionário anarquista da Ucrânia

Apesar das preocupações, os anarquistas participaram com entusiasmo da Revolução Russa em oposição ao movimento Branco ; no entanto, eles sofreram forte repressão depois que o governo bolchevique foi estabilizado. Vários anarquistas de Petrogrado e Moscou fugiram para a Ucrânia, [51] principalmente levando à rebelião de Kronstadt e à luta de Nestor Makhno no Território Livre . Com os anarquistas sendo esmagados na Rússia, duas novas correntes antitéticas emergiram, a saber, o plataformismo e o anarquismo de síntese. O primeiro procurava criar um grupo coerente que pressionasse pela revolução, enquanto o último era contra tudo o que se assemelhasse a um partido político. Vendo as vitórias dos bolcheviques na Revolução de Outubro e a resultante Guerra Civil Russa , muitos trabalhadores e ativistas se voltaram para partidos comunistas que cresceram às custas do anarquismo e de outros movimentos socialistas. Na França e nos Estados Unidos, membros de movimentos sindicalistas importantes, como a Confederação Geral do Trabalho e os Trabalhadores Industriais do Mundo, deixaram suas organizações e se juntaram à Internacional Comunista . [52]

Na Guerra Civil Espanhola de 1936, anarquistas e sindicalistas ( CNT e FAI ) mais uma vez se aliaram a várias correntes de esquerda. Uma longa tradição do anarquismo espanhol levou os anarquistas a desempenhar um papel central na guerra. Em resposta à rebelião do exército, um movimento de camponeses e trabalhadores de inspiração anarquista, apoiado por milícias armadas, assumiu o controle de Barcelona e de grandes áreas da Espanha rural, onde coletivizaram a terra. [53] A União Soviética forneceu alguma assistência limitada no início da guerra, mas o resultado foi uma luta amarga entre comunistas e anarquistas em uma série de eventos chamados Dias de Maio como Joseph Stalintentou tomar o controle dos republicanos . [54]

Era pós-guerra

Os esforços de apoio da Rojava para os trabalhadores formarem cooperativas são exemplificados nesta cooperativa de costura.

No final da Segunda Guerra Mundial , o movimento anarquista foi severamente enfraquecido. [55] A década de 1960 testemunhou um renascimento do anarquismo, provavelmente causado por um fracasso percebido do marxismo-leninismo e tensões construídas pela Guerra Fria . [56] Durante este tempo, o anarquismo encontrou uma presença em outros movimentos críticos tanto para o capitalismo quanto para o estado, como os movimentos anti-nucleares , ambientais e de paz , a contracultura dos anos 1960 e a Nova Esquerda . [57] Ele também viu uma transição de sua natureza revolucionária anterior para provocativareformismo anti-capitalista . [58] O anarquismo tornou-se associado à subcultura punk , exemplificado por bandas como Crass e Sex Pistols . [59] As tendências feministas estabelecidas do anarcha-feminismo voltaram com vigor durante a segunda onda do feminismo . [60] O anarquismo negro começou a tomar forma nesta época e influenciou o movimento do anarquismo de uma demografia eurocêntrica . [61] Isso coincidiu com seu fracasso em ganhar força no norte da Europa e seu auge sem precedentes na América Latina. [62]

Por volta da virada do século 21, o anarquismo cresceu em popularidade e influência dentro dos movimentos anti-capitalistas , anti-guerra e anti-globalização . [63] Os anarquistas tornaram-se conhecidos por seu envolvimento em protestos contra a Organização Mundial do Comércio (OMC), o Grupo dos Oito e o Fórum Econômico Mundial . Durante os protestos, quadros anônimos ad hoc sem líderes, conhecidos como black blocs, se envolveram em distúrbios , destruição de propriedades e confrontos violentos com a polícia . Outras táticas organizacionais pioneiras nesta época incluemgrupos de afinidade , cultura de segurança e uso de tecnologias descentralizadas como a Internet. Um evento significativo desse período foram os confrontos na conferência da OMC em Seattle em 1999 . [63] As ideias anarquistas foram influentes no desenvolvimento dos zapatistas no México e na Federação Democrática do Norte da Síria, mais comumente conhecida como Rojava , uma região autônoma de fato no norte da Síria. [64]

Pensei

As escolas anarquistas de pensamento foram geralmente agrupadas em duas tradições históricas principais, o anarquismo social e o anarquismo individualista , devido às suas diferentes origens, valores e evolução. [65] A corrente individualista enfatiza a liberdade negativa ao se opor às restrições ao indivíduo livre, enquanto a corrente social enfatiza a liberdade positiva ao almejar alcançar o potencial livre da sociedade por meio da igualdade e da propriedade social . [66] Em um sentido cronológico, o anarquismo pode ser segmentado pelas correntes clássicas do final do século 19 e as correntes pós-clássicas ( anarcha-feminismo , anarquismo verde, e pós-anarquismo ) desenvolvido a partir daí. [67]

Além das facções específicas dos movimentos anarquistas que constituem o anarquismo político, está o anarquismo filosófico que sustenta que o estado carece de legitimidade moral, sem necessariamente aceitar o imperativo da revolução para eliminá-lo. [68] Um componente especialmente do anarquismo individualista, [69] o anarquismo filosófico pode tolerar a existência de um estado mínimo, mas afirma que os cidadãos não têm obrigação moral de obedecer ao governo quando ele entra em conflito com a autonomia individual. [70] O anarquismo presta atenção significativa aos argumentos morais, uma vez que a ética tem um papel central na filosofia anarquista. [71] A ênfase do anarquismo emanti-capitalismo , igualitarismo , e para a extensão da comunidade e individualidade o diferencia do anarco-capitalismo e outros tipos de libertarianismo econômico . [21]

O anarquismo é geralmente colocado na extrema esquerda do espectro político . [72] Muito de sua economia e filosofia jurídica refletem interpretações anti-autoritárias , antiestatistas , libertárias e radicais da política de esquerda e socialista [13] , como coletivismo , comunismo , individualismo , mutualismo e sindicalismo , entre outros libertários teorias econômicas socialistas .[73] Como o anarquismo não oferece um corpo fixo de doutrina de uma única visão de mundo particular, [74] muitos tipos e tradições anarquistas existem e as variedades de anarquia divergem amplamente. [75] Uma reação contra o sectarismo dentro do meio anarquista foi o anarquismo sem adjetivos , um apelo à tolerância e unidade entre os anarquistas adotado pela primeira vez por Fernando Tarrida del Mármol em 1889 em resposta aos amargos debates da teoria anarquista na época. [76] A crença no niilismo políticofoi adotada por anarquistas. [77]Apesar da separação, as várias escolas de pensamento anarquista não são vistas como entidades distintas, mas sim como tendências que se mesclam e estão conectadas por meio de um conjunto de princípios uniformes, como autonomia individual e local, ajuda mútua, organização em rede, democracia comunal, autoridade justificada e descentralização . [78]

Clássico

Pierre-Joseph Proudhon é o principal proponente do mutualismo e influenciou muitos futuros anarquistas individualistas e pensadores anarquistas sociais. [79]

As correntes iniciais entre as correntes anarquistas clássicas foram o mutualismo e o individualismo . Eles foram seguidos pelas principais correntes do anarquismo social ( coletivista , comunista e sindicalista ). Eles diferem em aspectos organizacionais e econômicos de sua sociedade ideal. [80]

Mutualismo é uma teoria econômica do século 18 que foi desenvolvida em teoria anarquista por Pierre-Joseph Proudhon . Seus objetivos incluem reciprocidade , associação livre , contrato voluntário , federação e reforma monetária de crédito e moeda que seria regulada por um banco do povo. [81] O Mutualismo foi retrospectivamente caracterizado como ideologicamente situado entre as formas individualista e coletivista de anarquismo. [82] Em O que é propriedade? (1840), Proudhon primeiro caracterizou seu objetivo como uma "terceira forma de sociedade, a síntese do comunismo e da propriedade". [83]O anarquismo coletivista é uma forma socialista revolucionária de anarquismo [84] comumente associada a Mikhail Bakunin . [85] Anarquistas coletivistas defendem a propriedade coletiva dos meios de produção que teoricamente será alcançada através de uma revolução violenta [86] e que os trabalhadores sejam pagos de acordo com o tempo trabalhado, ao invés de bens sendo distribuídos de acordo com as necessidades como no comunismo. O anarquismo coletivista surgiu ao lado do marxismo, mas rejeitou a ditadura do proletariado, apesar do objetivo marxista declarado de uma sociedade coletivista sem Estado . [87]

O anarco-comunismo é uma teoria do anarquismo que defende uma sociedade comunista com propriedade comum dos meios de produção, [88] democracia direta e uma rede horizontal de associações voluntárias , conselhos de trabalhadores e cooperativas de trabalhadores , com produção e consumo baseados na orientação princípio " De cada um de acordo com sua capacidade, a cada um de acordo com sua necessidade ." [89] O anarco-comunismo se desenvolveu a partir de correntes socialistas radicais após a Revolução Francesa [90], mas foi formulado pela primeira vez como tal na seção italiana doFirst International . [91] Posteriormente foi expandido no trabalho teórico de Peter Kropotkin , [92] cujo estilo específico viria a se tornar a visão dominante dos anarquistas no final do século XIX. [93] O anarco-sindicalismo é um ramo do anarquismo que vê os sindicatos trabalhistas como uma força potencial para uma mudança social revolucionária, substituindo o capitalismo e o estado por uma nova sociedade democraticamente autogerida pelos trabalhadores. Os princípios básicos do anarco-sindicalismo são a ação direta , a solidariedade dos trabalhadores e a autogestão dos trabalhadores . [94]

O anarquismo individualista é um conjunto de várias tradições de pensamento dentro do movimento anarquista que enfatizam o indivíduo e sua vontade sobre qualquer tipo de determinante externo. [95] As primeiras influências nas formas individualistas de anarquismo incluem William Godwin , Max Stirner e Henry David Thoreau . Através de muitos países, o anarquismo individualista atraiu um pequeno, mas diversificado seguimento de artistas e intelectuais boêmios [96] , bem como jovens anarquistas fora da lei no que ficou conhecido como ilegalismo e reivindicação individual . [97]

Pós-clássico e contemporâneo

Lawrence Jarach (esquerda) e John Zerzan (direita) são dois proeminentes autores anarquistas contemporâneos, com Zerzan sendo uma voz proeminente dentro do anarco-primitivismo e Jarach um notável defensor da anarquia pós-esquerda .

Os princípios anarquistas sustentam movimentos sociais radicais contemporâneos de esquerda. O interesse no movimento anarquista desenvolveu-se junto com o ímpeto do movimento antiglobalização , [98] cujas principais redes ativistas tinham orientação anarquista. [99] Enquanto o movimento moldava o radicalismo do século 21, uma ampla aceitação dos princípios anarquistas sinalizou um renascimento do interesse. [99] O anarquismo continuou a gerar muitas filosofias e movimentos, às vezes ecléticos, recorrendo a várias fontes e sincréticos , combinando conceitos díspares para criar novas abordagens filosóficas. [100] O anti-capitalistatradição do anarquismo clássico permaneceu proeminente dentro das correntes contemporâneas. [101]

A cobertura jornalística contemporânea que enfatiza as manifestações do black bloc reforçou a associação histórica do anarquismo com o caos e a violência. Sua publicidade também tem levado mais estudiosos em campos como antropologia e história a se envolverem com o movimento anarquista, embora o anarquismo contemporâneo favoreça as ações sobre a teoria acadêmica. [102] Vários grupos anarquistas, tendências e escolas de pensamento existem hoje, tornando difícil descrever o movimento anarquista contemporâneo. [103] Enquanto teóricos e ativistas estabeleceram "constelações relativamente estáveis ​​de princípios anarquistas", não há consenso sobre quais princípios são centrais e os comentaristas descrevem múltiplos anarquismos, ao invés de um anarquismo singular , no qual princípios comuns são compartilhados entre escolas de anarquismo, enquanto cada grupo prioriza esses princípios de forma diferente. A igualdade de gênero pode ser um princípio comum, embora seja uma prioridade mais alta para as anarco- feministas do que para as anarco-comunistas . [104]

Os anarquistas geralmente estão comprometidos com a autoridade coercitiva em todas as formas, ou seja, "todas as formas centralizadas e hierárquicas de governo (por exemplo, monarquia, democracia representativa, socialismo de estado, etc.), sistemas de classes econômicas (por exemplo, capitalismo, bolchevismo, feudalismo, escravidão, etc. .), religiões autocráticas (por exemplo, islã fundamentalista, catolicismo romano, etc.), patriarcado, heterossexismo, supremacia branca e imperialismo. " [105] As escolas anarquistas discordam sobre os métodos pelos quais essas formas devem ser combatidas. [106] O princípio da liberdade igualestá mais próximo da ética política anarquista na medida em que transcende as tradições liberais e socialistas. Isso implica que a liberdade e a igualdade não podem ser implementadas dentro do estado, resultando no questionamento de todas as formas de dominação e hierarquia. [107]

Táticas

As táticas anarquistas assumem várias formas, mas em geral servem a dois objetivos principais, a saber, primeiro se opor ao Sistema e, segundo, promover a ética anarquista e refletir uma visão anarquista da sociedade, ilustrando a unidade de meios e fins. [108] Uma ampla categorização pode ser feita entre os objetivos de destruir estados e instituições opressores por meios revolucionários, por um lado, e os objetivos de mudar a sociedade por meios evolutivos, por outro. [109] As táticas evolucionárias abraçam a não violência , rejeitam a violência e fazem uma abordagem gradual aos objetivos anarquistas, embora haja uma sobreposição significativa entre os dois. [110]

As táticas anarquistas mudaram no decorrer do século passado. Os anarquistas durante o início do século 20 se concentraram mais em ataques e militância, enquanto os anarquistas contemporâneos usam uma gama mais ampla de abordagens. [111]

Táticas da era clássica

A relação entre anarquismo e violência é um assunto controverso entre os anarquistas, como mostrado pelo anarquista Leon Czolgosz assassinando William McKinley .

Durante a era clássica, os anarquistas tinham uma tendência militante. Eles não apenas enfrentaram as forças armadas estatais, como na Espanha e na Ucrânia, mas alguns deles também empregaram o terrorismo como propaganda do feito . Tentativas de assassinato foram realizadas contra chefes de Estado, algumas das quais tiveram sucesso. Os anarquistas também participaram de revoluções . [112] Muitos anarquistas, especialmente os galeanistas , acreditavam que essas tentativas seriam o ímpeto para uma revolução contra o capitalismo e o estado. [113] Muitos desses ataques foram feitos por agressores individuais e a maioria ocorreu no final dos anos 1870, início dos anos 1880 e 1890, com alguns ocorrendo ainda no início dos anos 1900.[114] Sua diminuição na prevalência foi o resultado de maispoder judicial e direcionamento e catalogação por instituições estatais. [115]

As perspectivas anarquistas em relação à violência sempre foram desconcertantes e controversas. [116] Por um lado, os anarco-pacifistas apontam para a unidade de meios e fins. [117] Por outro lado, outros grupos anarquistas defendem a ação direta, uma tática que pode incluir atos de sabotagem ou mesmo atos de terrorismo. Essa atitude era bastante proeminente um século atrás, quando via o estado como um tirano e alguns anarquistas acreditavam que tinham todo o direito de se opor à sua opressão por todos os meios possíveis. [118] Emma Goldman e Errico Malatesta, que eram proponentes do uso limitado da violência, afirmaram que a violência é apenas uma reação à violência do Estado como um mal necessário . [119]

Os anarquistas tiveram um papel ativo nas ações de greve , embora tendessem a ser antipáticos ao sindicalismo formal , vendo-o como reformista . Eles viam isso como parte do movimento que buscava derrubar o estado e o capitalismo . [120] Os anarquistas também reforçaram sua propaganda dentro das artes, alguns dos quais praticavam naturismo e nudismo . Esses anarquistas também construíram comunidades baseadas na amizade e se envolveram na mídia de notícias . [121]

Táticas revolucionárias

Manifestantes do bloco negro desfilando imagens do anarco-comunismo, como o lema " Sem guerra, mas a guerra de classes "

Na era atual, o anarquista italiano Alfredo Bonanno , um proponente do anarquismo insurrecional , reinstaurou o debate sobre a violência ao rejeitar a tática de não violência adotada desde o final do século 19 por Kropotkin e outros anarquistas proeminentes posteriormente. Tanto Bonanno quanto o grupo francês The Invisible Committee defendem pequenos grupos de afiliação informais, onde cada membro é responsável por suas próprias ações, mas trabalha em conjunto para derrubar a opressão utilizando sabotagem e outros meios violentos contra o estado, capitalismo e outros inimigos. Membros do Comitê Invisível foram presos em 2008 por várias acusações, incluindo terrorismo. [122]

No geral, os anarquistas contemporâneos são muito menos violentos e militantes do que seus ancestrais ideológicos. Eles se engajam principalmente no confronto com a polícia durante manifestações e tumultos, especialmente em países como Canadá , Grécia e México . Os grupos de protesto do black bloc militante são conhecidos por entrar em conflito com a polícia; [123] no entanto, os anarquistas não apenas entram em confronto com os operadores estatais, eles também se engajam na luta contra fascistas e racistas, tomando medidas anti-fascistas e se mobilizando para evitar que manifestações de ódio aconteçam. [124]

Táticas evolucionárias

Anarquistas geralmente empregam ação direta . Isso pode assumir a forma de ruptura e protesto contra a hierarquia injusta , ou a forma de autogestão de suas vidas por meio da criação de contra-instituições, como comunas e coletivos não hierárquicos. [109] A tomada de decisão é frequentemente tratada de forma anti-autoritária, com todos tendo voz igual em cada decisão, uma abordagem conhecida como horizontalismo . [125] Anarquistas da era contemporânea têm se engajado com várias comunidades popularesmovimentos mais ou menos baseados no horizontalismo, embora não explicitamente anarquistas, respeitando a autonomia pessoal e participando de ativismo de massa como greves e manifestações. Em contraste com o anarquismo grande-A da era clássica, o termo recém-cunhado anarquismo pequeno-a sinaliza sua tendência de não basear seus pensamentos e ações no anarquismo da era clássica ou de se referir a anarquistas clássicos como Peter Kropotkin e Pierre-Joseph Proudhon para justificar suas opiniões. Esses anarquistas preferem basear seu pensamento e práxis em sua própria experiência, que eles irão teorizar mais tarde. [126]

O processo de tomada de decisão de pequenos grupos de afinidade anarquista desempenha um papel tático significativo. [127]Os anarquistas empregaram vários métodos para construir um consenso aproximado entre os membros de seu grupo, sem a necessidade de um líder ou grupo dirigente. Uma maneira é um indivíduo do grupo desempenhar o papel de facilitador para ajudar a alcançar um consenso, sem participar da discussão ou promover um ponto específico. As minorias geralmente aceitam um consenso aproximado, exceto quando sentem que a proposta contradiz a ética, objetivos e valores anarquistas. Os anarquistas geralmente formam pequenos grupos (5 a 20 indivíduos) para aumentar a autonomia e as amizades entre seus membros. Esses tipos de grupos freqüentemente se interconectam entre si, formando redes maiores. Os anarquistas ainda apóiam e participam de greves, especialmente greves selvagensjá que são ataques sem liderança não organizados centralmente por um sindicato. [128]

Como no passado, jornais e revistas são usados, e anarquistas têm acessado a Internet na World Wide Web para espalhar sua mensagem. Os anarquistas acharam mais fácil criar sites por causa da distribuição e outras dificuldades, hospedando bibliotecas eletrônicas e outros portais. [129] Anarquistas também estiveram envolvidos no desenvolvimento de vários softwares que estão disponíveis gratuitamente. A forma como esses hacktivistas trabalham para desenvolver e distribuir se assemelha aos ideais anarquistas, especialmente quando se trata de preservar a privacidade dos usuários da vigilância do estado. [130]

Os anarquistas se organizam para ocupar e recuperar os espaços públicos. Durante eventos importantes, como protestos e quando espaços estão sendo ocupados, muitas vezes são chamados de Zonas Autônomas Temporárias (TAZ), espaços onde arte, poesia e surrealismo são combinados para exibir o ideal anarquista. [131] Como visto pelos anarquistas, a ocupação é uma forma de recuperar o espaço urbano do mercado capitalista, atendendo a necessidades pragmáticas e também sendo uma ação direta exemplar. [132] A aquisição de espaço permite que os anarquistas experimentem suas idéias e construam laços sociais. [133]Somando essas táticas tendo em mente que nem todos os anarquistas compartilham as mesmas atitudes em relação a elas, junto com várias formas de protestar em eventos altamente simbólicos, compõe uma atmosfera carnavalesca que faz parte da vivacidade anarquista contemporânea. [134]

Assuntos chave

Como o anarquismo é uma filosofia que incorpora muitas atitudes, tendências e escolas de pensamento diversas; divergências sobre questões de valores, ideologia e táticas são comuns. Sua diversidade levou a usos amplamente diferentes de termos idênticos entre diferentes tradições anarquistas, o que criou uma série de preocupações de definição na teoria anarquista . A compatibilidade do capitalismo , [135] nacionalismo e religião com o anarquismo é amplamente contestada, e o anarquismo desfruta de relações complexas com ideologias como comunismo , coletivismo , marxismo e sindicalismo. Os anarquistas podem ser motivados pelo humanismo , autoridade divina , interesse próprio esclarecido , veganismo ou qualquer outra doutrina ética alternativa. Fenômenos como civilização , tecnologia (por exemplo, dentro do anarco-primitivismo ) e o processo democrático podem ser duramente criticados em algumas tendências anarquistas e simultaneamente elogiados em outras. [136]

Gênero, sexualidade e amor livre

Émile Armand foi um anarquista individualista francês que propôs as virtudes do amor livre no meio anarquista parisiense do início do século 20

Como gênero e sexualidade carregam consigo dinâmicas de hierarquia, o anarquismo é obrigado a abordar, analisar e se opor à supressão da autonomia de alguém por causa da dinâmica que os papéis de gênero tradicionalmente impõem. [137]

Coleção de protestos, símbolos e bandeiras anarco-feministas

A sexualidade não era frequentemente discutida pelos anarquistas clássicos, mas os poucos que o faziam sentiam que uma sociedade anarquista levaria ao desenvolvimento natural da sexualidade. [138] A violência sexual foi uma preocupação para anarquistas como Benjamin Tucker , que se opôs às leis de idade de consentimento, acreditando que elas beneficiariam homens predadores. [139] Uma corrente histórica que surgiu e floresceu durante 1890 e 1920 dentro do anarquismo foi o amor livre . No anarquismo contemporâneo, essa corrente sobrevive como uma tendência a apoiar o anarquismo poliamor e queer . [140]Os defensores do amor livre eram contra o casamento, que viam como uma forma de os homens imporem autoridade sobre as mulheres, principalmente porque a lei do casamento favorecia enormemente o poder dos homens. A noção de amor livre era muito mais ampla e incluía uma crítica à ordem estabelecida que limitava a liberdade e o prazer sexual das mulheres. [141] Esses movimentos de amor livre contribuíram para o estabelecimento de casas comunais, onde grandes grupos de viajantes, anarquistas e outros ativistas dormiam em camas juntos. [142] O amor livre tinha raízes na Europa e nos Estados Unidos; no entanto, alguns anarquistas lutaram com o ciúme que surgiu do amor livre. [143]Feministas anarquistas eram defensoras do amor livre, contra o casamento e pró-escolha (utilizando um termo contemporâneo) e tinham uma agenda semelhante. Feministas anarquistas e não anarquistas diferiam quanto ao sufrágio, mas apoiavam umas às outras. [144]

Durante a segunda metade do século 20, o anarquismo se confundiu com a segunda onda do feminismo , radicalizando algumas correntes do movimento feminista e sendo influenciado também. Nas últimas décadas do século 20, anarquistas e feministas defendiam os direitos e a autonomia das mulheres, gays, queers e outros grupos marginalizados, com algumas pensadoras feministas sugerindo uma fusão das duas correntes. [145] Com a terceira onda de feminismo , a identidade sexual e a heterossexualidade compulsória se tornaram um assunto de estudo para anarquistas, gerando uma crítica pós-estruturalista da normalidade sexual. [146]Alguns anarquistas se distanciaram dessa linha de pensamento, sugerindo que ela se inclinava para um individualismo que estava abandonando a causa da libertação social. [147]

Anarquismo e educação

Perspectivas anarquistas vs. estatistas na educação
Ruth Kinna (2019) [148]
Educação anarquista Educação do Estado
Conceito Educação como autodomínio Educação como serviço
Gestão Baseado na comunidade Corrida estatal
Métodos Aprendizagem baseada na prática Formação profissional
Mira Ser um membro crítico da sociedade Ser um membro produtivo da sociedade

O interesse dos anarquistas pela educação remonta ao primeiro surgimento do anarquismo clássico. Os anarquistas consideram a educação adequada, aquela que estabelece as bases da autonomia futura do indivíduo e da sociedade, um ato de ajuda mútua . [149] Escritores anarquistas como William Godwin ( Justiça Política ) e Max Stirner (" O Falso Princípio de Nossa Educação ") atacaram tanto a educação estatal quanto a privada como outro meio pelo qual a classe dominante replicava seus privilégios. [150]

Em 1901, o anarquista catalão e livre pensador Francisco Ferrer estabeleceu a Escuela Moderna em Barcelona como uma oposição ao sistema de educação estabelecido que era ditado em grande parte pela Igreja Católica. [151] A abordagem de Ferrer era secular, rejeitando o envolvimento do estado e da igreja no processo educacional, enquanto dava aos alunos grande autonomia no planejamento de seu trabalho e frequência. Ferrer visava educar a classe trabalhadora e buscava explicitamente promover a consciência de classe entre os alunos. A escola fechou após constante assédio por parte do estado e Ferrer foi posteriormente preso. No entanto, suas ideias serviram de inspiração para uma série de escolas modernas em todo o mundo. [152]O anarquista cristão Leo Tolstoy , que publicou o ensaio Educação e Cultura , também estabeleceu uma escola semelhante com o princípio de que "para a educação ser eficaz, ela tinha que ser gratuita". [153] De forma semelhante, AS Neill fundou o que se tornou a Summerhill School em 1921, também declarando estar livre de coerção. [154]

A educação anarquista é amplamente baseada na ideia de que o direito da criança de se desenvolver livremente e sem manipulação deve ser respeitado e que a racionalidade levaria as crianças a conclusões moralmente boas; entretanto, tem havido pouco consenso entre as figuras anarquistas quanto ao que constitui manipulação. Ferrer acreditava que a doutrinação moral era necessária e ensinava explicitamente aos alunos que igualdade, liberdade e justiça social não eram possíveis sob o capitalismo, junto com outras críticas ao governo e ao nacionalismo. [155]

Escritores anarquistas contemporâneos e do final do século 20 ( Paul Goodman , Herbert Read e Colin Ward ) intensificaram e expandiram a crítica anarquista da educação estatal, em grande parte focando na necessidade de um sistema que se concentre na criatividade das crianças ao invés de sua capacidade de alcançar uma carreira ou participar do consumismo como parte de uma sociedade de consumo. [156] Anarquistas contemporâneos como Ward afirmam que a educação estatal serve para perpetuar a desigualdade socioeconômica. [157]

Embora poucas instituições de educação anarquista tenham sobrevivido até os dias modernos, os principais princípios das escolas anarquistas, entre eles o respeito pela autonomia da criança e a confiança no raciocínio ao invés da doutrinação como método de ensino, se espalharam entre as instituições educacionais convencionais. Judith Suissa nomeia três escolas como escolas explicitamente anarquistas, a saber, a Free Skool Santa Cruz nos Estados Unidos, que faz parte de uma rede mais ampla de escolas americano-canadenses, a Self-Managed Learning College em Brighton, na Inglaterra, e a Paideia School na Espanha . [158]

Anarquismo e o estado

Objeção ao estado e suas instituições é condição sine qua non do anarquismo. [159] Os anarquistas consideram o estado como uma ferramenta de dominação e acreditam que seja ilegítimo, independentemente de suas tendências políticas. Em vez de as pessoas serem capazes de controlar os aspectos de suas vidas, as principais decisões são tomadas por uma pequena elite. A autoridade, em última análise, depende exclusivamente do poder, independentemente de esse poder ser aberto ou transparente, pois ainda tem a capacidade de coagir as pessoas. Outro argumento anarquista contra os estados é que as pessoas que constituem um governo, mesmo as mais altruístas entre as autoridades, buscarão inevitavelmente ganhar mais poder, levando à corrupção. Os anarquistas consideram a ideia de que o estado é a vontade coletiva do povo uma ficção inatingível devido ao fato de que a classe dominante é distinta do resto da sociedade. [160]

As atitudes anarquistas específicas em relação ao estado variam. Robert Paul Wolff acreditava que a tensão entre autoridade e autonomia significaria que o estado nunca seria legítimo. Bakunin via o estado como significando "coerção, dominação por meio de coerção, camuflada se possível, mas sem cerimônia e aberta se necessário". A. John Simmons e Leslie Green , que se inclinavam para o anarquismo filosófico, acreditavam que o estado poderia ser legítimo se fosse governado por consenso, embora considerassem isso altamente improvável. [161] As crenças sobre como abolir o estado também diferem. [162]

Anarquismo e as artes

Les chataigniers a Osny (1888), do pintor anarquista Camille Pissarro, é um exemplo notável de mesclar anarquismo e artes. [163]

A conexão entre anarquismo e arte foi bastante profunda durante a era clássica do anarquismo, especialmente entre as correntes artísticas que estavam se desenvolvendo durante aquela época, como futuristas, surrealistas e outros. [164] Na literatura, o anarquismo foi principalmente associado com os Novos Apocalípticos e o movimento neo-romantismo . [165] Na música, o anarquismo tem sido associado a cenas musicais como o punk. [166] Anarquistas como Leo Tolstoy e Herbert Readafirmou que a fronteira entre o artista e o não-artista, o que separa a arte de um ato cotidiano, é uma construção produzida pela alienação causada pelo capitalismo e impede o ser humano de viver uma vida alegre. [167]

Outros anarquistas defendiam ou usavam a arte como meio de atingir os fins anarquistas. [168] Em seu livro Breaking the Spell: A History of Anarchist Filmmakers, Videotape Guerrillas, and Digital Ninjas , Chris Robé afirma que "práticas de flexão anarquista têm cada vez mais estruturado o ativismo de vídeo baseado em movimento." [169] Ao longo do século 20, muitos anarquistas proeminentes ( Peter Kropotkin , Emma Goldman , Gustav Landauer e Camillo Berneri ) e publicações como a Anarquia escreveram sobre assuntos relativos às artes. [170]

Três propriedades sobrepostas tornam a arte útil para anarquistas. Poderia retratar uma crítica da sociedade e hierarquias existentes, servir como uma ferramenta prefigurativa para refletir a sociedade ideal anarquista e até mesmo se tornar um meio de ação direta, como em protestos. Como apela tanto à emoção quanto à razão, a arte pode apelar para o ser humano inteiro e ter um efeito poderoso. [171] O movimento neo-impressionista do século 19 tinha uma estética ecológica e ofereceu um exemplo de uma percepção anarquista do caminho para o socialismo. [172] Em Les chataigniers a Osny, do pintor anarquista Camille Pissarro , a mistura de harmonia estética e social está prefigurando uma comunidade agrária anarquista ideal. [163]

Análise

A crítica mais comum do anarquismo é que os humanos não podem se autogovernar e, portanto, um estado é necessário para a sobrevivência humana. O filósofo Bertrand Russell apoiou esta crítica, afirmando que "[p] e guerra, tarifas, regulamentação das condições sanitárias e venda de drogas nocivas, a preservação de um sistema justo de distribuição: estas, entre outras, são funções que dificilmente poderiam ser realizado em uma comunidade na qual não havia governo central. " [173] [ fonte melhor necessária ] Outra crítica comum ao anarquismo é que ele se encaixa em um mundo de isolamento no qual apenas as entidades pequenas podem ser autogeridas; uma resposta seria que os principais pensadores anarquistas defendiam o federalismo anarquista . [174]

O conferencista de filosofia Andrew G. Fiala compôs uma lista de argumentos comuns contra o anarquismo que inclui críticas como a de que o anarquismo está inatamente relacionado à violência e à destruição, não apenas no mundo pragmático, como em protestos, mas também no mundo da ética. Em segundo lugar, o anarquismo é avaliado como inviável ou utópico, uma vez que o estado não pode ser derrotado na prática. Esta linha de argumentos freqüentemente exige uma ação política dentro do sistema para reformá-lo. O terceiro argumento é que o anarquismo é contraditório. Embora não defenda ninguém para archiei, se aceito por muitos, então o anarquismo se tornaria a teoria política dominante. Nesta linha de crítica também vem a autocontradição de que o anarquismo clama por ação coletiva enquanto endossa a autonomia do indivíduo, portanto, nenhuma ação coletiva pode ser tomada. Por último, Fiala menciona uma crítica ao anarquismo filosófico de ser ineficaz (toda conversa e pensamentos) e, entretanto, o capitalismo e a classe burguesa continuam fortes. [175]

Anarquismo filosófico reuniu-se as críticas de membros da academia após o lançamento de livros pró-anarquistas, como A. John Simmons ' princípios morais e obrigações políticas . [176] O professor de Direito William A. Edmundson escreveu um ensaio para argumentar contra os três principais princípios filosóficos anarquistas que ele considera falaciosos. Edmundson diz que embora o indivíduo não deva ao estado um dever de obediência, isso não implica que o anarquismo seja a conclusão inevitável e o estado ainda seja moralmente legítimo. [177] Em The Problem of Political Authority , Michael Huemer defende o anarquismo filosófico, [178]alegando que "autoridade política é uma ilusão moral". [179]

Uma das primeiras críticas é que o anarquismo desafia e falha em compreender a inclinação biológica para a autoridade. [180] Joseph Raz afirma que a aceitação da autoridade implica a crença de que seguir suas instruções proporcionará mais sucesso. [181] Raz acredita que este argumento é verdadeiro ao seguir as instruções bem-sucedidas e equivocadas de ambas as autoridades. [182] Os anarquistas rejeitam esta crítica porque desafiar ou desobedecer a autoridade não acarreta o desaparecimento de suas vantagens por reconhecer autoridades como médicos ou advogados como confiáveis, nem envolve uma rendição completa do julgamento independente. [183]A percepção anarquista da natureza humana, a rejeição do estado e o compromisso com a revolução social foram criticados por acadêmicos como ingênuos, excessivamente simplistas e irrealistas, respectivamente. [184] O anarquismo clássico tem sido criticado por confiar muito na crença de que a abolição do estado levará à prosperidade da cooperação humana. [138]

Friedrich Engels , considerado um dos principais fundadores do marxismo , criticou o antiautoritarismo do anarquismo como inerentemente contra-revolucionário porque, em sua visão, uma revolução é por si só autoritária. [185] O acadêmico John Molyneux escreve em seu livro Anarchism: A Marxist Criticism que "o anarquismo não pode vencer", acreditando que lhe falta a habilidade de implementar adequadamente suas idéias. [186]A crítica marxista ao anarquismo é que ele tem um caráter utópico porque todos os indivíduos deveriam ter pontos de vista e valores anarquistas. De acordo com a visão marxista, que uma ideia social resultaria diretamente desse ideal humano e do livre arbítrio de cada indivíduo formou sua essência. Os marxistas afirmam que essa contradição foi responsável por sua incapacidade de agir. Na visão anarquista, o conflito entre liberdade e igualdade era resolvido por meio da coexistência e do entrelaçamento. [187]

Veja também

Referências

Citações

  1. ^ Carlson 1972 , pp. 22–23.
  2. ^ Bates 2017 , p. 128; Long 2013 , p. 217.
  3. ^ Merriam-Webster 2019 , "Anarquismo"; Oxford English Dictionary 2005 , "Anarchism"; Sylvan 2007 , p. 260
  4. ^ Joll 1964 , pp. 27–37.
  5. ^ Nettlau 1996 , p. 162
  6. ^ Guérin 1970 , "The Basic Ideas of Anarchism".
  7. ^ Ward 2004 , p. 62; Goodway 2006 , p. 4; Skirda 2002 , p. 183; Fernández , 2009 , p. 9
  8. ^ Morris 2002 , p. 61
  9. ^ Marshall 1992 , p. 641; Cohn , 2009 , p. 6
  10. ^ a b c d e Marshall 1992 , p. 641.
  11. ^ Marshall 1992 , p. 641; Chomsky 2005 , p. 123; Cohn , 2009 , p. 6; Adams e Levy 2018 , p. 104
  12. ^ Adams e Levy 2018 , p. 104
  13. ^ a b Guérin 1970 , p. 12
  14. ^ Arvidsson 2017 .
  15. ^ Chomsky 2005 , p. 123
  16. ^ Otero 1994 , p. 617.
  17. ^ a b Osgood 1889 , p. 1
  18. ^ a b Newman 2005 , p. 15
  19. ^ a b Morriss 2015 , p. 64
  20. ^ a b Walter 2002 , p. 44
  21. ^ a b Marshall 1992 , pp. 564–565; Jennings 1993 , p. 143; Gay & Gay 1999 , p. 15; Morriss 2008 , p. 13; Johnson , 2008 , p. 169; Franks 2013 , pp. 393–394.
  22. ^ Jennings 1999 , p. 147
  23. ^ Longo 2013 , p. 217.
  24. ^ McLaughlin 2007 , p. 166; Junho de 2009 , p. 507; Franks 2013 , pp. 386–388.
  25. ^ McLaughlin 2007 , pp. 25–29; Long 2013 , pp. 217.
  26. ^ McLaughlin 2007 , pp. 25–26.
  27. ^ Marshall 1993 , p. 70
  28. ^ Graham 2005 , pp. Xi – xiv.
  29. ^ Coutinho 2016 ; Marshall 1993 , p. 54
  30. ^ Sylvan 2007 , p. 257.
  31. ^ Marshall 1993 , pp. 4, 66-73.
  32. ^ Marshall 1993 , p. 86
  33. ^ Adams 2014 , pp. 33–63.
  34. ^ Marshall 1993 , p. 4
  35. ^ a b Marshall 1993 , pp. 4-5.
  36. ^ Levy 2011 , pp. 10-15.
  37. ^ Dodson 2002 , p. 312; Thomas 1985 , p. 187; Chaliand & Blin 2007 , p. 116
  38. ^ Graham 2019 , pp. 334–336; Marshall 1993 , p. 24
  39. ^ Arrecadação 2011 , p. 12
  40. ^ Marshall 1993 , p. 5
  41. ^ Graham 2005 , pág. xii.
  42. ^ Moya 2015 , p. 327
  43. ^ Arrecadação 2011 , p. 16
  44. ^ Marshall 1993 , pp. 519–521.
  45. ^ Dirlik 1991 , p. 133; Ramnath 2019 , pp. 681–682.
  46. ^ Arrecadação 2011 , p. 23; Laursen 2019 , p. 157; Marshall 1993 , pp. 504–508.
  47. ^ Marshall 1993 , pp. 633–636.
  48. ^ Anderson 2004 .
  49. ^ Marshall 1993 , pp. 633–636; Lutz e Ulmschneider 2019 , p. 46
  50. ^ Bantman 2019 , p. 374.
  51. ^ Avrich 2006 , p. 204
  52. ^ Nomad 1966 , p. 88
  53. ^ Bolloten 1984 , p. 1107.
  54. ^ Marshall 1993 , pp. Xi, 466.
  55. ^ Marshall 1993 , p. XI.
  56. ^ Marshall 1993 , p. 539.
  57. ^ Marshall 1993 , pp. Xi, 539.
  58. ^ Arrecadação 2011 , pp. 5.
  59. ^ Marshall 1993 , pp. 493–494.
  60. ^ Marshall 1993 , pp. 556–557.
  61. ^ Williams 2015 , p. 680.
  62. ^ Harmon 2011 , p. 70
  63. ^ a b Rupert 2006 , p. 66
  64. ^ Ramnath 2019 , p. 691.
  65. ^ McLean & McMillan 2003 , "Anarchism"; Ostergaard 2003 , p. 14, "Anarquismo".
  66. ^ Harrison e Boyd 2003 , p. 251.
  67. ^ Adams e Levy 2019 , p. 9
  68. ^ Egoumenides 2014 , p. 2
  69. ^ Ostergaard 2003 , p. 12; Gabardi 1986 , pp. 300–302.
  70. ^ Klosko 2005 , p. 4
  71. ^ Franks 2019 , p. 549
  72. ^ Brooks 1994 , p. XI; Kahn 2000 ; Moynihan 2007 .
  73. ^ Guérin 1970 , p. 35, "Crítica do socialismo autoritário".
  74. ^ Marshall 1993 , pp. 14-17.
  75. ^ Sylvan 2007 , p. 262.
  76. ^ Avrich 1996 , p. 6
  77. ^ Walter 2002 , p. 52
  78. ^ Marshall 1993 , p. 1–6; Angelbeck e Grier , 2012 , p. 551.
  79. ^ Wilbur 2019 , p. 216–218.
  80. ^ Adams e Levy 2019 , p. 2
  81. ^ Wilbur 2019 , pp. 213–218.
  82. ^ Avrich 1996 , p. 6; Miller 1991 , p. 11
  83. ^ Pierson 2013 , p. 187.
  84. ^ Morris 1993 , pág. 76
  85. ^ Shannon 2019 , p. 101
  86. ^ Avrich 1996 , pp. 3-4.
  87. ^ Heywood 2017 , pp. 146–147; Bakunin 1990 .
  88. ^ Mayne 1999 , p. 131
  89. ^ Marshall 1993 , p. 327; Turcato 2019 , pp. 237–323.
  90. ^ Graham 2005 .
  91. ^ Pernicone 2009 , pp. 111-113.
  92. ^ Turcato 2019 , pp. 239–244.
  93. ^ Arrecadação 2011 , pp. 6.
  94. ^ Van der Walt 2019 , p. 249.
  95. ^ Ryley 2019 , p. 225
  96. ^ Marshall 1993 , p. 440.
  97. ^ Imrie 1994 ; Parry 1987 , p. 15
  98. ^ Evren 2011 , p. 1
  99. ^ a b Evren 2011 , p. 2
  100. ^ Perlin 1979 .
  101. ^ Williams 2018 , p. 4
  102. ^ Williams , 2010 , p. 110; Evren , 2011 , p. 1; Angelbeck e Grier , 2012 , p. 549
  103. ^ Franks 2013 , pp. 385–386.
  104. ^ Franks 2013 , p. 386.
  105. ^ Junho de 2009 , pp. 507–508.
  106. ^ Junho de 2009 , p. 507.
  107. ^ Egoumenides 2014 , p. 91
  108. ^ Williams 2019 , pp. 107–108.
  109. ^ a b Williams 2018 , pp. 4-5.
  110. ^ Kinna 2019 , p. 125
  111. ^ Williams 2019 , p. 112
  112. ^ Williams 2019 , pp. 112-113.
  113. ^ Norris 2020 , pp. 7-8.
  114. ^ Arrecadação 2011 , p. 13; Nesser , 2012 , p. 62
  115. ^ Harmon 2011 , p. 55
  116. ^ Carter 1978 , p. 320
  117. ^ Fiala 2017 .
  118. ^ Kinna 2019 , pp. 116-117.
  119. ^ Carter 1978 , pp. 320–325.
  120. ^ Williams 2019 , p. 113
  121. ^ Williams 2019 , p. 114
  122. ^ Kinna 2019 , pp. 134–135.
  123. ^ Williams 2019 , p. 115
  124. ^ Williams 2019 , p. 117
  125. ^ Williams 2019 , pp. 109-117.
  126. ^ Kinna 2019 , pp. 145–149.
  127. ^ Williams 2019 , pp. 109, 119.
  128. ^ Williams 2019 , p. 119–121.
  129. ^ Williams 2019 , pp. 118-119.
  130. ^ Williams 2019 , pp. 120-121.
  131. ^ Kinna 2019 , p. 139; Mattern 2019 , p. 596; Williams 2018 , pp. 5-6.
  132. ^ Kinna 2012 , p. 250; Williams 2019 , p. 119
  133. ^ Williams 2019 , p. 122
  134. ^ Morland 2004 , p. 37–38.
  135. ^ Marshall 1993 , p. 565; Honderich 1995 , p. 31; Meltzer 2000 , pág. 50; Goodway 2006 , p. 4; Newman , 2010 , p. 53
  136. ^ De George 2005 , pp. 31-32.
  137. ^ Nicholas 2019 , p. 603.
  138. ^ a b Lucy 2020 , p. 162
  139. ^ Lucy 2020 , pág. 178.
  140. ^ Nicholas 2019 , p. 611; Jeppesen & Nazar 2012 , pp. 175–176.
  141. ^ Jeppesen & Nazar 2012 , pp. 175–176.
  142. ^ Jeppesen & Nazar 2012 , p. 177
  143. ^ Jeppesen & Nazar 2012 , pp. 175–177.
  144. ^ Kinna2019 , pp. 166–167.
  145. ^ Nicholas 2019 , pp. 609–611.
  146. ^ Nicholas 2019 , pp. 610–611.
  147. ^ Nicholas 2019 , pp. 616–617.
  148. ^ Kinna 2019 , p. 97
  149. ^ Kinna 2019 , pp. 83–85.
  150. ^ Suissa 2019 , pp. 514, 521; Kinna 2019 , pp. 83–86; Marshall 1993 , p. 222.
  151. ^ Suissa 2019 , pp. 511–512.
  152. ^ Suissa 2019 , pp. 511–514.
  153. ^ Suissa 2019 , pp. 517–518.
  154. ^ Suissa 2019 , pp. 518-519.
  155. ^ Avrich 1980 , pp. 3-33; Suissa 2019 , pp. 519–522.
  156. ^ Kinna 2019 , pp. 89–96.
  157. ^ Ward 1973 , pp. 39-48.
  158. ^ Suissa 2019 , pp. 523–526.
  159. ^ Carter 1971 , p. 14; Junho de 2019 , pp. 29–30.
  160. ^ Junho de 2019 , pp. 32–38.
  161. ^ Wendt 2020 , pág. 2; Ashwood 2018 , pág. 727.
  162. ^ Ashwood 2018 , p. 735.
  163. ^ a b Antliff 1998 , p. 99
  164. ^ Mattern 2019 , p. 592.
  165. ^ Gifford 2019 , p. 577.
  166. ^ Marshall 1993 , pp. 493–494; Dunn 2012 ; Evren, Kinna e Rouselle 2013 .
  167. ^ Mattern 2019 , pp. 592–593.
  168. ^ Mattern 2019 , p. 593.
  169. ^ Robé 2017 , p. 44
  170. ^ Miller et al. 2019 , p. 1
  171. ^ Mattern 2019 , pp. 593–596.
  172. ^ Antliff 1998 , p. 78
  173. ^ Peterson 1987 , p. 238.
  174. ^ Ward 2004 , p. 78
  175. ^ Fiala 2017 , "4. Objeções e respostas".
  176. ^ Klosko 1999 , p. 536.
  177. ^ Klosko 1999 , p. 536; Kristjánsson 2000 , p. 896.
  178. ^ Dagger 2018 , p. 35
  179. ^ Rogers 2020 .
  180. ^ Ferguson 1886 .
  181. ^ Gans 1992 , p. 37
  182. ^ Gans 1992 , p. 38
  183. ^ Gans 1992 , pp. 34, 38.
  184. ^ Brinn 2020 , p. 206.
  185. ^ Tucker 1978 .
  186. ^ Dodds 2011 .
  187. ^ Baár et al. 2016 , p. 488.

Notas

  1. ^ Em Anarquismo: Da Teoria à Prática (1970), [13] o historiador anarquista Daniel Guérin descreveu-o como um sinônimo de socialismo libertário , e escreveu que anarquismo "é realmente um sinônimo de socialismo. O anarquista é principalmente um socialista cujo objetivo é abolir a exploração do homem pelo homem. O anarquismo é apenas uma das correntes do pensamento socialista, aquela corrente cujos principais componentes são a preocupação com a liberdade e a pressa em abolir o Estado ”. [14] Em seus muitos trabalhos sobre anarquismo, como Chomsky on Anarchism (2005), [15] o historiador Noam Chomsky descreve o anarquismo, ao lado do marxismo libertário, como a ala libertária do socialismo . [16]
  2. ^ Herbert L. Osgood afirmou que o anarquismo é "a antítese extrema" do comunismo autoritário e do socialismo de estado . [17] Peter Marshall afirma que "o anarquismo geral está mais próximo do socialismo do que do liberalismo. ... O anarquismo encontra-se amplamente no campo socialista, mas também tem batedores no liberalismo. Não pode ser reduzido ao socialismo, e é melhor vista como uma doutrina separada e distinta. " [10] Segundo Jeremy Jennings , "é difícil não concluir que essas ideias", referindo-se ao anarco-capitalismo, "são descritos como anarquistas apenas com base em um mal-entendido do que é anarquismo." Jennings acrescenta que “o anarquismo não representa a liberdade desenfreada do indivíduo (como os 'anarco-capitalistas' parecem acreditar), mas, como já vimos, a extensão da individualidade e da comunidade”. [22] Nicolas Walter escreveu que "o anarquismo deriva do liberalismo e do socialismo tanto histórica quanto ideologicamente. ... Em certo sentido, os anarquistas sempre permanecem liberais e socialistas, e sempre que rejeitam o que é bom em qualquer um deles, eles traem o próprio anarquismo ... . Somos liberais, porém mais, e socialistas, porém mais. " [20] Michael Newman inclui o anarquismo como uma das muitas tradições socialistas, especialmente a tradição de alinhamento mais socialista seguindo Proudhon e Mikhail Bakunin . [18] Brian Morriss argumenta que é "conceitual e historicamente enganoso" "criar uma dicotomia entre socialismo e anarquismo". [19]
  3. ^ Uma definição comum adotada pelos anarquistas é que o anarquismo é um agrupamento de filosofias políticas que se opõem à autoridade e à organização hierárquica , incluindo capitalismo , nacionalismo , o estado e todas as instituições associadas, na condução de todas as relações humanas em favor de uma sociedade baseada na descentralização , liberdade e associação voluntária . Os estudiosos destacam que esta definição tem as mesmas deficiências da definição baseada no anti-autoritarismo (conclusão a posteriori ), anti-estatismo (o anarquismo é muito mais do que isso),[24] e etimologia (negação dos governantes). [25]

Fontes

Fontes primárias

  • Bakunin, Mikhail (1990) [1873]. Shatz, Marshall (ed.). Estatismo e anarquia . Cambridge Textos na História do Pensamento Político. Traduzido por Shatz, Marshall. Cambridge, Inglaterra: Cambridge University Press. doi : 10.1017 / CBO9781139168083 . ISBN 978-0-521-36182-8. LCCN  89077393 . OCLC  20826465 .

Fontes secundárias

Fontes terciárias

Leitura adicional

links externos